Cadê a Marta? | Félix Maier

busca | avançada
28528 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
Colunistas
Últimos Posts
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
Últimos Posts
>>> Pós-graduação
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
>>> Terras da minha terra
>>> A bola da vez
>>> Osmose vital
>>> Direções da véspera V
>>> Sem palavras
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> Lulu Santos versus Faustão
>>> Aperte o play
>>> Banana Republic
>>> Em terra de cego, quem tem olho é Pelé
>>> O MP3 aconselha
>>> Cultura pop
>>> Monteiro Lobato: fragmentos, opiniões e miscelânea
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> Borges: uma vida, por Edwin Williamson
Mais Recentes
>>> O Modernismo de Affonso Ávila pela Perspectiva (2002)
>>> Sempre é Tempo de Wanda A. Canutti pela Eme (2007)
>>> Não leve a Vida tão a Sério de Hugh Prather pela Sextante (2003)
>>> Gestão da Emoção de Augusto Cury pela Benvirá (2015)
>>> Sem medo de ser Feliz de José Carlos De Lucca pela Petit (1999)
>>> Schifaizfavoire de Mário Prata pela Planeta (2011)
>>> Casais Inteligentes Enriquecem Juntos de Gustavo Cerbassi pela Gente (2004)
>>> O Mulato de Aluísio Azevedo pela Ática (1998)
>>> Senhora de José de Alencar pela Ática (1996)
>>> Fome de Milagres de Virgil Gheorghiu pela Difusão Europeia do livro (1959)
>>> O Maior Vendedor do Mundo - 2ª parte de Og Mandino pela Record (1988)
>>> Monsehor Quixote 4ªed. de Graham Grene pela Record (1982)
>>> Mrs Polifaz e o Triângulo Dourado de Dorothy Gilman pela Casa Maria (1988)
>>> O Dossiê Pelicano de John Grisham pela Rocco (1993)
>>> Introdução à Economia Solidária de Paul Singer pela Perseu Abramo (2013)
>>> Tchapaiev - Coleção Romances do Povo - Direção de Jorge Amado de Dimitri Furmanov pela Vitoria (1954)
>>> O Dia do Chacal - Clássicos Modernos 6 de Frederick Forsyth pela Abril Cultural (1974)
>>> Drácula de Bram Stoker pela Nova Cultural (2002)
>>> Don Juan ou a Fascinante Vida de Lord Byron de André Maurois pela Nova Fronteira (1966)
>>> Resistência de Agnés Humbert pela Nova Fronteira (2008)
>>> Episódio da Vida de Tibério de J. W. Rochester psicografado por Wera Krijanowsky pela Lake (1999)
>>> Tutaméia - Terceiras Estórias de João Guimarães Rosa pela José Olympio (1979)
>>> Dias Perdidos de Lúcio Cardoso pela Civilização Brasileira (2006)
>>> Fauna Terrestre no Direito Penal Brasileiro de Luciana Caetano da Silva pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2001)
