Bibliotecários | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
77520 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Museu de Arte Sacra de São Paulo | Salão Paulista de Arte Naïf
>>> UM JOÃO DO RIO INÉDITO
>>> Alma Despejada com Irene Ravache tem temporada no Teatro WeDo! com 24h de acesso
>>> OSGEMEOS participam de bate-papo do MAB FAAP
>>> Minicômios e Do observatório eu vi
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
Últimos Posts
>>> Mostra Curtíssimas estreia sábado (26) no YouTube
>>> Fiel escudeiro
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Apenas manter a loja
>>> Livros, brinquedos, bichos de estimação e imagens
>>> Confissões do homem invisível, de Alexandre Plosk
>>> Panorama Literário de 2006
>>> Outra América é Possível
>>> Lira da resistência ao futebol gourmet
>>> Meu destino é pecar
>>> Nem memórias nem autobiografia, mas Saramago
>>> O papel do escritor
>>> Aniversário
Mais Recentes
>>> Sun Tzu - Estratégias de Vendas de Gerald A. Michaelson pela M.Books (2005)
>>> O Discurso Secreto de Tom Rob Smith pela Record (2010)
>>> A Loira de Concreto de Michael Connelly pela Best Seller (1994)
>>> Mémorias de um revolucionário de Piotr Kropotkin pela Ccs (2021)
>>> Punhalada no Escuro de Lawrence Block pela Companhia das Letras (2001)
>>> O Pecado dos Pais de Lawrence Block pela Companhia das Letras (2002)
>>> O Ladrão Que Estudava Espinosa de Lawrence Block pela Companhia das Letras (2002)
>>> O Ladrão no Armário de Lawrence Block pela Companhia das Letras (2007)
>>> Três Obras Didáticas (Teatro brasileiro/Educação/Pedagogia) de Luiz de Assis Monteiro pela Confraria da Paixão (2021)
>>> O Vendido de Paul Beatty pela Todavia (2017)
>>> Lolita - Coleção o Globo de Vladimir Nabokov pela Globo (2003)
>>> As Brumas de Avalon a Senhora da Magia Livro 1 de Marion Zimmer Bradley pela Imago (1985)
>>> O Ideiador - Poema da Independência de Luiz Paiva de Castro pela Bonde (1972)
>>> O Fim de Tudo de Luiz Vilela pela Record (2016)
>>> Homens São de Marte Mulheres São de Vênus de John Gray pela Rocco (1996)
>>> A Última Delegacia de Patricia Cornwell pela Companhia das Letras (2005)
>>> Blocos uma História Informal do Carnaval de Rua de João Pimentel pela Relume Dumará (2002)
>>> O Poder do Pentagrama de Zaiplad Hcer pela Imprensa Livre (2001)
>>> A Moreninha de Joaquim M. de Macedo pela Cultrix (1968)
>>> A Terra dos Meninos Pelados de Graciliano Ramos pela Record (2006)
>>> A Morte de Artemio Cruz de Carlos Fuentes pela Abril Cultural (1975)
>>> Apelo às Trevas de Dennis Lehane pela Companhia das Letras (2003)
>>> Teresa Filósofa - Clássicos Libertinos de Anônimo do Século XVIII pela L&pm (1991)
>>> Gastão de Orleans de Alberto Rangel pela Cia Ed. Nacional (1935)
>>> Casa de Pensão 13 - Obras Imortais da Nossa Literatura de Aluisio de Azevedo pela Três (1973)
COLUNAS

Segunda-feira, 23/2/2015
Bibliotecários
Ricardo de Mattos

+ de 2900 Acessos

"Não seria maravilhoso o mundo se as bibliotecas fosse mais importantes que os bancos?" (Mafalda)

No dia oito de dezembro de 2014 estreou no canal Universal uma nova série de televisão intitulada The Librarians - Bibliotecários. A primeira temporada, composta por cerca de dez capítulos, estendeu-se de dezembro e janeiro deste ano. Algo nas chamadas e resenhas jornalísticas remeteu-nos ao Libri di Lucca, livro de Mikkel Birkegaard ao qual já tivemos oportunidade de dedicar uma coluna. Nada mais distante.

A temporada começou com o bibliotecário "chefe" Flynn Carsen, interpretado por Noah Wyle, reunindo uma equipe de auxiliares, os quais deixou sob a guarda da comandante Eve Baird - na pele de Rebecca Romijn. Flynn pouco apareceu. Logo no primeiro episódio A Biblioteca foi enviada criminosamente para outra dimensão e coube-lhe recuperá-la. Restou aos três auxiliares, à comandante e ao zelador Jenkins (John Larroquette) um anexo no qual se reuniam e se informavam sobre casos a serem resolvidos. Este já foi um ponto decepcionante para bibliófilos e bibliomaníacos, pois aguardávamos cenário que remetesse ao aconchego de uma livraria, e justamente os livros que menos aparecem. A biblioteca dos filmes de Harry Porter é mais satisfatória.

Quem são os auxiliares de Flynn? Jacob Stone - interpretado por Christian Kane -, Cassandra Cillian - por Lindy Booth -, e Ezequiel Jones - por John Kim. Jacob é especialista em História da Arte e Arquitetura e compõe a equipe de bibliotecários escondido de sua família, da qual também esconde sua inteligência altíssima. Até ser chamado para a equipe trabalhava em uma refinaria de petróleo. Há uma tensão interna entre ele e Cassandra decorrente do mau passo dado por ela no primeiro episódio. Cassandra é um gênio da Matemática, portadora de tumor cerebral e projeta no espaço diante de si os cálculos que faz. Ezequiel é o malandro do grupo, sugerindo que a inteligência ampla pode ser engraxada com malícia. Ficou por sua conta toda trapaça útil ao trabalho desenvolvido em cada episódio.

Caro leitor, quem escreve estas mal traçadas linhas é alguém que, adolescente, comprou uma revista Playboy porque o ensaio de capa seria realizado numa biblioteca. Sentado no sofá com as pernas cobertas na tentativa de impedir acesso aos pernilongos, no correr da série nossa expectativa foi decrescente e descrente ficamos de encontrar maior tutano. Quem já presenciou encenação amadora de adolescentes em teatro escolar não precisará esperar mais do que isto do seriado. A comandante Baird surpreendia-se com as perguntas e afirmações que precisava fazer no desenrolar da trama, e muitas vezes parecia que quem procurava saber o que estava fazendo ali era a própria Rebecca Romijn. Até o locutor das chamadas pareceu constrangido.

Num dos episódios, personagens de contos de fadas ganharam vida e foram às ruas. De repente, a própria equipe de bibliotecários começou a adquirir características dos personagens evocados: Baird transformou-se gradualmente numa princesa, Jacob no lenhador do conto da Chapeuzinho Vermelho... e Cassandra incorporou o príncipe encantado. Com ao menos dois homens constantes na equipe de bibliotecários, a vinculação do príncipe a uma mulher sugere mera concessão ao politicamente correto. No último episódio, "O tear do destino", o reaparecimento abrupto do antagonista Dulaque parecia estar ligado mais ao cumprimento de horas contratuais do ator que ao deslinde da trama. Quem esperou casos mais intrincados e apostou em maior combustível cultural - o que não é absurdo ao deparar-se com uma série dedicada a uma profissão tão específica - foi desapontado. Enfim, faltou borogodó.

Durante a exibição, mesmo o mais humilde e cândido dos telespectadores começou a especular alternativas à atuação daqueles adolescentes da tela, tão distanciados dos livros quanto os adolescentes da vida real. Sendo a proposta enveredar pelo fantástico, então que se reunissem bibliotecários de diversas épocas e lugares para que do contato entre eles decorresse algo mais instrutivo e instigante.

Tudo o que envolvesse orientalismo poderia ficar sob a responsabilidade do filósofo chinês Lao Zi, lendário auto do conjunto de poemas reunidos sob o título de Tao Te King. Varia a grafia do nome do filósofo e da sua única obra, e as informações sobre sua vida baseiam-se na tradição. "Lao Zi" é composto pela união de palavras chinesas que significaram "jovem" e "velho", o que seria justificado pelo seu nascimento após uma gestação que durou entre oito e 81 anos. Significaria também um desencarne em plena jovialidade? Sendo ou não um Benjamin Button da filosofia chinesa, o filósofo foi o bibliotecário da capital Loyang. Houve um momento em que se cansou do cenário pleno de intrigas e superficialidades da corte. Decidiu fugir para o oeste da China, o que fez montado no lombo de um búfalo, animal utilizado também para transporte neste país. Abordado na fronteira, um dos soldados fez-se seu discípulo, rogando-lhe que deixasse um registro de sua sabedoria. Originou-se, assim, o citado poema filosófico ou, mais precisamente, sapiencial. Dentre os princípios que expõe está o wei-wu-wei, algo que este colunista ansioso está tentando aprender no cotidiano. Segundo Lao Zi, tudo segue um Caminho - Tao. Interferir neste caminho é tentar prevalecer a própria vontade, a qual talvez nem sempre esteja de acordo com ele. Wei-wu-wei, longe de ser a omissão calculada, seria a inatividade operosa, o agir após a percepção de quando necessário agir em benefício do caso.

Eventuais demandas de cálculos exatos e de conhecimento a respeito de tanto de bibliotecas quanto de seus acervos - e mesmo d'outros monumentos - poderia ficar ao cargo de Ranganathan. Shiyali Ramamrita Ranganathan (1892/1972) é considerado o pai da biblioteconomia indiana. São clássicos os seus trabalhos técnicos a respeito do assunto. Formou-se inicialmente em matemática, e a ligação com a biblioteconomia derivou de seu magistério universitário na antiga cidade de Madras. Envolveu-se de tal forma com a melhoria da biblioteca da universidade que aceitou a incumbência de estudar biblioteconomia na Inglaterra, como condição para assumir a vaga de bibliotecário. Neste empenho, teria visitado mais de cem bibliotecas, de variados tipos, o que encantou este colunista que acalenta a ideia de, um dia, manter uma coluna sobre bibliotecas e livrarias que conheceu pessoalmente. Ranganathan estabeleceu cinco leis básicas da biblioteconomia: (I) os livros são para usar; (II) a cada leitor seu livro; (III) a cada livro seu leitor; (IV) poupe o tempo do leitor; (V) a biblioteca é um organismo em crescimento.

O aspecto cerebrino, por assim dizer, da solução de alguns casos seria característica de Jorge Luis Borges. O escritor argentino foi admitido na Biblioteca Municipal Miguel Cané em 1937, sendo afastado nove anos depois por despeito do ditador Perón, quem tentou humilhá-lo fazendo-o ser designado fiscal de frangos e ovos do mercado municipal. Em 1955 foi nomeado diretor da Biblioteca Nacional. Em coautoria com Adolfo Bioy Casares, Borges escreveu alguns livros de casos detetivescos protagonizados por H. Bustos Domecq. No início de cada episódio, imóvel e segurando o castão de sua bengala, ele poderia escutar a narrativa do problema, reaparecendo ao final com solução coincidente e complementar à encontrada pelos demais personagens.

A conservação do acervo ficaria por conta de D. Manuel II (1889/1932), último rei de Portugal. Assumiu o trono após o regicídio que derrubou Carlos I e o principe real Luís Filipe. Seu breve reinado de dois anos encerrou-se com a proclamação da república portuguesa e seu exílio na Inglaterra. Recolhido em Londres, voltou-se ao estudo da literatura portuguesa medieval e renascentista e à coleção especializada de livros. Organizou, em três volumes, um catálogo bilingue comentado e ilustrado dos livros antigos que compunham sua própria biblioteca - ou livraria, como preferem os portugueses. Este catálogo foi distribuído mediante subscrição, sendo o primeiro subscritor o rei George V, da Inglaterra. Segundo as informações de que dispomos, estes livros são hoje mantidos em Vila Viçosa, Lisboa. Segundo um visitante, "D. Manuel II foi colecionador de certas espécies de livros, e o prazer de colecionar obriga a por o livro raro ao lado do livro vulgar, mas no seu espírito o colecionador viveu subordinado à disciplina do bibliófilo amador da beleza gráfica, isto é, das edições de bom papel e das encardenações esmeradas".
<>BR> A tensão interna ao grupo de bibliotecários adviria da presença de um papa e de um antipapa, "papéis" que poderiam ser ocupados, respectivamente, por Pio XI e Anastácio III. Antipapas, na prática, foram os candidatos preteridos nas eleições de um novo Bispo de Roma e que não se conformaram com a escolha. Nada tem a haver com questões de fé nem com o período de Avignon.

O antipapa Anastácio Bibliotecário viveu entre os anos de 810 e 878. Foi estreito colaborador do papa Nicolau I. Seu posicionamento como antipapa deu-se por ocasião da eleição de Bento III. Anastácio foi o candidato do imperador do Sacro Império Romano-Germânico. Anastácio foi bibliotecário - ou arquivista chefe - da Igreja de Roma, exercendo suas funções no Palácio Laterano, sede papal anterior ao Vaticano. Foi autor de obras diversas como uma biografia de São João o Piedoso, traduções latinas de concílios, uma Chronographia tripartita, biografias de santos - as hagiografias -, além de cartas, textos diversos e uma coleção de documentos sobre os casos amorosos do papa Honório I. Há divergências e estudos contraditórios, mas ou Anastácio foi um tranquilo arquivista e contemporâneo de um presbítero homônimo, ou o bibliotecário e o presbítero foram a mesma pessoa e isto significou-lhe uma vida bem conturbada, caracterizada pela ordem de sequestro da filha de um papa, excomunhão, anátema e outras questões.

Ainda que movimentada no exercício do magistério e do pontificado, a vida pessoal de Ambrogio Damiano Achille Ratti - o papa Pio XI - foi mais tranquila. Coube-lhe ser o primeiro governante da cidade-estado do Vaticano. Como Ranganathan, percorreu bibliotecas pela Itália e Europa. A partir de 1907 foi prefeito da Biblioteca Ambrosiana, instituição histórica milanesa que também abriga a Pinacoteca Ambrosiana e deve seu nome a Ambrósio, padroeiro de Milão. Ainda clérigo, graduou-se por três vezes: Filosofia, Direito Canônico e Teologia. Não obstante, seu gosto pelas ciências levou-o a colaborar temporariamente com o geólogo Giuseppe Mercalli. Fato notável de seu magistério é que, como professor de hebraico, adquiriu o hábito de levar seus alunos à Sinagoga de Milão para que eles familiarizassem-se com a pronúncia do idioma. Recuperador de arquivos eclesiásticos em Milão e de uma hagiografia de Santa Inês de Praga, a produção de próprio punho encontra-se nas muitas encíclicas que escreveu.


Cena:

D. Manuel: (examina diversos livros e pacotes de livros depositados sobre uma ampla mesa. Pega três ou quatro livros aleatoriamente): Então chegaram os livros mais recentes! Esplêndido. Raimundo Carreiro, a tradução em português de Joseph Roth, que ficará ao lado do original, e ... (pausa).

Lao Zi: Algo errado?

D. Manuel: (preocupado, examinando um livro) Algum chiste, receio... (Vira a capa na direção de Lao Zi e de Borges, que suspira. Depois, vira-a na direção de Pio XI)

Pio XI: Quando sou eu quem recebe os livros com o carteiro, costumo ser mais criterioso com o que permito entrar.

Anastácio (entredentes, sem levantar os olhos de um fólio): Os outros, sempre os outros...

Ranganathan: Vamos, de que se trata? (Toma o volume) Bom, entre os propósitos básicos de uma biblioteca está a reunião da produção literária de uma época. Guarda o volume. Si o problema for a encadernação, peça uma de papelão marmorizado e lombada de corvim.

Borges: Faça isto. Abomina-me a censura. De qualquer forma, obras assim não são longevas o suficiente para que eu me interesse por elas.

D. Manuel: Ainda assim.... Thalita Rebouças?

(Cena fecha em Olaff, buldogue do grupo, que acorda assustado ao lado da lareira e sai rosnando. No jardim defronte ao prédio da biblioteca, um búfalo rumina deitado no gramado. ).


Ricardo de Mattos
Taubaté, 23/2/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Corot em exposição de Jardel Dias Cavalcanti
02. Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras de Marilia Mota Silva
03. Eleições 2014: intrigas, infâmias, alucinações de Jardel Dias Cavalcanti
04. Antes que o amor seja apenas uma trégua de Ana Elisa Ribeiro
05. Daniel Piza: uma lanterna cultural de Wellington Machado


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2015
01. Sobre caramujos e Omolu - 20/4/2015
02. Alcorão - 26/1/2015
03. Espírito e Cura - 20/7/2015
04. Carmela morreu. - 23/11/2015
05. Silêncio - 17/8/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




La Magdalena - um Mistério de Theo Nikonos
William M. Valtos
Best Seller



A Universidade Possível
Jacques Marcovitch
Futura
(1998)



O Advento da Civilização Industrial
Jean Vial
Livraria Bertrand
(1976)



Um Caminho no Mundo: uma Sequência
V S Naipaul
Companhia das Letras
(1994)



Talleyrand - 3 Volumes
G. Lacour-gayet (capa Dura )
Payot
(1947)



O Arranha Nuvens
Richard Rayner
Bertrand Brasil
(2007)



Para Tirar os Pés do Chão. Corrida e Associativismo
Nelson Carvalho Marcellino
Hucitec
(2010)



A Paz Que Você Procura
Carlos Afonso Schmitt
Paulinas
(1987)



Le Fascisme Italien, 1919-1945
P. Milza e S. Berstein
Editions Du Seuil
(1980)



Saber, Ciência, Ação
André Morin, Gilles Gadoua e Gérard Potvin
Cortez
(2007)





busca | avançada
77520 visitas/dia
2,7 milhões/mês