Sobre um tratado chinês de pintura | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
50801 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 24/1/2011
Sobre um tratado chinês de pintura
Ricardo de Mattos

+ de 5300 Acessos

"Foi humilhante ver como nossos colegas chineses sabiam tudo sobre Kant e Proust, sugerindo paralelos entre Lao Tsé e Nietzsche, enquanto a maioria dos europeus mal conseguia ir além de Confúcio." (Umberto Eco).

Há pouco mais de um ano, resolvemos passar isolados em Campos do Jordão a última semana de 2009. Carregamos o carro e subimos a serra com o espírito desprevenido, pensando apenas nas então recentes e substanciais alterações de nossa vida. Chegando ao destino, paramos na primeira padaria e abastecemo-nos do suficiente para o lanche da tarde e para o café da manhã seguinte. Pela noite soubemos, por um telefonema de casa, que nossa chegada fora notada e informada ao nosso pai por um senhor seu conhecido e cujo rosto não temos noção de como seja. Tal fato seria esquecido si, no último dia nove, o mesmo sujeito não tivesse feito a mesma coisa ao ver-nos passeando com a namorada na mesma cidade, quando buscávamos alívio para o calor. O dito popular é certeiro: "vou cuidar da minha saúde, pois da minha vida já tem quem cuide".

Restou destes eventos uma surpresa incômoda. Focados em nossas atividades ― primeiro a semana de descanso, depois a tarde de afetos ― desligamo-nos do mundo e esquecemos que outras pessoas também dão continuidade aos seus afazeres, ainda que tão chulos e desprezíveis como o controle da vida alheia. Em maior escala, isto o que pode ter acontecido com os colegas do autor d'O nome da rosa. Passaram a vida entretidos em suas paróquias acadêmicas, discutindo o que lhes é lícito discutir e devem ter esquecido que seus objetos de estudos e de infindáveis divagações também poderiam ser alvo do interesse de pessoas viventes em outro canto do planeta e dotadas de formação cultural e espiritual diversa. Decorre também a humilhação sentida: caso tenham viajado dispostos a apresentar e ensinar sobre seus escritores e filósofos aos acadêmicos chineses, voltaram de cabeça baixa, após descobrir que estes mesmos escritores e filósofos foram analisados sob um enfoque que não souberam acompanhar.

O sucedido encontra evento análogo no século XVII, quando Louis XIV "ofereceu sua amizade aos reis da Conchinchina, Tonquim e China", conforme relata Peter Burke no livro A fabricação do rei. O inglês acrescenta ser desconhecida "a impressão que o rei causou no imperador. Pelos padrões chineses, o soberano de 20 milhões de pessoas (Louis XIV) não devia parecer muito mais que um principezinho". Quando os vícios não cedem, a História repete-se.

Por isso, homenageemos as exceções. No ano passado chegou ao Brasil a tradução d'Anotações sobre pintura do monge Abóbora-amarga (Unicamp, 2010, 280 págs.), tido como o principal tratado chinês sobre esta arte. Fosse obra oferecida a seco, sua digestão seria inviável. Livram-nos disso os esclarecimentos do belga Pierre Rickmans (1935), premiado ensaísta, historiador, professor universitário, ficcionista e tradutor de obras chinesas. Seus comentários denunciam uma profunda imersão na cultura chinesa, um seguro conhecimento de suas bases.

"Abóbora-amarga" é um dos diversos pseudônimos de Shitao, monge pródigo neste aspecto, colecionador de cerca de outros trinta para assinar suas obras. Rickmans segue-lho exemplo, utilizando o cognome Simon Leys na autoria de seus romances entre os quais A morte de Napoleão, cujo filme nele baseado foi lançado no Brasil com o título A roupa nova do imperador. Mesmo "Shitao" não passa de um dos nomes monásticos de Zhu Ruoji (1642-1707). Aparentado com os membros da dinastia imperial Ming, foi escondido ainda criança num mosteiro por ocasião de tomada de poder pela dinastia Qing. No correr de sua existência e no exercício do autoconhecimento, concluiu que a Arte falava mais alto que a ordenação em seu íntimo. Apesar de apresentar-se como monge, deixou a vida recolhida para viver de seu trabalho. São dele todos os quadros desta coluna.

O leitor não encontrará na obra de Shitao simples conselhos a respeito de como bem pintar segundo os padrões inerentes àquele tempo e lugar. Ao contrário. Um tratado chinês de pintura, aprendemo-lo, pressupõe a exposição de todo o embasamento filosófico e cosmológico, a partir do qual o pintor exerce sua arte. Adiantemos que, para estes artistas, cada tela representa, proporcionalmente, um ato de criação análogo ao da criação do próprio Universo, de maneira que uma discussão sobre pintura pode facilmente derivar num debate filosófico ou mesmo teológico. Ele inaugura sua obra com a seguinte frase: "Na mais remota Antiguidade, não havia regras; a Suprema Simplicidade ainda não se havia dividido". Percebemos, portanto, que uma tela de, digamos, 20x34 centímetros pode ter o conteúdo não encontrado em qualquer bienal artística brasileira, quando alguém finge expor e outro alguém finge apreciar e "captar o sentido".

No tratado podem ser identificados elementos do confucionismo, do taoísmo e do zen-budismo. Diante desta tradição, pensar, refletir sobre um tema significa abordá-lo de acordo com as várias correntes existentes para formar uma conclusão própria e autônoma. No caso dos pintores, é com o pincel que eles expressam suas conclusões, quer no traço, quer na força empregada ao segurar o pincel, quer na quantidade de tinta ou mesmo na escolha e disposição dos elementos a serem pintados. Aqui enquadra-se a noção do "único traço de pincel": o ânimo do pintor, seu estado de espírito, deve ser estável na execução da totalidade da pintura. Começar um quadro bem disposto e terminá-lo melancólico produziria nuances perceptíveis aos especialistas.

Outros aspectos são abordados no tratado, como a atenção à Natureza e a rejeição ao vulgar. Da perfeita assimilação das leis naturais decorrerá a perfeição da obra. "Despojar-se da vulgaridade" inclui o excesso de detalhes. Si um ramo florido é suficiente para indicar a presença do pessegueiro na paisagem, torna-se dispensável pintar a árvore. Insistir na inclusão desta desqualificaria o pintor, e a pecha de "vulgar" poderia comprometer-lhe seriamente a carreira. Percebemos o que Shitao quis dizer quando precisamos ir até a cidade serrana de Santo Antonio do Pinhal buscar algo numa loja próxima à estação de trem. Num dia nublado, resolvemos aproveitar a viagem para ir até o chamado "mirante da santa" e deparamo-nos com forte cerração cobrindo o relevo em volta e o trecho do Vale do Paraíba que costumamos apreciar. Em certo momento, o vento descobriu apenas um pedaço de montanha. "Ele (o pintor) acolhe os fenômenos sem que eles tenham forma".

100!


Cena do cotidiano na redação do "Digestivo Cultural"

Bravo! No dia quinze de julho de 2002 foi publicada nossa primeira coluna no Digestivo Cultural. Hoje alcançamos a de número cem. Não incluímos na contagem a de apresentação. Quanto às coisas que aconteceram nestes anos todos, podemos citar o último versículo do Evangelho de João: "Si elas se escrevessem, uma por uma, penso que nem o mundo inteiro poderia conter os livros que se tinham de escrever".

Para ir além






Ricardo de Mattos
Taubaté, 24/1/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Do canto ao silêncio das sereias de Cassionei Niches Petry
02. Minha biblioteca de sobrevivência de Julio Daio Borges
03. Espírito e Cura de Ricardo de Mattos
04. Guerras sujas: a democracia nos EUA e o terrorismo de Humberto Pereira da Silva
05. Memória de Elefante de Carina Destempero


Mais Ricardo de Mattos

colunista_mais_acessadas_query=SELECT colunistas.iniciais, colunas.ano, colunas.acessos, colunas.codigo, colunas.titulo, colunas.dia, colunas.mes FROM chamadas, colunas, colunistas WHERE colunas.codigo = chamadas.coluna AND colunas.colunista = colunistas.codigo AND colunistas.iniciais = 'RM' AND colunas.ano = 2011 ORDER BY colunas.acessos DESC LIMIT 10 Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2011
01. Do preconceito e do racismo - 18/4/2011
02. Geza Vermes, biógrafo de Jesus Cristo - 7/3/2011
03. A lebre com olhos de âmbar, de Edmund de Waal - 5/12/2011
04. Clássicos para a Juventude - 27/6/2011
05. Sobre um tratado chinês de pintura - 24/1/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ESQUINA DOS AFLITOS
AFONSO CELSO RASO
OPERA PRIMA
(1998)
R$ 9,90



PORTUGUÊS ATRAVÉS DE EXERCÍCIOS
FERNANDO DOS SANTOS COSTA
ATICA
(1970)
R$ 6,90



PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO - QUESTÕES SOCIAIS
HELEN BEE
INTERAMERICANA
(1979)
R$ 34,00



DA GEHT KAFKA
JOHANNES URZIDIL
DTV
(1966)
R$ 29,00



O CONSOLADOR PROMETIDO POR CRISTO
JOÃO BATISTA
EDIÇÕES INTELIGENTES
(2007)
R$ 10,00



CÓDIGO ELEITORAL ANOTADO E LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR
TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL
TSE
(2012)
R$ 12,00



MUCHO ESPAÑOL PARA BRASILEIROS 1 C CD
ADDA-NARI M. ALVES E ANGÉLICA MELLO
MODERNA
(2002)
R$ 14,00



A CIDADE APONTADA PARA O CEU-COL. TIRANDO DE LETRA C/SUPLE DE LEITURA
LUIZ ANTÔNIO AGUIAR
ATUAL
(1988)
R$ 7,00



OS PÉS DE VERÔNICA E OUTRAS HISTÓRIAS
ANA MEDINA
RAZÃO CULTURAL
(1998)
R$ 6,90



FAZER O BEM FAZ BEM - 2ª EDIÇÃO
MARIA HELENA GOUVEIA
GENTE
(2001)
R$ 21,00





busca | avançada
50801 visitas/dia
2,6 milhões/mês