Você vem sempre aqui? | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
28946 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sesc Belenzinho recebe show de Zé Guilherme que lança quarto disco e comemora 20 anos de carreira
>>> Compositor Murray Schafer cria exercícios para melhorar audição e produção musical
>>> Cientistas políticos debatem reforma e crise política no Brasil
>>> Universidade do Livro abre duas turmas para Oficina de revisão de provas
>>> Primeiros escritos filosóficos de Adorno ganham tradução inédita em português
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
>>> As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon
>>> T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você)
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> Flauta Sincera
>>> Ciência & Realidade
>>> Amor
>>> Cágado
>>> Sonhos & Raízes
>>> É premente reinventar-se
>>> Contraponto
>>> Aparições
>>> Palavra final
>>> Direções da véspera I
Blogueiros
Mais Recentes
>>> movimento respiratório
>>> Sobre a leitura dos clássicos
>>> UM VENTO ERRANTE
>>> O enigma de Michael Jackson
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Cânticos à Rainha do Céu, por Walter Weiszflog
>>> O Capital no Século XXI, de Thomas Piketty, o livro do ano
>>> Entrevista com Jaime Pinsky
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
Mais Recentes
>>> A Gravidade e a Graça de Simone Weil pela Ece (1986)
>>> Trabalhismo e Socialismo no Brasil de Moniz Bandeira pela Global (1985)
>>> Ensaios Imprudentes de Roberto Campos pela Record (1986)
>>> Pedagogia da Autonomia de Paulo Freire pela Paz e Terra (2007)
>>> A ditadura Escancarada de Elio Gaspari pela Companhia das letras (2004)
>>> Revista Matraga 29 - Estudos Linguísticos e Literários de Ana Lucia de Souza Henriques (edição) pela Instituto de Filosofia e Letras - UERJ (1986)
>>> Planeta--177--curas-o avanço da radiestesia. de Editora tres pela Tres (1987)
>>> Planeta--405--atletas da mente. de Editora tres pela Tres (2006)
>>> A Civilização do Espetáculo de Mario Vargas Llosa pela Objetiva (2013)
>>> Planeta--261--o budismo conquista o ocidente. de Editora tres pela Tres (1994)
>>> Planeta--320--explorando a quarta dimensao. de Editora tres pela Tres (1999)
>>> Até Eu Te Encontrar de Graciela Mayrink Rold pela Aa (2011)
>>> O Temor do Sábio de Patrick Rothfuss pela Arqueiro (2011)
>>> O Jogador Nº 1 de Ernest Cline pela Leya (2015)
>>> Planeta--122--presidios naturalistas. de Editora tres pela Tres (1982)
>>> Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley pela Biblioteca Azul (2014)
>>> Os Pilares da Terra de Ken Follett pela Rocco (2012)
>>> Me Chame Pelo Seu Nome de André Aciman pela Intrínseca (2018)
>>> A Cabana de William P. Young pela Arqueiro (2008)
>>> Morte e Vida de Charlie St. Cloud de Ben Sherwood pela Novo Conceito (2011)
>>> O Guardião de Memórias de Kim Edwards pela Arqueiro (2007)
>>> O camarote vazio de Josué Montello pela Nova Fronteira (1990)
>>> Planeta--321--sabedoria eterna-a mensagem universal de jesus. de Editora tres pela Tres (1999)
>>> Os Crimes da Luz de Giulio Leoni pela Planeta (2007)
>>> Premiers Dialogues de Platon pela Flammarion
>>> Significação, Revista de Cultura Audiovisual No. 27 outono-inverno 2007 de A. J. Greimas, Ana Amado et alli pela Usp (2007)
>>> No Caminho de Swann de Marcel Proust pela Abril (1979)
>>> Cleopatra de Christian-georges e schwentzel pela L&pm
>>> Rêde de Dormir, Uma Pesquisa Etnográfica de Luís da Câmara Cascudo pela Ministério da Educação e Cultura (1959)
>>> Acabou-se o que era doce. de Gepp e maia pela Jornal da tarde
>>> O assassinato de idi amin de Leslie watkins pela Edibolso s.a
>>> Os grandes atentados--3. de Editora tres pela Tres
>>> Uma História de Rabos Presos de Ruth Rocha pela Salamandra (1989)
>>> Histórias do Amor Maldito de Vários Autores pela Record (1967)
>>> A História de Vivant Lanon de Marc Cholodenko pela Brasiliense (1986)
>>> Oposição Operária -1920/1921 de Alexandra Kollontai pela Global (1980)
>>> Amar, Verbo Intransitivo de Mário de Andrade pela Villa Rica
>>> O Tiro Perfeito de Alfred Hitchcock pela Nova Época
>>> Tocaia Grande de Jorge Amado pela Record
>>> O Caminho da Tranquilidade de Dalai-Lama pela Sextante (2000)
>>> Ícone de Frederick Forsyth pela Record (1999)
>>> Mais que Amigos de Barbara Delinsky pela Bertrand Brasil (2002)
>>> T. N. T. Nossa Força Interior de Claude M. Bristol e Harold Sherman pela Ibrasa (1980)
>>> Ana Karênina de Leão Tolstói pela Abril Cultural (1971)
>>> O Senhor do Mundo de Julio Verne pela Matos Peixoto (1965)
>>> O Alquimista de Paulo Coelho pela Klick
>>> Diário de Giovanni Papini pela Nacional (1966)
>>> O Estoicismo Romano - Sêneca, Epicteto, Marco Aurélio de Reinholdo Aloysio Ullmann pela Edipucrs (1996)
>>> Complexo de Cinderela de Colette Dowling pela Melhoramentos (1995)
>>> Nada de Novo no Front de Erich Maria Remarque pela Abril Cultural (1981)
COLUNAS

Sexta-feira, 5/8/2011
Você vem sempre aqui?
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4000 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Dado que hoje existem muitas, talvez dezenas de, maneiras de conhecer pessoas, eu me peguei dedicada a pensar nisso, mas, principalmente, em uma certa história de "longa duração" da maneira como conheci certas gentes nesta minha vida que já se aproxima aí das idades terminadas em "enta".

Como conheci você, leitor? Ainda não, não é mesmo? Mas muitos sei que sim, que conheci em congressos (como é o caso do Miguel, de São Paulo, ou do José, também de Sampa), portanto, presencialmente. Mas outros, não, outros conheci na rede, na web, conforme a moda de então ou o software que a suportasse.

No final da década de 1990, havia um jeito: os chats. Mas não eram estes chats fechadinhos, com pessoas pré-requisitadas. Eram chats abertos, num estilo que fazia lembrar um pouco os serviços de "disque amizade". Os chats do UOL talvez fossem os mais badalados. E mesmo cheios de gente e lotados de ações protocolares, não eram o que chamamos hoje de "redes sociais". Eram chats que promoviam papos entre pessoas (distantes geograficamente até) e, talvez, encontros presenciais. E foi assim que conheci o Pedro, dentista e músico, que travava papos engraçadíssimos comigo nos meus intervalos de aula, enquanto eu ainda fazia faculdade. Dessa amizade virtual nasceram outras, muitas, que se juntaram, mais tarde, em um blog (o Corvo) e resultaram em reuniões presenciais inesquecíveis no Rio, em São Paulo e em Belo Horizonte, pelo menos.

Na mesma época, conheci, não sei mais em que chat, o Beto, em quem ainda hoje descarrego doses cavalares de ansiedade e tristeza, nas horas ruins, e outras tantas doses de carinho, em momentos em que estou feliz. O Beto almoçou comigo muitas vezes, quando eu trabalhava na editora. E ainda hoje vigia meus voos no aeroporto de Confins.

A Marize, quase madrinha do meu ex-casamento, teve muita relação com a existência palpabilíssima do meu filho, realíssimo e incontido. Foi na gestão da amizade dela que conheci o JR, escritor fluminense que me fulminou com cantadas inescapáveis, à época. No entanto, não foi em chat que conheci o ex. Foi por e-mail.

Alguém imagina uma história dessas? Conhecer alguém por e-mail, namorar, engravidar, casar, separar (nessa ordem, mais ou menos)? JR é jornalista e à época participava de um coletivo desses meio locais que querem promover a literatura e, de quebra, dominar o mundo. Bom, dava certo. E eu era uma escritora meio iniciante, fêmea nesse mundo literário testosterônico, em 2002 ou 2003, autora de um blog razoavelmente conhecido (a Estante de Livros) e disposta a fazer turnês literárias pelo país.

