Mp3: da pirataria ao Bolsa-Download? | Paulo de Resende | Digestivo Cultural

busca | avançada
53121 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
>>> Projeto que une cultura e conscientização ambiental traz teatro gratuito a Minas Gerais
>>> Show da Percha com Circo do Asfalto
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O criador do algoritmo do YouTube
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
>>> Conselheiros não se aconselham
>>> Sartre e a idade da razão
Mais Recentes
>>> Orientação educacional o trabalho na escola de Regina Leite Garcia pela Loyola (1990)
>>> Navegar é Preciso? de Jack London pela Campus (2000)
>>> A República 3.000 de Menotti del Picchia pela Ediouro (1997)
>>> Lino pequeno de E. B. White pela Elefante
>>> O tesouro do lago da brisa um roubo no zoológico de Hans Jürgen Press pela Ática (1999)
>>> Auto da barca do inferno farsa de Inês Pereira auto da índia de Gil Vicente pela Ática (2006)
>>> A guerra doa botões de Louis Pergaud pela Ediouro (1994)
>>> A guerra doa botões de Louis Pergaud pela Ediouro (1994)
>>> A árvore que dava dinheiro de Domingos Pellegrini pela Moderna (1982)
>>> A árvore que dava dinheiro de Domingos Pellegrini pela Moderna (1983)
>>> A árvore que dava dinheiro vol. 3 novela de Domingos Pellegrini pela Ática (2002)
>>> Artemis fowl de Eoin Colfer pela Record (2008)
>>> A estranha Madame Mizu de Thierry Lenaín pela Companhia das Letrinhas (2003)
>>> Sherlock Holmes em: Os seis bustos de napoleão e outras histórias de Arthur Conan Doyle pela L&PM Pocket (1999)
>>> Universidade das crianças/Cientistas explicam os enigmas do mundo de Ulrich Janben e Ulla Steuernagel pela Planeta (2008)
>>> A formulação de objetivos de ensino de Robert F. Mager pela Globo (1980)
>>> Avaliação institucional da universidade de Antônio Amorim pela Cortez (1992)
>>> O estudante de Adelaide Carraro pela Global (2003)
>>> Símbolos Antigos e Sagrados - Biblioteca Rosacruz XXIII de Ralph M Lewis F.R.C. pela Renes (1979)
>>> Ab-reação Análise dos Sonhos, Transferência de C. G. Jung pela Vozes (1999)
>>> Leitura de Estudo: ler para aprender a estudar e estudar para aprender a ler de Leda Tessari Catello Pereira pela Alínea (2003)
>>> Pfuenprinzessin de Indu Sundaresan pela Fischer (2005)
>>> Espiritualidade e Transcendência de C. G. Jung pela Vozes (2007)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Intrínseca (2016)
>>> Amaldiçoado de Joe Hill pela Arqueiro (2015)
COLUNAS

Segunda-feira, 23/5/2011
Mp3: da pirataria ao Bolsa-Download?
Paulo de Resende

+ de 5100 Acessos

Desde os já longínquos anos 1990 que o formato Mp3 entrou com força total no universo da música. Sua ascensão se deveu à convergência dele com outros dois marcos relevantes da história da informática: a disponibilização do acesso à internet de forma definitiva (aqui no Brasil, isso se deu a partir de maio de 1995) e o surgimento do Napster, software pioneiro de compartilhamento peer-to-peer (em junho de 1999).

A revolução provocada pela conjugação desses fatores só é comparável ao problema que ela criou para a indústria fonográfica mundial, com o surgimento da "era do conteúdo". Repentinamente, tornou-se anacrônico o hábito de adquirir o CD para escutar as músicas nele contidas. Num piscar de olhos, milhares de obras musicais dos mais diferentes gêneros passaram a fluir de um lado para o outro do planeta, sendo transferidas gratuitamente para quem quisesse. Até hoje, não há prevenção eficiente contra a transferência de arquivos. Pior do que isso, a questão hoje abrange qualquer forma de conteúdo: livros, filmes, softwares, tudo o que pude ser captado e traduzido em bites pode ser compartilhado.

À margem das discussões sobre violação dos direitos autorais e dos prejuízos apurados por quem trabalha na legalidade, parece que o hábito de compartilhar arquivos (de forma legalizada ou não) se tornou algo tão trivial quanto ter um telefone celular ou tomar uma cerveja no bar: dito assim, parece tão mundano, tão vulgar, mas nem por isso menos verdadeiro.

No Brasil, a questão apresenta uma riqueza de perspectivas, daquelas que são incompatíveis com a representação por meio de infográficos e pequenos quadros-resumo. Opinam sobre o tema políticos, advogados, delegados de polícia, ativistas sociais, empresários da indústria fonográfica, artistas e tantos outros representantes de grupos envolvidos. E a cadeia do consumo de conteúdo tem diversas versões, desde aquela do "paladino" ― que faz download somente de conteúdo disponibilizado em domínio público e em licenças como o copyleft e creative commons ― até a cadeia do material que se origina de usuários misteriosos, é baixado por "pirateiros" inveterados, queimado em mídias que são oferecidas nas ruas de qualquer grande cidade e acabam nas mãos de gente comum, entre estudantes, professores universitários, comerciantes, bancários, donas de casa, funcionários públicos etc.

Ações como as promovidas nos EUA pela Associação Americana da Indústria Fonográfica (RIAA) dificilmente seriam viáveis para um país como o nosso. Não convém elencar as razões, mas é pouco provável que as associações de músicos e de gravadoras promovam aqui a "caça às bruxas" que tem sido por lá empreendida, com direito a condenações de personagens tão pitorescos quanto senhorinhas septuagenárias e meninas de doze anos. Na nossa civilização dos trópicos, tudo é mais afetuoso, por vezes moroso, e muitas vezes inconclusivo. Não somos piores que os gringos, somos autênticos.

A diversidade de personagens e a impossibilidade de processar a todos os que infringem a lei podem insinuar uma conclusão devastadora: não há solução para a questão. Ou mudam as leis, em gradações que tipifiquem a atividade econômica baseada na pirataria como um crime hediondo, ou aguardamos um novo patamar tecnológico, tão revolucionário que torne o Mp3 obsoleto ― obviamente, uma nova tecnologia com rédeas mais firmes.

Mas existe ainda uma outra alternativa, muito mais próxima dos anseios daqueles que defendem uma internet livre e a universalização do acesso à cultura, algo muito mais harmonioso com a nossa tradição de malemolência histórica: e se o problema fosse atenuado até sumir?

Vivemos um período de implementação do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL), com todas as suas iniciativas de desoneração dos custos relacionados ao acesso à internet e consequente barateamento para o usuário. Um olhar superficial sobre a questão conclui que, com mais acesso em banda larga, haverá mais compartilhamento. Parece uma relação óbvia. E aí convém perguntar: como o governo vai conciliar o crescimento dos downloads com a necessidade de coibir os crimes contra a propriedade intelectual?

É aí que entra em campo a nossa vertente nacional, capaz de buscar soluções inovadoras para os problemas mais escabrosos: será que estamos caminhando para um "bolsa-download"? Afinal de contas, o governo tem fornecido diversas oportunidades para a inclusão de segmentos específicos no mundo do consumo: temos o Bolsa-Família para os pobres, o telefone social, a tarifa de energia elétrica social e agora o já citado PNBL ― que vai baratear o acesso aos menos favorecidos e empresas optantes pelo Simples... Por que não admitir a possibilidade (risco?) da criação desse novo benefício social, para permitir que aqueles que hoje vivem abaixo da linha da legalidade digital possam receber o direito à inclusão cultural? Estaria, assim, o usuário liberado para baixar o quanto quisesse, sendo os respectivos royalties quitados pelo governo.

Para quem acha que esse quadro é absurdo, vamos registrar que esse bolsa-download, mesmo imaginário, já apresenta duas características em comum, por exemplo, com o Bolsa-Família: um benefício direto para a população e a "disponibilidade" da nossa classe média, franca favorita para pagar a conta...


Paulo de Resende
Niterói, 23/5/2011


Mais Paulo de Resende
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Pais inteligentes formam sucessores, não herdeiros
Augusto Cury
Saraiva
(2014)



The Final Cut
Pink Floyd
Scotprint Ltd
(1983)



Dicionário da bíblia de almeida
Werner Kaschel
Sociedade Bíblica do Brasil
(2009)



2012 - Nas Cortes do Sol (lacrado)
Brian D Amato
Geração Editorial
(2012)



Respostas Que a Vida Dá
Nelson Moraes
Aulus



O Sucesso Através da Análise Transacional
Jut Meininger
Circulo do Livro
(1987)



Rio das Flores
Miguel Sousa Tavares
Companhia das Letras
(2008)



Irmãs pra valer
Thalia Kalkipsakis
Fundamento
(2006)



A Pata da Gazela.
José de Alencar
Ftd
(1996)



O Profeta
Khalil Gibran; Ana Guadalupe
Acigi
(2000)





busca | avançada
53121 visitas/dia
2,0 milhão/mês