Música do acaso | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
48473 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Compreender para entender
>>> Para meditar
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Fantasmas do antigo Recife
>>> Luther King sobre os fracos
>>> O centenário do Castor
>>> O comercial do Obama
>>> Por que Dilma tem de sair agora
>>> Mininas no Canto Madalena
>>> Quase cinquenta
>>> Bate-papo com Odir Cunha
>>> Entrevista com Sérgio Rodrigues
>>> Leblon
Mais Recentes
>>> Eu Fico Loko -As Desventuras de Um Adolescente Nada Convencional de Christian Figueiredo de Caldas pela Novas Páginas (2015)
>>> Teoria Geral do Direito e Marxismo de Evguiéni B. Pachukanis pela Boitempo (2017)
>>> O Caso dos Dez Negrinhos de Agatha Christie pela Abril Cultural (1981)
>>> A Revolução Russa de 1917 de Marc Ferro pela Perspectiva (1974)
>>> A Questão Urbana de Manuel Castells pela Paz e Terra (1983)
>>> Esquerdismo Doença Infantil do Comunismo de V. I. Lenin pela Expressão Popular (2014)
>>> Crônicas de Nuestra América de Augusto Boal pela Codecri (1977)
>>> A Desumanização da Arte de José Ortega y Gasset pela Cortez (1991)
>>> Homens Em Tempos Sombrios de Hannah Arendt pela Companhia De Bolso (2013)
>>> A Música do Tempo Infinito de Tales A. M .Ab'Sáber pela Cosac & Naify (2012)
>>> Poesia e Filosofia de Antonio Cicero pela Civilização Brasileira (2012)
>>> A Estrada da Noite de Joe Hill pela Sextante (2007)
>>> O ornamento da massa de Siegfried Kracauer pela Cosac & Naify (2009)
>>> O Horror Econômico de Viviane Forrester pela Unesp (1997)
>>> Merleau-ponty e a Educação de Marina Marcondes Machado pela Autentica (2010)
>>> Revoluções de Michael Lowy pela Boitempo (2009)
>>> O Anticristo de Friedrich Nietzsche pela Lpm pocket (2008)
>>> E no Final a Morte de Agatha Christie pela Lpm pocket (2010)
>>> Estetica da Emergencia de Reinaldo Laddaga; Magda Lopes pela Martins Fontes (2012)
>>> Pós-produção: Como a Arte Reprograma o Mundo Contemporâneo de Nicolas Bourriaud pela Martins Fontes (2009)
>>> A saga da família Klabin-Lafer de Ronaldo Costa Couto pela Klabin (2020)
>>> Tudo Pelo Amor Dele de Sandie Jones pela Única (2019)
>>> Um Encontro de Sombras de V E Schwab pela Record (2017)
>>> O Vilarejo de Raphael Montes pela Suma das Letras (2015)
>>> Dança da Escuridão de Marcus Barcelos pela Faro (2016)
COLUNAS

Terça-feira, 4/6/2002
Música do acaso
Rafael Lima
+ de 4100 Acessos
+ 4 Comentário(s)

A humanidade nunca soube lidar muito bem com o acaso. A inconstância das chuvas na época do plantio, um eclipse solar ou o nascimento de uma criança coberta por um pelico são exemplos de manifestações naturais mal recebidas, porque incomuns, por fugirem do ciclo natural e eterno de todas as coisas. Desde os tempos primordiais registra-se a existência de sacerdotes, adivinhos, oráculos, astrólogos, todo o tipo de gente que, de maneira mais ou menos científica, mais ou menos espetacular, se propunha a ler e traduzir para seus conterrâneos a linha do destino, através da disposição de astros no firmamento, das entranhas de um bode ou dos... acontecimentos extraordinários.

É nas tentativas de interpretar, compreender ou, ao menos, assimilar esses acontecimentos que muito da História se escreveu, evoluindo de oferendas de víveres aos deuses às listas de F.A.Q. dos softwares. O advento dos tempos modernos bagunçou o coreto, criando interferências onde a lei de explicação dos fenômenos já não era genérica. Escritores como Paul Auster, Kafka e Ionesco exploraram em seus escritos as interferências do acaso no cotidiano, a lógica do absurdo, chegando ao limite último da fantasia, quando não é mais possível separar verossimilhança de verdade. O que nos leva ao Laerte.

Laerte em auto-caricatura Ou, para os menos íntimos, Laerte Coutinho. O criador dos Piratas do Tietê. O autor das tiras em quadrinhos do Condomínio. Da Gata & Gato, do Fagundes, o puxa-saco, do Síndico, do Zelador, do Don Luigi. O Laertón de Los 3 Amigos, junto com Angel Villa, Glauquito e Adón, porque todo trio que se preza tem sempre um quarto elemento, o fator Dartagnan. O que faz o Overman. Laerte, gente: o que fazia histórias em dupla com o Glauco, na revista Geraldão; o que desenhava para a Chiclete com Banana. Um que foi premiado em todas as edições do troféu HQ Mix. Tá bom, vou apelar: Laerte, aquele que era redator da TV Colosso...

Histórias Repentinas -- capa Nesse começo de ano o Laerte lançou não um: dois álbuns com compilações de seu trabalho, raridades sem preço em um país que demora décadas para colocar lombada e papel couché em histórias que tiveram que se submeter ao jugo do papel jornal para chegar mensalmente ao leitor, com as originalíssimas visões do autor para os inesperados sucedâneos do acaso. O primeiro, Histórias Repentinas, foi editado pela Devir, importadora e distribuidora de gibis paulistana, desde o começo incentivando a Hq nacional; o segundo, Deus 2 - a Graça Continua, com seleção das tiras diárias centradas nesse personagem que ficou tão divertido sob a pena do Laerte.

Histórias Repentinas é o melhor dos dois lançamentos por vários motivos: encerra histórias longas, onde o artista pode demonstrar mais vigor, ousadia e criatividade no desenvolvimento de suas idéias (ao contrário da urgência da tira); compila contos da época em que Laerte ainda produzia trabalhos mais longos, algo que não acontece há 10 anos (com honrosas exceções para o site Cybercomix, como A Vida, a Morte e outros Detalhes ou As Aventuras Rocambolescas de Dionísio Galalau, essas, no entanto, para serem lidas na tela do computador); reúne uma seleta dos trabalhos que não envolviam personagens fixos, ou seja: algumas de suas melhores páginas.
Detalhe de Penas
Como no mundo dos super-heróis, nada é muito seguro ou muito estável no universo das Histórias Repentinas. Porque se tratam de coisas especiais que acontecem a pessoas comuns: um belo dia você acorda e... não, nada disso de se transformar numa barata - você descobre que estão nascendo penas no seu braço; penas que, aos poucos, vão te permitir voar, como na Hq "Penas". Em "Crise", um alto funcionário a caminho de uma palestra, assediado por repórteres, se toca que está sem calças - estranhamente, ninguém nota esse pequeno detalhe. O inesperado está de tocaia em cada esquina, como o caçador que procura um leão num bar em "O Dia da Caça", e nada parece muito razoável, ainda que seja tudo seja coerente dentro de seu prório sistema. Ao contrário de Kafka, Ionesco e até Auster, a tônica, o gênero em que essas histórias se enquadram é o humor, linguagem universal e fator determinante escolhidos por Laerte para desenvolvê-las: "Ela tem que provocar a reação humorístico-cabeçuda que lhe cabe, sendo que nem sempre isso significa arrancar gargalhadas." Como se percebe, nem sempre o que há é um pastelão estilo irmãos Marx; outrossim, é o uso do humor como instrumento de reflexão e até de qualidade: "Tenho um critério que faz com que só fique satisfeito se a compreensão pelo leitor está dúbia. De certa forma, jogo com coisas que poderiam ser óbvias, mas não são." Sacou?
Detalhe de 'Insustentável Leveza do Ser'
Se há uma crítica a se fazer de Histórias Repentinas, é a escolha do conteúdo, porque o álbum repete três hstórias das que já tinha ganho edição de luxo em Piratas do Tietê e Outras Barbaridades (ed. Ensaio, 1994). Que uma delas seja "A Insustentável Leveza do Ser" é razoável, já que muita gente a considera a melhor história do Laerte e uma das melhores em quadrinhos da década de 80, mas é inaceitável que se queime chances raras assim.

Deus 2 - a Graça Continua é a segunda compilação das tiras diárias que Laerte produz centradas em... Deus. Aqui, antes de mais nada, o que se deve notar é a extrema ousadia em entrar no terreno do sagrado com seu humor: por muito menos do que isso Angeli e Adão Iturrusgarai sofreram com cartas de leitores, ombudsmen, editores e todos as discussões sobre censura, liberdade de imprensa e até onde se pode fazer humor que pipocam nessas horas. Na 2ª Bienal Internacional de Quadrinhos, em 1993, uma mesa redonda com Ziraldo, Wolinski e Chico Caruso (duas influências assumidas e um contemporâneo de Laerte) durou umas 3 horas para não chegar à conclusão nenhuma se o humor deveria ter limites. Dois anos depois, na Bienal do Livro, Laerte afirmaria que a pergunta é estúpida, porque não haveria sentido na noção de limites quando se fala em humor. Essa é a impressão que fica quando se pensa em uma tira humorística cujo personagem central é Deus, uma das grandes forças atuantes na equação do acaso.

Mas que ninguém pense que o Laerte partiu para a ironia absurda de um Crumb, ou para o ceticismo não-arreda-pé de um Millôr; sua linha é mais suave, divertida, quase poética, talvez por isso mesmo angariando adeptos mesmo entre os religiosos - Frei Betto é quem fez a introdução da primeira coletânea (Deus segundo Laerte), cujas palavras merecem a citação: "O que Laerte faz é um santo humor. Livra-nos daquela imagem de um Deus carrancudo, mal humorado, provedor do inferno, para nos aproximar da imagem evangélica que Jesus nos passa: Deus é amor, mais íntimo a nós do nós a nós mesmos, como dizia Santo Agostinho. Portanto, se brincamos com tudo o que nos é íntimo, porque excluir Deus de nosso bom humor e carinho?"
Nào acumulou, deixa pra lá...
Assim, O Deus segundo Laerte é democrático, deixa que Seus moldes de barro escolham qual sexo e acessórios adicionais preferem; aceita o conselho de uma samabaia ao fazer o Sol nascer no leste e se pôr no oeste; é divertido: usa o imenso genoma apenas para despistar, porque sabe que o segredo está no barro, e tira uma horinha para uma pelada com os anjos entre dois momentos na criação do mundo. Se vale de Sua onipotência mais para comer um churrasco grego na rua do que para ajudar uma escola de samba a subir para o primeiro grupo - afinal, sabe que não basta ajudar a empurrar o carro alegórico, os outros têm que tratar de rebolar. Não suporta o barulhinho da broca do dentista e sabe que ano que é ano só começa lá para Março. Dá um pulo na praia mas nem ali consegue evitar de ouvir Seu Santo Nome em vão, quando passa aquela pequena de canga roxa...
O ombro eu posso
Os melhores momentos de Deus 2 se passam, como nos filmes médios, com coadjuvantes: Gabriel Talk Show é o programa de entrevistas do anjo que não consegue evitar que o Diabo lhe engane nas respostas; São Pedro, um gozador celeste; Expedito, quase uma espécie de super-herói dos santos, sempre atarantado com as causas urgentes, e, claro, a antítese, o Diabo, que protagoniza uma dos momentos mais engraçados, quando empresta uma fantasia vermelha de si mesmo para Deus ir pular o carnaval disfarçado, enquanto ele mesmo vai de camisolão e terceiro olho... Embora confinado ao espaço-tempo de quatro quadros e destinado à forrar o chão de aposentos que serão pintados amanhã, as tiras de jornal de Laerte, que ganham uma sobrevida com a impressào desses álbuns, são uma conjugação exemplar dos dois elementos mais poderosos que a humanidade utilizou para lidar com as invenções do acaso: o humor e a religião.
Skate é complicado


Laerte
entrevistado por
Revista Panacea
Cybercomix - site de Hq


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 4/6/2002

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Lourival, Dorival, assim como você e eu de Elisa Andrade Buzzo
02. A forca de cascavel — Angústia (Fuvest) de Renato Alessandro dos Santos
03. Existe na cidade alguém, assim como você... de Elisa Andrade Buzzo
04. A proposta libertária de Gian Danton
05. Quem Resenha as Resenhas de Som? de Stan Molina


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2002
01. Coisas nossas - 23/4/2002
02. Pi, o [fi]lme, e o infinito no alfa - 25/6/2002
03. Ar do palco, ou o xadrez nos tempos da Guerra Fria - 16/4/2002
04. Quando éramos reis, bispos, cavalos... - 9/4/2002
05. Quebrar pratos com Afrodite - 14/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/6/2002
1. Fera
14h27min
Olá, Rafael Sou leitor do Laerte há muito tempo e fiquei contente em ler a coluna de hoje. O Laerte é uma fera mesmo. Enquanto lia esse texto fui me lembrando de diversas tirinhas. Por exemplo: Gato: Mas por que eu preciso saber onde fica o ponto "G"? Gata: Prá saber o que fazer na hora "H". Gato: E o que eu tenho que fazer na hora "H"? Gata: Botar os pingos nos "I"s. E o Fagundes digladiando com o seu mais feroz concorrente, um sujeito chamado Alceu Dispor, e o Síndico dizendo que jamais enconstaria o dedo numa criança para depois colocar o pé para que um menininho tropeçasse na escada, e o General dizendo "o importante não é vencer, mas humilhar o derrotado". O Laerte é uma usina de criação, um humorista fino, um cara que tem "sacadas geniais" no mesmo nível de um Aparício Torelli. Abraço e parabéns pelo texto.
[Leia outros Comentários de Rogério Macedo]
4/6/2002
18h31min
Rogério: nas tiras do "Condomínio", Laerte conseguiu repetir um feito de alguns poucos humoristas, criar piadas que passaram para o domínio público. Mas se você acha ele fera, devia ler os quadrinhos do Luiz Gê, de quem o Laerte tira suas piadas (veja a entrevista ao CyberComix...)
[Leia outros Comentários de Rafael Lima]
4/6/2002
18h40min
Obrigado pela dica, Rafael. Já tinha ouvido falar no Luiz Gê, mas nunca fui atrás de ver o que o cara tem a dizer. Vou passar por lá e dar uma conferida. Se tiver desenho dele, melhor ainda. abraço
[Leia outros Comentários de Rogério Macedo]
6/6/2002
13h57min
Rafael, Gosto muito de ler o Digestivo, mas vez por outra, por uma razão ou outra, me "afasto" daqui... Sempre que retorno, depois de visitar os Digestivos do Júlio, vou ler sua coluna. Hoje foi um destes meus dias de "retorno". E renovei o prazer de ler o que vc escreve. Sempre elegante, inteligente sem afetação e, acho que esta é uma das suas principais virtudes, instigante. Já perdi a conta das coisas que resolvi conhecer melhor depois de ler uma coluna sua. É um prazer estar de volta e "encontrar" você. Beijos, Ana.
[Leia outros Comentários de Ana Salete Veras]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Mens Sana: a Angústia do Homem Em Busca da Felicidade / Vol 3
Albino Aresi / Capa Dura
Mens Sana
(1984)



Livro - O Encouraçado Potemkin
Folha de São Paulo
Moderna
(2011)



Novelas - Concursos Literários do Piauí
Sergio Batista e Outros
Publique
(2005)



O Pirata eletrônico e o Samurai
Jeff Goodell
Campus
(1996)



A Lenda do Muri- Keko
Marcos Bagno
Sm
(2005)



Senhora Rezadeira
Denise Rochael
Cortez
(2004)



A Camada de Ozonio
M. Bright
Melhoramentos
(2000)



Descubra Seu Corpo
Nigel Nélson
Impala
(1996)



O Patinho Feio
Vários Autores
Ftd
(1996)



O Fio do Destino (1991)
Zibia Gasparetto
Vida e Consciencia
(1991)





busca | avançada
48473 visitas/dia
1,4 milhão/mês