O que vai ser das minhas fotos? | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> Espírito de porco
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nine Eleven
>>> E a bomba caiu!
>>> Arte é entropia
>>> Impressões sobre São Paulo
Mais Recentes
>>> Bala XXI - Casos, Crônicas, Piadas e Contos de Augusto José Vieira Neto pela Mandamentos (2000)
>>> Filhos Especiais Para Pessoas Especiais - O Milagre do Dia-a-dia de Neusa Maria pela Paulinas (2010)
>>> Pensées Étranglées de E. M. Cioran pela Gallimard (2014)
>>> Le Voyageur et son Ombre de F. NNietzsche pela Denoel (1979)
>>> Colder than Ice de David Patneaude pela Albert Whitman & Company (2003)
>>> Misericordiae Vultus / O Rosto da Misericórdia de Papa Francisco pela Paulinas (2015)
>>> Manual do Agricultor Brasileiro de Carlos Augusto Taunay pela Companhia das Letras (2001)
>>> O Ingenuo de Voltaire pela Dcl (2013)
>>> O Evangelho Segundo O Espiritismo de Allan Kardec pela Feb (1999)
>>> A Princesa de Babilonia de Voltaire pela Dcl (2013)
>>> A Campanha Abolicionista de Jose do Patrocinio pela Dcl (2013)
>>> Zollinger - Atlas de Cirurgia de E. Christopher Ellison, Robert M. Zollinger pela Guanabara Koogan; (2017)
>>> O Hobbit: A batalha dos cinco exercítos : guia ilustrado de Jude Fisher pela WMF Martins Fontes (2014)
>>> Radiografia da Alma de Pe. Hewaldo Trevisan pela Planeta (2010)
>>> Convênios e outros instrumentos de "Administração Consensual"na Gestão Pública do século XXI - Restrições em Ano Eleitoral de Jessé Torres Pereira Junior e Marinês Restelatto Dotti pela Fórum (2010)
>>> Estalos e Rabiscos - Mãos à Obra Literária de Walter Galvani pela Novaprova (2011)
>>> Distrito Federal Paisagem, População e Poder de Marília Peluso e Washington Candido pela Harbra (2006)
>>> Parto de Mim de Vera Pinheiro pela Pallotti (2005)
>>> Deuses americanos de Neil Gaiman pela Intrínseca (2016)
>>> A Ilha dos Prazeres de André Rangel Rios pela Uapê (1996)
>>> A pequena pianista de Jane Hawking pela Única (2017)
>>> Tradição e Novidade na Ciência da Linguagem de Eugenio Coseriu pela Presença- Usp (1980)
>>> Jovens Sem-Terra - Identidade em movimento de Maria Teresa Castelo Branco pela Ufpr (2003)
>>> Os Segredos das Mulheres Inteligentes de Julia Sokol e Steven Carter pela Sextante (2010)
>>> Lettres et Maximes de Épicure pela Librio (2015)
>>> Um Mundo a Construir de Marta Harnecker pela Expressão Popular (2018)
>>> Da RegenciaÀ Queda de Rozas (Rosas)/ Encadernado de Pandiá Calógeras pela Cia. Ed. Nacional (1940)
>>> Psicoterapia y Relaciones Humanas de Carl Rogers e G. Marian Kinget pela Alfaguarra (1971)
>>> O Vinho no Gerúndio de Júlio Anselmo de Sousa Neto pela Gutenberg (2004)
>>> Michel Foucault, Filosofia e Biopolítica de Guilherme Castelo Branco pela Autêntica (2015)
>>> Vidas Provisórias de Edney Silvestre pela Intrínseca (2013)
>>> Introdução À Arqueologia Brasileira: Etnografia e História de Angyone Costa pela Cia. Ed. Nacional (1938)
>>> A Glória de Euclides da Cunha ; Edição Ilustrada/ Brasiliana de Francisco Venancio Filho pela Cia. Ed. Nacional (1940)
>>> A Glória de Euclides da Cunha ; Edição Ilustrada/ Brasiliana de Francisco Venancio Filho pela Cia. Ed. Nacional (1940)
>>> Viñas, Bodegas & Vinos de Argentina de Austral Spectator pela Austral Spectator (2007)
>>> Alexandre, o Conquistador de Airton de Farias pela Prazer de Ler (2013)
>>> A Fiandeira de Ouro de Sonia Junqueira pela Positivo (2008)
>>> Feudalismo de Airton de Farias pela Prazer de Ler (2013)
>>> Alfabeto de Histórias de Gilles Eduar pela Ática (2008)
>>> As Obsessões de um Executivo Extraordinário: as Quatro Disciplinas... de Patrick Lencioni pela Record/ RJ. (2002)
>>> As Obsessões de um Executivo Extraordinário: as Quatro Disciplinas... de Patrick Lencioni pela Record/ RJ. (2002)
>>> As Obsessões de um Executivo Extraordinário: as Quatro Disciplinas... de Patrick Lencioni pela Record/ RJ. (2002)
>>> Marketing Nas Empresas Brasileiras: Organização de Vendas de Joaquim Carlos da Silva pela Record/ RJ.
>>> Dicionário da Língua Portuguesa de Malthus Oliveira de Queiroz pela Sucesso (2014)
>>> Salgueiro 50 Anos de Glória de Haroldo Costa pela Record (2003)
>>> Mitologia Grega de Pierre Grimal pela L&PM (2009)
>>> Além do Bem e do Mal de F. Nietzsche pela Escala (2005)
>>> La Muerte de la Familia de David Cooper pela Paidos (1974)
>>> La Tentation d'Exiter de E. M. Cioran pela Gallimard (1988)
>>> Os Pioneiros - a Saga da Família Kent- Vol. III de John Jakes pela Record/ RJ.
COLUNAS

Sexta-feira, 29/7/2016
O que vai ser das minhas fotos?
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3800 Acessos

Contei hoje. São quase mil itens dentro de uma pasta do computador intitulada "fotos". Nem tudo é genuinamente digital. Algumas são fotos digitalizadas a partir de uma matriz impressa; outras são fotos de fotos, coladas em álbuns da família; outras são mesmo fotos dos celulares ou das máquinas mais diversas. O que vai ser delas? Quem as verá, daqui a vinte anos? Será importante vê-las?

Por que digitalizei fotos impressas?

Minha família tem o que nós, mineiros, podemos chamar de "coisa com fotos". É um carinho, um apego, um fetiche até. Para tudo há uma foto, de tudo se faz registro. Aquela do banho na banheirinha, ainda bebê, é um clássico quase universal. Quem nunca? E as festas, os bolos de aniversário, os amigos da adolescência, os grandes eventos, tais como casamentos, lançamentos de livros, 90 anos da bisavó, etc. Está tudo devidamente datado, organizado e colado em álbuns especialmente dedicados a este fim. Gastaram horas de trabalho e atenção para que se constituíssem. Ocupam espaço, são pesados e às vezes são retirados de seu silêncio para dispararem narrativas, às vezes repetitivas, sobre a família, as saudades, as transformações. O poder da fotografia - da mais ordinária - é imenso.

No entanto, digitalizei várias dessas fotos. Para quê? Para dar-lhes outro modo de circulação; para mostrá-las aos amigos virtuais; para postar nas redes sociais; para readmirá-las, coletivamente; para renová-las em sua beleza ou peculiaridade. Com a digitalização, essas fotos - não todas - ganharam uma vida outra, diferente de suas originais.

Por que não digitalizei algumas?

Porque algumas não interessam mais. Ou simplesmente não para tal ou qual ocasião. Não são suficientemente bonitas ou ridículas. Não têm foco ou são desprezíveis por qualquer motivo. É a edição da edição, a curadoria da fotografia ordinária. Digitalizei apenas parte do acervo da família. A completude apenas os álbuns reais terão.

E o que vejo acontecer aos milhares de fotos digitais?

Pouco mais que o esquecimento, muito próximo do silêncio reservado às fotos de papel. Estava pensando: meus milhares de fotos digitais compõem-se de muitas fotos mal tiradas, mal resolvidas, tiradas ao acaso, disparadas despreocupadamente. Jamais seriam impressas, se eu pudesse escolher. Mas estão lá, enchendo meu HD. Entre elas há as fotos boas, bonitas ou as ridículas, guardadas em pastas com nomes por data, para que eu identifique o evento, o momento, a importância. Só que estão lá as fotos originais, em alta resolução (porque eu sempre penso em imprimi-las) e as alteradas, em baixa resolução, para postar na internet, para mostrar nas redes sociais. Resulta disso que tenho milhares de fotos repetidas.

No entanto, não as vejo. Não as mostro a quase ninguém. Não chamo os parentes para vê-las no computador nem na smartTV. Não falo delas, a não ser quando as publico na web e elas se esvaem depois de muitos outros posts. Não me lembro delas e tenho muita dificuldade de encontrar alguma, em especial, quando preciso. São muitas, quase infinitas, e não sei ao certo onde estão, já que elas não aparecem se eu não clicar.

O que será dos meus álbuns?

Nada. Será silêncio. Em alguma medida, inexistência. Já perdi meus disquetes, depois meus CDs. Hoje em dia, guardo tudo em pendrives e em um HD externo. Torço, todos os dias, para que esses dispositivos sejam compatíveis entre si, ou as extensões dos arquivos, para que eu possa sempre salvá-los - e aos meus milhares de registros familiares, afetivos, históricos. As viagens, os jantares, os aniversários do meu filho, os bolos, os dias de alegria e alguns de tristeza. A fachada antiga da casa e o pós-reforma, as bodas dos pais, o centenário de alguém. Não os vejo, não os revelo. Minha promessa de revelar "ao menos as melhores" nunca se cumpriu. É caro, é chato, é demorado, é impertinente. E antes que eu consiga imprimir estas dez ou cem, já vieram outras e outras, tiradas no celular, com filtros automáticos, tiradas pelas câmeras novas, tiradas, clicadas, quase sem distinção. E outras e outras e mais outras. Desisti. Foi isso. Desisti de imprimir tanta imagem.

E por que ando fotografando com uma câmera analógica?

Faz uns meses, um amigo fotógrafo (e técnico de máquinas) me presenteou com uma câmera analógica. Ele não tinha - ou tinha? - noção do que estava fazendo. Marcou um encontro em um café, rapidamente, para me entregar uma bolsa preta, pequena, com uma Ricoh analógica, com objetiva russa, e alguns filmes asa 200.

Tem sido uma "experiência". Outro amigo logo me indicou as lojas que ainda fazem revelações analógicas e tratei de virar freguesa. Como a Ricoh (que apelidei de MaRicohta) é velha, meio alquebradinha, sinto-me mais segura com ela na rua, correndo menos risco, quero dizer. E levo-a a passear, fotografando, com dificuldade, as pessoas que me interessam.

A dificuldade é grande, é considerável. É preciso pensar a foto, é preciso observar o entorno, a luz, a hora do dia, a cor do céu e do Sol, ver o fundo, calcular. Só depois, faço a fotometria, usando uns sinais que vejo dentro do visor. Não sei ao certo como a foto vai ser. Não sei se funcionará. E fico ansiosa desde o momento do clique. E agora?

Nos primeiros dias, eu tinha um impulso absurdo: virava a câmera para olhar o resultado na tela. Mas não tem tela e nem resultado imediato. Só depois da revelação do filme. Eu já havia feito isso, anos atrás, mas agora eu tinha vícios, tinha hábitos digitais. Não é mais a mesma coisa. Eu quase não pensava mais as fotos. Fotos eram aleatórias, fortuitas, descartáveis. Se não der, não deu. Apaga. Mas a MaRicohta é diferente. Ela me faz repensar.

Tirei a foto. Prometi que enviarei quando ficar pronta. O filho, o marido, o vizinho, o amigo, a moça da padaria, que vende pão de porta em porta, em uma bicicleta adaptada. Mas e se eu não imprimir? Jamais saberei. Imprimir é imperativo. E se não ficar bom? Aí é outra história. É no rasgo.

Ansiosa, gastei o filme todo (24 ou 36 poses). Acabou no meio do passeio, paciência. Tanta foto que eu ainda queria tirar! Má gestão. Por que não tirei as fotos que realmente importavam? Demora. Demora o clique. É preciso ter paciência para fotografar analogicamente. Tanto o fotógrafo quanto o fotografado. Calma, estou regulando a câmera. Tá escuro para ela. Ou o contrário: vai estourar. Como você sabe? Não sei. Estou vendo uns sinais aqui. Ficou boa? Não sei. Só daqui a uns dias.

OK. Prontas. Ficaram boas ou razoáveis. Vejo-me de novo às voltas com a necessidade de um álbum. Onde vou organizá-las? Guardá-las? Estas, certamente, durarão até que meu filho cresça ou até que achemos tudo antigo e risível. Até que tenhamos saudades de alguém. Não posso deixá-las soltas ou jogá-las fora. Para mostrá-las, basta escaneá-las e postar nas redes sociais. Ah, que curiosas! São bonitas, têm outro grão. Muita gente percebe: que fotos lindas! São diferentes. Nem sempre explico. Deixo. É uma poesia toda minha.

Ligo para a loja: moço, você ainda vende daqueles álbuns cartona? Quais? Aqueles grandes, com páginas duras, cola e um plástico por cima das fotos? Espera, moça, faz tanto tempo que alguém não pergunta isso... E ele grita para alguém, meio fora do bocal do telefone: ainda tem álbum para foto impressa? Não sei o que responderam. Deixa. É minha poesia.

Obrigada, Laércio. Tem sido um repensar constante, não apenas sobre fotos que merecem existir ou ser vistas um dia. Tem sido fazer o melhor pelo momento. E registrá-lo bem.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 29/7/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Bates Motel, o fim do princípio de Luís Fernando Amâncio
02. Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo de Jardel Dias Cavalcanti
03. O Quixote de Will Eisner de Celso A. Uequed Pitol
04. A noite em que Usain Bolt ignorou nosso Vinicius de Elisa Andrade Buzzo
05. Diálogos no Escuro de Heloisa Pait


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2016
01. 12 tipos de cliente do revisor de textos - 26/2/2016
02. O que vai ser das minhas fotos? - 29/7/2016
03. Que tal fingir-se de céu? - 4/11/2016
04. Noturno para os notívagos - 10/6/2016
05. Com quantos eventos literários se faz uma canoa? - 15/1/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A QUINTA DISCIPLINA
PETER M. SENGE
BEST SELLER
(2003)
R$ 30,00



PENSAMENTOS SOBRE A ARTE DE VIVER
JOSÉ PAULO PAES
CULTRIX
(1995)
R$ 15,00



ÍCONE
FREDERICK
RECORD
(1997)
R$ 22,31
+ frete grátis



BALADA DA INFÂNCIA PERDIDA
ANTÔNIO TORRES
NOVA FRONTEIRA
(1986)
R$ 4,08



A VIDA SEM RECEITAS
DR. CHRISTIAN GAUDERER
OBJETIVA
(1994)
R$ 10,00



DA FAVELA PARA O MUNDO - GRUPO CULTURAL AFRO REGGAE
JOSE JUNIOR
AEROPLANO
(2003)
R$ 6,47



GLOSSÁRIO DA QUALIDADE TOTAL - 2ª EDIÇÃO
PROFS. ALBERTO A MACEDO; FRANCISCO L. PÓVOA FILHO
UFMG
(1995)
R$ 10,00



EU FICO LOKO 2
CHRISTIAN FIGUEIREDO DE CALDAS
GRUPO EDITORIAL NOVO CONCEITO
(2015)
R$ 16,00



ZAPP! EM AÇÃO
ALFREDO PIRES DE CASTRO
CAMPUS
(1994)
R$ 4,00



OS SENHORES DA RAZÃO - DENDROBATAS
C E GREMBECKI
GREMRA
(1998)
R$ 5,00





busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês