Hilda Hilst: A Obscena Sra. D | Najah Zein | Digestivo Cultural

busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Bibliotecas públicas, escolares e particulares
>>> O Vendedor de Passados
>>> Entre a crise e o espectro do humor a favor
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Tiros, Pedras e Ocupação na USP
>>> Oficina de conto na AIC
>>> Crônica em sustenido
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> O julgamento do mensalão à sombra do caso Dreyfus
Mais Recentes
>>> A comunicação com além de Rubens B. Figueiredo pela Fase (1982)
>>> Darkness at Noon de Arthur Koestler pela The Macmillan Company (1946)
>>> Cartas Esotericas de Vandeto pela Pensamento
>>> Le Langage Secret des Symboles de David Fontana pela Solar (1993)
>>> From Bethlehem to Calvary de Alice A. Bailey pela Lucis Publishing (1937)
>>> Methodologies of Hypnosis de Peter W. Sheehan pela Lea (1976)
>>> La vida Interna de C.W. Leadbeater pela Glem (1958)
>>> Madru o filho das Estrelas de Frederik Hetmann pela Circulo do Livro (1984)
>>> O Livro do Juízo Final de Roselis Von Sass pela Ordem do Graal na Terra (1976)
>>> História das Religiões de Charles Francis Potter pela Universitária (1944)
>>> Faca sem Ponta, Galinha sem Pé de Ruth Rocha pela Nova Fronteira (1983)
>>> Diccionario de Astrologia de Nicolás de Vore pela Argos S.A. (1951)
>>> Ramsés - o Filho da Luz de Christian Jacq pela Berttrand Brasil (1999)
>>> O Reino dos Deuses de Geoffrey Hoddson pela Feeu (1967)
>>> Introdução ao Estudo do Novo Testamento Grego de William Carey Taylor pela Juerp (1966)
>>> São José de Anchieta de Gabriel Romeiro e Guilherme Cunha Pinto pela Círculo do Livro S.A. (1978)
>>> Na terra da Grande Imagem de Mauricio Collis pela Civilização - Porto (1944)
>>> Oito Syntheses Doutrinarias de Vários pela Roland Rohe (1929)
>>> O Livro do Juízo Final de Roselis Von Sass pela Ordem do Graal na Terra (1976)
>>> Vietnam a Guerrilha Vista por Dentro de Wilfred G. Burchett pela Record (1968)
>>> O Papa e o Concílio de Janus pela Elos
>>> Cristianismo Rosacruz ( Em 02 volumes) de Max Heindel pela Kier (1913)
>>> A Grande pirâmide revela seu segredo de Roselis Von Sass pela Ordem do Graal na Terra (1972)
>>> Obras Interpretação Sintética do Apocalipse de Cairbar Schutel pela O Clarim (1943)
>>> Poesias Completas de Mário de Andrade pela Martins (1974)
>>> As Cruzadas - Livro 1 - a Caminho de Jerusalém de Jan Guillou pela Berttrand Brasil (2006)
>>> O Romance da Astrologia ( Em 03 volumes) de Omar Cardoso pela Iracema
>>> A Grande Caçada de Robert Jordan pela Intrinseca (2014)
>>> Livro Vermelho dos Pensamentos de Millôr de Millôr Fernandes pela Nordica (1974)
>>> Outra Você de Newton Tornaghi pela Rio de Janeiro (1977)
>>> Emagreça Comendo de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva (1993)
>>> Rosa e Lotus Invocações Espirituais de Molinero Yogakrisnanda pela Mandala
>>> Fim dos Tempos de Omar Cardoso pela Artenova (1975)
>>> magia y Sacrificio en la historia de las Religiones de H. Hubert y M. Mauss pela Lautaro (1946)
>>> Apenas uma Sombra de Mulher de Fernando do Ó pela Federação Espírita Brasileira (1950)
>>> Quando tudo falha de Rodolpho Belz pela Casa Publicadora Brasileira (1984)
>>> O Capataz de Salema / Antônio Conselheiro / Marechal, Boi de Carro de Joaquim Cardozo pela Agir/MEC (1975)
>>> La Isla Magia de W.B. Seabrook pela Cenit S.A. (1930)
>>> Un Nuevo Modelo Del Universo de Pedro Ouspensky pela Sol (1950)
>>> La Puerta ( Egipto) de Vários pela Obelisco (1990)
>>> Arpas Eternas (Em 03 volumes) de Hilarion de Monte Nebo pela Fraternidad Cristiana (1952)
>>> Muitas vidas muitos Mestres de Brian L. Weiss M.D. pela Salamandra (1991)
>>> O Sentido da Vida de Valfredo Tepe pela Mensageiro da Fé Ltda (1971)
>>> A aurora cósmica de Eric Chaisson pela Francisco Alves (1984)
>>> Deus Fala a seus Filhos de Elenore Beck pela Verbo Divino (1993)
>>> Encontro com a Alma Gêmea de Paulo Kronemberger pela Novo Milênio (1993)
>>> The Reincarnation Workbook de J.H. Brennan pela The Aquarian Press (1989)
>>> A Granja do Silêncio de Paul Bodier pela Federação Espírita Brasileira
>>> Os Astros Governam nossa Vida de Perpétuo Horário pela Pensamento
>>> La vida de Buda de A. Ferdinand Herold pela Lautaro (1944)
COLUNAS

Quarta-feira, 12/2/2003
Hilda Hilst: A Obscena Sra. D
Najah Zein

+ de 3100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Hilda Hilst vestiu-se e despiu-se de várias máscaras, incorporou diversos personagens para ser sempre a mesma. Poeta, dramaturga e ficcionista, escreve há mais de cinqüenta anos. Seu nome é o mais ambíguo da literatura brasileira contemporânea. Segundo o crítico Léo Gilson Ribeiro, ela é "a mais perfeita escritora viva da língua portuguesa". Outros consideram sua obra simplesmente ilegível e incompreensível. Ignorando todas as críticas negativas a respeito de sua literatura, Hilda segue sua viagem cada vez mais profunda e ousada falando o que pensa sobre sua vida e sua obra.

Estar sendo. Ter sido...
Natural da cidade de Jaú, no interior de São Paulo, nasceu em 21 de abril de 1930. Filha única do jornalista e poeta Apolônio de Almeida Prado Hilst e de Bedecilda Vaz Cardoso, Hilda mudou-se ainda bebê com sua mãe para Santos devido à separação de seus pais. Em 1937, foi estudar no colégio interno Santa Marcelina, em São Paulo. Lá ficou por oito anos e, em 1945, matriculou-se no curso clássico de Escola Mackenzie, também em São Paulo. Nessa época, morava num apartamento na Alameda Santos, com uma governanta chamada Marta.

Após terminar o curso, seguindo os conselhos de sua mãe, foi estudar Direito na Faculdade do Largo do São Francisco em 1948. Neste período iniciou uma vida boêmia. Em seus anos de faculdade, foi escolhida para saudar a escritora Lygia Fagundes Telles, que estava lançando o livro de contos "O Cacto Vermelho". Formou-se em 1952, mas exerceu a advocacia por apenas alguns meses, pois confessou ter ficado "apavorada" com a profissão.

Entre 1957 e 1961, Hilda viajou pela Europa, visitando a França, Itália e Grécia. Em 1968 casou-se com o escultor Dante Casarini.

A Poeta, Narradora e Dramaturga
Com apenas 20 anos, publicou seu primeiro livro, "Presságio". Um ano depois, "Balada de Alzira". Em 1955 lançou "Balada do Festival", entre outros e em 1960 "Trovas de Muito Amor para um Amado Senhor". Uma seleção de sua obra poética está reunida em "Poesia 1959/1967". Em 1982, lançou "A Obscena Senhora D", livro que marca o início de sua fase erótica, anunciando o seu adeus à "literatura séria". Justificou esta atitude como uma tentativa de vender mais e conquistar o público. Esta sua obra provocou espanto e indignação na crítica e em seus amigos. Depois deste, em 1984 publicou "Poemas Malditos, Gozosos e Devotos". Dois anos mais tarde sai "Sobre Tua Grande Face" e "Com Meus Olhos de Cão e Outras Novelas". Em 1989, "Amavisse". Mas com o livro "O Caderno Rosa de Lori Lamby", consagrou sua fase pornográfica.

Em sua obra, Hilda reúne os três gêneros essenciais da Literatura: poesia lírica, dramaturgia e prosa narrativa. De início, dedicou-se exclusivamente à poesia, sua verdadeira paixão, que foi estimulada pelo poeta e jornalista João Ricardo Barros. Entres os poetas que a influenciaram, estão Höelderlin, Reiner Maria Rilke, John Donne, René Chare Saint-John Perse. Alguns evitam usar o termo "poetisa" ao mencionar seu nome por ser "carregado de associações patriarcais". Hilda estampou sua vida em suas obras, tanto como poeta, como dramaturga. Na poesia registrou o ambiente de colégio de sua infância: "Os amantes no quarto/ Os ratos no muro/ A menina/ Nos longos corredores do colégio".

Na dramaturgia obteve incentivo de Alfredo Mesquita, fundador e por muitos anos, diretor da Escola de Arte Dramática de São Paulo. Hilda dizia que "queria falar com os outros", coisa que através de sua poesia, achava não conseguir. Desejava comunicar-se com as pessoas. Escreveu oito peças de teatro cuja maioria permanece inédita até hoje. Poucas peças foram encenadas, uma delas foi "O Vertugo", que ganhou o Prêmio Anchieta em 1969. Outras foram encenadas na Escola de Arte Dramática de São Paulo e por alguns grupos amadores.

Entre os amigos que tiveram grande influência em sua vida, estão o escritor gaúcho Caio Fernando Abreu, Sérgio Millet, Lygia Fagundes Telles, Bráulio Pedroso e o poeta português Carlos Maria Araújo, a quem dedicou "Pequenos Funerais Cantantes", por causa de sua morte precoce: "Dorme o amigo em seu corpo de terra./ E dentro dele a crisálida amanhece:/ Ouro primeiro, larva, depois asa/ Hás de romper a pedra, pastor e companheiro". Manteve durante muitos anos correspondência com Gilberto Amado e Carlos Drummond de Andrade, mas foram os poetas Jorge de Lima, Fernando Pessoa e Cecília Meireles que mais profundamente a tocaram. A epígrafe escolhida para "Sete Cantos do Poeta para o Anjo", de 1962, foi de Jorge de Lima: "Nunca fui senão uma coisa híbrida/ Metade céu, metade terra..."

Imortalidade
Sua preocupação com a imortalidade está sempre presente em suas obras. Em seu livro "Ter sido, estar sendo..." descreve uma longa trajetória, cheia de indagações metafísicas. Hilda mergulhou tão fundo nesse tema, que acabou ultrapassando a fronteira da literatura, entrando nas ciências exatas. Está sempre rodeada de livros de física, matemática e filosofia, procurando refletir, do ponto de vista científico e não só metafísico, sobre questões como a imortalidade da alma. Por isso vive entre os livros do físico Stephan Lupasco, que defende a teoria de que a alma é feita de matéria quântica.

Foi essa sua curiosidade que a levou, nos anos 70, a realizar várias experiências para gravar vozes de mortos. Essa idéia surgiu a partir das experiências feitas pelo cientista sueco Friederich Yuergenson. Hilda espalhava gravadores pela casa deixando-os ligados para poder gravar o som dos mortos. Mais tarde os trocou por gravadores cassete acoplados a rádios sintonizados entre duas estações e, assim, conseguiu gravar vozes enigmáticas que diziam fragmentos de fases, pronunciavam palavras que, segundo ela, chegavam até doze vocábulos. Estas suas tentativas não foram levadas a sério, então as deixou de lado e hoje ironiza dizendo: "Fosse hoje, com os cientistas buscando novos paradigmas, eu não passaria por louca".

Mas nem sempre sua relação com a ciência foi fácil. Lembra que quando menina era péssima em matemática: "As freiras do colégio onde eu era interna propunham problemas que eram impossíveis para mim, tais como: 'eu tenho três galinhas, uma ficou doente e morreu, outra desapareceu; com quantas galinhas eu fico?' Isso me deixava desesperada, porque eu queria saber a razão destes fenômenos. Por que deixaram a galinha morrer? Por que descuidaram da outra para que ela sumisse? Eram exemplos muito sacrificais que me davam. Eu achava as freiras horríveis".

Em 1995, seu arquivo pessoal foi comprado pelo Centro de Documentação Alexandre Eulálio, do Instituto de Estudos de Linguagem (I.E.L.) da Unicamp, que está aberto para pesquisadores do mundo inteiro. Vários textos seus foram traduzidos para o francês, inglês, italiano e alemão.

Hilda Hilst pertence a classe de artistas imortais da nossa literatura contemporânea. Ela desmascara e despe, sem nenhum pudor, nossos mais preciosos sentimentos e ícones com suaves garras ou ríspidas carícias, revelando a nós, nosso verdadeiro rosto.


Najah Zein
Rio de Janeiro, 12/2/2003


Mais Najah Zein
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/2/2003
20h55min
Apesar de a própria Hilda Hilst declarar que passou a escrever literatura obscena, erótica, nunca, como inferiu Alcir Pécora no prefácio dó ótimo "Bufólicas" em sua nova edição lançada pela editora globo, para vender mais e conquistar o público não consigo aceitá-la como verdadeira. Acho que antes de tudo ela fez isso para provocar, chocar público, restrito porque são poucas as pessoas que realmente conhecem a obra de Hilda Hilst, e a crítica conservadora. Pois seus poemas e prosas continuarem herméticos, precisos e bem escritos, como sempre. Continuando inacessível as pessoas que proferem que não a entendem. Quer queiram, quer não Hilda é escritora ímpar na literatura brasileira e uma das melhores.
[Leia outros Comentários de Paulo Albuquerque]
16/2/2003
22h23min
Compartilho com você, Paulo Albuquerque, a opinião sobre o "Bufólicas" e sobre Hilda Hilst. Nesse livro, ela coloca em discussão a hipocrisia das estórias infantis, a falsa inocência que trazem. A maioria das estorinhas passaram por adaptações de sua forma original (Contos de Mamãe Ganso, por exemplo), que era o reflexo da sociedade em que elas surgiram e foram divulgadas nas rodas de conversa. O falso moralismo fez com que elas fossem modificadas para poderem ser digeridas. Hilda desmascarou isso e fez a sua própria adaptação de acordo com o contexto social que se vive hoje. Ela trabalha com o vocabulário que se utiliza, as imagens que se divulgam e as idéias que se tentam estabelecer. Acredito que, hoje, não existe poeta mais livre e leve como ela. O erotismo, da forma como Hilda trata, não se torna algo que agride e constrange. Apenas nos põe a pensar.
[Leia outros Comentários de Cláudia Rezende]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LIÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL-VOL. 3
ALEXANDRE FREITAS CÂMARA
LUMENJURIS
(2002)
R$ 41,31
+ frete grátis



CANÇÃO PARA DÉBORA
LUCI GUIMARÃES WATANABE
FTD
(1990)
R$ 8,00



A CALDEIRA DO DIABO
GRACE METALIOUS
ABRIL CULTURAL
(1984)
R$ 4,10



DISCURSO DO MÉTODO - SÉRIE L&PM CLÁSSICOS
DESCARTES
L&PM
(2013)
R$ 18,82



LUZIA HOMEM
DOMINGOS OLIMPIO
ATICA
(1978)
R$ 6,00



NAS PROFUNDEZAS DO MAR SEM FIM
JACQUELYN MITCHARD
ROCCO
(1998)
R$ 9,90



CONSENSO E CONFLITO: EDUCAÇÃO FÍSICA BRASILEIRA 2ª EDIÇÃO
VITOR MARINHO
SHAPE (RJ)
(2005)
R$ 28,82



ENQUANTO A CHUVA CAÍA
CHRISTINE M (M)
NOVO CONCEITO
(2014)
R$ 17,00



A HOLANDA NO TEMPO DE REMBRANDT
PAUL ZUMTHOR
COMPANHIA DAS LETRAS
(1989)
R$ 15,00



PROJETO ÁPIS : LÍNGUA PORTUGUESA 5
VARIOS
ATICA
(2017)
R$ 154,00





busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês