Quem Resenha as Resenhas de Som? | Stan Molina | Digestivo Cultural

busca | avançada
38320 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Acordei que sonhava
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> Um Furto
>>> Nasi in blues no Bourbon
>>> De vinhos e oficinas literárias
>>> Michael Jackson: a lenda viva
>>> Gente que corre
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 4/4/2014
Quem Resenha as Resenhas de Som?
Stan Molina

+ de 1900 Acessos

Algo me intrigava nas primeiras resenhas de música que li ainda menino. Já naquela época me assombravam questões primitivas como "O que dá pra se falar sobre som? Som é som, eu ouço o som e ME TORNO O SOM e pronto, véio". Mais tarde percebi que, por acaso, essa questão primitiva não era apenas meninice, mas uma questão das mais sérias. Contudo acabei decidindo que há sim o que falar sobre som, ainda que no limite não seja possível defini-lo, encerrá-lo em palavras, já que sempre restará algo na música que resiste à descrição. Ademais é certamente possível falar sobre elementos que se relacionam com o som, mas não são o próprio som, são o entorno dele, aquilo que influencia a feitura da obra de som e é também influenciado por ela, a moçada chama isso geralmente de contexto cultural. Assim, enfim, comecei a falar e ouvir, escrever e ler sobre som.

A primeira curiosidade que notei foi que as resenhas que eu lia costumavam seguir uma ou várias dentre essas vertentes:

Descrição da Mecânica Sonora
"Baixo pulsante, batera moendo". Bom, se o baixo pulsa e a batera mói, não tem nada errado em dizer que eles o fazem, mas isso não me serve muito. A não ser que essa informação esteja em um catálogo de venda, o qual eu lendo posso usar pra decidir "se a batera não mói eu estou fora, joe", assim não corro o risco de, desavisado, comprar um disco em que a batera só fique marcandinho;

Influências
"Uma onda Pink Floyd com uma pitada de Depeche e um quê de Diana Ross". São legais de certa forma, é algo bacana buscar relações com a história, entretanto me apavoram os dissecadores de influências vestidos de jaleco que buscam as combinações mecânicas de elétrons históricos que formam aquele composto e saem loucaços do laboratório gritando "Ahá! Você não pode gostar do White Stripes sem ser fã do Led, meu chapa!", como se o espírito absoluto não pudesse escapar de suas fórmulas. Me lembro do exato momento em que resolvi internamente essa questão de uma vez por todas: alguém me disse "Neon Indian é puro New Order!" e eu respondi "É, parece mais com o New Order do que com o Creedence, mas sei lá";

Equipos Utilizados
"Fender Telecaster, Ampli Mesa-Boogie, palhetas Dunlop 1.5mm". Pra ser sincero o estilo Guitar Player só me chateou até a primeira adolescência, desde então passei a achá-lo é muito legal e a querer muito ver uma gravação minha resenhada por estes cabeleiras enxadristas que esmerilham uma guita e me desprezam porque eu obviamente não consigo esmerilhar como eles. Tem algo de profundamente justo no julgamento desses caras. É como uma prova de 100m rasos: ganha quem corre mais, não dá pra falar que o vencedor era amigo do juiz;

Histórico do Artista
"Os caras trabalhavam como caçadores de cobra no Arizona e começaram a tocar na garagem do batera depois do expediente". Especialmente antes da internet eu ficava fulo da vida se uma resenha não se ocupasse com o mito fundacional do artista, essas cosmogonias são algo muito sério e definem muito do que o artista é e de como ele pode povoar sua imaginação. Na real isso merece uma análise à parte;

Cópia do Release Horrível
"O cantor busca trabalhar com as cores cinza e grená". Esses casos deveriam vir com a advertência 'calcado no release', assim salva-se ao menos a sacrossanta honestidade;

Jargões Bundões
"Melhor que muita banda por aí", "é x [pop] sem ser y [banal]", "um caldeirão de influências/salada musical";

Jargões Legais
"Som trampado", "musicão", "uma castanhada na cabeça".

Sim, eu comecei parecendo que criticaria os cacoetes de resenha e acabei percebendo que gosto de muitos deles. Acho que a vida é assim mesmo. Quando mais velho percebi algo mais sobre o que análises de música (e de qualquer arte afinal) podem se tornar. Sendo a música uma obra de arte (ou ao menos uma tentativa de) ela tem aspectos, no limite, infinitos e indefiníveis, e uma resenha pode tomar a forma de exploração de um ou mais destes múltiplos aspectos.

E as resenhas que saem por aí são assim? Algumas, mas normalmente não, e isso tem um motivo. O motivo é que muitas delas são aquelas resenhas a toque de mercado que saem no dia seguinte ao lançamento do disco, doidonas pra definir o que ele é, o quão bom ele é e o que ele fará com o cenário histórico. O cara chega todo afobado "Disco de Rapper Kanye West Lançado Ontem Vai Tomar de Assalto o Traseiro dos Publiças". Eu já penso "Vai com calma, joe", ainda que o joe acerte algumas também, não é o caso de a gente ficar aqui detonando o joe. Entretanto é preciso ficar esperto com a sanha que esses tipos têm em definir logo a obra e te explicar o que você vai falar dela na festinha dos bróders, isso torna a coisa toda mais pobretona.

Tem também aquelas na linha "Neste Novo Disco Cantor Justin Bieber Procura Mostrar que Atingiu a Maturidade", aí todo mundo vai na mesma, eu não sei por que existe esse tipo de resenha. Ou melhor, sei sim, todo mundo sabe, o que me pergunto é por que não escrevem tudo antes de ouvir logo de uma vez, é o que eu faria: "Cantor Bieber Dá Novo Passo e Agora Quer Pixar Muro Sozinho e Afanar o seu Mizuno", não tem muito o que dar errado.

E daí então? Daí que vou defender aqui duas idéias, seguem:

- Uma: as resenhas têm diferentes tipos, diferentes intenções essenciais, das quais citei algumas. O negócio é procurar entender qual é o tipo dela e o que ela quer, algumas delas são mesmo monstrengos, querem ser monstrengos e estão aí pra fazer o que todo monstrengo faz: perturbar a gente tarde da noite. O melhor contra monstrengo ainda é o disfarce Scooby-Doo: colocar ele numa cadeira de barbeiro, cortar-lhe o cabelo e dizer que ficou jóia, ele fica lá todo perdidão.

- Duas: as análises de arte não precisam ser determinadas por momentos comemorativos (lançamento, aniversário de 10 anos, 'coming to brazil', etc), podem também ser disparadas por outra motivação, mais misteriosa, cuja melhor definição que consigo dar é: a crença do autor da análise em ter captado, naquele momento, algum aspecto da obra/artista que não tinha se apresentado a ele ainda (ou até tinha, mas de forma obscura, não passível de ser expressa por ele em palavras, desenhos, GESTOS, MÍMICA sei lá) e surgiu clara, de repente, por algum motivo que ele também não sabe qual é. Ou, em outras palavras, porque veio na cabeza do cara e ele quis falar.

Por exemplo, o sujeito pode por alguma razão estar ouvindo na sequência os álbuns The Notorious Byrd Brothers e Sweetheart of the Rodeo dos Byrds e como um clarão de luz uma idéia se apresenta a ele, uma idéia nova sobre o momento em que, pouco antes de gravar o Sweetheart, Roger McGuinn teria se convencido de que eram boas as idéias do novato de banda Gram Parsons de gravar um álbum calcado em country tradiça, em alguma conversa do tipo:

Roger (drink na mão) - "Sabe Gram, estou pensando em me afundar em elementos eletrônicos, uns moogs, como fiz de leve naquelas do Notorious. Acho que é o futuro hein, man."

Gram (meio rindo aqueles risões de zuar velho amigo) - "Roger, deixa de ser ridículo rs."

Trata-se de pensar que uma obra pode ser grande o suficiente pra jamais se esgotar e, mais do que isso, reparar que a cada vez que você volta a atenção pra ela ela é uma obra diferente, igual aqueles amigos que vão morar um tempo na Suécia e voltam com os olhos cheios de candura e bem-aventurança.

Trata-se, em suma, da idéia de que uma obra de arte não é um mero dado histórico encerrado, mas um ser vivo que vai se desdobrando, se apresentando, no tempo e no espiritão das pessoas que entram em contato com ela.

Pode parecer uma ideia óbvia até porque é óbvia mesmo. Eu tenho comigo a essa altura da vida que os melhores insights são os que se tornam óbvios logo que realizados, isso porque o óbvio é diferente do fácil e é preciso esticar bem os dedos pra captar que o conhecimento do óbvio é algo que exige empenho, o empenho em se desvencilhar de todo engano que vai se impregnando e tornando o ambiente maldito.

Pode parecer também que não faz muita diferença encarar uma obra como um dado histórico encerrado ou como um ser vivo que se desdobra, mas se repararmos bem a diferença é enorme, ao ponto de que tomado dessa forma o universo das resenhas de som (e o resto do universo cultural além dele) se torna mais rico, mais bonito, mais legal de se habitar e, logo, a vida fica muito mais joia.

Nota do Editor:
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado na Noisey.


Stan Molina
São Paulo, 4/4/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. De volta à antiga roda rosa de Elisa Andrade Buzzo
02. O artífice do sertão de Celso A. Uequed Pitol
03. Raio-X do imperialismo de Celso A. Uequed Pitol
04. Manchester à beira-mar, um filme para se guardar de Renato Alessandro dos Santos
05. O espírito de 1967 de Celso A. Uequed Pitol


Mais Stan Molina
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O MONSTRO E OUTROS CONTOS
HUMBERTO DE CAMPOS
W M JACKSON
(1960)
R$ 5,00



O LUAR NA AVENIDA DA FÉ
GINA B. NAHAI
GERAÇÃO EDITORIAL
(2002)
R$ 4,00



GUIA DOS SUCOS - USOS TERAPÊUTICOS E PROPRIEDADES NUTRITIVAS
WILLIAM H LEE
ANGRA
(1997)
R$ 35,00
+ frete grátis



PÉRICLES, PRÍNCIPE DE TIRO DRAMA ROMÂNTICO
SHAKESPEARE REVISTO POR JOÃO GRAVE
LELLO EDITORES
(1976)
R$ 15,63



O REI QUE SE RECUSAVA A MORRER - OS ANUNNAKI E A BUSCA PELA IMORT
ZECHARIA SITCHIN
MADRAS
(2014)
R$ 49,90



RIBEIRÃO PRETO - O PASSADO MANDA LEMBRANÇA - VOLUME II
GRUPO AMIGOS DA FOTOGRAFIA
VILLIMPRESS
(2007)
R$ 35,00



VOCÊ É AQUILO QUE PENSA
JOSÉ SOMETTI
CIDADE NOVA
(1996)
R$ 29,90
+ frete grátis



REIKI UM SISTEMA UNIVERSAL DE CURA GUIA PRÁTICO PARA CANAIS I E II
CECÍLIA ANA CORTE WENTZCOVITCH
ATENIENSE
(1997)
R$ 26,00



INSÔNIA
GRACILIANO RAMOS
MARTINS
R$ 10,00



O IMPORTANTE É CATIVAR-(SE)
CARLOS AFONSO SCHMITT
PAULINAS
(1979)
R$ 6,00





busca | avançada
38320 visitas/dia
1,3 milhão/mês