As manifestações sobre o transporte público em SP | André Simões | Digestivo Cultural

busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lobato e os amigos do Brasil
>>> A Promessa da Política, de Hannah Arendt
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> Por que as velhas redações se tornaram insustentáveis on-line
>>> Ação Social
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> forças infernais
>>> 20 de Abril #digestivo10anos
>>> Pensando sozinho
Mais Recentes
>>> A Arvore dos Anjos de Lucinda Riley pela Arqueiro (2017)
>>> A Herdeira da Morte de Melinda Salisbury pela Fantastica Rocco (2016)
>>> Uma Gentileza por Dia de Orly Wahba pela Benvira (2017)
>>> Eu sou as Escolhas que Faço de Elle Luna pela Sextante (2016)
>>> Coroa Cruel - Série a Rainha Vermelha de Victoria Aveyard pela Seguinte (2016)
>>> Sade em Sodoma de Flávio Braga pela BestSeller (2008)
>>> Curso de Filosofia em Seis Horas e Quinze Minutos de Witold Gombrowicz pela José Olympio (2011)
>>> O pequeno Principe de Antoine de Saint Exupery pela Agir (2009)
>>> Zoloé e Suas Duas Amantes de Marquês de Sade pela Record (1968)
>>> Expressões Diante do Trono de Ministério de Louvor Diante do Trono pela Diante do Trono (2003)
>>> A separação dos amantes - uma fenomenologia da morte de Igor Caruso pela Cortez (1989)
>>> Os Titãs / A Saga da Família Kent (Volume V) de John Jakes pela Record/ RJ.
>>> A Universidade em Ritmo de Barbárie de José Arthur Giannotti pela Brasiliense (1986)
>>> A Mulher Só de Harold Robbins/ (Tradução) Nelson Rodrigues pela Record/ RJ.
>>> Dependência e desenvolvimento na América Latina - ensaio de interpretação sociológica de Fernando Henrique Cardoso e Enzo Faletto pela Zahar (1970)
>>> Tubarão de Peter Benchley pela Nova Cultural (1987)
>>> O Titã de Fred Mustard Stewart pela Record
>>> O Beijo da Mulher Aranha de Manuel Puig pela Codecri/ RJ. (1981)
>>> A Traição de Rita Hayworth/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1993)
>>> Boquitas Pintadas/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1988)
>>> Kit De Estudo Para Concursos: Só concursos (3 CDs + Folheto) + Guia do Concurseiro + Redação para Concursos de Equipe Mundial Editorial pela DCL - difusão cultural do livro (2016)
>>> Numa Terra Estranha de James Baldwin pela Rio Gráfica (1986)
>>> 1934 de Alberto Moravia pela Rio Gráfica (1986)
>>> Mil Platôs Vol. 1 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca/RJ. (2007)
>>> Mil Platôs Vol. 2 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> Mil Platôs Vol. 3 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2012)
>>> Ajin - Demi-Human #01 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #02 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #03 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Incendio de Troia (capa dura couro) de Marion ZimmerBradley pela Circulo do Livro/ SP. (1994)
>>> Ajin - Demi-Human #04 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #05 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #06 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #07 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #08 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #09 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Ajin - Demi-Human #10 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Ajin - Demi-Human #11 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Estratégia da Decepção de Paul Virilio pela Estação Liberdade (2000)
>>> Ajin - Demi-Human #12 de Gamon Sakurai pela Panini (2019)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1989)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #10 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #09 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Fort of Apocalypse #08 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Festa Sob as Bombas - Os Anos Ingleses de Elias Canetti pela Estação Liberdade (2009)
>>> Fort of Apocalypse #07 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
COLUNAS >>> Especial Protestos

Quarta-feira, 19/6/2013
As manifestações sobre o transporte público em SP
André Simões

+ de 2500 Acessos

Sempre desconfio deste tipo de solenidade e deferência, mas realmente acho que a repórter Giuliana Vallone, da Folha de S. Paulo, merece alguma forma de prêmio. A agressão que sofreu - levando no olho um tiro de borracha enquanto cobria a manifestação contra o aumento das tarifas de transporte em São Paulo - por seu caráter brutal e sua gratuidade, força-nos a analisar este levante popular para além das convicções pré-estabelecidas e das bem definidas simpatias ou antipatias em relação a determinados grupos políticos.

Analisando a questão sob um ponto de vista puramente econômico, tendo a concordar com meus amigos assim ditos conservadores/liberais: o maior erro do prefeito Fernando Haddad e do governador Geraldo Alckmin foi não ter imposto um reajuste maior para as tarifas de ônibus e metrô, respectivamente. Um aumento desses, de R$ 3 para R$ 3,20, depois de dois anos sem mudança de preços, abaixo da taxa de inflação, tem forte cheiro demagógico. Se a receita da área está menor, verbas terão de ser deslocadas de outro setor, ou o transporte público terá menos investimentos - qualquer uma das opções é maléfica, simples assim. Ademais, as tarifas paulistanas não estão em descompasso com a de outras grandes metrópoles.

Mas se optarmos por buscar a justeza por meio da matemática e da estatística, devemos levar outros fatos em consideração. Historicamente, manifestações populares com obstrução de serviços contribuem para a consecução dos objetivos de uma classe; categorias com sindicatos bem organizados se valem e se valeram de greves para obter reajustes salariais acima da média. Os incomodados podem chiar, ficar emburrados, praguejar, mas o negócio funciona.

E tende a funcionar justamente porque incomoda. Manifestação ordeira e uniformizada sob o vão do Masp só rende reportagens sarcásticas. Neste ponto, discordando dos meus amigos liberais/conservadores, não acho que o mercado regule o andar da carruagem. Se uma manifestação traz reivindicações descabidas ou com metas lunáticas, a pressão popular para que cesse a obstrução de serviços faz o movimento esvaziar-se naturalmente; caso os pontos sejam justos, os protestos ganham adesões para além do grupo que os organizou. Parece ser este o caso em São Paulo.

Se a revolta contra a tarifa de R$ 3,20 é descabida, o descalabro do transporte público em São Paulo é bem real, e o governo parece dar força ao descrédito da população quanto a melhoras rápidas. São muitíssimos exemplos possíveis, mas vamos falar do metrô: se se promete a abertura de uma estação para a data x, para a vermos em pleno funcionamento podemos esperar uns dez anos depois do prazo inicial, com o saldo de algumas mortezinhas residuais pelo caminho.

Engrossando as fileiras do movimento, há pessoas detestáveis, que reclamam por vinte centavos, mas têm dinheiro de sobra para comprar maconha? Provavelmente, muitas. Há imbecis que não conseguem juntar sujeito e predicado, aproveitando a oportunidade para extravasar seus recalques na depredação de patrimônio público? Mais do que alguns.

Mas não podemos desconsiderar o geral por causa de alguns elementos particulares. Seria como ridicularizar a arte musical usando como único exemplo as canções do Jota Quest, minimizar as benesses da engenharia ilustrando os argumentos apenas com o Minhocão. Ou, como cabe muito bem dizer, demonizar a instituição policial por causa do animal que atirou na Giuliana Vallone - ou ainda por causa de uma ditadura que acabou há 28 anos, tendo durado 21.

Considerar que os participantes destas manifestações são todos massa de manobra do PSTU e companhia é ser tão míope quanto aqueles que acham serem vinte centavos a raiz do problema. Se o tresloucado PSTU tivesse o poder de manobrar tanta gente, ao menos teria representação na Câmara, não é mesmo?

A alienação dos governantes neste caso também é tragicômica. Um roteirista precisaria ser muito bom para pensar em algo mais simbólico: enquanto a cidade pega fogo, vamos de mãos dadas aproveitar as delícias da primavera parisiense.

Ironicamente, o maior risco à eficácia deste movimento é sua reivindicação primeira ser atendida: baixam-se vinte centavos das tarifas de metrô e ônibus, as pessoas se acalmam, o assunto é esquecido - ficamos com um problema, mais do que com uma solução.

Mas podemos também pensar na melhor das hipóteses para o saldo deste caso: um estopim para a tomada de consciência, por parte da população, de seu poder de barganha quando há união em torno de uma causa. Não precisamos de vinte centavos a menos nas tarifas: é necessário que os governantes, dando-se conta do tamanho da encrenca, venham publicamente expor um plano de melhoras para o transporte público, sem evasivas, com metas e prazos bem delimitados. E a cada meta e prazo descumpridos, a população deve tomar novamente as ruas.

Nota do Editor:

Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no Livros e Afins.


André Simões
São Paulo, 19/6/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Quando a neve chega ao Sul de Celso A. Uequed Pitol


Mais André Simões
Mais Especial Protestos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




EM BRASÍLIA, DEZENOVE HORAS
TIAGO
DO AUTOR
(1994)
R$ 23,00



AMIGOS DE DEUS
JOSEMARÍA ESCRIVA
QUADRANTE
(2000)
R$ 22,00



DEATH NOTE: ALVOS 8
TSUGUMI OHBA
JBC
(2001)
R$ 10,00



FÊNIX E HARPIA: FACES MÍTICAS DA POESIA E DA POÉTICA DE IVAN JUNQ
CHRISTINA RAMALHO
ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS
(2005)
R$ 19,82



HENRI MATISSE -COLEÇÃO FOLHA GRANDES MESTRES DA PINTURA 8
TRAD MARTIN ERNESTO RUSSO
FOLHA DE SÃO PAULO
(2007)
R$ 5,90



MENINO DE OLHO VIVO
RICARDO AZEVEDO
ÁTICA
(1996)
R$ 14,24



O CONSTRUTIVISMO E A ALFABETIZAÇÃO - (AUTOGRAFADO)
IVANILDE MOREIRA
LIVRUS
(2009)
R$ 80,00



A HORA E VEZ DO RIO DE JANEIRO E NOVO GOVERNO
JOÃO PAULO DOS REIS VELLOSO
JOSÉ OLYMPIO
(2007)
R$ 14,00



BEIRA-MAR - MEMÓRIAS 4
PEDRO NAVA
NOVA FRONTEIRA
(1985)
R$ 15,00



GILSON MARTINS - VIAJANDO NO DESIGN
GLÁUCIA CENTENO, GILSON MARTINS
ESTAÇAO DAS LETRAS
(2008)
R$ 37,00





busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês