A Casa das Aranhas, de Márcia Barbieri | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
82631 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Curitiba On-line: atividades culturais disponíveis para fazer em casa
>>> Luis Stuhlberger, um dos maiores gestores de fundos do país, participa do próximo Dilemas Éticos
>>> Cia. Palhadiaço faz temporada online de Depósito acompanhada por oficinas grátis
>>> GRUPO MORPHEUS TEATRO leva obra audiovisual “BERENICES” para teatros públicos do munícipio de São Pa
>>> II Bibliofest debate Agenda 2030 da ONU/IFLA em bate-papos literários e oficinas culturais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Deficiente capilar
>>> A imaginação do escritor
>>> Caindo de paraquedas na escrita
>>> Inteligência artificial
>>> Rimbaud, biografia do poeta maldito
>>> 7 de Setembro
>>> Deixa se manifestar
>>> Auctoritas
>>> A arte do cinema imita o caos. Ou vice-versa
>>> Toca Raul!
Mais Recentes
>>> José Duarte- um Maquinita da Historia de Luiz Momesso pela 8 de Março (1988)
>>> Perfil Literário dos Presidentes das Sobrames Regionais- 2000/2002 de Varios Autores pela Santa Rita (2002)
>>> Dragões do Eter Vol. 3 - Círculos de Chuva de Raphael Draccon pela Leya (2010)
>>> Tecnica e Sociedade no Brasil - de Diana Gonsalves Vidal pela Contexto (1988)
>>> Projeto Resgate Pernambucano-vol. 01 de Varios Autores pela Alepe-pe (2007)
>>> Oásis do Meier de Altamir Tojal pela Calibar (2010)
>>> Redação para o 2 grau- Pensando lendo e escrevendo de Ernani e Nicola pela Scipione (1996)
>>> Gestao Radical: As Licoes Do Programa De Gestao Avancada Da Harvard Business de Mark Stevens pela Campus (2001)
>>> Os Vigilantes de Philip Cornford pela Record (1991)
>>> Inferno na Torre de Richard Martin Stern pela Record
>>> Contos Fluminenses-edições Criticas de Machado de Assis pela Civilização Brasileira (1975)
>>> Discursos- Vol. 01 - 1974 de Ernesto Geisel pela Assessoria Imprensa Nacional (1975)
>>> Cantos do Brasil - o Caminho das Pedras de Shirley Souza pela Escala Educacional (2000)
>>> Remedio Amargo de Arthur Hailey pela Record
>>> A Câmera do Sumiço de Laura Bergallo pela Dcl (2007)
>>> Turismo Em Cronicas de Geraldo Granja Falcão pela Do Autor (1977)
>>> Bonecos na Ladeira de Adriana Victor pela Publikimagem (2011)
>>> Operação Rhinemann de Robert Ludlum pela Record (1974)
>>> Abilio Diniz. Caminhos E Escolhas de Renato pela Campus (2004)
>>> Historias Que o Tempo Esqueceu de Melchiades Montenegro Filho pela Fac Form (2011)
>>> A Saga da Wilson Sons de Patricia Saboia pela Index (1997)
>>> Respostas ao Criador das Frutas de Sonia Carneiro Leão pela Do Autor (2010)
>>> Envolvido pela Luz - 3ª de Betty J. Eadie pela Nova Era (1994)
>>> A Era Da Mulher de Alison Maitland pela Campus (2008)
>>> Mais rápido, barato e melhor de Michael Hammer e Outros pela Campus (2011)
COLUNAS

Terça-feira, 24/3/2020
A Casa das Aranhas, de Márcia Barbieri
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 1100 Acessos



Nós conhecemos a questão da regressão musical de Stravinski através do famoso ensaio de T. W. Adorno. Não que Stravinski tenha decaído enquanto artista. Sua obra continuava primorosa, mas regredia à uma forma clássica ultrapassada se pensarmos na sua radical criação musical que foi A Sagração da Primavera.

Com o novo livro de Márcia Barbieri passa-se mais ou menos o mesmo. A Casa das Aranhas, publicado pela Editora Refomatório, é o último livro de uma trilogia que teve anteriormente os excelentes livros Enterro do Lobo Branco e A Puta. Agora Márcia Barbieri cede à tentação de contar uma história dentro de uma narrativa que exige de sua escrita uma observação mais detalhada do real, do prosaico, do elementar, juntando ainda algumas pontadas - absolutamente desnecessárias - de crítica social.

Nesse sentido, ela se aproxima de Stravinski na questão da regressão da forma. Enquanto nos outros “romances” a escrita derivava da experiência, do enfrentamento erótico da linguagem, do roçar-se na sua saliva úmida, do enfrentar a folha branca como lugar da experiência imediata e libidinosa, pulsante e perigosa, desajustada e poética, nesse novo romance ela tenta manter o controle sobre a linguagem para que a prosa funcione dentro de propósitos mais ajustáveis à sua necessidade.

Vai aqui uma definição de texto, dada por Roland Barthes, que se aproxima do que são os romances anteriores de Marcia Barbieri: “texto quer dizer tecido; mas, enquanto até aqui esse tecido foi sempre tomado por um produto, por um véu todo acabado, por trás do qual se mantém, mais ou menos oculto, o sentido (a verdade), nós acentuamos agora, no tecido, a ideia gerativa de que o texto se faz, se trabalha através de um entrelaçamento perpétuo; perdido neste tecido — nessa textura — o sujeito se desfaz nele, qual uma aranha que se dissolve ela mesma nas secreções construtivas de sua teia.” (Barthes. O prazer do Texto).

Nas outras resenhas que fiz sobre a autora, publicada aqui no Digestivocultural, eu chamava a atenção para o fato de que, mais do que produzir prazer no leitor, Márcia Barbieri obrigava a linguagem a romper com o discurso tradicional, levando-a a lugares inesperados. Literatura de cortes na linguagem, que traduzem na sua forma os pedaços quebrados da suposta "verdade da vida", sem construções seguras ou de fácil assimilação. Não resta dúvida que ela tinha em mente o que todo bom escritor sabe: uma obra de arte não é primariamente uma representação de algo, mas um conjunto de relações formais.

Ao ceder aos imperativos do real — seja com crítica social ou com um encadeamento mais racional da prosa — Márcia Barbieri pode estar perdendo aquele espaço onde o que estalava em sua obra era o som da fricção dos elementos antagônicos que seu trabalho buscava unificar em literatura. Não a aprisionava a ideia de uma unidade do todo, mas as variáveis não estáticas, tornando a sua obra uma espécie de trabalho em andamento, como é o trabalho da vida e do desejo, insaciáveis em suas novas buscas por terrenos dissonantes e inalcançáveis...

Como no caso de Stravinski, a força da literatura de Márcia Barbieri não se perdeu nesse último romance, pois ai se encontra ainda o entrelaçamento de questões que podem ser de origem metafísica ligadas aos menores detalhes da vida; seja na participação efetiva do corpo nas ações, ou do desejo, que confunde essas ações por seu poder devorador de sentidos tradicionais, seja na irrupção de uma escrita que revela uma autoconsciência do contexto objetivo da ilusão. Esse contexto que é moído pela perversão da linguagem, tal como praticada pela autora nos outros romances com mais furor- e que aqui é atenuado.

Resta ao crítico, mesmo ao dissabor de seus comentários, atentar a escritora para que não perca de vista o que de melhor sua literatura produziu. Que não se renda ao comentário sociológico da vida, pois a vida errada não pode ser descrita corretamente. Que se livre da pretensão de que o escritor tem um ponto de vista privilegiado como observador da sociedade, para que sua literatura não seja um tratado sobre essa mesma sociedade. O viver incorreto dos artistas já lhes propiciam uma abertura para que possam fazer uma literatura incorreta.

Como profundo admirador da literatura de Márcia Barbieri, repito meu desejo, já expresso em outra resenha: que faça uma literatura corajosa, um jorro de vida, amor e êxtase, e que, como morte anunciada, espinafre a infértil fraqueza da razão, distante e fria com a vida, que só lhe presta louvor quando, falsa, é "enquadrada nas fotos" que jorram por aí.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 24/3/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Coisa mais bonita é São Paulo... de Elisa Andrade Buzzo
02. A redoma de vidro de Sylvia Plath de Renato Alessandro dos Santos
03. Mas se não é um coração vivo essa linha de Elisa Andrade Buzzo
04. Vandalizar e destituir uma imagem de estátua de Elisa Andrade Buzzo
05. Meu malvado favorito de Renato Alessandro dos Santos


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2020
01. Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori - 21/7/2020
02. Casa, poemas de Mário Alex Rosa - 8/12/2020
03. A pintura do caos, de Kate Manhães - 8/9/2020
04. Entrevista com o tradutor Oleg Andréev Almeida - 7/4/2020
05. Entrevista com Gerald Thomas - 7/1/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Direito do Consumidor: Teoria Geral da Relação de Consumo
Newton de Lucca (2ª Edição)
Quartier Latin
(2008)



Quanto Você Aceita Ganhar?
José Carlos Flesch
Gutenberg
(2006)



Nicarágua, Nicaraguita: um Povo Em Armas Constrói a Democracia
Mirian Goldenberg
Revan
(1987)



Terminologia de Mercado
Roberto Lobo
Fauna (rj)
(1969)



Witches (isaac Asimovs Magical Worlds of Fantasy 2)
Isaac Asimov, Martin Greenberg, Charles Waugh
A Signet Book
(1984)



Números e Aromas do Amor - o Livro do Relacionamento e da Conquista
Aparecida Liberato e Beto Junqueira
Best Seller
(2000)



Como o Brasil Ajuda os E. U. A.
Arnaldo Ramos e Outros
Protempo (une)
(1963)



Reumato Volume 3 as Vasculites Amiloidose
Med Curso
Med Curso
(2012)



As Conseqüências de um Deslize: pelo Espírito José Maria
Lígia Oliveira Barum (psicografado)
Inst Espírita Lar de Jesus
(1987)



Marcha Criança - Matemática. 5º Ano
Maria Teresa
Scipione





busca | avançada
82631 visitas/dia
2,6 milhões/mês