Quinquilharias musicais custam os olhos da cara | Waldemar Pavan | Digestivo Cultural

busca | avançada
77507 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Premiado espetáculo ‘Flores Astrais’ pela primeira vez em Petrópolis no Teatro Imperial para homenag
>>> VerDe Perto, o Musical Ecológico tem sessões grátis em Santo Antônio do Pinhal e em São Paulo
>>> Projeto Sinos volta a Teresópolis para oferecer aulas gratuitas
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Fórum das Letras 2007
>>> Um conto-resenha anacrônico
>>> Andaime, de Sérgio Roveri
>>> Um lugar para o tempo
>>> A nova queda da Bastilha
>>> Ainda quer prestar jornalismo?
>>> Bendito Nelson Rodrigues
>>> Tell me all about it
>>> Os enciclopedistas franceses rolam nos túmulos
>>> Prólogo, com um Prólogo dos Prólogos, de Jorge Luis Borges
Mais Recentes
>>> Pop Art de Timan Osterwold pela Taschen (1994)
>>> La Gestion Del Proyecto En Arquitectura de Edward D. Mills pela Gg (1985)
>>> Dalton Paula: O Sequestrador De Almas de Dalton Paula pela Obogo (2022)
>>> Gravura de Itajahy Martins pela Fundaçao Nestlé de Cultura (1987)
>>> Livro Ilustrado De Lingua Brasileira De Sinais de Márcia Honora pela Ciranda Cultural (2009)
>>> O Cronista da América de Francis Ford Coppola pela Minesterio da Cultura (2015)
>>> Heróis de Areia de Noelly Russo pela Fabbrica (2022)
>>> National Parks Of Latin America de Luciana Napchan pela Ministério Da Cultura (2005)
>>> Vontade Construtiva Na Coleco Fadel de Paulo Harkenhoff pela Mam (2014)
>>> Tatuagens Urbanas E O Imaginario Carioca de Eduardo Paes pela Nau Das Letras (2015)
>>> Apoema Português - 7 Ano de Lucia Teixeira pela Do Brasil (2018)
>>> Teláris - Arte - 6º Ano de Eliana Pougy pela Ática (2019)
>>> Araribá Plus - História - 8º Ano de Maria Raquel Apolinário pela Moderna (2018)
>>> Teláris - Matemática - 6º Ano de Luiz Roberto Dante pela Ática (2019)
>>> Conexões Com A Física 2º Ano de Blaidi Sant´anna pela Moderna (2010)
>>> Alice Brill de Reinhard Andress, Alice Brill, Carla Ogawa pela Fundacao Armando Alvares Penteado (2007)
>>> Um Guia Do Conhecimento Em Gerenciamento De Projetos (guia Pmbok) de Project Management Institute pela Global Standard (2008)
>>> Gmat Official Guide 2019 de Gmac pela Wiley (2018)
>>> Abz Do Ziraldo de Ziraldo Alves Pinto pela Melhoramentos (2003)
>>> La Casa D´epoca de Quaderni Di Restauro pela DeAgostini (1996)
>>> Descobrindo A Historia Da Arte de Graça Proença pela Ática (2005)
>>> The Economics Book de Dk pela Dk Publishing (2012)
>>> Arturo Di Stefano de Jonh Berger pela Merrel (2001)
>>> Parques São paulo de Cassiano José Pimentel pela Prosperidade (2013)
>>> SãopauloSeculoXXI de Fausto Chermont pela Terra Virgem (2011)
COLUNAS

Terça-feira, 15/10/2002
Quinquilharias musicais custam os olhos da cara
Waldemar Pavan
+ de 4600 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Uma nova e muito cara moda está prestes a se legitimar como tendência pelas indústrias multinacionais da música: o relançamento de catálogo (discos antigos que, em algum tempo no passado, foram objeto de notoriedade pública e que hoje são alvo de cobiça dos fissurados em música).

O consumidor regular de discos que há muito tempo percebeu na estante da loja essa tendência ― através do lançamento de sucessivas coletâneas empacotadas sob os titulos: "O Melhor de" ou "The Best Of" ― de imediato julgará que esse assunto também é coisa do passado.

É quase isso: os relançamentos de discos no formato CD daqui por diante apresentarão um diferencial importante. Ao invés de adquirir as mesmas coletâneas exaustivamente maquiadas sob vários títulos, você terá a oportunidade de adquirir os LPs originais remasterizados e formatados para a midia CD.

Na realidade, essa "nova tendência" já se verifica há algum tempo, apresentando-se para venda no formato caixa (Noel Rosa, Gilberto Gil, Elis Regina, Dorival Caymmi, Vinicius de Moraes, Chico Buarque e Nara Leão) ou no formato individual (Jorge Ben, Gal Costa, Roberto Carlos, Ivan Lins, Angela Ro Ro, Zizi Possi, Caetano Veloso, Chico Buarque e Gilberto Gil).

Bastante alicerçada no anseio do povo brasileiro "de resgatar e preservar a nossa recente cultura", a indústria multinacional do disco, detentora do catálogo de todos os artistas citados, vai sobreviver ainda por muitos anos no Brasil da venda exaustiva de catálogo. Em suma: vai ganhar um baita dinheirão com investimento há muito amortizado (manja aquela definição: do boi aproveita-se inclusive o berro)?

Se por um lado o relançamento do antigo LP para o formato CD remasterizado satisfaz plenamente ao anseio do consumidor, por outro lado a concorrência aos novos talentos musicais é muito desleal. Ao adquirir esses relançamentos, corremos o risco de desperdiçar o investimento em toda uma brilhante geração de autores, músicos e interprétes em detrimento de uma gente que já ficou no passado.

Entre escolher um LP relançado no formato CD ― onde você já conhece e aprecia o conteúdo ― e um disco lançado recentemente ― do qual voce não tem nenhuma referência ―, a tendência de aquisição vai pender para o conhecido relançamento.

Quando você adquirir um relançamento de uma multinacional, estará desprestigiando toda a atual e enxuta indústria brasileira de CDs ― que é constituida de aproximadamente 500 gravadoras (o motor do financiamento e divulgação de novos talentos brasileiros).

As multinacionais do disco cessaram seus investimentos no Brasil e no mundo. Realizar faturamento em cima de catálogo, portanto, já é uma constante. No presente, nossas valentes gravadoras nacionais são as únicas a investir (sozinhas) em todo o processo de produção: desde o estúdio de gravação até a colocação do CD na loja, passando também pela fabricação, pelas fotos de encarte, pelo marketing, etc. ― e sem a grana da matriz para bancar o "jabá".

Já a multinacional, quando relança catálogo, arca somente com os custos de remasterização, fabricação fisica do CD, e reprodução de capa e encarte, dispensando os custos com estúdio, músicos, marketing, fotos de capa e contracapa (o que em tese deveria baratear o preço do CD, mas, não...).

Infelizmente, não é o que vem acontecendo. Quando a tendência de relançamento ainda não havia se consolidado para as multinacionais, você encontrava CDs relançados com preços variando entre R$ 10 e R$ 12.

A BMG, detentora do catálogo RCA, relançou uma série de LPs no formato CD (na comemoração dos 100 anos de sua existência), cujo preço médio praticado era de R$ 12. Essa mesma BMG acaba de relançar três discos de Sérgio Mendes ao preço médio de R$ 24 cada um (o dobro do valor da série 100 Anos; algo que explica tamanha diferença de preços, sendo que ainda estão disponíveis em banca os relançamentos a R$12...).

Outra multinacional do disco, a Warner, relançou no ano passado, a série Dois Momentos, que reunia dois álbuns em um único CD (Paulinho da Viola, Tom Zé, Carlos Dafé, Branca Di Neve, A Cor do Som, Walter Franco, Belchior, Novos Baianos e outros) por preços que variam entre R$ 16 e R$ 18; ou seja, na ponta do lápis, entre R$ 8 e R$ 9 por disco.

Este ano, a mesma Warner já aposentou a política do 2 em 1 quando relançou dois LPs de Maria Alcina no formato CD. Preço por unidade: R$18; ou seja, o dobro do praticado na série Dois Momentos, onde você (por esse mesmo preço) comprava dois discos inteiros em um único CD.

Na mesma embarcação de dois LPs em um CD, vinha a EMI com sua série "Dois Em Um" (que custa, em média, R$ 10). Agora, no relançamento de 45 discos do catálogo Odeon, o preço médio ao consumidor é de R$ 18 (por um só disco que tem, em média, 30 minutos de duração!).

A própria EMI é dona de disparate idêntico: simultaneamente, a coleção Odeon relançou todos os discos de Paulinho da Viola e Gonzaguinha com preço médio de R$12 (contra os R$18 da série Odeon; dá pra entender?).

Portanto, a BMG aumentou o preço de seus relançamentos em 100% e a Warner, idem. Extinguindo sua série Dois Momentos, causou um aumento real de 100% para seu catalogo; já a EMI, quase quadriplicou seus preços (enquanto você pagava R$ 10 por sua série "Dois Em Um", hoje paga R$ 18 por um único disco).

Já estava me esquecendo da Sony, que também fez relançamento inicial de catálogo remasterizado a R$ 10, e há pouco relançou todos os discos de Djavan ao preço médio de R$ 24 (aumento de 140% sobre o preço inicial de catálogo).

Eu passei a perceber essas distorções de preços quando comecei a adquirir os volumes da série "Odeon - 100 Anos de Música no Brasil" (sobre os quais eu escreveria hoje nesta coluna. Mudei geral o plano, não vou promover relançamentos que arregaçam com o bolso do consumidor).

Para completar minha indignação, li no USA Today uma matéria de David Lieberman onde o diretor da divisão musical da RCA (USA) afirma:

"Estamos todos desesperados para gerar receitas e conter a recessão que atinge o setor", diz o diretor da divisão musical da RCA, Bob Jamieson. "O movimento de queda está se desacelerando. Mas ainda estamos abaixo dos índices do ano passado. Trata-se de uma crise. E os catálogos viáveis [termo da indústria para os antigos sucessos que estão em estoque] já foram testados e funcionam".

Ou seja: pagamos para eles testarem nossa aderência a relançamentos; resultado "positivado", mãos à obra! Realizaram lucro máximo com investimento minimo. E para quem sobrou o superfaturamento do desespero? (Preciso responder?)

Hoje, as gravadoras brasileiras ― as únicas que estão financiando a nova geração de talentos musicais ―, além de bancar todos os custos da produção, ainda conseguem colocar seu produto final nas bancas, nunca com menos de 50 minutos de duração, pelo preço médio de R$ 15; enquanto que as multinacionais cobram em média R$ 20 por um disco que teve seu ápice ― e todos os seus custos amortizados ― num passado longíquo, com média de 30 minutos de duração, tudo reciclado pela benção da remasterização.

Enquanto esta coluna durar, não darei dicas sobre relançamentos que não tenham os baixos custos de produção deduzidos do preço ao consumidor. Na matemática, não se explica como um produto de baixo custo de produção tenha preço final superior a outro que abarcou todos os custos decorrentes do processo. Adquiri parte dos 45 discos da série Odeon antes que tivesse a percepção desse fato. Daqui para frente, tudo vai ser diferente!

E, para piorar a situação de concorrência, as novas gravadoras brasileiras que investem sua grana limitada em novos talentos ainda não são donas de catálogos. As majors estão fazendo "carreira solo" nesse quesito; ou seja: deitando e rolando no mercado onde o único concorrente é o novo e desconhecido talento que surge nas independentes...

Mas ainda dá tempo para reverter essa situação: não compre catálogo por preço exorbitante; se o relançamento ultrapassar R$ 12, não compre. Não se esqueça que a sua grana não aceita desaforo. Além de não fomentar o desespero de caixa das grandes gravadoras, você ainda estará dando uma grande força ao artista que está iniciando a carreira. Bola preta para as multi do disco!


Waldemar Pavan
São Paulo, 15/10/2002

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Blog, o último furo jornalístico de Fabio Silvestre Cardoso
02. Música Folclórica: Bahia Singular e Plural de Waldemar Pavan


Mais Waldemar Pavan
Mais Acessadas de Waldemar Pavan em 2002
01. Música Folclórica: Bahia Singular e Plural - 17/9/2002
02. A Música de Moisés Santana e João Suplicy - 3/9/2002
03. (Re)masterizados e (Re)mixados - 9/8/2002
04. Duas cantoras independentes - 11/11/2002
05. Ecos Musicais - 30/7/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/10/2002
03h32min
Caro Waldemar, Aderi ao boicote as multi do disco - nao comprando relançamentos com preço acima de R$ 12,00. Assim estarei ajudando as gravadoras brasileiras que investem nos novos talentos.
[Leia outros Comentários de Gil Fernandes de Sá]
4/4/2003
08h19min
Concordo que os preços de relançamentos estão altíssimos, mas prefiro pagar 20 reais neles do que os mesmos 20 em novos artistas como Wanessa Camargo, Kelly Key, etc, que nada acresentam à nossa música.
[Leia outros Comentários de Roberto Siqueira]
7/2/2004
21h37min
Gostaria de manifestar também o meu protesto contra algumas lojas que vendem LPs usados, aqui no Centro do Rio de Janeiro: eles os compram a R$ 0,30 (trinta centavos) e os revendem a preços que variam de R$ 10,00 a R$ 60,00. Tudo isso por LPs com capas muitas vezes rasgadas e/ou com discos arranhados. Cadeia para os gananciosos! Muito obrigado.
[Leia outros Comentários de Joaquim Albuquerque ]
9/11/2010
15h30min
Vender CD já era! Não importa se o CD seja de um famoso, porque esquecemos muito fácil a fama, o que foi, para só lembrarmos apenas o que vemos, ouvimos ou apreciamos no atual momento. Enquanto Roberto Carlos atinge a marca de 100 milhões de discos vendidos, outro brasileiro, Morris Albert, só com "Feelings" vendeu mais de 180 milhões, tem a música mais gravada do mundo, recebeu 4 Grammys americanos e não é muito citado. Pensam que ele é americano, pois viveu muitos anos nos EUA. Hoje, na Itália, curte apenas o sucesso que se foi, com algumas apresentações. E, onde vai, sempre lota, pois o nome é forte. Hoje são os shows que pegam, e até podem vender alguns CDs. Fora disso, ficou a sede.
[Leia outros Comentários de Celito Medeiros]
15/2/2012
14h47min
muito bom!
[Leia outros Comentários de Luiza]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Password English 2
Amadeu Marques
Ática
(1997)



Umbanda dos pretos velhos
Antonio Alves Teixeira
Eco



Redençao
Leon Uris
Record
(1996)



Livro Literatura Brasileira O Conto Brasileiro Contemporâneo
Alfredo Bosi/ Outros
Cultrix



O Santo Inquerito
Dias Gomes
Nova Fronteira - Grupo Ediouro
(2013)



Livro Sociologia Aprendendo a Incluir e Incluindo para Aprender
Isabel Prolin
Pulso
(2006)



Rebeldes e Sedutores
Higino Junior
Asa
(1992)



Loiseau Aveugle - Elles
François Bourgeat
Lansman
(2003)



O Lado Bom Da Vida
Matthew Quick
Intrinseca
(2013)



Gestão da Escola Fundamental
Jean Valerien
Cortez
(2002)





busca | avançada
77507 visitas/dia
2,1 milhões/mês