Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
42918 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projeto “Equilibrando” oferece oficinas e apresentações gratuitas de circo
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Assim criamos os nossos dois filhos
>>> Compreender para entender
>>> Para meditar
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
Blogueiros
Mais Recentes
>>> E a Turma da Mônica cresceu
>>> FLIP 2006 III
>>> Franz Kafka, por Louis Begley
>>> Solidariedade é ação social
>>> ¿Cómo sobrevivo?
>>> Deixa se manifestar
>>> Falta Política
>>> No caminho de Sterne
>>> Biografias literárias
>>> A Bienal do Livro ― diário de bordo
Mais Recentes
>>> Incidente Em Antares de Érico Veríssimo pela Globo (1994)
>>> O Alfaiate Polonês de Debora Finkielsztejn pela Babilonia (2017)
>>> Aventuras de um Geólogo Pioneiro na Amazônia de Francisco Mota Bezerra da Cunha pela Ibp (2012)
>>> Cavalos da Chuva de Cadão Volpato pela Sesi-SP (2018)
>>> O Alienista Em Cordel de Machado Assis pela Nova Alexandria (2010)
>>> Johnny Vai à Guerra de Dalton Trumbo pela Biblioteca Azul (2017)
>>> Meu anjo da guarda - Novo e completo Manual de piedade para meninos e meninas de Não encontrado pela Oficinas gráficas Aparecida (1944)
>>> The Culture of the Copy de Hillel Schwartz pela Zone Books (1998)
>>> Você, Líder do Seu Sucesso de Inácio Dantas pela Clube de Autores (2018)
>>> As Plantas Mágicas: Botânica Oculta de Paracelso pela Hemus (1976)
>>> O Advogado de Henri Robert pela Martins Fontes (2002)
>>> Como Compreender Símbolos de Clare Gibson pela Senac (2012)
>>> Michaelis Minidicionário Inglês - Português, Português - Inglês de Vários Autores pela Melhoramentos (1989)
>>> Escritos Políticos de Max Weber pela Martins Fontes (2014)
>>> A Imagem do Corpo: As Energias Construtivas da Psique de Paul Schilder pela Martins Fontes (1981)
>>> Michaelis Minidicionário Francês - Português, Português - Francês de Jelssa Ciardi Avolio e Mara Lucia Faury pela Melhoramentos (2007)
>>> Ciência e Comportamento Humano de B. F. Skinner pela Martins Fontes (1978)
>>> Mussolini e a Ascensão do Fascismo de Donald Sassoon pela Agir (2009)
>>> A Presença de Castello de Edilene Matos e Neuma Cavalcante pela Humanitas (2003)
>>> A Tragédia Shakeasperiana de A. C. Bradley pela Martins Fontes (2009)
>>> O Teatro de Shakespeare de Sérgio Viotti pela Martins Fontes (2013)
>>> Gramática Metódica da Língua Portuguesa de Napoleão Mendes de Almeida pela Saraiva (1981)
>>> A Consolação da Filosofia de Boécio pela Martin Fontes (1998)
>>> Mãos Unidas - 22ª ED (Otimo Estado) de Francisco Candido Xavier pela Instituto de Difusão Espírita (2002)
>>> Sonhos de Einstein de Alan Lightman pela Companhia Das Letras (1993)
COLUNAS

Terça-feira, 9/8/2022
Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
Jardel Dias Cavalcanti
+ de 4100 Acessos


Em Elvis, a música negra encarna em um corpo branco. Um filme delirante, ao ritmo do requebro de Elvis, e da potência explosivamente sensual do rock, que teve sua fonte no gospel e no blues.

A base narrativa do filme de Baz Luhrmann sobre Elvis é a relação do astro do rock com o coronel Tom Parker, vivido por Tom Hanks, seu “descobridor” e empresário.

No filme, Parker não só dirige a carreira de Elvis como sua vida pessoal e ― a grande sacada do filme ― torna-se também o narrador da história do cantor.

O intérprete de Elvis é o ator Austin Butler, que encarna perfeitamente a beleza estonteante de Elvis e sua presença marcante na libido de seu público.

O fato de voarem calcinhas sobre o palco de Elvis é o elemento que demonstra o significado que o movimento erótico da pélvis do cantor produziu naquela geração de mulheres reprimidas e que ansiavam pela libertação de sua sexualidade. O frisson erótico-histérico de suas fãs demonstra a verdade da teoria de Freud sobre a relação entre repressão da sexualidade e histeria.

O “tom negro” da voz de Elvis é outro elemento de poder alucinatório sobre a libido das mulheres. Naquele contexto, é como se a sensualidade negra pudesse entrar de vez dentro do universo da sexualidade branca. Elvis assim o permitiu.

O diretor Baz Luhrmann conseguiu reunir num filme de mais de duas horas todo o percurso da vida de Elvis, seja em relação ao sucesso de sua música, ao seu drama amoroso, à sua relação com a indústria cultural e seu fatídico final como cantor de hotel para os turistas bregas de Las Vegas.


O ritmo com que o filme é montado é de tirar o fôlego, e as cenas que se cruzam, como por exemplo a da visitação do menino Elvis aos rituais delirantes da igreja, onde desmaia em êxtase... E as sessões de blues negro que o inspiram, que se casa com a apresentação do cantor, jogando sobre o público uma carga elétrica, que talvez só poderíamos experimentar se estivéssemos num show do próprio Elvis.

O efeito, arrisco a dizer, é de uma experiência com drogas alucinógenas. O efeito catártico que o público experimenta, nos leva ao mesmo ponto de emoção.

Outro elemento forte no filme é o de mostrar a transformação cultural operada por Elvis na imagem do macho rígido... que se transforma em homem sensual. Seu corte de cabelo, sua pintura/maquiagem e mesmo a roupa clara/rosa com que se apresentava no palco ― e, ainda mais relevante, os movimentos de sua pélvis, um requebrado enlouquecedor para a época (que gerou, aliás, ações repressoras sobre o artista em todos os jornais da época, que o chamavam de “imoral e afeminado”). São elementos que alteram o corpo do homem e sua forma de se colocar no mundo.

Há outro elemento sobre o qual devemos estar atentos (nessa transformação e impacto que Elvis gerou sobre a cultura branca): muito da censura sobre suas atuações está ligada ao fato de que sua música e seu "estar no mundo", seus trejeitos e voz, lembravam os negros... E a cultura racista americana não perdoava esse afronta, levando o cantor a sofrer processos por isso. O filme deixa essa questão bem clara.

Para o diretor, o palco é o centro sobre o qual toda a periferia da vida de Elvis acontece. É durante os shows que Elvis afirma sua potência erótico-musical, toda a negritude da cultura que entrou por suas células e que, através das suas apresentações, reverbera em tom sensual e alucinatório sobre o público extasiado que o “devora”.

O filme é sobre a música e a cultura americana, mas também sobre a carreira de um homem ― por isso traça-se o percurso do anonimato à “decadência”, com os momentos gloriosos e os revezes artístico-existenciais do cantor.

O roteiro é brilhante nesse sentido, ao amalgamar todas as tensões dessa existência em pequenas cenas que resumem os fatos extraordinários e ordinários de sua carreira.

Fez falta, no filme, a revelação do encontro de Elvis com os Beatles (afinal, trata-se dos Beatles), quando John Lennon faz a ele uma dura crítica por vê-lo abandonando o rock e optando por canções melosas para seus filmes. A resposta de Elvis, a essa crítica, foi enviar uma carta ao presidente dos Estados Unidos, acusando John Lennon de ser comunista e pedindo que não deixe mais os Beatles tocarem no país.

Embora o filme seja sobre a vida de Elvis, não podemos esquecer também que estamos diante de um filme ― que tem que funcionar como cinema, e que seja cativante dentro do que se propõe a ser: arte cinematográfica.

Portanto, gostando ou não de Elvis, de sua música e de seus comportamentos, o espectador está diante de um filme excelente, impactante, por seus elementos plásticos que não o deixarão indiferente. É uma orgia visual da qual duvido que alguém se recuse a participar.



Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 9/8/2022

Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2022
01. Gramática da reprodução sexual: uma crônica - 7/6/2022
02. Risca Faca, poemas de Ademir Assunção - 15/2/2022
03. G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas - 1/3/2022
04. Neste Momento, poesia de André Dick - 20/9/2022
05. O canteiro de poesia de Adriano Menezes - 31/5/2022


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




World Resources 1990-91
World Resources Institute
Oxford University Press
(1990)



Transição de Carreira - Construindo Oportunidades
Thomas Case & Associados
Thomas Case e Associados
(2015)



Deixa o Alfredo Falar
Fernando Sabino
Record
(1987)



Secas no Nordeste. Viagem pela Geografia
Fernando Portela
Atica
(2005)



Storage and Supply of Materials
Prof David Jessop (autor), Alex Morrison
Pitman Publishing
(1994)



Tereza Batista Cansada de Guerra (1972)
Jorge Amado
Martins Fontes
(1972)



Livro da Família Natureza e Soiedade Vol. I 1ªedição
Ruth Rocha, Anna Flora
Ftd
(2010)



Nasce um Povo
Michel Bergmann
Vozes
(1978)



Desafios do Jornalismo Novas Demandas e Formação Profissional
Carlos Alberto Messeder Pereira e Outros
Appris
(2014)



Bichinhos - Coleção Doki Descobre (2008)
Fabiane Ariello
Fundamento
(2008)





busca | avançada
42918 visitas/dia
1,4 milhão/mês