Nas vertigens de Gullar | Annita Costa Malufe

busca | avançada
31843 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cinema é filosofia
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Mulher no comando do país! E agora?
>>> YouTube, lá vou eu
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Bar azul - a fotografia de Luiz Braga
>>> Eu + Você = ?
>>> Virtudes e pecados (lavoura arcaica)
>>> Pela estrada afora
>>> A vida sem computador
Mais Recentes
>>> Coleção Os Pensadores de Vários pela Abril Cultural (1973)
>>> Passando a Limpo: a Trajetória de um Farsante: História Completa... de Pedro Collor de Mello/ Coord. Dora Kramer pela Record (1993)
>>> Passando a Limpo: a Trajetória de um Farsante: História Completa... de Pedro Collor de Mello/ Coord. Dora Kramer pela Record (1993)
>>> Um Diplomata da Regeneração - O 1º Conde de Villa Franca do Campo de Fernando Abecassis pela Tribuna da Historia (2007)
>>> Inspeção do Trabalho de Nelson Mannrich pela LTr (1991)
>>> Jurupari - Estudos de Mitologia Brasileira de Silvia Maria S. de Carvalho pela Ática (1979)
>>> Sport in the 21st Century de John Mehaffey & Reuters pela Thames & Hudson (2007)
>>> Matemática para economistas de Alpha Chiang pela Unesp (1982)
>>> Memórias do cárcere 3º volume Colônia Correlaccional de Graciliano Ramos pela José Olympio (1954)
>>> As hortaliças na medicina doméstica de A. Balbach pela Edel
>>> Caderno de teses vol.2 28ºCongresso Nacional procuradores Estado de Helena Maria Silva Coelho pela Metropole industria gráfica ltda (2002)
>>> Casais Inteligentes Enriquecem Juntos de Gustavo Cerbasi pela Gente/ SP. (2004)
>>> Ordem Juridico-econômica e trabalho de Ricardo Antonio Lucas Camargo pela Sergio antonio fabris (1998)
>>> Capo Verde. Una storia lunga dieci isole de Marzio Marzot & Maria de Lourdes de Jesus et alii pela D'Anselmi (1989)
>>> Investimentos Inteligentes: Para Conquistar e Multiplicar o seu Primeiro Milhão de Gustavo Cerbasi pela Thomas Nelson do Brasil (2008)
>>> Esquecidos e Renascidos - Historiografia Acadêmica Luso-americana de Iris Kantor pela Hucitec (2004)
>>> Nova York anos 40 de Andreas Feininger pela Museu Lazar Segall (2011)
>>> O Intelectual e o Poder de Eduardo Portella pela Tempo Brasileiro/ RJ. (1983)
>>> Indivíduo e Cosmos na Filosofia do Renascimento de Ernest Cassirer pela Martins Fontes (2001)
>>> Fundamentos Culturales de Civilizacion Industrial de John U. Nef pela Editorial Paidós/ Buenos Aires (1964)
>>> Noções Preliminares de Direito Previdenciário de Wagner Balera pela Quartier Latin (2004)
>>> Salvador Negro Amor de Sérgio Guerra pela Maianga (2007)
>>> Ensaios de Biologia Social - Encadernado de Josué de Castro pela Brasiliense/ SP (1957)
>>> A imprensa na História do Brasil & Fotojornalismo no século XX de Oswaldo Munteal & Larissa Grandi pela Desiderata/PUC (2005)
>>> Roteiro de Macunaíma (Encadernação de Luxo) de M. Cavalcanti Proença/ Autografado pela Ahembi/ SP. (1955)
>>> Alferes Teófilo Olegário de Brito Guerra -Um Memorialista Esquecido de Raimundo Soares de Brito pela Coleção Mossoroense (1980)
>>> HQ Os Grandes Inimigos do Mandrake Nº 2 + A Volta do Camelo de Barro de Lee Falk pela Globo (1989)
>>> Lugar de Fala de Djamila Ribeiro pela Polen (2019)
>>> Administração Financeira Internacional de David K. Eiteman, ArthurStonehill, e Michael Moffett pela Bookman (2002)
>>> HQ Os Grandes Inimigos do Mandrake Nº 1 + o Retorno do Cobra de Lee Falk pela Ebal (1989)
>>> História da Literatura Portuguesa/ Encadernado de Antonio José Saraiva e Oscar Lopes pela Porto Ed.
>>> Cortez -A Saga de Um sonhador de Teresa Sales -Goimar Dantas pela Cortez (2010)
>>> HQ Os grandes inimigos do Mandrake Nº 4 + Os Oito Tentáculos da Morte de Lee Falk pela Ebal (1989)
>>> HQ Rastros de ódio - Revista Cinemin Nostalgia 3 de Diversos Autores pela Ebal (1989)
>>> Regulamento do ICMS do Rio de Janeiro de Ana Cristina Martins Pereira pela Lex (2006)
>>> A cidade do sol de Khaled Hosseini pela Nova froteira (2007)
>>> HQ Revistsa Elipse nº 1 + Crepúsculo dos Super-heróis de David Campiti & Kevin Juaire & Bart Sears pela Ebal (1992)
>>> Cinquenta tons mais escuros de E L James pela Intrínseca (2012)
>>> As mil e uma noites- os corações desumanos de René Khawam pela Brasiliense (1991)
>>> HQ Quem foi? Os prisioneiros de Sulma de Diversos Autores pela Ebal (1982)
>>> Autoritarismo e Participação Política da Mulher de Fanny Tabak pela Graal/ RJ. (1983)
>>> Cartas entre amigos - sobre os medos contemporâneos de Fábio de melo e Gabriel chalita pela Ediouro (2009)
>>> A Civilização Romana de Pierre Grimal pela Edições 70 (2001)
>>> Centenário de José Bezerra Gomes de Joabel R. de Souza pela Fcjbg (2011)
>>> Alienação na Univesidade - a Crise dos Anos 80 de Paulo L. Hoffmann pela Edit. da UFSC (1985)
>>> O castelo da intriga de Paulo Stewart pela Scipicione (1996)
>>> No Tempo dos Faraós (Crianças Na História) de Ginette Hoffmann - Françoise Lebrun pela Scipione (1993)
>>> No Tempo dos Faraós (Crianças Na História) de Ginette Hoffmann - Françoise Lebrun pela Scipione (1996)
>>> As asas do joel de Walcir Carrasco pela Quinteto Editorial (2019)
>>> No Tempo dos Faraós (Crianças Na História) de Ginette Hoffmann - Françoise Lebrun pela Scipione (1998)
ENSAIOS

Segunda-feira, 6/12/2004
Nas vertigens de Gullar
Annita Costa Malufe

+ de 6700 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Ler Na Vertigem do Dia é como se sentar para bater um bom papo com um amigo. Não que ali encontremos amenidades e conversinhas banais – pelo contrário. É que há algo de uma proximidade tão singela que é como se ouvíssemos uma voz amiga nos falar; algo de um bate papo cotidiano que não dispensa a proximidade, o “venha cá que preciso te contar uma coisa”. Sentimo-nos convocados pela ventania de Gullar, pelo seu espelho, pela cômoda de um quarto em Buenos Aires, pelas frutas da quitanda, pelo gato que dorme ao lado. O tempo todo uma voz que cultiva uma rara intimidade com o leitor, o tom de uma conversa.

O livro, saído primeiramente em 1980 e que ganha agora sua segunda edição, é o primeiro livro produzido pelo poeta maranhense Ferreira Gullar após a volta do exílio (embora contenha poemas que foram escritos durante o período em Buenos Aires). Pouco tem da poesia mais engajada de Dentro da Noite Veloz (1975), embora aqui e ali os temas sociais e políticos apareçam, sempre ganhando um sentido aliado à vida cotidiana, pessoal: o social, quando se faz presente, é encarnado no corpo, na emoção, nunca se mostra como algo apenas exterior: “Allende, em tua cidade/ ouço cantar esta manhã os passarinhos(...) Em minha porta, os fascistas/ pintaram uma cruz de advertência/ e tu, amigo, já não a podes apagar (...)” (“Dois poemas chilenos II”).

Para escolher uma das infinitas portas de entrada do universo deste nosso enorme poeta, retenho-me na imagem do pequeno poema “Uma voz”: “Sua voz quando ela canta/ me lembra um pássaro mas/ não um pássaro cantando:/ lembra um pássaro voando” (pág. 68). Pois me parece haver aqui uma das grandes forças da poesia de Gullar: a habilidade para nos fazer ver o invisível. Que haja um predomínio plástico, visual em sua poesia, muitos já notaram, em geral associando ao interesse de Ferreira Gullar pelas artes plásticas e sua atuação na crítica de arte. Mas queria ressaltar algo para além disto. Nas imagens de Gullar não encontramos apenas belas e surpreendentes figuras, não apenas um forte apelo ao sensorial, mas sim, uma complexa operação poética capaz de nos fazer sentir o que antes era insensível. Nos fazer sentir na pele uma imagem, um som, um cheiro.

No caso do poema citado, a leveza da voz: Gullar aqui não nos conta que a voz é leve, mas, ao nos dizer que sua voz lembra um pássaro voando, sentimos a leveza do pássaro em sua voz. Subitamente, podemos ver o vôo de uma voz; subitamente sentimos a leveza do que nem ao menos possui peso e medida (o som, a voz); subitamente ouvimos um vôo, um movimento – e, que som teria o movimento de um vôo antes do poema de Gullar? Do mesmo modo, passamos a ver o silêncio em “Ao rés-do-chão”: “(...) Nos quartos vazios/ na sala vazia na cozinha/ vazia/ os objetos (que não se amam)/ uns de costas para os outros”. Ou a sentir a leveza da arquitetura de Oscar Niemeyer em: “(ele não faz de pedra/ nossas casas:/ faz de asa) (...)Oscar nos ensina/ que a beleza é leve” – o belo “Lições de arquitetura”, que depois foi publicado em Relâmpagos (livro de ensaios sobre crítica de arte).

“O poema tem que ser um relâmpago”, salienta ele (frase que é título de entrevista concedida à Revista Poesia Sempre, Biblioteca Nacional, setembro de 2004). A palavra do poeta deve revelar ou inventar sensações, é ele mesmo quem nos diz – e isto podemos facilmente dizer de seus poemas. “Esforço-me para que meu poema, a par de ser uma expressão verbal, ganhe a densidade de objeto perceptível sensorialmente” (entrevista concedida à Revista Jandira, Juiz de Fora, primavera 2004). É ele mesmo quem diz que o poema deve ser um clarão que subitamente ilumine o leitor, revele a ele uma imagem inusitada, com o frescor de uma experiência primeira. “Porque aí surgiu na minha cabeça a idéia de que a verdadeira poesia teria que ser a expressão da experiência fresca, nascida ali, de repente, captar isso, expressar isso”.

Este poeta que nos deu um de nossos maiores poemas, o “Poema sujo” (1975), nos dá aqui em Na Vertigem do Dia, o clarão de “Bananas podres”, no qual o apodrecer das bananas sobre o balcão é pretexto para se pensar o imponderável, o tempo, a morte: “Que tem a ver o mar/ com estas bananas/ já manchadas de morte”; pretexto também para se pensar o mar, a vida das gentes na cidade, e as mínimas coisas do cotidiano como “um caco de vidro de leite de magnésia”. E, como aqui, na maior parte de seus poemas os objetos e assuntos do dia-a-dia, as banalidades e miudezas, são ganchos para o poeta puxar sensações e sentidos vitais.

O fato é que há uma presença marcante do imponderável em cada pequena coisa convocada pelos versos de Gullar, como se o poeta fosse aquele que sente a vida reverberando silenciosa por trás da existência dos objetos, dos lugares cotidianos, mesmo que sejam eles um simples banheiro de cimento (“Em tudo aqui há mais passado que futuro/ mais morte do que festa: neste banheiro/ de água salobra e sombra”), ou o “Espelho do guarda-roupa” (Espelho espelho velho/ alumiando/ debaixo da vida// Quantas manhãs e tardes/ diante das janelas/ viste se acenderem/ e se apagarem/ quando eu já não estava lá?”).

Mas se fossemos contabilizar, o que mais encontramos dentre estes poemas vertiginosos é o próprio poema se pensando, se questionando, a experiência poética posta à prova. É o poema que se volta para si mesmo e se experimenta em meio à vida, às coisas, ao tempo e ao movimento das coisas da vida. Daí que o poema de Gullar é um poema todo habitado, é uma voz que ecoa em nós, e que portanto – voltando ao início de nossa resenha – nos chama para conversar, para sentar ao seu lado. É a voz do poeta que: “É voz de gente (na varanda? na janela?/ na saudade? na prisão?)// É voz de gente – poema:/ fogo logro solidão”. É a voz do poeta que traz uma gente toda, como o sorriso da menina no qual todo o povo teria sorrido uma vez: “pode ser que sorrira/ aquela tarde, o povo,/ num rosto de menina” (“Bananas podres 2”).

Resta dizer, para terminar, que um dos grandes mistérios da poesia de Gullar só poderia ser deixado em aberto: como é possível todo este extravasamento, todo este excesso de cores, cheiros, sensações, vida, saltar de um poema de linguagem tão impressionantemente sintética, simples, econômica? Gullar, que escrevia no início (“comecei a fazer poesia com uns 13, 14 anos”) versos parnasianos, passou pela descoberta, no início difícil e depois apaixonada, dos modernos, fundou o movimento concreto, rompeu com ele, participou dos neoconcretos, fez poesia engajada... e toda esta riqueza de experiências parece compor um cruzamento singular, um domínio muito raro e especial da linguagem, domínio este que permite o tênue equilíbrio que ele tão bem coloca no conhecido “Traduzir-se”:

“Uma parte de mim
é todo mundo:
outra parte é ninguém:
fundo sem fundo.

Uma parte de mim
é multidão:
outra parte estranheza
e solidão.

Uma parte de mim
pesa, pondera:
outra parte
delira.

Uma parte de mim
almoça e janta:
outra parte
se espanta.

Uma parte de mim
é permanente:
outra parte
se sabe de repente.

Uma parte de mim
é só vertigem:
outra parte,
linguagem.
Traduzir uma parte
na outra parte
– que é uma questão
de vida ou morte –
será arte?”


Annita Costa Malufe
São Paulo, 6/12/2004

Mais Annita Costa Malufe
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/12/2004
23h06min
Não sou poeta. Raramente leio poesia. Li os comentários sobre Gullar porque é um autor que atrai minha atenção. As figuras de linguagem que encontrei no texto de Annita despertaram mais a vontade de ler Gullar. Parecem compreendê-lo de dentro para fora e convidam, fortemente, à leitura do autor.
[Leia outros Comentários de Maria Regina Maluf]
9/12/2004
12h02min
Bom saber que Gullar volta à baila. Há algum tempo que a poesia vinha obtendo status de gênero literário de menor importância para leitores, e de menor apelo comercial para editores. E não há nada melhor para tempos tão ásperos do que poesia. Ainda que o engajamento seja sublimado em detrimento da sensibilidade...
[Leia outros Comentários de Cozete Gelli]
14/12/2004
17h16min
Ferreira Gullar faz isso comigo: me atravessa a vida, despedaça e ainda me dá a chance de um novo horizonte. Evoé... Viva o poeta!
[Leia outros Comentários de Cristiana Brandão]
2/12/2005
18h58min
Uma questão de traduzir-se... É difícil não gostar de Ferreira Gullar, o seu jeito de dizer ou desdizer o "contraditório" que existe em nós, somente sua poesia poderia traduzir-me ou traduzir-se.
[Leia outros Comentários de Heverson Sandes]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UM IR E VIR COTIDIANO
SIVA BIANCHI
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



TRAÍDA SÉRIE HOUSE OF NIGHT - LIVRO 02 8898
P C CAST E KRISTIN CAST
NOVO SÉCULO
(2009)
R$ 10,00



OSTEOPOROSE
M. A. DAMBACHER E E. SCHATCHT
ALFAD
R$ 9,00



MANEJO REPRODUTIVO DE OVINOS DE CORTE (NAS REGIÕES CENTRO-OESTE, NORTE E SUDESTE DO BRASIL)
AURORA MARIA GUIMARÃES GOUVEIA CLÁUDIO JOSÉ BORELA ESPESCHIT E SILVIA LETICIA TARTARI
LK
R$ 63,00



TRAVESSIA REPORTAGEM SOBRE O SERTÃO DE GUIMARÃES ROSA
JULIANA SIMONETTI
LINC
(2010)
R$ 35,00
+ frete grátis



O LIVRO DOS MILAGRES
KEVIN BELMONTE
THOMAS NELSON BRASIL
(2015)
R$ 36,00



POIROT INVESTIGA
AGATHA CHRISTIE
RECORD
(2001)
R$ 10,00



LOVE KISS
GILBERT OAKLEY
DIAMOND STAR
(1970)
R$ 19,82



O GUIA OFICIAL DO CLUB PENGUIN VOL 1
DISNEY
MELHORAMENTOS
(2011)
R$ 4,00



DIREITO PENAL CONCRETO
ANTÔNIO JOSÉ MIGUEL FEU ROSA
CONSULEX
(1992)
R$ 26,82





busca | avançada
31843 visitas/dia
1,0 milhão/mês