O Direito à Estupidez | Adrian Leverkuhn | Digestivo Cultural

busca | avançada
31833 visitas/dia
891 mil/mês
Mais Recentes
>>> CRIANÇAS DE HELIÓPOLIS REALIZAM CONCERTO DE GENTE GRANDE
>>> Winter Fest agita Jurerê Internacional a partir deste final de semana
>>> Coletivo Roda Gigante inicia temporada no Jazz B a partir de 14 de julho
>>> Plataforma Shop Sui dança dois trabalhos no Centro de Referência da Dança
>>> Seminário 'Dança contemporânea, olhares plurais'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> É cena que segue...
>>> Imagens & Efeitos
>>> Segredos da alma
>>> O Mundo Nunca Foi Tão Intenso Nem Tão Frágil
>>> João Gilberto
>>> Retalhos ao pôr do sol
>>> Pelagem de flor III: AMARELO
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Companheiros de Jornada
>>> Aloysio Nunes sobre a mentira
>>> ambiguities and lies
>>> Literatura brasileira hoje
>>> Detefon, almofada e trato
>>> Noturno para os notívagos
>>> YouTube, lá vou eu
>>> O papel aceita tudo
>>> Orgulho e preconceito, de Jane Austen
>>> O Mistério dos Incas
Mais Recentes
>>> AFRICA de John Reader pela National Geographic (2001)
>>> LIFE: Our Century in Pictures for Young People de Richard B. Stolley pela Little Brown Young Readers (2000)
>>> Os Anos de Grace Kelly - Princesa de Mônaco de FAAP pela FAAP (2007)
>>> Ideia e Forma - Acompanha CD de Alexandre Gama pela FAAP
>>> O Cinema Em Cartaz de Fundação Armando Alvares Penteado pela MAB (2008)
>>> Prêmio Fundação Conrado Wessel de Fotografia de Fundação Conrado Wessel de Fotografia pela Talento (2002)
>>> Prêmio Fundação Conrado Wessel de Fotografia de Fundação Conrado Wessel de Fotografia pela Talento (2002)
>>> Hora da Vinganca: As Aventuras de Calvin e Haroldo de Bill Waterson pela Conrad (2009)
>>> SuperCroc de National Geographic pela National Geographic (2002)
>>> Graveyards of the Pacific - From Pearl Harbor to Bikini Atol de National Geographic pela National Geographic (2001)
>>> Momentos e Movimentos - Coleção de Fotografias do MAB de MAB fAAP pela MAB (2012)
>>> Auto Motor Esporte 20082009 de Reginaldo Leme pela Auto Motor (2009)
>>> Obras-Primas da Calábria - 700 Anos de Arte Italiana de Maria Izabel Branco Ribeiro pela Ministério da Cultura (2005)
>>> Sala São Paulo: Café, Ferrovia e a Metropole de IBRARP pela IBRARP (2001)
>>> São Paulo Imagens de 1998 de Rubens Fernandes Jr pela Marca D'Agua (1998)
>>> J R Duran de J. R. Duran pela W 11 (2003)
>>> Métodos de análise microscópica de alimentos I de Regina Morelli Silva Rodrigues pela Letras e Letras (1999)
>>> Cookies de Simon St. Laurent pela McGraw Hill (1999)
>>> Flash Fora do Ar de Amaury Jr. pela Elevação (1999)
>>> Além do Horizonte - Visões de um Novo Milênio de Walter Mercado pela Mandarim (1997)
>>> 99 Dias Virtuais de Arthur Ranieri Jr pela Mandarim (2001)
>>> O Que a Noite Conta para o Dia de Hector Bianciotti pela Siciliano (1995)
>>> Psicanálise do Teatro Infantil de Manoel de Lemos Barros Neto pela Traço (1984)
>>> Tênues Tensões de Maria Aparecida Saad pela Maltese (1996)
>>> O Livro do DVD de Egon Strauss pela Quark Books (1998)
>>> Full Disclosure - Como Aperfeiçoar o Relacionamento das Empresas de Francisco Augusto Tertuliano pela Maltese (1993)
>>> Boom - Como Prosperar na Competitiva Global do Século 21 de Frank Vocl e James Sinclair pela Futura (1996)
>>> Exercícios de Datilografia de Eli Rozendo Moreira dos Santos pela Ediouro (1987)
>>> Fabricação Classe Universal - A Próxima Década de Richard J. Schonberger pela Futura (1997)
>>> Ziriguidum de Oswaldo Sargentelli pela Lestra e Letras (1993)
>>> O Guia dos Guias de Orlando Volume II de Ginha Nader pela Panrotas (1998)
>>> Seu Peso Ideal - Como Alcançar e manter o Peso que lhe Convém de Jaap Huibers pela Hemus
>>> Cristal de Wilson Bueno pela Siciliano (1995)
>>> A Educação Sexual - O Sexo e o Amor I de David Saramon pela Pallas (1980)
>>> Arroz de Carreteiro, Churrasco e mais 100 Pratos da Região Sul de Vera Monteiro e Darci Pereira da Rocha pela Ediouro
>>> Da Impunidade de Laércio Laurelli pela Iglu (2000)
>>> Sistema Jurídico de Custeio dos Sindicatos de Eduardo Antônio Temponi Lebre pela Iglu (1997)
>>> Mc Cann 50 Anos em 2 de Jens Olesen e Altino Barros pela Siciliano (1995)
>>> Como Negociar Aumento De Salario: UM GUIA PARA O SUCESSO de George M. Hartman pela Singular Digital (1995)
>>> Sotaques na TV de Ana Lúcia Medeiros pela Annablume (2006)
>>> Contrabando (está com o postêr erótico da edição original) de Fernand de Villefond pela Pallas
>>> Brincando com as Neuroses de Nilson Bergonson pela Hermes (1989)
>>> Grupos de Pressão no Congresso Nacional de Murillo de Aragão pela Maltese (1994)
>>> Corrupção: Fator de Progresso? de Antenor Batista pela Letras e Letras (1999)
>>> São Paulo de Bar em Bar de Francesc Petit pela Siciliano (1995)
>>> Don Gil das Calcas Verdes de Tirso de Molina pela Ediouro
>>> Infertilidade - Tudo o que Devemos Saber de Pamela Patrick Novotny pela Ediouro (1995)
>>> Para Salvar a Universidade de Laurent Schwartz pela EDUSP (1984)
>>> Vidia e o Sumiço da Coroa - Disney Fadas de Haruhi Kato pela On line
>>> Variações sobre a Técnica de Gravador no Registro da Informação V de Maria Isaura Pereira de Queiroz pela TAQ (1991)
COLUNAS

Quarta-feira, 15/1/2003
O Direito à Estupidez
Adrian Leverkuhn

+ de 3100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

1. Um amigo meu certa vez me observou que parecia haver dois tipos de estudantes de música: aqueles que tinham interesse em uma vastíssima gama de assuntos, e que poderiam atuar com razoável sucesso em virtualmente qualquer área, e aqueles cujos interesses se concentravam exclusivamente na música, e diziam que, se não fosse ela, não saberiam o que fazer da vida. Quase não se via uma zona de cinza entre os dois extremos.

Não é muito difícil extrapolar esta observação para diferentes artes. Descontemos os grandes mestres e descobrimos, geralmente, que aspirantes a homens da renascença se dão tão bem quanto esteticistas que jamais demonstraram qualquer interesse em Hegel ou Schopenhauer. A fama da estupidez dos pintores, inclusive, foi dar origem à famosa expressão idiomática francesa "bete comme un peintre" - estúpido como um pintor (título, inclusive, de um quadro de Juan Davila que causou furor na bienal de Sydney de 82). Até mesmo na literatura, a mais discursiva das artes - e, imagina-se, aquela em que o interesse humanista mais se entrelaçaria com a estética - é possível encontrar romancistas bons ou muito bons que não tenham, em não-ficção, muita coisa a dizer: veja as banalidades das crônicas da Rachel de Queirós, por exemplo. A "estupidez" do artista não é necessariamente uma fraqueza: se é capaz de alcançar de ouvido, por assim dizer, os fins a que se propõe e alcançar o belo, não se deve exigir dele que seja capaz de bolar uma teoria estética ou uma análise seja lá de que tipo que fundamente o que acaba de fazer. A estupidez do artista é um direito.

Claro que há muitas coisas de errado na arte contemporânea - um diagnóstico preciso, deixo para aqueles que tenham o conhecimento, a inteligência e o tempo livre para fazê-lo - mas muitas vezes me vem a impressão, em galerias, de que os artistas de hoje não são de qualquer forma inferiores aos de outras épocas, que não vivemos em um período de "decadência das artes" - de que se fala, aparentemente e sem interrupções, desde o próprio nascimento da arte - pelo menos no que concerne o talento de seus criadores: o problema é que esses artistas estão sendo forçados a pensar. Tem-se a impressão, de fato, que a obra não tem a menor importância, que qualquer coisa vale, que o importante são as justificativas teóricas por trás do que foi feito (ocorre-me neste momento à memória a bienal de São Paulo de 98, em que o guia no CD discorria longamente sobre uma tela vazia, e outra também vazia, mas com um corte no meio. Não me lembro se são de Rauschenberg ou de alguém que tenha "plagiado" sua originalíssima idéia de deixar a tela em branco.) - e o resultado, as bobagens que são proferidas para justificar sempre as mesmas obras, apenas explicitam a mediocridade estatisticamente necessária da maioria. Em outras épocas, os artistas menos dotados se dedicariam à imitação exaustiva dos padrões clássicos, fariam paisagens e naturezas-mortas passíveis, e sua incapacidade de conceber coisas novas ou notáveis ficariam camufladas sob sua proficiência técnica, visível apenas aos olhos de um observador mais atento. Uma instalação, performance ou obra "de vanguarda" medíocre berra sua mediocridade até o constrangedor. Você olha para a pessoa que você trouxe consigo à exposição e morre de vergonha.

---

2. Na literatura, o problema é ainda mais antigo: a coisa vinha desandando já no formalismo russo, no ideal de se criar um teoria "científica" do fenômeno literário. Não me entendam mal: eu acho louvável que se tente fazer um estudo rigoroso, ou o mais rigoroso possível, da literatura. Muitas vezes, ao ler uma passagem bonita de um romance ou um poema, eu sinto esta vontade de ter uma teoria que me explique, exatamente, o que está acontecendo naquele momento, que me diga como que eu sei que tal autor é melhor que tal outro autor, como versos diminutos e aparentemente simples podem conter em si tanta força de expressão. Os problemas nesta proposta são dois, e não advém propriamente dela: primeiro, que literatura não se faz a partir de teorias, principalmente de teorias inacabadas (da mesma forma que eu quereria uma teoria para o humor, seria um tanto tolo tentar criar piadas by the book, e a mera menção à teoria já estragaria o mais inteligente witticism); e segundo, as pessoas que se ofereceram a perseguir tal teoria, em sua maioria e em conjuntos mais representativos, não fazem a menor idéia de como uma teoria "científica" é feita. Observe os poetas concretos, por exemplo: seus assim chamados "poemas" dificilmente se enquadram no que se identifica, normalmente, como poemas, e dificilmente alguém seria capaz de argumentar com uma cara séria que eles sejam mais do que medíocres. Sua única força está em possuir uma teoria do poema - mind you, não do poema concreto, mas da poesia como um todo - por trás que, consistente à primeira vista, afirme que eles sejam poemas, e o que é ainda pior, poemas bons. Se uma teoria que visa explicar um fenômeno gera previsões de fenômenos completamente diferentes - no caso, uma teoria da poesia que gera palavras repetidas e trocadilhos previsíveis - é porque a teoria está errada, não os fatos. Não se joga o mundo fora. Ela pode ser perfeitamente consistente, em sua lógica interna, caso no qual ela pode servir como modelo para um fenômeno completamente diferente; a ligação com o mundo real - no caso, as obras que se identificam como poéticas - jamais pode ser perdida. Os concretos partiram de idéias boas - a insistência de Pound que poesia=condensare, e o comentário de Jakobson que toda literatura é metalingüística, por exemplo - mas em certo ponto se deixaram encantar a tal ponto pela teoria que estavam formulando que perderam o contato com o chão, deixando que sua quimera se desenvolvesse como ela queria, e não como ela deveria se desenvolver. A monstruosidade, naturalmente, não se encaixava com aquilo que deveria representar, e, neste ponto, ao invés de revisar o que deu errado, deu-se prioridade à teoria e não ao mundo real. O irônico é que se os irmãos Campos tivessem decidido aceitar os fatos da poética sem provas, ou se entendessem menos de semiótica - se tivessem, enfim, se concentrado no acerto-e-erro da técnica e resistido à tentação de teorizar, poderiam ter produzido uma obra muito mais interessante.

---

3. O que aliás vem justificar meu interesse (sempre meio hesitante, com ondas de encantamento e desencantamento) na cultura, por assim dizer, "popular". Meu interesse no impacto social da tecnologia pode ter sido um agravante: embora muitas das idéias fundamentais datem de tão distante no tempo quanto Aristóteles, eu só fui encontrar as narrativas que procurava, as vozes que diziam as mesmas coisas, em obras da cultura popular - na animação japonesa de Lain e Ghost in the Shell, na ficção de Philip K. Dick e Richard Powers, para citar alguns exemplos. Enquanto isso, os artistas sérios, aqueles que deveriam estar nos revelando tais visões, seguiam um modismo bobo em torno do "ciborgue", sem muito o que dizer, ou tentavam uma aproximação tangencial, tentando desviar do kitsch que ameaça uma representação explícita, direta. De certa forma, enquanto a arte com séculos de tradição parece estiolar-se sob a força da teorização pesada, as artes menores, que se enxergam essencialmente como entretenimento, começam lentamente a tomar o papel de repositório do verdadeiro pensamento e da cultura de um tempo. Uma receita de ironia, de nunca esquecer de sua própria irrelevância diante do mundo real e se lembrar sempre, não sem um certo sarcasmo, que o que se está fazendo é mero entretenimento sofisticado, entretenimento de luxo. É o que protege, muitas vezes, do ridículo a literatura inglesa e o jazz.

---

4. A proposta para o novo milênio é: menos teoria, mais prática; menos metafísica, mais técnica; menos falsa inteligência, mais alegre e sincera estupidez.


Adrian Leverkuhn
Brasília, 15/1/2003


Mais Adrian Leverkuhn
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/1/2003
18h01min
Se é pra equilibrar as coisas, vá lá, mas cada elemento tem a sua utilidade. Particularmente em literatura, a teoria para guiar e a prática para descobrir.
[Leia outros Comentários de Héber Sales]
16/1/2003
14h02min
Concretinos, tribalistas, "doces"-bárbaros, pagãos, modernos, contemporâneos, neo-contemporâneos, pós-modernos, mutantes, desconstrucionistas, estruturalistas, maniqueistas, nominalistas, invejosos, rancorosos, heréticos e demais "tendências" só fazem ecoar o ditado: "pior do que um idiota é um idiota com iniciativa" ou "um idiota constrange dez sábios".
[Leia outros Comentários de marcus moreira lassa]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LITURGIA, DE CORAÇÃO
IONE BUYST
PAULUS
(2003)
R$ 28,82



AS HISTÓRIAS QUE OS PESCADORES NÃO CONTARAM
ALICE FOGAÇA MONTEIRO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



PSICOLOGIA GERAL E INFANTIL
FERNANDA BARCELLOS
EDIOURO
(1982)
R$ 34,00



É TARDE PARA SABER
JOSUÉ GUIMARÃES
L&PM
(1977)
R$ 5,05



ABUTRE
GIL SCOTT-HERON
CONRAD SÃO PAULO
(2002)
R$ 13,00



ADOÇÃO, GUARDA, INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE E CONCUBINATO
J FRANKLIN ALVES FELIPE
FORENSE (RJ)
(1995)
R$ 23,28



ME ESQUECI COMPLETAMENTE DE MIM SOU UM DEPARTAMENTO DE CULTURA - 9076
CARLOS AUGUSTO CALIL / FLÁVIO RODRIGO PENTEADO (OR
IMPRENSA OFICIAL DE SÃO PAULO
(2016)
R$ 37,00



GUIA BRASILEIRO DE FONTES PARA A HISTÓRIA DA ÁFRICA 1 E 2
ARQUIVO NACIONAL
ARQUIVO NACIONAL
(1988)
R$ 25,00



AMAR PODE DAR CERTO
ROBERTO SHINYASHIKI
GENTE
(2019)
R$ 10,00



GUIA CAPRICHO - SEXO: COMO COMEÇAR BEM
LILIANE PRATA
MARCO ZERO
(2009)
R$ 18,00





busca | avançada
31833 visitas/dia
891 mil/mês