Sideways Rain: Pausa, Choque, Fluxo e Corpo | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
107 mil/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “Sempre mais que um” tem apresentações no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Projeto Memória leva legado de Lélia Gonzalez a 7 capitais
>>> '1798 - Revolta dos Búzios' chega ao cinemas
>>> IV Cinefestival International de Ecoperformance divulga sua programação
>>> O Shopping Praça da Moça debuta com show exclusivo da Família Lima
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A Poética do Extravio, Júlio Castañon Guimarães
>>> Armazém de secos e molhados
>>> Uma nova aurora para os filmes
>>> Jornal da Cultura - 17/11/2014
>>> Páginas e mais páginas da vida
>>> No final do telejornal tinha um poeta...
>>> No final do telejornal tinha um poeta...
>>> Máfia do Dendê
>>> CaKo Machini
>>> Alberto Dines sobre a Copa
Mais Recentes
>>> Circuitos Elétricos - Sexta Ed. de James W. Nilsson; Susan A. Riedel pela Pearson Education Do Brasil (2003)
>>> Inteligência Emocional Na Gestão De Resultados de Lee Gardenswartz; Jorge Cherbosque; Anita Rowe pela Laselva (2012)
>>> Os Rolling Stones No Brasil: Do Descobrimento A Conquista, 1968-1999 de Nelio Rodrigues pela Ampersand (2000)
>>> Nosso Lar de Pelo Espirito Andre Luiz, Francisco Candido Xavier pela Feb (2007)
>>> Sinatra de Richard Harvers pela Dorling Kindersley (2004)
>>> O Brasil Em Sobressalto de Oscar Pilagallo pela Publifolha (2002)
>>> O Exercito Brasileiro E A Amazonia - The Brazilian Army And The Amazon de Exército Brasileiro pela Brasilia: Exercito Brasileiro (2024)
>>> Livro Cidadania E Competitividade: Desafios Educacionais Do Terceiro Milênio de Guiomar Namo De Mello pela Cortez (2000)
>>> Historia das Relações Internacionais do Brasil de Raul Mendes Silva / Clóvis Brigagão pela Cebri (2024)
>>> Agulhas Negras de Ac& m pela Ac&m (1993)
>>> As Aventuras De Sherlock Holmes de Arthur Conan Doyle pela Principis (2019)
>>> Dicionário de Espiritualidade de Edições Paulinas pela Edições Paulinas (1989)
>>> Livro Você Globalizado: Dez Estratégias Para Atuar Como Um Executivo Global de Susan Bloch pela Rai (2011)
>>> Riquezas da Mensagem Cristã de D. Cirilo Folch Gomes pela Lumen Christi (1981)
>>> Sistema De Ensino Positivo, 7º Ano - Língua Inglesa Vol. 1,2,3 e 4 de Kenedy Rufino pela Cia. Bras. de Educação e Sistemas de Ensino (2023)
>>> diarios y Memorias de la Guerra del Pacifico Primer Tomo de Arturo Costa de la Torre pela Pacena (1980)
>>> As Aventuras De Pinóquio de Carlo Collodi pela Martin Claret (2002)
>>> The Warren Court And American Politics de Lucas A. Powe Jr. pela Belknap Press: An Imprint Of Harvard University Press (2002)
>>> Livro Professor de 1º Grau : Identidade em Jogo - Magistério Formação e Trabalho Pedagógico de Ezequiel Theodoro da Silva pela Paparius (1995)
>>> Santos de Cada Dia III de José Leite pela Braga
>>> Brasis, Brasil, Brasília de Gilberto Freyre pela Livros do Brasil
>>> Simbiose e Ambiguidade de José Bleger pela Francisco Alves (1985)
>>> Gossip Girl : Nunca Mais ! - Vol. 8 de Cecily Von Ziegesar pela Galera Record (2007)
>>> Crime e castigo vol 1 e vol. 2 de Dostoievski pela Abril (1979)
>>> A Casa Da Praia (pocket) de Beth Reekles pela Astral Cultural (2019)
COLUNAS

Terça-feira, 10/1/2012
Sideways Rain: Pausa, Choque, Fluxo e Corpo
Duanne Ribeiro
+ de 4500 Acessos

Braços e pernas tesos e alongados, surge no canto o primeiro bailarino, similar a um animal pesado e vagaroso, quiçá ancestral. O fluxo irrompe insuspeito e não terá fim: os dançarinos sucessivamente atravessarão o palco de um lado a outro, como que em "corredores" diferentes, divisões abstratas do espaço cênico. A coreografia Sideways Rain, do grupo suíço de dança contemporânea Alias, tem um caráter hipnótico e só é interpretada de modo oblíquo, isto é, não diretamente, mas sentindo o sentido aos poucos. De que é que se trata? Do aleatório histórico que nos levou de bicho à gente? Da escassez de contato humano no cotidiano? Do choque como oportunidade de vida?

O espetáculo foi apresentado no 11º Panorama Sesi de Dança, em dezembro. Estreado em 2010, é o mais recente da companhia. Outro de seus trabalhos também foi exibido no festival: Le Poids des Éponges, de 2002. O Alias tem cerca de 20 produções, com mais de 500 execuções em várias partes do mundo. Seu diretor e fundador, Guilherme Botelho, é brasileiro; iniciou a carreira em São Paulo, passou pelo Ballet of the Grand Théâtre, de Genebra, na Suíça, e em 1993 criou o grupo. Assista a trechos das peças.

Após o primeiro dançarino, outros avançam da mesma maneira. É um primeiro modo de ser (uma primeira manada?). Os movimentos dos grupos seguintes são variados; eles se arrastam de costas, nádegas no chão, pernas flexionando e dando impulso; sentados com os joelhos dobrados, de frente para a plateia, deixam-se pender para o lado, caem, giram e voltam ao equilíbrio original; elegantes, lançam uma perna esticada a frente, como em um golpe de arte marcial; rodam, os pés plantados, mãos também no solo, quase o típico da capoeira. Quatro, cinco deles executando o mesmo padrão, como num balé; devagar ou às vezes tão velozes que são como vultos cruzando o espaço cênico.

E enfim um homem que anda. Depois de assistir a tantas variedades, o bipedismo surge quase gloriosamente. A cena remete ao processo evolutivo que gestou o humano. Pés na terra e postura ereta livraram as mãos para utilizar ferramentas, aperfeiçoaram o uso de energia pelo corpo, estimularam o crescimento do cérebro e ainda outras modificações. Em O Corpo Diz Sua Mente, Stanley Keleman destaca, nessa transformação, o efeito na nossa atitude frente ao mundo: "No caso dos animais quadrúpedes e que se agacham, a frente da cabeça conduz o contato. Eles recebem o mundo com a visão e o olfato. Mas, para o ser humano, toda a parte frontal do corpo conduz o contato - não só os olhos, o nariz e os ouvidos, mas também o peito, a barriga e os órgãos sexuais. Todo esse calor e contato expandidos conduzem, agora, o movimento. É isto que significa ficar de pé".

A naturalidade, a destreza com que outras formas de locomoção foram desempenhadas dão a impressão de que esta é só mais uma escolha entre tantas. Como seria o mundo se nos movêssemos diferentemente? A problemática da acessibilidade indica como apenas esse fator tem consequências arquitetônicas, tecnológicas, sociais.

Anomalia
Os vários modos de ser passam a conviver no palco. Correm como atletas olímpicos ou andam de costas, lentos e também impossivelmente rápidos. Quando um deles pára, isso é um verdadeiro acontecimento - a anomalia no fluxo. Destaco um desses eventos.

Imóvel e aparentemente confuso, ele estende o braço e segura a mão de uma mulher - todos os outros, em pontos variados, repetem o mesmo gesto, porém a ninguém. Poucos segundos em que todo o grupo está paralisado e que são carregados de tensão. Não dura. Ela se solta e continua sua marcha. Logo, alguém se choca com aquele homem parado e lhe transmite seu movimento, estacionando, por sua vez. O mero toque convulsiona toda a estrutura; o contato humano é raro, se dá apenas no impacto.

Ideia muito semelhante foi expressa em Crash - No Limite. Na primeira frase do filme é dito: "Em Los Angeles, ninguém toca em você. Estamos sempre atrás de metal e vidro. Acho que sentimos tanta falta desse toque que nos chocamos uns com os outros, só para sentirmos alguma coisa" (original aqui). Seguem-se histórias individuais que acabam se colidindo. O conflito revela aspectos pessoais desconhecidos para o indivíduo e também aproxima as pessoas, paradoxalmente.

Também se pode aproximar o espetáculo ao diagnóstico de Denis de Moraes sobre as relações simbólicas, sociais e culturais de nossa época no texto "A Tirania do Fugaz". O autor diz: "Vivemos com aturdida incredulidade, um tempo de velocidade implacável, de urgência desvairada. 'Vás más rápido! Los límites, los ponés vos!' (...) Navegamos, insaciáveis, por circuitos infoeletrônicos e ambientes virtuais. Somos privilegiados por transmissões convulsivas, mas não conseguimos reter tantos estímulos e ofertas. (...) O prazer deve ter breve duração, permitindo que, com a descontinuidade, ressurjam modos de alcançá-lo". Portanto, se em Clash o que se destaca é individualização intensa, aqui se releva a corrente ininterrupta que fragiliza todos os contatos.

Nudez
Assim, em Sideways Rain, podemos compreender pausa, choque e fluxo como símbolos do nosso modo de inserção no mundo. Antes deles, porém, está o corpo - é, conforme apontado, pelo movimento e pelo gesto que nos adaptamos ao externo e o adaptamos às nossas necessidades. Mais ainda, é pelos sentidos corporais que sentimos as impressões do exterior; é na própria pele, enfim. Roupas são já uma mediação, e é se livrando delas que a coreografia constrói sua passagem de maior beleza plástica.

Os dançarinos passam a cumprir seu curso ao mesmo tempo em que esticam fios até o outro lado do palco. A cena é recortada por inumeráveis linhas horizontais e diagonais. A luz surge apenas da direita, sem muita intensidade, a penumbra recobre o espaço. Os dançarinos, então, avançam nus. Rápidos, fragmentados, sob a sombra, quase vistos. As reações físicas ao movimento - a carne mole abalada pelos impactos, os músculos que se contraem -, antes latentes, pela neutralidade das vestes, agora estão em evidência. E como um círculo o espetáculo se fecha. A música eleva-se a um pico de tensão e, braços e pernas tesos e alongados, começa a surgir o último bailarino. Súbito, apaga-se a luz.

Sideways Rain parece simbolizar, enfim, o que diz Guimarães Rosa em Grande Sertão: Veredas: "Existe é homem humano. Travessia".


Duanne Ribeiro
São Paulo, 10/1/2012

Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2012
01. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem - 2/10/2012
02. Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge - 14/8/2012
03. Corpo é matéria, corpo é sociedade, corpo é ideia - 4/9/2012
04. Èpa Bàbá Oxalá! na Nota de Real - 3/4/2012
05. Cinco Sugestões a Autores de Ficção Científica - 7/2/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Economia Internacional Teoria e Política
Paul R Krugman; Maurice Obstfeld
Makron Books
(1999)



Nunquam
Lawrence Durrell
Expressão e cultura
(1971)



Divina Flor 409
Marcos Santarrita
Global
(2000)



Livro de Bolso Saúde Como Cuidar da Sua Coluna? Coleção Questões Fundamentais da Saúde
Patrícia Horta Andrade e Ângelo Robert Gonçalves
Paulus
(2004)



Guia Visual: Folha De São Paulo: Europa
Vários Autores
Publifolha
(2011)



Livro de Bolso Religião O Grande Conflito
Ellen G. White
Casa
(1995)



Livro Ciência Política Os Intelectuais e o Poder Dívidas e Opções dos Homens de Cultura na Sociedade Contemporânea (Biblioteca Básica)
Norberto Bobbio
Unesp
(1997)



Livro Turismo Nova York Guia da Cidade
Lonely Planet
Globo
(2011)



Criatividade - Progresso e Potencial
Calvin W. Taylor
Ibrasa
(1964)



Os Segredos da Negociação
Juliet Nierenberg
Publifolha
(2003)





busca | avançada
107 mil/dia
2,4 milhões/mês