Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
105 mil/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Nélio Silzantov, semifinalista do Jabuti de 2023, aborda geração nos anos 90
>>> PinForPeace realiza visita à Exposição “A Tragédia do Holocausto”
>>> ESTREIA ESPETÁCULO INFANTIL INSPIRADO NA TRAGÉDIA DE 31 DE JANEIRO DE 2022
>>> Documentário 'O Sal da Lagoa' estreia no Prime Box Brazil
>>> Mundo Suassuna viaja pelo sertão encantado do grande escritor brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> Salve Jorge
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Feliz Natal, Charlie Brown!
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Marketing de cabras
>>> Simplesmente tive sorte
>>> Sete tecnologias que marcaram meu 2006
>>> Maria Helena
>>> Sombras
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo II
>>> Perfil (& Entrevista)
Mais Recentes
>>> Preacher O Cavaleiro Altivo de Garth Ennis pela Pixel Media (2007)
>>> Planetary LJA - Terra Oculta de Warren Ellis, Jerry Ordway pela Pixel (2002)
>>> Gritos e Sussurros de Ingmar Bergman pela Nórdica (1977)
>>> Funções da Linguagem de Samira Chalhub pela Ática (2003)
>>> História do Brasil de Murilo Mendes pela Nova Fronteira (1990)
>>> Antologia Poética - 52ª edição de Carlos Drummond de Andrade pela Record (2003)
>>> Enclausurado de Ian McEwan pela Companhia das Letras (2016)
>>> Antonio Candido de O observador literário pela Ouro sobre azul (2004)
>>> O Caminho do Louco de Alex Mandarino pela Avec (2016)
>>> Ubu-Rei de Alfred Jarry pela Max Limonad (1986)
>>> Anjos e Demônios de Dan Brown pela Sextante (2004)
>>> Meus Fantasmas Dançam no Silêncio de Nádia Camuça pela Independente (2021)
>>> Nova York 2140 de Kim Stanley Robinson pela Planeta (2019)
>>> Pêcher d`Islande de Pierre Loti pela folio classique (1988)
>>> Jogo Duro de Lia Zatz pela Dimensão (2004)
>>> Monstro do Pântano nº 10 de Alan Moore e John Totleben pela Abril Jovem (1990)
>>> Henri Cartier-Bresson de Henri Cartier-Bresson pela Lunwerg - Photo Poche (2006)
>>> O que fazer? Falando de convivência de Liliana Iacocca e Michele Iacocca pela Ática (2006)
>>> O Natal de Poirot de Agatha Christie pela Nova Fronteira (2009)
>>> Superboy nº 1 de Karl Kesel e Tom Grummet pela Abril (1994)
>>> Os Filhos da Meia-Noite de Salman Rushdie pela Companhia das Letras (2006)
>>> A Cizânia de Uderzo e Goscinny pela Cedibra (1974)
>>> O cavaleiro inexistente de Italo Calvino pela Companhia de bolso (2005)
>>> Imagen de Madrid de José del Corral pela El Pais Aguilar (1990)
>>> João das Fábulas nº 1 de Bill Willingham e Matthew Sturges pela Panini (2006)
COLUNAS

Terça-feira, 9/8/2022
Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
Jardel Dias Cavalcanti
+ de 5200 Acessos


Em Elvis, a música negra encarna em um corpo branco. Um filme delirante, ao ritmo do requebro de Elvis, e da potência explosivamente sensual do rock, que teve sua fonte no gospel e no blues.

A base narrativa do filme de Baz Luhrmann sobre Elvis é a relação do astro do rock com o coronel Tom Parker, vivido por Tom Hanks, seu “descobridor” e empresário.

No filme, Parker não só dirige a carreira de Elvis como sua vida pessoal e ― a grande sacada do filme ― torna-se também o narrador da história do cantor.

O intérprete de Elvis é o ator Austin Butler, que encarna perfeitamente a beleza estonteante de Elvis e sua presença marcante na libido de seu público.

O fato de voarem calcinhas sobre o palco de Elvis é o elemento que demonstra o significado que o movimento erótico da pélvis do cantor produziu naquela geração de mulheres reprimidas e que ansiavam pela libertação de sua sexualidade. O frisson erótico-histérico de suas fãs demonstra a verdade da teoria de Freud sobre a relação entre repressão da sexualidade e histeria.

O “tom negro” da voz de Elvis é outro elemento de poder alucinatório sobre a libido das mulheres. Naquele contexto, é como se a sensualidade negra pudesse entrar de vez dentro do universo da sexualidade branca. Elvis assim o permitiu.

O diretor Baz Luhrmann conseguiu reunir num filme de mais de duas horas todo o percurso da vida de Elvis, seja em relação ao sucesso de sua música, ao seu drama amoroso, à sua relação com a indústria cultural e seu fatídico final como cantor de hotel para os turistas bregas de Las Vegas.


O ritmo com que o filme é montado é de tirar o fôlego, e as cenas que se cruzam, como por exemplo a da visitação do menino Elvis aos rituais delirantes da igreja, onde desmaia em êxtase... E as sessões de blues negro que o inspiram, que se casa com a apresentação do cantor, jogando sobre o público uma carga elétrica, que talvez só poderíamos experimentar se estivéssemos num show do próprio Elvis.

O efeito, arrisco a dizer, é de uma experiência com drogas alucinógenas. O efeito catártico que o público experimenta, nos leva ao mesmo ponto de emoção.

Outro elemento forte no filme é o de mostrar a transformação cultural operada por Elvis na imagem do macho rígido... que se transforma em homem sensual. Seu corte de cabelo, sua pintura/maquiagem e mesmo a roupa clara/rosa com que se apresentava no palco ― e, ainda mais relevante, os movimentos de sua pélvis, um requebrado enlouquecedor para a época (que gerou, aliás, ações repressoras sobre o artista em todos os jornais da época, que o chamavam de “imoral e afeminado”). São elementos que alteram o corpo do homem e sua forma de se colocar no mundo.

Há outro elemento sobre o qual devemos estar atentos (nessa transformação e impacto que Elvis gerou sobre a cultura branca): muito da censura sobre suas atuações está ligada ao fato de que sua música e seu "estar no mundo", seus trejeitos e voz, lembravam os negros... E a cultura racista americana não perdoava esse afronta, levando o cantor a sofrer processos por isso. O filme deixa essa questão bem clara.

Para o diretor, o palco é o centro sobre o qual toda a periferia da vida de Elvis acontece. É durante os shows que Elvis afirma sua potência erótico-musical, toda a negritude da cultura que entrou por suas células e que, através das suas apresentações, reverbera em tom sensual e alucinatório sobre o público extasiado que o “devora”.

O filme é sobre a música e a cultura americana, mas também sobre a carreira de um homem ― por isso traça-se o percurso do anonimato à “decadência”, com os momentos gloriosos e os revezes artístico-existenciais do cantor.

O roteiro é brilhante nesse sentido, ao amalgamar todas as tensões dessa existência em pequenas cenas que resumem os fatos extraordinários e ordinários de sua carreira.

Fez falta, no filme, a revelação do encontro de Elvis com os Beatles (afinal, trata-se dos Beatles), quando John Lennon faz a ele uma dura crítica por vê-lo abandonando o rock e optando por canções melosas para seus filmes. A resposta de Elvis, a essa crítica, foi enviar uma carta ao presidente dos Estados Unidos, acusando John Lennon de ser comunista e pedindo que não deixe mais os Beatles tocarem no país.

Embora o filme seja sobre a vida de Elvis, não podemos esquecer também que estamos diante de um filme ― que tem que funcionar como cinema, e que seja cativante dentro do que se propõe a ser: arte cinematográfica.

Portanto, gostando ou não de Elvis, de sua música e de seus comportamentos, o espectador está diante de um filme excelente, impactante, por seus elementos plásticos que não o deixarão indiferente. É uma orgia visual da qual duvido que alguém se recuse a participar.



Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 9/8/2022

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Fazendo a coisa certa de Fabio Gomes
02. Entrevista com Dante Ramon Ledesma de Celso A. Uequed Pitol
03. Xamãs & Concurseiros de Guilherme Pontes Coelho
04. Palácio dos sabores 5/5 de Elisa Andrade Buzzo
05. Um presidente relutante de Lisandro Gaertner


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2022
01. Gramática da reprodução sexual: uma crônica - 7/6/2022
02. Risca Faca, poemas de Ademir Assunção - 15/2/2022
03. Guignard, retratos de Elias Layon - 13/12/2022
04. Neste Momento, poesia de André Dick - 20/9/2022
05. G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas - 1/3/2022


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Como Se Transformar Em Um Operador E Investidor De Sucesso
Alexander Elder
Alta Books
(2021)



Livro Didáticos Historia Teláris 6
Cláudio Vicentino e José Bruno
Ática
(2019)



Como Falar Dragonês - por Soluço Spantosicus Strondus III
Cressida Cowell
Intrinseca
(2010)



Coleção Grandes Obras Do Pensamento Universal - Ensaio Sobre A Liberdade)
Stuart Mill
Escala



Cinquenta Vergonhas De Cinza
Fanny Merkin
Novo Século
(2013)



Guia Prático de Alquimia
Frater Albertus
Pensamento
(1974)



Maré Baixa, Maré Alta
Ana Maria Machado
Global
(2002)



Títulos de Crédito - 17ª Edição
Fran Martins
Forense
(2016)



O Diabo Veste Prada
Lauren Weisberger
Record
(2017)



Zona Erogena
Philippe Djian
Brasiliense
(1984)





busca | avançada
105 mil/dia
2,0 milhão/mês