Ideologia retrô | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
40060 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Assim criamos os nossos dois filhos
>>> Compreender para entender
>>> Para meditar
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 24 Horas: os medos e a fragilidade da América
>>> 18 de Março #digestivo10anos
>>> Entrevista a Juliana Dias
>>> Dez Coisas
>>> A Vida dos Obscuros
>>> Day after day, alone on the hill
>>> Um teatro que foge do óbvio
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Fantasmas do antigo Recife
>>> Luther King sobre os fracos
Mais Recentes
>>> O incrível Multiverso de Magic: The Gathering de Planeta De Agostini pela Planeta De Agostini (2019)
>>> Quem Disse Que Você Pode Liderar Pessoas? de Gareth Jones e Rob Goffee pela Elsevier (2006)
>>> Raizes e Asas 8 - Avaliação e aprendizagem de Vários autores pela Cenpec
>>> Raizes e Asas 7 - A sala de aula de Vários autores pela Cenpec
>>> Raizes e Asas 7 - A sala de aula de Vários autores pela Cenpec
>>> Raizes e Asas 6 - Como ensinar um desafio de Vários autores pela Cenpec
>>> Raizes e Asas 6 - Como ensinar um desafio de Vários autores pela Cenpec
>>> Raizes e Asas 5 - Ensinar e aprender de Vários autores pela Cenpec
>>> Raizes e Asas 5 - Ensinar e aprender de Vários autores pela Cenpec
>>> Raizes e Asas 4 - Projeto de escola de Vários autores pela Cenpec
>>> Raizes e Asas 4 - Projeto de escola de Vários autores pela Cenpec
>>> Raizes e Asas 3 - Trabalho coletivo na escola de Vários autores pela Cenpec
>>> Raizes e Asas 1 - A escola e sua função social de Vários autores pela Cenpec
>>> Raizes e Asas 1 - A escola e sua função social de Vários autores pela Cenpec
>>> Revista paulista de educação fisica - Vol. 3 - Nº 5 de Usp pela Usp (1989)
>>> Revista paulista de educação fisica - Vol. 11 - Nº 2 de Usp pela Usp (1997)
>>> Revista paulista de educação fisica - Vol. 9 - Nº 1 de Usp pela Usp (1995)
>>> Revista paulista de educação fisica - Vol. 8 - Nº 1 de Usp pela Usp (1994)
>>> Revista paulista de educação fisica - Vol. 8 - Nº 2 de Usp pela Usp (1994)
>>> Revista paulista de educação fisica - Vol. 7 - Nº 1 de Usp pela Usp (1993)
>>> Os Grandes julgamentos - o processo Petain de Claude Bertin pela Otto pierre (1978)
>>> Os Grandes julgamentos - Eichmann - Toquio de Claude Bertin pela Otto pierre (1978)
>>> Os Grandes julgamentos - Sacco-Vanzetti - Lindbergh de Claude Bertin pela Otto pierre (1978)
>>> Os Grandes julgamentos - Os processos de Mosou de Claude Bertin pela Otto pierre (1978)
>>> Os Grandes julgamentos - Galileu Galilei de Franco Massara pela Otto pierre (1978)
COLUNAS

Quinta-feira, 14/11/2002
Ideologia retrô
Adriana Baggio
+ de 5400 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Você já deve ter visto o novo comercial da Oi, o braço da Telemar para a telefonia celular. O objetivo do comercial é divulgar o Oi MTV, uma associação da empresa com a emissora dirigida ao público adolescente. A idéia é mostrar que os usuários deste aparelho são pessoas próximas da MTV - uma relação com o estilo, o posicionamento e a ideologia da emissora.

A estratégia de associar duas marcas conhecidas é antiga, e funciona. Ligada à MTV, a Oi procura atingir um público voraz por novidades tecnológicas e de comunicação: os adolescentes. A MTV tem a pretensão de falar a linguagem do jovem, com seu conteúdo musical, vinhetas bem sacadas, apresentadores (os VJs) descolados.

Para fazer essa associação a Oi criou um filme que mostra a MTV literalmente dentro da casa de um adolescente, partilhando da sua intimidade. A primeira cena mostra um braço cabeludo caindo sobre o peito do adolescente dormindo. Ele acorda assustado e vê ao seu lado na cama ninguém menos que o João Gordo. Ele levanta, vai ao banheiro e senta automaticamente no vaso. Ao invés de sentir a tábua fria do sanitário, acaba encontrando o colo do Thunderbird. O VJ, um pouco irritado, diz um sonoro "tá ocupado" ao dono da casa. Sem entender nada, o menino vai à cozinha, abre a geladeira, e quando levanta a cabeça, vê uma VJ no tanque, lavando sua cueca. Ela mostra a peça íntima com uma mancha marrom e diz algo como: "de novo!". Atrás do moleque, João Gordo e Thunderbird olham a cena, e o primeiro solta a pérola: "que freada, hein?".

Tudo muito engraçado e irreverente, como manda o manual de comunicação para adolescentes. Os VJs dividindo a intimidade do garoto mostra que a MTV está presente na vida dele; a linguagem "descolada", com um toque de escatologia, remete ao universo lexical do adolescente brasileiro estereotipado; e por último, a associação da marca Oi com esse contexto dirige o produto da operadora para este público.

A fórmula está correta, a linguagem também. O objetivo deste texto, no entanto, é observar um pouco mais a fundo essa mensagem publicitária e tentar identificar a ideologia construída por trás dessas situações. Antes de continuar, é importante dizer que a publicidade não cria nada de original. Para desenvolver a mensagem a publicidade apropria-se do que já existe na cultura, trabalha os conceitos e estereótipos, embala-os em uma linguagem facilmente compreensível para o público-alvo. Depois, devolve a mensagem na forma de comerciais de TV, anúncios de jornal, outdoors, etc.

Voltando a análise: o comercial da Oi, que se posiciona como uma empresa moderna, de vanguarda - a própria comunicação da empresa reforça isso, colocando-se à frente de coisas tão antigas quanto celular e vitrola - acaba reforçando estereótipos muito antiquados em sua comunicação. No filme descrito acima o João Gordo, homem, está dormindo na cama do garoto; Thunderbird, homem, está no banheiro dele; e a VJ, mulher, está no tanque lavando a cueca do cara!

Dá pra tirar várias conclusões desta situação: a primeira delas é que a "culpa" não é da publicidade. Como fiz questão de ressaltar antes, a publicidade só espelha o que já existe. E ela só faz isso porque nós temos tendência a aceitar com mais facilidade - ou rejeitar menos - o que conhecemos, o que faz parte do nosso universo cultural. Assim, o que o comercial da Oi reflete é um estereótipo ainda muito presente na nossa cultura: a da mulher como responsável pelas coisas da casa, em uma atitude meio servil, tendo que limpar as sujeiras da família.

A segunda conclusão é que a casca de modernidade da Oi e da MTV é falsa. Se estas duas empresas, com seu posicionamento de vanguarda, agem dessa maneira, é porque refletem a ideologia presente no público para o qual destinam seus produtos. Então, nem o público é tão moderno assim, nem essas empresas são.

Sempre que esse tipo de análise é feita algumas pessoas já chiam e torcem o nariz, e a palavra "feminista" começa a ser formada nos lábios. Essas pessoas deveriam tirar os antolhos e procurar fazer esse exercício de análise em relação a todo tipo de mensagem, desde os anúncios publicitários até as bulas de remédio. O discurso funciona como uma espécie de espelho da cultura no qual foi produzido.

A análise do comercial da Oi MTV reflete uma visão ainda presente na nossa cultura, em relação à mulher e ao papel que ocupa na sociedade. É uma constatação. Não significa que o comercial deixa ser bom ou engraçado por causa disso. Assim como as piadas machistas, ou de homossexuais, ou de negros, ou de judeus, ou de portugueses, ou de loira, não deixam de ser engraçadas, mas não se pode negar o preconceito e a estereotipização que refletem.

