O Direito à Estupidez | Adrian Leverkuhn | Digestivo Cultural

busca | avançada
27782 visitas/dia
955 mil/mês
Mais Recentes
>>> MANU LAFER APRESENTA SHOW NOBODY BUT YOU - TRIBUTO A KIKA SAMPAIO
>>> Sesc Belenzinho recebe a banda E a Terra Nunca me Pareceu Tão Distante
>>> Sesc Belenzinho recebe a atriz e cantora Zezé Motta
>>> Psicólogo lança livro de preparação para concurseiros usando a Terapia Cognitiva-Comportamental
>>> O Sertão na Canção: Guimarães Rosa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
Colunistas
Últimos Posts
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
Últimos Posts
>>> Kleber Mendonça volta a Cannes com 'Bacurau'
>>> Nem só de ilusão vive o Cinema
>>> As Expectativas de um Recrutador e um Desempregado
>>> A Independência Angolana além de Pepetela
>>> Porque dizer adeus?
>>> Direções da véspera IV
>>> Direções da véspera IV
>>> A pílula da felicidade
>>> Dispendioso
>>> O mês do Cinemão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Memorial de Berlim
>>> The Good Life
>>> O Natal quase sempre é um problema
>>> O físico que era médico
>>> O historiador das idéias
>>> Maria Antonieta, a última rainha da França
>>> Gentili sobre o 7 a 1
>>> Convivendo com a Gazeta e o Fim de Semana
>>> Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo!
>>> O petista relutante
Mais Recentes
>>> Margarida La Rocque: a Ilha dos Demônios de Dinah Silveira de Queiroz pela Record (1991)
>>> Três famílias: identidades e trajetórias transgeracionais nas classes populares de Luiz Fernando Dias Duarte e Edlaine de Campos Gomes pela FGV (2008)
>>> Crítica da Divisão do Trabalho de André Gorz pela Martins Fontes (2001)
>>> O Mais Belo País é o Teu Sonho de Flávio Moreira da Costa (autografado) pela Record (1995)
>>> O sociologo e o historiador de Pierre Bourdieu e Roger Chartier pela Autentica (2011)
>>> Em defesa da sociologia de Anthony Giddens pela Unesp (2001)
>>> Irmã Morte de Justo Navarro pela Record (2011)
>>> Caos Total de Jean-claude Izzo pela Record (2002)
>>> Medicina Sexualidade e Natalidade de Henrique Augusto Lima (autografado) pela Byk (1999)
>>> Crônicas inéditas 2 de Manuel Bandeira pela Cosac Naify
>>> Adivinhadores de água de Eduardo Escorel pela Cosac Naify (2005)
>>> Flávio de Carvalho: Espaços da Arte Brasileira de Luiz Camillo Osorio pela Cosac Naify (2009)
>>> Cultura e materialismo de Raymond Williams pela Unesp (2011)
>>> O Eixo do Mal Latino-Americano e a Nova Ordem Mundial de Heitor de Paola pela Observatório Latino (2016)
>>> Marca, Imagem e Reputação: a Trajetória de Sucesso de Pessoas e Empresas de Fernanda de Carvalho e Francisco Britto e Richard House pela Da Boa Prosa (2012)
>>> Clarice, uma Biografia de Benjamin Moser pela Cosac Naify (2015)
>>> Um Barril de Risadas, um Vale de Lágrimas de Jules Feiffer pela Cia das Letras (2008)
>>> Inelegibilidades no Direito Brasileiro de Joel J. Cândido pela Edipro (2003)
>>> Recursos em matéria eleitoral de Tito Costa pela Revista dos Tribunais (2004)
>>> Direito Eleitoral & Questões Controvertidas de Antônio Carlos Martins Soares pela Lumen Juris (2008)
>>> Langage et pouvoir symbolique de Pierre Bourdieu pela Editions Fayard (2001)
>>> Les Règles de l'art de Pierre Bourdieu pela Editions du Seuil (1998)
>>> Princípios Estruturantes das Agências Reguladoras e os Mecanismos de Controle de Alexandra da Silva Amaral pela Lumen Juris (2008)
>>> Homo Academicus de Pierre Bourdieu pela Les Editions de Minuit (2005)
>>> A criança e a mídia: imagem, educação, participação de Cecilia Von Feilitzen; Ulla Carlsson pela Cortez (2002)
>>> Circulação internacional e formação intelectual das elites brasileiras de Ana Maria Almeida; Letícia Canêdo, Afrânio Garcia; Agueda Bittencourt pela Unicamp (2019)
>>> Crimes eleitorais de Suzana de Camargo Gomes pela Revista dos Tribunais (2008)
>>> Delegação e Avocação Administrativas de Regis Fernandes de Oliveira pela Revista dos Tribunais (2005)
>>> Probidade administrativa. Comentários à Lei 8.429/92 e legislação complementar de Marcelo Figueiredo pela Malheiros (2004)
>>> Inquérito Policial & Competências e Nulidades de Atos de Polícia Judiciária de Anderson Souza Daura pela Juruá (2008)
>>> Agora e Para Sempre Lara Jean de Jenny Han pela Intrínseca (2017)
>>> Michael Kohlhaas de Heinrich Von Kleist pela Grua (2014)
>>> Perícias judiciais de engenharia. Doutrina. Prática. Jurisprudência de Francisco Maia Neto pela Del Rey (1999)
>>> A Lição do Mestre de Henry James pela Grua (2014)
>>> Chega de Plástico de Varios Autores pela Sextante (2019)
>>> Os Doze Mandamentos de Sidney Sheldon pela Record (2011)
>>> O Outro de Bernhard Schlink pela Record (2009)
>>> Até Eu Te Encontrar de Graciela Mayrink pela Novas Páginas (2013)
>>> Abaixo de Zero de Bret Easton Ellis pela Rocco (1987)
>>> Suítes imperiais de Bret Easton Ellis pela Rocco (2011)
>>> Porto Seguro de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2013)
>>> Ação de Impugnação de Mandato Eletivo de José Rubens Costa pela Del Rey (2004)
>>> O Milagre de Nicholas Sparks pela Agir (2010)
>>> Zona de Perigo de Shirley Palmer pela Best Seller (2003)
>>> Da anulação ex officio do ato administrativo de João Antunes dos Santos Neto pela Fórum (2004)
>>> O Misterioso Caso de Styles de Agatha Christie pela Abril Cultural (1983)
>>> Conexões de Varios Autores pela Abril (2016)
>>> A Quarta Vítima de Théo Iemma pela Scortecci (2005)
>>> Crianças da Noite de Juliano Sasseron pela Novo Século (2011)
>>> Macunaíma de Mário de Andrade pela Ciranda Cultural (2016)
COLUNAS

Quarta-feira, 15/1/2003
O Direito à Estupidez
Adrian Leverkuhn

+ de 3100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

1. Um amigo meu certa vez me observou que parecia haver dois tipos de estudantes de música: aqueles que tinham interesse em uma vastíssima gama de assuntos, e que poderiam atuar com razoável sucesso em virtualmente qualquer área, e aqueles cujos interesses se concentravam exclusivamente na música, e diziam que, se não fosse ela, não saberiam o que fazer da vida. Quase não se via uma zona de cinza entre os dois extremos.

Não é muito difícil extrapolar esta observação para diferentes artes. Descontemos os grandes mestres e descobrimos, geralmente, que aspirantes a homens da renascença se dão tão bem quanto esteticistas que jamais demonstraram qualquer interesse em Hegel ou Schopenhauer. A fama da estupidez dos pintores, inclusive, foi dar origem à famosa expressão idiomática francesa "bete comme un peintre" - estúpido como um pintor (título, inclusive, de um quadro de Juan Davila que causou furor na bienal de Sydney de 82). Até mesmo na literatura, a mais discursiva das artes - e, imagina-se, aquela em que o interesse humanista mais se entrelaçaria com a estética - é possível encontrar romancistas bons ou muito bons que não tenham, em não-ficção, muita coisa a dizer: veja as banalidades das crônicas da Rachel de Queirós, por exemplo. A "estupidez" do artista não é necessariamente uma fraqueza: se é capaz de alcançar de ouvido, por assim dizer, os fins a que se propõe e alcançar o belo, não se deve exigir dele que seja capaz de bolar uma teoria estética ou uma análise seja lá de que tipo que fundamente o que acaba de fazer. A estupidez do artista é um direito.

Claro que há muitas coisas de errado na arte contemporânea - um diagnóstico preciso, deixo para aqueles que tenham o conhecimento, a inteligência e o tempo livre para fazê-lo - mas muitas vezes me vem a impressão, em galerias, de que os artistas de hoje não são de qualquer forma inferiores aos de outras épocas, que não vivemos em um período de "decadência das artes" - de que se fala, aparentemente e sem interrupções, desde o próprio nascimento da arte - pelo menos no que concerne o talento de seus criadores: o problema é que esses artistas estão sendo forçados a pensar. Tem-se a impressão, de fato, que a obra não tem a menor importância, que qualquer coisa vale, que o importante são as justificativas teóricas por trás do que foi feito (ocorre-me neste momento à memória a bienal de São Paulo de 98, em que o guia no CD discorria longamente sobre uma tela vazia, e outra também vazia, mas com um corte no meio. Não me lembro se são de Rauschenberg ou de alguém que tenha "plagiado" sua originalíssima idéia de deixar a tela em branco.) - e o resultado, as bobagens que são proferidas para justificar sempre as mesmas obras, apenas explicitam a mediocridade estatisticamente necessária da maioria. Em outras épocas, os artistas menos dotados se dedicariam à imitação exaustiva dos padrões clássicos, fariam paisagens e naturezas-mortas passíveis, e sua incapacidade de conceber coisas novas ou notáveis ficariam camufladas sob sua proficiência técnica, visível apenas aos olhos de um observador mais atento. Uma instalação, performance ou obra "de vanguarda" medíocre berra sua mediocridade até o constrangedor. Você olha para a pessoa que você trouxe consigo à exposição e morre de vergonha.

---

2. Na literatura, o problema é ainda mais antigo: a coisa vinha desandando já no formalismo russo, no ideal de se criar um teoria "científica" do fenômeno literário. Não me entendam mal: eu acho louvável que se tente fazer um estudo rigoroso, ou o mais rigoroso possível, da literatura. Muitas vezes, ao ler uma passagem bonita de um romance ou um poema, eu sinto esta vontade de ter uma teoria que me explique, exatamente, o que está acontecendo naquele momento, que me diga como que eu sei que tal autor é melhor que tal outro autor, como versos diminutos e aparentemente simples podem conter em si tanta força de expressão. Os problemas nesta proposta são dois, e não advém propriamente dela: primeiro, que literatura não se faz a partir de teorias, principalmente de teorias inacabadas (da mesma forma que eu quereria uma teoria para o humor, seria um tanto tolo tentar criar piadas by the book, e a mera menção à teoria já estragaria o mais inteligente witticism); e segundo, as pessoas que se ofereceram a perseguir tal teoria, em sua maioria e em conjuntos mais representativos, não fazem a menor idéia de como uma teoria "científica" é feita. Observe os poetas concretos, por exemplo: seus assim chamados "poemas" dificilmente se enquadram no que se identifica, normalmente, como poemas, e dificilmente alguém seria capaz de argumentar com uma cara séria que eles sejam mais do que medíocres. Sua única força está em possuir uma teoria do poema - mind you, não do poema concreto, mas da poesia como um todo - por trás que, consistente à primeira vista, afirme que eles sejam poemas, e o que é ainda pior, poemas bons. Se uma teoria que visa explicar um fenômeno gera previsões de fenômenos completamente diferentes - no caso, uma teoria da poesia que gera palavras repetidas e trocadilhos previsíveis - é porque a teoria está errada, não os fatos. Não se joga o mundo fora. Ela pode ser perfeitamente consistente, em sua lógica interna, caso no qual ela pode servir como modelo para um fenômeno completamente diferente; a ligação com o mundo real - no caso, as obras que se identificam como poéticas - jamais pode ser perdida. Os concretos partiram de idéias boas - a insistência de Pound que poesia=condensare, e o comentário de Jakobson que toda literatura é metalingüística, por exemplo - mas em certo ponto se deixaram encantar a tal ponto pela teoria que estavam formulando que perderam o contato com o chão, deixando que sua quimera se desenvolvesse como ela queria, e não como ela deveria se desenvolver. A monstruosidade, naturalmente, não se encaixava com aquilo que deveria representar, e, neste ponto, ao invés de revisar o que deu errado, deu-se prioridade à teoria e não ao mundo real. O irônico é que se os irmãos Campos tivessem decidido aceitar os fatos da poética sem provas, ou se entendessem menos de semiótica - se tivessem, enfim, se concentrado no acerto-e-erro da técnica e resistido à tentação de teorizar, poderiam ter produzido uma obra muito mais interessante.

---

3. O que aliás vem justificar meu interesse (sempre meio hesitante, com ondas de encantamento e desencantamento) na cultura, por assim dizer, "popular". Meu interesse no impacto social da tecnologia pode ter sido um agravante: embora muitas das idéias fundamentais datem de tão distante no tempo quanto Aristóteles, eu só fui encontrar as narrativas que procurava, as vozes que diziam as mesmas coisas, em obras da cultura popular - na animação japonesa de Lain e Ghost in the Shell, na ficção de Philip K. Dick e Richard Powers, para citar alguns exemplos. Enquanto isso, os artistas sérios, aqueles que deveriam estar nos revelando tais visões, seguiam um modismo bobo em torno do "ciborgue", sem muito o que dizer, ou tentavam uma aproximação tangencial, tentando desviar do kitsch que ameaça uma representação explícita, direta. De certa forma, enquanto a arte com séculos de tradição parece estiolar-se sob a força da teorização pesada, as artes menores, que se enxergam essencialmente como entretenimento, começam lentamente a tomar o papel de repositório do verdadeiro pensamento e da cultura de um tempo. Uma receita de ironia, de nunca esquecer de sua própria irrelevância diante do mundo real e se lembrar sempre, não sem um certo sarcasmo, que o que se está fazendo é mero entretenimento sofisticado, entretenimento de luxo. É o que protege, muitas vezes, do ridículo a literatura inglesa e o jazz.

---

4. A proposta para o novo milênio é: menos teoria, mais prática; menos metafísica, mais técnica; menos falsa inteligência, mais alegre e sincera estupidez.


Adrian Leverkuhn
Brasília, 15/1/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Émile Zola, por Getúlio Vargas de Celso A. Uequed Pitol
02. A Escolha de Alice de Marilia Mota Silva
03. A magia da Pixar de Gian Danton
04. Os clássicos e o leitor de hoje de Lolita Beretta
05. O grande jogo de Billy Phelan de Rafael Rodrigues


Mais Adrian Leverkuhn
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/1/2003
18h01min
Se é pra equilibrar as coisas, vá lá, mas cada elemento tem a sua utilidade. Particularmente em literatura, a teoria para guiar e a prática para descobrir.
[Leia outros Comentários de Héber Sales]
16/1/2003
14h02min
Concretinos, tribalistas, "doces"-bárbaros, pagãos, modernos, contemporâneos, neo-contemporâneos, pós-modernos, mutantes, desconstrucionistas, estruturalistas, maniqueistas, nominalistas, invejosos, rancorosos, heréticos e demais "tendências" só fazem ecoar o ditado: "pior do que um idiota é um idiota com iniciativa" ou "um idiota constrange dez sábios".
[Leia outros Comentários de marcus moreira lassa]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




JORNADAS DE REDENÇÃO
ARMANDO FERNANDES DE OLIVEIRA
DO LAR
(1986)
R$ 6,00



A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA
ANTONIO CARLOS DE QUEIROZ SILVEIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



BLUES YOU CAN USE + CD
JOHN GANAPES
HAL LEONARD
R$ 80,00



STRIPTIRAS, V. 2
LAERTE
L PM EDITORES
(2007)
R$ 10,00



O USO DA CHAMADA VOZ PASSIVA SINTÉTICA EM ANÚNCIOS
REGINA MARIA GONÇALVES MENDES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 293,00



DIREITO TRIBUTÁRIO VERSUS MERCADO: O LIBERALISMO NA REFORMA DO ES
MARCOS ROGÉRIO PALMEIRA
RENOVAR
(2005)
R$ 18,28



A STEAM ODYSSEY
THE RAILROAD, VICTOR HAND
NORTON
(2018)
R$ 200,00



VALORES JUDAICOS NO MUNDO EM TRANSICAO
RABINO YEHUDA AMITAL
SEFER
(2011)
R$ 12,00



BOTA DE GARRÃO 5 ED. (4268)
JAYME CAETANO BRAUN
SULINA
(1988)
R$ 18,00



BREVE SEGUNDA VIDA DE BREE TANNER: UMA HISTORIA DE
STEPHENIE MEYER
INTRINSECA
(2010)
R$ 9,20





busca | avançada
27782 visitas/dia
955 mil/mês