Crítica à internet chega à ficção | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lobato e os amigos do Brasil
>>> A Promessa da Política, de Hannah Arendt
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> Por que as velhas redações se tornaram insustentáveis on-line
>>> Ação Social
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> forças infernais
>>> 20 de Abril #digestivo10anos
>>> Pensando sozinho
Mais Recentes
>>> A Arvore dos Anjos de Lucinda Riley pela Arqueiro (2017)
>>> A Herdeira da Morte de Melinda Salisbury pela Fantastica Rocco (2016)
>>> Uma Gentileza por Dia de Orly Wahba pela Benvira (2017)
>>> Eu sou as Escolhas que Faço de Elle Luna pela Sextante (2016)
>>> Coroa Cruel - Série a Rainha Vermelha de Victoria Aveyard pela Seguinte (2016)
>>> Sade em Sodoma de Flávio Braga pela BestSeller (2008)
>>> Curso de Filosofia em Seis Horas e Quinze Minutos de Witold Gombrowicz pela José Olympio (2011)
>>> O pequeno Principe de Antoine de Saint Exupery pela Agir (2009)
>>> Zoloé e Suas Duas Amantes de Marquês de Sade pela Record (1968)
>>> Expressões Diante do Trono de Ministério de Louvor Diante do Trono pela Diante do Trono (2003)
>>> A separação dos amantes - uma fenomenologia da morte de Igor Caruso pela Cortez (1989)
>>> Os Titãs / A Saga da Família Kent (Volume V) de John Jakes pela Record/ RJ.
>>> A Universidade em Ritmo de Barbárie de José Arthur Giannotti pela Brasiliense (1986)
>>> A Mulher Só de Harold Robbins/ (Tradução) Nelson Rodrigues pela Record/ RJ.
>>> Dependência e desenvolvimento na América Latina - ensaio de interpretação sociológica de Fernando Henrique Cardoso e Enzo Faletto pela Zahar (1970)
>>> Tubarão de Peter Benchley pela Nova Cultural (1987)
>>> O Titã de Fred Mustard Stewart pela Record
>>> O Beijo da Mulher Aranha de Manuel Puig pela Codecri/ RJ. (1981)
>>> A Traição de Rita Hayworth/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1993)
>>> Boquitas Pintadas/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1988)
>>> Kit De Estudo Para Concursos: Só concursos (3 CDs + Folheto) + Guia do Concurseiro + Redação para Concursos de Equipe Mundial Editorial pela DCL - difusão cultural do livro (2016)
>>> Numa Terra Estranha de James Baldwin pela Rio Gráfica (1986)
>>> 1934 de Alberto Moravia pela Rio Gráfica (1986)
>>> Mil Platôs Vol. 1 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca/RJ. (2007)
>>> Mil Platôs Vol. 2 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> Mil Platôs Vol. 3 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2012)
>>> Ajin - Demi-Human #01 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #02 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #03 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Incendio de Troia (capa dura couro) de Marion ZimmerBradley pela Circulo do Livro/ SP. (1994)
>>> Ajin - Demi-Human #04 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #05 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #06 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #07 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #08 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #09 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Ajin - Demi-Human #10 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Ajin - Demi-Human #11 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Estratégia da Decepção de Paul Virilio pela Estação Liberdade (2000)
>>> Ajin - Demi-Human #12 de Gamon Sakurai pela Panini (2019)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1989)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #10 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #09 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Fort of Apocalypse #08 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Festa Sob as Bombas - Os Anos Ingleses de Elias Canetti pela Estação Liberdade (2009)
>>> Fort of Apocalypse #07 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
COLUNAS

Sexta-feira, 11/10/2013
Crítica à internet chega à ficção
Marta Barcellos

+ de 2500 Acessos

Quem (ainda) não desistiu do bom debate na internet conhece o conselho básico: ignore os chamados trolls e outros tipos de baixo nível intelectual que inevitavelmente irão aparecer nesse ambiente. Pois, em seu último romance, Reprodução, Bernardo Carvalho não dá a colher de chá ao leitor: para avançar na leitura, é preciso ouvir e ouvir a ladainha estúpida do "estudante de chinês". É como se, no livro, esse personagem detestável que todos tentamos ignorar - sob o argumento de que, ao não alimentá-lo com a nossa atenção, ele definhará por inanição - ganhasse finalmente o protagonismo com o qual sempre sonhou.

Reprodução se presta a múltiplas leituras, inclusive além da óbvia associação com o submundo da internet. Mas apenas esta primeira camada, a do incômodo com o personagem, já é suficiente para provocar uma discussão importante sobre os efeitos deletérios da rede vistos pela ficção. Aparentemente, Carvalho faz parte de uma leva de romances que sucederá os primeiros best sellers, de não-ficção, críticos e pessimistas em relação à internet, escritos por especialistas como Andrew Keen e Nicholas Carr. Na ficção americana, a grande sensação promete ser The circle, de Dave Eggers, com lançamento previsto para 8 de outubro nos Estados Unidos.

O protagonista de Reprodução é um sujeito detestável, e durante a minha leitura foi um desafio aceitá-lo como personagem principal. Se, em narrativas breves, protagonistas sem caráter são mais do que bem vindos, em romances às vezes é difícil aceitá-los sem alguma complexidade que os humanize. Canalhas são canalhas, ponto final, e nos afastamos deles antes de corrermos o risco de compreendê-los. Recentemente eu havia convivido com um protagonista assim, o cínico cientista de Solar, de Ian McEwan, e observei que a maestria do escritor nestes casos está em justamente em criar um tipo de identificação do leitor até mesmo em relação aos defeitos mais odiosos do personagem, consciente ou inconscientemente.

E qual seria a reação do leitor, no caso do estudante de chinês? Não sei se o impacto do personagem é o mesmo para leigos na internet, mas aqueles com alguma vivência logo descobrem de quem se trata. Anti-democrático e cheio de preconceitos, ele constrói teorias conspiratórias e opiniões que defende serem baseadas em fatos incontestáveis. Os fatos da internet - e também de outras mídias (a revista Veja só não é citada de forma literal). É um discurso de ódio anárquico e circular, produzido de forma a se desviar das tentativas de desmascarar a fragilidade dos argumentos. Familiar? Pois é, estão no seu discurso o "pronto, falei" e o "todo mundo sabe que...", sem falar nas generalizações absurdas e na impaciência com a suposta burrice de quem pensa diferente (senti falta do "quer que desenhe?" para caracterizar definitivamente o personagem).

Reconhecido o personagem, comecei a considerar se valeria a pena continuar a leitura e aturar o tal "estudante" - tendo de lidar com os traumas que ele me desperta - até o fim do livro. Seria realismo demais para minha atual fase de leitora? A dispersão me deixou tentada a conferir a similaridade entre aquele discurso - trabalhado sob o artifício da literatura - e a linguagem "real" da internet. Fechei o livro. Entrei no Facebook. Depois de rolar algumas vezes a tela do smartphone, levei um susto: encontrei uma frase de uma das primeiras páginas de Reprodução. Uma frase do estudante de chinês:

"Na Arábia Saudita, ladrão é amputado; aqui é deputado. kkkkkk". Vinte e sete pessoas curtiram. A frase era atribuída, entre parênteses, ao próprio Bernardo Carvalho, e não a seu personagem, o que sem dúvida pode ter levado muita gente a clicar "curtir" sem prestar muita atenção. Curtir sem pensar muito - exatamente como o estudante de chinês. Fiquei na dúvida se meu amigo de Facebook tinha armado uma pegadinha (duas pessoas chegaram a comentar que a frase era muito boa) ou se ele próprio tinha vivido um momento de identificação com o personagem reacionário. Eu poderia entrar no debate (ai ai, debate na internet?), pelo menos esclarecer aos outros sobre a autoria da frase, mas me detive. Estava atordoada. A sensação era de que o personagem do livro tinha invadido o meu Facebook. Eu havia fechado o livro e o livro continuara aberto. Não era (mais) possível ignorar a existência do estudante de chinês.

Ainda rolando o Facebook, encontrei um link que prometia jogar alguma luz na questão: uma entrevista feita pela jornalista Raquel Cozer, na Folha de S.Paulo, com o próprio escritor, sobre o seu novo livro. Como eu já intuía pelo ensaio "Em defesa da obra", publicado por ele na revista Piauí, Carvalho confirmava que o romance pretendia expressar seu desconforto com o ambiente acrítico internet. Ufa, nada como o antiquado recurso de pedir para o autor explicar sua obra e ajudar a pacificar tudo. Respirei aliviada.

Mas por pouco tempo. Abaixo da matéria (eu estava no ambiente da internet, lembra?), havia uma lista de comentários sobre a entrevista. Em alguns, lá estava ele novamente, o estudante de chinês. "Considerando que o autor afirma que a classe media não representa o Brasil, creio que a classe média não deve comprar o seu livro", dizia o, digamos, "estudante 1". "Que discursinho mais sem sentido. Nunca a literatura foi mais livre - dá pra publicar livros quase de graça fazendo impressão sob demanda", emendava o "estudante 2".

Nos comentários relacionados ao link da matéria no Facebook, o estudante de chinês voltava a atacar. Raquel tentava argumentar com ele - em vão, claro. Entrei no debate com a discrição que podia e perguntei: Será que Bernardo Carvalho previu que seu livro teria aquela "continuação" na internet? Como nem tudo na internet é "estudante de chinês", um comentarista perspicaz matou a charada: "Cuidado: você acha que está lendo o livro, mas é o livro que está lendo você!".



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 11/10/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Notas confessionais de um angustiado (VI) de Cassionei Niches Petry
02. Almoços com C.S. Lewis de Celso A. Uequed Pitol
03. Quando as rodas param de Elisa Andrade Buzzo
04. Lições que aprendi com o Millôr de Diogo Salles
05. Lobato e modernistas: uma história mal-contada de Gian Danton


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2013
01. Para viver de literatura - 7/2/2013
02. Mamãe cata-piolho - 31/5/2013
03. Suicídio - 15/2/2013
04. Suicídio, parte 2 - 15/3/2013
05. Até eu caí nessa - 8/11/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LIVRE DE CAVE ET DE DÉGUSTATION
L ATELIER DU VIN
L ATELIER DU VIN
(2000)
R$ 110,00



PRELÚDIO DA CACHAÇA - ETNOLOGIA, HISTÓRIA E SOCIOLOGIA DO AGUARDENTE
LUIS DA CAMARA CASCUDO
ITATIAIA
(1986)
R$ 20,00
+ frete grátis



NA MIRA DO VAMPIRO SÉRIE VAGA LUME
LOPES DOS SANTOS
ÁTICA
(2006)
R$ 11,00



DA NACIONALIDADE: BRASILEIROS NATOS E NATURALIZADOS
WILBA LÚCIA MAIA BERNARDES
DEL REY (BH)
(1996)
R$ 28,82



ONDE ESTÁ OSAMA BIN LADEN?
MORGAN SPURLOCK
INTRINSECA
(2008)
R$ 10,00



WRITING WITH A PURPOSE
MCCARIMMON
HM CO
(1967)
R$ 12,00



AS CONSEQÜÊNCIAS MORAIS DO CRESCIMENTO ECONÔMICO
BENJAMIN M. FRIEDMAN
RECORD
(2009)
R$ 15,00



BREVÍSSIMA INTRODUÇÃO A SOCIOLOGIA CRÍTICA
GILSON DANTAS E OUTROS
ISKRA
(2013)
R$ 20,00



MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS
MANUEL ANTÔNIO DE ALMEIDA
FTD
R$ 13,50



O TEMPLO DA AURORA
YUKIO MISHIMA
EDITORA BRASILIENSE
(1988)
R$ 30,00





busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês