A revista Veredas e os mil minicontos | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Crítica à arte contemporânea
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
Mais Recentes
>>> A Loucura de Tristão (La Folie Tristan) de Anônimo Francês do Século XII(Trad.? Autografo): G. D. Leoni pela Rassegna Brasiliana/ SP. (1965)
>>> A Religião viva do Cristo de Cesar D' Almeida Campos pela Livraria Cultura (1951)
>>> Evangelho da Solidão de Eduardo de Oliveira pela Cupolo (1969)
>>> Villa-Rica de Alcibiades Delamare pela Nacional (1935)
>>> Revista do Arquivo Municipal Clxvii (167) de Nicanor Miranda/alceu Maynard Araújo pela Depart. de Cultura (1962)
>>> La Celestina de Fernando de Rojas pela Madrid (1959)
>>> Economia e Sociologia de Adolf Lowe pela Revista Forense (1956)
>>> Movimento Praieiro:imprensa, Ideologia e Poder Politico de Izabel Andrade Marson pela Contemporanea (1980)
>>> Perfil do Mercado Consumidor:de Santo André e da Grande São Paulo de Felicio P. Benatti pela Fund. Santo André (1969)
>>> A Força Invisível de Wayne W. Dyer pela Sextante (2007)
>>> Revista de Educação:AEC, A Atualidade do Começo. Ano. 35 julho / Se... de Olmira Bernadete Dassoler pela Salesianas (2006)
>>> As Tres Prosas: a Pobre, a Rica e a Nova- Rica (conferência...) de Agostinho de Campos pela Livr. Ailaud e Bertrand/ Lisboa (1923)
>>> XXll de Agosto de Nelson de Souza Carneiro pela Nacional (1933)
>>> São Francisco de Sales de Abbe Jacques Leclerq pela Vozes (1957)
>>> Os Dogmas do Espiritismo de Rosalina Calmon dos Santos pela Arte Moderna
>>> La puerta Cerrada de Simón H. pela Esoteria (1981)
>>> Os Galos da Aurora de Hélio Pólvora pela Civilização Brasileira (1958)
>>> O Triumpho das Forças Mentaes de O. S. Marden pela América Latina (1929)
>>> Anuário Militar 1987 de John Pimlott pela Globo (1987)
>>> Cannaviaes de Alberto Deodato pela Rio de Janeiro (1922)
>>> Introdução á Poesia de Augusto dos Anjos de Júlio de Oliveira Martins pela Livraria Brasil (1958)
>>> Um dia depois do outro de Antonio de Almeida Prado pela Clube do Livro (1965)
>>> Um dia depois do outro de Antonio de Almeida Prado pela Clube do Livro (1965)
>>> As Tres Prosas: a Pobre, a Rica e a Nova- Rica (conferência...) de Agostinho de Campos pela Livr. Ailaud e Bertrand/ Lisboa (1923)
>>> Trinta Anos Depois da Volta de Octavio Costa pela Biblioteca do Exército (1976)
>>> 2194 Giorni Di Guerra de Mondadori pela Ediouro (1979)
>>> Encyclopedia of the Vietnam War de Stanley I. Kutler pela Charles Scribners (1996)
>>> O Encontro Marcado de Fernando Sabino pela Record (1988)
>>> Foguetes e Mísseis da III Guerra Mundial de Robert Berman e Bill Gunston pela Livro Técnico S/A (1983)
>>> A Segunda guerra mundial (Vol. 2 Somente esse Volume) de Raymond Cartier pela Primor (1975)
>>> Os Aviões de Enzo Angelucci pela Arnoldo Mondadori (1975)
>>> lua de Mel em Portugal de Marco Antonio pela Pin
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Richard Bach pela Nórdica (1970)
>>> Epigramário de J. Dias de Moraes pela O Autor
>>> O livro de Ouro da Poesia Religiosa Brasileira de Jamil Almansur Haddad pela Edições de Ouro (1966)
>>> São José do Rio Preto:1852 / 1894 de Agostinho Brandi pela Rio-Pretense (2002)
>>> A Abertura dos Portos do brasil de Pinto de Aguiar pela Progresso (1960)
>>> Hawaii Açucareiro de Apolonio Sales pela IPA (1937)
>>> Desidério Desiderávi de Frei Carmelo Surian O. F. M. pela Vozes (1957)
>>> Pearl Harbor de H.P. Willmott pela Livro Técnico S/A (1981)
>>> O Orfeão na escola nova de Leonila Linhares Beuttenmuller pela Irmãos Pongetti (1937)
>>> Robson Crusoé de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1988)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Economico do Brasil de José Papa Júnior pela Nacional (1983)
>>> No Hospital das Letras de Afranio Coutinho pela Tempo Brasileiro (1963)
>>> Fim de Primavera de Edvard Camilo pela Globo (1921)
>>> Corpos de Elite do Passado de Dominique Venner pela Ulisseia (1972)
>>> Tonico de José Rezende Filho pela Ática (1984)
>>> A brigada portyguara 1a Edição de Almicar Salgado dos Santos pela Nacional (1925)
>>> La France en Gènèral de André Frossard pela 'Plon (1975)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Econômico do Brasil de José Papa Júnior pela São Paulo (1983)
COLUNAS

Sexta-feira, 23/9/2011
A revista Veredas e os mil minicontos
Marcelo Spalding

+ de 6200 Acessos

Os leitores que me acompanham há tantos anos aqui no Digestivo sabem que não gosto de falar de mim, de meus livros, etc, mas me permitam nesta coluna contar a história da Revista Veredas, um site hoje dedicado ao miniconto que surgiu no longínquo ano de 1998 e dura até hoje, sendo uma referência no gênero.

O surgimento remonta ao tempo em que eu ainda estava na escola, Ensino Médio, e ao lado de um amigo, Rodrigo Link, resolvemos editar uma revista de literatura para publicar os textos de nossos colegas de escola. O primeiro texto inédito, feito a quatro mãos, se chamava "100 coisas para fazer antes que o mundo acabe", ironizando aquela histeria do fim do mundo na virada 99/2000. Bem, aquelas primeiras edições eram feitas em HTML no Bloco de Notas, depois em Front Page com seus inconfundíveis frames, hoje tão grosseiros.

Daí em diante, terminamos a escola, eu fui fazer Jornalismo, ele seguiu para a Física, mantive a newsletter primeiro semanal, depois mensal (um pouco inspirado no sucesso do Cardoso Online), e quando entrei no mestrado e comecei a estudar o miniconto resolvi mudar a cara da revista, convidando a querida Ana Mello para ser editora.

Certo, e por que lembrar disso agora? Acontece que nesse mês de agosto aconteceram dois fatos marcantes para a Veredas e para nós: primeiro, chegamos a 1000 minicontos publicados, textos dos mais variados autores, das mais variadas cidades, do Brasil e de Portugal. Todos os textos são enviados pelos próprios autores e, na grande maioria, são inéditos. Segundo: a revista Veredas foi parar nas páginas de um livro didático como referência de minicontos. Sim, foi no "Viva Português", de Elizabeth Campos, Paula Marques Cardoso e Sílvia Letícia de Andrade, da Editora Ática.

Episódios como esse são interessante porque evidenciam como, aos poucos, aquela geração que conheceu fascinada a internet discada e montou os primeiros sites de cada assunto vai se tornando parte da história (são pessoas que navegavam no Netscape e faziam buscas no Altavista, participavam de chats no ZAZ e trocavam mensagem com amigos no ICQ). E como aqueles sites, antes marginalizados num sistema de comunicação de massa, têm se institucionalizado.

Voltemos ao Veredas de hoje e seus mil minicontos. O miniconto, como se sabe, é um gênero que encontrou grande aceitação na internet, onde tudo é muito rápido e as pessoas não têm tempo (ou paciência) para ler textos longos. Muitos perguntam qual o limite de tamanho do miniconto, mas prefiro não falar em limites, e sim pensar na necessidade do texto: se um texto pode ser completo e ainda causar um efeito no leitor com dez linhas, duas linhas, duas palavras, ótimo! Senão, sem problemas, vá adiante e faça um conto, o importante é não forçar, cortar, espremer uma história em determinado número de linhas apenas por questões formais.

Entre os mínis do Veredas há alguns bem curtos, como um dos destacados pelo livro:

NÃO FICAREI SOZINHA, de Eduardo Oliveira Freire

A boneca escondeu-se na mala onde estava guardado o enxoval de casamento da amiga.

CLIMA, de Tamara Rosa

Ela chuva, ele sol.

Este último, aliás, foi produzido por uma aluna da escola Ruben Darío, de Sapucaia do Sul, o que nos deixa muito satisfeito, pois além de editar a Revista, a Ana Mello e eu (além da Laís Chaffe) participamos de diversas oficinas de minicontos, inclusive uma inesquecível no SESC Copacabana (Rio de Janeiro) de onde saiu essa pérola:

DEPOIS, de Fábia Schnoor

Gostava que mexessem em seus cabelos.
Lembrava que estava vivo e de como a infância e o câncer tinham ficado para trás.

Gosto muito desses mínis curtos, certeiros. Cortázar dizia que enquanto o romance vence por pontos, o conto vence por nocaute. Pois o miniconto deve vencer por nocaute no primeiro soco do primeiro round.

CONSOLO, de Valesca de Assis

Às vezes a mãe fica nervosa e me põe de castigo e me chama de menino malvado. Então, antes de chorar, tiro do bolso um papelzinho onde ela limpou o batom e beijo o beijo dela.

ALÍVIO, de Marli Fiorentin

Ana acordou num sobressalto de madrugada. Ainda meio adormecida, custou a entender, em meio a vozes alteradas e choros: "Pedro morreu". Escorregou devagar para baixo das cobertas. Imóvel, respiração presa, temia ouvir que tinha sido engano. Era bom demais para ser verdade.

Esse primeiro soco pode demorar um pouco mais, exigir alguma atenção para fisgar o leitor, até porque fazer rir é mais fácil do que emocionar. Vejamos esse exemplo de Leonardo Brasiliense, um premiado minicontista e frequente colaborar da Veredas:

SOLIDARIEDADE, de Leonardo Brasiliense

Numa esquina da avenida mais movimentada, às sete da noite, o sinal fica verde, entretanto a carroça do papeleiro não se mexe. Os motoristas começam a buzinar. O papeleiro agita as rédeas, faz um som esquisito com a boca, e nada adianta. O cavalo empacou. Os motoristas, já numa fila de incontáveis faróis e buzinas, com o que lhes resta de forças depois de mais um dia cansativo e estressante em seus escritórios e repartições, gritam, xingam, amaldiçoam. O papeleiro, por sua vez, com o que lhe resta de fôlego depois de mais um dia de sol pelas ruas da cidade, os braços fracos de abrir lixeiras desde as seis da manhã, desce da carroça empunhando um cabo de vassoura e grita, bate, espanca. E o cavalo, com o que lhe resta de si depois de mais um dia que ele nem sabe que passou, com a fome de hoje somada à de ontem e anteontem que o deixam lerdo e confuso, ajoelha-se, de olhos fechados, como quem reza para morrer.

Ou este, de Wilson Gorj, outro contumaz escritor de minicontos, colaborador do Veredas e autor de diversos livros:

INFLÁVEL, de Wilson Gorj

Só transava com prostitutas. Na milésima transa, algo espantoso aconteceu. De repente, sentiu o corpo esfriar, mas de tal maneira que sua parceira acreditou tê-lo matado de prazer. O homem não se mexia mais: boca e olhos abertos para o nada.
Acabara de sofrer uma transmutação. Sua pele mudara de textura. Parecia borracha.
No lugar de músculos, apenas ar.

A relação com a poesia também está sempre presente, seja pela forma, seja pela subjetividade. Mas o miniconto, diferente do poema curto, requer uma narrativa, uma sucessividade e, acima de tudo, deve causar um efeito no leitor.

OLHAR ANIMAL, de Luiz Eduardo Amaro

Observou-a com olhos de lobo.
Aproximou-se com olhos de lince.
Atacou-a com olhos de águia.
Suplicou-lhe com olhos de poodle.
Retirou-se com olhos de burro.
Ela nunca assistia ao Animal Planet.

Evidentemente nem todos os mil e tantos minicontos da Veredas figurariam numa edição em livro, digamos assim, da própria revista. Mas talvez esse seja outro mérito da internet, a diversidade: há estilos, formas e conteúdos dos mais variados. O editor de uma revista web não é como o editor de um livro: o editor de um livro seleciona poucos entre muitos, enquanto o editor web filtra muitos entre muitos, ampliando e incentivando a participação do leitor, mas garantindo credibilidade para a revista que edita.

Enfim, escrevo este texto e repito aqui o endereço da Veredas não para pedir mais leitores, mas para pedir que você envie seu texto para nós e ajude a formar esse mosaico minimalista e plural: www.veredas.art.br.



Marcelo Spalding
Porto Alegre, 23/9/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Convite ao 'por quê?' de Edson Vitoretti
02. Quando a poesia me surpreende com seus chás de Ana Elisa Ribeiro


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2011
01. História da leitura (I): as tábuas da lei e o rolo - 25/2/2011
02. História da leitura (II): o códice medieval - 18/3/2011
03. História da leitura (III): a imprensa de Gutenberg - 1/4/2011
04. O certo e o errado no ensino da Língua Portuguesa - 3/6/2011
05. A revista Veredas e os mil minicontos - 23/9/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A IMIGRAÇÃO JAPONÉSA EM SÃO BERNARDO DO CAMPO
ADEMIR MEDICI
FAC
(1983)
R$ 100,00



MISTÉRIOS DA PINDORAMA
MARION VILLAS BOAS
BIRUTA
(2000)
R$ 21,59



CIDADE DOS ANJOS CAÍDOS (VOL.4 OS INSTRUMENTOS MORTAIS)
CASSANDRA CLARE
GALERA RECORD
(2014)
R$ 19,00



CRIATURA CONTRA CRIADOR
SARAH K.
SM
(2016)
R$ 10,00



UMA PROVA DE CORAGEM
RITA FOELKER
EME
(1993)
R$ 8,00



MEMORIAS DE UM SARGENTO DE MILICIAS
MANUEL ANTONIO DE ALMEIDA
OBJETIVO
(1997)
R$ 5,00



LOUCURAS DE UMA PAIXÃO
MARIA ESTELA ORLANDELI
PETIT
(2018)
R$ 18,00



MORTE E VIDA POSITHIVA
BETO VOLPE
REALEJO
(2016)
R$ 46,00



TERAPIA DA SOLIDÃO
DANIEL GRIPPO
PAULUS
(2005)
R$ 6,90



GO GIRL - TODA HISTÓRIA TEM DOIS LADOS - VERDADE OU DESAFIO?
MEREDITH BADGER
FUNDAMENTO
(2011)
R$ 34,50





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês