As noites insanas de Zizi Possi | Márcio Seidenberg | Digestivo Cultural

busca | avançada
80183 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Contos do Índio e da Floresta estreia dias 03 e 04 de outubro na Sympla Streaming
>>> “Conversa de Criança – Coronavírus” discute o acolhimento das emoções das crianças durante pandemia
>>> São Paulo ganha grafitti gigante que propõe reflexão sobre igualdade racial
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> War is peace; freedom is slavery; ignorance is strength
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Infeliz Dia dos Namorados
>>> Deepak Chopra Speaker Series
>>> Nota Bene
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Comer é viver
>>> Sugerido para adultos?
>>> Ação e Romance
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> Hibisco Roxo de Chimamanda Ngozi Adichie pela Companhia das Letras (2011)
>>> Liberte a Intuição! de Roy H. Williams pela Futura (2003)
>>> O anjo azul de Josef von Sternberg ( um filme de) pela Folha de São Paulo (2014)
>>> Jules e Jim uma mulher para dois de François Trufaut (um filme de) pela Folha de São Paulo (2014)
>>> Dinâmicas de Leitura Para Sala de Aula de Mary Rangel pela Vozes (1990)
>>> Força Interior - Ensinamentos práticos para uma vida melhor de Carlos França pela Circulo do Livro (1988)
>>> Castas, estamentos e clases sociais de Sedi Hirano pela Alfa-Omega (1974)
>>> Word Perfect vocabulary for fluency de Mark Harison pela Nelson (1990)
>>> Plotinus Ennead III de Plotinus; A.H.Armstrong pela Loeb (1967)
>>> Volar Sobre El Pantano - novela de valores para superar la adversidad y triunfar de Carlos Cuauhtémoc Sánchez pela Selectas Diamante (1995)
>>> 200 Sonetos de Luis Vaz de Camões pela Lepm (2001)
>>> Academia Goiana de Letras - História e Antologia de Coelho Vaz pela Kelps (2008)
>>> O Poder Infinito da Oração - Descoberta da força capaz de produzir milagre de Lauro Tevisan pela Mente
>>> Não Mato por Prazer de John Godey pela Nova Época (1974)
>>> A Outra América: Pobreza nos Estados Unidos de Michael Harrington pela Civilização Brasileira (1964)
>>> O Vôo da Borboleta de Morah Lofts pela Melhoramentos (1987)
>>> Encontros Com Homens Notáveis de G. I. Gurdjieff pela Pensamento (1980)
>>> A Morte no Japão de Ian Fleming pela Globo (1965)
>>> Um de Richard Bach pela Record (1988)
>>> Os Grandes Clássicos da Literatura: Elogio da Loucura - O Livre Arbítrio de Erasmo de Roterdã – Artur Schopenhauer pela Novo Brasil (1982)
>>> Esconde-Esconde de James Patterson pela Best Seller / Círculo do Livro (1997)
>>> Sherlock Holmes: O Ritual Musgrave e Outras Aventuras de Sir Arthur Conan Doyle pela Melhoramentos (2006)
>>> Platero e Eu de Juan Ramón Jimenez pela Rio Gráfica (1987)
>>> O Original de Jean-Jacques Fiechter pela Record (1996)
>>> Aura de Carlos Fuentes pela L&PM (1981)
>>> As Ninfas do Vale de Gibran Khalil Gibran pela Catavento (1978)
>>> A Brincadeira de Milan Kundera pela Nova Fronteira (1986)
>>> A Rainha de Provence de Jean Plaidy pela Record (1993)
>>> Esfinge de Robin Cook pela Círculo do Livro (1987)
>>> Cérebro de Robin Cook pela Círculo do Livro (1997)
>>> A Ira dos Anjos de Sidney Sheldon pela Nova Cultural (1985)
>>> Nada Dura Para Sempre de Sidney Sheldon pela Círculo do Livro (1998)
>>> Um Estranho no Espelho de Sidney Sheldon pela Círculo do Livro (1987)
>>> O Outro Lado da Meia-Noite de Sidney Sheldon pela Círculo do Livro (1989)
>>> Palavras que Curam - A força terapêutica das hist. bíblicas de Walther H, Lechler/Alfred Meier pela Prestígio (2006)
>>> A História da Primeira Guerra Mundial. 1914-1918 - Com 4 Volumes de David Stevenson pela Novo Século (2018)
>>> Wild Cards: Ases Nas Alturas - Livro 2 de George R. R. Martin pela Leya (2013)
>>> Wild Cards: Guerra aos Curingas - Livro 9 de George R. R. Martin pela Leya (2018)
>>> Wild Cards: Luta de Valetes - Livro 8 de George R. R. Martin pela Leya (2017)
>>> Wild Cards: Ás na Manga: Livro 6 de George R. R. Martin pela Leya (2017)
>>> Pense e Enriqueça - para Mulheres Texto Completo de Sharon Lechter pela CDG Grupo Editorial (2017)
>>> Atitude Mental Positiva de Napoleon Hill pela CDG Grupo Editorial (2015)
>>> O Caso dos Dez Negrinhos de Agatha Christie pela Círculo do Livro (1975)
>>> Mistério no Caribe de Agatha Christie pela Nova Cultural (1964)
>>> Sebastiana Quebra Galho Guia Prático das donas de casa 16ªed. de Nenzinha Machado Salles pela Civilização Brasileira (1994)
>>> Assassinato no Expresso do Oriente de Agatha Christie pela Nova Fronteira
>>> Cem Anos de Solidão de Gabriel García Marquez pela Sabiá (1971)
>>> Melhor que comprar sapatos de Cristiane Cardoso pela Unipro (2015)
>>> Imposto sobre a propriedade territorial rural de Dejalma de Campos pela Atlas (1993)
>>> Archi de soleil de Patrick Bardou e Varoujan Arzoumanian pela Parenthèses (1978)
COLUNAS

Quinta-feira, 29/6/2006
As noites insanas de Zizi Possi
Márcio Seidenberg

+ de 7100 Acessos
+ 4 Comentário(s)

"Vai rolar, sim!", escreveu, entusiasmada, Zizi em seu perfil do Orkut, confirmando as três apresentações no palco intimista do Sesc Pompéia, no início de junho. Bastou o breve recado para que admiradores de Porto Alegre, de Salvador, do Rio, de Recife e de outras cidades se juntassem aos de São Paulo em busca dos disputados ingressos a R$ 20. Não é sempre essa euforia, não. É que, desta vez, quem acompanha a carreira da artista, sabia: o show seria muito, muito diferente de tudo o que se viu e ouviu nos últimos 8 anos. Zizi, sabiamente e com sobriedade, radicalizou, ao classificar de "insanas" as noites de música que estava preparando...

E quanto significado e quanta importância tem a insanidade para a sempre ponderada, sofisticada e perfeccionista Zizi Possi, que, mesmo podendo desfrutar de irrestrita liberdade artística, nos últimos trabalhos vem se dedicando a projetos de conceito fechado, que exploram, em profundidade, diferentes facetas de seu universo musical. O mais recente deles, o CD/DVD Pra Inglês Ver e Ouvir, traz clássicos de diferentes épocas e estilos do idioma dos Beatles. Em temporada no Teatro Frei Caneca, no ano passado, o show, caríssimo, manteve a intérprete passeando por um repertório em inglês inédito em sua voz - a exceção de "Yesterday", do CD anterior, Bossa, que, apesar de inspirado no movimento idealizado por João Gilberto, permitiu à cantora transitar por parte de sua obra nas poucas apresentações da turnê. Liberdade maior houve em 1999, com Puro Prazer, que, todo em formato piano-e-voz, revisitou músicas mais recentes, depois de 3 anos em que Zizi só cantara em italiano, graças ao bem-sucedido Per Amore, profundo mergulho da artista em suas raízes, na herança familiar e nas canções napolitanas que o avô cantava.

Pois bem, agora Zizi finalmente está às voltas com sua "alma de cantora", em viagem por um repertório que sublinha a trajetória que começou em 1978. Três shows em que o esmero musical, a partir da combinação do violoncelo e violões de Lui Coimbra, da percussão de Guello e do piano e teclados de Jether Garotti Júnior serviu de poderoso instrumento para a voz da intérprete. Ainda que os roteiros, diferentes para cada noite, privilegiassem a triologia acústica - os álbuns Sobre Todas as Coisas (1991), Valsa Brasileira (1993) e Mais Simples (1996) -, que consagrou Zizi como uma das grandes vozes da MPB, foram as canções da década de 1980 que mais surpreenderam.

Zizi pop, Zizi diva
Ela tinha 25 anos quando gravou "Caminhos de Sol" (Hernan Torres/ Salgado Maranhão) com viola 12 cordas, baixo e bateria. Descobriu, 25 anos depois, uma leitura mais suave e singela, somente ao piano preciso de Jether. O mesmo para "Toda Uma História" (Luiz Avellar/ Zizi Possi), hoje mais disciplinada e adaptada ao formato acústico do trio. Teve também a junção de "O amor vem pra cada um" (Beto Fae) e "Asa Morena" (Zé Carapídia), com percussão, piano e violão - um clássico até hoje, ainda que o público, lá no início da carreira da artista, fosse só "Caminhos de Sol": "as pessoas não queriam ouvir a música que eu tinha para cantar. Me lembro que eu parei e falei: gente, vocês precisam me dar a oportunidade de mostrar uma coisa nova. Eu acho que vocês vão gostar dessa música", relembra ela, numa entrevista à rádio Jovem Pan, sobre quando mostrou "Asa Morena" pela primeira vez.

"Nunca" (Lupicínio Rodrigues) é outra que ficou mais envolvente na versão madura. Zizi esticou os tempos da música, dividiu o verso "pra que eu viva", para depois completar "em paz", além de inserir uma citação de "Yesterday" ao final. "É muito interessante cantar com a maturidade de hoje [essas músicas] porque é outra pegada, é outro jeito de dividir, é outra emoção", refletiu, durante o show de reabertura do Scalla, no Rio de Janeiro, há dois anos. Foi quando ela trouxe ao palco algumas músicas antigas, anteriores a Sobre Todas as Coisas, o disco da "virada" artística da intérprete, que, a partir dali, passou a buscar um repertório mais coerente e autêntico consigo mesma, como ela define. Mas o que dizer de toda a obra construída antes e durante os anos 1980?

Parecia que, ao valorizar o apuro musical dos trabalhos acústicos, Zizi se desvinculava do lado supostamente "brega" dos dois últimos discos da fase pop, de quem o hit "Perigo", uma das músicas mais executadas daquela época é fruto, assim como "Noite" (Nico Rezende/ Jorge Salomão), que, numa atitude "insana", foi recriada para o show do Sesc. Saem a guitarra e o baixo da gravação de 1987; entram piano e violoncelo. E Zizi arrancou aplausos saudosistas da platéia.

A verdade é que as músicas, mesmo as mais recentes, crescem no palco. E como crescem... Um exemplo é "O samba e o pandeiro" (Jackson do Pandeiro/ Ivo Martins), em que a cantora vai imprimindo o tom, retardando e acelerando os versos e Guello respeitando a velocidade na percussão, em sintonia. Ou ainda em "Explode Coração", em que Maria Bethânia expande-se e que Zizi canta contido e baixinho, sufoca e espreme ainda mais os versos pungentes de Gonzaguinha. Ela tem o poder de transformar as canções.

E Zizi é também uma cantora que se transforma. Mas uma característica sua manteve-se linear: o domínio cada vez mais definitivo de voz e interpretação. Chico Buarque já reconhecia o talento da artista quando a convidou para gravar com ele "Pedaço de Mim" em 1979; Ivan Lins, também, ao oferecer a canção "A Força", uma preciosidade resgatada recentemente pela compilação Pérolas Raras; Gilberto Gil compareceu com "A Paz" e "Meu Amigo Meu Herói", entre outros compositores.

Estandarte e liberdade
Zizi parece ter recuperado a alegria de poder cantar sua história. Para enaltecer esse momento, depois de uma depressão que a afastou por 4 anos dos discos, o final do show do Sesc foi apoteótico. Primeiro com os versos de "Ar Puro" (Fátima Guedes) à capela, depois a fusão com a marcha "Porta Estandarte" (Geraldo Vandré/ Fernando Lona), verdadeiro hino de celebração: "eu vou levando a minha vida enfim/ cantando e canto sim/ e não cantava se não fosse assim/ levando para quem me ouvir/ certezas e esperanças para trocar/ por dores e tristezas que bem sei/ um dia ainda vão findar". De longe, a mais bonita música das noites, que terminaram com a luxuosa interpretação para "O que é o que é" (Gonzaguinha) e "Juízo Final" (Nelson Cavaquinho/ Élcio Soares).

Talvez os 50 anos, completados em março, tenham trazido essa liberdade irrestrita e a possibilidade de experimentar sem preconceitos, sem amarras. Para a cantora que, ao longo dos 28 anos de carreira, conquistou a maturidade que lhe autoriza qualquer viagem, por que não iluminar com boa dose de insanidade seus próximos vôos?


Márcio Seidenberg
São Paulo, 29/6/2006


Mais Márcio Seidenberg
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/6/2006
12h10min
Um texto que tem a finalidade de tratar da voz de Zizi, uma ternura sem fim, qualquer que seja o show desta Diva, é um recado de amor ouví-la cantar, falar, andar, inexplicavelmente linda transcede todas as formas de imaginar arte. Zizi, uma paixão do canto.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias]
5/7/2006
10h29min
Quem pôde assistir aos shows do SESC pode agora confirmar cada palavra do Márcio em seu texto. Foram apresentações belíssimas, que marcaram as retinas e as memórias de todos aqueles que saíram de diversos lugares para ver a grande intérprete brasileira! Parabéns, Márcio! Viva Zizi!
[Leia outros Comentários de Eduardo Oliveira]
27/7/2006
19h08min
Lindo texto, onde a gente pode sentir que o prazer de escutar, e ver no palco, a grande intérprete que é Zizi Possi: permanece entre as impressões incomensuráveis da arte musical brasileira dos últimos trinta anos.
[Leia outros Comentários de Zé Caradípia]
16/8/2008
22h07min
Amo Zizi Possi acima de qualquer coisa, tudo que ela canta é maravilhoso. Fico muito triste pelo fato de ela demorar tanto para fazer show em Recife.
[Leia outros Comentários de Giselle Lins ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A GOOD FRIEND - LEVEL 3
ROB WARING
FOUNDATIONS READING LIBRARY
(2010)
R$ 18,00



WOLFGANG AMADEUS MOZART
RICHARD BAKER
JORGE ZAHAR
(1985)
R$ 31,92



PROST! THE STORY OF GERMAN BEER
HORST D. DORNBUSCH
BREWERS PUBLICATIONS
(1997)
R$ 42,28



AMOR E FELICIDADE NO CASAMENTO 1º VOLUME O MATRIMÔNIO
FRITZ KAHN
BOA LEITURA
R$ 5,00



O CARRASCO DO AMOR E OUTRAS HISTORIAS SOBRE PSICOTERAPIA - PSICOLOGIA
IRVIN D.YALON
EDIOURO
R$ 24,00



COMENTARIOS A LEI DE BENEFICIOS DA PREVIDENCIA SOCIAL - 8ª EDICAO - 8 ED.
JOSE PAULO BALTAZAR JUNIOR / DANIEL MACHADO DA ROCHA
DO ADVOGADO
(2008)
R$ 42,00



FOTOGRAFE MELHOR ANO 14 NO. 162 MARÇO 2010
LUIZ CLAUDIO MARIGO, JUAN ESTEVES E OUTROS
EUROPA
(2010)
R$ 9,00



VIDA REAL MUNDO VIRTUAL - COL. QUEM TEM RAZÃO?
ANA PAULA CORRADINI
ESCALA EDUCACIONAL
(2007)
R$ 7,00



CARTAS A UMA JOVEM PSICANALÍSTA - 1ª EDIÇÃO - 1ª REIMPRESSÃO
HEITOR O DWYER DE MACEDO
PERSPECTIVA
(2012)
R$ 58,95



BOLETIM DA ESCOLA SUPERIOR DE ADVOCACIA DA OAB/MG JAN/MAR 1
MARCELO LEONARDO(PRES.OABMG)
REY
(1998)
R$ 15,00





busca | avançada
80183 visitas/dia
2,2 milhões/mês