O dia em que Paulo Coelho chorou | Domingos Pellegrini

busca | avançada
29517 visitas/dia
891 mil/mês
Mais Recentes
>>> CRIANÇAS DE HELIÓPOLIS REALIZAM CONCERTO DE GENTE GRANDE
>>> Winter Fest agita Jurerê Internacional a partir deste final de semana
>>> Coletivo Roda Gigante inicia temporada no Jazz B a partir de 14 de julho
>>> Plataforma Shop Sui dança dois trabalhos no Centro de Referência da Dança
>>> Seminário 'Dança contemporânea, olhares plurais'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> É cena que segue...
>>> Imagens & Efeitos
>>> Segredos da alma
>>> O Mundo Nunca Foi Tão Intenso Nem Tão Frágil
>>> João Gilberto
>>> Retalhos ao pôr do sol
>>> Pelagem de flor III: AMARELO
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O primeiro Show do Milhão a gente nunca esquece
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Historia de Hotmail
>>> Maria Rita: música em estado febril
>>> Ser mãe
>>> Companheiros de Jornada
>>> Aloysio Nunes sobre a mentira
>>> ambiguities and lies
Mais Recentes
>>> Wild Cards: Ases nas Alturas de George R. R. Martin pela Leya (2013)
>>> Wild Cards: O Começo de Tudo de George R. R. Martin pela Leya (2013)
>>> Superman: Uma Biografia Não Autorizada de Glen Weldon pela Leya (2016)
>>> Os Últimos Dias de Krypton de Kevin J. Anderson pela Leya (2013)
>>> Wayne de Gotham de Tracy Hickman pela Leya (2013)
>>> Tokyo Ghoul: re v.1 de Siu Ishida pela Panini Comics, Planet Manga (2017)
>>> Ataque dos Titãs v.19 de Hajime Isayama pela Panini Comics, Planet Manga (2016)
>>> Jojo's Bizarre Adventure: (Parte 2) Battle Tendency v.2 de Hirohiko Araki pela Panini Comics, Planet Manga (2019)
>>> Jojo's Bizarre Adventure: (Parte 2) Battle Tendency v.3 de Hirohiko Araki pela Panini Comics, Planet Manga (2019)
>>> Berserk v.30 de Kentaro Miura pela Panini Comics, Planet Manga (2019)
>>> BTOOOM! v.6 de Junya Inoue pela Jbc (2014)
>>> Assassination Classroom v.15 de Yusei Matsui pela Panini Comics, Planet Manga (2016)
>>> Assassination Classroom v.16 de Yusei Matsui pela Panini Comics, Planet Manga (2017)
>>> Assassination Classroom v.17 de Yusei Matsui pela Panini Comics, Planet Manga (2017)
>>> Assassination Classroom v.18 de Yusei Matsui pela Panini Comics, Planet Manga (2017)
>>> Assassination Classroom v.21 de Yusei Matsui pela Panini Comics, Planet Manga (2017)
>>> Assassination Classroom v.19 de Yusei Matsui pela Panini Comics, Planet Manga (2017)
>>> Gentleman - A Timesless Guide to Fashion de Bernhard Roetzel pela H. F. Ullmann (2009)
>>> Obras Completas - Volume VI de Gil Vicente pela Sá da Costa (1955)
>>> Curso de Português Jurídico de Regina Toledo Damião e Antonio Henriques pela Atlas (1999)
>>> Bíblia Sagrada para a Família Católica de Padre Antônio Pereira de Figueiredo (trad.) pela Barsa (1969)
>>> Toda sua de Sylvia Day pela Paralela (2012)
>>> As Primícias: Alegoria Político- Sexual Em 7 Quadros de Dias Gomes pela Civilização Brasileira (1978)
>>> Sangue Errante (Série Negra) de James Ellroy pela Record/ RJ. (2011)
>>> Tao-Te King de Lao-Tzu pela Pensamento (1995)
>>> O Rei de Ramos (com as Letras e Canções de Chico Buarque) de Dias Gomes pela Civilização Brasileira/ Rio (1979)
>>> A Invasão de Dias Gomes pela Civilização Brasileira/ Rio (1983)
>>> O Rei de Ramos (com as Letras e Canções de Chico Buarque) de Dias Gomes; Prefácio: Flávio Rangel pela Civilização Brasileira/ Rio (1979)
>>> Carter e o Diabo de Glen David Gold pela Record (2004)
>>> O Fazedor de Cercas de Sun Ling pela Carthago & Forte (1995)
>>> Vitória na Derrota: a morte de Getúlio Vargas de Ronaldo Conde Aguiar pela Verbena (2014)
>>> Percy Jackson e Os Olimpianos A maldição do Titã de Rick Riordan pela Intrínseca (2009)
>>> A Invasão de Dias Gomes pela Civilização Brasileira/ Rio (1983)
>>> Uma Fênix em Praga de Suely Burriasco pela Novo Século (2009)
>>> Violência, Democracia e Segurança Cidadã: o caso das polícias no Distrito Federal de Maria Stella Grossi Porto (Org.) pela Verbena (2017)
>>> Raízes do Turismo no Brasil de Mário Jorge Pires pela Manole (2002)
>>> Um Aprendiz de Quixote de Rogério Cezar de Cerqueira Leite pela Verbena (2016)
>>> Sucupira, Ame-a Ou Deixe-a: Venturas e Desventuras de Zeca Diabo... de Dias Gomes pela Bertrand Brasil/ Rj. (1998)
>>> Histórias de Amor Ardente de Louise Erdrich pela Record (1998)
>>> O Orgulho de Ser Mulher de Shere Hite pela Sextante (2004)
>>> Comédias para se Ler na Escola de Luís Fernando Veríssimo pela Objetiva (2008)
>>> Teatro V: A Cigarra e os Formigas/ Camaleão e a Batatas Mágicas/ Quem Matou o Leão? O Patinho Feio de Maria Clara Machado pela Agir/ RJ. (1979)
>>> Trinta Anos Esta Noite: 1964, o que vi e vivi de Paulo Francis pela Verbena (2019)
>>> Histórias de Autômatos de Mario G. Losano pela Companhia das Letras (1992)
>>> Sociologia da Violência: do conceito às representações sociais de Maria Stella Grossi Porto pela Verbena (2010)
>>> Percy Jackson e os Olimpianos O Mar de Monstros de Rick Riordan pela Intrínseca (2013)
>>> O Curto Reinado de Pepino IV de John Steinbeck pela Record (1970)
>>> Saúde Penitenciária no Brasil: plano e política de Martinho Silva pela Verbena (2015)
>>> Olhos Abertos: a história da nova China de Ivan Quagio pela Verbena (2009)
>>> Sereníssima de Erica Jong pela Circulo do Livro (1987)
ENSAIOS

Segunda-feira, 2/8/2010
O dia em que Paulo Coelho chorou
Domingos Pellegrini

+ de 8600 Acessos
+ 11 Comentário(s)

...fui entrevistá-lo graças a sua própria decadência, seus livros vendiam cada vez menos e alguns nem eram mais publicados. Por que, Paulo, perguntei, e ele: sei eu?! Só aceitei te dar entrevista, falou, porque você me enviou aquele artigo falando bem de minha obra há anos. Na verdade, falei, no artigo apenas digo que você levou muita paulada por despeito e preconceito, de uma imprensa que, por exemplo, nem se digna a divulgar livros infanto-juvenis e discrimina a autoajuda, enquanto é também cega para a carência ética na literatura, embora cobre ética dos políticos.

Pois é, disse ele, você falou mal até de Machado... E esclareci que apenas apontei ser o "grande gênio" um grande monstro ético, conforme Manuel Bandeira, e um maçante, conforme Millôr Fernandes; conforme eu mesmo, um escravagista, elitista, machista e cultuador de vigaristas, como seus protagonistas Brás Cubas e Bentinho. E os mesmos que não enxergam as monstruosidades de Machado, falei, malharam você por focar gente boa fazendo coisas boas e querendo melhorar. Ele sorriu, e continuou sorrindo enquanto falei que sua literatura centra-se na ética, Paulo, e a ética, para a intelectualidade brasileira, como para os políticos, é só para discurso.

Bem, ele falou, vamos à entrevista, e seu sorriso morreu quando fiz a primeira pergunta: no Diário de um mago, há um trecho em que o protagonista se exercita andando em câmera lentíssima, o que é um exercício antigo de teatro, e, em O alquimista, também há passagens que parecem literatura árabe requentada. Vários outros livros seus, continuei, partem de textos ou vivências alheias, o que parece fazer de você mais um recriador que um criador, não? Não sei, ele respondeu, depois de ficar tempo olhando através de mim. Acho que sim, emendou, daí me encarando como se fosse falar mais alguma coisa, mas não falou, como se aceitando o que falei.

Fiz a segunda pergunta esperando resposta menos monossilábica: como o desgaste de tudo é inevitável e a seleção é natural, quais os livros seus que ficarão? Você já citou dois, ele falou, e o terceiro... não sei. O Monte Cinco é que não será, falei, aquilo é uma grossa chatice. Ele sorriu triste, depois disse é, eu não escreveria de novo muito do que escrevi. Arrependido, então?, falei, e ele disse não, arrependido não, porque escrevi sempre com o coração. Mas então o que mudou, perguntei, o coração? A visão, ele falou, e eu falei eis Paulo Coelho, sempre manejando conceitos de autoajuda, imperdoável para quem acha autoajuda coisa apenas comercial.

Mas as parábolas de Jesus são autoajuda, falei, e ele emendou: o Alcorão também, e Confúcio; e Esopo, acrescentei, e ele acrescentou os Irmãos Grimm, e La Fontaine, e todas as autobiografias, pois o que o sujeito pretende ao escrever a própria vida, senão entender-se e ajudar os outros a entender a vida? Muitos também escrevem por vaidade, para se verem no papel como num espelho, pensei mas não falei; e ele como que adivinhou, faiscando o olhar antes de dizer: terceira pergunta?

A imprensa, falei, separou ficção de autoajuda, nas listas de livros mais vendidos, porque senão a lista ficaria apenas de autoajuda. A mesma imprensa que quer vender mais suas próprias revistas e jornais não aceita que um setor livreiro venda mais que o outro. E, de vez em quando, canaliza essa raiva contra um Augusto Cury da vida, como fez também com Paulo Coelho. Mas se quiser aumentar suas vendas, a imprensa não teria de entender e atender a essa gente cultuadora de Curys e Coelhos?

Paulo Coelho ficou me olhando e finalmente disse que a resposta já estava na pergunta. Quarta pergunta, comandou. Perguntei: já leu Paulo Setúbal? Quem? Paulo Setúbal, falei, foi o autor mais lido no começo do século passado, também foi da Academia, suas obras completas foram publicadas em capa dura, mas hoje quase ninguém mais lê. No megasebo Estante Virtual, Paulo, você tem dez vezes mais livros que ele. Ele de novo ficou olhando através de mim, até dizer bom, peguei o ponto, mas... não ficou nada do Paulo Setúbal?

Uma música com letra dele, falei, foi tema de novela da Globo. É, ele falou, de tudo fica um pouco, né, como disse o poeta. Que poeta, perguntei brincando, e rimos. Daí ele perguntou se eu aceitava tomar um rosé em vez de tinto, porque, com a idade, estava voltando a tomar rosé como na juventude... e concordei, pensando na palavra concordar, que vem de cordis, coração, e assim, já sem pensar no passado nem tentando antever o futuro, bebemos o momento, até que, de repente, ele lacrimejou, enxugou os olhos com os dedos, daí explicou que estava pensando em Paulo... Setúbal.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no jornal Rascunho, em julho de 2010. Leia também "Paulo Coelho para o Nobel" e "Para entender Paulo Coelho".


Domingos Pellegrini
Londrina, 2/8/2010

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Era uma vez um blog... de Tiago Dória
02. O entusiasmo de Lobato de Miguel Sanches Neto
03. Twitter versus Facebook de Ricardo Freire
04. Marina candidata de Milton Hatoum
05. Música ainda é profissão? de Pena Schmidt


Mais Domingos Pellegrini
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/8/2010
10h30min
Sou pintora "autodidata" e ja vendi mais de 3.000 quadros e pergunto...o que ficara? Ai me vem `a cabeca uma frase de um critico de arte, nao lembro o nome, "as obras de arte tem valor pelos que as preservaram"...quantas, talvez melhores, nao sobreviveram.A expressao," uma imagem vale por mil palavras" faz com que eu tenha feito mais obras que muitos escritores, mas isso nao significa reconhecimento nem preservacao dos meus trabalhos. O que importa e' fazar, porque se ama o que se faz. O resto fica ao futuro. E isso o Paulo faz.Ama.
[Leia outros Comentários de Maria Anna Machado]
6/8/2010
00h52min
O problema não é o que Paulo escrve, nem quem lê Paulo, mas o que isso traduz...
[Leia outros Comentários de Paulo Stockler]
6/8/2010
00h56min
Apesar de classificarem como autoajuda (já é padrão) essa denominação é errônea, porque o livro se torna um dispositivo para a ajuda, e quem lê não é somente o autor, sendo assim, quem ajuda é o livro enquanto dispositivo desencadeante de uma auto-avaliação. O texto me lembrou mmuito o livro "Quando Nietzsche chorou": ceticismo, resistência (por parte do esntrevistado) e a redenção.
[Leia outros Comentários de Lilian Gonçalves]
6/8/2010
02h39min
Texto maravilhoso!!! "Que poeta?" Ai como eu queria ouvir merda...
[Leia outros Comentários de Enzo Potel]
6/8/2010
06h52min
Há uma diferença significativa entre o Augusto Cury e o Paulo Coelho. O Cury é um imitador, que finge conhecer de todo tema comercial (educação, psicologia, psiquiatria, religião). Mas no fundo ele é o pior exemplo de autor que a literatura merece. Porque tudo o que ele deseja é arrancar alguns míseros trocados do bolso do leitor, nem que para isso tenha que penhorar a própria alma. Já o Paulo Coelho tem uma cara só. É um místico, que percorreu diversos caminhos e em todos eles foi garimpando outras novas do misticismo. Portanto, o leitor que aprecia essa espécie de literatura irá se esbaldar. O Paulo não está empenhando a sua alma. Há pouco tempo até lhe propus uma novidade que poderia fazê-lo retornar ao topo da literatura. Mas a sua secretária gentilmente me despistou. É porque ela nem sabia do que eu estava falando. Era assunto de mestres. Pena que não tenha chegado aos ouvidos do Paulo.
[Leia outros Comentários de ROBERTO ESCRITOR]
6/8/2010
09h53min
Excelente crônica. Ou ensaio, como queiram. Também sou artista plástica como a Maria Anna acima. E escritora também, sem me preocupar com vendas e ganhos. Cheguei à conclusão óbvia de que a morte é definitiva, mesmo para Paulo Setúbal (já li livros dele) ou para o Coelho (também já li). De que me vale deixar isto ou aquilo, estes ou aqueles se vou morrer? De que valeu para Machado, Drummond, João Cabral, Picasso etc.? Vale, isto sim, para nos lembrar de que já morreram. Para eles mesmos não faz a menor difereça se gostamos ou não do trabalho deles.
[Leia outros Comentários de Jane Chiesse]
6/8/2010
10h46min
Nos livros de Paulo Coelho falta ética, pois fazem apologia a bebedeiras, sexo desenfreado, tortura a animais - touradas, matadouros. Hábitos carnívoros, o que não combina com alta espiritualidade, compaixão, amor ao próximo nem ecologia, nem a saúde, pois milhões morrem com colesterol e ácidos das carnes no mundo todo... A vaidade, a ânsia de ser famoso, atraiu trevosos que influenciaram seu trabalho e ajudaram na expansão da sua obra. Não adianta, somos médiuns. O bem atrai forças do bem, o mal atrai as forças de baixo, ou magnéticas inferiores...
[Leia outros Comentários de Ivone Vebber]
7/8/2010
22h10min
Há medí­ocres e medíocres, inclusive os "ironistas".
[Leia outros Comentários de Ravel]
8/8/2010
16h53min
A pergunta "o que ficará?" a meu ver separa o artista do resto. Artista é o que vive arte, faz sua arte e ganha o suficiente para poder viver de mostrar sua maneira singular de ver o mundo com sua arte. A partir do momento que começa a se preocupar se será eterno ou não começa a perder o valor. Não acredito que um Michelangelo, um Dali ou outro deste nivel quando fizeram suas grandes obras estavam preocupados se iriam ser vistos e falados ate o século XX ou XXI. Quando começa a preocupação da durabilidade, no fundo é uma certeza de que a qualidade não faz da obra um trabalho "para sempre".
[Leia outros Comentários de José Ramalho]
9/8/2010
16h02min
Decadência? Enviei meu comentário, deve ter ido direto ao Pelegrini, e este parece não ter recebido ou não gostado... Achei uma alfinetada no Paulo Coelho muito triste, partindo de um escritor que se diz amigo. Dizer que fez a entrevista graças a decadência de Paulo é mesmo uma espetada maldosa. Paulo Coelho não está e nem estará decadente, e já bastam as críticas de que ele não é um literato. E nem precisa marcar seu trabalho na música, já bem o fez na parceria com Raul Seixas, dois m@lukos belez@s! Ser um grande vendedor de livros transpondo fronteiras de tantos países incomoda alguns, mas é motivo de orgulho para outros. Muitos esperam a autobiografia de Paulo, onde ele poderia fazer sua própria análise de vida, de conquistas, por que não de quedas, mas especialmente de suas vitórias. Sim, ele escreveu do que entende e o fez muito bem como alquimista que é.
[Leia outros Comentários de Celito Medeiros]
24/8/2010
05h33min
Domingos, um conselho: leia mais antes de escrever, teu texto tá muito confuso... é importante transmitir com clareza tudo que pretendemos falar. Principalmente sem erros... aliás o editor poderia ter revisado melhor. Fica a dica ;)
[Leia outros Comentários de Loba Má]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O MANUAL DA MÃE AJUDA
DAN GREENBURG
34
(1994)
R$ 6,40



OS TREZE PROBLEMAS
AGATHA CHRISTIE
NOVA FRONTEIRA
(1976)
R$ 4,90



DÚVIDAS E CERTEZAS NA HISTÓRIA DOS DESCOBRIMENTOS PORTUGUESES (VOL. I)
LUÍS DE ALBUQUERQUE
VEGA
(1990)
R$ 55,90



O SISTEMA DE PREÇOS E A ALOCAÇÃO DE RECURSOS
RICHARD H. LEFTWICH
PIONEIRA
(1991)
R$ 16,85



" EIS O CASAL"
PE. MARTIN SEGÚ GIRONA
MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO
(1978)
R$ 6,90



A DANÇA FANTASMA
JOHN CASE
DOM QUIXOTE
(2007)
R$ 45,00



O REI DAS FRAUDES
JOHN GRISHAM
ROCCO
(2003)
R$ 9,90



O SENTIDO DA ARTE
HERBERT READ
IBRASA
(1968)
R$ 25,00



O FALECIDO MATTIA PASCAL
LUIGI PIRANDELLO
ABRIL CULTURAL
(1972)
R$ 4,00



O FALADOR 3 ED. (6280)
MARIO VARGAS LLOSA
FRANCISCO ALVES
(1988)
R$ 18,00





busca | avançada
29517 visitas/dia
891 mil/mês