Sideways Rain: Pausa, Choque, Fluxo e Corpo | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
75847 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
>>> Laura Dalmás lança Show 'Minha Essência' no YouTube
>>> A Mãe Morta
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
>>> A dor
>>> Parei de fumar
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Deepak Chopra Speaker Series
>>> Boates
>>> A alegria de não ensaiar
>>> Tempo vida poesia 4/5
>>> The flow state
>>> O batom
>>> Como num filme
>>> Only time will tell
>>> Política - da filosofia à neurociência.
>>> Ideologia: você quer uma pra viver? Eu, não
Mais Recentes
>>> O Cortiço de Aluísio De Azevedo pela Ciranda Cultural (2010)
>>> Cinquenta Tons do Sr. Darcy - uma Paródia de Emma Thomas pela Bertrand Brasil (2012)
>>> Esquecer para Lembrar: Boitempo III de Carlos Drummond Andrade pela José Olympio
>>> O Guardião de Memórias de Kim Edwards; Kim Edwards pela Arqueiro (2007)
>>> Monster High 4: Mais Mortos do Que Nunca! de Lisi Harrison pela Moderna (2012)
>>> E-mail Que Funciona! de Fernando Andrade pela Nobel (2006)
>>> Inside Girl, V. 4 - Nem Tudo Que Reluz e Ouro de J. Minter; Noely Russo pela Id (2013)
>>> Matemática Financeira Aplicada de Nelson Pereira Castanheira pela Intersaberes (2010)
>>> Não Entendo Muito de Vinho, Mas Sei do Que Gosto de Simon Woods pela Sextante (2007)
>>> A Relíquia Apresentaçao e Notas Fernando Marcilio L Couto de Eça de Queirós pela Atelie (2001)
>>> A Espada Selvagem de Conan a Coleção - a Torre do Elefante 8 de Roy Thomas / John Buscema pela Panini Comics (2019)
>>> Iwoz de Steve Wosniak; Gina Smith pela Évora (2011)
>>> Sinopse Tributaria de Mattos Filho pela Mattos Filho
>>> Competências Coletivas no Limiar da Estratégia de Christian Defelix; Thierry Picq; Didier Retour pela Bookman (2011)
>>> Pretty Little Liars - Impiedosas de Sara Shepard pela Rocco (2012)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Atica (2004)
>>> Livro Aberto de Sylvia Orthof pela Atual Didáticos (2006)
>>> Inocência Ordinária de Emmanuelle pela Futurama (2017)
>>> É Preciso Lutar ! de Marcia Kupstas pela Ftd
>>> Arte Em Deslocamento Transitos Geopoeticos de Priscila Arantes pela Paço das Artes (2015)
>>> O Livro de Informática do Menino Maluquinho-livro de Ziraldo Alves Pinto pela Melhoramentos (2009)
>>> Plano Diretor do Mercado de Capitais Parceria Público-privada de Suces de Ney Carvalho pela Publit
>>> O Poder Interior de Lauro Trevisan pela Da Mente (1982)
>>> Daqui de Lilian Aquino pela Patuá (2017)
>>> Para Sempre Sua de Sylvia Day; Alexandre Boide pela Paralela (2013)
COLUNAS

Terça-feira, 10/1/2012
Sideways Rain: Pausa, Choque, Fluxo e Corpo
Duanne Ribeiro

+ de 4000 Acessos

Braços e pernas tesos e alongados, surge no canto o primeiro bailarino, similar a um animal pesado e vagaroso, quiçá ancestral. O fluxo irrompe insuspeito e não terá fim: os dançarinos sucessivamente atravessarão o palco de um lado a outro, como que em "corredores" diferentes, divisões abstratas do espaço cênico. A coreografia Sideways Rain, do grupo suíço de dança contemporânea Alias, tem um caráter hipnótico e só é interpretada de modo oblíquo, isto é, não diretamente, mas sentindo o sentido aos poucos. De que é que se trata? Do aleatório histórico que nos levou de bicho à gente? Da escassez de contato humano no cotidiano? Do choque como oportunidade de vida?

O espetáculo foi apresentado no 11º Panorama Sesi de Dança, em dezembro. Estreado em 2010, é o mais recente da companhia. Outro de seus trabalhos também foi exibido no festival: Le Poids des Éponges, de 2002. O Alias tem cerca de 20 produções, com mais de 500 execuções em várias partes do mundo. Seu diretor e fundador, Guilherme Botelho, é brasileiro; iniciou a carreira em São Paulo, passou pelo Ballet of the Grand Théâtre, de Genebra, na Suíça, e em 1993 criou o grupo. Assista a trechos das peças.

Após o primeiro dançarino, outros avançam da mesma maneira. É um primeiro modo de ser (uma primeira manada?). Os movimentos dos grupos seguintes são variados; eles se arrastam de costas, nádegas no chão, pernas flexionando e dando impulso; sentados com os joelhos dobrados, de frente para a plateia, deixam-se pender para o lado, caem, giram e voltam ao equilíbrio original; elegantes, lançam uma perna esticada a frente, como em um golpe de arte marcial; rodam, os pés plantados, mãos também no solo, quase o típico da capoeira. Quatro, cinco deles executando o mesmo padrão, como num balé; devagar ou às vezes tão velozes que são como vultos cruzando o espaço cênico.

E enfim um homem que anda. Depois de assistir a tantas variedades, o bipedismo surge quase gloriosamente. A cena remete ao processo evolutivo que gestou o humano. Pés na terra e postura ereta livraram as mãos para utilizar ferramentas, aperfeiçoaram o uso de energia pelo corpo, estimularam o crescimento do cérebro e ainda outras modificações. Em O Corpo Diz Sua Mente, Stanley Keleman destaca, nessa transformação, o efeito na nossa atitude frente ao mundo: "No caso dos animais quadrúpedes e que se agacham, a frente da cabeça conduz o contato. Eles recebem o mundo com a visão e o olfato. Mas, para o ser humano, toda a parte frontal do corpo conduz o contato - não só os olhos, o nariz e os ouvidos, mas também o peito, a barriga e os órgãos sexuais. Todo esse calor e contato expandidos conduzem, agora, o movimento. É isto que significa ficar de pé".

A naturalidade, a destreza com que outras formas de locomoção foram desempenhadas dão a impressão de que esta é só mais uma escolha entre tantas. Como seria o mundo se nos movêssemos diferentemente? A problemática da acessibilidade indica como apenas esse fator tem consequências arquitetônicas, tecnológicas, sociais.

Anomalia
Os vários modos de ser passam a conviver no palco. Correm como atletas olímpicos ou andam de costas, lentos e também impossivelmente rápidos. Quando um deles pára, isso é um verdadeiro acontecimento - a anomalia no fluxo. Destaco um desses eventos.

Imóvel e aparentemente confuso, ele estende o braço e segura a mão de uma mulher - todos os outros, em pontos variados, repetem o mesmo gesto, porém a ninguém. Poucos segundos em que todo o grupo está paralisado e que são carregados de tensão. Não dura. Ela se solta e continua sua marcha. Logo, alguém se choca com aquele homem parado e lhe transmite seu movimento, estacionando, por sua vez. O mero toque convulsiona toda a estrutura; o contato humano é raro, se dá apenas no impacto.

Ideia muito semelhante foi expressa em Crash - No Limite. Na primeira frase do filme é dito: "Em Los Angeles, ninguém toca em você. Estamos sempre atrás de metal e vidro. Acho que sentimos tanta falta desse toque que nos chocamos uns com os outros, só para sentirmos alguma coisa" (original aqui). Seguem-se histórias individuais que acabam se colidindo. O conflito revela aspectos pessoais desconhecidos para o indivíduo e também aproxima as pessoas, paradoxalmente.

Também se pode aproximar o espetáculo ao diagnóstico de Denis de Moraes sobre as relações simbólicas, sociais e culturais de nossa época no texto "A Tirania do Fugaz". O autor diz: "Vivemos com aturdida incredulidade, um tempo de velocidade implacável, de urgência desvairada. 'Vás más rápido! Los límites, los ponés vos!' (...) Navegamos, insaciáveis, por circuitos infoeletrônicos e ambientes virtuais. Somos privilegiados por transmissões convulsivas, mas não conseguimos reter tantos estímulos e ofertas. (...) O prazer deve ter breve duração, permitindo que, com a descontinuidade, ressurjam modos de alcançá-lo". Portanto, se em Clash o que se destaca é individualização intensa, aqui se releva a corrente ininterrupta que fragiliza todos os contatos.

Nudez
Assim, em Sideways Rain, podemos compreender pausa, choque e fluxo como símbolos do nosso modo de inserção no mundo. Antes deles, porém, está o corpo - é, conforme apontado, pelo movimento e pelo gesto que nos adaptamos ao externo e o adaptamos às nossas necessidades. Mais ainda, é pelos sentidos corporais que sentimos as impressões do exterior; é na própria pele, enfim. Roupas são já uma mediação, e é se livrando delas que a coreografia constrói sua passagem de maior beleza plástica.

Os dançarinos passam a cumprir seu curso ao mesmo tempo em que esticam fios até o outro lado do palco. A cena é recortada por inumeráveis linhas horizontais e diagonais. A luz surge apenas da direita, sem muita intensidade, a penumbra recobre o espaço. Os dançarinos, então, avançam nus. Rápidos, fragmentados, sob a sombra, quase vistos. As reações físicas ao movimento - a carne mole abalada pelos impactos, os músculos que se contraem -, antes latentes, pela neutralidade das vestes, agora estão em evidência. E como um círculo o espetáculo se fecha. A música eleva-se a um pico de tensão e, braços e pernas tesos e alongados, começa a surgir o último bailarino. Súbito, apaga-se a luz.

Sideways Rain parece simbolizar, enfim, o que diz Guimarães Rosa em Grande Sertão: Veredas: "Existe é homem humano. Travessia".


Duanne Ribeiro
São Paulo, 10/1/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Devaneios sobre Copa do Mundo de Rafael Fernandes
02. Você se sente mais brasileiro por causa da Copa? de Marcelo Spalding
03. Mané, Mané de Guga Schultze
04. O produto humano de Ana Elisa Ribeiro


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2012
01. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem - 2/10/2012
02. Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge - 14/8/2012
03. Corpo é matéria, corpo é sociedade, corpo é ideia - 4/9/2012
04. Èpa Bàbá Oxalá! na Nota de Real - 3/4/2012
05. Cinco Sugestões a Autores de Ficção Científica - 7/2/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Teorema Katherine
John Green
Intrínseca
(2013)



Histórias sem Data - Confira!
Machado de Assis
Civilização Brasileira
(1975)



Santa Catarina - Patrimônio Histórico
Rosange Sena N21698
Secco
(2010)



Como É Ruim Ser Diferente!
Giselda Laporta Nicolelis
Quinteto
(2005)



Heróis - Coleção Mitologia
Ivan Rendall
Abril
(1995)



Os Presidentes
Rodrigo Vizeu
Harper Collins Br
(2019)



As Sandálias do Pescador - Supersellers
Morris West
Altaya/Record
(1974)
+ frete grátis



Do Povo para o Povo
Roger Osborne
Bertrand Brasil
(2013)



A prova
Agota Kristof
Rocco
(1989)



Conecte Biologia - Caderno de Competência
Sônia Lopes Sergio Rosso
Saraiva Didatico
(2014)





busca | avançada
75847 visitas/dia
1,8 milhão/mês