O Artista | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 13/3/2012
O Artista
Duanne Ribeiro

+ de 2700 Acessos

O Artista, filme do francês Michel Hazanavicius, possui personagens cativantes, beleza visual e uma história leve e divertida. Não só, chama de imediato a atenção pelo uso de uma forma antiga, a do cinema do início do século XX e antes. Em preto e branco, mudo (ou quase), com falas escritas na tela e trilha orquestrada, essa produção retoma esses recursos não por fetiche, mas como modo de reforçar a narração. O diretor brinca com o que esperaria um espectador de hoje, põe nossa percepção para funcionar de outra maneira e nos dá a chance de nos identificarmos com seu tema central, isto é, tempo e identidade - ou, mais precisamente, como lidamos com a mudança.

O contexto da narrativa é o momento de transição das produções silenciosas ao cinema falado. À época, a nova tecnologia alijou vários profissionais da indústria. É o caso de um dos protagonistas, George Valentin. Prestigiado como ator mudo, não encontra mais espaço no mundo ocupado pelos talkies e declina. Ele insiste em filmar à maneira antiga (preferindo-a como Charles Chaplin por algum tempo o fez) e fracassa com o público. Perde sua riqueza, sua mansão e objetos de estima (o retrato à óleo de corpo inteiro, seu sorriso paralisado), se endivida e se isola. A linha principal do enredo é essa queda, a luta de Valentin contra seu orgulho e decepção.

A outra protagonista é Peppy Miller, atriz que por sua espontaneidade e ousadia (assim como por uma ajuda inicial de Valentin) ascende ao estrelato. Sua amizade com o ator já obsoleto é cheia de admiração e flerta com o romance - e será essencial no desfecho.

Uma cena do filme sintetiza a ideia principal desses movimentos mais gerais. Valentin está saindo do estúdio, depois de recusar as inovações técnicas. Ele encontra Peppy, que vai na direção contrária. Em uma tomada panorâmica, vemos três andares e o fluxo sem interrupção dos funcionários entre eles. Os dois protagonistas no centro, um desce pelos andares, outro sobe. Em uma metáfora sutil, vê-se a troca do velho pelo novo e dança de posições contínua, que exige renovação mesmo para se manter no mesmo lugar.

Essa tema remete a uma obra certamente referencial para Hazanavicious. Em Luzes da Ribalta, de Chaplin, um velho comediante perde o prestígio; seus números não atraem o público e a falta de reconhecimento o deixa travado no palco e o estimula a beber para conseguir ser engraçado. Um dia, bêbado, voltando para casa, salva uma jovem vizinha do suicídio. É uma bailarina que por certos bloqueios internos não consegue atuar. Esses dois personagens se ajudam a encontrar um novo espaço.

O esquema é o similar ao de O Artista, mas em Luzes... o impedimento a ser superado é o receio do risco, enquanto no primeiro trata-se da soberba, como dito. A criatividade é um elemento central em ambos, mas há diferenças: na obra chapliniana, são ressaltados a coragem e o esforço envolvidos; na do outro diretor, na naturalidade com que alguém adapta suas habilidades às chances que o meio lhe dá. Parte da leveza do filme surge daí - sente-se que o sucesso e a alegria são possíveis a partir do passo disposto.

O restante dessa leveza vem das características dos relacionamentos "mais verdadeiros" da produção. De um lado, temos as relações determinadas pela condição atual - Doris, a mulher mesquinha de Valentin, o abandona; Al Zimmer, chefe do estúdio, define suas preferências de acordo com o mercado. Do outro lado, o cachorrinho do ator, Jack, e seu mordomo, Clifton, assim como Peppy, são marcados por uma confiança perene. Nessas amizades, sobressaem a fidelidade e o desprendimento. Na torrente de mudanças que os indivíduos se encontram, essas são coisas que permanecem. Lembra a música: "Quem está agora a seu lado? Quem para sempre está? Quem para sempre estará?".

Recursos do Cinema Silencioso
Poderíamos recordar também Cantando na Chuva, de Stanley Donen e Gene Kelly, cuja história se passa igualmente na transição do silente ao sonoro. Outra aproximação seria possível com A Última Gargalhada, de F.W. Murnau, no qual vemos um homem perder seu emprego e seus motivos de autoestima (assista). A presença de um cão carismático e heróico lembra outro Chaplin, Vida de Cachorro (assista), e Rin Tin Tin e outros vários cães que se tornaram estrelas em Hollywood. A Peppy de Hazanavicious é semelhante a Peppy de King Vidor em Fazendo Fita (veja trecho), como notado aqui.

O Artista, no entanto, não se reduz à intertextualidade vazia. Em primeiro lugar, porque o filme, apesar das referências, tem sempre em vista o público contemporâneo. Um dos recursos usados foi se aproveitar do nosso, digamos, hábito sonoro. Conforme ressalta esse articulista, nas cenas iniciais, Valentin está nos bastidores de um cinema enquanto o público assiste à sua atuação na tela grande. A câmera alterna entre os dois. Quando o filme termina, ela foca no rosto expectante do ator. Sem nenhum estímulo aparente, ele sorri, mas é porque explodiram os aplausos, de modo algo surpreendente para nós que, o diretor sabe, antecipamos o som. Outros truques do tipo dão força a essa interpretação.

Em segundo lugar, essa forma específica parece nos deixar em uma disposição peculiar. "Você está assistindo e rindo e se rendendo a esse frívolo nonsense, e há uma parte sua se perguntando por que você tão alegremente deixou seu cérebro na porta de entrada", escreveu o roteirista William Boyd, "a resposta, eu acho, é um tributo oblíquo ao poder do cinema silencioso. (...) Você é tocado de forma mais simples e eficiente; sua objeção intelectual ao melodrama desaparece; questões de plausibilidade e naturalismo parecem irrelevantes porque o campo do filme mudo, preto e branco, é maneirista e artificial".

Ainda segundo Boyd: "Você descobre que, inconscientemente, um arranjo diferente de ferramentas mentais foi acionado - você consome o filme de uma maneira distinta e a experiência é revigorante". Por um outro ângulo, ele expressa o mesmo que A Vida em Preto e Branco, de Gary Ross. Na produção, os protagonistas passam a viver no mundo de uma série televisiva dos anos 1950 - e o cenário preto e branco é como que símbolo de um universo mais ingênuo, mais simplório, mais sincero.

Por fim, essa forma nos faz experimentar a mesma inquietação de Valentin: estamos frente à mudança: um modo de narrar com o qual não somos acostumados e sobre o qual nós talvez pensemos que não nos tem nada a oferecer. Descobrimos, enfim, como eles, que o inesperado/indesejado pode ser repleto de possibilidade.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 13/3/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Melhor que muito casamento de Ana Elisa Ribeiro
02. Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando de Elisa Andrade Buzzo
03. 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis de Ana Elisa Ribeiro
04. Minha plantinha de estimação de Elisa Andrade Buzzo
05. Bates Motel, o fim do princípio de Luís Fernando Amâncio


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2012
01. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem - 2/10/2012
02. Corpo é matéria, corpo é sociedade, corpo é ideia - 4/9/2012
03. Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge - 14/8/2012
04. Èpa Bàbá Oxalá! na Nota de Real - 3/4/2012
05. Cinco Sugestões a Autores de Ficção Científica - 7/2/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PSICOLOGIA APLICADA À EDUCAÇÃO VOL. 1
KURT MÜLLER
EDUSP
(1977)
R$ 22,00



BREAKING THE CHAIN
WILLY VOET
YELLOW JERSEY
(2001)
R$ 24,00



PAPOULAS VERMELHAS DE ALAI UM ROMANCE DO TIBETE
ALAI
OBJETIVA
(2003)
R$ 10,00



FALANDO DE AMOR
FLÁVIO GIKOVATE
MG
(1976)
R$ 9,93



POLLYANNA
ELEANOR H PORTER
NACIONAL
R$ 25,00



BUILDING SKILS FOR THE TOELF - SECOND EDITION
CAROL KING AND NANCY STANLEY
NELSON
(1989)
R$ 15,00



RIGOLETTO
GUSTAVO MARCHESI & OUTROS
AZZALI
(1985)
R$ 22,31
+ frete grátis



PSICOLOGIA E SENTIDO DO PECADO
MARC ORAISON
PAULINAS
(1974)
R$ 12,00



PROCEDIMENTOS ESPECIAIS
ANTONIO CARLOS MARCATO
ATLAS
(2008)
R$ 30,00



TRABALHO EM GRUPOS E AUTONOMIA COMO INSTRUMENTOS DE COMPETIÇÃO
ROBERTO MARX
ATLAS
(1998)
R$ 10,00





busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês