Música do acaso | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
27782 visitas/dia
955 mil/mês
Mais Recentes
>>> MANU LAFER APRESENTA SHOW NOBODY BUT YOU - TRIBUTO A KIKA SAMPAIO
>>> Sesc Belenzinho recebe a banda E a Terra Nunca me Pareceu Tão Distante
>>> Sesc Belenzinho recebe a atriz e cantora Zezé Motta
>>> Psicólogo lança livro de preparação para concurseiros usando a Terapia Cognitiva-Comportamental
>>> O Sertão na Canção: Guimarães Rosa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
Colunistas
Últimos Posts
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
Últimos Posts
>>> Kleber Mendonça volta a Cannes com 'Bacurau'
>>> Nem só de ilusão vive o Cinema
>>> As Expectativas de um Recrutador e um Desempregado
>>> A Independência Angolana além de Pepetela
>>> Porque dizer adeus?
>>> Direções da véspera IV
>>> Direções da véspera IV
>>> A pílula da felicidade
>>> Dispendioso
>>> O mês do Cinemão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Natal quase sempre é um problema
>>> O físico que era médico
>>> O historiador das idéias
>>> Maria Antonieta, a última rainha da França
>>> Gentili sobre o 7 a 1
>>> Convivendo com a Gazeta e o Fim de Semana
>>> Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo!
>>> O petista relutante
>>> Discurso de Isaac B. Singer
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
Mais Recentes
>>> Marca, Imagem e Reputação: a Trajetória de Sucesso de Pessoas e Empresas de Fernanda de Carvalho e Francisco Britto e Richard House pela Da Boa Prosa (2012)
>>> Clarice, uma Biografia de Benjamin Moser pela Cosac Naify (2015)
>>> Um Barril de Risadas, um Vale de Lágrimas de Jules Feiffer pela Cia das Letras (2008)
>>> Inelegibilidades no Direito Brasileiro de Joel J. Cândido pela Edipro (2003)
>>> Recursos em matéria eleitoral de Tito Costa pela Revista dos Tribunais (2004)
>>> Direito Eleitoral & Questões Controvertidas de Antônio Carlos Martins Soares pela Lumen Juris (2008)
>>> Langage et pouvoir symbolique de Pierre Bourdieu pela Editions Fayard (2001)
>>> Les Règles de l'art de Pierre Bourdieu pela Editions du Seuil (1998)
>>> Princípios Estruturantes das Agências Reguladoras e os Mecanismos de Controle de Alexandra da Silva Amaral pela Lumen Juris (2008)
>>> Homo Academicus de Pierre Bourdieu pela Les Editions de Minuit (2005)
>>> A criança e a mídia: imagem, educação, participação de Cecilia Von Feilitzen; Ulla Carlsson pela Cortez (2002)
>>> Circulação internacional e formação intelectual das elites brasileiras de Ana Maria Almeida; Letícia Canêdo, Afrânio Garcia; Agueda Bittencourt pela Unicamp (2019)
>>> Crimes eleitorais de Suzana de Camargo Gomes pela Revista dos Tribunais (2008)
>>> Delegação e Avocação Administrativas de Regis Fernandes de Oliveira pela Revista dos Tribunais (2005)
>>> Probidade administrativa. Comentários à Lei 8.429/92 e legislação complementar de Marcelo Figueiredo pela Malheiros (2004)
>>> Inquérito Policial & Competências e Nulidades de Atos de Polícia Judiciária de Anderson Souza Daura pela Juruá (2008)
>>> Agora e Para Sempre Lara Jean de Jenny Han pela Intrínseca (2017)
>>> Michael Kohlhaas de Heinrich Von Kleist pela Grua (2014)
>>> Perícias judiciais de engenharia. Doutrina. Prática. Jurisprudência de Francisco Maia Neto pela Del Rey (1999)
>>> A Lição do Mestre de Henry James pela Grua (2014)
>>> Chega de Plástico de Varios Autores pela Sextante (2019)
>>> Os Doze Mandamentos de Sidney Sheldon pela Record (2011)
>>> O Outro de Bernhard Schlink pela Record (2009)
>>> Até Eu Te Encontrar de Graciela Mayrink pela Novas Páginas (2013)
>>> Abaixo de Zero de Bret Easton Ellis pela Rocco (1987)
>>> Suítes imperiais de Bret Easton Ellis pela Rocco (2011)
>>> Porto Seguro de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2013)
>>> Ação de Impugnação de Mandato Eletivo de José Rubens Costa pela Del Rey (2004)
>>> O Milagre de Nicholas Sparks pela Agir (2010)
>>> Zona de Perigo de Shirley Palmer pela Best Seller (2003)
>>> Da anulação ex officio do ato administrativo de João Antunes dos Santos Neto pela Fórum (2004)
>>> O Misterioso Caso de Styles de Agatha Christie pela Abril Cultural (1983)
>>> Conexões de Varios Autores pela Abril (2016)
>>> A Quarta Vítima de Théo Iemma pela Scortecci (2005)
>>> Crianças da Noite de Juliano Sasseron pela Novo Século (2011)
>>> Macunaíma de Mário de Andrade pela Ciranda Cultural (2016)
>>> Noite na Taverna de Álvares de Azevedo pela Avenida (2005)
>>> Financiamento de campanhas eleitorais de Denise Goulart Schlickmann pela Juruá (2007)
>>> Terra de Sombras de Alyson Noel pela Intrínseca (2013)
>>> Os Degraus do Pentágono de Norman Mailer pela Expressão e Cultura (1968)
>>> Infinito de Alyson Noel pela Intrínseca (2013)
>>> Serena de Ian McEwan pela Cia das Letras (2012)
>>> Comentáros à Lei de Responsabilidade Fiscal de Ives Gandra da Silva Martins & Carlos Valder do Nascimento & Organizadores pela Saraiva (2009)
>>> Estrela da Noite de Alyson Noel pela Intrínseca (2013)
>>> Reflexo de Antonio José pela Grafica da Bahia (1979)
>>> O Sol da Liberdade de Giselda L. Nicolelis pela Atual (1988)
>>> Procedimento Administrativo nos Tribunais de Contas e Câmaras Municipais de Rodrigo Valgas dos Santos pela Del Rey (2006)
>>> Vito Grandam de Ziraldo pela Melhoramentos (2005)
>>> Lei Eleitoral Comentada (lei 9. 504, de 30 de Setembro de 1997) de Renato Ventura Ribeiro pela Quartier Latin (2006)
>>> Manual de Direito Civil - Vol 3 Contratos e Declarações Unilaterais de Roberto Senise Lisboa pela Revista dos Tribunais (2005)
COLUNAS

Terça-feira, 4/6/2002
Música do acaso
Rafael Lima

+ de 3100 Acessos
+ 4 Comentário(s)

A humanidade nunca soube lidar muito bem com o acaso. A inconstância das chuvas na época do plantio, um eclipse solar ou o nascimento de uma criança coberta por um pelico são exemplos de manifestações naturais mal recebidas, porque incomuns, por fugirem do ciclo natural e eterno de todas as coisas. Desde os tempos primordiais registra-se a existência de sacerdotes, adivinhos, oráculos, astrólogos, todo o tipo de gente que, de maneira mais ou menos científica, mais ou menos espetacular, se propunha a ler e traduzir para seus conterrâneos a linha do destino, através da disposição de astros no firmamento, das entranhas de um bode ou dos... acontecimentos extraordinários.

É nas tentativas de interpretar, compreender ou, ao menos, assimilar esses acontecimentos que muito da História se escreveu, evoluindo de oferendas de víveres aos deuses às listas de F.A.Q. dos softwares. O advento dos tempos modernos bagunçou o coreto, criando interferências onde a lei de explicação dos fenômenos já não era genérica. Escritores como Paul Auster, Kafka e Ionesco exploraram em seus escritos as interferências do acaso no cotidiano, a lógica do absurdo, chegando ao limite último da fantasia, quando não é mais possível separar verossimilhança de verdade. O que nos leva ao Laerte.

Laerte em auto-caricatura Ou, para os menos íntimos, Laerte Coutinho. O criador dos Piratas do Tietê. O autor das tiras em quadrinhos do Condomínio. Da Gata & Gato, do Fagundes, o puxa-saco, do Síndico, do Zelador, do Don Luigi. O Laertón de Los 3 Amigos, junto com Angel Villa, Glauquito e Adón, porque todo trio que se preza tem sempre um quarto elemento, o fator Dartagnan. O que faz o Overman. Laerte, gente: o que fazia histórias em dupla com o Glauco, na revista Geraldão; o que desenhava para a Chiclete com Banana. Um que foi premiado em todas as edições do troféu HQ Mix. Tá bom, vou apelar: Laerte, aquele que era redator da TV Colosso...

Histórias Repentinas -- capa Nesse começo de ano o Laerte lançou não um: dois álbuns com compilações de seu trabalho, raridades sem preço em um país que demora décadas para colocar lombada e papel couché em histórias que tiveram que se submeter ao jugo do papel jornal para chegar mensalmente ao leitor, com as originalíssimas visões do autor para os inesperados sucedâneos do acaso. O primeiro, Histórias Repentinas, foi editado pela Devir, importadora e distribuidora de gibis paulistana, desde o começo incentivando a Hq nacional; o segundo, Deus 2 - a Graça Continua, com seleção das tiras diárias centradas nesse personagem que ficou tão divertido sob a pena do Laerte.

Histórias Repentinas é o melhor dos dois lançamentos por vários motivos: encerra histórias longas, onde o artista pode demonstrar mais vigor, ousadia e criatividade no desenvolvimento de suas idéias (ao contrário da urgência da tira); compila contos da época em que Laerte ainda produzia trabalhos mais longos, algo que não acontece há 10 anos (com honrosas exceções para o site Cybercomix, como A Vida, a Morte e outros Detalhes ou As Aventuras Rocambolescas de Dionísio Galalau, essas, no entanto, para serem lidas na tela do computador); reúne uma seleta dos trabalhos que não envolviam personagens fixos, ou seja: algumas de suas melhores páginas.
Detalhe de Penas
Como no mundo dos super-heróis, nada é muito seguro ou muito estável no universo das Histórias Repentinas. Porque se tratam de coisas especiais que acontecem a pessoas comuns: um belo dia você acorda e... não, nada disso de se transformar numa barata - você descobre que estão nascendo penas no seu braço; penas que, aos poucos, vão te permitir voar, como na Hq "Penas". Em "Crise", um alto funcionário a caminho de uma palestra, assediado por repórteres, se toca que está sem calças - estranhamente, ninguém nota esse pequeno detalhe. O inesperado está de tocaia em cada esquina, como o caçador que procura um leão num bar em "O Dia da Caça", e nada parece muito razoável, ainda que seja tudo seja coerente dentro de seu prório sistema. Ao contrário de Kafka, Ionesco e até Auster, a tônica, o gênero em que essas histórias se enquadram é o humor, linguagem universal e fator determinante escolhidos por Laerte para desenvolvê-las: "Ela tem que provocar a reação humorístico-cabeçuda que lhe cabe, sendo que nem sempre isso significa arrancar gargalhadas." Como se percebe, nem sempre o que há é um pastelão estilo irmãos Marx; outrossim, é o uso do humor como instrumento de reflexão e até de qualidade: "Tenho um critério que faz com que só fique satisfeito se a compreensão pelo leitor está dúbia. De certa forma, jogo com coisas que poderiam ser óbvias, mas não são." Sacou?
Detalhe de 'Insustentável Leveza do Ser'
Se há uma crítica a se fazer de Histórias Repentinas, é a escolha do conteúdo, porque o álbum repete três hstórias das que já tinha ganho edição de luxo em Piratas do Tietê e Outras Barbaridades (ed. Ensaio, 1994). Que uma delas seja "A Insustentável Leveza do Ser" é razoável, já que muita gente a considera a melhor história do Laerte e uma das melhores em quadrinhos da década de 80, mas é inaceitável que se queime chances raras assim.