>>> Filosofia do Estado Em Hegel (Capa dura) de Célio César Paduani pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2005)
>>> Filosofia do Estado Em Hegel (Capa dura) de Célio César Paduani/ Autografado pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2005)
>>> Criação de Alister Mcgrath pela Hagnos (2011)
>>> Processo de Hermenêutica na Tutela Penal dos Direitos Fundamentais de Eugênio Pacelli de Oliveira pela Del Rey/ Belo Horizonte (2004)
>>> Organismos Geneticamente Modificados de Marcelo Dias Varella/ Ana Flávia Barros- Platiau pela Del Rey/ Belo Horizonte (2005)
>>> Constituição e Hermenêutica Constitucional de Márcio Augusto Vasconcelos Diniz pela Mandamentos (2002)
>>> O Eden Perdido de Poliana R. Ramos pela Casa Publicadora Brasileira (1974)
>>> Servidor Público: Doutrina e Jurisprudência/ Capa Dura de Reinaldo Moreira Bruno e Manolo del Olmo pela Del Rey/ Mandamentos (2006)
>>> O Homem no Teto de Jules Feiffer pela Companhia das Letras (1995)
>>> Mais Veja Como se Faz de Derek Fagerstrom / Lauren Smith pela Sextante (2013)
>>> O Grupo de Empresas no Direito do Trabalho de Carine Murta Nagem Cabral: Coord. pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2019)
>>> Aspectos Semiológicos do Direito do Ambiente de Patrícia Bressan da Silva pela Del Rey/ Belo Horizonte (2004)
>>> Mulheres de Marilyn French pela Rio Gráfica (1986)
>>> Politicos do Brasil de Fernando Rodrigues pela Publifolha (2006)
>>> Hermenêutica Jurídica Clássica de Glauco Barreira Magalhães Filho pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2003)
>>> Instituições de Direito Eleitoral (capa Dura) de Adriano Soares da Costa pela Del Rey/ Belo Horizonte (2006)
>>> A Fúria de John Farris pela Record (1980)
>>> O Quebra-Ossos - A Obstinação de um milionário louco agita o mundo do turfe de Dick Francis pela Nova Fronteira (1988)
>>> Caçada Sem Fim de Bryan Forbes pela Best Seller (1986)
>>> Nasce um povo de Michel Bergmann pela Vozes (2019)
>>> Teatro Flutuante 1º Vol. de Edna Ferber pela Saraiva (1962)
>>> Isso sim, é real ... de César Azambuja pela Do autor (2004)
>>> Viva Melhor! Com a Medicina Natural - Edição e Luxo de Luiz Carlos Costa pela Vida Plena Edições/ Sp. (1996)
>>> Noções de Psicofarmacoterapia na Prática de Jair Salim pela Educ/ EPU/ SP. (1987)
>>> O poder que vem do seu nome de Aparecida Liberato - Beto Junqueira pela Sextante (2005)
>>> Formulaire Cosmétique et Esthétique (Avec figures dans le texte)/ (Enc de Paul Gastou (Le Docteur) pela J.- B. Baillière/ Paris (1939)
COMENTÁRIOS

Quinta-feira, 29/11/2001
Comentários
Leitores


Cadê a Marta?
Caro Júlio Na Casa dos "autistas" só está faltando Marta Suplicy e seu namorado francês. E o câmara, Eduardo Suplicy. Abraços, Félix P.S. Você sabe qual é a obra-prima de Marta Suplicy? Resp.: Kama Supla

[Sobre "Digestivo nº 57"]

por Félix Maier
29/11/2001 às
10h55 200.198.194.146
(+) Félix Maier no Digestivo...
 
O Jornalista Imbecil
Durante alguns anos trabalhei como critico de TV. Graças a Deus, hoje estou longe desta merda. Entretanto, por mas que eu tente me afastar deste assunto, continuo tendo de suportar declarações idiotas sobre este tema. A TV brasileira possuí um nível sofrível, mas a crítica encontra-se em situação muito pior. Pois bem, eu tenho a seguinte posição sobre esse tema: acho a TV brasileira deveria produzir mais programas educativos. Bons programas educativos, e não aquelas porcarias exibidas na TV Cultura ou no Canal Futura. Sempre defendi a exibição de produções européias, japonesas ou norte-americanas, com poderia até ocupar horário nobre, de uma emissora que não estivesse na disputa pela liderança. Por sinal, sou viciado neste tipo de programação, e seria muito bom se os canais abertos oferecessem essa tipo de atração. Entretanto, eu nunca usei isso como desculpa para dizer que tal programa não presta, que a emissora deveria apresentar alguma coisa der educativo no horário e blá-blá-blá. Com o tempo, aprendi que jornalistas adotam este discurso, na verdade revelam uma incapacidade de compreender corretamente o assunto. Por sinal, a única motivação deste críticos é esculhambar o programa exibido pela emissora. Infelizmente, a grande maioria dos nossos jornalistas desconhecem o papel da televisão em nossa sociedade, apenas repetem o mesmo discurso, conservador e reacionário. É uma prova de sua mediocridade. TV não é fundamentalmente um meio de entretenimento? Uma pessoa que afirma tal bobagem deveria buscar se informar melhor a realidade em que vive a nossa sociedade. É muito fácil para Rodrigo, cara formado pela PUC do RJ, ir até o clube da moda para se divertir. Na quarta-feira, ele vai até o cinema do Shopping, desfrutar de um filme de "qualidade" (na Europa era considerado uma bosta)... Na saída ela pode comprar o último sucesso daquela escritora lésbica e o DVD com a apresentação daquele famoso grupo de jazz(na verdade, um grupelho fracassado, sem qualquer criatividade, mas se é jazz, é bom). Isso sim, é entretenimento. TV NÃO! A TV deveria ser usado para educar (programar) o Zé Povinho, aquele que só possuí o primeiro grau. Zé Povinho não precisa de entretenimento, futebol do fim-de-semana já basta. A esposa de Zé Povinho precisa de uma ótima educação, para saber que a mulher de hoje deve ser uma trabalhadora consciente de suas obrigações. Os filhos de Zé Povinho precisam receber uma ótima educação, para um dia serem verdadeiros operários, dóceis e dedicados, com assim exige a nossa sociedade. E como a escola pública está sempre paralisada por alguma greve, esta missão passa a ser da TV. Dona Maria perde tempo vendo novela, as crianças ficam com a mente perturbada com Ratinho. E Zé Povinho, totalmente iludido com a tal Casa dos Artistas.Assim, os meninos ficarão revoltados, a mulher vai quere uma vida melhor e Zé Povinho vai acreditar que o ser humano deve lutar pela felicidade. "Gente, nós temos que formar cidadãos, não é com esta porcaria exibida na televisão que iremos formar cidadãos" . Precisamos de operários, pessoas preparadas para produzir, que aceitem o sistema como ele é, que atendam as expectativas, o operário-padrão, o estudante-nota-10, a mulher-do-século-21. Desgraçadamente, essa experiência já foi adotada em alguns países. Durante 40 anos, o leste europeu e a União Soviética acreditaram nesta lorota. Hoje, aqueles cidadãos, que cresceram assistidos por uma TV que exibia balé, música clássica, programas didáticos, tudo do mais alto nível, agora só querem ver sexo. Viva a liberdade! Viva a baixaria! Viva a boceta de Olga! ( eu posso falar boceta, por que tenho curso superior e acho que quem lerá também. Censura, só para o Zé Povinho.) Eu não estou dizendo que a TV não deve ter um conteúdo educativo, mas é preciso admitir que ela é, fundamentalmente, uma forma de entretenimento. Enquanto jornalistas, políticos, críticos e pseudo-intelecutuais-metidos-a-besta insistirem em não aceitar essa verdade, a nossa televisão continuará no mesmo buraco. É preciso um pouco de bom-senso. Lamentavelmente, estamos nas mãos dos espertos. Por trás de todo esse discurso barato, hipócrita, existe o desejo de nossa elite em controlar, manipular o resto da população, defendendo a idéia de que essas pessoas não são capazes de pensar, de raciocinar, de decidir o que é certo ou errado. Cabe a nós, formadores de opinião, com curso superior, guiar estes pobres coitados. (no futuro, eu imago que poderemos resolver todo este problema instalando um chip na cabeça do Zé Povinho). No fundo, nossa elite sonha em manter o controle absoluto sobre o resto da população, decidindo o que devem ver, assistir ou gostar. É um pensamento fascista, defendido por uma minoria que se acha superior a maioria. Pois eu prefiro Ratinho, Casa dos Artistas, Faustão do que esta TV proposta por nossa elite intelectual fascista. Sérgio Vieira

[Sobre "Digestivo nº 58"]

por Sérgio Vieira
29/11/2001 às
02h09 200.176.220.127
(+) Sérgio Vieira no Digestivo...
 