Agora, é opção de cada um de nós aceitar associar nossa imagem e personalidade com produtos, idéias e instituições que reforçam estereótipos com os quais não concordamos.


Adriana Baggio
Curitiba, 14/11/2002

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Quem somos nós para julgar Michael Jackson? de Arcano9


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2002
01. Todos querem ser cool - 27/6/2002
02. Menos Guerra, Mais Sexo - 31/1/2002
03. Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo! - 20/6/2002
04. Querido, eu me rendo - 2/5/2002
05. Homens, cães e livros - 15/8/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/11/2002
10h51min
Não se trata de estereótipo. Nossa sociedade é mesmo machista e as tarefas domésticas ainda são responsabilidade exclusivamente das mulheres, mesmo que elas "trabalhem fora". E como somos uma sociedade contraditória, posso dizer que esse é o espelho da atualidade ou modernidade, como queira.
[Leia outros Comentários de Fabio Polonio]
14/11/2002
11h21min
Blá, blá, blá, blá... Vamos, então, destruir o mundo e construir outro do jeitinho que nós queremos. Só não sei bem oque fazer com os homens e mulheres que ainda tiverem algum resquício desta mentalidade retrógrada e reacionária, mas a gente dá um jeitinho...
[Leia outros Comentários de Pablo Cabistani]
14/11/2002
19h07min
Fabio, a situação que você menciona é um estereótipo sim. A sociedade ainda é machista, mas muda devagar. Talvez na sua casa as tarefas domésticas ainda sejam exclusividade das mulheres, mesmo que elas trabalhem fora. Em outros lugares, já está mudando. Mas como você mesmo disse, repetindo o que eu escrevi, o que a publicidade mostra é um espelho da atualidade.
[Leia outros Comentários de Adriana]
14/11/2002
19h11min
Caro Pablo, refletir sobre algo, questionar, tentar perceber o que está por trás do que a superfície mostra, é uma maneira de tentar se posicionar contra coisas das quais não gostamos. Não sei em que parte do texto você percebeu alguma intenção em destruir o mundo para reconstruí-lo da maneira que quisermos. Talvez você esteja vestindo alguma carapuça. E por falar em mentalidade retrógrada, cuidado com o radicalismo...
[Leia outros Comentários de Adriana]
15/11/2002
03h39min
Veja só: a mulher lavar cuecas é um fato, seja esposa ou empregada doméstica. Não é justo, não parece moderno, mas é fato. Supor o que ocorre na minha casa é agressão gratuita. Não faltam fontes de informação para o que afirmo. Responda um comentário de cada vez.
[Leia outros Comentários de Fabio Polonio]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Uma Fraternidade e Seus Princípios Básicos
Dorival Sortino
Casa dos Discípulos
(1995)



Toninho e Seu Tesouro
Anna Campos Borowski
Scipione
(1993)



Livro - Judy Moody Quer a Fama
Isa Mara Lando, Megan Mcdonald, Peter H Reynolds
Salamandra
(2004)



Díario de Raquel
Marcos Rey
Companhia das Letrinhas
(2005)



O Tatu Garimpeiro
Carlos Queiroz Telles
Ftd
(1992)



Livro - Queda para o Alto
Herzer
Circulo do Livro
(1982)



Muitos Textos... Tantas Palavras 1ºano Sesi 6ªimpressão
Vários Autores
Sesi-sp
(2012)



Guia Fuja de Casa Com as Crianças 2ªed(2001)
Publifolha
Publifolha
(2001)



O Grande Livro do Congelamento 9ªed
Ellis Audrey
Melhoramentos
(1995)



Escola do Terror Histórias Horripilantes de Mais para Se Contar
Tom B. Stone
Rocco
(2003)





busca | avançada
40060 visitas/dia
1,4 milhão/mês