Comentários de José Maria Silveira | Digestivo Cultural

busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Livro ensina a lidar com os obstáculos do Transtorno do Déficit de Atenção
>>> João Trevisan: Corpo e Alma || Museu de Arte Sacra
>>> Samir Yazbek e Marici Salomão estão à frente do ciclo on-line “Pensando a dramaturgia hoje”
>>> Chá das Cinco com Literatura recebe Luís Fernando Amâncio
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 4 de Agosto #digestivo10anos
>>> I do not want this
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> La Guerra del Fin del Mundo
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Alfredo Bosi e a dignidade da crítica
>>> Pi, o [fi]lme, e o infinito no alfa
>>> Sábia, rubra, gorda (e gentil)
>>> Sol sem luz
Mais Recentes
>>> Lilith, A Lua Negra de Roberto Sicuteri pela Paz e Terra (1985)
>>> Elementos Fundamentais Para Uma Ampliação da Arte de Curar de Rudolf Steiner e Ita Wegman pela Antroposófica (2007)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Trabalho de Richard Carlson; Joana Mozela pela Rocco (1999)
>>> O Que Toda Mulher Inteligente Deve Saber de Steven Carter; Julia Sokol pela Sextante (2006)
>>> O Menino Que Falava Com Cães de Martin Mc Kenna; Rosemarie Ziegelmaier pela Leya Casa da Palavra (2015)
>>> Ginastica para a Mulher Moderna de Nair G Fischer pela Ediouro
>>> A Vida do Bebe - Edição Compacta de Dr. Rinaldo de Lamare pela Bloch (1993)
>>> Dr. Jekyll e R. Hyde, o Medico e o Monstro de R L Steveron pela Ediouro (1971)
>>> Oh Duvida Cruel de Priscila Arida Velloso pela Record (2002)
>>> Juízo Final de Sidney Sheldon; A. B. Pinheiro de Lemos pela Record (2011)
>>> Momentos de Amor Com Deus de A Santini pela Record (1991)
>>> Fundamento de Organizações e Métodos de Michael e Addison pela Zahar (1976)
>>> Manual de Engenharia de Produção- Padroes de Tempo de Maynard pela Edgard Blucher (1970)
>>> Como Cuidar da Sua Beleza, Com Mais de 100 Figuras de Vera Sterblitch pela Ediouro (1979)
>>> Quo Vadis de Henryk Sienkiewicz pela Paulinas
>>> Manual de Engenharia de Produção- Administração Salarial de Maynard pela Edgard Blucher (1970)
>>> Filha Mãe Avó e Puta de Gabriela Leite pela Objetiva (2009)
>>> Revenue Management Maximização de Receitas de Robert G. Cross pela Campus (1998)
>>> A Coisa Terrível que Aconteceu com Barnab Brocket de John Boyne pela Companhia das Letrinhas (2013)
>>> Os Criminosos Vieram para o Chá de Stella Carr pela Ftd (2001)
>>> A Outra Face História de Uma Garota Afegã de Deborah Ellis pela Ática (2012)
>>> O Ladrao de Sonhos e Outras Historias de Ivan Angelo pela Atica (1994)
>>> A Gang do Beijo de José Louzeiro pela Nova Fronteira (1984)
>>> Toko Ghoul nº2 de Sui Ishida pela Panini
>>> Bíblia de Aparecida para Crianças de Lois Rock pela Santuário (2010)
COMENTÁRIOS >>> Comentadores

Segunda-feira, 17/3/2003
Comentários
José Maria Silveira


Ralo mas Profundo.
Cara Adriana, O filme é violento, mas o final tem um significado oposto ao que você interpretou: na violência democrática do dia a dia está o crescimento, com os bons eleitores legitimando e sofrendo com a democracia. O que o filme mostra é que muitas outras carnificinas ocorreram e continuarão a acontecer. Quem disse que Scorcese acha que NY é um cenário idílico. Quer a lista de filmes? É uma história em quadrinhos, piegas e genial como as do Will Eisner. No fundo está a democracia americana. Existe alguém que vai ao cinema do Scorcese para ver o Leonardo di Caprio?

[Sobre "Açougueiro mesmo é o diretor"]

por José Maria Silveira
17/3/2003 às
19h01 143.106.37.196
 
AH!!! os Eternos Adolescentes.
Mestre Soares, este site é lido por gente de direita sim. Em alguns casos, uma direita pavorosa. Penso que o idealizador do site seja um "between", admirador do Sergio Augusto, logo alguem que analisa primeiro, depois afirma. Paulo Francis também foi importante quando tinha 14 anos. Todavia, o episódio Suzane tem nos mostrado que superar a adolescência é fundamental. Este direitismo juvenil é inútil. Da mesma forma que execro as pessoas de esquerda que só leem Hobsbawn (que tem um livro fraqinho sobre jazz), não tenho particular admiração por pessoas que odeiam Saramargo porque ele fala besteiras inomináveis sobre Israel. Vivemos um momento crítico. O Brasil produz música instrumental de qualidade que não é difundida. Ser artista é um exercício de teimosia enorme. Foco e maturidade. Deixemos os fantasmas do passado descansando. Francis como farsa, o chichê do dia.

[Sobre "Filhos de Francis"]

por José M SIlveira
17/11/2002 às
12h33 143.106.37.196
 
Alexandre, o novo Marcelino
Caro Alexandrino, quantos minutos seriam necessários para detectar sua vulgaridade? Ou a minha? Pego o caso da Elis. Em um mundo em que Fafá de Belém, Joana, Ivete Sangalo são consideradas cantoras, por que a senhora do Uísque não deveria gostar de Elis, apesar do repertório em grande parte detestável? Ella também não gravou ruindades inomináveis? O problema da língua: normalmente apresentamos a esposa pelo nome, mas há situações em que "minha esposa" é mal menor, preferível a minha senhora, patroa e o pior: "minha mulher". Atores é jargão de sociologia, assim como agentes é jargão de economia. Em certas situações é preciso usar o termo. Global players tem um poder de síntese que jogador não tem. Curiso, faltou em sua lista: O sujeito é neoliberal, talvez a maior marca de vulgaridade dos últimos 10 anos.

[Sobre "Sinais de Vulgaridade - Parte II"]

por José Maria da Silvei
3/11/2002 às
15h22 143.106.37.196
 
Para Adorno Jazz era diluição!
Caro Sergio Augusto, vamos pensar a televisão como útil para aquele horário em que estamos muito cansados (das 21 até às 23 horas). Neste caso há meio termo entre o lixo da TV aberta, o canal AXN e programas jornalísticos. West Wing, Sex and the City, CSI, The District, Becker, Frazier, Boston Public e 24 horas dão para encarar nesse horário. Tem até uns franceses ingênuos, como Julie Lescaut (treinar o francês é bom) e tinha Navarro. Dá para desviar para Globo News Painel (quase sempre bom), Millenium e documentários como os Amores de Picasso e o documentário do Ken Burns, sobre jazz. Tem a TV Senado e algumas coisas na TV5. Não é pouco para quem chega em casa em estado catatônico. Mesmo Telecione Action tem uma ou outra coisa razoável. Assim vai. O problema é que se a audiência desses canais for pequena, vão colocá-los no pacote para "esnobes e pentelhos", a 200 reais por mês. Há uma clara percepção da queda de qualidade da programação. Mas não seria somente em razão do fato de que agora as classes excluídas têm acesso à televisão?

[Sobre "A droga da felicidade"]

por José Maria
26/8/2002 às
19h09 143.106.37.196
 
A TV a cabo não está em crise!
Contando o número de intervenções sobre o "calcinha" concluo: o apoio do BNDES à TV a cabo é mesmo maracutaia. Tem assinante para dar com pau. Respondendo aos comentários da SUE: Eu comparei as ilustres senhoras do Saia Justa à Lucia Guimarães. Não devia. São públicos diferentes, interesses diferentes. Eu nunca encontraria as justas saias em um seminário sobre o Brasil, como encontrei a Lucia Guimarães. Elas não me indicariam a exposição G. Ritcher, como fez a Lúcia. Eu, por exemplo, não tenho nenhum imteresse em Beatles, nunca tive, em qualquer versão. Também não vejo aquele programa horrível da Marisa Orth (se ela é inteligente, o que faz lá, dinheiro?). Assisto aos "Normais", acho divertido exatamente em função da idiotia urbana dos personagens em um rítmo excelente, feito para TV. Isto não quer dizer que eu tenha interesse no que pensa a Fernanda. O marido era engraçado quando escrevia contos pornográficos no Planeta Diário (Com calor na bacurinha). A Mônica é boa... bem... prefiro o William Waack no Globo News Painel. Não gosto da Maria Bethânia, acho Gal irritante, assim como 99% da nossa música popular que "aparece", mas acho a Mônica Salmaso excelente, assim como a Beth Bruno e a Bel Padovani. Logo o problema da "editoria" do programa não me preocupa. Quando é chato, ruim, não assisto. Tendo público, parabéns. Vida longa. Um abraço cara Sue.

[Sobre "Com a calcinha aparecendo"]

por Jose Maria
6/6/2002 às
10h16 143.106.37.196
 
O todo não é a soma das partes
Rendeu o tal programa "calcinha aparecendo".O fato é que nem sempre 4 mulheres inteligentes e bem sucedidas são capazes de sustentar uma conversa interessante. O currículo pessoal é irrelevante. Todas têm currículo melhor que o do Caio Blinder, por exemplo. Rita Lee nos alegrou nos anos 80, Marisa Orth é engraçada e intelegintes, Fernanda Young escreve o excelente "Os Normais" e Mônica, como disse a Yara, é ótima repórter. Nenhuma tem um vigésimo da simpatia culta e articulada da Lúcia Guimarães (berço?) que é, das 5, a menos conhecida. Um abraço

[Sobre "Com a calcinha aparecendo"]

por jose maria Silveira
5/6/2002 às
13h14 143.106.37.196
 
Fim da Solidão
Pensei que tinha mudado de planeta. Francis expressou exatamente o que queria ter dito quando afirmei que o Olavo de Carvalho se perdeu.Acho que ele tem valor, mas sua visão de mundo é particular, depende de crenças que em grande parte não compartilho. Admito todavia, que Olavo de Carvalho faz pensar e isto não é pouco.

[Sobre "Educação versus Marxismo"]

por Jose Maria Silveira
2/4/2002 às
15h35 143.106.37.196
 
Quanto mais quente melhor!!!
Peço desculpas por ter trocado a palavra "desconhecer" por "desconsiderar". Compartilho com o Sr. Olavo de Carvalho (que não tenho lido, confesso) e com Pedro Paulo Rocha o horror à forma insidiosa com que certos grupos ideológicos interferem no ensino, principalmente nas universidades. Ninguém mais aguenta "neo-liberalismos"e globalização. Discordo da generalização excessiva, que beira a intolerância. Combater a pobreza com palavras e conceitos é muito pouco. Lerei o artigo do Estadão com atenção e horror.

[Sobre "Educação versus Marxismo"]

por Jose Maria Silveira
31/3/2002 às
18h14 143.106.37.196
 
Raivosos, uni-vos
O Sr. Olavo de Carvalho não está em discussão. Discuto o artigo que foi publicado e que motivou os debates. Não discordo da maioria dos pontos do artigo, mas acho que ele praticamente exclui a possibilidade de que autores de linha marxista sejam ensinados, ponto de minha discordância. Quanto à contribuição de O.de C. para o combate à pobreza, sinceramente, nunca vi (e acho que ele nunca se propôs a isso). Ele, certamente contribui ao combate da pobreza cultural. Nisso estamos de acordo.

[Sobre "Educação versus Marxismo"]

por Jose Maria da SIlvei
31/3/2002 às
18h10 143.106.37.196
 
Vamos falar de arte e cultura
Agradeço o light left. Acho sinceramente que o Olavo de Carvalho se perdeu. Até um certo ponto foi um bom crítico (um pouco ressentido) das academias e do marxismo de segunda de alguns de seus representantes (ex. Fiori, Plinio Sampaio, Plinio Sampaio Filho, este inominável Arrighi, etc). Mas daí desconhecer gente como Habermas ou Bourdieu há um caminho cujo nome é intolerância. Sou light que pede ações concretas e eficientes contra a pobreza. Isto me afasta dos reacionários e da esquerda doidivanas. Um abraço. Vamos falar de arte e cultura.

[Sobre "Educação versus Marxismo"]

por Jose Maria Silveira
31/3/2002 às
11h43 143.106.37.196
 
Com calma. Há muitos marxismos
Ser virulento no ataque às idéias genéricas é muito pouco satisfatório. É verdade que os marxistas vulgares exageram na vinculação entre ensino e o desenvolvimento de uma concepcão da sociedade. Em geral, marxistas não gostam de cientistas, por os acharem primitivos.Com isso tendem a privilegiar o ensino da visão da sociedade em detrimento da capacitação técnica dos alunos. Mas olhando um pouco para nossa universidade de primeira linha: não seria bom dar uma visão de sociedade a médicos e engenheiros? Logo, o problema é como fazer. PS: peço perdão pelos erros na mensagem anterior: "atingem o alvo" (sic) e "a ação violenta"...seja intrínsica..." Coisas de quem escreve e não lê o que escreveu neste espaço limitado.

[Sobre "Educação versus Marxismo"]

por Jose Maria Silveira
28/3/2002 às
18h11 143.106.37.196
 
Ac ho melhor falar de música!!
Na mesma edição, uma diatribe contra o MST e outra contra os intelectuais de esquerda é muito. Vamos com calma, gente. Denúncias genéricas tem um defeito grave: não atingem ao alvo. Da mesma forma que encontramos pessoas com coragem para denunciar o "neo-liberalismo" (sic) do governo, raramente encontramos quem aponte ações, perpetradas até por gente dita de esquerda, que favorecem a mercantilização do ensino. Já vi Botos da vida gritando contra o Banco Mundial em assembléias e não abrir a boca contra desvarios mercantilistas na universidade em que trabalha. Há várias contribuições positivas do pensamento à esquerda. Não acho que a ação violenta e covarde do terrorismo seja intrinsíco a quem questiona o poder político e a máquina do mundo.

[Sobre "Educação versus Marxismo"]

por Jose Maria da SIlvei
28/3/2002 às
16h53 143.106.37.196
 
Vamos com calma
A posição de advogado do diabo cai-me bem. Sou insuspeito de ter simpatias pelo MST, principalmente pelo medieval Stédile, figura assustadora por seu ar de certeza de tudo que compartilha com alguns intelectuais partidários.Acho ridículo queimar Macdonald's por ser o símbolo do imperialismo, é apenas o que chamamos de franchising, uma idéia brilhante e que funciona. Sou a favor da soja transgênica e acho que as ações de Stédile contra os campos experimentais um sinal de demência. Com todas essas evidências, qual a surpresa? Muitos intelectuais e padres argumentam que o MST é a fonte de pressão que justifica a ação intensa de reforma agrária do governo FHC. Fez isto invadindo a casa de todo mundo e mesmo pressionando comunidades pobres conformistas. O MST é mais um sinal de que para muitos a sociedade brasileira está à deriva e que a crise é profunda. Ações concretas de combate a pobreza valem mais que mil palavras de indignação. Agora, se o MST é político.. que politiquinhos ruins....

[Sobre "Anything goes"]

por Jose Maria Silveira
28/3/2002 às
15h06 143.106.37.196
 
Viva a boa cerveja!!!!
Parabéns a todos nós que gostamos de cerveja, não de "mijo de gato" engarrafado!!! Obrigado.

[Sobre "It’s my shout"]

por Jose Maria Silveira
23/3/2002 às
15h24 143.106.37.196
 
Você tem razão
Edney, você tem razão. É que eu li muito o Pasquim quando era adolescente. José Maria

[Sobre "Digestivo nº 69"]

por Jose Maria Silveira
21/2/2002 às
09h06 143.106.37.196
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Markstrat 3: the Strategic Marketing Simulation
Jean-claude Larreche, Hubert Gatignon
South-western College Pub
(1997)



Flying is For the Birds - 62 Intermediate
Roberto Gardin
Ftd
(1994)



Alguns Contos & Fábulas de La Fontaine 2
Editora Paulus
Paulus
(2000)



Diccionario Secreto (dos) Segunda Parte
Camilo Jose Cela
Alianza Editorial Etc
(1974)



Mila: un Guide Intime
Michel Ragon
Autrement (paris)
(1987)



Grand-père
Marina Picasso
Denoel
(2013)
+ frete grátis



A Qualificação da Mão-de-obra no Comércio Internacional Brasileir
Danniel Lafetá Machado
Bndes
(1997)



Não Somos Humanos - Romance Bioético
Domingos Pellegrini
Nova Alexandria
(2005)



Fundamentos de Responsabilidade Social Empresarial
Eduardo Homem da Costa
Autor (rj)
(2007)



Noiva Mecânica
Boris Feldman
Gutenberg
(2014)





busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês