Maníacos do bem | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Samir Yazbek e Marici Salomão estão à frente do ciclo on-line “Pensando a dramaturgia hoje”
>>> Chá das Cinco com Literatura recebe Luís Fernando Amâncio
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> La Guerra del Fin del Mundo
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Alfredo Bosi e a dignidade da crítica
>>> Pi, o [fi]lme, e o infinito no alfa
>>> Sábia, rubra, gorda (e gentil)
>>> Sol sem luz
>>> Letícia Sabatella #EuMaior
>>> Réquiem reloaded
Mais Recentes
>>> Quase Tudo Em Cinco Envelopes de Lucio Pessoa pela Giostri (2016)
>>> O Romance da Besta Fubana de Luiz Berto pela Bagaço (1995)
>>> Odisséia- Adap. Roberto Lacerda de Homero pela Scipione (1997)
>>> Perdidos na Lua de André Laurie pela Nacional (1984)
>>> Onde Fica o Ateneu? - Com Suplemento de Luiz Gê; Ivan Jaf pela Atica (2008)
>>> Faz de Conta de Mirna Pinsky pela Moderna (1984)
>>> Ioga e Meditação de Swami Tilak pela Didatica e Cientifica Ltda (1991)
>>> Madman Vol. 1 de Mike Allred pela Dark Horse Comics (2006)
>>> O Estudante de Adelaide Carraro pela Global (1987)
>>> Seleções Março de 1975 de Vários pela Readers Digest (1975)
>>> Gotham City Contra o Crime - Vol. II de Greg Rucka pela Panini (2005)
>>> Shocking Pink de Erica Spindler pela Mira Books (1998)
>>> Seleções -março de 1973 de Varios pela Readers Digest (1973)
>>> E Agora? de Odettte de Barros Mott pela Brasiliense (1978)
>>> Texhistórica Nº41 de Da Editora pela Globo (2000)
>>> Todas as Coisas sem Nome de Walther Moreira Santos pela Cepe (2017)
>>> A Dama das Camélias de Alexandre Dumas pela America do Sul (1988)
>>> A Testemunha Ocular do Crime de Agatha Christie pela Circulo do Livro
>>> Um Passe de Magica de Agatha Christie pela Record
>>> Assassinato no Campo de Golfe de Agatha Christie pela Adameri (1974)
>>> O Caso dos Dez Negrinhos de Agatha Christie pela Abril Cultural (1981)
>>> Por Que Ele Não Ligou? de Matt Titus - Tamsen Fadal pela Sem Fronteiras (2021)
>>> Granite man de Elizabeth Lowell pela Mira Books (1991)
>>> Cipreste Triste de Agatha Christie pela Nova Fronteira (1975)
>>> Mistério no Caribe de Agatha Christie pela Nova Cultural (1987)
COLUNAS

Sexta-feira, 14/11/2008
Maníacos do bem
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Adoro um cobertor. Embora pareça, a idéia não é desenvolver um texto sobre "gostos pessoais" ou sobre "meus dias de inverno". Bem que uma professora de redação poderia cometer essa genialidade, mas não será o caso. Quero mesmo é trazer as manias das pessoas à tona.

Adoro cobertor porque eles têm uns pêlos que são gostosos de puxar. E não pode ser qualquer cobertor. Tem de ser aqueles de pêlo, coloridos, que, em geral, são simpaticamente xadrezes. (Você sabia que xadrez tem plural?) Tenho três deles: um verde, um laranja e um marrom. Todos têm bolinhas de pêlo puxado. Todos são gostosos e aconchegantes. Os dois mais velhos são companheiros de longa data, tendo participado comigo de muitas noites de infância friorenta e adolescência chorosa. O marrom é já resultado da vida de casada, grandão, de casal, meu sonho de consumo. Muito pêlo para puxar.

Mas esta mania tão inocente não é boa para todo mundo. Nem minha mãe, nem minha irmã e nem meu marido parecem satisfeitos com meu hábito (um recalque, um trauma, um problema psicológico qualquer, talvez). Todos eles reclamam que ficar ao meu lado quando estou embaixo das cobertas é um grande problema. Segundo minha irmã, a mais explícita dos três nas críticas à minha mania, meu cobertor é bom para a memória. Dias depois ainda estão os pêlos na roupa ou saindo de dentro dos cabelos. De fato, são bolinhas de Natal grudadinhas nos tecidos, surgidas nos pentes e nas escovas, de entre os fios das madeixas. Ainda mais as pretas, como as de minha irmã.

Mas jogue a primeira pedra quem não tem uma mania. Nem que seja aquela que não sabe que é mania. Meu filho, tão pequeno, já tem as dele. A primeira é chupar dedo, coisa que fazia desde que era feto (e isso está gravado na ultra-sonografia). A outra apareceu depois que ele veio ao mundo e foi apresentado aos travesseiros. Quem não teve um caso de amor com um travesseiro? Até eu, que prefiro os cobertores, tive um travesseirinho-amigo-do-peito. E uma almofada azul (que mais tarde virou a cama do meu cachorro). Meu filho tem nos travesseiros os amigos de assistir à TV. Enquanto vê desenho animado, mexe carinhosamente nas pontas das almofadinhas. São todas poídas, de tanto carinho. E a ameaça da tia (minha irmã) é justamente esta, das piores: "Vou te dar uma almofada redonda no seu aniversário".

Mas minha irmã não é santa. Não está livre de manias. Tem lá o Binha, travesseiro molenga e murcho que a acompanha nas noites de sono desde criança. Vez ou outra ela, que tem quase 30 anos, entra em disputa com meu filho, que tem 4, pela vez de dormir com o Binha. E isso eu posso provar.

Parentes
Meu primo mais velho mexe nos cabelos de um jeito peculiar. E não apenas nos dele, que já vão raros na cabeça, mas nos de quem está ao lado. Conversa vai, conversa vem, quando se põe reparo, está Hélio trançando as melenas mais altas de alguém, em geral, mulher. O problema nem é tanto esse, que acaba se tornando um cafuné meio roubado, mas é esquecer da massagem e levantar sem abaixar a crista que fica no cocoruto.

Meu tio, pai do Hélio, dorme com os braços estendidos em um pufe fora da cama. Lembro até hoje da discussão sobre o incômodo que são os braços na hora de dormir. E muita gente solidária a ele, dizendo que a solução seria mesmo arranjar um lugar onde descansar os braços. Não se sabe se o pufe surgiu antes ou depois disso. Mas que é verdade, é.

Mania de balançar as pernas. Mania de comer as unhas. Jeito de deitar ou de comer. Diz o Aurélio que mania é uma esquisitice, uma extravagância, "síndrome mental". E quem não tem uma para contar? Mania de guardar as coisas, mania de trancar as portas.

De volta ao lar
Minha mãe é do tipo que tranca as portas de todos os armários da casa, mesmo quando só estamos nós lá dentro (da casa, claro). Dessa mania lastimo dois pecados: os livros trancados na estante de uma sala (sem respirar, coitados, e sem ver a cara de qualquer leitor) e os biscoitos inalcançáveis. Quando éramos crianças e tínhamos fome, precisávamos telefonar para perguntar onde estava escondida a chave do armário dos Maizena. Além disso, ela adora guardar também, trancadas, as lembranças de tudo, absolutamente tudo, o que ganha. Devem estar naqueles armários os papéis das balas que demos nos dias das crianças dos anos 1980 e as caixinhas de perfume da vida inteira. Não bastasse isso, essa memória mantida nas prateleiras, ela ainda tem mania de organização. Está tudo catalogado, registrado, identificado com etiquetas, com data e por categoria. Posso provar.

Meu pai é menos maníaco, mas tem lá suas esquisitices. O tipo de chinelo, os hábitos no banheiro, os trajetos complicados e surpreendentes para chegar aos lugares na cidade, a previsibilidade de quem tem manias.

Colecionadores
Será que fazer coleção é um jeito de ser maníaco? Note-se que, às vezes, as expressões são usadas em contextos que as tornam sinônimas. Colecionei discos de heavy metal na adolescência. Coleciono livros até hoje. Junto relógios com o maior amor do mundo. Único acessório que eu uso pendurado no corpo, merece uma variedade maior. Não chego ao ponto de um Faustão, nem tenho dinheiro para marcas caríssimas, mas bem que tenho minhas preciosidades.

Meu pai coleciona partituras musicais de MPB. Minha mãe junta chaveiros há décadas. Minha irmã tem muitos óculos escuros, embora menos do que ela gostaria. Jorge tem filmes de terror, especialmente daqueles de mortos-vivos. Dudu ainda não junta nada, mas bem que deve contar uma centena de carrinhos de metal.

Latas, tampinhas, ursinhos, sapatos. Calcinhas usadas, ímãs, CDs, selos, agendas da Tribo. Carros antigos, réplicas de ônibus, tampinhas, dinheiros de vários países, jaquetas. Quem é que vai negar? Se ainda não deu para lembrar uma mania, basta perguntar para alguém bem próximo. Todo mundo tem suas esquisitices, deliciosas excentricidades de quem está nesta vida para ter algum prazer, nem que seja daqueles bem íntimos.

Nota do Editor
Leia também "Manias".


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 14/11/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Duas distopias à brasileira de Carla Ceres
02. Meu Primeiro Livro de Julio Daio Borges
03. Para entender os protestos e o momento histórico de Julio Daio Borges
04. Patriotada às avessas de Luiz Rebinski Junior
05. O dinossauro de Augusto Monterroso de Marcelo Spalding


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2008
01. Uísque ruim, degustador incompetente - 8/8/2008
02. Trocar ponto por pinto pode ser um desastre - 3/10/2008
03. Substantivo impróprio - 25/4/2008
04. Minha coleção de relógios - 31/10/2008
05. Confissões de uma doadora de órgãos - 7/3/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/11/2008
22h10min
Não são poucos os adeptos da coçadinha no ouvido com cotonetes. É alentador, dizemos todos os torcedores do Flamengo. Os vascaínos e corinthianos não discordariam. No meu caso, inexiste negar o valor dos cotonetes. No entanto, que espetáculo de prazeres um palito de fósforos causa no interior de nossa cuca. Sua cabeça baulada, sua haste de madeira que periga quebrar caso se faça uma alavança com as paredes do ouvido - modo de arrancar ceras bem assentadas - e, enfim, sua utilidade de pegar fogo (após uma bela coçada, nada melhor do que acender o "fórforo" e ver a dificuldade do acendimento). São muitas as dores e as delícias de cada qual, disse o baiano Veloso, mas essa delícia dos palitos, ah, supera todas as dores de topadas tão cotidianas pra quem vive distante das questões do chão. bom, texto, Ana. Bom texto. Ah, sim: tenho mania de ler-te. inté f.
[Leia outros Comentários de Felipe Eugênio]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tempos Que Outros Tempos Não Apagam.
Cecília Silva
Taba Cultural
(2001)



Um Dia Feliz
Nilson Denadai
Pandorga
(2008)



Atm Internetworking With Atm Volume III
Uyless Black
Prentice Hall Series
(1998)



Dona Vitória da Paz
Fábio Gusmão
Planeta
(2006)



Au-au. Três Contos de Cão
Jõao do Rio Rudyard Kipling
Dantes
(2004)



Escola Bíblica de Formação de Líderes - 2º Ano Trimestre 2
Não Informado
Do Autor



Cae Practice Tests Plus
Alan Stanton
Longman
(2000)



Petir Glossaire des Thèmes Diconographie Chrétienne Vol 2
Jean Cabanot
Confluences
(1996)



Comment Apprend-on Quon Va Être Publié?
Revista Décapage Tome 53
Flammarion
(2015)



Reflexões Sobre o Novo Código de Processo Civil
Carlos Roberto de Castro Jatahy e Outros
Fgv
(2016)





busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês