Umas armadilhas suaves | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
37900 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ação Social
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> forças infernais
>>> 20 de Abril #digestivo10anos
>>> Pensando sozinho
>>> Minha casa, minha cama, minha mesa
>>> Aranhas e missangas na Moçambique de Mia Couto
>>> Novos Melhores Blogs
>>> Reflexões para um mundo em crise
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
Mais Recentes
>>> Plantas de Cobertura do Solo Caracteristicas e Manejo Em Pequenas . de Claudino Monegal pela Autor (1991)
>>> Os Honorários Advocatícios na Justiça do Trabalho - de Carlos Roberto Ramos pela : Conceito (2013)
>>> 1985 - o Autor de Laranha Mecânica Contesta o 1984 de Orwell e Mostra de Anthony Burgess pela Lpm (1980)
>>> Ciencias Criminais - Articulacoes Criticas Em Torno dos 20 Anos da Con de Ana C. B. de Pinho pela Lumenjuris (2009)
>>> Manual de Anestesia Em Pequenos Animais - de Paddleford pela Roca (2001)
>>> Las Investigaciones de Alvirah y Willy de Mary Higgins Clark pela Plaza & Janes (1998)
>>> Manual de Direito Constitucional - Volume Único de Marcelo Novelino pela Metodo (2014)
>>> Surfing and Health: Expert, Medial and Advice de Joel Steinman pela Meyer (2019)
>>> Competition in Global Industries de Michael E. Porter pela : Harvard Business School (1986)
>>> 22/11/63 - Novela de Stephen King pela Plaza Janés (2012)
>>> Guia Autorizado Adobe Photoshop 7. 0 - Com Cd - Livro de Treinamento de O mesmo pela Makron Books (2003)
>>> Instrumentos Musicales Precortesianos de Samuel Marti pela Inah (1968)
>>> Lo Mejor de La Siesta Inolvidable de Jorge Halperín pela Aguilar (2005)
>>> Novo Comentário Bíblico Contemporâneo - Lucas de Graig A. Evans pela Vida (1996)
>>> Etiquette For Outlaws de Rob Cohen pela Harper Entertainment (2001)
>>> Caixa de Pássaros de Josh Malerman pela Intrinseca (2015)
>>> Retratos e Fotogramas: Isabelle Huppert de Sesc SP pela Sesc (2009)
>>> As minas de Salomão de Eça de Queiroz pela Livraria Lello
>>> Sim Não de Jussara Braga pela do Brasil (1987)
>>> Alves & C.a de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1928)
>>> Fogo no Céu! de Mary França - Eliardo França pela Ática (1991)
>>> Contos de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1934)
>>> An Amazing Story de Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual (1996)
>>> O crime do Padre Amaro de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1935)
>>> Codorna - Criação - Instalação - Manejo de Irineu Fabichak pela Nobel (1987)
>>> Guerras Secretas -Super-Heróis Marvel de Alex Irvine pela Novo Século (2016)
>>> Cartas de Inglaterra de Eça de Queiroz pela Livraria Lello
>>> Cem Anos de Iberê de Luiz Camillo Osorio pela Cosac Naify (2014)
>>> Dia de Aninha de Ciça Alves Pinto pela Global (1996)
>>> Lasar Segall Un Expresionista Brasileño de Ivo Mesquita, Jorge Schwartz e outros pela Takano (2002)
>>> The White Mountains de John Christopher pela Longman (1974)
>>> Laje de Santos, Laje dos Sonhos de Guilherme Kodja Tebecherani, Ana Paula Pinto e outros pela Globo (2009)
>>> Ulster Story de Michael Villeneuve pela Longman (1977)
>>> Marco Giannotti de Nelson Brissac Peixoto pela Cosac Naify (2007)
>>> Morri para Viver de Andressa Urach pela Planeta (2015)
>>> Esio Trot de Roald Dahl pela Puffin Books (2001)
>>> Laura Belém de Laura Belém e outros pela Cosac Naify (2013)
>>> Brave New World de Aldous Huxley pela Longman (1978)
>>> Favela, um Bairro de Cristiane Rose Duarte e Outros (org.) pela Pro (1996)
>>> 1/3 da Vida de Wanderley Oliveira e Ermance Dufaux pela Dufaux (2016)
>>> Quê ?! de Tião Carneiro pela Autor
>>> Conheça a Verdade de Bruce Milne pela Abu (1987)
>>> Para uma Nova Era, Poesia & Prosa de Remisson Aniceto pela Patuá (2019)
>>> Mentes perigosas de Ana Beatriz Barbosa Silva pela Fontanar (2008)
>>> Meu menino vadio de Luiz Fernando Vianna pela Intrínsica (2017)
>>> Correndo com tesouras de Augusten Burroughs pela Ediouro (2002)
>>> Supernova - A Estrela dos Mortos de Renan Carvalho pela Novo Conceito (2015)
>>> Supernova - O Encantador de Flechas de Renan Carvalho pela Novo Conceito (2015)
>>> Segregação e Gentrificação: Os conjuntos habitacionais em Natal de Sara Raquel Fernandes Queiroz de Medeiros pela Edufrn (2018)
>>> Repensar as Familias de Fiona Williams pela Principia (2004)
COLUNAS

Sexta-feira, 7/6/2013
Umas armadilhas suaves
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3600 Acessos

Enquanto eu lia aqueles dois livros de capas tão distintas, tentava encapsulá-los em apenas uma palavra, que eu sabia ser um substantivo. Não me vinha um verbo ou um adjetivo. Eu seguia as trilhas dos livros de Ana Martins Marques e tentava uma palavra ou outra que a resumisse. Enfim, depois que fechei a última página de Da arte das armadilhas (Companhia das Letras), decidi-me: é delicadeza.

Refiz o trajeto todo. Reli os dois livros. O primeiro é A vida submarina, lançado pela editora Scriptum, de Belo Horizonte, uma casa de livros (e livraria, antes de tudo) que vem desempenhando um belo papel na paisagem dos lançamentos poéticos nos últimos anos. Ana MM não é a primeira (e nem será a última) a migrar da pequena para a grande editora, por conta de um trabalho bem-feito (dela e dos editores).

Depois de ganhar prêmios, inclusive repetidamente, Ana (cuja poesia é tão aparentemente simples quanto seu nome) compôs um belíssimo livro em que trabalha com a linguagem como quem costura ou borda ou aplica. É uma poesia delicada, mas em nada insossa ou daquele refinamento fake dos arranjos poéticos muito esforçados. A vida submarina traz um conjunto de poemas que deixam pequenos sustos no leitor, o que foi meu caso por diversas vezes. É desse tipo de surpresa boa, especialmente nos versos finais, que vem meu apreço grande pela poesia, desde os tempos da escola, quando as chances de eu desgostar disso eram muito maiores.

Por diversas vezes pensei: eu queria ter escrito isso. Em uma ou duas ocasiões, cheguei a pensar, meio sorrateiramente: eu podia ter escrito isso. Mas logo me vinha a ideia de que as imagens poéticas de Ana MM só cabem mesmo dentro dos olhos dela (meio esverdeados, por sinal). Lê-la é como aprender um pouco sobre o que ela observa ou que filtros ela usa. Era como exercitar o olhar do outro, mas um belo olhar: olhando uma paisagem, o que Ana MM olha? Vivendo a vida, o que ela percebe? O que a toca? O que a afeta? O que ela observa e como sente o que sente? Nesse sentido, sua poética é quase feita da crônica.

Numa poesia construída, basicamente, de palavras simples e imagens identificáveis, isto é, fundamentada na "escala humana", Ana MM trata de amor e das armadilhas da linguagem. Um tanto grande dos poemas é dessa estirpe dos metalinguísticos, só que com movimentos curvos, leves e delicados. A poeta não é dura, teórica ou excessivamente explicativa. Ela trabalha na comparação, especialmente aquela feita com coisas simples: uma cortina, uma árvore, uma mesa ou um fogão. (Ah, não, não vou compará-la a Adélia Prado - toda poeta mineira está sujeita a isso por uns tempos).

Na falta de mais referências (porém não melhores), nos dois livros, Ana MM (ou seu eu-lírico, como querem os professores, vá lá) me lembra Adília Lopes, poeta portuguesa publicada algumas vezes no Brasil também. Aquela sensação de ser poeta sem sair de casa me abraça em ambas. Adília é, talvez, menos amorosa. Não sei. Ana MM é também uma cronista das relações difíceis, mas sem gritar.

Em A vida submarina, encontrei 142 páginas de poemas divididos em partes muito seguras (mas talvez este seja um livro excessivo): Barcos de papel - em que a metáfora marinha é comum; Arquitetura de interiores - em que surgem a casa e seus apetrechos; A outra noite - com toadas de amor; Episteme & epiderme - com poesia e metalinguagem em relevo; Exercícios para a noite e o dia - parte que inclui imagens com a Penélope e outras mitologias; Caderno de caligrafia - com mais poemas que vêm da própria escrita incômoda; e A vida submarina - nova mistura de mitologias poéticas, entre a Penélope e o figo.

Pelas vinte e poucas páginas, o leitor já está submerso pelo verso de Ana MM, até que ela, diretamente, questiona: "Uma coisa que nunca entendi é por que/em geral se acredita que o poema/não é lugar para pensar". A esta altura, já é muito possível responder com Ana que sim, o susto que o poema nos dá significa, na verdade, uma mudança de estado no leitor. O pensar provocado pelo poema é mobilizador. Nunca mais enxergarei este mundo daquele velho jeito. Como pode uma mesa ser mote do poema?

As dificuldades da escrita estão todas lá. Não apenas nos textos que Ana MM provavelmente cultivou e tratou, mas em suas reiteradas reflexões sobre a escrita: "Mas experimente consertar/um poema que estragou". Não se trata de um irrelevante verso branco, mas de um desafio expresso na comparação com outras dificuldades, como reatar amizades arruinadas ou colar xícaras lascadas. É por essas e outras que afirmo que a poesia de Ana MM faz imagens com as coisas da pia, da copa, da sala. Não precisa de grandes relevos ou de célebres acontecimentos para ser grande. É com a jarra, as flores baratas e a banha de porco que ela fia peças delicadíssimas e belíssimas. Veja-se isto, então, num poema intitulado "Camas de solteiro":

sob as flores das camisolas
- pequenas, iguais -
duas solidões
guardadas
lado a lado.

Como tirar de duas camas essa impressão melancolicamente possível? É desse tipo de poema que tiro a ideia de que é preciso exercitar o enxergar/perceber como Ana MM.

Da arte de usar imagens comuns para dizer o espanto vem este outro poema, intitulado "Batata quente":

Se eu te entregasse agora o meu amor
aceso como ele está,
como ele está, pesado,
você o trocaria rapidamente de mão,
você o guardaria um pouco na esquerda,
um pouco na direita,
por quanto tempo antes de o passar adiante?

E os poemas, como esse, mas não apenas desse jeito, seguem tratando de amor e desamor e quase-amor desse modo fino, quase sempre na forma de questionamentos que provavelmente provocam silêncios, em vez de palavras. Para que respostas, se a questão é a alegria? Ana MM continua: "Dispões de palavras suficientes/para o mundo de que dispões, e a tua idade coincide com a idade que tens,/e as horas do dia equivalem/às horas do teu corpo acordado,/e a isso chamas alegria". Mas há outras alegrias no mesmo poema, descrições assim como que justas no que podemos ser e sentir, quando não somos poetas, e não temos a felicidade de saber expressar em versos, como tem Ana MM.

Depois, então, do bem-sucedido primeiro livro, Ana MM renasce pela Companhia das Letras (portanto com mais alcance) na obra Da arte das armadilhas, em que continua delicada em suas versões do mundo. Desta vez, o livro é menor (82 páginas), mas continuam lá o garfo, o amor, o espelho e o refinamento. Já à página 31 é possível desconfiar do título da obra: "A linguagem/sem cessar/arma/armadilhas". Com essas armadilhas, em que, como pássaros, caímos cantando (isso é emprestado a certos versos dessa obra), estão, ainda, Penélopes, Ícaros e mais mitologias, das grandes e das pequenas, das sociais e das particulares. Histórias inteiras, lindamente recopiadas, como em "Cinema":

Encontramos na rua
uma fileira de cadeiras
de um velho cinema
levamos para casa
colocamos na varanda
passamos toda a tarde
bebendo e fumando
assistindo passar
um dia qualquer

Que aspecto dessas imagens (simples?) me arrepiam? Todos. Da imagem curiosa do dia, da fileira de cadeiras, à maneira fina como a poeta vem tecendo a cena, como se me ensinasse a olhar de novo ou a ver melhor um mundo de pequenezas bonitas.

Para terminar, entre tantos, colhi um poema, "Falésias", em que Ana Martins Marques quase me derruba de cima das palavras, lugar que escolhi para viver, muito embora isso só me desoriente mais:

Hoje tivemos
um dia limpo
caminhamos e comemos
em silêncio

buscamos o ponto mais alto
da cidade e falamos
sobre uma casa
que não será construída

falamos sobre essa casa
implantada nas falésias
aberta
as gritos do mar

falamos
dessa casa
cada vez mais improvável
onde nenhum de nós vai morar

voltamos em silêncio
eu pensando em certos bichos
que só se acasalam
com dificuldade


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 7/6/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Minimundos, exposição de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
02. Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin de Jardel Dias Cavalcanti
03. Um Furto de Ricardo de Mattos
04. O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro de Jardel Dias Cavalcanti
05. Precisamos falar sobre Kevin de Renato Alessandro dos Santos


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2013
01. Elogio ao cabelo branco - 16/8/2013
02. A bibliotecária de plantão - 18/10/2013
03. O fim e o café solúvel - 26/4/2013
04. Coisas que eu queria saber fazer - 18/1/2013
05. Se ele não me lê - 8/3/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FUNDAMENTOS PSICOBIOLOGICOS DA EDUCAÇÃO
ÍRIS BARBOSA GOULART
LE
(1982)
R$ 6,90



AGOSTO
RUBEM FONSECA
COMPANHIA DE BOLSO
(2005)
R$ 29,90
+ frete grátis



ECOLOGIA CÓSMICA
RONALDO ROGERIO DE FREITAS MOURÃO
FRANCISCO ALVES
(1992)
R$ 25,90
+ frete grátis



PAI O GRANDE HERÓI DA VIDA
DPL
DPL
(2002)
R$ 4,00



ATÉ EU TE ENCONTRAR
GRACIELA MAYRINK
NOVAS PAGINAS
(2013)
R$ 23,00



DIABETES MELLITUS
RUY LYRA E NEY CAVALCANTI
DO AUTOR
(2006)
R$ 35,00



QUARENTENA - NOVA CULTURAL
WEBSTER, JOSH
NOVA CULTURAL
(1988)
R$ 7,00



A ARMADILHA DE DANTE
ARNAUD DELALANDE; MARIA DE FATIMA OLIVA DO COUTTO
RECORD
(2009)
R$ 14,90



NOVO TESTAMENTO 2A. - TRAD. ORIGINAL GREGO
FREI MATEUS HOEPERS
VOZES
(1958)
R$ 19,70



O DOM SUPREMO
PAULO COELHO; HENRY DRUMMOND
SEXTANTE
(2011)
R$ 10,00





busca | avançada
37900 visitas/dia
1,3 milhão/mês