Escrever para a posteridade? | Jane Chiesse

busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Daniela Galanti autografa livro em São Paulo
>>> Death Note - O Musical reestreia no Teatro Miguel Falabella
>>> De Kombi na Praça - Pateo do Collegio
>>> Primeiras edições de Machado de Assis são objeto de exposição e catálogos lançados pela USP
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Fama e fortuna
>>> Novos velhos e lagostas
>>> 1 de Julho #digestivo10anos
>>> 8 de Maio #digestivo10anos
>>> O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté
>>> O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté
>>> Rush (1984)
>>> O governo mente para si mesmo
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
Mais Recentes
>>> O bom partido de Carly Philips pela Essencia (2010)
>>> Movimiento Obrero, Nacionalismo y Política En La Argentina de Baily, Samuel L. pela Hyspamerica (1986)
>>> A Criança e a Violência na Mídia de Ulla Carlsson e Cecilia Von Feilitzen pela Cortez (1999)
>>> Os comedores de terra: Ou o livro das transformações contadas pelos Yanomami do grupo Parahiteri de Pajés Parahiteri (Autor), Anne Ballester (Compilador) pela Hedra (2022)
>>> Nas Asas da Imaginação - Antologia Literária de Editora Litteris pela Litteris (2002)
>>> A garota do calendário Janeiro de Audrey Carlan pela Versus (2016)
>>> Fogo dos Rios de Fernando Paixão pela Brasiliense (1989)
>>> Como Derrotar o Fascismo de Sergio Amadeu (Autor), Renato Rovai (Autor) pela Hedra (2022)
>>> Nutrição funcional de Manuela Dolinsky pela Roca (2009)
>>> Uma Curva na Estrada de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2013)
>>> Religiões Mais de 400 Termos, Conceitos e Idéias de Michael Reeber pela Ediouro (2002)
>>> O Romantismo a Literatura Brasileira Vol. 2 de Antonio Soares Amora pela Cultrix (1975)
>>> Acidente de Danielle Steel pela Record (1995)
>>> Crédito à morte de Anselm Jappe (Autor) pela Hedra (2013)
>>> Sem saída de Kenneth Fearing pela Klick
>>> Resumo - Análese e Exercícios 2000-2001 de Márcia Alves Ferreira pela Thesaurus (2001)
>>> Do Egito aos monumentos de Marte e outros temas de A. Lemgrubber do Amaral pela Thessauros (2000)
>>> O Capitalismo na era da Acumulação Integral de Nildo Viana pela Ideias e Letras (2009)
>>> O guarani de José de Alencar pela Pé da letra (2020)
>>> Lulismo, carisma pop e cultura anticrítica de Tales Sáber (Autor) pela Hedra (2011)
>>> Jogos e Brincadeiras para Reuniões Sociais de Rita Danyliuk pela Ediouro (1984)
>>> Dicionário do Politicamente Correto de Henry Beard e Christopher Cerf pela L&pm (1994)
>>> No Sufoco de Chuck Palahniuk pela Rocco (2005)
>>> Trapaça de Matthew Klein pela Arx (2008)
>>> Guerras do Século 20 de Primor pela Primor (1975)
COMENTÁRIOS

Sexta-feira, 6/8/2010
Comentários
Leitores


Escrever para a posteridade?
Excelente crônica. Ou ensaio, como queiram. Também sou artista plástica como a Maria Anna acima. E escritora também, sem me preocupar com vendas e ganhos. Cheguei à conclusão óbvia de que a morte é definitiva, mesmo para Paulo Setúbal (já li livros dele) ou para o Coelho (também já li). De que me vale deixar isto ou aquilo, estes ou aqueles se vou morrer? De que valeu para Machado, Drummond, João Cabral, Picasso etc.? Vale, isto sim, para nos lembrar de que já morreram. Para eles mesmos não faz a menor difereça se gostamos ou não do trabalho deles.

[Sobre "O dia em que Paulo Coelho chorou"]

por Jane Chiesse
6/8/2010 às
09h53 189.24.48.82
(+) Jane Chiesse no Digestivo...
 
Paulo Coelho é um místico
Há uma diferença significativa entre o Augusto Cury e o Paulo Coelho. O Cury é um imitador, que finge conhecer de todo tema comercial (educação, psicologia, psiquiatria, religião). Mas no fundo ele é o pior exemplo de autor que a literatura merece. Porque tudo o que ele deseja é arrancar alguns míseros trocados do bolso do leitor, nem que para isso tenha que penhorar a própria alma. Já o Paulo Coelho tem uma cara só. É um místico, que percorreu diversos caminhos e em todos eles foi garimpando outras novas do misticismo. Portanto, o leitor que aprecia essa espécie de literatura irá se esbaldar. O Paulo não está empenhando a sua alma. Há pouco tempo até lhe propus uma novidade que poderia fazê-lo retornar ao topo da literatura. Mas a sua secretária gentilmente me despistou. É porque ela nem sabia do que eu estava falando. Era assunto de mestres. Pena que não tenha chegado aos ouvidos do Paulo.

[Sobre "O dia em que Paulo Coelho chorou"]

por ROBERTO ESCRITOR
6/8/2010 às
06h52 187.114.226.87
(+) ROBERTO ESCRITOR no Digestivo...
 
Texto maravilhoso
Texto maravilhoso!!! "Que poeta?" Ai como eu queria ouvir merda...

[Sobre "O dia em que Paulo Coelho chorou"]

por Enzo Potel
6/8/2010 às
02h39 200.193.41.129
(+) Enzo Potel no Digestivo...
 
Estilo literário universal
P.S.: Quando falei universal, mas (Hatouniano), percebi, esqueci-me de falar mais claramente. O que eu quero dizer com Joyceano, Hemingwayano, Hatouniano é um estilo de personagem próprio do autor, mas que cabe perfeitamente em qualquer pessoa do mundo.

[Sobre "Paulo Coelho para o Nobel"]

por Lucas Grosso
http://asharpias.blogspot.com/
6/8/2010 à
01h19 189.100.226.252
(+) Lucas Grosso no Digestivo...
 
Nobel para o Hatoum
O que acontece com nossa literatura, em minha opinião, é que nossos autores são muito complexos para uma leitura fora do país. Mesmo a Salvador de Amado, ou o Sul de Verissimo pai, são lugares com características bem próprias - são exóticos até pra nós. Seria algo como Doutor Jivago - é um russo, e só poderia acontecer na Rússia. Paulo Coelho não tem o peso de um Eliot, mas tem a eloquência de um Deepak Chopra, "hot shoot" da autoajuda gringa. Porém, o indiano não é um forte concorrente para o Nobel. O escritor mais próximo de criar um estilo universal (como fez Hemingway ou Joyce) é Milton Hatoum. Seus livros são cada vez mais "Hatounianos". Se eu tivesse de colocar minhas fichas em alguém, seria ele.

[Sobre "Paulo Coelho para o Nobel"]

por Lucas Grosso
http://asharpias.blogspot.com
6/8/2010 à
01h05 189.100.226.252
(+) Lucas Grosso no Digestivo...
 
Autoajuda: denominação errônea
Apesar de classificarem como autoajuda (já é padrão) essa denominação é errônea, porque o livro se torna um dispositivo para a ajuda, e quem lê não é somente o autor, sendo assim, quem ajuda é o livro enquanto dispositivo desencadeante de uma auto-avaliação. O texto me lembrou mmuito o livro "Quando Nietzsche chorou": ceticismo, resistência (por parte do esntrevistado) e a redenção.

[Sobre "O dia em que Paulo Coelho chorou"]

por Lilian Gonçalves
http://liliangoncalves.blogspot.com
6/8/2010 à
00h56 187.117.245.33
(+) Lilian Gonçalves no Digestivo...
 
Paulo Coelho não é problema
O problema não é o que Paulo escrve, nem quem lê Paulo, mas o que isso traduz...

[Sobre "O dia em que Paulo Coelho chorou"]

por Paulo Stockler
http://@stockler4
6/8/2010 à
00h52 189.32.19.123
(+) Paulo Stockler no Digestivo...
 
Ser inteiro é...
Carlos, é exatamente assim que eu penso. A dependência exagerada sufoca o outro. Precisamos, sim, de outras pessoas, de alguém em especial... mas não podemos jogar a responsabilidade da nossa felicidade nesse outro. Aí fica muito fácil achar um bode expiatório para tudo que dá errado na minha vida: eu sou infeliz por sua culpa, você não me faz feliz... você, você, você... e nunca eu. A gente tem que assumir a responsabilidade de muita coisa. Claro que alguém pode nos gerar algum sofrimento por determinado período de tempo. Mas não é tudo responsabilidade do outro. Tenho que assumir meus fracassos e frustrações... e até mesmo minhas conquistas e qualidade. Na minha visão, isso é ser inteiro.

[Sobre "Metade da laranja ou tampa da panela?"]

por Débora Carvalho
http://www.debcaroli.wordpress.com
4/8/2010 às
16h38 189.110.209.201
(+) Débora Carvalho no Digestivo...
 
Integralmente felizes
Débora, pois é justamene isso que faz com que nunca completemos esse jarro. Ganhamos experiências novas, descartamos as de outrora, nos renovamos, somos camaleões, mutações nos acometem a todo momento... O fato é que nossa necessidade dos outros nos é passada desde nossos antepassados. Na realidade, necessitamos do outro apenas quando nossa solidão já nos é um fardo. Mas reconheço que unir forças com alguém é prazeroso e como pessoas sociais que somos vem bem a calhar a presença do outro, desde que este respeite o momento de nossa "solidão". O problema existe quando achamos que dependemos de outras pessoas para nos sentirmos íntegros (acho que é isso que quer dizer com inteiro). Sair dessa cadeia de dependência é mui difícil, mas quando se consegue, enxergamos a vida por um ângulo diferente, e então teimamos em sermos felizes, integralmente felizes!

[Sobre "Metade da laranja ou tampa da panela?"]

por Carlos Patez
http://www.capatez.zip.net
4/8/2010 às
16h26 189.19.67.141
(+) Carlos Patez no Digestivo...
 
Estamos sempre mudando
Carlos, adorei "1+1=2" é melhor que "0,5+0,5=1". Não creio que exista um limite. Amadurecer é algo que não acaba nunca. E, falando sério, a cada experiência que vivemos, algo muda dentro da gente. Eu, por exemplo, a cada ano me sinto diferente, mudo de opinião e até de gosto por comida. Tem coisas que eu não gostava e passo a gostar, e vice-versa. Mudamos os hábitos, as crenças, os sentimentos. Acho que sabemos que somos completos quando não necessitamos que alguém nos faça feliz. É quando estar sozinho não incomoda tanto. É quando eu posso sair para ir à festa só, na boa, mas prefiro ir com você ou te encontrar lá. Se não tiver a sua companhia, posso ter a de uma amiga ou amigo. Acho que é isso. Não vou deixar de ir porque você não vai comigo. E viva a felicidade inteira!!!

[Sobre "Metade da laranja ou tampa da panela?"]

por Débora Carvalho
http://www.debcaroli.wordpress.com
4/8/2010 às
13h46 189.110.209.201
(+) Débora Carvalho no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Universidade e Lugares de Memória II
Andréa Cristina de Barros e Antonio José(orgs)
Ufrj/ Sibi/fcc
(2009)



A Sabedoria nossa de cada dia
Augusto Cury
Sextante
(2007)



Partidos Políticos y Grupos de Presión Em La Integración Europea
Ernst B. Haas
Stanford University
(1966)



Episódio Humano - Prosa - 1929 - 1930
Cecilia Meireles
Batel
(2007)



Bíblia do Churrasco
André Lima
Escala



O Elefante e a Pulga
Charles Handy
Futura
(2003)



Misterios de Curitiba - Quarta Ediçao Revista
Dalton Trevisan
Record
(1979)



Uma História do Amor Com Final Feliz
Flávio Gikovate
Mg
(2008)



Luka e o fogo da vida
Salman Rushdie
Companhia das Letras
(2010)



História da Civilização - 1ª Parte, Tomo II
Will Durant
Nacional
(1960)





busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês