Sobre a literatura de Evando Nascimento | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
59843 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Pousada e Recanto dos Pássaros – Sítio Vô Elias Maffei
>>> Coreógrafa carioca Esther Weitzman ministra oficina gratuita de dança no Sesc Santana
>>> Caleidos apresenta “Entrevista” para gestores e professores da rede pública de São Paulo
>>> É HOJE (30/9): Mostra Imaginários no Cine Bijou
>>> Etapa apresenta concerto gratuito da Camerata Fukuda com o violinista Ricardo Herz
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
Colunistas
Últimos Posts
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
Últimos Posts
>>> Liberdade
>>> Idênticos
>>> Bizarro ou sem noção
>>> Sete Belo
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 50 anos de Bossa Nova
>>> O humor da Belle Époque
>>> 24 de Março #digestivo10anos
>>> Lendo Virgílio, ou: tentando ler os clássicos
>>> Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim
>>> Kindle DX salvando os jornais?
>>> A Casa de Ramos
>>> Reconhecimento
>>> A hora exata em que me faltaram as palavras
>>> Salão do Livro para crianças
Mais Recentes
>>> Os Pensadores- Vida e Obra (1694-1778) de Voltaire pela Abril (1978)
>>> Iluminando o Morrer de Júlio de Queiroz pela Insular (2007)
>>> Marketing sem Pena - Só Quem Anuncia Vende Dúzias de Antonio Trotta pela Gutenberg (2004)
>>> Diogo & Diana - a Trilha da Lua Cheia de Tabajara Ruas e Nei Duclós pela Galera Record (2011)
>>> Marketing For Hospitality and Tourism de Philip Kotler John Bowen James Makens pela Prentice Hall (1999)
>>> A Força da Mente de Heigorina Cunha pela Instituto de Difusão Espírita (2006)
>>> Coração Estranho de Jakson Luiz Collaço pela Do Autor (2006)
>>> Meus Filhos - 14ª Edição de A Balbach pela Edel
>>> Os Gaúchos e o Churrasco, uma Jornada ao Redor do Fogo de Ricardo Bueno pela Quattro (2018)
>>> Rifare La Casa a Trem Po Di Record , Le Case Disegnate Dal Clima de Varios Autores pela Do Autor (1977)
>>> Tia Magi Ensina o Abracadabra de Terence Blacker pela Melhoramentos (1998)
>>> Análise de Projetos de Investimento de Paulo Henrique Soto Costa Ediardo Vieira Attie pela Fundação Getúlio Vargas (1984)
>>> O Escravismo Antigo de Mario José Mastri Filho pela Atual (1985)
>>> Intimidades: Em Busca do Amor-perfeito de Rita Fedon pela Imprensa Livre (2006)
>>> Calentura de Paulo Aberto e Monteiro de Barros pela Nova Fronteira (1986)
>>> Medicina e Manipulação de Bernhard Haering pela Paulinas (1977)
>>> Exercise Electrocardiography de Edward K. Chung pela Williams & Wilkins (1984)
>>> Vi Simpósio Latinoamericano de Aquicultura de Associação Latinoamericana de Aquicultura pela Abraq (1988)
>>> Antibióticos na Prática Médica de Amato Neto e Outros pela Gremed (1978)
>>> O Policial Militar e o Estatuto da Criança e do Adolescente de Silva Dejai Pinto Coordenação pela Ioesc
>>> Política Cultural - Série Tempo de Pensar de Marilena Chauí e Outros pela Mercado Aberto (1984)
>>> Psicologia Geral - Elementos de Psicologia de Abel B Pereira pela Do Autor
>>> A Literatura Brasileira no Século XX - Série Revisão 13 de José Hildebrando Dacanal pela Mercado Aberto (1984)
>>> A Economia da Transformação de Carlos Geraldo Langoni pela Bibliex (1976)
>>> Orientação Alimentar do Lactente de Orlando a Monassa pela Ufpr (1984)
COLUNAS

Terça-feira, 8/3/2022
Sobre a literatura de Evando Nascimento
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3400 Acessos



No livro A desordem das inscrições (contracantos), Evando Nascimento afirma: “Amo o improviso, sobretudo do jazz. Todavia, justamente nessa arte, improvisar nada tem de amadorístico, pois, para bem realizá-lo, o músico precisa dominar perfeitamente a técnica, e o faz geralmente a partir de uma linha melódica pré-definida. O verdadeiro improviso equivale a poder andar de olhos fechados por um vasto território, depois de tê-lo palmilhado atentamente de olhos bem abertos, durante anos, décadas.”

Esta talvez seja a chave essencial para se compreender a literatura (e os ensaios) de Evando Nascimento. Dentre a vasta produção do autor, seja na área ensaística ou da criação de contos e romance, o que se pode perceber é que existe uma correlação entre um pensamento de ruptura, de experimento e, ao mesmo tempo, uma segurança em relação ao que se quer transmitir.

Então, o improviso, se quisermos usar essa palavra, não tem aqui nada de superficial, ao contrário, tem bases sólidas em leituras e frequentação a um universo literário, artístico e filosófico muito bem assimilado. Seja num ensaio sobre Clarice Lispector, seja numa discussão sobre um teórico da literatura (Silviano Santiago) ou da filosofia (Derrida), seja uma discussão sobre a arte de Oiticica, seja numa palestra ou na sua produção literária, vamos encontrar uma reflexão que não é aventureira, superficial ou cambaleante. O solo é firme, assegurado por amplo conhecimento de causa, o que não impede os voos ousados em todas essas áreas. A combinação de boa formação universitária e convivência com a literatura e as artes, claro, colaboraram para isso.

O que nos ocupa aqui é pensar a área de criação literária de Evando Nascimento, embora sua ensaística e seus contos (e também seu romance recente sobre Van Gogh) se casem perfeitamente no seu projeto como pensador. Insisto, desde já, na palavra pensador (jamais a palavra “intelectual” caberia aqui, pois estamos tratando de um homme de lettres), porque a interconexão entre invenção e reflexão não se descasam em nenhuma das áreas em que o autor navega. Aliás, uma das maiores riquezas de sua obra é justamente a não separação dessas áreas, produzindo uma crise nos gêneros que, em outros tempos, inclusive, se criticavam e se demarcavam numa separação como afirmação de seu valor particular e até hierárquico.



Nos trabalhos de Evando Nascimento esses muros que dividiam áreas de criação e pensamento foram dinamitados. O encontro ou a não demarcação desses gêneros é, portanto, uma atividade que permite ao autor um livre e pleno desenvolvimento da imaginação, não seu contrário. Vale notar que essa superação não se dá por meios puramente intelectuais, mas como necessidade de ampliar o campo imaginativo da literatura que o autor produz.

A sua produção literária compreende os seguintes livros: Retrato Desnatural (Diários - 2004 a 2007), publicado pela Record em 2008; Cantos do Mundo, publicado pela Record em 2011; Cantos Profanos, publicado pela Biblioteca Azul, em 2014; A Desordem das Inscrições (contracantos), publicado pela 7 Letras, em 2019; e sua recente obra, o romance Diários de Vincent (impressões do estrangeiro), publicado pela Circuito, em 2021.

No que diz respeito aos seus contos, cuja própria determinação “conto” como gênero definido fica incerta, a literatura apresenta-se como uma ruptura de todos os nosso hábitos e, acima de tudo, de nossos hábitos poéticos. Como se o autor obrigasse a literatura a apagar seus elementos que a definiriam exemplarmente e simplesmente como literatura. É um outro campo que se abre, também, para o leitor, convidado a rever sua condição de “leitor de literatura”.

Existe uma frase de Bachelard que poderíamos usar como ferramenta de entendimento da literatura de Evando Nascimento: “É necessário que o leitor se prepare dinamicamente para receber sua revelação ativa, para aí colher uma nova experiência das maiores mobilidades vivas: a mobilidade da imaginação.”

A produção de um livro como Diários, tratado como ficção, já coloca o problema da “certeza” em questão, afirmando o primado da imaginação. Em um de seus ensaios, “Uma leitura nos trópicos”, o autor chama a atenção para a ideia de que “o que se fez imperativo nos últimos anos foi tornar cada vez mais iniludíveis os jogos entre subjetividade e objetividade.” Aliás, um dos pontos centrais da arte moderna é justamente a falência de uma relação clássica entre sujeito e objetos artísticos. E Evando Nascimento, conhecedor profundo de Derrida, com ele se irmana na ideia de que “o texto é um tecido, uma composição heterogênea feita de muitos fios, os quais uma vez entrelaçados implicam muitas camadas de leitura”.



Nesse sentido, a experiência do leitor é a de quem vai ter que aceitar o jogo do inverossímil como verdade, ou da verdade como inverossímil, para poder ter a experiência de uma reflexão criada na areia movediça da invenção literária. De certo modo, sabemos, só a arte proporciona essa entrada. O que importa na literatura de Evando Nascimento é borrar as áreas do saber e do criar, do pensar e do imaginar, é borrar as áreas da verdade e da não verdade, do objetivo e do subjetivo, numa construção que implode qualquer pragmatismo ou positivismo.

Há uma passagem em A Desordem das Inscrições que também serve como uma das chaves para adentrar a literatura do autor: “Um negro e um laranja bem fortes invadem a imagem, até se confundirem numa única mancha de negror alaranjado, tom sobre tom”. Por isso a não proposição de conceitos que formem uma unidade de sentido. Na sobreposição caudalosa das várias vertentes do autor como ensaísta, escritor, poeta, artista plástico, o resultado é a impossibilidade de uma unidade de significação que tinge todas as áreas “desessencializando as identidades discursivas”, como queria Blanchot.

Na avaliação de Leyla Perrone-Moisés, o tipo de literatura produzida por Evando Nascimento é daquelas “que desconfiam do sujeito como 'eu', do narrador, da narrativa, das personagens, da verdade e das possibilidades da linguagem de dizer a realidade. (...) Desconfiam da literatura como instituição e repetição de fórmulas.”

Leyla cita uma passagem do autor para falar da queixa dos escritores que hoje têm que lidar com o excesso de informação que os oprime: "Quando se começa, nunca se está diante da folha ou da tela em branco, no papel, pano ou cristal líquido, a folha lívida e lisa já está cheia de clichês, montoeira de inutilidades que é preciso limpar para iniciar o trabalho, e o principal clichê foi o que acabei de mencionar."

Ainda, segundo Leyla, “Evando Nascimento é o mais ensaístico de todos; fala de arte, de política, contém sua própria teoria e sua própria crítica, restando muito pouco a dizer ao 'amável crítico' que ele interpela ironicamente”.

Essas são virtudes de sua obra, que encontra um lugar dentro do universo de todas as rupturas que assistimos do século XX até hoje. Mas não repetindo fórmulas já consagradas, aponta para um lugar de risco, novo, ousado e aberto. “A única solução talvez seja simplesmente diferir”, diz o escritor. Para Evando Nascimento, como ele registra, a sua literatura pretende ter "um olhar desnudado sobre o incêndio, tentando segurar as brasas com os dedos e correndo o risco de esfolamento...".



Existe um elemento nos escritos de Evando Nascimento que não posso deixar de comentar. É aquela sensação de prazer que nos acomete nas leituras, fruto não só da percepção que temos do seu domínio impressionante da linguagem, mas daquela clareza de quem sabe comunicar o que necessita ser comunicado, com estilo, sem precisar ser empolado, acadêmico, ou seja, chato. O autor tem aquela leveza de quem sabe surfar nas ondas em que entra. E isso fica claro no espetáculo que assistimos, dessa flutuação leve e ao mesmo tempo sobre controle, em que as ondas tornam-se parte de seu corpo-escrita e lhes servem bem no seu balé aquático-literário.

Não surpreende que o novo livro de Evando Nascimento, O Pensamento Vegetal: a literatura e as plantas (Civilização Brasileira), aproxime plantas e literatura, numa análise “para além do cogito humano”, numa pesquisa sobre a tradução do universo vegetal pela literatura, essa forma singular de comunicação entre os humanos e a natureza.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 8/3/2022


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis de Jardel Dias Cavalcanti
02. Arte sem limites de Fabio Gomes
03. Mais outro cais de Elisa Andrade Buzzo
04. Sobre Jobs e Da Vinci de Noah Mera
05. Educação de Verdade de Daniel Bushatsky


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2022
01. Gramática da reprodução sexual: uma crônica - 7/6/2022
02. Risca Faca, poemas de Ademir Assunção - 15/2/2022
03. G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas - 1/3/2022
04. O canteiro de poesia de Adriano Menezes - 31/5/2022
05. Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça - 26/4/2022


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Férias na Draculândia
Carlos Queiroz Telles e Eneas Carlos Pereira
Ftd
(1991)



O Corpo Traído
Alexander Lowen
Summus Editorial
(1979)



Livro - A Linha de Sombra
Joseph Conrad
Biblioteca Folha
(2003)



Psicologia Nas Organizações/ 3ª Ed
Paul E. Spector
Saraiva
(2010)



Antigos e Modernos Diálogos Sobre a (Escrita da) História
Francisco Murari Pires
alameda
(2009)



Epistemologia das Ciências Hoje
Carlos Henrique Escobar
pallas
(1975)



Dominando Netbeans
Edson Gonçalves
Ciência Moderna
(2006)



Os Magnatas - Confira !!!
Charles R. Morris
L&pm Editores
(2006)



Gendarme
Mark T. Mustian
Record
(2011)



Anjos, Demônios e Espíritos
Francisco Cartaxo Rolim
vozes
(1998)





busca | avançada
59843 visitas/dia
2,0 milhão/mês