Açougueiro mesmo é o diretor | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
28946 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sesc Belenzinho recebe show de Zé Guilherme que lança quarto disco e comemora 20 anos de carreira
>>> Compositor Murray Schafer cria exercícios para melhorar audição e produção musical
>>> Cientistas políticos debatem reforma e crise política no Brasil
>>> Universidade do Livro abre duas turmas para Oficina de revisão de provas
>>> Primeiros escritos filosóficos de Adorno ganham tradução inédita em português
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
>>> As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon
>>> T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você)
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> Flauta Sincera
>>> Ciência & Realidade
>>> Amor
>>> Cágado
>>> Sonhos & Raízes
>>> É premente reinventar-se
>>> Contraponto
>>> Aparições
>>> Palavra final
>>> Direções da véspera I
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mondrian: a aventura espiritual da pintura
>>> 50 anos de poesia concreta
>>> movimento respiratório
>>> Sobre a leitura dos clássicos
>>> UM VENTO ERRANTE
>>> O enigma de Michael Jackson
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Cânticos à Rainha do Céu, por Walter Weiszflog
>>> O Capital no Século XXI, de Thomas Piketty, o livro do ano
>>> Entrevista com Jaime Pinsky
Mais Recentes
>>> Efeito Facebook de David Kirkpatrick pela Intrínseca (2011)
>>> Teatro: Lampiao A Beata Maria do Egito de Raquel de Queiroz pela Siciliano (2001)
>>> O Pacifista de John Boyne pela Companhia das Letras (2012)
>>> A descoberta da América pelos turcos de Jorge Amado pela Record (1994)
>>> Inverno do Mundo de Ken Follett pela Arqueiro (2012)
>>> Tracos & trocos de Odayr Miguel de Lima pela Reluz Grafica (2007)
>>> Queda de Gigantes de Ken Follett pela Arqueiro (2010)
>>> Eternidade Por um Fio de Ken Follett pela Arqueiro (2014)
>>> A Linguagem do Corpo de David Cohen pela Vozes (2014)
>>> As margens da tradução de Gustavo Bernardo (org.) pela Faperj - Caetés (2002)
>>> A Voz e o Olhar do Outro (Vol. IV) de Leila Assumpção Harris (org.) pela Letra Capital (2012)
>>> A Gravidade e a Graça de Simone Weil pela Ece (1986)
>>> Trabalhismo e Socialismo no Brasil de Moniz Bandeira pela Global (1985)
>>> Ensaios Imprudentes de Roberto Campos pela Record (1986)
>>> Pedagogia da Autonomia de Paulo Freire pela Paz e Terra (2007)
>>> A ditadura Escancarada de Elio Gaspari pela Companhia das letras (2004)
>>> Revista Matraga 29 - Estudos Linguísticos e Literários de Ana Lucia de Souza Henriques (edição) pela Instituto de Filosofia e Letras - UERJ (1986)
>>> Planeta--177--curas-o avanço da radiestesia. de Editora tres pela Tres (1987)
>>> Planeta--405--atletas da mente. de Editora tres pela Tres (2006)
>>> A Civilização do Espetáculo de Mario Vargas Llosa pela Objetiva (2013)
>>> Planeta--261--o budismo conquista o ocidente. de Editora tres pela Tres (1994)
>>> Planeta--320--explorando a quarta dimensao. de Editora tres pela Tres (1999)
>>> Até Eu Te Encontrar de Graciela Mayrink Rold pela Aa (2011)
>>> O Temor do Sábio de Patrick Rothfuss pela Arqueiro (2011)
>>> O Jogador Nº 1 de Ernest Cline pela Leya (2015)
>>> Planeta--122--presidios naturalistas. de Editora tres pela Tres (1982)
>>> Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley pela Biblioteca Azul (2014)
>>> Os Pilares da Terra de Ken Follett pela Rocco (2012)
>>> Me Chame Pelo Seu Nome de André Aciman pela Intrínseca (2018)
>>> A Cabana de William P. Young pela Arqueiro (2008)
>>> Morte e Vida de Charlie St. Cloud de Ben Sherwood pela Novo Conceito (2011)
>>> O Guardião de Memórias de Kim Edwards pela Arqueiro (2007)
>>> O camarote vazio de Josué Montello pela Nova Fronteira (1990)
>>> Planeta--321--sabedoria eterna-a mensagem universal de jesus. de Editora tres pela Tres (1999)
>>> Os Crimes da Luz de Giulio Leoni pela Planeta (2007)
>>> Premiers Dialogues de Platon pela Flammarion
>>> Significação, Revista de Cultura Audiovisual No. 27 outono-inverno 2007 de A. J. Greimas, Ana Amado et alli pela Usp (2007)
>>> No Caminho de Swann de Marcel Proust pela Abril (1979)
>>> Cleopatra de Christian-georges e schwentzel pela L&pm
>>> Rêde de Dormir, Uma Pesquisa Etnográfica de Luís da Câmara Cascudo pela Ministério da Educação e Cultura (1959)
>>> Acabou-se o que era doce. de Gepp e maia pela Jornal da tarde
>>> O assassinato de idi amin de Leslie watkins pela Edibolso s.a
>>> Os grandes atentados--3. de Editora tres pela Tres
>>> Uma História de Rabos Presos de Ruth Rocha pela Salamandra (1989)
>>> Histórias do Amor Maldito de Vários Autores pela Record (1967)
>>> A História de Vivant Lanon de Marc Cholodenko pela Brasiliense (1986)
>>> Oposição Operária -1920/1921 de Alexandra Kollontai pela Global (1980)
>>> Amar, Verbo Intransitivo de Mário de Andrade pela Villa Rica
>>> O Tiro Perfeito de Alfred Hitchcock pela Nova Época
>>> Tocaia Grande de Jorge Amado pela Record
COLUNAS

Quinta-feira, 13/3/2003
Açougueiro mesmo é o diretor
Adriana Baggio

+ de 4000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Gangues de Nova York, o filme de Martin Scorcese, estreou em João Pessoa semanas depois do resto do país - só agora, no carnaval. A gente até entende que filmes ditos cult ou alternativos demorem a aparecer por estas bandas, já que a promessa de público não é das melhores, mas um blockbuster desses? Incompreensível. Por isso o atraso desta crítica. Você, caro leitor, já deve ter lido várias resenhas e comentários, já deve inclusive ter visto o filme. Pois bem, veja se você concorda ou não com as minhas opiniões.

A ansiedade do público pela chegada de Gangues de Nova York poderia ter sido economizada para Prenda-me se for capaz, de Steven Spielberg, que aqui estreou na mesma semana. O filme de Scorcese abusa na carnificina e economiza na história que, além de rala, é batida e piegas. Leonardo di Caprio é o jovem cujo pai é morto em uma briga de gangues por um ponto da cidade de Nova York na década de 40 do século XIX. O assassino é Daniel Day Lewis, que encarna The Butcher, para nós, O Açougueiro. O Açougueiro é da turma dos nativistas, que estão naquelas terras desde a colonização inglesa. São descendentes da corja enviada para América como punição pelos crimes cometidos em seu país de origem. Do outro lado estão os irlandeses, que emigram para a terra prometida fugindo da fome e dos conflitos (qualquer semelhança com israelenses e palestinos seria mera coincidência?). Em uma briga pelo controle do território, conhecido como Five Points, os nativistas vencem os irlandeses, o pastor Vallon, pai de Di Caprio, é morto e o menino é enviado a um reformatório. Depois de 16 anos ele volta incógnito para Five Points com o objetivo de vingar a morte do pai.

Sob o domínio do Açougueiro, o território, que já não era dos melhores para se viver, vira uma verdadeira filial do inferno. É uma terra sem lei, povoada por ladrões, assassinos, punguistas, prostitutas e salafrários de todos os tipos. O Açougueiro destripa seus inimigos assim como faz com os porcos. Cenas desse tipo são abundantes no filme. Aliás, ele já começa sangrento ao mostrar a briga entre as gangues dos nativistas e dos irlandeses. Lembra o começo de O resgate do soldado Ryan, com a diferença de que este último tem uma história melhor pra contar. Fica-se com a sensação de que tanto sangue é gratuito, ou que o objetivo é tapar os buracos de um argumento fraco. Se for para mostrar como a poderosa e civilizada Nova York era antigamente, metade da dose teria servido.

Gangues de Nova York deixa o espectador com uma sensação ruim ao sair do cinema, e não é pelas reflexões que provoca. Mas apesar do final piegas, que mostra como o expurgo de uma cidade foi necessário para dar lugar ao que se conhece hoje, apesar do batidíssimo retorno-para-vingança, e apesar das mulheres que aparecem com marca de biquíni, o filme tem a seu favor a impecável produção de época e a realista caracterização dos atores. Com exceção de Leonardo di Caprio, que continua bonitinho e limpinho mesmo depois de uma sessão de tortura, todos os personagens mostram na pele a dureza da vida naquelas condições. Cameron Diaz aparece com o rosto avermelhado e cheio de manchas, a mão gorducha seca e enrugada. Daniel Day Lewis não poderia estar mais seboso. Pode-se quase sentir o cheiro de sangue seco e sujeira emanando da tela.

Mas se for para ver Leonardo di Caprio no cinema, prefira Prenda-me se for capaz, onde Leo representa o papel de Frank Abgnale Jr., um falsificador e estelionatário precoce que inicia sua carreira na escola, aos 16 anos, e que hoje dá consultoria ao governo na área de fraudes.

O clima do enredo já começa na abertura, um dos pontos altos, que lembra muito os filmes das décadas de 60 e 70. Uma animação brinca com os nomes da fica técnica, enquanto sugere a ação que será desenrolada na história.

Apesar de superficialmente despretensioso, o filme encobre diversas mensagens. Além da lição de moral sobre como os americanos regeneram os seus e até inserem-nos novamente na sociedade, conforme escreveu Julio Daio Borges, editor do Digestivo Cultural (leia aqui), Prenda-me se for capaz constrói uma imagem nada lisonjeira dos franceses. E olha que na época em que o filme foi produzido a França ainda não tinha tido a oportunidade de se declarar contra a invasão do Iraque.

A França é mostrada como um país de bárbaros, atrasados, folgados e pessoas não muito confiáveis. Começa com a mãe de Frank, uma francesa que conheceu o pai do moço durante a Segunda Guerra. Pelos comentários de Frank pai, a moça parecia estar dando bola para todos os soldados, mas ele ficou tão apaixonado que relevou sua falta de compostura e salvou-a daquela vila perdida no interior da França. Mais tarde, quando Frank pai está à beira da falência, sua mulher, sem poder controlar seu instinto de francesa promíscua, arruma um amante. Por fim, divorcia-se e casa novamente, com um homem rico, lógico. Durante o divórcio, a mãe da mãe de Frank filho -a vovó mercenária - vem da França para ajudar na partilha dos bens de valor a que a filha tem direito. Depois, Frank filho é preso na França, na cidade onde sua mãe nasceu. Foi preciso o esforço de um investigador norte-americano (Tom Hanks) para fazer com que os folgados policias da vila trabalhassem em uma noite de Natal. Os bárbaros e desleais franceses não cumprem o acordo com os americanos e prendem Frank em uma cela fétida e úmida, o que acaba com a saúde do rapaz. Frank é salvo quando Tom Hanks consegue a ordem de extradição e leva seu prisioneiro de volta para a civilização e a ordem dos norte-americanos, e coloca-o em uma prisão limpa, iluminada e com telefone para os presos se comunicarem com as visitas. E para provar a benevolência e esperteza do Tio Sam, Frank é convidado a cumprir sua pena na forma de consultoria para o governo na área de fraudes.

Exageros spielbergianos e rixas culturais à parte, Prenda-me se for capaz é um ótimo filme. Divertido, leve mesmo nas partes mais dramáticas, com uma produção de época impecável, é garantia de uma boa sessão de cinema. Se não dá para fugir da ideologia dos bons moços norte-americanos, pelo menos que seja de maneira agradável.


Adriana Baggio
Curitiba, 13/3/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Quero ser Marina Abramović de Elisa Andrade Buzzo
02. Paixões e baratas de Elisa Andrade Buzzo
03. Vaidade, inveja e violência de Carla Ceres
04. Por que o mundo existe?, de Jim Holt de Ricardo de Mattos
05. Só por uma noite de Carina Destempero


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2003
01. Ser bom é ótimo, mas ser mau é muito melhor* - 24/4/2003
02. Aventuras pelo discurso de Foucault - 30/1/2003
03. Carga mais leve para Pedro e Bino - 8/5/2003
04. Apesar da Barra, o Rio continua lindo - 9/1/2003
05. Encontro com o peixe-boi - 16/1/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/3/2003
19h01min
Cara Adriana, O filme é violento, mas o final tem um significado oposto ao que você interpretou: na violência democrática do dia a dia está o crescimento, com os bons eleitores legitimando e sofrendo com a democracia. O que o filme mostra é que muitas outras carnificinas ocorreram e continuarão a acontecer. Quem disse que Scorcese acha que NY é um cenário idílico. Quer a lista de filmes? É uma história em quadrinhos, piegas e genial como as do Will Eisner. No fundo está a democracia americana. Existe alguém que vai ao cinema do Scorcese para ver o Leonardo di Caprio?
[Leia outros Comentários de José Maria Silveira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




QUATRO RODAS--NOVO HONDA CR-V--JAC J3 E QUENTE OU UMA GELADA?.
ABRIL
ABRIL
(2012)
R$ 16,00



ATRACAO DECODIFIQUE A LINGUAGEM DO AMOR
TRACEY COX
FUNDAMENTO
(2004)
R$ 14,00



A ALIMENTAÇÃO DOS PEIXES DE AQUÁRIO
GASTÃO BOTELHO E OUTROS
NOBEL
(1984)
R$ 10,00



AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E UNIVERSIDADES
LUIZ CARLOS DE FREITAS
KOMEDI
(2018)
R$ 60,00



TRANSITIONS 1 - STUDENT BOOK + WORK BOOK (INTEGRATED ENGLISH)
LINDA LEE
OXFORD UNIVERSITY PRESS
(1998)
R$ 90,00



MANUAL GERAL DA REDAÇAO
FOLHA DE SAO PAULO
FOLHA DE SAO PAULO
R$ 8,00



MANGÁ - O LIVRO MONSTRO DO MANGÁ
DANIEL DE ROSA
LIVROS ESCALA
(2009)
R$ 15,00



REVISTA NINTENDO WORLD--41--QUEBRA-PAU.
CONRAD
CONRAD
R$ 22,00



DIREITO CONSTITUCIONAL DESCOMPLICADO
VICENTE PAULO E MARCELO ALEXANDRINO
MÉTODO
(2016)
R$ 100,00



O AVESSO DAS COISAS
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
RECORD
(1997)
R$ 12,90





busca | avançada
28946 visitas/dia
1,0 milhão/mês