Prohibition
Prezado Fernando, antes de tudo, obrigado por manter o nível na discussão! Esse assunto é notório por conseguir despertar sentimentos intolerantes nas pessoas, e confesso que esperava reações piores dos leitores. Quando você se diz a favor do Livre Arbítrio, mais ao mesmo tempo diz que "as drogas não deveriam ser proibidas nem legais. Elas simplesmente nÃo deveria existir", você está se contradizendo ainda mais, e acabo sendo ainda mais radical do que fosse se pura e simplesmente a favor de sua proibição. Pois ao desejar que ela nem existisse, você estaria desejando que milhares de pessoas pelo mundo afora ficassem sem algo que é um grande prazer em suas vidas, e que milhares de pessoas ficassem impossibilitadas de usar substâncias que, quando usadas corretamente e responsavelmente, podem até mesmo salvar vidas, tudo pelo mau uso que certos idiotas possam fazer dessas substâncias. Há um erro de alvo, em minha opinião; não seria talvez o caso de punir aquelas pessoas que fizerem o mau uso das drogas, com severidade redobrada, ao invés de punir justamente aqueles que a usam sem causar danos às outras pessoas? Manter as drogas fora da lei, apenas por que alguns não têm maturidade para usá-las é quase como proibir o uso de carros para diminuir o número de acidentes. Por quê você não é igualmente contra o uso de álcool, já que ele é responsável por ainda mais males na sociedade que todas as drogas somadas? No mais, acreditar que os criminosos que aterrorizam nossa sociedade sejam um mal gerado pelas drogas é ingenuidade demais; a culpa é da pessoa, e não de uma substância. Bandidos irão existir sempre, motivados por quaisquer substâncias e propósitos. Quantos bandidos não cometem seus crimes apenas com álcool na cabeça, em vez de alguma substância ilícita? Em contrapartida, quantas pessoas usam drogas mas não se envolvem com atividades criminais? A culpa é do indivíduo, foi uma decisão dele, e não da droga, assaltar ou matar. E é ele , somente ele, que deve pagar por seus atos. Quanto ao seu desejo de que as drogas sejam execradas da mesma maneira que campos de concentração, pedofilia e escravidão, trata-se, a meu ver de um ponto de vista carregado de preconceito e alguma dose de desconhecimento. Usar ou não uma droga é algo que, como você disse por várias vezes, só diz respeito ao usuário, não pode ser comparada em nenhuma maneira com esses atos de violência imperdoáveis que você citou. Há esse consenso sobre todas essas coisas, como sendo más, porque são efetivamente más, ou seja, só causam o mal. Não há bem na escravidão; ela acaba sendo perniciosa até mesmo para o patrão. Não há bem em campos de concentração. Já a droga tem o seu lado bom (ainda que muitos insistam em não vê-lo, e só apontem aos berros para o seu lado mau), que é satisfatoriamente aproveitado por muitos seres humanos perfeitamente honestos e idôneos - e que gostariam de ver removidos de suas pessoas o status de "foras-da-lei".

[Sobre "A TV é uma droga"]

por Rafael Azevedo
28/11/2001 às
17h34 200.191.76.208
(+) Rafael Azevedo no Digestivo...
 
Simples lógica
Já começo dizendo, sou ateu. Devido a minha opção religiosa( ou falta dela) sigo a simples lógica. As drogas causam males a todas as pessoas e não apenas aos usuários. E se a cocaína fosse liberada? Seria o caos. As pessoas drogadas perdem o senso de que "sua liberdade vai até onde a do outro começa", haveria mais assassinatos, roubos, acidentes de transito , domésticos e quaisquer tipo de "eventualidades" que acabem com a vida das pessoas. O Ser Humano é um ser racional mas se não for bem instruído ele rouba e mata achando a coisa mais natural e é por isso que as drogas devem ser banidas do mundo , os usuários tratados e os traficantes exterm...

[Sobre "A TV é uma droga"]

por João P. Boaventura
28/11/2001 às
18h40 200.243.53.130
(+) João P. Boaventura no Digestivo...
 
Livre Arbítrio II
Caro amigo e oponente ideológico Rafael, eu consigo entender o motivo pelo qual você continua "sem entender" meu posicionamento. Quando eu falo em Livre Arbítrio e quando eu digo que sou contra a liberação, eu estou tentando mostrar uma perspectiva a longo prazo do combate às drogas. Uma perspectiva na qual, mesmo sem a proibição legal, as pessoas se sentiriam proibidas de usar drogas simplesmente pelo fato que ela faz mal, assim como as pessoas se sentem proibidas de usar a temida Talidomida, ou de colocar fogo em índios, entre outras coisas. Não existe uma proibição de fato para isso, não há (imagino eu) uma lei que diga nesses termos que é proibido usar a Talidomida, mas o consenso geral, a população em massa sabe dos riscos que corre ao usar e simplesmente não usa. É uma perspectiva a longo prazo, quando o povo tiver evoluido o suficiente para entender questões como essa. É por isso que você não entende minha posição, assim como nós, o povo brasileiro, você quer uma solução imediata para a situação. E, de fato, essa solução não é liberar o porte de drogas, quaisquer que sejam elas. Apesar disso,o uso de drogas não é e nunca foi proibido no Brasil. As pessoas podem usar drogas livremente, e de fato muitos o fazem "ocasionalmente sem que elas prejudiquem sua vida". São pessoas como a Soninha, entre outras tantas, que não tem como se diferenciar da maioria da população. No aconchego de seus lares, na privacidade de seus aposentos, elas usam e não incomodam. Ninguém é preso por usar drogas, as pessoas são presas por produzir, comercializar e portar, de uma maneira geral. Infelizmente, na nossa cultura (universal, cultura humana) os justos devem pagar pelos pecadores e uma "minoria" de usuários, portadores de drogas que são, se tornaram um problema contundente em nossa sociedade, sem distinção entre usuários de drogas leves, drogas pesadas e drogas "legais". Essa "minoria" se faz ver no dia a dia, roubando nossas família, espancando nossas esposa e filhos, colocando em risco a vida de outras pessoas (apesar do direito que eles tem de colocar as próprias vidas em risco). Junto com o Livre Arbítrio, a dádiva que Deus nos deu de poder escolher entre o certo e o errado, vem a Responsabilidade, a obrigação que nós temos de arcar com as conseqüencias das nossas escolhas. E quando essas conseqüências interferem diretamente na vida de outras pessoas (e o uso de drogas por essa minoria o faz), a população tem o direito de se valer dos meios disponíveis para se proteger, e o meio de se fazer isso é por meio de leis e restrições. Sendo assim, caro Rafael, na minha humilde opinião, as drogas não deveriam ser nem proibidas nem legais. Elas simplesmente não deveriam existir e, já que existem, deveria haver um consenso universal , uma consciência coletiva dos males que ela traz e que por si só deveriam ser motivo mais do que suficiente para a população evitá-la, baní-la e execrá-la expontâneamente, um consenso semelhante ao que há contra a pedofilia, contra os campos de concentração nazistas, contra a Talidomida e contra a escravidão. Mas isso é utopia, é um sonho, e enquanto existirem pessoas que aceitam as drogas como um mal tolerável, ela prevalecerá.

[Sobre "A TV é uma droga"]

por Fernando M. Ferreira
28/11/2001 às
16h59 200.17.79.42
(+) Fernando M. Ferreira no Digestivo...
 
sobre Casa dos Artistas
Prezado Paulo Polzonoff Jr, sou de seus poucos leitores que ainda não assistiram a "Casa dos Artistas" (e não assisti pelo fato de não ver televisão em casa; trata-se de uma opção exótica, reconheço, mas cuja discussão me afastaria do tema deste e-mail). Mesmo não tendo visto o programa, sei muito bem de sua existência através da imprensa escrita. Devo, a propósito, estar na contramão do gosto majoritário dos telespectadores, pois não simpatizo com o atual campeão de popularidade, Supla, e tenho uma afinidade meio pueril com a imagem pública de rebeldia do Frota, campeão de impopularidade, conforme assinalado. Agora, e finalmente, quanto a seu artigo, gostaria de ressaltar, em primeiro lugar, que está escrito com muita clareza. Em segundo lugar, acho apropriado o contra-ponto que você tece entre o arrojo do SBT e o burocratismo da Globo, rainha suprema do politicamente na moda. Em terceiro e último lugar, adorei o sarro que vc tira da "classe" intelectual. Quem já dissecou bem esse pessoal foi o Paul Johnson, num livro justamente intitulado "Intellectuals". Um abraço.

[Sobre "Autistas é que são eles*"]

por toni
28/11/2001 às
13h11 200.165.252.150
(+) toni no Digestivo...
 
intolerância e preconceito
Rosana, em nenhum momento nego o mal que a droga faz; apenas ressalto a hipocrisia que deixa que sejamos viciados em remédios, bebida e cigarros, e impede a quem queira de por exemplo fumar maconha, "droga" que notoriamente NÃO VICIA. Se algumas pessoas são irresponsáveis no uso de determinada substância, seja ela álcool, cocaína ou qualquer outra coisa, isso não deveria ser usado para punir quem consegue levar uma vida satisfatória utilizando ocasionalmente essas substâncias sem que elas prejudiquem sua vida. Fernando, você se diz a favor do Livre Arbítrio, mas quer proibir algo? Me ajude a entender este ponto de vista, pois parece que me falta aí alguma coerência. Você também diz que é contra as drogas serem proibidas, mas é contra a legalização. O que deve ser feito então? Criado um estágio intermediário, onde elas não são nem proibidas e nem legais? Continuo sem entender seu posicionamento.

[Sobre "A TV é uma droga"]

por Rafael Azevedo
28/11/2001 às
11h06 200.211.160.136
(+) Rafael Azevedo no Digestivo...
 
Livre Arbítrio
"Eu não sou contra o uso de drogas, assim como não sou contra o suicídio, nem contra ouvir Bruno&Marrone, nem contra o aborto. Acho que todos nós somos senhores de nossas vidas e quando Deus nos colocou na Terra nos dotou do melhor presente que poderia nos dar, o Livre Arbítrio, a capacidade de discernir entre o certo e o errado, o bom e o ruim, e o direito de optar por um deles." Isso é livre arbítrio, a capacidade de conhecer o Bem e o Mal e escolher um desses caminhos. Caros François e Rafael, eu não sou contra a liberdade, tampouco contra o consumo de drogas. Durante toda a minha vida eu luto pelo direito das pessoas optarem pelo errado (ou pelo certo), fazendo uso do discernimento. Eu não sou autoritário, nem penso em "restringir o que elas (as pessoas) podem consumir". O que eu não concordo, não aceito e luto contra com todas as minhas forças é o fato das pessoas estarem sendo privadas do Livre Arbítrio, as pessoas (a maioria da população) se deixam levar pela opinião de uma ou outra personalidade mais influente, pessoas com acesso aos meios de comunicação e que conseguem fazer com que seu ponto de vista seja absorvido sem resistência, passivamente, e encarado como a Verdade Absoluta. Isso dá margem para uma ampla discussão sobre a mídia e os valores que ela nos traz, mas não é o ponto em questão. Se a Soninha, assim como qualquer outra personalidade me procurasse, procurasse meus familiares, meus amigos, e afirmasse "Eu fumo maconha", eu não veria problema nenhum e não deixaria de admirá-la, assim como eu ainda a admiro. Isso porque, quando dito pessoalmente, dá margem para reflexão, o que não acontece quando dito na mídia. Infelizmente, as pessoas não fazem uma reflexão mais profunda quando lêem ou escutam ou vêem algo nos meios de comunicação. Simplesmente aceitam. "A Soninha usa drogas e é uma pessoa tão boa ou até melhor do que eu. Porque não então usar drogas? Não vai fazer de mim uma pessoa pior, da mesma maneira que não fez à Soninha." Mas a droga faz mal sim, ela é o câncer social, o câncer sem cura, a grande epidemia da sociedade moderna. Proibir não seria a solução, assim como a Lei Seca americana não deu certo. Isso seria privar as pessoas do Livre Arbítrio, e isso nunca funcionará. Liberar tampouco. Caro Rafael, o governo brasileiro já errou assim, liberando uma droga para se beneficiar do alto volume de recursos que foi assim propiciado em forma de impostos, aceitando e incentivando a produção, comercialização e consumo do cigarro comum. Hoje, o ônus social que ele (o cigarro) traz fez com que o governo tomasse medidas para conter o consumo, senão banir completamente o cigarro do mercado, proibindo propagandas e alertando sobre o mal que ele traz. Ele (o governo) chegou a conclusão que os gastos com saúde pública foram superiores aos benefícios diretos e indiretos da indústria do tabaco. A solução é simples, é uma questão puramente cultural. Basta mostrar às pessoas o perigo que elas correm, basta mostrar que as drogas (usadas da maneira que são, pelo prazer e não pela saúde) fazem mal sim, prejudicam as pessoas sim, basta colocar na cabeça das pessoas que as drogas são tão ruins quanto o Hitler ou a Talidomida, que mata como eles mataram, que corrompe como eles corromperam, que mutila como eles mutilaram. E não dizer nas entrelinhas que "dá para usar sem prejudicar ninguém", o que é verdade, mas não para muitos. Fazendo isso, não será necessário proibir, as pessoas por si só vão evitar, se assim o decidirem porque é isso que significa o Livre Arbítrio, conhecer o certo e o errado e decidir livremente que caminho seguir.

[Sobre "A TV é uma droga"]

por Fernando M. Ferreira
28/11/2001 às
09h37 200.17.79.42
(+) Fernando M. Ferreira no Digestivo...
 
Faca de dois gumes
Muita gente ja morreu por causa das drogas, continuam morrendo, perdem o emprego, "vendem a mae" para conseguir comprar a droga e como diz aquela musica "contemplam essa vida numa cela". Por outro lado, enquanto se proibe a maconha no Brasil, os medicos entopem as pessoas de drogas quimicas e por tras disso esta a mafia da industria farmaceutica e fazem pouco das donas de casa quanto estas dizem que tomaram o seu chazinho e sentiram melhor de suas dores, eles nao tem a capacidade de ir a fundo numa pesquisa seria para saber as propriedades quimicas das ervas medicinais brasileiras que os indios tanto conhecem, ervas essas que os cientistas estrangeiros que nao sao bobos nem nada, estao contrabandeando para seus paises. As propagandas de cigarro sao fascinantes, mostram esportes desconhecidos da massa, propaganda de cerveja e assim vai, mostrando pessoas bem sucedidas, rostos bonitos quando na vida real se le nas revistas e jornais a respeito dos inumeros artistas, atores que tem ou tiveram problemas com drogas e alcool. A droga pode ser comparada como uma faca de dois gumes. De um lado usa-se (ou poderia ser usada) na aplicacao medicinal; de outro fazendo multidoes de viciados originando a marginalidade, a prostituicao, o desemprego, a violencia enfim. Como se nao bastasse os adultos viciados, a droga agora invade as escolas no Brasil com o intuito de expandir os seus negocios usando as criancas e a impressao que temos e que nada tem sido feito de concreto para segurar mais essa violencia a crianca brasileira. Agora, a demissao da jornalista veio a levantar a questao sobre o uso da maconha, o melhor seria ficar de boca fechada mesmo, pois boca fechada nao entra mosca se e que ela e consciente dos problemas que pais e professores brasileiros tem enfrentado com o problema das drogas ("leve" ou nao como diz o Rafael). O Brasil esta muito violento para se fazer uma declaracao destas em publico. Ela falou e perdeu o emprego, coitada, mas fazer o que? democracia e isto, a liberdade de falar todos temos assim como o canal de Tv, que por sinal e do governo, tambem teve o direito de responder e alguem sempre ganha alguma coisa com isso: a revista que publicou a entrevista deve ter vendido que nem agua.

[Sobre "A TV é uma droga"]

por Rosana
28/11/2001 às
04h09 63.178.209.172
(+) Rosana no Digestivo...
 
proibir jamais será a solução
Caro Fernando, não fui convencidos por seus argumentos; então você proibiria as bebidas alcóolicas apenas pq alguns idiotas por aí podem tomar um porre e sair brigando, ou bater o carro? Não faz sentido, sinceramente, punir uma maioria responsável pelas irresponsabilidades de uma minoria imbecil. É medida exageradamente autoritária, e parece-me estar muito, mas muito longe de ser uma solução para o "problema" Pelo contrário, apenas contribui para agravá-lo.

[Sobre "A TV é uma droga"]

por Rafael Azevedo
27/11/2001 às
20h39 200.211.160.192
(+) Rafael Azevedo no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS RETIRANTES I
JOSÉ DO PATROCÍNIO
TRES
(1973)
R$ 9,20



MULATO: NEGRO-NÃO NEGRO, BRANCO NÃO-BRANCO
ENEIDA ALMEIDA DOS REIS
ALTANA
(2002)
R$ 15,00



A INTERAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA E O DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO
DANIEL PEDRO PUFFAL
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00



MARKETING MÓVEL
ALEXANDRE LAS CASAS
SAINT PAUL
(2009)
R$ 57,00



MUNICÍPIO QUE EDUCA APRENDIZAGENS SIGNIFICATIVAS
PADILHA, PAULO ROBERTO E MARQUES FILHO, ALBER
INSTITUTO PAULO FREIRE
(2013)
R$ 11,00



PORTUGUÊS VOL 2 LÍNGUA LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS
ERNANI TERRA E JOSÉ DE NICOLA
SCIPIONE
(2003)
R$ 4,00



O ORGULHO E A VERGONHA
BRIGITTE LABBÉ / MICHEL PUECH
SCIPIONE
(2004)
R$ 10,00



REVISTA OCCIDENTAL: ANO 14 NÚMERO 1 DE 1997
DIVERSOS AUTORES
IICLA (MÉXICO)
(1997)
R$ 26,00



PROBLEMAS? OBA! - 20ª EDIÇÃO
ROBERTO SHINYASHIKI
GENTE
(2011)
R$ 19,00



CARRASCOS DE PARIS: A DINASTIA DOS SANSON
BERNARD LECHERBONNIER
MERCURYO
(1991)
R$ 17,82





busca | avançada
28528 visitas/dia
922 mil/mês