Zizitinho Foi Para o Céu | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sobre o Jabá
>>> Crise da Democracia
>>> Bill Gates e o Internet Explorer
>>> LEM na TV Cronópios
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Poesia para jovens
>>> São Paulo, que dá nome à nossa cidade
>>> Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (3)
>>> Um estranho incidente literário
>>> Na Cama Com Tarantino
Mais Recentes
>>> O Grumete: romance do Brasil colonial do século XVIII de Luiz Carlos Carneiro pela Lake (2003)
>>> A terceira mulher Permanência e revolução do feminino de Gilles Lipovetsky pela Companhia das letras (2000)
>>> Os Limites da Paixão de Norma Jorge Moreira pela Dpl (2005)
>>> Vivendo uma História de Amor de Humberto C. Pazian pela Letras & Textos (2000)
>>> Elos Sem Fim de Deborah Cristina e Mello de Jesus (Espírito) pela Minas (2001)
>>> A eleição da criançada de Pedro Bandeira pela Melhoramentos (2006)
>>> Violência de Gênero e Políticas Públicas de Suely Souza de Almeida (Org.) pela Ufrj (2007)
>>> Ana levada da breca de Maria de Lourdes Krieger pela Moderna (2002)
>>> Psicanálise da criança de Melanie Klein pela Mestre Jou (1969)
>>> O Cipreste no Jardim de Osho pela Cultrix (1997)
>>> Los Hermanos Rico de Georges Simenon pela Punto de Lectura (2005)
>>> Não conte a ninguém de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Uma dobra no tempo de Madeleine L'Engle pela Harper Collins (2017)
>>> Diários de Berlim de Marie Vassiltchikov pela Boitempo (2015)
>>> Fidel Castro. Biografia a Duas Vozes de Ignácio Ramonet pela Boitempo (2016)
>>> Globalização, Dependência e Neoliberalismo na América Latina de Carlos Eduardo Martins pela Boitempo (2011)
>>> Paris, Capital da Modernidade de David Harvey pela Boitempo (2015)
>>> Geriatria Moderna Para Leigos - Série Viver A Vida de Newron Luiz Terra e Colaboradores pela Leitura XXI (2007)
>>> O Ano I da Revolução Russa de Victor Serge pela Boitempo (2007)
>>> Práticas Psicogerontológicas Nos Cuidados De Idosos de Eliana Novaes Procópio pela Juruá (2012)
>>> O Envelhecimento de Luiz Eugênio Garcez Leme pela Contexto (1998)
>>> A Ilíada (Em Verso) de Homero pela Ediouro
>>> Psicogerontologia Fundamentos e Práticas de Diana Silvina Singer e Colaboradores pela Juruá (2009)
>>> A Montanha que Devemos Conquistar de István Mészáros pela Boitempo (2015)
>>> Desenvolvimento e Envelhecimento: Perspectivas biológicas, psicológicas e sociológicas de Anita Liberalesso (org.) pela Papirus (2012)
>>> A Ilíada (Forma Narrativa) de Homero pela Ediouro
>>> Poder e Desaparecimento de Pilar Calveiro pela Boitempo (2019)
>>> Eneida de Virgílio pela Ediouro
>>> As Ilusões Perdidas de Honoré de Balzac pela Abril Cultural (1978)
>>> A Aldeia Ancestral de Pearl S. Buck pela Gráfica Brasileira (1950)
>>> Trabalho e Dialética - Hegel, Marx e a Teoria Social do Devir de Jesus Ranieri pela Boitempo (2011)
>>> Crime e Castigo - 2 volumes de Dostoiévski pela Abril Cultural (1979)
>>> O Conhecimento do Cotidiano As Representações Sociais Na Perspectiva Da Psicologia Social de Mary Jane Spink (org) pela Brasiliense (1995)
>>> Lutas de Classes na Alemanha de karl marx e Friedrich Engels pela Boitempo (2010)
>>> O Conhecimento Confiável: Uma Exploração Dos Fundamentos Para a Crença na Ciência de John Ziman pela Papirus (1996)
>>> O Paradoxo da Moral de Vladimir Jankelevitch pela Papirus (1994)
>>> Uma Mensagem Profética Para Sua Vida de Silas Malafaia pela Central Gospel (2011)
>>> Educação não é privilégio de Anísio Teixeira pela Ufrj (2007)
>>> Germinal de Émile Zola pela Abril Cultural (1979)
>>> Soledad no Recife de Urariano Mota pela Boitempo (2009)
>>> Quando A Nossa Fé É Provada de Silas Malafaia pela Central Gospel (2011)
>>> As Aventuras do Sr. Pickwick de Charles Dickens pela Abril Cultural (1979)
>>> No Caminho de Swann de Marcel Proust pela Abril Cultural (1979)
>>> Dom Quixote de La Mancha de Cervantes pela Abril Cultural (1978)
>>> Aborto Perda e Renovação: Um Paradoxo Na Procura da Identidade Feminina de Eva Pattis pela Paulus (2000)
>>> Ana Karênina - 2 volumes de Tolstói pela Abril Cultural (1979)
>>> Sonhos A Essência Orientando A Existência de Djalma Argolo pela Amar (2012)
>>> A Sabedoria dos Sonhos Para Desvendar O Inconsciente Feminino de Karen A. Signell pela Ágora (1998)
>>> Vivências da Maternidade e Suas Consequências Para o Desenvolvimento Psicológico do Filho de Eliana Marcello de Felice pela Vetor (2006)
>>> Os Sentidos Do Sintoma Psicanálise E Gastroenterologia de Paulo Roberto de Sousa pela Papirus (1993)
COLUNAS

Quarta-feira, 10/6/2015
Zizitinho Foi Para o Céu
Marilia Mota Silva

+ de 2200 Acessos

Era de se esperar, ele já estava velho, já quase não dançava, nem quando cantávamos ai ai ai ai, está chegando a hora, ou Trem das Onze, as preferidas dele. Não que fosse um grande dançarino, seu repertório era modesto: andava de lado, dois, três passinhos, ida e volta, ou mergulhava a cabeça e reerguia depressa, o pescocinho obliquo, seguindo o ritmo, as garras firmes no poleiro.

Não era muito falador mas se comunicava: Batia o bico na treliça da gaiola e fazia um escarcéu danado quando alguém chegava em casa e não ia falar com ele. Em dias mais rebeldes, jogava sementes no chão, ou fingia indiferença, camuflado no seu cobertorzinho de pelúcia verde-mato. Solteirão, ranzinza, afetuoso, apreciador de música e de festa, tinha nascido em cativeiro e o mais longe que ousava, com a gaiola aberta, era o ombro ou a cabeça de alguém próximo. Ou o chão, o que era um perigo, porque seria fácil pisar inadvertidamente naquele feixezinho de penas verdes.

Um dia, no café da manhã, Theo, sete anos, foi levar um pedaço de fruta para ele e voltou dizendo que Zizitinho estava dormindo numa posição esquisita: no piso da gaiola, as perninhas pra cima. Foi uma correria, uma choradeira!

Seguiu-se o inevitável, os rituais do enterro, a caixa de sapato enfeitada com mensagens e desenhos das crianças, Zizitinho aconchegado na pelúcia verde, ao lado, seu espelho, seus brinquedos; a cova esperando ao pé da macieira.

Mas o caçula dos irmãos, inconsolável, tentava interromper o ritual estranho:

- Quedê o Zizitinho? - perguntava, tocando o montinho frio de penas. - Onde ele foi?

Onde foi a vida que existia nele? A pergunta que com todo o avanço da ciência não sabemos responder.

- Zizitinho foi para o céu, - disse o pai.

A mãe e os irmãos vieram em seu socorro: - Ele está muito feliz, foi encontrar a família dele! E, aos poucos, surgiu um céu em tons de azul e verde, com árvores, crianças, água de riacho e música, naturalmente.

Como viver sem mitos? Mesmo que um dia todas religiões e crenças fossem abolidas pelo bem da humanidade, eles renasceriam cada vez que nascesse uma criança. E não seria apenas porque precisamos de criar histórias para responder às perguntas que não tem resposta. É porque que o sublime faz parte de nós, a intuição da beleza, da harmonia.

Nem o mais tranquilo dos ateus está imune à transcendência, nem que seja sob a forma de pensamento mágico. Nietzsche, que famosamente declarou a morte de Deus e influenciou meio mundo com sua filosofia, escreveu a sua amiga Malwida von Meysenbug, em 1877: Como vim parar em Lugano? Realmente eu não queria vir para cá, mas é onde estou. Quando eu cruzava a fronteira da Suiça, debaixo de uma tempestade, caiu um único raio seguido de um forte trovão. Tomei isso como um bom presságio.

Não há como negar: a magia, os deuses nos habitam. Mesmo que obscuramente, ouvimos em nós, às vezes, um murmúrio de oração, um senso íntimo de deslumbramento, de devoção a um todo que nos acolhe e dá sentido, não importa o nome que lhe damos, Tupã, Zeus, natureza, amor divino. Faz parte de nossos genes, tanto quanto nossas misérias.

No entanto, temos negado esse nosso lado há muito tempo. As ideologias que dominaram o século passado e ainda nos dominam, o consumismo, o materialismo, com liberdade ou sob opressão totalitária, deixam à míngua nossas necessidades e recursos espirituais.

E onde isso nos trouxe? À banalidade, ao vazio, ao aumento do consumo de drogas legais e ilegais, ao aumento da violência. Nossos valores hoje são a ganância, o egoísmo, a desonestidade, a mentira sistemática, o enriquecimento ilícito, a exploração dos que trabalham em benefício dos que se locupletam, a perda de confiança nas instituições, a truculência como norma social.Todos os sistemas de governo e organização social dão sinais de esgotamento.

É um momento crítico esse que atravessamos, e por isso mesmo, um momento carregado de promessas, de energia transformadora; fértil para o surgimento de uma nova filosofia e novas lideranças.


Marilia Mota Silva
Arlington,VA, 10/6/2015


Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva em 2015
01. Memorial de Berlim - 23/12/2015
02. O Velho e Bom Complexo de Inferioridade - 4/2/2015
03. Minha Terra Tem Palmeiras - 15/7/2015
04. Pendurados no Pincel - 18/3/2015
05. Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (2) - 25/2/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A PSICANÁLISE ENTRE DOIS NARCISOS; NARCISO, ÉDIPO E O OUTRO
TEMPO PSICANALÍTICO, Nº 1 E 2, VOL 7 DE 1984
SOC PSICANÁLISE IRACY DOYLE
(1984)
R$ 15,28



CANÇÃO DO MAR
PAT CONROY
CIRCULO DO LIVRO
(1995)
R$ 29,90
+ frete grátis



LIVRO DE VISITAS
MÁRCIO TÁVORA
BRAZILBIZZ
(2014)
R$ 16,51



RETIRO COM PE. SLAVKO NO BRASIL
PE. SLAVKO
LOYOLA
(1989)
R$ 30,00



A MORTE DO PLANETA (PENTALOGIA #4)
J. W. ROCHESTER; WERA KRIJANOWSKAIA
BOA NOVA / LUMEN
(1997)
R$ 15,00



MEU DOMINGO COM CRISTO B-3
PE JOSÉ GERALDO RODRIGUES
SANTUÁRIO
(1986)
R$ 5,00



ARQUIVOS DO NORTE
MARGUERITE YOURCENAR
NOVA FRONTEIRA
(1986)
R$ 20,00
+ frete grátis



DO-IN (LIVRO COMPLETO)
MARGO GEESDORF
RIGEL
(1973)
R$ 15,00



A LUA DE YAKUZA: SURPREENDENTES REVELAÇÕES DA FILHA DE UM GÂNGSTER
SHOKO TENDO
ESCALA
(2010)
R$ 12,00



DOM JOÃO VI NO BRASIL 1808-1821 SEGUNDO VOLUME
OLIVEIRA LIMA
JOSÉ OLYMPIO
(1945)
R$ 377,06





busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês