Umas armadilhas suaves | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
100 mil/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> OBA HORTIFRUTI INAUGURA 25ª LOJA EM SÃO PAULO
>>> Bienal On-line promove studio visit com artista argentina Inés Raiteri
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Fiel escudeiro
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cacá Diegues e os jornalistas
>>> A Casa é de Daniela Escobar
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> Ação Afirmativa, Injustiça Insuspeita
>>> A mulher madura
>>> 15 de Dezembro #digestivo10anos
>>> A arte da crônica
>>> Passaralho
>>> 7 de Setembro
>>> O filho da Marisa Monte
Mais Recentes
>>> Ismael Nery 100 anos. A poética de um mito de Sem autor pela Ccbb (2000)
>>> Druckgrafik de Liebermann Slevogt Corinth pela Ifa (1980)
>>> The later work (174 plates with 2 in color) de Aubrey Beardsley pela Dover
>>> The Potters Companion. The complete guide to pottery making de Tony Birks pela Collins (1974)
>>> Adoro o Brasil de Sig Bergamin pela A Girafa (2003)
>>> Georges Braque - Oeuvre Gravé de Catalogo pela Maeght ccbb (1994)
>>> História da locomoção terrestre de Maurice Fabre pela Morais (1966)
>>> Vincent Van Gogh - Wie was Who was qui était quien fué de Dr. J Hulsker pela Bert Bakker (1958)
>>> Cultura - Favela é Cidade e o Futuro das Nossas Cidades de João Paulo dos Reis Velloso Coordenação pela Fórum Nacional (2014)
>>> Orquídeas. 430 ilustrações a cores (coleção pequeno guia) de Floyd S. Shuttleworth pela Livraria Bertrand (1970)
>>> Do sonho às coisas: retratos subversivos de José Carlos Mariátegui pela Boitempo (2005)
>>> Gramsci: Periferia e Subalternidade de Marcos Del Roio pela Marcos Del Roio (2017)
>>> A legalização da classe operária de Bernard Edelman pela Boitempo (2016)
>>> Lenin - Um estudo sobre a unidade de seu pensamento de György Lukács pela Boitempo (2012)
>>> Caminhos divergentes: judaicidade e crítica do sionismo de Judith Butler pela Boitempo (2017)
>>> Bibia Quer Tangerica - Autografado de Gilda Rizzo pela Francisco Alves (1987)
>>> Um Lugar Chamado Céu de Regina Rennó pela Ed Lê (1997)
>>> Cropas Ou Praus? de Angela Carneiro; Lia Neiva; Sylvia Orthof pela Ediouro (1994)
>>> Ovos Nevados de Sylvia Orthof pela Formato (1997)
>>> O Diário de Verônica o Primeiro Dia de Férias de Maud Frère pela Pierre Tisné (1965)
>>> A Lenda da Paxiúba de Terezinha Eboli pela Ediouro (1997)
>>> A Floresta Poluída 19ª Ed de Maria Auxiliadora Moreira Duarte pela Ed Lê (1999)
>>> A Ceia dos Cardeais Com Ilustrações de Alberto Souza de Júlio Dantas pela Clássica (1951)
>>> Mundo Criado, Trabalho Dobrado de Elias José pela Atual (1996)
>>> A Fada Que Tinha Idéias de Fernanda Lopes de Almeida pela Ática (1985)
COLUNAS

Sexta-feira, 7/6/2013
Umas armadilhas suaves
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4100 Acessos

Enquanto eu lia aqueles dois livros de capas tão distintas, tentava encapsulá-los em apenas uma palavra, que eu sabia ser um substantivo. Não me vinha um verbo ou um adjetivo. Eu seguia as trilhas dos livros de Ana Martins Marques e tentava uma palavra ou outra que a resumisse. Enfim, depois que fechei a última página de Da arte das armadilhas (Companhia das Letras), decidi-me: é delicadeza.

Refiz o trajeto todo. Reli os dois livros. O primeiro é A vida submarina, lançado pela editora Scriptum, de Belo Horizonte, uma casa de livros (e livraria, antes de tudo) que vem desempenhando um belo papel na paisagem dos lançamentos poéticos nos últimos anos. Ana MM não é a primeira (e nem será a última) a migrar da pequena para a grande editora, por conta de um trabalho bem-feito (dela e dos editores).

Depois de ganhar prêmios, inclusive repetidamente, Ana (cuja poesia é tão aparentemente simples quanto seu nome) compôs um belíssimo livro em que trabalha com a linguagem como quem costura ou borda ou aplica. É uma poesia delicada, mas em nada insossa ou daquele refinamento fake dos arranjos poéticos muito esforçados. A vida submarina traz um conjunto de poemas que deixam pequenos sustos no leitor, o que foi meu caso por diversas vezes. É desse tipo de surpresa boa, especialmente nos versos finais, que vem meu apreço grande pela poesia, desde os tempos da escola, quando as chances de eu desgostar disso eram muito maiores.

Por diversas vezes pensei: eu queria ter escrito isso. Em uma ou duas ocasiões, cheguei a pensar, meio sorrateiramente: eu podia ter escrito isso. Mas logo me vinha a ideia de que as imagens poéticas de Ana MM só cabem mesmo dentro dos olhos dela (meio esverdeados, por sinal). Lê-la é como aprender um pouco sobre o que ela observa ou que filtros ela usa. Era como exercitar o olhar do outro, mas um belo olhar: olhando uma paisagem, o que Ana MM olha? Vivendo a vida, o que ela percebe? O que a toca? O que a afeta? O que ela observa e como sente o que sente? Nesse sentido, sua poética é quase feita da crônica.

Numa poesia construída, basicamente, de palavras simples e imagens identificáveis, isto é, fundamentada na "escala humana", Ana MM trata de amor e das armadilhas da linguagem. Um tanto grande dos poemas é dessa estirpe dos metalinguísticos, só que com movimentos curvos, leves e delicados. A poeta não é dura, teórica ou excessivamente explicativa. Ela trabalha na comparação, especialmente aquela feita com coisas simples: uma cortina, uma árvore, uma mesa ou um fogão. (Ah, não, não vou compará-la a Adélia Prado - toda poeta mineira está sujeita a isso por uns tempos).

Na falta de mais referências (porém não melhores), nos dois livros, Ana MM (ou seu eu-lírico, como querem os professores, vá lá) me lembra Adília Lopes, poeta portuguesa publicada algumas vezes no Brasil também. Aquela sensação de ser poeta sem sair de casa me abraça em ambas. Adília é, talvez, menos amorosa. Não sei. Ana MM é também uma cronista das relações difíceis, mas sem gritar.

Em A vida submarina, encontrei 142 páginas de poemas divididos em partes muito seguras (mas talvez este seja um livro excessivo): Barcos de papel - em que a metáfora marinha é comum; Arquitetura de interiores - em que surgem a casa e seus apetrechos; A outra noite - com toadas de amor; Episteme & epiderme - com poesia e metalinguagem em relevo; Exercícios para a noite e o dia - parte que inclui imagens com a Penélope e outras mitologias; Caderno de caligrafia - com mais poemas que vêm da própria escrita incômoda; e A vida submarina - nova mistura de mitologias poéticas, entre a Penélope e o figo.

Pelas vinte e poucas páginas, o leitor já está submerso pelo verso de Ana MM, até que ela, diretamente, questiona: "Uma coisa que nunca entendi é por que/em geral se acredita que o poema/não é lugar para pensar". A esta altura, já é muito possível responder com Ana que sim, o susto que o poema nos dá significa, na verdade, uma mudança de estado no leitor. O pensar provocado pelo poema é mobilizador. Nunca mais enxergarei este mundo daquele velho jeito. Como pode uma mesa ser mote do poema?

As dificuldades da escrita estão todas lá. Não apenas nos textos que Ana MM provavelmente cultivou e tratou, mas em suas reiteradas reflexões sobre a escrita: "Mas experimente consertar/um poema que estragou". Não se trata de um irrelevante verso branco, mas de um desafio expresso na comparação com outras dificuldades, como reatar amizades arruinadas ou colar xícaras lascadas. É por essas e outras que afirmo que a poesia de Ana MM faz imagens com as coisas da pia, da copa, da sala. Não precisa de grandes relevos ou de célebres acontecimentos para ser grande. É com a jarra, as flores baratas e a banha de porco que ela fia peças delicadíssimas e belíssimas. Veja-se isto, então, num poema intitulado "Camas de solteiro":

sob as flores das camisolas
- pequenas, iguais -
duas solidões
guardadas
lado a lado.

Como tirar de duas camas essa impressão melancolicamente possível? É desse tipo de poema que tiro a ideia de que é preciso exercitar o enxergar/perceber como Ana MM.

Da arte de usar imagens comuns para dizer o espanto vem este outro poema, intitulado "Batata quente":

Se eu te entregasse agora o meu amor
aceso como ele está,
como ele está, pesado,
você o trocaria rapidamente de mão,
você o guardaria um pouco na esquerda,
um pouco na direita,
por quanto tempo antes de o passar adiante?

E os poemas, como esse, mas não apenas desse jeito, seguem tratando de amor e desamor e quase-amor desse modo fino, quase sempre na forma de questionamentos que provavelmente provocam silêncios, em vez de palavras. Para que respostas, se a questão é a alegria? Ana MM continua: "Dispões de palavras suficientes/para o mundo de que dispões, e a tua idade coincide com a idade que tens,/e as horas do dia equivalem/às horas do teu corpo acordado,/e a isso chamas alegria". Mas há outras alegrias no mesmo poema, descrições assim como que justas no que podemos ser e sentir, quando não somos poetas, e não temos a felicidade de saber expressar em versos, como tem Ana MM.

Depois, então, do bem-sucedido primeiro livro, Ana MM renasce pela Companhia das Letras (portanto com mais alcance) na obra Da arte das armadilhas, em que continua delicada em suas versões do mundo. Desta vez, o livro é menor (82 páginas), mas continuam lá o garfo, o amor, o espelho e o refinamento. Já à página 31 é possível desconfiar do título da obra: "A linguagem/sem cessar/arma/armadilhas". Com essas armadilhas, em que, como pássaros, caímos cantando (isso é emprestado a certos versos dessa obra), estão, ainda, Penélopes, Ícaros e mais mitologias, das grandes e das pequenas, das sociais e das particulares. Histórias inteiras, lindamente recopiadas, como em "Cinema":

Encontramos na rua
uma fileira de cadeiras
de um velho cinema
levamos para casa
colocamos na varanda
passamos toda a tarde
bebendo e fumando
assistindo passar
um dia qualquer

Que aspecto dessas imagens (simples?) me arrepiam? Todos. Da imagem curiosa do dia, da fileira de cadeiras, à maneira fina como a poeta vem tecendo a cena, como se me ensinasse a olhar de novo ou a ver melhor um mundo de pequenezas bonitas.

Para terminar, entre tantos, colhi um poema, "Falésias", em que Ana Martins Marques quase me derruba de cima das palavras, lugar que escolhi para viver, muito embora isso só me desoriente mais:

Hoje tivemos
um dia limpo
caminhamos e comemos
em silêncio

buscamos o ponto mais alto
da cidade e falamos
sobre uma casa
que não será construída

falamos sobre essa casa
implantada nas falésias
aberta
as gritos do mar

falamos
dessa casa
cada vez mais improvável
onde nenhum de nós vai morar

voltamos em silêncio
eu pensando em certos bichos
que só se acasalam
com dificuldade


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 7/6/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Iris, ou por que precisamos da tristeza de Daniela Sandler
02. Baiano bom de prosa de Paulo Polzonoff Jr


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2013
01. Elogio ao cabelo branco - 16/8/2013
02. O fim e o café solúvel - 26/4/2013
03. A bibliotecária de plantão - 18/10/2013
04. Coisas que eu queria saber fazer - 18/1/2013
05. Se ele não me lê - 8/3/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Comando Numerico Cnc Tecnica Operacional-torneamento:programação
Nao Informado
Epu
(1985)



Reforma Nacional Democrática e Contra-reforma: a Política do Pcb
Cândido Giralvez Vieitez
Municipio de Sto André
(1999)



Comunicação-mundo: Historia das Ideias e das Estratégias
Armand Mattelart (2ª Edição)
Vozes
(1996)



Beato José Maria Escrivá de Balaguer. Fundador del Opus Dei
Jose Luis Serra
Opus Dei Central Postulation
(1992)



Planification e Croissance Accélérée
Charles Bettelheim
François Maspero (paris)
(1970)



Contos
Voltaire
Abril Cultural
(1972)



Direito Constitucional Econômico; Privatização e Cidadania
Cadernos Direito Tributário e Finanças, 18
Revista dos Tribunais
(1997)



A Instrução Individualizada na Escola
Norman E. Gronlund
Pioneira
(1979)



O Mulato
Aluísio de Azevedo
Orbis
(2011)



Memories Text Book One
Rodrigo de Vita Grecco
Stylish
(1998)





busca | avançada
100 mil/dia
2,7 milhões/mês