A Concepção da Popozuda | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 12/6/2001
A Concepção da Popozuda
Paulo Polzonoff Jr

+ de 2500 Acessos

Saiu uma matéria no O Estado de S. Paulo alertando para um perigo gravíssimo: o engravidamento ou engravidação ou gravidez de meninas, como direi?, púberes, em bailes funk. A mim me parece um absurdo que haja o que por ora denomino a "concepção das popozudas", por vários motivos e um deles, talvez o mais forte mesmo, seja o meu assumido puritanismo. Se o leitor não fez este exercício que o faça agora: imagine uma menina indo a um baile funk escutar aquilo que chama de música mas que tenho apenas como o mais reles dos barulhos, usando uma microssaia, sem calcinha, ovulando e se deixando ser, como direi?, penetrada por um-zinho qualquer. Não, leitor, minha indignação e indagação não param por aqui.

Neste frio curitibano, um tanto quanto solitário, é verdade, fico me perguntando a que ponto adernou a civilização para irmos da pornografia de um Marquês de Sade a esta coisa inclassificável que se vê - dizem, nunca vi - em bailes funk. Quero dizer, assim como comer não é somente o ato de colocar alimento na boca, mastigá-los e engoli-los, sexo não é simplesmente um ser humano penetrando outro, seja do mesmo sexo ou do sexo oposto. Escuto alguns gritos aqui ao meu lado me dizendo que sou um reprimido, que sou um castrado, que sou à direita, que isso e que aquilo. A verdade é que não consigo compreender, para plagiar um pouquinho a amiga Daniela Sandler (que, ao que parece, está na mesma sintonia que eu neste assunto), a "geometria" da coisa.

O absurdo também se reflete numa abordagem histórica do ato sexual desta menina que se deixou ser penetrada numa coreografia de funk. Peço desculpas ao leitor, porque vou fugir um pouquinho, mas não muito, do assunto do momento, para rememorar o século que passou de forma sexual. Sim, porque é importante saber que somos (fomos?) moldados, política e socialmente, por este ato, principalmente quando feito por graduados de nações que sobre nós exercem um jugo que não deixa de ser sexual também, se é que me faço compreendido nas entrelinhas. Quero até falar historicamente sobre isso porque iniciamos um século novo (sei que alguns não perceberam, mas é fato: estamos no século XXI) e o fenômeno do sexo a la poposuda me parece um prognóstico bastante interessante do que teremos nos próximos anos politica, social e culturalmente.

Foi o sexo - e não as guerras - o que cunhou o século XX. Se bêbado, eu levantaria agora da cadeira e diria ao bar inteiro: um século de trepadas homéricas. No cerne de cada conflito, recessão, vida e morte, há o sexo. Durante estes cem longos anos soubemos como em nenhum outro período da história (talvez os gregos tenham nos igualado, mas não tenho muita certeza. É difícil encontrar numa ânfora a pintura de uma Monica Lewinsky grega fumando o espartano charuto de um Zeus, por exemplo. Apesar de que Zeus...) elevar nossos instintos sexuais a potências nunca dantes imagináveis. Pelo menos não em público, como me esclarece o Sade aqui ao lado.

O século começou já com uma bomba: Freud. O velho e bom Sigmund, pai da psicanálise, chocou o mundo com suas teorias sexuais. Até o século XX, histeria, por exemplo, era curada com sanguessugas, quando não considerada uma possessão demoníaca, nada que uma boa fogueirinha não curasse. Freud foi taxativo: é falta de realização sexual. Nossas neuroses, de acordo com o austríaco, não passam de traumas invariavelmente ligados a uma fase em que já éramos chegados em sexo, só que não sabíamos. (Estou sendo superficial, bem sei, mas não tenho a intenção aqui de escrever um texto hermético). E por aí vai. Freud nos disse o que há muito sabíamos, mas tínhamos medo ou vergonha de assumirmos: somos basicamente controlados por nossos desejos sexuais.

Há quem pense que a liberação sexual, que não chega n só ocorreu nos anos 60. Engano. Na década de 20 algumas mulheres já deixavam o espartilho de lado para assumirem uma posição mais ativa na sociedade. Para quem se interessa por literatura erótica de bom gosto não posso deixar de indicar Anaïs Nïn e o velho e bom Henry Miller. Antes disso, caros, o máximo que havia em literatura era o Decameron, o já citado Sade e, pasmem!, A Divina Comédia. Fico imaginando um adolescente levando Dante para o banheiro: nada mais prosaico. Aliás, todas as vanguardas deste século tiveram o sexo como motivação. Vejam a promiscuidade de Guernica (e, num outro plano, a do próprio Picasso), os falos egocêntricos de Dalí, a sexualidade jazzística de Pollock.

Foi com a Segunda Guerra Mundial que a coisa começou a descambar. Como era costume desde a Antigüidade, enquanto os homens iam para a guerra as mulheres tratavam de aproveitar o tempo livre. Já disse e repito: nada disso, até o século XX, era novidade. Só que neste século tratamos de tornar as coisas mais, como direi?, públicas. Não foi por acaso que por esta época surgiram os primeiros símbolos sexuais. Antes disso, ó ignóbeis leitores, ninguém se masturbava coletivamente pensando numa só pessoa (pelo menos não num só momento). Rita Hayworth, Marilyn Monroe, Doris Day, Débora Kerr, entre outras, fizeram a felicidade dos homens. Por outro lado, Humphrey Bogart, James Stewart, Fred Astaire e Frank Sinatra faziam as mulheres delirarem com aqueles gritinhos histéricos. (Freud tinha razão, não tinha?).

A história em suas manifestações mais evidentes, como a guerra, sempre esteve relacionada com o sexo. Quem duvida que vá ler a historia de Mata Hari. As maiores personalidades políticas deste século, como Hitler e Roosevelt, tiveram suas respectivas participações na história com uma boa pitada de sexo. Hitler, como todos sabem, foi corneado até alma, ainda adolescente, por sua prima, Geni Rabal (que sabiamente se matou), e era um frustrado com sua amante, Eva Braum. Aliás, há quem tenha escrito que Hitler não tinha um dos testículos, o que deve ser muito significativo. Não conseguindo seus orgasmos rotineiros, resolveu brincar de guerra e deu no que deu (com o perdão do trocadilho). Roosevelt, por sua vez, era um tremendo canalha, corneando sua primeira-dama com todas as demais-damas que lhe aparecessem. Para abafar um escândalo sexual, resolveu se meter no conflito europeu e o resto vocês também já sabem. Não é à toa que Clinton é comparado a todo instante a Roosevelt. Não vou nem tocar no nome de Kennedy para não estourar meu espaço.

Nos anos 60, com a advento da televisão, LDS, rock e outras porcarias do gênero, a coisa virou putaria mesmo. Como a maioria destes leitores é dado a uma nostalgia desta época, dispenso aqui maiores explicações.

O resultado de tudo isso é que chegamos ao fim do século com nossa sexualidade em frangalhos e, pelo visto, começamos com ela mais esfrangalhada ainda no início do novo século. Com o perdão da vulgaridade involuntária: todo mundo dá para todo mundo, a toda hora, em qualquer lugar (de preferência na TV), sem que haja o mínimo de desejo nisso tudo. Às vezes o sexo é feito para satisfazer vontades alheias à do indivíduo. Sexo, além de tudo, virou produto de mercado. Não demorará muito para ser vendido orgasmo enlatado.

Aliás, acho bastante interessante o fato de o século XX ter terminado com a depressão atingindo mais de dez por cento da população mundial e com as mulheres escolhendo os homens como os homens as escolheram durante séculos, ou seja, como mercadoria, contrariando todos os genes possíveis (atenção feministas de sovaco peludo de plantão: leiam O Animal Moral, de Robert Wright, antes de virem me xingar de machista, porco chauvinista e coisas do gênero).

Voltando ao baile funk, que é o assunto que gerou este texto. Esta menina de 14 anos que teria engravidado no baile, segundo o jornal O Estado de São Paulo, o que esperava ela ao se deixar ser penetrada assim, ao som daquela musiquinha vagabunda? Apenas livrar-se do perigo da histeria diagnosticado por nosso amigo Freud? Ora, ela nem sabe quem foi Freud.

De qualquer modo (e para encerrar de uma vez, que hoje estou caudaloso), é significativo ter esta senhorita (chamemo-la assim: senhorita) como um exemplo não da mulher, mas do ser humano do século XXI: ela tem acesso a toda informação sobre gravidez, contra-concepção e Aids e ainda assim se deixa ser penetrada numa festa; há uma possibilidade, se a coisa aconteceu como eu imagino, de que ela não tenha nem visto a cara do macho que a fecundou (desculpe os temos biológicos, mas só consigo pensar na coisa como algo que remete à primitividade); ela criará este filho, sem pai, mal sabendo como explicar sua geração; ela o culpará por sua vida medíocre a partir de agora, por sua infância perdida, por seu futuro jogado no lixo; daqui a dois anos ela não saberá mais cantar o Bonde do Tigrão, mas escutará, pela casa, os ecos de seu filho que grita a musiquinha da Xuxa que estiver nas paradas da época.

E eu continuarei resmungando textos como este, ao som, hoje, de Dinah Washington: What a Difference a Day makes.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 12/6/2001


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Um repórter a mil calorias por dia* - 5/9/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ONDE ESTIVESTE ADÃO?
HEINRICH BOLL
EXPRESSÃO E CULTURA
(1973)
R$ 10,00



GUIA DE CONVERSAÇÃO INGLÊS
HUNTER BOOKS (ORG)
HUNTER
(2014)
R$ 20,00



SEM MEDO DE TER MEDO
TITO PAES DE BARROS NETO
CASA DO PSICOLOGO
(2000)
R$ 90,00



RICK E A GIRAFA
CARLOS DRUMOND DE ANDRADE
ÁTICA
(2012)
R$ 5,00



É TUDO VERDADE - ITS ALL TRUE 2001
AMIR LABAKI (ORG.)
CCBB
(2001)
R$ 8,11



CARNAVAL E SAMBA EM EVOLUÇÃO NA CIDADE DE SÃO PAULO
MARIA APPARECIDA URBANO
PLÊIADE
(2006)
R$ 23,00



UM MEDO POR DEMAIS INTELIGENTE, AUTOBIOGRAFIAS PESSOAIS
AMERICO LINDEZA DIOGO E ROSA SIL MONTEIRO
ANGELUS NOVUS
(1994)
R$ 33,07



CAVERNA DOS MONSTROS
STELLA CARR
MELHORAMENTOS
(1993)
R$ 5,00



JOGOS E BRINCADEIRAS
VARIOS
VOZES
(2018)
R$ 26,95



DA GORDURA À FORMOSURA EM QUALQUER IDADE
SARÍ HARRAR ALISA BAUMAN
PLÁTANO
(2000)
R$ 77,00





busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês