Quinquilharias musicais custam os olhos da cara | Waldemar Pavan | Digestivo Cultural

busca | avançada
65370 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Missão à China
>>> Universidade do Livro desvenda os caminhos da preparação e revisão de texto
>>> Mississippi Delta Blues Festival será On-line
>>> Tykhe realiza encontro com Mauro Mendes Dias sobre O Discurso da Estupidez
>>> Trajetória para um novo cinema queer em debate no Diálogos da WEB-FAAP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Micronarrativa e pornografia
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Viva a revolução
>>> AC/DC 1977
>>> As maravilhas do mundo que não terminam
>>> Nem Aos Domingos
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Mais Recentes
>>> Los Condenados de la Tierra (Os Condenados da Terra) de Frantz Fanon pela Fondo de Cultura Econónica (2018)
>>> Les Confessions de Jean-Jacques Rousseau pela Hachete (1903)
>>> O primo Basílio de Eça de Queirós pela Abril Cultural (1979)
>>> Revue Française de Science Politique Volume XXI Numéro 3 juin 1971 de Jean Brusset, Mattei Dogan e outros pela Puf (1971)
>>> Introdução à Geografia da População de Wilbur Zelinsky pela Zahar (1974)
>>> Revista do Brasil de Antonio Candido, Celso Furtado, Julio Cortázar, Manoel Bonfim, Poty e outros pela Rioarte / Funarte (1984)
>>> Painel da Literatura em Língua Portuguesa de José de Nicola pela Scipione (2010)
>>> Crónica de una muerte anunciada de Gabriel García Márquez pela Plaza Janés (1999)
>>> Marlene D de Marlene Dietrich pela Nordica (1984)
>>> Notícia de un secuestro de Gabriel Gacía Máquez pela Plaza Janés (1999)
>>> Há Males Que Vêm Para Bem de Alec Guinness pela Francisco Alves (1990)
>>> Vivir para Contarla de Gabriel García Márquez pela Debolsillo (2017)
>>> Tango Solo de Anthony Quinn, Daniel Paisner pela Nova Fronteira (1995)
>>> El Coronel no Tiene Quien le Escriba de Gabriel Gacía Máquez pela Plaza Janés (1999)
>>> Laços Eternos de Zibia Gasparetto pela Edicel (1979)
>>> A garota que eu quero de Markus Zusak pela Intrínseca (2013)
>>> O inverno das fadas de Carolina Munhóz pela Casa da palavra (2012)
>>> Treinando a emoção para ser feliz de Augusto Cury pela Academia (2010)
>>> E se for você? de Rebecca Donovan pela Globo (2016)
>>> O guardião de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2013)
>>> O casamento de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> Inferno atlântico. Demonologia e colonização. Séculos XVI-XVIII de Laura de Mello e Souza pela Companhia das Letras (1993)
>>> Um porto seguro de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2012)
>>> Ouse ir Além - Coaching para Resultados Extraordinários de José Roberto Marques pela Ibc (2016)
>>> Segundo - Eu me chamo Antônio de Pedro Gabriel pela Intrínseca (2014)
>>> Doce Cuentos Peregrinos de Gabriel García Márques pela Plaza Janés (1999)
>>> A cadeira de prata - As crônicas de Nárnia de C. S. lewis pela Martins Fontes (2003)
>>> Ases nas alturas - Wild Cards de George R. R. Martin pela Leya (2013)
>>> Homens de grossa aventura. Acumulação e hierarquia na praça mercantil do Rio de Janeiro 1790-1830 de João Luís Fragoso pela Civilização Brasileira (1998)
>>> Anjos caídos de Asa Schwarz pela Planeta (2010)
>>> Um conto do destrino de Mark Helprin pela Novo Conceito (2014)
>>> O diabo e a Terra de Santa Cruz de Laura de Mello e Souza pela Companhia das Letras (1986)
>>> O Antigo Regime nos trópicos de João Fragoso & Maria Fernanda Bicalho & Maria de Fátima Gouvêa. Organizadores pela Civilização Brasileira (2010)
>>> Dominguinhos o Neném de Garanhuns de Antônio Vilela de Souza pela Garanhuns (2014)
>>> Viva a Vagina de Nina Brochman / Ellen Sorkken Dahl pela Pararela (2017)
>>> Grandes Pensadores em Psicologia - 10A de Rom Harré pela Roca (2009)
>>> A Amiga Genial de Elena Ferrante pela Biblioteca Azul/ Globo (2015)
>>> Steve Jobs : a biografia de Walter Isaacson pela Companhia Das Letras (2011)
>>> A Encantadora de Bebês de Tracy Hogg; Melinda Brau pela Manole (2006)
>>> Cien Años de Soledad de Gabriel Garcia Marques pela Plaza Janés (1999)
>>> O Taro Adivinhatório de Vários pela Pensamento
>>> Os Segredos de Uma Encantado de Bebês de Tracy Hogg; Melinda Brau pela Manole (2002)
>>> A Droga da Obediência de Pedro Bandeira pela Moderna (2009)
>>> O Paraíso na Outra Esquina de Mario Vargas Llosa pela Arx (2003)
>>> A Festa da Insignificância de Milan Kundera pela Companhia das Letras (2014)
>>> História da Menina Perdida de Elena Ferrante pela Biblioteca Azul/ Globo (2017)
>>> A Lenda do Graal (Do Ponto de Vista Psicológico) de Emma Jung e Marie Louise Von Franz pela Cultrix (1991)
>>> Capitães da Areia de Jorge Amado pela Record (1975)
>>> O Verão Sem Homens de Siri Hustvedt pela Companhia das Letras (2013)
>>> Hostória de Quem Foge e de Quem Fica de Elena Ferrante pela Biblioteca Azul/ Globo (2016)
COLUNAS

Terça-feira, 15/10/2002
Quinquilharias musicais custam os olhos da cara
Waldemar Pavan

+ de 3800 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Uma nova e muito cara moda está prestes a se legitimar como tendência pelas indústrias multinacionais da música: o relançamento de catálogo (discos antigos que, em algum tempo no passado, foram objeto de notoriedade pública e que hoje são alvo de cobiça dos fissurados em música).

O consumidor regular de discos que há muito tempo percebeu na estante da loja essa tendência ― através do lançamento de sucessivas coletâneas empacotadas sob os titulos: "O Melhor de" ou "The Best Of" ― de imediato julgará que esse assunto também é coisa do passado.

É quase isso: os relançamentos de discos no formato CD daqui por diante apresentarão um diferencial importante. Ao invés de adquirir as mesmas coletâneas exaustivamente maquiadas sob vários títulos, você terá a oportunidade de adquirir os LPs originais remasterizados e formatados para a midia CD.

Na realidade, essa "nova tendência" já se verifica há algum tempo, apresentando-se para venda no formato caixa (Noel Rosa, Gilberto Gil, Elis Regina, Dorival Caymmi, Vinicius de Moraes, Chico Buarque e Nara Leão) ou no formato individual (Jorge Ben, Gal Costa, Roberto Carlos, Ivan Lins, Angela Ro Ro, Zizi Possi, Caetano Veloso, Chico Buarque e Gilberto Gil).

Bastante alicerçada no anseio do povo brasileiro "de resgatar e preservar a nossa recente cultura", a indústria multinacional do disco, detentora do catálogo de todos os artistas citados, vai sobreviver ainda por muitos anos no Brasil da venda exaustiva de catálogo. Em suma: vai ganhar um baita dinheirão com investimento há muito amortizado (manja aquela definição: do boi aproveita-se inclusive o berro)?

Se por um lado o relançamento do antigo LP para o formato CD remasterizado satisfaz plenamente ao anseio do consumidor, por outro lado a concorrência aos novos talentos musicais é muito desleal. Ao adquirir esses relançamentos, corremos o risco de desperdiçar o investimento em toda uma brilhante geração de autores, músicos e interprétes em detrimento de uma gente que já ficou no passado.

Entre escolher um LP relançado no formato CD ― onde você já conhece e aprecia o conteúdo ― e um disco lançado recentemente ― do qual voce não tem nenhuma referência ―, a tendência de aquisição vai pender para o conhecido relançamento.

Quando você adquirir um relançamento de uma multinacional, estará desprestigiando toda a atual e enxuta indústria brasileira de CDs ― que é constituida de aproximadamente 500 gravadoras (o motor do financiamento e divulgação de novos talentos brasileiros).

As multinacionais do disco cessaram seus investimentos no Brasil e no mundo. Realizar faturamento em cima de catálogo, portanto, já é uma constante. No presente, nossas valentes gravadoras nacionais são as únicas a investir (sozinhas) em todo o processo de produção: desde o estúdio de gravação até a colocação do CD na loja, passando também pela fabricação, pelas fotos de encarte, pelo marketing, etc. ― e sem a grana da matriz para bancar o "jabá".

Já a multinacional, quando relança catálogo, arca somente com os custos de remasterização, fabricação fisica do CD, e reprodução de capa e encarte, dispensando os custos com estúdio, músicos, marketing, fotos de capa e contracapa (o que em tese deveria baratear o preço do CD, mas, não...).

Infelizmente, não é o que vem acontecendo. Quando a tendência de relançamento ainda não havia se consolidado para as multinacionais, você encontrava CDs relançados com preços variando entre R$ 10 e R$ 12.

A BMG, detentora do catálogo RCA, relançou uma série de LPs no formato CD (na comemoração dos 100 anos de sua existência), cujo preço médio praticado era de R$ 12. Essa mesma BMG acaba de relançar três discos de Sérgio Mendes ao preço médio de R$ 24 cada um (o dobro do valor da série 100 Anos; algo que explica tamanha diferença de preços, sendo que ainda estão disponíveis em banca os relançamentos a R$12...).

Outra multinacional do disco, a Warner, relançou no ano passado, a série Dois Momentos, que reunia dois álbuns em um único CD (Paulinho da Viola, Tom Zé, Carlos Dafé, Branca Di Neve, A Cor do Som, Walter Franco, Belchior, Novos Baianos e outros) por preços que variam entre R$ 16 e R$ 18; ou seja, na ponta do lápis, entre R$ 8 e R$ 9 por disco.

Este ano, a mesma Warner já aposentou a política do 2 em 1 quando relançou dois LPs de Maria Alcina no formato CD. Preço por unidade: R$18; ou seja, o dobro do praticado na série Dois Momentos, onde você (por esse mesmo preço) comprava dois discos inteiros em um único CD.

Na mesma embarcação de dois LPs em um CD, vinha a EMI com sua série "Dois Em Um" (que custa, em média, R$ 10). Agora, no relançamento de 45 discos do catálogo Odeon, o preço médio ao consumidor é de R$ 18 (por um só disco que tem, em média, 30 minutos de duração!).

A própria EMI é dona de disparate idêntico: simultaneamente, a coleção Odeon relançou todos os discos de Paulinho da Viola e Gonzaguinha com preço médio de R$12 (contra os R$18 da série Odeon; dá pra entender?).

Portanto, a BMG aumentou o preço de seus relançamentos em 100% e a Warner, idem. Extinguindo sua série Dois Momentos, causou um aumento real de 100% para seu catalogo; já a EMI, quase quadriplicou seus preços (enquanto você pagava R$ 10 por sua série "Dois Em Um", hoje paga R$ 18 por um único disco).

Já estava me esquecendo da Sony, que também fez relançamento inicial de catálogo remasterizado a R$ 10, e há pouco relançou todos os discos de Djavan ao preço médio de R$ 24 (aumento de 140% sobre o preço inicial de catálogo).

Eu passei a perceber essas distorções de preços quando comecei a adquirir os volumes da série "Odeon - 100 Anos de Música no Brasil" (sobre os quais eu escreveria hoje nesta coluna. Mudei geral o plano, não vou promover relançamentos que arregaçam com o bolso do consumidor).

Para completar minha indignação, li no USA Today uma matéria de David Lieberman onde o diretor da divisão musical da RCA (USA) afirma:

"Estamos todos desesperados para gerar receitas e conter a recessão que atinge o setor", diz o diretor da divisão musical da RCA, Bob Jamieson. "O movimento de queda está se desacelerando. Mas ainda estamos abaixo dos índices do ano passado. Trata-se de uma crise. E os catálogos viáveis [termo da indústria para os antigos sucessos que estão em estoque] já foram testados e funcionam".

Ou seja: pagamos para eles testarem nossa aderência a relançamentos; resultado "positivado", mãos à obra! Realizaram lucro máximo com investimento minimo. E para quem sobrou o superfaturamento do desespero? (Preciso responder?)

Hoje, as gravadoras brasileiras ― as únicas que estão financiando a nova geração de talentos musicais ―, além de bancar todos os custos da produção, ainda conseguem colocar seu produto final nas bancas, nunca com menos de 50 minutos de duração, pelo preço médio de R$ 15; enquanto que as multinacionais cobram em média R$ 20 por um disco que teve seu ápice ― e todos os seus custos amortizados ― num passado longíquo, com média de 30 minutos de duração, tudo reciclado pela benção da remasterização.

Enquanto esta coluna durar, não darei dicas sobre relançamentos que não tenham os baixos custos de produção deduzidos do preço ao consumidor. Na matemática, não se explica como um produto de baixo custo de produção tenha preço final superior a outro que abarcou todos os custos decorrentes do processo. Adquiri parte dos 45 discos da série Odeon antes que tivesse a percepção desse fato. Daqui para frente, tudo vai ser diferente!

E, para piorar a situação de concorrência, as novas gravadoras brasileiras que investem sua grana limitada em novos talentos ainda não são donas de catálogos. As majors estão fazendo "carreira solo" nesse quesito; ou seja: deitando e rolando no mercado onde o único concorrente é o novo e desconhecido talento que surge nas independentes...

Mas ainda dá tempo para reverter essa situação: não compre catálogo por preço exorbitante; se o relançamento ultrapassar R$ 12, não compre. Não se esqueça que a sua grana não aceita desaforo. Além de não fomentar o desespero de caixa das grandes gravadoras, você ainda estará dando uma grande força ao artista que está iniciando a carreira. Bola preta para as multi do disco!


Waldemar Pavan
São Paulo, 15/10/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pílulas Poéticas para uma quarentena de Luís Fernando Amâncio
02. De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho de Renato Alessandro dos Santos
03. A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
04. Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva de Renato Alessandro dos Santos
05. Precisamos falar sobre Kevin de Renato Alessandro dos Santos


Mais Waldemar Pavan
Mais Acessadas de Waldemar Pavan em 2002
01. Música Folclórica: Bahia Singular e Plural - 17/9/2002
02. A Música de Moisés Santana e João Suplicy - 3/9/2002
03. (Re)masterizados e (Re)mixados - 9/8/2002
04. Ecos Musicais - 30/7/2002
05. Duas cantoras independentes - 11/11/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/10/2002
03h32min
Caro Waldemar, Aderi ao boicote as multi do disco - nao comprando relançamentos com preço acima de R$ 12,00. Assim estarei ajudando as gravadoras brasileiras que investem nos novos talentos.
[Leia outros Comentários de Gil Fernandes de Sá]
4/4/2003
08h19min
Concordo que os preços de relançamentos estão altíssimos, mas prefiro pagar 20 reais neles do que os mesmos 20 em novos artistas como Wanessa Camargo, Kelly Key, etc, que nada acresentam à nossa música.
[Leia outros Comentários de Roberto Siqueira]
7/2/2004
21h37min
Gostaria de manifestar também o meu protesto contra algumas lojas que vendem LPs usados, aqui no Centro do Rio de Janeiro: eles os compram a R$ 0,30 (trinta centavos) e os revendem a preços que variam de R$ 10,00 a R$ 60,00. Tudo isso por LPs com capas muitas vezes rasgadas e/ou com discos arranhados. Cadeia para os gananciosos! Muito obrigado.
[Leia outros Comentários de Joaquim Albuquerque ]
9/11/2010
15h30min
Vender CD já era! Não importa se o CD seja de um famoso, porque esquecemos muito fácil a fama, o que foi, para só lembrarmos apenas o que vemos, ouvimos ou apreciamos no atual momento. Enquanto Roberto Carlos atinge a marca de 100 milhões de discos vendidos, outro brasileiro, Morris Albert, só com "Feelings" vendeu mais de 180 milhões, tem a música mais gravada do mundo, recebeu 4 Grammys americanos e não é muito citado. Pensam que ele é americano, pois viveu muitos anos nos EUA. Hoje, na Itália, curte apenas o sucesso que se foi, com algumas apresentações. E, onde vai, sempre lota, pois o nome é forte. Hoje são os shows que pegam, e até podem vender alguns CDs. Fora disso, ficou a sede.
[Leia outros Comentários de Celito Medeiros]
15/2/2012
14h47min
muito bom!
[Leia outros Comentários de Luiza]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DC COMICS COVERGIRLS
SIMONSON, LOUISE
UNIVERSE
(2007)
R$ 250,00



A NOITE SEM HOMEM
ORIGINES LESSA
EDITORA PALLAS
(1976)
R$ 10,00



DESVENDANDO MISTÉRIOS
OSHO
ALAÚDE
(2011)
R$ 24,00



MATEMÁTICA UMA NOVA ABORDAGEM 2 PROGRESSÕES
JOSÉ RUY GIOVANNI E OUTROS
FTD
(2013)
R$ 30,00



8 X FOTOGRAFIA (ACOMPANHA ENCARTE)
LORENZO MAMMI; LILIA MORITZ SCHWARCZ
COMPANHIA DAS LETRAS
(2008)
R$ 14,90



A ESSÊNCIA DA PROSPERIDADE
VÁRIOS AUTORES
MARTINS CLARET
(1997)
R$ 11,97



LUÍSA (QUASE UMA HISTÓRIA DE AMOR)
MARIA ADELAIDE AMARAL
GLOBO
(2013)
R$ 11,80



SERENISSIMA - UM ROMANCE DE VENEZA
ERICA JONG
RECORD
(1987)
R$ 5,00



MOYEN AGE LES GRANDS AUTEURS FRANÇAIS
ANDRÉ LAGARDE E LAURENT MICHARD
BORDAS
(1958)
R$ 6,44



O VERÃO DE KATYA
TREVANIAN
RECORD
(1983)
R$ 6,90





busca | avançada
65370 visitas/dia
2,1 milhões/mês