O corpo em que nasci, de Guadalupe Nettel | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
51198 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 26/5/2014
O corpo em que nasci, de Guadalupe Nettel
Ricardo de Mattos

+ de 3800 Acessos


Guadalupe Nettel in letraslibres.com

"Como em outras ocasiões, encontrei companhia e cumplicidade no espaço da leitura" (Guadalupe Nettel).

As resenhas sobre O Corpo em que Nasci da escritora mexicana Guadalupe Nettel reforçaram-nos a convicção de que foram escritas - na melhor das hipóteses - a partir da leitura das primeiras páginas da obra ou, no máximo, do primeiro capítulo. Por um lado, há a compreensível sobrecarga de seus responsáveis, quiçá recebendo mais livros do que terão tempo para ler (ô vida difícil...). Por outro, podem criar no leitor suspeitas que depois não se confirmem.

Chegamos à obra por motivos diversos. A cada livraria que entrávamos, o livro estava em destaque entre os lançamentos - e em São Francisco das Chagas de Taubaté, isto significa que tal encontro deu-se três vezes. A revista e o jornal assinados pelo pai trouxeram as referidas resenhas. Acabáramos de ler A ninfa inconstante, do cubano Cabrera Infante e gostamos da ideia de continuar com a literatura hispano-americana. Decididos pela leitura, imaginávamos encontrar um livro simbolista, um texto que eventualmente refletisse as névoas em meio as quais a escritora viveria.

Ocorre que Nettel nasceu com uma deficiência no olho direito:

\

Esta deficiência rendeu-lhe alguns anos de severo incômodo decorrente da terapia então adotada:

"Isso se fazia com movimentos oculares semelhantes aos que propõe Aldous Huxley em A arte de ver mas também - e é do que mais me lembro - através de um curativo que me tampava o olho esquerdo durante metade do dia".

Não foi uma entrada fácil. Apesar disto, torna-se apenas ocasionalmente ao específico tema ocular, predominando a descrição dos anos de formação da jovem Nettel. O que não deixa de significar a superação gradativa da falha congênita. Reforça esta ideia o fato da escritora, quando uma menina tímida, valer-se de uma luneta para observar o mundo e estabelecer os primeiros contatos sociais, ainda que tímidos e tragicamente interrompidos.

No livro encontra-se uma salada de referências psicológicas. A narrativa dá-se diante de uma doutora Sazlavski, silenciosa conforme o estereótipo do psicanalista. Suspeita a escolha da especialização. Caso o leitor interesse-se pela obra, verificará que em determinado período de sua vida, Nettel apresentava o pai como psicanalista. Já o tratamento realizado pela escritora quando criança, por médicos do México e do vizinho Estados Unidos da América, visando criar o esquema de estímulo-resposta, traz fumos do comportamentalismo que viceja por aquelas bandas. Por fim, a localização social obtida na época escolar com o recurso à facilidade para a escrita, compensando um déficit com um talento, fez-nos lembrar do pouquíssimo que conhecemos sobre a teoria de Alfred Adler. Mais do que isto: vemos a dimensão noética - ou espiritual - ultrapassando os limites da dimensão biopsíquica que lhe serve de instrumento, tal como Frankl preconiza ser capaz todo ser humano, apenas por ser humano. O nome de Wilhelm Reich é citado com discrição. A par disto, verificam-se também a presença do psicologismo, aqui significando o emprego sempre descuidado da psicologia pelo senso comum. Durante a infância, o entusiasmo de seus pais fê-los infiltrar em sua educação ideias que eles mesmos não haviam absorvido direito.

O que originou situações cômicas, mas permitiu-lhe encontrar resposta mais madura. A caminho da escola, a menina perguntou aos pais por que as pessoas mantêm relações sexuais. "Para sentir prazer", responderam-lhe, talvez um tanto constrangidos, mas satisfeitos de seguirem a cartilha vigente e, por isto, crentes de terem dado a melhor réplica. Empolgaram-se e compararam a relação sexual a comer chocolates.

"Comer chocolates! Com uma resposta assim, o mais provável era que uma menina desejasse fechar-se esta manhã mesmo no banheiro do colégio com o primeiro homem que encontrasse em seu caminho. Por que não lhes ocorreu responder, doutora Sazlavski, que as relações sexuais se têm por amor e são uma forma alternativa de demonstrá-lo?".

Faça-se justiça. A mãe pode não ter sido gentil ao comparar a filha com uma barata, referindo-se a sua postura encurvada. Todavia, o saudável efeito colateral teve lugar quando a jovem leitora deparou-se com A Metamorfose, de Kafka, e identificou-se a partir das primeiras linhas com a narrativa da transformação de Gregor Samsa. O mundo dos livros sempre foi o refúgio e a fonte de subsídios para compreensão do mundo. A identificação com o texto de Kafka consolidou este relacionamento.

Da criação por pais mais confusos do que gostariam de reconhecer, Nettel foi entregue aos cuidados da avó materna. Não cabe aqui a história de que os pais educam e as avós estragam. Si a menina parecia aprender junto com os pais a respeito do mundo contemporâneo, a entrega transitória à avó implicou no retrocesso à educação de moças do século XIX. Verdadeira imersão na disciplina familiar - isto podia, aquilo não - e negligência de sentimentos e cuidados básicos. Importante era a compostura da roupa e do porte. O rotineiro improviso da alimentação e a necessidade de uma crise de choro para demonstrar o quanto a menina gostava da prática de um esporte foram tratados como questões menores ou caprichos. Porém cremos que, pior que a negligência e o descaso, é a assimilação daquilo que criticamos ou a equiparação àqueles que contestamos. Certo desolamento atinge-nos quando outros falam, mas são nossos lábios que se movem. A escritora conta que sua avó

"Estava cheia de manias e costumes estranhos, alguns dos quais fui adquirindo sem me dar conta".

Após o sofrível estágio, a jovem vai morar com a mãe na França. Neste país, ficou evidente que o ponto nevrálgico de sua existência não é a visão, mas o deslocamento social que sempre a acompanhou. Seu gosto pelo futebol levava-a à companhia dos meninos. Entre eles, não logrou convivência isenta de conflitos. Entre os colegas da escola, era alguém de parca sociabilidade. Foi morar num bairro de excluídos e conseguiu sentir-se excluída entre eles:

"A maioria dos vizinhos era de origem magrebe mas também havia franceses, africanos negros, portugueses, asiáticos e ciganos assentados. Por mais que perguntássemos, não conseguimos encontrar nenhum latino".

Por diversos motivos que o leitor poderá conferir, foi cautelosa a aproximação da escritora com o mundo. Poderá verificar que nem toda aproximação foi grata, que nem toda pessoa apresentada tornou-se amiga, alguém disposta ao mutualismo inerente à ligação. Em uma das famosas Cartas a um jovem poeta, mais precisamente a de 16 de julho de 1903, Rainer Maria Rilke define bem esta situação quando escreve:

"Diz que os que sente próximos estão longe. Isso mostra que começa a fazer-se espaço em redor de si. Se o próximo lhe parece longe, os seus longes alcançam as estrelas, são imensos".

Reencarnamos num corpo mediante o qual estabelecemos relações, retomamos afinidades e antipatias, aprendemos, comemos chocolate e coçamos a barriga de cachorras eternamente carentes. Ugo Betti afirma que "há uma certa paz em ser o que se é e em o ser completamente". Quanto ao corpo individual, Nettel aceita-o com todas as suas peculiaridades, e a impossibilidade de um transplante não adquiriu conotação dramática:

"... decidi habitar o corpo em que tinha nascido, com todas as suas particularidades. No final das contas era o único que me pertencia e me vinculava de forma tangível com o mundo, ao mesmo tempo que me permitia distinguir-me dele".

Percebemos que o corpo também adquiriu dimensão social, o que não é absurdo se pensarmos na terminologia que empregamos no cotidiano: corpo de bombeiros, corpo docente, corporação, corporativismo. Finalmente em paz com o corpo em que nasceu, definidos seus limites e aparadas expectativas "soltas", o próximo passo foi a aceitação dos demais membros do corpo maior e a estabilização dos laços.

À guisa de conclusão

"Hoy la filosofía, en especial a través de los múltiples movimientos personalistas, ha subrayado el valor de la persona, única en su individualidad, libre, irreiterable e insustituible. Pero es una persona comprometida en un mundo y que existe no solo 'con' un cuerpo sino 'en' un cuerpo. Pero la infraestructura corpórea debe ser puesta al servicio de la transcendencia del espíritu que ve y ama" (Mandrioni, Introduccion a la filosofía).

Imagens

Ilustram a coluna imagens de quadros da pintora mexicana Frida Kahlo (1907-1954), cujo corpo, por acidente, também deu-lhe o que penar.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 26/5/2014


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2014
01. Memórias de um caçador, de Ivan Turguêniev - 17/3/2014
02. Lares & Lugares - 18/8/2014
03. As Vacas de Stalin, de Sofi Oksanen - 10/2/2014
04. Kardec, A Biografia, de Marcel Souto Maior - 6/1/2014
05. Do outro lado, por Mary del Priore - 27/10/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SELEÇÕES DE LIVROS
READERS DIGEST
READERS DIGEST
(2019)
R$ 28,00



TATARUGAS NINJAS Nº 1 AO 9
BRIAN LYNCH/ TOM WALTZ
PANINI COMICS
(2012)
R$ 80,00
+ frete grátis



ABANDONO
JOSEPHINE HART
RECORD
(1996)
R$ 6,00



PORTUGUÊS 7º ANO PARA VIVER JUNTOS
CIBELE LOPRESTI COSTA / ELIANE GOUVÊA LOUSADA E OUTROS
SM
(2012)
R$ 17,00



ADIVINHADORES DE ÁGUA
EDUARDO ESCOREL
COSAC & NAIFY
(2005)
R$ 166,13



FROMMERS PORTUGUES - BUENOS AIRES COM PUERTO MADEIRA E TREN DE LA
JÚLIO LOUZADA
JÚLIO LOUZADA(RJ)
(1997)
R$ 26,28



TÓPICOS GERENCIAIS CONTEMPORÂNEOS
VALÉRIA RUEDA ELIAS SPERS
IESDE
(2009)
R$ 12,00



O PODER DOS DONOS - PLANEJAMENTO E CLIENTELISMO NO NORDESTE
MARCEL BURSZTYN
VOZES
(1985)
R$ 13,41



RINDO COM CLAUDIO CUNHA - O ANALISTA DE BAGÉ NO TEATRO
CLAUDIO CUNHA
CFC
(1997)
R$ 7,90



PANTALEÓN E AS VISITADORAS
MARIO VARGAS LLOSA
CÍRCULO DO LIVRO
(1973)
R$ 9,00





busca | avançada
51198 visitas/dia
1,4 milhão/mês