Esse Caro Objeto do Desejo | Adriane Pasa | Digestivo Cultural

busca | avançada
47273 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Talvez...
>>> 2007 e os meus CDs ― Versão Internacional 1
>>> A felicidade, segundo Freud
>>> Memória das pornochanchadas
>>> Magia além do Photoshop
>>> Meu Telefunken
>>> Meu Telefunken
>>> Vida Virtual? Quase 10 anos de Digestivo
>>> Sombras Persas (X)
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Mais Recentes
>>> Terapia do Abraço 2 de Kathleen Keating pela Pensamento (2012)
>>> História Resumida da Civilização Clássica - Grécia/Roma de Michael Grant pela Jorge Zahar (1994)
>>> Cães de Guerra de Frederick Forsyth pela Record (1974)
>>> Jogo Duro de Mario Garnero pela Best Seller (1988)
>>> Psicologia do Ajustamento de Maria Lúcia Hannas, Ana Eugênia Ferreira e Marysa Saboya pela Vozes (1988)
>>> Uma Mulher na Escuridão de Charlie Donlea pela Faro (2019)
>>> Pra discutir... e gerar boas conversas por aí de Donizete Soares pela Instituto GENS (2015)
>>> Educomunicação - o que é isto de Donizete Soares pela Projeto Cala-boca já morreu (2015)
>>> Ficções fraternas de Livia Garcia-Roza - organizadora pela Record (2003)
>>> Prisioneiras de Drauzio Varella pela Companhia das Letras (2017)
>>> O diário de Myriam de Myriam Rawick pela Dark Side Books (2018)
>>> Contos de Rubem Fonseca pela Nova Fronteira (2015)
>>> Notícias - Manual do usuário de Alain de Botton pela Intrínseca (2015)
>>> Um alfabeto para gourmets de MFK Fisher pela Companhia das Letrs (1996)
>>> Os Mitos Celtas de Pedro Paulo G. May pela Angra (2002)
>>> A vida que ninguém vê de Eliane Brum pela Arquipélago Editorial (2006)
>>> As Cem Melhores Crônicas Brasileiras de Joaquim Ferreira dos Santos - organizador pela Objetiva (2007)
>>> O tigre na sombra de Lya Luft pela Record (2012)
>>> Elza de Zeca Camargo pela Casa da Palavra (2018)
>>> Sexo no cativeiro de Esther Perel pela Objetiva (2007)
>>> O clube do filme de David Gilmour pela Intrínseca (2009)
>>> Coisa de Inglês de Geraldo Tollens Linck pela Nova Fronteira (1986)
>>> As mentiras que os mulheres contam de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2015)
>>> Equilíbrio e Recompensa de Lourenço Prado pela Pensamento
>>> Cadernos de História e Filosofia da Ciência de Fátima R. R. Évora (org.) pela Unicamp (2002)
>>> Revista Internacional de Filosofia de Jairo José da Silva (org.) pela Unicamp (2000)
>>> Dewey um gato entre livros de Vicki Myron pela Globo (2008)
>>> Ilha de calor nas metrópoles de Magda Adelaide Lombardo pela Hucitec (1985)
>>> Sua santidade o Dalai Lama de O mesmo pela Sextante (2000)
>>> Meninas da noite de Gilberto Dimenstein pela Ática (1992)
>>> Paulo de Bruno Seabra pela Três (1973)
>>> Grandes Enigmas da Humanidade de Luiz C. Lisboa e Roberto P. Andrade pela Círculo do livro (1969)
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Jonathan Seagull pela Nórdica (1974)
>>> Os Enigmas da Sobrevivência de Jacques Alexander pela Edições 70 (1972)
>>> Mulheres visíveis, mães invisíveis de Laura Gutman pela Best Seller (2018)
>>> Construir o Homem e o Mundo de Michel Quoist pela Duas cidades (1960)
>>> Vida Positiva de Olavinho Drummond pela Olavinho Drummond (1985)
>>> Força para Viver de Jamie Buckingham pela Arthur S. DeMoss (1987)
>>> Consumidos de David Cronemberg pela Alfaguara (2014)
>>> Viver é a melhor opção de André Trigueiro pela Correio Fraterno (2015)
>>> O Caso da Borboleta Atíria de Lúcia Machado de Almeida pela Ática (1987)
>>> Cânticos de Cecília Meireles pela Moderna (1995)
>>> Caminho a Cristo de Ellen G. White pela Cpb - Casa Publicadora Brasileira (2019)
>>> Um Estranho no Espelho de Sidney Sheldon pela Nova Cultural (1986)
>>> Le Divorce de Diane Johnson pela Record (1999)
>>> Trajetória do Silêncio de Maria do Céu Formiga de Oliveira pela Massao Ohno-Roswitha Kempf (1986)
>>> Zezinho, o Dono da Porquinha Preta de Jair Vitória pela Ática (1992)
>>> Aconselhamento Psicológico de Ruth Scheeffer pela Atlas (1981)
>>> Razão e Revolução de Herbert Marcuse pela Paz e Terra (1978)
>>> A Doutrina de Buda de Bukkyo Dendo Kyokai pela Círculo do livro (1987)
COLUNAS

Segunda-feira, 9/12/2013
Esse Caro Objeto do Desejo
Adriane Pasa

+ de 2400 Acessos

Sabe aquela sobremesa que tem em alguns buffet por quilo, lá no final, geralmente num copinho plástico bem vagabundo, de cor pastel e com cara de coisa que dá câncer? Aquela que todo mundo pega, mas depois da primeira colherada joga fora. A sensação de ter algo grátis, acompanhada de algo que pagamos (neste caso, o almoço) é muito boa e uma estratégia muito usada em marketing. As pessoas gostam de "levar vantagem", ganhar brindes, mesmo que seja algo que não vão usar. É pela sensação de recompensa, já que gastaram dinheiro pagando por algo que queriam.

Mas uma coisa que é totalmente de graça causa desconfiança e estranhamento. Nada que é realmente bom pode ser de graça. Esse é o pensamento das pessoas com produtos de consumo. E com as coisas da vida, com as pessoas, isso é assim também. Por mais que a gente diga que gostaria que a vida fosse mais fácil e as conquistas menos demoradas, tudo o que demanda esforço, suor e lágrimas tem outro gostinho.

Na vida quase nada é nosso, assim, caído do céu. Vamos crescendo e enfrentando um monte de coisas em nome de um bonde chamado desejo, que nos consome vorazmente. E uma das nossas características principais é desejar o que não temos. Tudo aquilo que não é nosso é o que faz a vida se mover. Então, eu acho que existe "coisa fácil" e "coisa difícil" e a gente sempre - mesmo sem perceber - valoriza mais e deseja o mais difícil.

O "difícil" é disputado. O "fácil" ninguém quer. O difícil tem muito de nós, o fácil tem muito dos outros.

O "fácil" é sem graça, não desafia nada. Vem e vai, podemos pegar a hora que quisermos. É vulgar. É insosso. É visível. Sem códigos. É barato. Não tem concorrência.

O "difícil" nos incomoda e tem um sabor incomparável. Como não sabemos se vamos conseguir, torna-se mais desejado ainda. Faz a gente sair do tédio, porque é provocador, arisco. É o sonho que nos faz sentir raiva enquanto não vira realidade. É um espelho que só mostra o nosso melhor lado, o que não tem preguiça.

E às vezes o objetivo não é possuir, somente agradar aquele que ninguém agrada. Afinal, professor que dá nota dez pra todo mundo acaba virando paisagem. A gente quer mesmo ouvir aquela pessoa de testa franzida e com pose de mal humor.

Só que o difícil requer uma série de cuidados, porque pode ser também uma projeção equivocada. Todo ser humano normal acaba romantizando seu objeto de desejo e isso pode ser uma pegadinha. A gente se habitua a pensar naquilo que queremos e às vezes isso é muito mais forte do que aquilo que queremos. Vamos alimentando todos os dias o nosso ideal, senão passamos fome. E é muito fácil idealizar algo que não temos, colocar no pedestal uma coisa ou alguém que não sabemos como é. Mas é esse princípio - o de achar que nosso objeto de desejo beira à perfeição - que faz a gente se mover em direção a ele. Se Romeu soubesse que Julieta era uma chata e que sua vida seria um inferno com ela e sua família Capuleto, certamente desistiria. Se o alto executivo soubesse que sua vida pessoal acabaria, que não teria tempo pra nada e ainda correria risco de infarto, talvez preferisse ter outro emprego. A verdade é que as pessoas sabem de tudo isso, mas a odisseia da conquista não deixa enxergar as coisas ruins que podem vir lá na frente. E todo mundo, por mais humilde que seja, gosta de ostentar um troféu. É por isso que se posta tantas fotos de filhos nas redes sociais, ou fotos de formatura, casamento, esportes radicais. Porque são coisas "difíceis". Ou pelo menos queremos que pareçam ser.

Até os "trabalhos" feitos por alguns centros, na promessa de trazer o amor em sete dias, são super complicados. Nunca é "vai lá, põe o nome dele num papel, amassa e guarda". Se alguém dissesse isso pra mulherada, com certeza nenhuma delas acreditaria naquilo e sairia falando mal do serviço. Agora, se diz "põe o nome dele num papel, mas tem que ser papel cor-de-rosa, borrifado de perfume de lavanda, dobra, põe dentro de um pote de mel, envolve num tecido dourado de seda pura, pega sete velas, dois anjos de cristal, cinco terços azuis, quinze pétalas de rosa branca, um champanhe francês, vai ao cemitério (tem que ser na cruz das almas) e reza três ave-marias, dois pais-nossos, joga as pétalas por cima, dá três voltas no cemitério, volta, senta, reza mais três vezes em latim e pronto! É só aguardar". Nossa, aí sim vale a pena! É o marketing da amarração para o amor.

Falando em amor (pra variar), recomendo um filme sobre uma das conquistas amorosas mais divertidas do cinema: It Happened One Night (Aconteceu Naquela Noite), de Frank Capra, 1934. Baseado no romance Bus Night, escrito por Samuel Hopkins Adams (1871-1958), a obra é uma das melhores comédias românticas de todos os tempos. Com Clark Gable e Claudette Colbert, foi o primeiro filme a conquistar as cinco categorias mais importantes do Oscar: filme, diretor, ator, atriz e roteiro. Simplesmente genial, com cenas e diálogos inovadores para a época. Muitas vezes a gente nem sabe que quer tanto uma coisa,até ela aparecer. Esse filme tem muito disso. Conta a história de Ellie Andrews (Colbert), uma socialite mimada que foge do pai milionário em Miami, para se casar contra a vontade dele, em Nova York. Durante a fuga, em uma estação rodoviária, Ellie encontra por acaso o jornalista loser Peter Warne (Gable), que senta ao seu lado durante a viagem. Ele se aproveita da situação para tentar escrever uma matéria sobre ela e a relação dos dois é bastante provocativa. Ela durona, ele muito charmoso e cheio de más intenções, acabam fazendo uma viagem repleta de acontecimentos que os aproximam. É aquela coisa, quem te irrita, te conquista. Lacan disse que "todo amor é recíproco, mesmo quando não é correspondido". Há boa dose de teimosia nesta frase. Digo o mesmo sobre este filme.

Acho que só pessoas evoluídas ou totalmente depressivas não ligam a mínima para a conquista e não são teimosas com seus desejos. De duas, uma: estão acima disso ou precisam de ajuda para não cometer suicídio por falta de ânimo na vida.

Mas partindo do princípio que estamos longe de ser um espírito de luz e se não falta ânimo na maioria dos dias, acho que até podemos aceitar injeção na testa de vez em quando ou ignorar os dentes do cavalo dado, mas é como o brinde da promoção ou o brinquedo novo de criança (que ela não pediu pra ganhar): meia hora depois estará esquecido e perdido entre outros objetos comuns.


Adriane Pasa
Curitiba, 9/12/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto de Jardel Dias Cavalcanti
02. Longa vida à fotografia de Fabio Gomes
03. Canadá, de Richard Ford de Celso A. Uequed Pitol
04. O sublime Ballet de Londrina de Jardel Dias Cavalcanti
05. O Brasil não é a Seleção Brasileira de Diogo Salles


Mais Adriane Pasa
Mais Acessadas de Adriane Pasa em 2013
01. Um Lugar para Fugir Antes de Morrer - 15/5/2013
02. Cego, surdo e engraçado - 19/4/2013
03. Dooois ou um? - 28/10/2013
04. A grama do vizinho - 23/12/2013
05. A verdade somente a verdade? - 26/8/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MARNIE
WINSTON GRAHAM
ABRIL
R$ 7,00



A ORIGEM DAS ESPÉCIES
CHARLES DARWIN
TECNOPRINT S.A
(1987)
R$ 28,00



OS OCEANOS
NÃO CONSTA
GT
(1980)
R$ 5,00



LEI DE MURPHY DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS
EDUARDO GORGES
BRASPORT
(2007)
R$ 10,00



O DISCÍPULO VERDADEIRO
WILLIAM MAC DONALD
MUNDO CRISTÃO
(1981)
R$ 12,00



MIRO MARAVILHA
PEDRO BLOCH
EDIOURO
R$ 8,00



DESVENDANDO A MENTE DO INVESTIDOR: O DOMÍNIO DA MENTE SOBRE O DINHEIRO
RICHARD PETERSON
CAMPUS
(2008)
R$ 170,00



A ARCA DE NOÉ
LUCY COUSINS(RECONTADO E ILUSTRADO POR)
BRINQUE-BOOK
(1996)
R$ 43,00



O CIMO DO MONTE, COLECÇÕES DOIS MUNDOS
IRWIN SHAW
LIVROS DO BRASIL
(1979)
R$ 16,75



NOUVELLES TECHNOLOGIES: NOUVEAU MONDE?
LA PENSÉE (REVISTA) NÚMERO 326 DE 2001
PUF
(2001)
R$ 23,28





busca | avançada
47273 visitas/dia
1,3 milhão/mês