O poeta em pânico | Donizete Galvão

busca | avançada
24646 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
Últimos Posts
>>> Diagnóstico falho
>>> Manuscrito
>>> Expectativas
>>> Poros do devir
>>> Quites
>>> Pós-graduação
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Barril
>>> Como escrever bem — parte 1
>>> Quatro Mitos sobre Internet - parte 1
>>> Da capo
>>> Elesbão: escravo, enforcado, esquartejado
>>> 5ª MUMIA em BH
>>> Celebrity killer
>>> Em nome do caos
>>> Chiaroscuro
>>> Chico Buarque falou por nós
Mais Recentes
>>> Amamentação Um Hibrido Natureza -Cultura de João Aprigio Guerra de Almeida pela Fiocruz (1999)
>>> Mikhail Gorbachev de Anna Sproule pela Globo (1990)
>>> Heroides de Walter Vergna pela Edições Granet Lawer (1975)
>>> Mutações de Liv Ullman pela Circulo do Livro (1986)
>>> Ligação Direta Com Deus de Bobtrask pela Nova Era (1994)
>>> Betsabé de Tofgny Lindgren pela Record (1984)
>>> O livro dos sinais de Trigueirinho pela Pensamento (1997)
>>> De Carta Em Carta de Ana Maria Machado pela Salamandra (2002)
>>> Cura entre Gerações de Pe.Robert DeGrantis pela Louva Deus (1994)
>>> Letras de exortação e reflexão para homens que se atrevem a ser cristãos de Dom Antonio Duarte S.R. pela Scortecci (2019)
>>> A Ditadura Escancarada de Elio Gaspari pela Companhia das Letras (2002)
>>> Como investigar crimes com a ajuda Divina de Daniel Gomes pela Cpad (1999)
>>> O Diário de Um Mago de Paulo Coelho pela Klick (1990)
>>> Compendio de botânica de Paulo Benzzoni pela Itatiaia (1973)
>>> A Ditadura Derrotada de Elio Gaspari pela Companhia das Letras (2003)
>>> O despertar do Buda de Vicente Blasco Ibanez pela Landy (2000)
>>> Católicos Perguntam de Estevão Tavarez Bettencourt ,Osb pela Mensageiros de Santo Antonio (1998)
>>> God Is Dead de Ron Currie Jr pela Penguin Paperbacks (2008)
>>> Frankenstein de Mary Shelley pela Cia das Letras (1994)
>>> Novo Testamento de Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil pela Sbb-Rao (1969)
>>> Fogo Morto de José Lins do Rego pela Circulo do Livro (1987)
>>> Filho de ninguém: dualismo e bastardia no romance "Dois imãos", de Milton Hatoum de Vera Ceccarello pela Luminária Academia (2016)
>>> Quando se pretende falar da vida de Francisco Candido Xavier ,Roberto Muskat,David Muszkat pela Grupo Espírita Emmanuel -Sociedade Civil (1984)
>>> Eu sou o Mensageiro de Markus Zusak pela Intrínseca (2007)
>>> Almas Gemeas de Monica Buonfiglio pela Oficina Culturl Esotérica (1996)
>>> Meditações de Frei Sandro Grimani,OCD pela Letra Capital (2006)
>>> Esta Noite a Liberdade de Larry Collins e Dominique Lapierre pela Circulo do Livro (1976)
>>> Era uma vez em São Bernardo: o Discurso Sindical dos Metalúrgicos (1971-1982) de Kátia Rodrigues Paranhos pela Unicamp (2011)
>>> Ensaios Mínimos de Eustáquio Gomes pela Pontes (1987)
>>> Educação, Cultura e Ideologia em Moçambique: 1975-1985 de Brazão Mazula pela Edições Afrontamento (1995)
>>> O Brasil Tatuado e outros mundos de Tono Marques pela Rocco (1997)
>>> O dOM DOS MILAGRES de Pe.Robert DeGrantis pela Loyola (1996)
>>> Édipo Africano de Marie- Cecíle Ortigues e Edmond Ortigues pela Escuta (1989)
>>> Goya 2 todas Sua Pinturas de Pierre Cassier pela Biblioteca grafica Nogler (1981)
>>> Dom Quixote de la Mancha - Volume I de Miguel de Cervantes pela Martin Claret (2012)
>>> O Zahir coleção de Paulo Coelho pela Gold
>>> Fazendo Ecumenismo de Enrique Cambón pela Cidade Nova (1994)
>>> Il Cavaliere Inesistente de Italo Calvino pela Mondadori (1993)
>>> O Espião que Sabia de Demais de John Le Carré pela Abril Cultural (1987)
>>> A Sociedade do Espetáculo de Guy Debord pela Contraponto (2007)
>>> As Crianças Aprendem o que Vivenciam de Doroty Law Nolte pela Sextante (2003)
>>> Cidade Eerna de Hall Caine pela Clássica (1939)
>>> Aventuras da Maleta Negra - Tradução Rachel de Queiroz de A. J. Cronin pela José Olympio (1948)
>>> O Centauro no jardim de Moacyr Scliar pela Companhia de bolso (2011)
>>> As Armas secretas de Júlio Cortázar pela Best bolso (2012)
>>> Todos os fogos de Júlio Cortázar pela Best bolso (2015)
>>> O Mapa do Amor de Ahdaf Soueif pela Ediouro (2006)
>>> As Melhores histórias de Sherlock Holmes de Sir Arthur Conan Doyle pela L&pm Pocket (2013)
>>> Memória da Casa dos Mortos de Dostoiévski pela L&pm Pocket (2009)
>>> O Velho Jazz - suas raízes e seu desenvolvimento musical de Gunther Schuller pela Cultrix (1970)
ENSAIOS

Segunda-feira, 4/4/2005
O poeta em pânico
Donizete Galvão

+ de 8400 Acessos
+ 4 Comentário(s)


Pesistance of vision, or, The poet marches on

Quem me ouvirá?
Quem me verá?
Quem me há de tocar?


Murilo Mendes, “A poesia em pânico”

Escrever poesia no Brasil é viver em claustrofobia. O poeta respira um ar rarefeito. Tudo se fecha a sua volta: ele está em pânico. Habita uma espécie de limbo, zona fantasma, onde nada do que produz encontra eco ou ressonância. Como no poema de Murilo Mendes, pode dizer: “Vivi entre homens/ que não me viram, não me ouviram/ Nem me consolaram”. Convertido numa espécie de alquimista, cumprindo a profecia de Giulio Argan, investe em uma busca que, todos sabem, resultará em fracasso.

O poeta insiste: quer ganhar visibilidade. Quer chegar até as estantes das livrarias e das bibliotecas. Quer ser lido, comentado pelos seus pares e pela crítica. Extenuado pela tensão quase insuportável de construir uma obra, deve converter-se também em seu próprio agente literário, assessor de imprensa e distribuidor, sem ter o menor jeito para essas tarefas. A que situações ridículas têm de submeter-se, para ver seu livro editado, aquele que não é multimídia, ídolo pop ou instante celebrity.

Deve criar uma carapaça anti-rejeição e fazer como Sylvia Plath, que enviou 45 contos à revista Seventeen antes de ter um deles aceito? Os editores, com raras exceções dos apaixonados pela poesia, fogem dos autores como se estes tivessem sarna. Devolvem originais em cartas padronizadas com a indefectível “nossa programação já está completa”. E deve estar mesmo, para os próximos dez anos. Claro que para o livro do cantor de rock, para os poemas eróticos de uma estrela de TV ou para crônicas requentadas de colunistas dos grandes jornais há sempre uma grande flexibilidade nesta rígida programação editorial.

A pergunta básica é: tem espaço garantido na mídia? Então, é só publicar. Ou até mesmo fabricar-se um escritor. Unanimemente, vai merecer páginas dos cadernos de cultura, resenhas e até entrevista em talk show. Para os demais, brande-se o espectro da falta de mercado. Como fica aquele que trabalha apenas com literatura, não tem padrinhos nem cultiva amigos nas editorias? Escreve um livro e cria um escândalo para que a coisa ganhe o tão falado “gancho jornalístico”?

Quem escreve poesia não está aspirando chegar à lista dos mais vendidos. Viu, entretanto, serem dissolvidos os raros espaços de que podia dispor. Estes espaços foram engolidos pela máquina promocional e pelo jornalismo de release. Clips, comics, escândalos, moda e TV ocupam todas as páginas. O escritor sabe que a discórdia entre poesia e mercado é profunda. Mas quer ser tratado com um mínimo de dignidade.

Em uma época em que todo mundo precisa ser bonito, rico, saudável e feliz e tudo deve ser leve e divertido, que interesse pode despertar o espelho perverso do poeta? Quem quer-se ver como uma retorcida figura saída de um quadro de Francis Bacon? Com a linguagem contaminada pela publicidade, pelo entretenimento barato e pela psicologia de auto-ajuda, a tentativa de devolver vigor, intensidade e frescor à língua soa hermética e gera mal-estar. A poesia, além de inútil, é também indesejada.

O poeta, entretanto, insiste em escrever seus poemas. Não lhe resta outra alternativa. Poderia buscar o suicídio, a santidade, o vício: estas “outras tantas formas de falta de talento” de que falou Cioran. Está preso a uma obsessão nunca sublimada. Quer, através da língua, assegurar a permanência enquanto tudo se desfaz. Pouco importam os mecanismos que o movem: exibicionismo, narcisismo, paranóia, depressão. Usa de artifícios, filtra e depura para transformar o desprezo, a humilhação e a decomposição do corpo e da mente em matéria poética. Pois, como disse Borges, “meus instrumentos de trabalho são a humilhação e a angústia”. Entre tantos indiferentes, deve haver uns poucos que, como na brilhante defesa da poesia feita por Octavio Paz, terão ouvidos para essa outra voz.

Arte poética

A língua da vaca
lambe com gosto
o sal do cocho
e se não há mais sal,
a memória do sal
a madeira, o cocho,
até que tudo fique
polido por sua lixa.

A língua da vaca
recolhe com agrado
o restolho mijado
de rato do fundo do paiol
e mói, remói e tritura
o milho e a palha dura,
até que flores de espuma
brotem no canto da boca,
com suave perfume de leite.

A língua da vaca
lambe a cria trêmula,
num banho batismal,
e engole o mosto,
a gosma amniótica,
e a lamberá ainda,
quando quase novilha
exibir a filha
pústulas no lombo.

Nota do Editor
Ambos os textos são extratos do livro Do Silêncio da Pedra (1996), de Donizete Galvão, tendo obviamente autorizada aqui a sua reprodução.


Donizete Galvão
Campinas, 4/4/2005

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Ninho vazio de Lélia Almeida
02. Ser mãe de Lélia Almeida
03. Sexo virtual de Lélia Almeida
04. Pirataria 2.0 de Paulo Rebêlo
05. Duas cartas de Luís Henrique Pellanda


Mais Donizete Galvão
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/4/2005
12h35min
Olá, Donizete! Ser poeta é arrepender-se e continuar, mesmo em queda. O precipício é maior do que se imaginava. Ao menos pode-se gritar, enquanto ainda há consciência. O inferno, quando enfim tocado, ignora sua presença e é quase tão aconchegante quanto o ventre da mãe. Mas não há gêmeos, não há pares. E você prossegue escrevendo, mesmo que ninguém o queira. Talvez a postura de "mas não há mais nada/ ninguém aqui mesmo" o salve um pouco. No quarto você liga a TV e descobre que seu time está perdendo e vai ser rebaixado. Então haverá um sarau amanhã, e você terá chance de tomar todas com seus parcos amigos de caos. Se ao menos escrevesse poesia bonitinha para meninas, seria bem visto em seu bairro. Mas não, você insiste em arrancar sangue ao raspar a pele contra o muro. Uma punhalada no ventre, assim pode ver melhor as tripas. Ah, ser poeta... é o inferno meu paraíso. Sim, eu gosto de ser, apesar de tudo. Um abraço, Donizete!
[Leia outros Comentários de Alessandro de Paula]
3/5/2005
09h18min
Oi, Donizete. Nós, crescidos sob os lemas da república, com seus ideais de igualdade, ainda teremos que aceitar a máxima de Schoenberg segundo o qual "a arte é para poucos, se for para muitos não é arte". jardel
[Leia outros Comentários de jardel]
4/5/2005
11h07min
Olá, Donizete. Me contrapondo à mensagem anterior, acredito que a arte não seja para poucos porque todos temos potencial para alguma manifestação artística, ocorre que a lógica predominante é opressora, exige portanto um re-investimento da energia que é o que move nossas fantasias. A poesia e o poema são instrumentos, dentre muitos outros, metafóricos de nossas fantasias, onde misturam-se os sentimentos, as emoções e a lógica insconsciente do poeta, acrescido de uma pitada de racionalidade.
[Leia outros Comentários de karein]
20/5/2011
16h53min
Espetacular! Tirou da minha boca o que não conseguia dizer, pois o poeta de verdade, às vezes, cala-se pra um outro qualquer falar.
[Leia outros Comentários de Daniella Caruso]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




EL VIENTRE DE LA BALLENA
JAVIER CERCAS
QUINTETO ESPANHA
(2003)
R$ 98,00
+ frete grátis



CURRÍCULO, ARTE E FORMAÇÃO CONTINUADA
IRINÉIA SANTOS SILVA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 230,00



SICILY - CADOGAN ISLAND GUIDES
DANA FACAROS & MICHAEL PAULS
CADOGAN BOOKS
(1994)
R$ 15,00



CORIOLANO - MACBETH VOL 11 +12+02 (2495)
WILLIAM SHAKESPEARE - OBRAS COMPLETAS
MELHORAMENTOS
R$ 30,00



OS PENSADORES - SANTO AGOSTINHO
SANTO AGOSTINHO
NOVA CULTURAL
(1996)
R$ 15,00



ENTRE LINHAS E PONTOS VOL. 2 TECENDO LITERATURA, LÍNGUA E PRODUÇÃO TEX
MARY MURASHIMA / ELISABETH SILVEIRA / CLÁUDIA ...
DO BRASIL
(2014)
R$ 49,90



A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NO CAMPO DA COMUNICAÇÃO
RAFAEL HILLER
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



SAÚDE PASTORAL E COMUNITÁRIA
AGEU HERINGER LISBOA
CPPC
(1985)
R$ 20,00



CONVIVENDO COM SEU SEXO PAIS E PROFESSORES
HÁLIA PAULIV DE SOUZA
PAULINAS
(1991)
R$ 5,30



PORTAIS
LEDINILSON RIBEIRO MOREIRA
DO AUTOR
(2010)
R$ 12,90





busca | avançada
24646 visitas/dia
922 mil/mês