Faxina de Ano Novo: também no Facebook | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
22991 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Mostra Primeiros Passos
>>> José Patrício inaugura exposição inédita em Brasília
>>> Livro mostra a ambiguidade entre amor e desamor
>>> Red Bull Station estreia exposições de letrista e de coletivo feminino em julho
>>> Alaíde Costa e Toninho Horta mostram CD em parceria na CAIXA Cultural São Paulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Tempo & Espaço
>>> Mão única
>>> A passos de peregrinos ll
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES IV
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Con(fusões)
>>> A passos de peregrinos l
>>> Ocaso
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES I
>>> Sob o mesmo teto
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas
>>> Memórias da revista Senhor
>>> É o Fim Do Caminho.
>>> Ao Abrigo, poemas de Ronald Polito
>>> O massacre da primavera
>>> Raio-X do imperialismo
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> O Brasil que eu quero
>>> Pensar sem memória
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
Mais Recentes
>>> O Escaravelho do Diabo
>>> Llora Herraiz
>>> Festa no Covil
>>> O Fazedor de Velhos
>>> Mentes Tranquilas, Almas Felizes
>>> Contabilidade Pública: da Teoria à Prática
>>> Estudo de Movimentos e Tempos
>>> Cartas Comerciais em Espanhol
>>> Organização , Sistemas e Métodos e As Tecnologias de Gestão Organizacional
>>> Perdas & Ganhos
>>> Dom Casmurro
>>> História da Arte
>>> O sentido da realidade. Estudos das ideias e de sua história
>>> Práticas de Linguagem - Leitura & Produção de Textos
>>> Pássaros Feridos
>>> Geografia do Brasil - Espaço Natural, Territorial e Sócioeconômico brasileiro
>>> Contratos Internacionais do Comércio
>>> Marketing Social: Novos Paradigmas
>>> Gestão Financeira das Empresas: um Modelo Dinâmico
>>> Fundamentos de Economia
>>> Economia Brasileira Contemporânea: Para Cursos de Economia e Administração
>>> À Margem da Linha
>>> Conecte História - 3º Ano - Ensino Médio
>>> Biologia 3 - 3ª edição
>>> Culinária para Bem Estar
>>> A Ilíada e a Odisseia - Coleção Clássicos Em Quadrinhos
>>> Asas do Brasil - Uma História que Voa Pelo Mundo - Em Ótimo Estado
>>> Esquecer o natal
>>> O Mistério dos Sete Candelabros de Ouro
>>> Dom Quichote De La Mancha - Cervantes / Gustavo Doré - Raro
>>> Coleção Fernando Sabino 12 Volumes Editora Record 1984
>>> Livro Curso Prático De Imposto De Renda
>>> O Medo e a Ternura
>>> Liberdade Virtual
>>> A Colina dos Suspiros
>>> Pretinha, eu?
>>> Amor Não Tem Cor
>>> A Morte Tem Sete Herdeiros
>>> Contos Urbanos e Lendas Rurais
>>> Redes de Abuso
>>> Jogo Duplo
>>> Bat Pat - O Monstro do Esgoto
>>> ABCdário da Revolução Pernambucana de 1817
>>> Almanaque do Cruzeiro
>>> Voragem
>>> O livro das grandes reportagens
>>> Deixe os homens aos seus pés
>>> Quem mexeu no meu queijo?
>>> O príncipe
>>> A mulher de trinta anos
COLUNAS

Quarta-feira, 11/1/2012
Faxina de Ano Novo: também no Facebook
Adriana Baggio

+ de 3900 Acessos

Para muitas pessoas, essa época de fim de um ano e início de outro inspira desejos de limpeza e arrumação. Fazer a faxina está naquele grupo de atitudes que parecem nos deixar mais leves para o novo ano, assim como as promessas de perder peso, economizar dinheiro, não brigar com a família.

Faz algum tempo que deixei de ligar para alguns dos mais típicos rituais de Ano Novo: cor da calcinha, roupa nova, os grãos de uva, o pulinho das ondas. Não que eu seja cética ou cínica: é mais uma questão de afinidade com as superstições. Se esses rituais não me sensibilizam, porém, o da arrumação é o contrário: acredito com todas as minhas forças que se desfazer das tralhas traz um novo ano muito melhor.

Em primeiro lugar, porque é preciso fazer uma seleção do que será descartado, o que leva à reflexão. Exige examinar as coisas que foram guardadas e os motivos de terem sido conservadas. Foi por nostalgia? Obrigação? Poucos dos objetos que guardamos são realmente necessários e alguns nem nos fazem bem.

Ter muitas coisas pode oferecer uma sensação de ganho, mas na verdade acarreta a perda de um bem precioso: tempo. Tempo de gerenciar o acúmulo, tempo que se gasta procurando alguma coisa, tempo destinado, justamente, na tal faxina anual. Tempo que poderia ser usado para outras coisas mais úteis, ou mais legais, ou que trazem mais alegria à vida.

Escrutinar os armários e tentar organizá-los também nos dá a dimensão do volume e dos motivos do nosso consumo. Ao contrário do que nos acostumamos a pensar, o consumo não se dá apenas com objetos, com bens materiais. Muito do que consumimos é abstrato e não é pago em dinheiro, mas em recursos ainda mais preciosos: tempo e energia. E se o final do ano é a época de se livrar das tranqueiras, há um lugar onde essa faxina se torna urgente: a timeline do Facebook.

Apesar de suas funcionalidades gerais, os usos que as pessoas fazem do sistema podem ter alguma variação. Não é muito diferente dos "usos" que fazemos das redes sociais "reais" que integramos. Basta lembrar da turma da faculdade: para alguns, era a turma das festas, da diversão; para outros, era tão somente um grupo de estudos; havia ainda os que vendiam produtos de catálogo e bombons para a hora do lanche; e tinha também aquele pessoal que só acompanhava de longe, sem participar de nada. Cada um faz o uso que desejar do Facebook. E, por isso, quando a sua timeline começa a apresentar usos que não combinam com o seu, talvez seja a hora de fazer a tal faxina.

Considero esse espaço como uma rede de relacionamento e de informação, que reúne amigos verdadeiros, alunos e ex-alunos, colegas e ex-colegas de trabalho, profissionais do mercado e pessoas que eu considero interessantes — e algumas que talvez me considerem da mesma forma. E assim como gosto de receber informação de qualidade, procuro postar esse tipo de informação também. Para meus critérios, informação de qualidade vai desde a divulgação de um evento da minha área de atuação até uma postagem espirituosa, passando por uma boa fofoca. Mesmo as idiossincrasias do cotidiano alheio podem me interessar, seja por mostrar como a pessoa leva sua vida, seja pelo jeito legal ou engraçado de escrever ou puramente pela curiosidade em perceber as vaidades e inseguranças dos outros a partir do que divulgam em seus perfis.

Mas se tem uma coisa que decididamente não me interessa no Facebook são as mensagens prontas, as lições de moral e as posturas preconceituosas. Isso parece ter aumentado proporcionalmente — como é natural — com o crescimento da rede. E assim como um armário cheio de tranqueiras pede por uma limpeza, sinto que preciso fazer alguns descartes de contatos do Facebook. Nada pessoal contra esses perfis: é uma forma de racionalizar o consumo de informação, mantendo o que é interessante e evitando o desperdício de tempo e energia.

Em O culto do amador (Zahar, 2009, 208 p.), Andrew Keen critica a facilidade de acesso à expressão que é proporcionada, basicamente, pela internet. Para ele, os blogs, o YouTube e os sites de redes sociais permitem a produção e a distribuição de muita porcaria. Concordo com a parte da porcaria (eu mesma contribuo bastante com esse tipo de "lixo eletrônico"), mas ao contrário dele, acho isso positivo.

Por exemplo: todo mundo tem o direito de postar, seguidamente, mensagenzinhas e e liçõezinhas de moral em seu perfil no Facebook, seguidas da chancela #FATO, e eu seria a primeira a defender esse direito. Mas, na minha timeline, esse tipo de postagem é #TRANQUEIRA. Ao invés de copiar e colar essas mensagens breguinhas, por que as pessoas não tentam se manifestar por conta própria? Por que não escrevem algo da sua cabeça? Que tal produzir conteúdo original, ao invés de apenas repetir o que os outros falam? Em suma: por que não exercitar plenamente seu direito e sua possibilidade de expressão?

Algumas das postagens mais divertidas que aparecem na minha timeline são de uma aluna da faculdade onde ensino. Ela não escreve nada profundamente inteligente nem exatamente útil. Não divulga eventos e nem descobre links de blogs descolados. Seus pequenos textos falam do cotidiano, principalmente das coisas que lhe acontecem no ônibus que a leva para casa, na região metropolitana de Curitiba. Ela é engraçada, divertida, sarcástica. E não comete erros de português, com os quais implico bastante. Isso é um exemplo do que chamo de informação de qualidade, de conteúdo próprio — só para o caso de você estar me achando uma esnobe do Facebook.


Adriana Baggio
Curitiba, 11/1/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco de Jardel Dias Cavalcanti
02. Primavera para iniciantes de Elisa Andrade Buzzo
03. Nobel, novo romance de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
04. O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro de Jardel Dias Cavalcanti
05. Corot em exposição de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio
01. Apresentação - 31/5/1974
02. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
03. Dicas para você aparecer no Google - 9/3/2006
04. Ser bom é ótimo, mas ser mau é muito melhor* - 24/4/2003
05. E você, já disse 'não' hoje? - 19/10/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS MELHORES CONTOS BRASILEIROS DE FICÇÃO CIENTÍFICA
ROBERTO DE SOUSA CAUSO
DEVIR
(2010)
R$ 22,90



O QUE HÁ NA BOLSA DA MULHER INTELIGENTE?
CRISTIANE LAZOTTI
MATRIX
(2009)
R$ 6,90



HISTOIRE DE RUSSIE - ÉTUDE COMPARÉE ENTRE LORIENT ET LOCCIDENT
MARC SEMENOFF
LA RENAISSANCE DU LIVRE
(1924)
R$ 60,00



VARIÉTÉ
PAUL VALERY
GALLIMARD
(1924)
R$ 63,63



OS MISTÉRIOS DO AQUÉM
CARLOS EDUARDO NOVAES
CÍRCULO DO LIVRO
R$ 8,83



REVISTA DO ATENEU ANGRENSE DE LETRAS E ARTES ANO XVI Nº 34
ATENEU ANGRENSE DE LETRAS / ARTES
ATENEU ANGRENSE
(2015)
R$ 7,00



CÓDIGO PENAL PARA CONCURSOS
ROGÉRIO SANCHES CUNHA
PODIVM
(2011)
R$ 50,00



NÍSIA FLORESTA: O CARAPUCEIRO E OUTROS ENSAIOS DE TRADUÇÃO CULTURAL - MARIA LÚCIA GARCIA PALLARES-BURKE (JORNALISMO/COMUNICAÇÃO)
MARIA LÚCIA GARCIA PALLARES-BURKE
HUCITEC
(1996)
R$ 10,00



REFORMA ÍNTIMA
REFORMA ÍNTIMA, SOCIEDADE DE DIVULGAÇÃO ESPÍRITA AUTA DE SOUZA
AUTA DE SOUZA
(2006)
R$ 17,00



CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL E LEGISLAÇÃO PROCESSUAL EM VIGOR
THEOTONIO NEGRÃO
SARAIVA
(2009)
R$ 5,00





busca | avançada
22991 visitas/dia
1,1 milhão/mês