As noites insanas de Zizi Possi | Márcio Seidenberg | Digestivo Cultural

busca | avançada
35940 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> CONGRESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM DAS ARTES NA AMÉRICA LATINA: COLONIALISMO E QUESTÕES DE GÊNERO
>>> FERNANDA CABRAL SE APRESENTA NA CAIXA CULTURAL BRASÍLIA
>>> Projeto Entrecruzados lança livro e videodança documental
>>> Inscrições Abertas || Residência Artística no Jardim Botânico de Brasília
>>> Gravação de videoclipe quase provoca prisão do irmão de Gabriel o Pensador
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
>>> As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon
>>> T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você)
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> É premente reinventar-se
>>> Contraponto
>>> Aparições
>>> Palavra final
>>> Direções da véspera I
>>> Nada de novo no front
>>> A Belém pulp, de Edyr Augusto
>>> Fatos contábeis
>>> Jaula de sombras
>>> Camadas tectônicas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Melhores Podcasts
>>> Aqui sempre alguém morou
>>> A imprensa dos ruivos que usam aparelho
>>> Entrevista a Ademir Pascale
>>> Leitura vertical e leitura horizontal
>>> O Direito à Estupidez
>>> Simone de Beauvoir: da velhice e da morte
>>> Salinger: uma vida
>>> Pessach: entre o social e o existencial
>>> Entrevista com João Moreira Salles
Mais Recentes
>>> Qual e que e. de Lalau e laurabeatriz pela Cortez (2004)
>>> Arte e Sociedade nos Cemitérios Brasileiros (2 volumes) de Clarival do Prado Valladares pela Conselho Federal de Cultura - MEC (1972)
>>> Veja--1649--o silvio que voce nunca viu. de Editora abril pela Abril (2000)
>>> Veja--2219--voo af 447--panico na cabine. de Editora abril pela Abril (2011)
>>> Revista dos curiosos--3--tira-teima das copas. de Editora europa pela Europa
>>> Tadeu Chiarelli de A Fotografia e o Tempo, Prêmio Porto Seguro 2009 pela Matavelli (2009)
>>> Galileu--7--historia--por que israel nao tem paz. de Editora globo pela Globo (2006)
>>> As Mil e Uma Noites, Contos Árabes III Volume de Anônimo pela Vademecum
>>> Introdução à Antropologia Cultural de Mscha Titiev pela Fundação Calouste Gulbenkian (1969)
>>> Tempo Brasileiro 70 Em Torno de Freud de Joel Birman, Chaim Samuel Katz e outros pela Tempo Brasileiro (1982)
>>> Vivências de Hermann Hesse pela Record
>>> Vidas Paralelas (Rainhas do Romance 52) de Linda Lael Miller pela Harlequin (2011)
>>> Caminhos da Sedução (Harlequin Primeiros Sucessos Livro 53) de Diana Palmer pela Harlequin (2014)
>>> O Gosto Do Pecado - Coleção Harlequin Primeiros Sucessos. Número 37 de Diana Palmer pela Harlequin (2013)
>>> Desafio de uma Vida (Harlequin Primeiros Sucessos Livro 49) de Diana Palmer pela Harlequin (2014)
>>> Amor Eterno - Special 81 de Caroline Anderson pela Harlequin (2013)
>>> Negócios À Parte - Sabrina 1618 de Fern Michaels pela Nova Cultural (2010)
>>> Se houver amanhã - Julia 1354 de Suzanne McMinn pela Nova Cultural (2005)
>>> Um Novo Amor! - Sabrina 1617 de Jerri Corgiat pela Nova Cultural (2004)
>>> Sete anos de feitiço - Coleção Desejo Novo, N° 38 de Heidi Betts pela Harlequin (2006)
>>> Amor fora-da-lei - Série Mavericks - Os Indomáveis 06 de Pat Warren pela Harlequin (2008)
>>> Beijos & Desejos - Coleção Harlequin Desejo Clássicos. Número 5 de Charlene Sands pela Harlequin (2014)
>>> Paixão e Atração - Harlequin Paixão #151 de Lucy Monroe e Trish Morey pela Harlequin (2009)
>>> Uma Noite Inesquecível / Doce Proposta - Harlequin Desejo Livro 227 de Brenda Jackson pela Harlequin (2015)
>>> Paixão Total de Jackie Braun pela Harlequin Books (2009)
>>> A ilha dos deuses de Nora Roberts pela Harper Collins (2016)
>>> Bruxa da noite de Nora Roberts pela Arqueiro (2015)
>>> Um Amor Para Recordar de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2011)
>>> Crepúsculo de Stephenie Meyer pela Intrínseca (2005)
>>> Anjos à mesa de Debbie Macomber pela Novo Conceito (2013)
>>> Nunca diga adeus de Doug Magee pela Arqueiro (2012)
>>> O amor mora ao lado de Debbie Macomber pela Novo Conceito (2013)
>>> Melhor que chocolate: Uma história sobre amor, Paris e teimosia de Laura Florand pela Única (2015)
>>> O lago místico de Kristin Hannah pela Novo Conceito (2014)
>>> O Jeito que me Olha de Bella André pela Novo Conceito (2014)
>>> Não Posso me Apaixonar de Bella André pela Novo Conceito (2013)
>>> Quero ser seu de Bella André pela Novo Conceito (2013)
>>> Um Olhar de Amor de Bella André pela Novo Conceito (2012)
>>> Perto de Você de Bella André pela Novo Conceito (2014)
>>> A arte da ilusão de Nora Roberts pela Harper Collins (2015)
>>> O Presente do Meu Grande Amor. Doze Histórias de Natal de Stephanie Perkins pela Intrínseca (2014)
>>> Para Sempre de Kim e Krickitt Carpenter pela Novo Conceito (2012)
>>> Um Perfeito Cavalheiro de Julia Quinn pela Arqueiro (2014)
>>> Felizes Para Sempre de Nora Roberts pela Arqueiro (2014)
>>> Bem Casados de Nora Roberts pela Arqueiro (2014)
>>> Mar de Rosas de Nora Roberts pela Arqueiro (2014)
>>> Álbum de Casamento de Nora Roberts pela Arqueiro (2013)
>>> Á Primeira Vista de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> Pode Beijar a Noiva de Patricia Calbot pela Essência (2012)
>>> Professional PHP4 Programming (Programmer to programmer) Importado de Deepak Thomas pela Wrox (2002)
COLUNAS

Quinta-feira, 29/6/2006
As noites insanas de Zizi Possi
Márcio Seidenberg

+ de 6200 Acessos
+ 4 Comentário(s)

"Vai rolar, sim!", escreveu, entusiasmada, Zizi em seu perfil do Orkut, confirmando as três apresentações no palco intimista do Sesc Pompéia, no início de junho. Bastou o breve recado para que admiradores de Porto Alegre, de Salvador, do Rio, de Recife e de outras cidades se juntassem aos de São Paulo em busca dos disputados ingressos a R$ 20. Não é sempre essa euforia, não. É que, desta vez, quem acompanha a carreira da artista, sabia: o show seria muito, muito diferente de tudo o que se viu e ouviu nos últimos 8 anos. Zizi, sabiamente e com sobriedade, radicalizou, ao classificar de "insanas" as noites de música que estava preparando...

E quanto significado e quanta importância tem a insanidade para a sempre ponderada, sofisticada e perfeccionista Zizi Possi, que, mesmo podendo desfrutar de irrestrita liberdade artística, nos últimos trabalhos vem se dedicando a projetos de conceito fechado, que exploram, em profundidade, diferentes facetas de seu universo musical. O mais recente deles, o CD/DVD Pra Inglês Ver e Ouvir, traz clássicos de diferentes épocas e estilos do idioma dos Beatles. Em temporada no Teatro Frei Caneca, no ano passado, o show, caríssimo, manteve a intérprete passeando por um repertório em inglês inédito em sua voz - a exceção de "Yesterday", do CD anterior, Bossa, que, apesar de inspirado no movimento idealizado por João Gilberto, permitiu à cantora transitar por parte de sua obra nas poucas apresentações da turnê. Liberdade maior houve em 1999, com Puro Prazer, que, todo em formato piano-e-voz, revisitou músicas mais recentes, depois de 3 anos em que Zizi só cantara em italiano, graças ao bem-sucedido Per Amore, profundo mergulho da artista em suas raízes, na herança familiar e nas canções napolitanas que o avô cantava.

Pois bem, agora Zizi finalmente está às voltas com sua "alma de cantora", em viagem por um repertório que sublinha a trajetória que começou em 1978. Três shows em que o esmero musical, a partir da combinação do violoncelo e violões de Lui Coimbra, da percussão de Guello e do piano e teclados de Jether Garotti Júnior serviu de poderoso instrumento para a voz da intérprete. Ainda que os roteiros, diferentes para cada noite, privilegiassem a triologia acústica - os álbuns Sobre Todas as Coisas (1991), Valsa Brasileira (1993) e Mais Simples (1996) -, que consagrou Zizi como uma das grandes vozes da MPB, foram as canções da década de 1980 que mais surpreenderam.

Zizi pop, Zizi diva
Ela tinha 25 anos quando gravou "Caminhos de Sol" (Hernan Torres/ Salgado Maranhão) com viola 12 cordas, baixo e bateria. Descobriu, 25 anos depois, uma leitura mais suave e singela, somente ao piano preciso de Jether. O mesmo para "Toda Uma História" (Luiz Avellar/ Zizi Possi), hoje mais disciplinada e adaptada ao formato acústico do trio. Teve também a junção de "O amor vem pra cada um" (Beto Fae) e "Asa Morena" (Zé Carapídia), com percussão, piano e violão - um clássico até hoje, ainda que o público, lá no início da carreira da artista, fosse só "Caminhos de Sol": "as pessoas não queriam ouvir a música que eu tinha para cantar. Me lembro que eu parei e falei: gente, vocês precisam me dar a oportunidade de mostrar uma coisa nova. Eu acho que vocês vão gostar dessa música", relembra ela, numa entrevista à rádio Jovem Pan, sobre quando mostrou "Asa Morena" pela primeira vez.

"Nunca" (Lupicínio Rodrigues) é outra que ficou mais envolvente na versão madura. Zizi esticou os tempos da música, dividiu o verso "pra que eu viva", para depois completar "em paz", além de inserir uma citação de "Yesterday" ao final. "É muito interessante cantar com a maturidade de hoje [essas músicas] porque é outra pegada, é outro jeito de dividir, é outra emoção", refletiu, durante o show de reabertura do Scalla, no Rio de Janeiro, há dois anos. Foi quando ela trouxe ao palco algumas músicas antigas, anteriores a Sobre Todas as Coisas, o disco da "virada" artística da intérprete, que, a partir dali, passou a buscar um repertório mais coerente e autêntico consigo mesma, como ela define. Mas o que dizer de toda a obra construída antes e durante os anos 1980?

Parecia que, ao valorizar o apuro musical dos trabalhos acústicos, Zizi se desvinculava do lado supostamente "brega" dos dois últimos discos da fase pop, de quem o hit "Perigo", uma das músicas mais executadas daquela época é fruto, assim como "Noite" (Nico Rezende/ Jorge Salomão), que, numa atitude "insana", foi recriada para o show do Sesc. Saem a guitarra e o baixo da gravação de 1987; entram piano e violoncelo. E Zizi arrancou aplausos saudosistas da platéia.

A verdade é que as músicas, mesmo as mais recentes, crescem no palco. E como crescem... Um exemplo é "O samba e o pandeiro" (Jackson do Pandeiro/ Ivo Martins), em que a cantora vai imprimindo o tom, retardando e acelerando os versos e Guello respeitando a velocidade na percussão, em sintonia. Ou ainda em "Explode Coração", em que Maria Bethânia expande-se e que Zizi canta contido e baixinho, sufoca e espreme ainda mais os versos pungentes de Gonzaguinha. Ela tem o poder de transformar as canções.

E Zizi é também uma cantora que se transforma. Mas uma característica sua manteve-se linear: o domínio cada vez mais definitivo de voz e interpretação. Chico Buarque já reconhecia o talento da artista quando a convidou para gravar com ele "Pedaço de Mim" em 1979; Ivan Lins, também, ao oferecer a canção "A Força", uma preciosidade resgatada recentemente pela compilação Pérolas Raras; Gilberto Gil compareceu com "A Paz" e "Meu Amigo Meu Herói", entre outros compositores.

Estandarte e liberdade
Zizi parece ter recuperado a alegria de poder cantar sua história. Para enaltecer esse momento, depois de uma depressão que a afastou por 4 anos dos discos, o final do show do Sesc foi apoteótico. Primeiro com os versos de "Ar Puro" (Fátima Guedes) à capela, depois a fusão com a marcha "Porta Estandarte" (Geraldo Vandré/ Fernando Lona), verdadeiro hino de celebração: "eu vou levando a minha vida enfim/ cantando e canto sim/ e não cantava se não fosse assim/ levando para quem me ouvir/ certezas e esperanças para trocar/ por dores e tristezas que bem sei/ um dia ainda vão findar". De longe, a mais bonita música das noites, que terminaram com a luxuosa interpretação para "O que é o que é" (Gonzaguinha) e "Juízo Final" (Nelson Cavaquinho/ Élcio Soares).

Talvez os 50 anos, completados em março, tenham trazido essa liberdade irrestrita e a possibilidade de experimentar sem preconceitos, sem amarras. Para a cantora que, ao longo dos 28 anos de carreira, conquistou a maturidade que lhe autoriza qualquer viagem, por que não iluminar com boa dose de insanidade seus próximos vôos?


Márcio Seidenberg
São Paulo, 29/6/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O tigre de papel que ruge de Celso A. Uequed Pitol
02. Dilúvio, de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
03. Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá? de Renato Alessandro dos Santos
04. A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri de Jardel Dias Cavalcanti
05. Píramo e Tisbe de Ricardo de Mattos


Mais Márcio Seidenberg
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/6/2006
12h10min
Um texto que tem a finalidade de tratar da voz de Zizi, uma ternura sem fim, qualquer que seja o show desta Diva, é um recado de amor ouví-la cantar, falar, andar, inexplicavelmente linda transcede todas as formas de imaginar arte. Zizi, uma paixão do canto.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias]
5/7/2006
10h29min
Quem pôde assistir aos shows do SESC pode agora confirmar cada palavra do Márcio em seu texto. Foram apresentações belíssimas, que marcaram as retinas e as memórias de todos aqueles que saíram de diversos lugares para ver a grande intérprete brasileira! Parabéns, Márcio! Viva Zizi!
[Leia outros Comentários de Eduardo Oliveira]
27/7/2006
19h08min
Lindo texto, onde a gente pode sentir que o prazer de escutar, e ver no palco, a grande intérprete que é Zizi Possi: permanece entre as impressões incomensuráveis da arte musical brasileira dos últimos trinta anos.
[Leia outros Comentários de Zé Caradípia]
16/8/2008
22h07min
Amo Zizi Possi acima de qualquer coisa, tudo que ela canta é maravilhoso. Fico muito triste pelo fato de ela demorar tanto para fazer show em Recife.
[Leia outros Comentários de Giselle Lins ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BEBÊ - MANUAL DO PROPRIETÁRIO
LOUIS BORGENICHT E JOE BORGENICHT
GENTE
(2003)
R$ 10,90



PRETTY BABY
WILLIAM HARRISON
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1977)
R$ 9,00



AGAPINHO - ÁGAPE PARA CRIANÇAS
PADRE MARCELO ROSSI
GLOCO
(2012)
R$ 10,00



EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - UMA VISÃO INTEGRADA
MICHAEL MOORE E GREG KEARSLEY
THOMSON
(2007)
R$ 39,00



SPY DOG 05 - NA COLA DO FOGUETE
ANDREW COPE
FUNDAMENTO
(2018)
R$ 12,00



O MUNDO DE JIA ZHANGKE
JEAN-MICHEL FRODON
COSAC NAIFY
(2014)
R$ 70,00
+ frete grátis



GRUNDISSE
KARL MARX
BOITEMPO
(2011)
R$ 59,00



VIVA COM ESPERANÇA
MARK FINLEY / PETER LANDNESS
AFILIADA
(2015)
R$ 10,00



DICIONÁRIO UNESP DO PORTUGUÊS CONTEMPORÂNEO - NOVA ORTOGRAFIA
FRANCISCO S. BORBA (ORG.)
PIÁ
(2011)
R$ 100,00



FORÇAS & FORMAS: ASPECTOS DA POESIA BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA (DOS ANOS 70 AOS 90)
WILBERTH CLAYTHON FERREIRA SALGUEIRO
EDUFES
(2002)
R$ 25,00





busca | avançada
35940 visitas/dia
1,0 milhão/mês