Deus 2 - a Graça Continua é a segunda compilação das tiras diárias que Laerte produz centradas em... Deus. Aqui, antes de mais nada, o que se deve notar é a extrema ousadia em entrar no terreno do sagrado com seu humor: por muito menos do que isso Angeli e Adão Iturrusgarai sofreram com cartas de leitores, ombudsmen, editores e todos as discussões sobre censura, liberdade de imprensa e até onde se pode fazer humor que pipocam nessas horas. Na 2ª Bienal Internacional de Quadrinhos, em 1993, uma mesa redonda com Ziraldo, Wolinski e Chico Caruso (duas influências assumidas e um contemporâneo de Laerte) durou umas 3 horas para não chegar à conclusão nenhuma se o humor deveria ter limites. Dois anos depois, na Bienal do Livro, Laerte afirmaria que a pergunta é estúpida, porque não haveria sentido na noção de limites quando se fala em humor. Essa é a impressão que fica quando se pensa em uma tira humorística cujo personagem central é Deus, uma das grandes forças atuantes na equação do acaso.

Mas que ninguém pense que o Laerte partiu para a ironia absurda de um Crumb, ou para o ceticismo não-arreda-pé de um Millôr; sua linha é mais suave, divertida, quase poética, talvez por isso mesmo angariando adeptos mesmo entre os religiosos - Frei Betto é quem fez a introdução da primeira coletânea (Deus segundo Laerte), cujas palavras merecem a citação: "O que Laerte faz é um santo humor. Livra-nos daquela imagem de um Deus carrancudo, mal humorado, provedor do inferno, para nos aproximar da imagem evangélica que Jesus nos passa: Deus é amor, mais íntimo a nós do nós a nós mesmos, como dizia Santo Agostinho. Portanto, se brincamos com tudo o que nos é íntimo, porque excluir Deus de nosso bom humor e carinho?"
Nào acumulou, deixa pra lá...
Assim, O Deus segundo Laerte é democrático, deixa que Seus moldes de barro escolham qual sexo e acessórios adicionais preferem; aceita o conselho de uma samabaia ao fazer o Sol nascer no leste e se pôr no oeste; é divertido: usa o imenso genoma apenas para despistar, porque sabe que o segredo está no barro, e tira uma horinha para uma pelada com os anjos entre dois momentos na criação do mundo. Se vale de Sua onipotência mais para comer um churrasco grego na rua do que para ajudar uma escola de samba a subir para o primeiro grupo - afinal, sabe que não basta ajudar a empurrar o carro alegórico, os outros têm que tratar de rebolar. Não suporta o barulhinho da broca do dentista e sabe que ano que é ano só começa lá para Março. Dá um pulo na praia mas nem ali consegue evitar de ouvir Seu Santo Nome em vão, quando passa aquela pequena de canga roxa...
O ombro eu posso
Os melhores momentos de Deus 2 se passam, como nos filmes médios, com coadjuvantes: Gabriel Talk Show é o programa de entrevistas do anjo que não consegue evitar que o Diabo lhe engane nas respostas; São Pedro, um gozador celeste; Expedito, quase uma espécie de super-herói dos santos, sempre atarantado com as causas urgentes, e, claro, a antítese, o Diabo, que protagoniza uma dos momentos mais engraçados, quando empresta uma fantasia vermelha de si mesmo para Deus ir pular o carnaval disfarçado, enquanto ele mesmo vai de camisolão e terceiro olho... Embora confinado ao espaço-tempo de quatro quadros e destinado à forrar o chão de aposentos que serão pintados amanhã, as tiras de jornal de Laerte, que ganham uma sobrevida com a impressào desses álbuns, são uma conjugação exemplar dos dois elementos mais poderosos que a humanidade utilizou para lidar com as invenções do acaso: o humor e a religião.
Skate é complicado


Laerte
entrevistado por
Revista Panacea
Cybercomix - site de Hq


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 4/6/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pessach: entre o social e o existencial de Marcelo Spalding
02. Crônicas que não contam o dia-a-dia de Marcelo Barbão
03. Direito de Sentido de Evandro Ferreira


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2002
01. Coisas nossas - 23/4/2002
02. Pi, o [fi]lme, e o infinito no alfa - 25/6/2002
03. Ar do palco, ou o xadrez nos tempos da Guerra Fria - 16/4/2002
04. Quando éramos reis, bispos, cavalos... - 9/4/2002
05. Quebrar pratos com Afrodite - 14/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/6/2002
1. Fera
14h27min
Olá, Rafael Sou leitor do Laerte há muito tempo e fiquei contente em ler a coluna de hoje. O Laerte é uma fera mesmo. Enquanto lia esse texto fui me lembrando de diversas tirinhas. Por exemplo: Gato: Mas por que eu preciso saber onde fica o ponto "G"? Gata: Prá saber o que fazer na hora "H". Gato: E o que eu tenho que fazer na hora "H"? Gata: Botar os pingos nos "I"s. E o Fagundes digladiando com o seu mais feroz concorrente, um sujeito chamado Alceu Dispor, e o Síndico dizendo que jamais enconstaria o dedo numa criança para depois colocar o pé para que um menininho tropeçasse na escada, e o General dizendo "o importante não é vencer, mas humilhar o derrotado". O Laerte é uma usina de criação, um humorista fino, um cara que tem "sacadas geniais" no mesmo nível de um Aparício Torelli. Abraço e parabéns pelo texto.
[Leia outros Comentários de Rogério Macedo]
4/6/2002
18h31min
Rogério: nas tiras do "Condomínio", Laerte conseguiu repetir um feito de alguns poucos humoristas, criar piadas que passaram para o domínio público. Mas se você acha ele fera, devia ler os quadrinhos do Luiz Gê, de quem o Laerte tira suas piadas (veja a entrevista ao CyberComix...)
[Leia outros Comentários de Rafael Lima]
4/6/2002
18h40min
Obrigado pela dica, Rafael. Já tinha ouvido falar no Luiz Gê, mas nunca fui atrás de ver o que o cara tem a dizer. Vou passar por lá e dar uma conferida. Se tiver desenho dele, melhor ainda. abraço
[Leia outros Comentários de Rogério Macedo]
6/6/2002
13h57min
Rafael, Gosto muito de ler o Digestivo, mas vez por outra, por uma razão ou outra, me "afasto" daqui... Sempre que retorno, depois de visitar os Digestivos do Júlio, vou ler sua coluna. Hoje foi um destes meus dias de "retorno". E renovei o prazer de ler o que vc escreve. Sempre elegante, inteligente sem afetação e, acho que esta é uma das suas principais virtudes, instigante. Já perdi a conta das coisas que resolvi conhecer melhor depois de ler uma coluna sua. É um prazer estar de volta e "encontrar" você. Beijos, Ana.
[Leia outros Comentários de Ana Salete Veras]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HISTORIAS PARA LER SEM PRESSA
MAMEDE M. JAROUCHE; ANDRÉS SANDOVAL
GLOBO
(2008)
R$ 10,00



ARMAMENTO E MILITARISMO
DIETER SENGHAAS
SIGLO VEINTUNO
(1974)
R$ 15,82



COMÉRCIO UM MUNDO DE NEGÓCIOS
LUIZ RATTO
SENAC
(2004)
R$ 7,00



OBRAS COMPLETAS DE FERNANDO PESSOA-POEMAS DE ALBERTO CAEIRO
FERNANDO PESSOA
ATICA
R$ 8,00



DO GROTESCO E DO SUBLIME
VICTOR HUGO
PERSPECTIVA
(2004)
R$ 15,00



LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL - GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA AS PREFE
AMIR ANTÔNIO KHAIR
BNDES
(2001)
R$ 9,82



ANTIGUIDADES DE LOS JUDÍOS - TOMO 3
FLAVIO JOSEFO
CLIE
(1986)
R$ 90,00



CRIANDO CLIENTES
DAVID H. BANGS, JR
NOBEL
(1997)
R$ 12,00



VOCÊ PODE ENTEDER A BÍBLIA !
WATCH TOWE BIBLE AND TRACT SOCIETY
WATCH TOWE BIBLE AND TRACT SOC
(2016)
R$ 6,00



O NOVIÇO
MARTINS PENA
EDIOURO
(1999)
R$ 8,64





busca | avançada
27782 visitas/dia
955 mil/mês