Minha falha grandiosa | Alexandre

busca | avançada
71184 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Primeiro Roteiro
>>> Festival Cine Inclusão abre inscrições de curtas-metragens com o tema terceira idade
>>> Musical Guerra de Papel estreia dia 3 de setembro no Teatro Viradalata
>>> Monólogo Te Falo com Amor e Ira de Branca Messina ganha nova temporada
>>> Performer e dançarina Morgana Apuama apresenta a obra 'Risko'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poesia como Flânerie, Trilogia de Jovino Machado
>>> O mundo é pequeno demais para nós dois
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> O cheiro da terra
>>> Vivendo o meu viver
>>> Secundário, derradeiro
>>> Caminhemos
>>> GIRASSÓIS
>>> Biombos
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sultão & Bonifácio, parte II
>>> O enigma de Lindonéia
>>> Paisagens Originais & Detalhes De Um Pôr do Sol
>>> Modernismo e Modernidade
>>> A extraordinária Nina
>>> Pensamentos & Pedidos
>>> 1998 ― 2008: Dez anos de charges
>>> Insanidade é perder
>>> Arte sem limites
>>> Circulação cai de novo em 2010
Mais Recentes
>>> Conversando Com o Coração de Magnitude pela Magnitude (2021)
>>> Conversas com Vargas Ilosa de Panda Books pela Panda Books (2021)
>>> Coração de Mãe de Agir pela Agir (2021)
>>> Corações De Arame de Movimento pela Movimento (2021)
>>> Coragem Para Lutar de Magnitude pela Magnitude (2021)
>>> Coragem: Peter Pan de Pé da Letra pela Pé da Letra (2021)
>>> Cornélius de Cristão pela Cristão (2021)
>>> Corpo e Interdisciplinaridade de Autografia pela Autografia (2021)
>>> A imagem no ensino da arte de Ana Mae Barbosa pela Perspectiva (2009)
>>> A literatura no Brasil de Afrânio Coutinho pela Global (1999)
>>> Desmistificando o Aprendizado Organizacional de Eduardo Vieira da Costa Guaragna pela Qualitymark (2007)
>>> O Futuro Próximo do Varejo - um Verdadeiro Império de Luiz Freitas pela Qualitymark (2004)
>>> Textos compreensão interpretação e produção de Antônio Simplício Rosa Farias pela Ao livro técnico S/A (1986)
>>> Transformação Organizacional: a Teoria e a Prática de Inovar de Paulo Roberto Motta pela Qualitymark (2004)
>>> Planejamento Estratégico Empresarial de Maurício Castelo Branco Valadares pela Qualitymark (2003)
>>> O Cearense de Parsifal Barroso pela Escrituras (2017)
>>> Bismarck de Alan Palmer pela Unb (1976)
>>> o Antigo Regime e a Revolução de Alexis de Tacqueville pela Unb (1979)
>>> À Margem da História da República de Vicente Licínio Cardoso pela Unb (1981)
>>> Education for all de Errol Miller pela Inter american development bank (1992)
>>> Jogos Fatais de Cole Perriman pela Scritta (1995)
>>> Oito Anos de Parlamento de Afonso Celso pela Unb (1981)
>>> Interdisciplinaridade as práxis da didática psicopedagogica de Antônio Fernando Gomes da Costa pela Unitec (2000)
>>> o Japão Como a Primeira Potência de Ezra F Vogol pela Unb (1979)
>>> Karl Jaspers de Jeanne Hesch pela Unb (1978)
COMENTÁRIOS

Segunda-feira, 16/9/2002
Comentários
Leitores


Minha falha grandiosa
Também tenho que agradecer a visita do Leandro - e o seu uso da palavra "grandiosamente" na primeira linha da sua mensagem. Falhar falho frequentemente, mas me agrada que digam que falhei grandiosamente. Mas, cá entre nós, Leandro - o maior elogio que você pode dizer sobre um escritor é que ele "luta por um povo sofrido"? E quanto ao estilo, nada? Só dizer isso sobre um escritor não é um insulto pior do que qualquer coisa que eu tenha dito dele? Um abraço, e volte sempre - Alexandre.

[Sobre "Três Idiotas"]

por Alexandre
16/9/2002 às
03h02 200.207.125.11
(+) Alexandre no Digestivo...
 
Mais idiotas
Martim, obrigado pela visita - fico honrado. É claro que essa lista é bem maior do que três ou mesmo três mil pessoas; hoje mesmo (domingo), abrindo o Mais! (ainda tem esse ridículo ponto de exclamação?), fiquei tentado a incluir todos os nomes que ia encontrando. Um abraço - Alexandre.

[Sobre "Três Idiotas"]

por Alexandre
16/9/2002 às
02h58 200.207.125.11
(+) Alexandre no Digestivo...
 
Um apelo em prol da USP
Prezado Eduardo, Não conhecia sua coluna até há poucos dias e quem me chamou a atenção para seu texto foi meu amigo Evandro Ferreira. Percebi, entre perplexo e maravilhado, que perdi muito tempo não o conhecendo. Agradeço a mais essa dica preciosa do Evandro e aviso você que vou tratar de acompanhá-lo todas as semanas e também de ler suas crônicas anteriores. Eduardo, você mexeu numa caixa de marimbondos. Sou aluno da USP há sete anos (fiz cinco anos de Direito, formando-me em 2000, e estou agora no segundo ano de Economia, campus de São Paulo) e, apesar de tudo, amo aquela Universidade. Amo-a porque tive o privilégio de contar com alguns grandes professores, bibliotecas muito boas e amigos que compartilham comigo a paixão pelo saber e com os quais mantive conversações das mais prazerosas. Mas estou muito preocupado com o destino da USP. Há longo tempo e com poder crescente, uma espécie de aliança ignóbil entre a mediocridade e a politização ameaça a Universidade e avança sobre ela como um tumor. Não são incomuns situações como: a) professores muito piores do que a opinião pública imagina que haja naquela Universidade, geralmente tida como a melhor do País (a vida acadêmica, dos concursos docentes à aposentadoria, infelizmente é muito menos exigente do que deveria ser); b) alunos de nível igualmente baixo, sem ao menos o domínio da língua pátria ou da matemática elementar, não só desabituados como hostis à leitura e à reflexão (e profundamente insatisfeitos com quaisquer exigências dos professores que requeiram essas habilidades), contribuindo para a perpetuação das deficiências de vários cursos (o que demonstra as falhas de um exame vestibular que, geralmente tido como muito difícil, na verdade está longe de ser suficientemente rigoroso); c) a exploração dessas deficiências por grupos políticos que se usam delas para fins inteiramente alheios aos da Universidade. Desejosos de saltar para uma carreira político-partidária após concluírem seus cursos (ou até antes disso), ou ainda de usar a Universidade como laboratório para experiências de táticas revolucionárias, esses grupos (quase invariavelmente esquerdistas - às vezes moderados, às vezes radicais, mas quase todos de esquerda) dominam as organizações de representação de estudantes, professores e funcionários. O debate sobre excelência científica e acadêmica sofre uma indevida politização que dificulta, cada vez mais, a solução das mazelas que a USP sofre. Eu pretendo ser professor e pesquisador da USP um dia e gostaria de poder trabalhar numa instituição que prezasse a qualidade como valor fundamental. Uma Universidade que cumprisse adequadamente seu papel social primordial - que é simples e precisamente o de oferecer aos interessados os meios e o ambiente adequados para a formação de uma elite intelectual madura, no sentido aristotélico do termo. Mas não encontro interlocutores nos Centros Acadêmicos, no DCE ou em qualquer outro órgão ou movimento representativo dos alunos. Eles estão preocupados em fazer da Universidade um trampolim para sua atividade política (freqüentemente revolucionária) e estão envolvidos demais na sua "militância" para se preocuparem com excelência. Eles nem têm uma noção clara dos fins da instituição universitária. Ou, quando a têm, concebem-na como um centro de formação de militantes para a transformação revolucionária da sociedade. Sua obra efetiva, porém, é a transformação da nossa USP em uma floresta, como você notou. O mínimo que deveria ter sido feito, diante de uma infâmia como essa festa em homenagem a Osama bin Laden, era um ato silencioso em memória das vítimas do atentado terrorista, em frente do local da festa e no mesmo horário, com a devida cobertura da imprensa universitária e extra-universitária. No entanto os representantes dos alunos, titulares dos meios e da obrigação moral de organizar uma reação como essa (ou qualquer outra), não querem saber de nada que possa dar a entender que a USP não está "unida" em torno da condenação ao "imperialismo ianque", "culpado pelos atentados". E assim eles se dedicam é à organização de barbáries como essa festa. Apelo a todos os membros da comunidade USP (alunos, professores e funcionários) que não concordam com esse estado de coisas a me escrever. Penso em montar um grupo de discussão para debatermos e refletirmos o que podemos fazer a respeito. Sei que não sou o único a se preocupar com excelência na Universidade. Também sei que não sou o único liberal-conservador que sente desagrado diante do evidente uso político da USP para propósitos de grupelhos esquerdistas. Quem estiver disposto a trocar idéias em torno de uma espécie de "Projeto USP", destinado a restabelecer a excelência e o pluralismo (sim, pois o tal "pensamento único" da Universidade é de esquerda), favor entrar em contato comigo. Antes que a aliança entre a mediocridade e a politização acabe definitivamente com qualquer possibilidade de reação na USP. Meu e-mail é [email protected] Motivos de escassez de tempo podem dificultar uma pronta resposta - não entendam isso como desconsideração da mensagem, por favor. Uma última palavra, que não consigo sufocar: li várias besteiras (e também, felizmente, muita sensatez) nos comentários acima, mas há pessoas que rompem todos os limites do bom-senso e da civilidade. Como advogado, eu informo a todos os freqüentadores deste Digestivo, os sérios como os engraçadinhos, que aquilo que o tal de Pablo-FFLCH escreveu está tipificado no art. 139 do Código Penal e chama-se difamação. Dá cadeia, de três meses a um ano, e multa. Também gera direito à indenização por danos morais, no juízo civil. E é bom que se saiba que, apesar de ele ter velhacamente omitido seu e-mail, ele não está tão anônimo assim, uma vez que seu TCP/IP está registrado e publicado.

[Sobre "Festa na floresta"]

por Felipe Ortiz
15/9/2002 às
22h05 200.184.182.2
(+) Felipe Ortiz no Digestivo...
 
Chega de blá blá blá.
Péssimo, Eduardo. Acho que você deveria aproveitar este espaço para discutir questões mais importantes, como por exemplo, alternativas de se valorizar nossa história e nossos historiadores, e salientar sua importância na formação do pensamento crítico, propor alternativas para resolver seus descontentamentos com a FFLCH (que representa o extremo do desprezo que vem sofrendo o ensino público brasileiro). Enquanto as pessoas que se julgam superiores (e seu artigo passa a impressão de que você se põe num pedestal)estão reproduzindo atitudes como a sua, nossa história, nossos historiadores, nossa universidade pública estão cada vez mais desacreditados, desvalorizados e sucateados, o povo brasileiro está sem referência (e se alguém viu o filme Cidade de Deus, ou acompanha os jornais pode imaginar quem é a referência atualmente). Não acho que com a sua crítica tosca qualquer coisa possa mudar. Poupe-me de críticas mal colocadas, poucos fatos, e os poucos descontextualizados e deturpados, para que possamos formar uma opinião sobre o tema. Seguindo sua lógica, temos que nos queixar não só dos historiadores, mas também deste jornalismo oco e manipulador, que infelizmente corre o risco de ser a referência dos desavisados. Mariana Leite - Cirurgiã-dentista

[Sobre "Festa na floresta"]

por Mariana Leite
15/9/2002 às
20h34 200.227.12.228
(+) Mariana Leite no Digestivo...
 
no fundo do peito bate calado
Waldemar, se eu algum dia perder o preconceito contra baterias eletrônicas, teclados pré-programados e coisas quetais, será por obra e mérito seu, ao ter permitido que eu ouvisse esse instigante trabalho do Moisés Santana. Parece incrível de ninguém (ao que me consta) tivesse ousado regravar a música que Caetano Veloso fez para os versos de Gregório de Mattos (“Triste Bahia”), ou ainda a interpretação aparentemente definitiva que Elis Regina tinha dado a “Bala com bala”, de João Bosco e Aldir Blanc. O Moisés é novo e tem peito de fazer isso e ainda compor letras como “Compromisso”, que se viessem de Chico Buarque seriam facilmente rotuladas como ranzinzice esquerdista. Parabéns pela sensibilidade em nos trazer essa crítica. Ainda estranho as eletroniquices, mas vejo que por trás delas, sem dúvida, também bate um coração.

[Sobre "A Música de Moisés Santana e João Suplicy"]

por Helion
15/9/2002 às
18h04 200.227.153.57
(+) Helion no Digestivo...
 
Comunistas brazucas
Não liga pra essa avalanche boçal, Eduardo. Um desses idiotas escreveu "Charlles de Goule" - só isso já diz tudo sobre o nível dos estudantes da FFLCH. Parabéns pelo excelente artigo.

[Sobre "Festa na floresta"]

por Lenine Leal
15/9/2002 às
16h38 200.162.253.205
(+) Lenine Leal no Digestivo...
 
Jornaleca
(texto enviado para o e-mail do CAHIS) Vemos logo que esse tal de Eduardo não é historiador mesmo... Coitado, fez um artigo, discutindo uma festa e seus motivos, mediante a análise de três ou quatro "cartas" de um grupo de discussão da internet. Ele não se interessou em perscrutar sobre os fatos, ou saber os motivos reais da associação com o terrorista Bin Laden, ou qualquer coisa. Na verdade, sinto que a grande conveniência desse sujeito, foi, a partir de uma discussão, a qual ele deturpou completamente (porque ele não publicou o primeiro e-mail - do Pedro - que explicava a discussão e os motivos da associação com o terrorista?), enumerar suas inúmeras (peço uma pequena licença aos poetas) mazelas contra a FFLCH, contra a greve, contra a Marilena Chauí, contra a menina que ele chama de "analfabeta sei lá o que", enfim. Acho que esse sujeito deve ter uma grande frustração não resolvida; Freud diria que é de cunho sexual: talvez esse sujeito seja homofóbico, ou talvez seja homossexual e, não tendo coragem de se assumir, veja na menina (e até mesmo na Marilena) uma possível inimiga... O que ele é mesmo? - Jornalista!!!! - jornalista? - É, jornalista... - Ah, então esqueça tudo o que eu disse... o cara é jornalista. Ps1: Havia, na festa, além de outras, quatro faixas grandes: numa delas estava escrito "VALEU", na outra "OSAMA", na outra "MELFI" (que, pra quem não sabe, é o reitor da USP) e, na última, "BUSH". Acho que não é necessário explicar... Ps2: Segue, abaixo, o primeiro e-mail mandado para o grupo do cahis: "E ai galera. Ontem rolou a primeira reunião oficial para organização da festa do dia 13. Nós discutimos sobre o "porquê" da festa, deixando claro que nossa intenção é principalmente indagar sobre o que e quem criou condições (ou motivos) para os atentados. Tb fazer a discussão na festa sobre a mitificação do Osama, e não "brincar" com as mortes. Deixamos claro que não queremos nem Bush nem Osama, mas este último conseguiu abalar a hegemonia mais que escrota norte americana. No dia da festa vamos fazer diversas "intervenções" no prédio: faixas, pintura, textos, etc. tudo para dar sentido ao evento e não nos caracterizarmos pró (cegamente) Osama. O som já esta agendado (equipamento) Cerveja já se sabe onde vai comprar: Makro comida já estão vendo: Cachorro quente da História, Pastel do Sintusp, Pipoca da Sociais (se pá junto com churras), Yaksoba do André. Destilados: A Rádio Livre da USP vai cuidar. Bandas: Até agora são 3: Maraca Manca, Libertadores do Côco, e uma terceira que esqueci o nome. Se alguém conhecer uma banda de reggea boa por favor entre em contato comigo. O Aquário estará fechado durante a Festa. Bem acho que é mais ou menos isso, a próxima reunião é sexta agora na salinha do fundo do aquário, aquela que a Zilda quer transformar em banheiro... Se esqueci alguma coisa por favor escrevam. Abraço, Pedro. " Ps3: Explico a sátira do texto (o meu), em relação aos jornalistas: a máxima "liberdade de imprensa" precede todas as outras; ou seja, fica difícil perceber aquilo que é ético ou não. Um exemplo: o jornalista Elio Gaspari, tempos atrás, escreveu artigos com sérias críticas contra a Profª. Zilda Iokoi (não quero entrar nesta questão, que já foi muito discutida), no entanto, antes de publicá-los, telefonou para esta professora, avisando-a sobre tal publicação. Aí fica a questão: Elio avisou a Profª. Zilda porque "achou" que era necessário, não que ele precisasse. Ou seja, como a máxima supracitada precede todas as outras, de um jornalista (ou de alguém que use tal alcunha) espera-se tudo (coisas que nem Freud explicaria). Até o artigo do Eduardo.

[Sobre "Festa na floresta"]

por Pablo - FFLCH
15/9/2002 às
13h52 200.148.9.111
(+) Pablo - FFLCH no Digestivo...
 
Que Medíocre!
Eduardo Carvalho, li seu artigo e achei extremamente preconceituoso. Realmente me espanta que um "colunista" não tenha conseguido acompanhar uma palestra da Prof. Marilena Chauí. Recomendo que da próxima vez você preste atenção no que ela tem a dizer, não na platéia. Pra mim isso cheira a inveja, e é de se entender (basta observar o conhecimento produzido pela professora e observar a triste realidade de seu artigo e dos frequentadores deste site) Aquele tapinha nas costas Eduardo Portela

[Sobre "Festa na floresta"]

por Eduardo Portela
15/9/2002 às
09h38 200.158.52.154
(+) Eduardo Portela no Digestivo...
 
Engulam essa Marginais!
Engulam essa pseudo comunas revolucionarios! Agora, cade os intelectuais da FFLCH para rebaterem as criticas contundentes de meu amigo Eduardo? Escondidos, provavelmente. Caro Henrique, notavelmente, o "cara que estuda administração na GV" escreve bem melhor do que voce... Nao desista, estude muito, que um dia, quem sabe, vc consegue escrever um texto argumentativo, nao apelativo! Saudacoes Luiz FFLCH USP

[Sobre "Festa na floresta"]

por Luiz
15/9/2002 à
01h31 200.204.40.166
(+) Luiz no Digestivo...
 
Parabéns de um aluno da FFLCH
Gostaria de congratular o Eduardo pelo texto magnífico que expressa com precisão a realidade na FFLCH. Como aluno de Ciências Sociais dessa faculdade, convivo diariamente com besteiras sem tamanho ditas e repetidas ininterruptamente por "mentes brilhantes e revolucionárias" que procuram mudar o mundo sem muitas vezes sequer saber empregar uma vírgula corretamente - repetindo a idéia no texto do Eduardo. Gostaria apenas de deixar registrado que, embora esses fatos sejam reais e desesperadores, nem todos os alunos da FFLCH se enquadram nessa categoria perniciosa à própria sociedade. Pelo contrário, basicamente temos 4 tipos de alunos por lá: 1. os pseudo-revolucionários (que organizaram a festa com esse nome e estão sempre envolvidos em baixarias); 2. os "ovelhinhas" (que seguem quem gritar mais alto); 3. os elucidados (que são ideologicamente autônomos, independente de suas preferências); 4. os "anti-modelo-FFLCH" (que procuram mudar essa imagem bisonha da faculdade, uma espécie de "militantes oposicionistas"). Infelizmente a grande maioria dos estudantes enquadra-se nos tipos 1 e 2, contribuindo para a manutenção da situação da faculdade. Em relação aos professores, estes já são, normalmente, mais autônomos, mas nem por isso deixam de contribuir em maior ou menor grau para a histeria generalizada. Não se impõem, deixam levar-se pelos gritos de alunos, enfim, acabam tornando-se "ovelhinhas", muitas vezes. É lamentável, porém estou certo que quem se dispor a estudar por lá, como eu fiz essa opção, tem de tudo para receber uma formação universitária de primeiríssima qualidade. É só saber "ligar o filtro". Um grande abraço a todos, Alexandre - FFLCH - Ciências Sociais

[Sobre "Festa na floresta"]

por Alexandre
14/9/2002 às
16h21 200.158.64.7
(+) Alexandre no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Última Primavera Em Paris
Hans Herlin
Record
(1983)



D. Quixote 2 Vols.- Classicos Jackson
Cervantes
Jackson
(1956)
+ frete grátis



Alemanha - 100 Dias de Amaury Jr
Amaury Jr e Celina Ferreira
Gente
(2006)



Mónica Joven 2 !cuenta Conmigo!
Maurício de Sousa
Panini
(2011)



Pai Rico Pai Pobre - Como Investir Em Metais Preciosos - 1ª Edição
Michael Maloney
Campus
(2009)



Matematica Ensino Medio Vol 1
Katia Stocco Smole*maria Ignez Diniz
Saraiva
(2013)



Marketing para ambientes disruptivos
Edmir Kuasaki, Marcus Hyonai Nakagawa, Cláudio Teramoto, Carlos Barbosa Correa Junior
Literare Books International
(2017)



Longman Compact English Dictionary - 1ª Edição - 3ª Reimpressão
Logman
Logman
(1988)



Introdução á Hospitalidade 2ºedição
John R. Walker
Manole
(2002)



Amor e Liberdade
Selma Cotrim
Panorama
(2004)





busca | avançada
71184 visitas/dia
2,6 milhões/mês