A Esfinge do Rock | Martim Vasques da Cunha | Digestivo Cultural

busca | avançada
55141 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 8/10/2002
A Esfinge do Rock
Martim Vasques da Cunha

+ de 5100 Acessos

"People see me all the time and they just can't remember how to act
Their minds are filled with big ideas, images and distorted facts".
Bob Dylan, "Idiot Wind"

Os leitores não devem se enganar, quando lerem na contracapa de "Dylan - A Biografia", publicada pela Editora Conrad (R$ 50,00), que Bob Dylan foi um "herói do rock e um herói da esquerda", como se fosse um Che Guevara que empunhava um violão e uma gaita e cuspia palavras de revolução. Se isso foi um toque de marketing, saibam que comprarão gato por lebre. Em primeiro lugar, porque Dylan nunca quis ser um herói da esquerda - mais especificamente, da contracultura dos anos 60 que quase o excomungou no show do Royal Albert Hall, ao trocar a música folk pelo rock-n´-roll. E em segundo lugar, Dylan não pode ser catalogado em uma gavetinha ideológica, pois sua vida e seu trabalho ultrapassam quaisquer mesquinharias políticas.

Nem mesmo o autor do livro que está sendo publicado pensa o mesmo, o que prova que a divulgação da Conrad não foi muito feliz. "Dylan - A Biografia" é, na verdade, a tradução de "Down the Highway - The Life of Bob Dylan", biografia escrita pelo jornalista inglês Howard Sounes, o responsável pela única biografia respeitosa sobre Charles Bukowski, pois não se preocupava com as minúcias de seus delírios alcoólicos e sexuais. Com Dylan, Sounes tenta manter o tom de respeito, mas claro que, por mais subversivos que os dois se pareçam, fazer uma biografia de Bob Dylan é algo completamente diferente de fazer uma de Charles Bukowski. E por um simples motivo: Dylan é inclassificável.

Nascido em 1941, na cidade de Hibbing, Minnesota, Robert Allan Zimmermann só trocou o nome para Bob Dylan em homenagem ao um tio chamado Dillon e não por causa do poeta Dylan Thomas, como muitos gostam de espalhar aos quatro ventos. A mudança tinha um propósito: o jovem judeu queria se tornar um cantor de blues. Seu grande ídolo era Woody Guthrie, um sujeito que andava por toda a América com sua guitarra ímpar, com letras talhadas na madeira e que diziam: "Esta é uma máquina de matar fascistas". Foi com ele que Dylan aprendeu os truques do blues e do folk, mas com uma influência do Antigo Testamento, foi capaz de compor o primeiro hino da década de 60, "Blowin´in the Wind".

A canção, que fazia parte do segundo álbum de Dylan ("The Freewheelin´ Bob Dylan", lançado em 1964), era apenas a semente de uma obra que ficaria marcada pela voz anasalada, pela gaita afiada em sentimentos e por uma consistência poética que não ficaria a dever ao um Yeats, um Eliot ou um Blake. No entanto, muitos de seus primeiros fãs o colocariam na gavetinha da política da esquerda, chamando-o de "pacifista" e "revolucionário". Em uma entrevista dada à revista Rolling Stone, Dylan disse que não era nada disso, que sua música nunca teve uma preocupação ideológica e que sua intenção era fazer o que seu instinto mandava. Além do mais, ele nunca teve jeito para ser um "pacifista": quem viu o documentário de D.A. Pennenbaker, "Don´t Look Back" (1965), que retrata os últimos momentos da fase folk de Dylan, conhece a sua intensidade maníaca, capaz de humilhar um jornalista da Time Magazine sem misericórdia ao perguntar - "Você acha que o seu trabalho é importante? Você e o seu trabalho não valem nada, porque você vai morrer e o mundo não vai sentir a sua falta".

Essa atitude de confronto seria comprovada no show do Royal Albert Hall, em que "o herói da contracultura" foi vaiado por hippies de toda a espécie por ter "eletrificado" suas canções folk. Ao escutar um infeliz gritar "Judas!", Dylan não hesitou em gritar para a banda The Hawks (futura The Band), "PLAY FUCKING LOUD!!!!!", e começar uma versão ensurdecedora da melhor canção de vingança já feita: "Like a Rolling Stone". Tudo bem, o leitor já deve ouvido esta canção milhares de vezes, mas nada se compara a ouvir Dylan enfurecido, alongando com ódio o refrão - "How does feeeeeeeellll????" (Como você se sente?).

É claro que ele não se sentia muito bem. Aliás, e esta é uma das vantagens do livro de Sounes, pois mostra que a carreira de Dylan sempre foi inquieta. Uma hora era o cantor folk; outra hora era o Elvis lisérgico de "Highway 61 Revisited"; ou então o poeta melancólico de "Sad-Eyed Lady Of The Lowlands", milagrosa canção de amor que escreveu em homenagem a sua esposa, Sara Lowndes. Dylan nunca parou no tempo: seu maior dom foi estar à frente de todo o mundo e respeitar a regra número um do artista - sempre ser a fiel a si mesmo, sem se importar com o público porque, afinal de contas, é ele que tem de se adaptar ao artista e nunca o contrário.

Esta intensidade tinha que parar alguma hora. Em 1967, depois de quase morrer em um acidente de motocicleta, Dylan ficou recluso por um ano e meio e só voltou com uma obra-prima: o bíblico "John Wesley Harding" (1968), que inicia uma nova fase na sua vida, que iria se solidificar com "Slow Train Coming" - a busca consciente por uma vida mais religiosa. Contudo, antes disso, Dylan teve de passar pela doçura de "Nashville Skyline", pela tristeza e resignação de "Blood On The Tracks" (sua magnum opus, com canções fundamentais, como "Tangled Up In Blue" e "Idiot Wind"), até chegar ao cristianismo de "Slow Train Coming".

Este período da vida de Dylan é tratado com sobriedade por Sounes na biografia. Mesmo com 250 entrevistas, o jornalista não conseguiu saber a causa da conversão e, depois, da sua volta às raízes judaicas - celebrada indiretamente no álbum "Infidels" (1981). Na verdade, isto já estava previsto desde os tempos de "Blonde On Blonde", em que Dylan via o mundo como uma alucinação que só tinha sentido quando aparecia a Sad-Eyed Lady Of The Lowlands, uma clara referência à Virgem Maria. Mas a separação de Dylan com Sara Lowndes, mãe de seus nove filhos, inclusive Jakob, o líder da banda Wallflowers, o levou a uma crise existencial que fica patente tanto em "Blood On The Tracks", como no álbum "Desire", com a canção "Sara". Neste sentido, a sua fase cristã foi importante para que não caísse no abismo, como o próprio afirmou em uma entrevista ao jornalista Bill Flanagan.

A conversão religiosa deixou suas marcas no mistério em torno de Dylan. Mas não o transformou em sua essência: ele continua sendo uma esfinge, evitando dar entrevistas e, inclusive, mantendo em segredo sua vida pessoal, como prova Howard Sounes, ao descobrir que Dylan casou pela segunda vez, com a cantora Carolyn Dennis, com quem teve uma filha e logo depois se divorciou. Sounes termina o seu livro na época em que Dylan acabara de lançar "Time Out Of Mind" (1997), o álbum em que se reinventou como o spoudaios do rock-n´-roll. Para quem não sabe, spoudaios significa "o homem maduro, aquele que viveu todas as potencialidades de sua vida", conforme diz Aristóteles na sua "Ética a Nicômaco". Não há como discordar dessa afirmação, ainda mais depois do lançamento de seu último disco, o brilhante "Love and Theft", justamente no dia 11 de setembro de 2001 - período que, infelizmente, Sounes não aborda no seu trabalho. Sua biografia, mesmo com seus erros de divulgação, chega em boa hora para provar que, às vezes, uma vida não pode ser aprisionada em clichês políticos. Principalmente, se for uma vida como a de Bob Dylan.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no Correio Popular, de Campinas.

Para ir além






Martim Vasques da Cunha
Campinas, 8/10/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Wanda Louca Liberal de Marta Barcellos
02. Have a nice day de Adriane Pasa
03. O Jagunço degolado de Wellington Machado
04. O Bigode de Carina Destempero
05. A firma como ela é de Adriane Pasa


Mais Martim Vasques da Cunha
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




INVESTIMENTO EM AÇÕES
GIL ARI DESCHATRE
THOMAS NELSON BRASIL
(2009)
R$ 25,00



AMÉRICA LATINA: DA CONQUISTA À NOVA EVANGELIZAÇÃO
LEONARDO BOFF
ÁTICA/ SP.
(1992)
R$ 51,90



A REVOLTA DOS FANTASMAS
CLAUDIO THEBAS
LE
(1964)
R$ 9,90



FREI VON ANGST
PETER STIEGNITZ
ORIGINALAUSGABE
(1981)
R$ 20,00



OBJETO NA ARTE BRASIL ANOS 60
DAISY VALLE MACHADO PECCININI
FAAP
(1978)
R$ 250,00



PAIS E FILHOS VIVENDO A MISSA
BERNARDO CANSI
PAULINAS
(1979)
R$ 8,00



COMO TRATAR SEU GATO, ALIMENTAÇÃO, VARIEDADES, DOENÇAS E TRATA..
ALISOON WENLOCK
PUBLICAÇÕES EUROPA - AMÉRICA
(1995)
R$ 54,68



CONTABILIDADE AVANÇADA - TEXTO E TESTES COM AS RESPOSTAS
JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR
ATLAS
(1997)
R$ 20,00



NINA CONTA SEUS CAUSOS
JOÃO MILTON ANANIAS
LETRAS DO PENSAMENTO
(2014)
R$ 10,00



A AMAZÔNIA E O PETRÓLEO
ROMEU M. CABRAL
FULGOR
(1960)
R$ 9,00





busca | avançada
55141 visitas/dia
1,1 milhão/mês