Sideways Rain: Pausa, Choque, Fluxo e Corpo | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
86662 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
>>> Selo Anonimato Records chega ao mercado fonográfico em agosto
>>> Última semana! Peça “O Cão de Kafka” fica em cartaz até 1º de agosto
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Amor platônico
>>> 80 (Melhores) Blogs na Época
>>> Nordeste Oriental
>>> Entrevista com Flávia Rocha
>>> Clint: legado de tolerância
>>> Sultão & Bonifácio, parte I
>>> Nicolau Sevcenko & jornalismo
>>> 25 de Julho #digestivo10anos
>>> Hugo Cabret exuma Georges Méliès
>>> Jornais do futuro?
Mais Recentes
>>> Bíblia Sagrada Nova Versão Transformadora de Equipe Nvt pela Mundo Cristão (2016)
>>> A Mão e a Luva - Coleção Prestígio de Machado de Assis pela Ediouro (1987)
>>> Introdução à Teologia Fundamental de Rino Fisichella pela Loyola (2012)
>>> O Mulato - Coleção Prestígio de Aluísio Azevedo pela Ediouro (1987)
>>> Uma Lágrima de Mulher - Coleção Prestígio de Aluísio Azevedo pela Ediouro (1987)
>>> Filosofia Política e Liberdade de Roland Corbisier pela Paz e Terra (1975)
>>> Civilização e Cultura. Volume 1 de Luis da Câmara Cascudo pela Livraria José Olympio (1973)
>>> Antologia do Folclore Brasileiro - 2 Volumes de Luis da Câmara Cascudo pela Martins (1965)
>>> Alguém Que Anda por Aí de Julio Cortázar pela Nova Fronteira (1981)
>>> Revolução na América Latina de Augusto Boal pela Massao Ohno (1961)
>>> Arte de Amar e Contra íbis de Ovídio pela Cultrix (1962)
>>> História Concisa da Literatura de Alfredo Bosi pela Cultrix (1979)
>>> Por Que Almocei Meu Pai de Roy Harley Lewis pela Companhia das Letras (1993)
>>> A Filosofia de Descartes de Ferdinad Alquié pela Presença / Martins Fontes (1969)
>>> A . Comte - Sociologia de Evaristo de Moraes Filho; Florestan Fernandes pela Ática (1983)
>>> The Pedants Return de Andrea Barham pela Bantam Books (2007)
>>> O Ser e o Tempo da Poesia de Alfredo Bosi pela Companhia das Letras (2004)
>>> Thomas Hobbes de Os Pensadores: Hobbes pela Abril Cultural (1979)
>>> Introdução ao Filosofar de Gerd Bornheim pela Globo Livros (2003)
>>> O Caneco de Prata de João Carlos Marinho pela Global (2000)
>>> Berenice Contra o Maníaco Janeloso de João Carlos Marinho pela Global (1997)
>>> Conceptual Issues in Evolutionary Biology de Elliott Sober pela Mit Press (1993)
>>> A History Their Own Women in Europe - 2 Volumes de Bonnie S. Anderson; Judith P. Zinsser pela Harper & Rowpublishers (1988)
>>> Revelações de Uma Bruxa de Marcia Frazão pela Bertrand Brasil (1994)
>>> Eu, Malika Oufkir: Prisioneira do Rei de Malika Oufkir; Michèle Fitoussi pela Companhia das Letras (2000)
COLUNAS

Terça-feira, 10/1/2012
Sideways Rain: Pausa, Choque, Fluxo e Corpo
Duanne Ribeiro

+ de 3700 Acessos

Braços e pernas tesos e alongados, surge no canto o primeiro bailarino, similar a um animal pesado e vagaroso, quiçá ancestral. O fluxo irrompe insuspeito e não terá fim: os dançarinos sucessivamente atravessarão o palco de um lado a outro, como que em "corredores" diferentes, divisões abstratas do espaço cênico. A coreografia Sideways Rain, do grupo suíço de dança contemporânea Alias, tem um caráter hipnótico e só é interpretada de modo oblíquo, isto é, não diretamente, mas sentindo o sentido aos poucos. De que é que se trata? Do aleatório histórico que nos levou de bicho à gente? Da escassez de contato humano no cotidiano? Do choque como oportunidade de vida?

O espetáculo foi apresentado no 11º Panorama Sesi de Dança, em dezembro. Estreado em 2010, é o mais recente da companhia. Outro de seus trabalhos também foi exibido no festival: Le Poids des Éponges, de 2002. O Alias tem cerca de 20 produções, com mais de 500 execuções em várias partes do mundo. Seu diretor e fundador, Guilherme Botelho, é brasileiro; iniciou a carreira em São Paulo, passou pelo Ballet of the Grand Théâtre, de Genebra, na Suíça, e em 1993 criou o grupo. Assista a trechos das peças.

Após o primeiro dançarino, outros avançam da mesma maneira. É um primeiro modo de ser (uma primeira manada?). Os movimentos dos grupos seguintes são variados; eles se arrastam de costas, nádegas no chão, pernas flexionando e dando impulso; sentados com os joelhos dobrados, de frente para a plateia, deixam-se pender para o lado, caem, giram e voltam ao equilíbrio original; elegantes, lançam uma perna esticada a frente, como em um golpe de arte marcial; rodam, os pés plantados, mãos também no solo, quase o típico da capoeira. Quatro, cinco deles executando o mesmo padrão, como num balé; devagar ou às vezes tão velozes que são como vultos cruzando o espaço cênico.

E enfim um homem que anda. Depois de assistir a tantas variedades, o bipedismo surge quase gloriosamente. A cena remete ao processo evolutivo que gestou o humano. Pés na terra e postura ereta livraram as mãos para utilizar ferramentas, aperfeiçoaram o uso de energia pelo corpo, estimularam o crescimento do cérebro e ainda outras modificações. Em O Corpo Diz Sua Mente, Stanley Keleman destaca, nessa transformação, o efeito na nossa atitude frente ao mundo: "No caso dos animais quadrúpedes e que se agacham, a frente da cabeça conduz o contato. Eles recebem o mundo com a visão e o olfato. Mas, para o ser humano, toda a parte frontal do corpo conduz o contato - não só os olhos, o nariz e os ouvidos, mas também o peito, a barriga e os órgãos sexuais. Todo esse calor e contato expandidos conduzem, agora, o movimento. É isto que significa ficar de pé".

A naturalidade, a destreza com que outras formas de locomoção foram desempenhadas dão a impressão de que esta é só mais uma escolha entre tantas. Como seria o mundo se nos movêssemos diferentemente? A problemática da acessibilidade indica como apenas esse fator tem consequências arquitetônicas, tecnológicas, sociais.

Anomalia
Os vários modos de ser passam a conviver no palco. Correm como atletas olímpicos ou andam de costas, lentos e também impossivelmente rápidos. Quando um deles pára, isso é um verdadeiro acontecimento - a anomalia no fluxo. Destaco um desses eventos.

Imóvel e aparentemente confuso, ele estende o braço e segura a mão de uma mulher - todos os outros, em pontos variados, repetem o mesmo gesto, porém a ninguém. Poucos segundos em que todo o grupo está paralisado e que são carregados de tensão. Não dura. Ela se solta e continua sua marcha. Logo, alguém se choca com aquele homem parado e lhe transmite seu movimento, estacionando, por sua vez. O mero toque convulsiona toda a estrutura; o contato humano é raro, se dá apenas no impacto.

Ideia muito semelhante foi expressa em Crash - No Limite. Na primeira frase do filme é dito: "Em Los Angeles, ninguém toca em você. Estamos sempre atrás de metal e vidro. Acho que sentimos tanta falta desse toque que nos chocamos uns com os outros, só para sentirmos alguma coisa" (original aqui). Seguem-se histórias individuais que acabam se colidindo. O conflito revela aspectos pessoais desconhecidos para o indivíduo e também aproxima as pessoas, paradoxalmente.

Também se pode aproximar o espetáculo ao diagnóstico de Denis de Moraes sobre as relações simbólicas, sociais e culturais de nossa época no texto "A Tirania do Fugaz". O autor diz: "Vivemos com aturdida incredulidade, um tempo de velocidade implacável, de urgência desvairada. 'Vás más rápido! Los límites, los ponés vos!' (...) Navegamos, insaciáveis, por circuitos infoeletrônicos e ambientes virtuais. Somos privilegiados por transmissões convulsivas, mas não conseguimos reter tantos estímulos e ofertas. (...) O prazer deve ter breve duração, permitindo que, com a descontinuidade, ressurjam modos de alcançá-lo". Portanto, se em Clash o que se destaca é individualização intensa, aqui se releva a corrente ininterrupta que fragiliza todos os contatos.

Nudez
Assim, em Sideways Rain, podemos compreender pausa, choque e fluxo como símbolos do nosso modo de inserção no mundo. Antes deles, porém, está o corpo - é, conforme apontado, pelo movimento e pelo gesto que nos adaptamos ao externo e o adaptamos às nossas necessidades. Mais ainda, é pelos sentidos corporais que sentimos as impressões do exterior; é na própria pele, enfim. Roupas são já uma mediação, e é se livrando delas que a coreografia constrói sua passagem de maior beleza plástica.

Os dançarinos passam a cumprir seu curso ao mesmo tempo em que esticam fios até o outro lado do palco. A cena é recortada por inumeráveis linhas horizontais e diagonais. A luz surge apenas da direita, sem muita intensidade, a penumbra recobre o espaço. Os dançarinos, então, avançam nus. Rápidos, fragmentados, sob a sombra, quase vistos. As reações físicas ao movimento - a carne mole abalada pelos impactos, os músculos que se contraem -, antes latentes, pela neutralidade das vestes, agora estão em evidência. E como um círculo o espetáculo se fecha. A música eleva-se a um pico de tensão e, braços e pernas tesos e alongados, começa a surgir o último bailarino. Súbito, apaga-se a luz.

Sideways Rain parece simbolizar, enfim, o que diz Guimarães Rosa em Grande Sertão: Veredas: "Existe é homem humano. Travessia".


Duanne Ribeiro
São Paulo, 10/1/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O espírito de 1967 de Celso A. Uequed Pitol
02. Fazendo a coisa certa de Fabio Gomes
03. YouTube, lá vou eu de Adriane Pasa
04. Reunião de pais, ops, de mães de Ana Elisa Ribeiro
05. O fim do PT de Julio Daio Borges


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2012
01. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem - 2/10/2012
02. Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge - 14/8/2012
03. Corpo é matéria, corpo é sociedade, corpo é ideia - 4/9/2012
04. Èpa Bàbá Oxalá! na Nota de Real - 3/4/2012
05. Cinco Sugestões a Autores de Ficção Científica - 7/2/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Próximo Destino Marte
Marina Vigial
Panda Books
(2005)



Bicentenário de Campinas a Saga Que a Cidade Amou - Autografado
Rubem Costa
Komedi
(2013)



As Ostras Estão Morrendo
Walmir Ayala
Leitura
(2007)



Concepção de Frases Em Ninhos de água
Pedro Cezar
7 Letras
(2002)



A Cultura como Crença
J. Rogério Lopes
Cabral
(1995)



Umbanda Gira! - 1ª Edição
Gisela Darruda
Pallas
(2010)



Terapia do Ser Mulher
Karen Katafiasz
Paulus
(1998)



Osso - na Cabeceira das Avalanches - Autografado
Bruno Cattoni
7 Letras
(2005)



A culpa é das estrelas
John Green
Intrínseca
(2012)



Come and Get Me and Other Ghost Stories
Peter Bullard
Longman
(1983)





busca | avançada
86662 visitas/dia
2,4 milhões/mês