Nas vertigens de Gullar | Annita Costa Malufe

busca | avançada
205 mil/dia
2,9 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Espetáculo inspirado na vida cotidiana do Bixiga volta ao cartaz comemorando 28 anos do Teatro do In
>>> Semana Gastronômica do Granja
>>> Mulheres em meio ao conflito:sobre inclusão, acolhimento e sororidade incondicional
>>> Arsenal da Esperança faz ensaios de teatro com moradores em situação de rua
>>> Vem pra Feira do Pimp Estoque: Economia Circular com catadoras, catadores e artistas!
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
>>> Minha história com o Starbucks Brasil
>>> O tipógrafo-artista Flávio Vignoli: entrevista
>>> Deixe-me ir, preciso andar, vou por aí a procurar
>>> Olimpíada de Matemática com a Catarina
>>> Mas sem só trapaças: sobre Sequências
>>> Insônia e lantanas na estreia de Rafael Martins
Colunistas
Últimos Posts
>>> Inteligência artificial e o fim da programação
>>> Temer fala... (2023)
>>> George Prochnik sobre Stefan Zweig (2014)
>>> Hoffmann e Khosla sobre inteligência artificial
>>> Tucker Carlson no All-In
>>> Keleti: de engenheiro a gestor
>>> LeCun, Bubeck, Harris e a inteligência artificial
>>> Joe Satriani tocando Van Halen (2023)
>>> Linger by IMY2
>>> How Soon Is Now by Johnny Marr (2021)
Últimos Posts
>>> Toda luz que não podemos ver: política e encenação
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Culpa não tem rima
>>> As duas faces de Janus
>>> Universos paralelos
>>> A caixa de Pandora do século XX
>>> Adão não pediu desculpas
>>> No meu tempo
>>> Caixa da Invisibilidade ou Pasme (depois do Enem)
>>> CHUVA
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Defesa dos Rótulos
>>> A história de cada livro
>>> O poeta do pesadelo e do delírio
>>> Além do Mais em 2004
>>> Sites que mudaram o mundo
>>> Textos, contextos e pretextos
>>> Dicas da Semana
>>> 19 de Abril #digestivo10anos
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> O perfeito cozinheiro das almas deste mundo
Mais Recentes
>>> Matemática - Ciência e Aplicações 1 Ensino Médio de Gelson Iezzi-osvaldo Dolce pela Atual (2001)
>>> Matemática Ciência e Aplicações 2 Ensino Médio de Gelson Iezzi-osvaldo Dolce pela Atual (2004)
>>> Biologia Segundo Grau e Vestibulares de Albino Fonseca pela Ática (1980)
>>> Economia - Micro e Macro de Marco Antonio Sandoval de Vasconcelos pela Atlas (2002)
>>> Estatística Aplicada Economia, Administração e Contabilidade de John E. Freund - Gary A. Simon pela Bookman (2000)
>>> Martini Seco - série rosa dos ventos de Fernando Sabino pela Ática (1987)
>>> Estatística - Coleção Schaum de Murray R. Spiegel pela McGraw-Hill do Brasil (1971)
>>> Administração de Recursos Humanos - Fundamentos Básicos de Idalberto Chiavenato pela Atlas (2003)
>>> Trabalhadores - Profissões do Brasil de Humberto Medeiros - Patrícia Henriques Mafra pela Aon (2008)
>>> A Polícia Que Queremos de João Carlos Pereira pela Do Autor (2011)
>>> Os 27 desafios que todo chefe deve enfrentar de Bruce Tulgan pela Sextante (2015)
>>> Design para crescer - aprenda com a Coca-Cola sobre escala e agilidade de David Butler - Linda Tischler pela Campus (2015)
>>> Implantando uma Empresa de Cesar Simões Salim e outros pela Elsevier - Campus (2011)
>>> Competências - conceitos e instrumentos para a gestão de pessoas na empresa moderna de Joel Souza Dutra pela Atlas (2013)
>>> Um novo jeito de trabalhar de Laszlo Bock pela Sextante (2015)
>>> Pipeline de Desempenho de Stephen Drotter pela Campus (2011)
>>> Nocaute - Como contar sua historia no disputado ringue das redes sociais de Gary Vaynerchuk pela Hsm (2016)
>>> Liderança - a inteligência emocional na formação do líder de sucesso de Daniel Goleman pela Objetiva (2015)
>>> Excelência em atendimento ao cliente de Alexandre Luzzi Las Casas pela M.books (2012)
>>> 100 Maneiras de motivar as pessoas de Steve Chandler - Scott Richardson pela Sextante (2008)
>>> Lições de Impacto e Inovação - O executivo transformador no jogo da indústria de Jeffrey J. Fox - Robert Reiss pela Rocco (2014)
>>> ( Re ) Descobrindo A Matriz Nine Box de Rogerio Leme pela Qualitymark (2013)
>>> Net.com.classe. Um Guia Para Ser Virtualmente Elegante de Claudia Matarazzo pela Melhoramentos
>>> Como Se Tornar Um Lider Servidor de James C. Hunter pela Sextante (2006)
>>> Reinvente Sua Empresa - mude sua maneira de trabalhar de Jason Fried - David Heinemeier Hansson pela Sextante (2012)
ENSAIOS

Segunda-feira, 6/12/2004
Nas vertigens de Gullar
Annita Costa Malufe
+ de 8000 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Ler Na Vertigem do Dia é como se sentar para bater um bom papo com um amigo. Não que ali encontremos amenidades e conversinhas banais pelo contrário. É que há algo de uma proximidade tão singela que é como se ouvíssemos uma voz amiga nos falar; algo de um bate papo cotidiano que não dispensa a proximidade, o venha cá que preciso te contar uma coisa. Sentimo-nos convocados pela ventania de Gullar, pelo seu espelho, pela cômoda de um quarto em Buenos Aires, pelas frutas da quitanda, pelo gato que dorme ao lado. O tempo todo uma voz que cultiva uma rara intimidade com o leitor, o tom de uma conversa.

O livro, saído primeiramente em 1980 e que ganha agora sua segunda edição, é o primeiro livro produzido pelo poeta maranhense Ferreira Gullar após a volta do exílio (embora contenha poemas que foram escritos durante o período em Buenos Aires). Pouco tem da poesia mais engajada de Dentro da Noite Veloz (1975), embora aqui e ali os temas sociais e políticos apareçam, sempre ganhando um sentido aliado à vida cotidiana, pessoal: o social, quando se faz presente, é encarnado no corpo, na emoção, nunca se mostra como algo apenas exterior: Allende, em tua cidade/ ouço cantar esta manhã os passarinhos(...) Em minha porta, os fascistas/ pintaram uma cruz de advertência/ e tu, amigo, já não a podes apagar (...) (Dois poemas chilenos II).

Para escolher uma das infinitas portas de entrada do universo deste nosso enorme poeta, retenho-me na imagem do pequeno poema Uma voz: Sua voz quando ela canta/ me lembra um pássaro mas/ não um pássaro cantando:/ lembra um pássaro voando (pág. 68). Pois me parece haver aqui uma das grandes forças da poesia de Gullar: a habilidade para nos fazer ver o invisível. Que haja um predomínio plástico, visual em sua poesia, muitos já notaram, em geral associando ao interesse de Ferreira Gullar pelas artes plásticas e sua atuação na crítica de arte. Mas queria ressaltar algo para além disto. Nas imagens de Gullar não encontramos apenas belas e surpreendentes figuras, não apenas um forte apelo ao sensorial, mas sim, uma complexa operação poética capaz de nos fazer sentir o que antes era insensível. Nos fazer sentir na pele uma imagem, um som, um cheiro.

No caso do poema citado, a leveza da voz: Gullar aqui não nos conta que a voz é leve, mas, ao nos dizer que sua voz lembra um pássaro voando, sentimos a leveza do pássaro em sua voz. Subitamente, podemos ver o vôo de uma voz; subitamente sentimos a leveza do que nem ao menos possui peso e medida (o som, a voz); subitamente ouvimos um vôo, um movimento e, que som teria o movimento de um vôo antes do poema de Gullar? Do mesmo modo, passamos a ver o silêncio em Ao rés-do-chão: (...) Nos quartos vazios/ na sala vazia na cozinha/ vazia/ os objetos (que não se amam)/ uns de costas para os outros. Ou a sentir a leveza da arquitetura de Oscar Niemeyer em: (ele não faz de pedra/ nossas casas:/ faz de asa) (...)Oscar nos ensina/ que a beleza é leve o belo Lições de arquitetura, que depois foi publicado em Relâmpagos (livro de ensaios sobre crítica de arte).

O poema tem que ser um relâmpago, salienta ele (frase que é título de entrevista concedida à Revista Poesia Sempre, Biblioteca Nacional, setembro de 2004). A palavra do poeta deve revelar ou inventar sensações, é ele mesmo quem nos diz e isto podemos facilmente dizer de seus poemas. Esforço-me para que meu poema, a par de ser uma expressão verbal, ganhe a densidade de objeto perceptível sensorialmente (entrevista concedida à Revista Jandira, Juiz de Fora, primavera 2004). É ele mesmo quem diz que o poema deve ser um clarão que subitamente ilumine o leitor, revele a ele uma imagem inusitada, com o frescor de uma experiência primeira. Porque aí surgiu na minha cabeça a idéia de que a verdadeira poesia teria que ser a expressão da experiência fresca, nascida ali, de repente, captar isso, expressar isso.

Este poeta que nos deu um de nossos maiores poemas, o Poema sujo (1975), nos dá aqui em Na Vertigem do Dia, o clarão de Bananas podres, no qual o apodrecer das bananas sobre o balcão é pretexto para se pensar o imponderável, o tempo, a morte: Que tem a ver o mar/ com estas bananas/ já manchadas de morte; pretexto também para se pensar o mar, a vida das gentes na cidade, e as mínimas coisas do cotidiano como um caco de vidro de leite de magnésia. E, como aqui, na maior parte de seus poemas os objetos e assuntos do dia-a-dia, as banalidades e miudezas, são ganchos para o poeta puxar sensações e sentidos vitais.

O fato é que há uma presença marcante do imponderável em cada pequena coisa convocada pelos versos de Gullar, como se o poeta fosse aquele que sente a vida reverberando silenciosa por trás da existência dos objetos, dos lugares cotidianos, mesmo que sejam eles um simples banheiro de cimento (Em tudo aqui há mais passado que futuro/ mais morte do que festa: neste banheiro/ de água salobra e sombra), ou o Espelho do guarda-roupa (Espelho espelho velho/ alumiando/ debaixo da vida// Quantas manhãs e tardes/ diante das janelas/ viste se acenderem/ e se apagarem/ quando eu já não estava lá?).

Mas se fossemos contabilizar, o que mais encontramos dentre estes poemas vertiginosos é o próprio poema se pensando, se questionando, a experiência poética posta à prova. É o poema que se volta para si mesmo e se experimenta em meio à vida, às coisas, ao tempo e ao movimento das coisas da vida. Daí que o poema de Gullar é um poema todo habitado, é uma voz que ecoa em nós, e que portanto voltando ao início de nossa resenha nos chama para conversar, para sentar ao seu lado. É a voz do poeta que: É voz de gente (na varanda? na janela?/ na saudade? na prisão?)// É voz de gente poema:/ fogo logro solidão. É a voz do poeta que traz uma gente toda, como o sorriso da menina no qual todo o povo teria sorrido uma vez: pode ser que sorrira/ aquela tarde, o povo,/ num rosto de menina (Bananas podres 2).

Resta dizer, para terminar, que um dos grandes mistérios da poesia de Gullar só poderia ser deixado em aberto: como é possível todo este extravasamento, todo este excesso de cores, cheiros, sensações, vida, saltar de um poema de linguagem tão impressionantemente sintética, simples, econômica? Gullar, que escrevia no início (comecei a fazer poesia com uns 13, 14 anos) versos parnasianos, passou pela descoberta, no início difícil e depois apaixonada, dos modernos, fundou o movimento concreto, rompeu com ele, participou dos neoconcretos, fez poesia engajada... e toda esta riqueza de experiências parece compor um cruzamento singular, um domínio muito raro e especial da linguagem, domínio este que permite o tênue equilíbrio que ele tão bem coloca no conhecido Traduzir-se:

Uma parte de mim
é todo mundo:
outra parte é ninguém:
fundo sem fundo.

Uma parte de mim
é multidão:
outra parte estranheza
e solidão.

Uma parte de mim
pesa, pondera:
outra parte
delira.

Uma parte de mim
almoça e janta:
outra parte
se espanta.

Uma parte de mim
é permanente:
outra parte
se sabe de repente.

Uma parte de mim
é só vertigem:
outra parte,
linguagem.
Traduzir uma parte
na outra parte
que é uma questão
de vida ou morte
será arte?


Annita Costa Malufe
São Paulo, 6/12/2004
Quem leu este, tambm leu esse(s):
01. Francis Ponge, garimpeiro dos sonhos de Pedro Maciel


Mais Annita Costa Malufe
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/12/2004
23h06min
Não sou poeta. Raramente leio poesia. Li os comentários sobre Gullar porque é um autor que atrai minha atenção. As figuras de linguagem que encontrei no texto de Annita despertaram mais a vontade de ler Gullar. Parecem compreendê-lo de dentro para fora e convidam, fortemente, à leitura do autor.
[Leia outros Comentários de Maria Regina Maluf]
9/12/2004
12h02min
Bom saber que Gullar volta à baila. Há algum tempo que a poesia vinha obtendo status de gênero literário de menor importância para leitores, e de menor apelo comercial para editores. E não há nada melhor para tempos tão ásperos do que poesia. Ainda que o engajamento seja sublimado em detrimento da sensibilidade...
[Leia outros Comentários de Cozete Gelli]
14/12/2004
17h16min
Ferreira Gullar faz isso comigo: me atravessa a vida, despedaça e ainda me dá a chance de um novo horizonte. Evoé... Viva o poeta!
[Leia outros Comentários de Cristiana Brandão]
2/12/2005
18h58min
Uma questão de traduzir-se... É difícil não gostar de Ferreira Gullar, o seu jeito de dizer ou desdizer o "contraditório" que existe em nós, somente sua poesia poderia traduzir-me ou traduzir-se.
[Leia outros Comentários de Heverson Sandes]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Administração e Aprendizagem na Prática (lacrado)
Silvia Gherardi, Antonio Strati
Elsevier
(2014)



Problemas de Lingüística Descritiva
Joaquim Mattoso Câmara Jr.
Vozes
(1981)



Bufo & Spallanzani
Rubem Fonseca
Nova Fronteira
(2020)



Sangue Fresco
João Carlos Marinho
Global
(1998)



A Toga e a Lira - Coletânea Poética
Fernando Pinto Apresentação
Record
(1985)



Cumbre Curso de Español - Nivel Elemental + Caderno Exercícios - 2 Vol
Aquilino Sánchez / Outros
Ao Livro Técnico
(1995)



A Casa da Mãe Joana Curiosidades nas origens das palavras, frases e marcas
Reinaldo Pimenta
Campus
(2002)



Tratado Sobre a Tolerância
Voltaire
Folha De São Paulo
(2015)



O Significado Psicológico dos Motivos de Redenção nos Contos de Fadas
Marie Louise Von Franz
Cultrix
(1980)



Cara de Fome
Francesc Petit
Siciliano
(1992)





busca | avançada
205 mil/dia
2,9 milhões/mês