Nos idos de 2002, havia encontros da Libre, Liga de editoras de pequeno porte que promovia (e ainda promove, graças a Deus) a Primavera do Livro. O charme era irresistível. O da Primavera, não exatamente o do JR. Mas o negócio foi que ele me entrevistou para uma revista eletrônica e essa entrevista gerou uma cascata de outros e-mails, que evoluíram para telefonemas e, numa Primavera, tornaram-se encontros presenciais. Isso deu em filho, casamento e tal e coisa. Essas mesmas possibilidades digitais ajudaram, e muito, a dar cabo desse casamento.

A web mexeu com as redes sociais que já estavam aí. A web aumentou as chances de os laços se formarem e se fortalecerem. Manter laços com amigos do colégio nunca foi tão fácil. E nunca foi tão difícil extinguir as pistas do que a gente está fazendo na vida. Isso sem falar no garimpo de encontrar pessoas do passado remoto dando sopa na internet hoje. Prós e contras, como em tudo.

Conheci Jaqueline na web, pelo Twitter, no ano passado ou antes um pouco. Pesquisadora, simpática, carioca sorridente, só fomos nos encontrar durante um congresso em Recife, em 2010. E quando nos vimos, foi só atualizar uma sensação de "eu te conheço". Em geral, o estranhamento vem por causa da foto. Jaque corresponde quase exatamente ao seu avatar, mas em muitos casos isso deve se transformar em uma completa reconfiguração. E os avatares são motivo de muito incômodo meu. Por que o avatar é quase sempre bonito, caprichado e mentiroso? Porque avatares são discurso, minha gente. São estampa, identidade e quimera.

O avatar é relativamente novo. Quando entrávamos em chats para conhecer pessoas não havia avatar, foto ou imagenzinha para nos promover. Se quiséssemos, era por e-mail que vinham as fotos dificultosamente escaneadas em casa (ou no trabalho). O avatar, hoje, é uma produção e meia.

Conheci a Ana quando tínhamos mais ou menos uns dois anos de idade. Eu de um lado do muro, ela, do outro. Fomos amigas e vida toda. Hoje ela mora em Portugal e eu, quase no mesmo bairro daquele muro chapiscado pelo qual nos comunicávamos. Mas como fico sabendo da Ana hoje? Pelo Twitter, por e-mail e pelo Facebook. Falo com ela com uma frequência que teria sido intransponível umas décadas atrás, principalmente porque avião era caro.

Conheço centenas de pessoas pelo Twitter. Todo dia alguém quer ser meu amigo. Talvez meu próximo namorado, meu próximo amigo ou amiga, meu próximo marido ou minha próxima desilusão esteja lá, atrás de alguma daquelas bolinhas verdes do Facebook ou de algum avatar malhado e seminu no quadradinho ao lado. Vai saber? O negócio é que as amizades não foram menos leais e os namorados não foram mais infiéis pescados na web do que presencialmente, naquele velho esquema "me apresenta seu amigo de camisa azul". Ah, sim, as chances de infidelidade talvez tenham aumentado muito. Nisso creio quase sem chance de contra-argumentação. Mas as chances de se desvendar sacanagens também cresceram. Todo mundo é um pouco hacker; e todo mundo é um pouco incompetente como criminoso. Agora, as chances de amizade, ah, essas acho que cresceram também, tanto das novas quanto da manutenção das antigas.

O que não dá mais (faz tempo) é para separar web e "realidade". Está tudo dominado, junto e misturado. Conheci o João porque comprei um livro dele, enviei uma carta pelos Correios, na qual eu dava meu e-mail, e ele me enviou um e-mail simpático. Júlio Daio Borges, editor desta perpétua casa, recebeu um jornal impresso pelos Correios no qual havia um perfil meu. Buscou, pesquisou e me achou na web, com blog e tudo. Daí partiu o convite para esta coluna que já dura 8 anos e me dá tanta alegria quanto meu filho (admito que a coluna me dá menos preocupação). Conheci melhor pessoas que estavam ao meu lado porque pude compartilhar ideias com elas por algum espaço virtual, como é o caso do Boave. E as pessoas que eu nunca encontrei, mas que participam da minha vida com mais intensidade do que meus vizinhos?

Conhecer pessoas continua difícil e melindroso. Gostar das pessoas continua improvável. Confiar nas pessoas se mantém uma tarefa hercúlea. A gente só não pode reclamar mais da falta de jeito.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 5/8/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O caso Luis Suárez de Humberto Pereira da Silva
02. Os Insones, de Tony Belloto de Gabriela Vargas
03. Sábado, de Ian McEwan de Jonas Lopes
04. Giuseppe Ungaretti e a alegria do náufrago de Martim Vasques da Cunha
05. Um bar em permanente construção de Rafael Lima


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2011
01. É possível conquistar alguém pela escrita? - 21/1/2011
02. Meus livros, meus tablets e eu - 15/4/2011
03. Você viveria sua vida de novo? - 18/2/2011
04. Pressione desfazer para viver - 17/6/2011
05. Bibliotecas públicas, escolares e particulares - 20/5/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/8/2011
01h04min
É um privilégio o contato permanente com essa artista: uma mulher de caráter, fibra e de uma ternura que ela nem sabe dimensionar, mas que é perceptível aos que ousam aceitá-la e, acima de tudo, admirá-la. E que venha a coletânea dos textos do Digestivo! Abraços.
[Leia outros Comentários de Érico San Juan]
7/8/2011
20h41min
Ana Elisa, quando posso e consigo... gosto de comentar seus posts. Neste não farei grandes 'discursos', quero somente parabeniza-la pelo o que escreve sempre e corretamente! Também eu descobri 'bons' amigos pela Internet, muitas vezes são mais sinceros se comparados com os que não são 'virtuais', mostram maior sensibilidade mesmo para 'não concordar' com o que postamos... talvez por estarem 'distantes'... 'cara a cara' pode ficar mais difícil. Mesmo que não seja um amigo seu em nenhuma rede social, a vejo sempre por aqui... e gosto do que leio... Abs. I. Boris Vinha
[Leia outros Comentários de I. Boris Vinha]
2/9/2011
22h44min
Oi, Ana, tem tempo que não "vejo voce", mas hoje, particularmente, sinto melancolia em suas palavras. Você tem razão. Viver, fazer novas amizades, e conservá-las, é extremamente difícil, mas... a gente consegue. Desde que comecei a ler tua coluna, não consigo abrir o digestivo, sem ler "voce". Às vezes passamos por caminhos que não entendemos: sofremos, amamos e aprendemos que tudo na vida tem seu tempo para acontecer. De uma coisa tenho certeza, as boas amizades ficam para sempre. Deus te ilumine.
[Leia outros Comentários de solange boy]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




GEOGRAFIA: O MUNDO EM TRANSIÇÃO - VOLUME ÚNICO - ENSINO MÉDIO
JOSÉ WILLIAM VESENTINI
ÁTICA
(2014)
R$ 39,91



O SONHO DE EVA
CHICO ANES
NOVO CONCEITO JOVEM
(2012)
R$ 23,28



O VAMPIRO LESTAT
ANNE RICE
ROCCO
(1999)
R$ 17,90



O MONGE E O EXECUTIVO
JAMES C. HUNTER
SEXTANTE/ GMT
(2018)
R$ 32,00
+ frete grátis



A NOITE DA MEMÓRIA
PÉRICLES EUGÊNIO DA SILVA RAMOS
ART
(1988)
R$ 30,00



O ENCONTRO DE LAMPIÃO COM SATURNINO NO INFERNO
LUIZ GONZAGA DE LIMA
LUZEIRO LTDA
(2016)
R$ 7,00



STRESS - VOCÊ PODE SER O PRÓXIMO - PREVINA-SE
JOÃO VILAS BOAS
PARADIGMA
(2010)
R$ 6,90



ENCONTROS, DESENCONTROS & REENCONTROS
MARIA HELENA MATARAZZO
GENTE
(1996)
R$ 25,00



LUZ E SOMBRAS
LUDWING WITTGWNATEIN
MARTINS FONTES - MARTINS
(2018)
R$ 15,00



A SELEÇÃO
KIERA CASS
SEGUINTE
(2014)
R$ 29,13





busca | avançada
28946 visitas/dia
1,0 milhão/mês