Açougueiro mesmo é o diretor | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> The Matrix Reloaded
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
>>> Pelas curvas brasileiras
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixaƒo E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
COLUNAS

Quinta-feira, 13/3/2003
Açougueiro mesmo é o diretor
Adriana Baggio
+ de 5100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Gangues de Nova York, o filme de Martin Scorcese, estreou em João Pessoa semanas depois do resto do país - só agora, no carnaval. A gente até entende que filmes ditos cult ou alternativos demorem a aparecer por estas bandas, já que a promessa de público não é das melhores, mas um blockbuster desses? Incompreensível. Por isso o atraso desta crítica. Você, caro leitor, já deve ter lido várias resenhas e comentários, já deve inclusive ter visto o filme. Pois bem, veja se você concorda ou não com as minhas opiniões.

A ansiedade do público pela chegada de Gangues de Nova York poderia ter sido economizada para Prenda-me se for capaz, de Steven Spielberg, que aqui estreou na mesma semana. O filme de Scorcese abusa na carnificina e economiza na história que, além de rala, é batida e piegas. Leonardo di Caprio é o jovem cujo pai é morto em uma briga de gangues por um ponto da cidade de Nova York na década de 40 do século XIX. O assassino é Daniel Day Lewis, que encarna The Butcher, para nós, O Açougueiro. O Açougueiro é da turma dos nativistas, que estão naquelas terras desde a colonização inglesa. São descendentes da corja enviada para América como punição pelos crimes cometidos em seu país de origem. Do outro lado estão os irlandeses, que emigram para a terra prometida fugindo da fome e dos conflitos (qualquer semelhança com israelenses e palestinos seria mera coincidência?). Em uma briga pelo controle do território, conhecido como Five Points, os nativistas vencem os irlandeses, o pastor Vallon, pai de Di Caprio, é morto e o menino é enviado a um reformatório. Depois de 16 anos ele volta incógnito para Five Points com o objetivo de vingar a morte do pai.

Sob o domínio do Açougueiro, o território, que já não era dos melhores para se viver, vira uma verdadeira filial do inferno. É uma terra sem lei, povoada por ladrões, assassinos, punguistas, prostitutas e salafrários de todos os tipos. O Açougueiro destripa seus inimigos assim como faz com os porcos. Cenas desse tipo são abundantes no filme. Aliás, ele já começa sangrento ao mostrar a briga entre as gangues dos nativistas e dos irlandeses. Lembra o começo de O resgate do soldado Ryan, com a diferença de que este último tem uma história melhor pra contar. Fica-se com a sensação de que tanto sangue é gratuito, ou que o objetivo é tapar os buracos de um argumento fraco. Se for para mostrar como a poderosa e civilizada Nova York era antigamente, metade da dose teria servido.

Gangues de Nova York deixa o espectador com uma sensação ruim ao sair do cinema, e não é pelas reflexões que provoca. Mas apesar do final piegas, que mostra como o expurgo de uma cidade foi necessário para dar lugar ao que se conhece hoje, apesar do batidíssimo retorno-para-vingança, e apesar das mulheres que aparecem com marca de biquíni, o filme tem a seu favor a impecável produção de época e a realista caracterização dos atores. Com exceção de Leonardo di Caprio, que continua bonitinho e limpinho mesmo depois de uma sessão de tortura, todos os personagens mostram na pele a dureza da vida naquelas condições. Cameron Diaz aparece com o rosto avermelhado e cheio de manchas, a mão gorducha seca e enrugada. Daniel Day Lewis não poderia estar mais seboso. Pode-se quase sentir o cheiro de sangue seco e sujeira emanando da tela.

Mas se for para ver Leonardo di Caprio no cinema, prefira Prenda-me se for capaz, onde Leo representa o papel de Frank Abgnale Jr., um falsificador e estelionatário precoce que inicia sua carreira na escola, aos 16 anos, e que hoje dá consultoria ao governo na área de fraudes.

O clima do enredo já começa na abertura, um dos pontos altos, que lembra muito os filmes das décadas de 60 e 70. Uma animação brinca com os nomes da fica técnica, enquanto sugere a ação que será desenrolada na história.

Apesar de superficialmente despretensioso, o filme encobre diversas mensagens. Além da lição de moral sobre como os americanos regeneram os seus e até inserem-nos novamente na sociedade, conforme escreveu Julio Daio Borges, editor do Digestivo Cultural (leia aqui), Prenda-me se for capaz constrói uma imagem nada lisonjeira dos franceses. E olha que na época em que o filme foi produzido a França ainda não tinha tido a oportunidade de se declarar contra a invasão do Iraque.

A França é mostrada como um país de bárbaros, atrasados, folgados e pessoas não muito confiáveis. Começa com a mãe de Frank, uma francesa que conheceu o pai do moço durante a Segunda Guerra. Pelos comentários de Frank pai, a moça parecia estar dando bola para todos os soldados, mas ele ficou tão apaixonado que relevou sua falta de compostura e salvou-a daquela vila perdida no interior da França. Mais tarde, quando Frank pai está à beira da falência, sua mulher, sem poder controlar seu instinto de francesa promíscua, arruma um amante. Por fim, divorcia-se e casa novamente, com um homem rico, lógico. Durante o divórcio, a mãe da mãe de Frank filho -a vovó mercenária - vem da França para ajudar na partilha dos bens de valor a que a filha tem direito. Depois, Frank filho é preso na França, na cidade onde sua mãe nasceu. Foi preciso o esforço de um investigador norte-americano (Tom Hanks) para fazer com que os folgados policias da vila trabalhassem em uma noite de Natal. Os bárbaros e desleais franceses não cumprem o acordo com os americanos e prendem Frank em uma cela fétida e úmida, o que acaba com a saúde do rapaz. Frank é salvo quando Tom Hanks consegue a ordem de extradição e leva seu prisioneiro de volta para a civilização e a ordem dos norte-americanos, e coloca-o em uma prisão limpa, iluminada e com telefone para os presos se comunicarem com as visitas. E para provar a benevolência e esperteza do Tio Sam, Frank é convidado a cumprir sua pena na forma de consultoria para o governo na área de fraudes.

Exageros spielbergianos e rixas culturais à parte, Prenda-me se for capaz é um ótimo filme. Divertido, leve mesmo nas partes mais dramáticas, com uma produção de época impecável, é garantia de uma boa sessão de cinema. Se não dá para fugir da ideologia dos bons moços norte-americanos, pelo menos que seja de maneira agradável.


Adriana Baggio
Curitiba, 13/3/2003

Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2003
01. Ser bom é ótimo, mas ser mau é muito melhor* - 24/4/2003
02. Aventuras pelo discurso de Foucault - 30/1/2003
03. Carga mais leve para Pedro e Bino - 8/5/2003
04. Apesar da Barra, o Rio continua lindo - 9/1/2003
05. Encontro com o peixe-boi - 16/1/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/3/2003
19h01min
Cara Adriana, O filme é violento, mas o final tem um significado oposto ao que você interpretou: na violência democrática do dia a dia está o crescimento, com os bons eleitores legitimando e sofrendo com a democracia. O que o filme mostra é que muitas outras carnificinas ocorreram e continuarão a acontecer. Quem disse que Scorcese acha que NY é um cenário idílico. Quer a lista de filmes? É uma história em quadrinhos, piegas e genial como as do Will Eisner. No fundo está a democracia americana. Existe alguém que vai ao cinema do Scorcese para ver o Leonardo di Caprio?
[Leia outros Comentários de José Maria Silveira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Biografias Vinicius sem Ponto Final
João Carlos Pecci
Saraiva
(1994)



Livro Infanto Juvenis A Chata Daquela Gorda Coleção Navegar
Regina Drummond
Cortez
(2005)



Usar a Mídia a Seu Favor
Paulo Piratininga
Cla
(2008)



Livro Direito Financeiro na Constituição de 1988
José Mauricio Conti
Oliveira Mendes
(1998)



Gestão florestal sustentável- Um diagnóstico no Espírito Santo
Luiz Fernando Schettino
Ed. do Autor
(2000)



O Hobbit
J. R. R. Tolkien
Martins Fontes
(2003)



Enquanto a Banda Tocava Um Blues
Wander Porto
Wp
(2019)



Amar, Verbo Intransitivo
Mário de Andrade
Agir
(2008)



Férias De Natal
W. Somerset Maugham
Globo
(1957)



Turismo Religioso - Ensaios Antropológicos Sobre Religião e Turismo
Edin Sued Abmanssur
Papirus
(2018)
+ frete grátis





busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês