Nas vertigens de Gullar | Annita Costa Malufe

busca | avançada
65683 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A convergência das mídias
>>> 4 de Setembro #digestivo10anos
>>> É Isto um Homem?, de Primo Levi
>>> Violões do Brasil
>>> Sou um de vocês
>>> A redescoberta da(s) leitura(s)
>>> A redescoberta da(s) leitura(s)
>>> 2 de Abril #digestivo10anos
>>> Eat the Rich
>>> El fin de la inocencia
Mais Recentes
>>> Espíritos entre nós de James Van Praagt pela Sextante (2010)
>>> Direito ambiental de Marcia Diegues Leuzinger e Sandra Cureau pela Elsevier (2008)
>>> O cortiço de Ivan Jaf pela Ática (2013)
>>> Improbidade Administrativa: Lei 8.429/1992 Teoria e Exercícios de Ivan Lucas de Souza Júnior pela Gran cursos (2011)
>>> Plástica. Quando? Por Quê? de Rolando Zani pela Manole (2001)
>>> Sexo tântrico : como prolongar o prazer e atingir o êxtase espiritual de Cassandra Lorius pela Ediouro (2000)
>>> Burocracia e ocupação no setor público brasileiro de José Celso Cardloso Jr pela Diálogos para o desenvolvimento (2011)
>>> O Mistério das Aranhas Verdes de Carlos Heitor Cony; Anna Lee pela Salamandra (2001)
>>> Bem do seu tamanho de Ana Maria Machado; Mariana Massarani pela Salamandra (2003)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Paterson pela Salamandra (2006)
>>> Slam Dunk de Takehiko Inoque pela Conrad (2006)
>>> Slam Dunk de Takehiko Inoque pela Conrad (2006)
>>> Neon Genesis Evangelion the Iron Maiden 6 de Funino Hayashi - GAINAX pela Conrad (2006)
>>> Neon Genesis Evangelion the Iron Maiden 5 de Funino Hayashi - GAINAX pela Conrad (2003)
>>> Minha vida de menina de Helena Morley pela Companhia das Letras (2020)
>>> Minha formação de Joaquim Nabuco pela 34 (2020)
>>> Mestre da Critica de Vários autores pela Topbooks (2020)
>>> Memórias para servir à História do Reino do Brasil de Luís Gonçalves dos Santos pela Senado (2020)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Abc (2020)
>>> A Unica Esperança de Alejandro Bullon pela Casa Publicadora Brasileira (2013)
>>> Memórias de Carlota Joaquina de Marsilio Cassotti pela Planeta (2020)
>>> Marquês de São Vicente de Eduardo Kugelmas pela 34 (2020)
>>> Machado de Assis & Joaquim Nabuco. Correspondência de Graça Aranha pela Topbooks (2020)
>>> Obra Completa de Luis De Camoes pela Nova (2020)
>>> Literatura e Sociedade de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul (2020)
>>> O Tigre na Sombra de Lya Luft pela Record (2012)
>>> Juca Paranhos, o Barão do Rio Branco de Luís Cláudio Villafañe G. Santos pela Companhia das Letras (2020)
>>> Ingleses no Brasil de Gilberto Freyre pela UniverCidade (2020)
>>> Histórias da Gente Brasileira. República. Memórias. 1889-1950 - Volume 3 de Mary Del Priore pela Leya (2020)
>>> Histórias da gente brasileira - Império - Vol. 2 de Mary Del Priore pela Leya (2020)
>>> Histórias da gente brasileira - Colônia - Vol. 1 de Mary Del Priore pela Leya (2020)
>>> Tensoes Mundiais Volume 4 Numero 5 de Manoel Domingos Neto e Monica Dias Martins pela Observatorio das Nacionalidades (2008)
>>> História econômica do Brasil de Roberto C. Simonsen pela Senado (2020)
>>> História dos Fundadores do Império do Brasil - 7 volumes - coleção completa de Otávio Tarquínio de Sousa pela Senado (2020)
>>> História do Brasil: Uma interpretação de Mota, Carlos Guilherme and Lopez, Adriana pela 34 (2020)
>>> História do Brasil de Boris Fausto pela Edusp (2020)
>>> Historia da Vida Privada Em Portugal: Volume 1 Idade Média de Direção de José Mattoso pela Abc (2020)
>>> Historia da Vida Privada Em Portugal: OS Nossos Dias de Direção de José Mattoso pela Abc (2020)
>>> História da saúde no Brasil de Luiz Antonio Teixeira (Compilador), Tânia Salgado Pimenta (Compilador), Gilberto Hochman (Compilador) pela Hucitec (2020)
>>> História da Arte no Brasil: Textos de Síntese de Myriam Andrade Ribeiro de Oliveira, Angela Ancora da Luz, Sonia Gomes Pereira pela Ufrj (2020)
>>> Temas de Direito Constitucional Volume 1 de Luís Roberto Barroso pela Renovar (2002)
>>> História Da América Portuguesa de Sebastião Da Rocha Pita pela Senado (2020)
>>> História da Alimentação no Brasil de Luís da Câmara Cascudo pela Global (2020)
>>> No caminho de Swann. de Marcel Proust pela Globo (2003)
>>> Hipólito José da Costa de Sergio Goes de Paula pela 34 (2020)
>>> Serious Candida Infections: Risk Factors, Treatment and Prevention de John H. Rex e Françoise Meunier Editores pela Pfizer (1995)
>>> Grande Reforma Urbana Do Rio De Janeiro, A: Pereira Passos, Rodrigues Alves E As Ideias De Civilização E Progresso de Andre Nunes De Azevedo pela PUC Rio (2020)
>>> Natural Racional Social - Razão Médica e Racionalidade Científica Moderna. de Madel T. Luz pela Campus (1988)
>>> Getúlio 3 (1945-1954) de Lira Neto pela Companhia das Letras (2020)
>>> Getulio 1930-1945: Do Governo Provisorio Ao Estado Novo de Lira Neto pela Companhia das Letras (2020)
ENSAIOS

Segunda-feira, 6/12/2004
Nas vertigens de Gullar
Annita Costa Malufe

+ de 7100 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Ler Na Vertigem do Dia é como se sentar para bater um bom papo com um amigo. Não que ali encontremos amenidades e conversinhas banais – pelo contrário. É que há algo de uma proximidade tão singela que é como se ouvíssemos uma voz amiga nos falar; algo de um bate papo cotidiano que não dispensa a proximidade, o “venha cá que preciso te contar uma coisa”. Sentimo-nos convocados pela ventania de Gullar, pelo seu espelho, pela cômoda de um quarto em Buenos Aires, pelas frutas da quitanda, pelo gato que dorme ao lado. O tempo todo uma voz que cultiva uma rara intimidade com o leitor, o tom de uma conversa.

O livro, saído primeiramente em 1980 e que ganha agora sua segunda edição, é o primeiro livro produzido pelo poeta maranhense Ferreira Gullar após a volta do exílio (embora contenha poemas que foram escritos durante o período em Buenos Aires). Pouco tem da poesia mais engajada de Dentro da Noite Veloz (1975), embora aqui e ali os temas sociais e políticos apareçam, sempre ganhando um sentido aliado à vida cotidiana, pessoal: o social, quando se faz presente, é encarnado no corpo, na emoção, nunca se mostra como algo apenas exterior: “Allende, em tua cidade/ ouço cantar esta manhã os passarinhos(...) Em minha porta, os fascistas/ pintaram uma cruz de advertência/ e tu, amigo, já não a podes apagar (...)” (“Dois poemas chilenos II”).

Para escolher uma das infinitas portas de entrada do universo deste nosso enorme poeta, retenho-me na imagem do pequeno poema “Uma voz”: “Sua voz quando ela canta/ me lembra um pássaro mas/ não um pássaro cantando:/ lembra um pássaro voando” (pág. 68). Pois me parece haver aqui uma das grandes forças da poesia de Gullar: a habilidade para nos fazer ver o invisível. Que haja um predomínio plástico, visual em sua poesia, muitos já notaram, em geral associando ao interesse de Ferreira Gullar pelas artes plásticas e sua atuação na crítica de arte. Mas queria ressaltar algo para além disto. Nas imagens de Gullar não encontramos apenas belas e surpreendentes figuras, não apenas um forte apelo ao sensorial, mas sim, uma complexa operação poética capaz de nos fazer sentir o que antes era insensível. Nos fazer sentir na pele uma imagem, um som, um cheiro.

No caso do poema citado, a leveza da voz: Gullar aqui não nos conta que a voz é leve, mas, ao nos dizer que sua voz lembra um pássaro voando, sentimos a leveza do pássaro em sua voz. Subitamente, podemos ver o vôo de uma voz; subitamente sentimos a leveza do que nem ao menos possui peso e medida (o som, a voz); subitamente ouvimos um vôo, um movimento – e, que som teria o movimento de um vôo antes do poema de Gullar? Do mesmo modo, passamos a ver o silêncio em “Ao rés-do-chão”: “(...) Nos quartos vazios/ na sala vazia na cozinha/ vazia/ os objetos (que não se amam)/ uns de costas para os outros”. Ou a sentir a leveza da arquitetura de Oscar Niemeyer em: “(ele não faz de pedra/ nossas casas:/ faz de asa) (...)Oscar nos ensina/ que a beleza é leve” – o belo “Lições de arquitetura”, que depois foi publicado em Relâmpagos (livro de ensaios sobre crítica de arte).

“O poema tem que ser um relâmpago”, salienta ele (frase que é título de entrevista concedida à Revista Poesia Sempre, Biblioteca Nacional, setembro de 2004). A palavra do poeta deve revelar ou inventar sensações, é ele mesmo quem nos diz – e isto podemos facilmente dizer de seus poemas. “Esforço-me para que meu poema, a par de ser uma expressão verbal, ganhe a densidade de objeto perceptível sensorialmente” (entrevista concedida à Revista Jandira, Juiz de Fora, primavera 2004). É ele mesmo quem diz que o poema deve ser um clarão que subitamente ilumine o leitor, revele a ele uma imagem inusitada, com o frescor de uma experiência primeira. “Porque aí surgiu na minha cabeça a idéia de que a verdadeira poesia teria que ser a expressão da experiência fresca, nascida ali, de repente, captar isso, expressar isso”.

Este poeta que nos deu um de nossos maiores poemas, o “Poema sujo” (1975), nos dá aqui em Na Vertigem do Dia, o clarão de “Bananas podres”, no qual o apodrecer das bananas sobre o balcão é pretexto para se pensar o imponderável, o tempo, a morte: “Que tem a ver o mar/ com estas bananas/ já manchadas de morte”; pretexto também para se pensar o mar, a vida das gentes na cidade, e as mínimas coisas do cotidiano como “um caco de vidro de leite de magnésia”. E, como aqui, na maior parte de seus poemas os objetos e assuntos do dia-a-dia, as banalidades e miudezas, são ganchos para o poeta puxar sensações e sentidos vitais.

O fato é que há uma presença marcante do imponderável em cada pequena coisa convocada pelos versos de Gullar, como se o poeta fosse aquele que sente a vida reverberando silenciosa por trás da existência dos objetos, dos lugares cotidianos, mesmo que sejam eles um simples banheiro de cimento (“Em tudo aqui há mais passado que futuro/ mais morte do que festa: neste banheiro/ de água salobra e sombra”), ou o “Espelho do guarda-roupa” (Espelho espelho velho/ alumiando/ debaixo da vida// Quantas manhãs e tardes/ diante das janelas/ viste se acenderem/ e se apagarem/ quando eu já não estava lá?”).

Mas se fossemos contabilizar, o que mais encontramos dentre estes poemas vertiginosos é o próprio poema se pensando, se questionando, a experiência poética posta à prova. É o poema que se volta para si mesmo e se experimenta em meio à vida, às coisas, ao tempo e ao movimento das coisas da vida. Daí que o poema de Gullar é um poema todo habitado, é uma voz que ecoa em nós, e que portanto – voltando ao início de nossa resenha – nos chama para conversar, para sentar ao seu lado. É a voz do poeta que: “É voz de gente (na varanda? na janela?/ na saudade? na prisão?)// É voz de gente – poema:/ fogo logro solidão”. É a voz do poeta que traz uma gente toda, como o sorriso da menina no qual todo o povo teria sorrido uma vez: “pode ser que sorrira/ aquela tarde, o povo,/ num rosto de menina” (“Bananas podres 2”).

Resta dizer, para terminar, que um dos grandes mistérios da poesia de Gullar só poderia ser deixado em aberto: como é possível todo este extravasamento, todo este excesso de cores, cheiros, sensações, vida, saltar de um poema de linguagem tão impressionantemente sintética, simples, econômica? Gullar, que escrevia no início (“comecei a fazer poesia com uns 13, 14 anos”) versos parnasianos, passou pela descoberta, no início difícil e depois apaixonada, dos modernos, fundou o movimento concreto, rompeu com ele, participou dos neoconcretos, fez poesia engajada... e toda esta riqueza de experiências parece compor um cruzamento singular, um domínio muito raro e especial da linguagem, domínio este que permite o tênue equilíbrio que ele tão bem coloca no conhecido “Traduzir-se”:

“Uma parte de mim
é todo mundo:
outra parte é ninguém:
fundo sem fundo.

Uma parte de mim
é multidão:
outra parte estranheza
e solidão.

Uma parte de mim
pesa, pondera:
outra parte
delira.

Uma parte de mim
almoça e janta:
outra parte
se espanta.

Uma parte de mim
é permanente:
outra parte
se sabe de repente.

Uma parte de mim
é só vertigem:
outra parte,
linguagem.
Traduzir uma parte
na outra parte
– que é uma questão
de vida ou morte –
será arte?”


Annita Costa Malufe
São Paulo, 6/12/2004

Mais Annita Costa Malufe
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/12/2004
23h06min
Não sou poeta. Raramente leio poesia. Li os comentários sobre Gullar porque é um autor que atrai minha atenção. As figuras de linguagem que encontrei no texto de Annita despertaram mais a vontade de ler Gullar. Parecem compreendê-lo de dentro para fora e convidam, fortemente, à leitura do autor.
[Leia outros Comentários de Maria Regina Maluf]
9/12/2004
12h02min
Bom saber que Gullar volta à baila. Há algum tempo que a poesia vinha obtendo status de gênero literário de menor importância para leitores, e de menor apelo comercial para editores. E não há nada melhor para tempos tão ásperos do que poesia. Ainda que o engajamento seja sublimado em detrimento da sensibilidade...
[Leia outros Comentários de Cozete Gelli]
14/12/2004
17h16min
Ferreira Gullar faz isso comigo: me atravessa a vida, despedaça e ainda me dá a chance de um novo horizonte. Evoé... Viva o poeta!
[Leia outros Comentários de Cristiana Brandão]
2/12/2005
18h58min
Uma questão de traduzir-se... É difícil não gostar de Ferreira Gullar, o seu jeito de dizer ou desdizer o "contraditório" que existe em nós, somente sua poesia poderia traduzir-me ou traduzir-se.
[Leia outros Comentários de Heverson Sandes]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MODERNIZAÇÃO REFLEXIVA - POLÍTICA, TRADIÇÃO E ESTÉTICA ... - 2ª EDIÇÃO
ANTHONY GIDDENS & SCOTT LASH & ULRICH BECK
UNESP
(2012)
R$ 48,95



OS ANOS VERTIGINOSOS
PHILIPP BLOM
RECORD
(2015)
R$ 59,00



TUDO O QUE VOCÊ QUERIA SABER SOBRE SEXO; MAS TINHA MEDO DE PERGUNTAR
DR. DAVID REUBEN
CÍRCULO DO LIVRO
(1975)
R$ 5,00



PICCOLO LESSICO DEL MUSICISTA
AMINTORE GALLI
EDIZIONI RICORDI
R$ 29,39



O PRIMO BASÍLIO
EÇA DE QUEIRÓS
MARTIN CLARET
(2004)
R$ 6,00



O SEGREDO QUE MUDOU NOSSAS VIDAS
JOSÉ MENDONÇA DE ARAÚJO FILHO
CRIATUS
(2016)
R$ 15,00



MEU QUERIDO CANALHA
RUY CASTRO/CARLOS HEITOR CONY/ALDIR BLANC E OUTROS
OBJETIVA
(2004)
R$ 8,90



SER PROTAGONISTA - QUIMICA VOL2 - ENSINO MEDIO - 2º ANO
SM EDICOES
SM
R$ 36,00



GLOBALIZAÇÃO E FÉ
CARLOS VALERO TRADUTOR
EDUSC
(2000)
R$ 7,00



O DEVIDO PROCESSO LEGAL TRIBUTÁRIO
ALBERTO NOGUEIRA
RENOVAR
(1995)
R$ 27,28





busca | avançada
65683 visitas/dia
2,2 milhões/mês