O poeta em pânico | Donizete Galvão

busca | avançada
47547 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> TDEZESSEIS
>>> Curso de direção de palco é gratuito nos dias 16 e 17/12
>>> Ultima apresentação da peça (A) Dor (A)
>>> ABERTURA DA EXPOSIÇÃO “O CAMINHO DAS PEDRAS'
>>> Residência Artística FAAP São Paulo realiza Open Studio neste sábado
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Píramo e Tisbe
>>> Pela estrada afora
>>> Jorge Amado universal
>>> Aquele que por via de regra se sai mal
>>> Duas crises: a nossa e a deles
>>> Samba Meu, o show de Maria Rita
>>> Cores Paulistas e os Quatro Anos da IQ Art Gallery
>>> As pessoas estão revoltadas
>>> Teatro no interior
>>> A Queda
Mais Recentes
>>> Coleção História das Américas - 14 Volumes de Vários Autores pela W. M. Jackson
>>> Bíblia Sagrada de Cnbb pela Cnbb (2008)
>>> O Que Einstein Disse a Seu Cozinheiro - Volume 1 e 2 de Robert L. Wolke pela Zahar (2002)
>>> Como Falar Com Um Viúvo - Romance de Jonathan Tropper pela Sextante (2010)
>>> Box as Crônicas de Gelo e Fogo - Edição de Bolso de George R. R. Martin pela Leya (2012)
>>> A Bíblia Ilustrada - 125 Famosos Quadros Bíblicos - Edição Bilíngue de Gustave Doré pela Sinai (1962)
>>> The Great Gatsby de F. Scott Fritzgerald pela Helbling Languages (2011)
>>> Homens são de Marte, Mulheres são de Vênus: Um guia prático para melhorar a comunicação e conseguir o que você quer nos seus relacionamentos de John Gray pela Rocco (1997)
>>> Um Livro para Curar o Coração e a Alma de Joan Borysenko pela Cultrix (1999)
>>> Simplesmente acontece de Cecelia Ahren pela Novo Conceito (2014)
>>> Os Anos de Aprendizado de Wilhelm Meister de Goethe pela Ensaio (1994)
>>> Episódio Humano - Prosa 1929 - 1930 de Cecília Meireles pela Batel (2022)
>>> A sexta mulher de Suzannah Dunn pela Record (2010)
>>> Competência Social - Mais que Etiqueta uma Questão de Atitude de Lícia Egger Moellwald e Hugo Egger Moellwald pela Totalidade (2009)
>>> Dicionário Etimológico Nova Fronteira da Língua Portuguesa de Antônio Geraldo da Cunha pela Nova Fronteira (1982)
>>> [email protected] de Therese Fowler pela Novo Conceito (2013)
>>> O Caminho da Autotransformação de Eva Pierrakos pela Cultrix (2007)
>>> Como eu era antes de você de Jojo Moyes pela Intrinseca (2013)
>>> Dicionário de Símbolos de Jean Chevalier e Alain Gheerbrant pela José Olympio (1990)
>>> Key Philosophical Writings de Descartes pela Wordsworth (1997)
>>> Roteiro para um Narrador: Uma Leitura dos Contos de Rubem Fonseca de Ariovaldo José Vidal pela Ateliê Editorial (2000)
>>> Um Amor, Um Café & Nova York de Augusto Alvarenga pela D'Plácido (2014)
>>> À primeira vista de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2016)
>>> Friedrich Nietzsche: 1. Infancia y Juventud de Curt Paul Janz pela Alianza Universidad (1981)
>>> Deuses Animais de Elizabeth Loibl pela Edicon (1984)
ENSAIOS

Segunda-feira, 4/4/2005
O poeta em pânico
Donizete Galvão

+ de 9900 Acessos
+ 4 Comentário(s)


Pesistance of vision, or, The poet marches on

Quem me ouvirá?
Quem me verá?
Quem me há de tocar?


Murilo Mendes, “A poesia em pânico”

Escrever poesia no Brasil é viver em claustrofobia. O poeta respira um ar rarefeito. Tudo se fecha a sua volta: ele está em pânico. Habita uma espécie de limbo, zona fantasma, onde nada do que produz encontra eco ou ressonância. Como no poema de Murilo Mendes, pode dizer: “Vivi entre homens/ que não me viram, não me ouviram/ Nem me consolaram”. Convertido numa espécie de alquimista, cumprindo a profecia de Giulio Argan, investe em uma busca que, todos sabem, resultará em fracasso.

O poeta insiste: quer ganhar visibilidade. Quer chegar até as estantes das livrarias e das bibliotecas. Quer ser lido, comentado pelos seus pares e pela crítica. Extenuado pela tensão quase insuportável de construir uma obra, deve converter-se também em seu próprio agente literário, assessor de imprensa e distribuidor, sem ter o menor jeito para essas tarefas. A que situações ridículas têm de submeter-se, para ver seu livro editado, aquele que não é multimídia, ídolo pop ou instante celebrity.

Deve criar uma carapaça anti-rejeição e fazer como Sylvia Plath, que enviou 45 contos à revista Seventeen antes de ter um deles aceito? Os editores, com raras exceções dos apaixonados pela poesia, fogem dos autores como se estes tivessem sarna. Devolvem originais em cartas padronizadas com a indefectível “nossa programação já está completa”. E deve estar mesmo, para os próximos dez anos. Claro que para o livro do cantor de rock, para os poemas eróticos de uma estrela de TV ou para crônicas requentadas de colunistas dos grandes jornais há sempre uma grande flexibilidade nesta rígida programação editorial.

A pergunta básica é: tem espaço garantido na mídia? Então, é só publicar. Ou até mesmo fabricar-se um escritor. Unanimemente, vai merecer páginas dos cadernos de cultura, resenhas e até entrevista em talk show. Para os demais, brande-se o espectro da falta de mercado. Como fica aquele que trabalha apenas com literatura, não tem padrinhos nem cultiva amigos nas editorias? Escreve um livro e cria um escândalo para que a coisa ganhe o tão falado “gancho jornalístico”?

Quem escreve poesia não está aspirando chegar à lista dos mais vendidos. Viu, entretanto, serem dissolvidos os raros espaços de que podia dispor. Estes espaços foram engolidos pela máquina promocional e pelo jornalismo de release. Clips, comics, escândalos, moda e TV ocupam todas as páginas. O escritor sabe que a discórdia entre poesia e mercado é profunda. Mas quer ser tratado com um mínimo de dignidade.

Em uma época em que todo mundo precisa ser bonito, rico, saudável e feliz e tudo deve ser leve e divertido, que interesse pode despertar o espelho perverso do poeta? Quem quer-se ver como uma retorcida figura saída de um quadro de Francis Bacon? Com a linguagem contaminada pela publicidade, pelo entretenimento barato e pela psicologia de auto-ajuda, a tentativa de devolver vigor, intensidade e frescor à língua soa hermética e gera mal-estar. A poesia, além de inútil, é também indesejada.

O poeta, entretanto, insiste em escrever seus poemas. Não lhe resta outra alternativa. Poderia buscar o suicídio, a santidade, o vício: estas “outras tantas formas de falta de talento” de que falou Cioran. Está preso a uma obsessão nunca sublimada. Quer, através da língua, assegurar a permanência enquanto tudo se desfaz. Pouco importam os mecanismos que o movem: exibicionismo, narcisismo, paranóia, depressão. Usa de artifícios, filtra e depura para transformar o desprezo, a humilhação e a decomposição do corpo e da mente em matéria poética. Pois, como disse Borges, “meus instrumentos de trabalho são a humilhação e a angústia”. Entre tantos indiferentes, deve haver uns poucos que, como na brilhante defesa da poesia feita por Octavio Paz, terão ouvidos para essa outra voz.

Arte poética

A língua da vaca
lambe com gosto
o sal do cocho
e se não há mais sal,
a memória do sal
a madeira, o cocho,
até que tudo fique
polido por sua lixa.

A língua da vaca
recolhe com agrado
o restolho mijado
de rato do fundo do paiol
e mói, remói e tritura
o milho e a palha dura,
até que flores de espuma
brotem no canto da boca,
com suave perfume de leite.

A língua da vaca
lambe a cria trêmula,
num banho batismal,
e engole o mosto,
a gosma amniótica,
e a lamberá ainda,
quando quase novilha
exibir a filha
pústulas no lombo.

Nota do Editor
Ambos os textos são extratos do livro Do Silêncio da Pedra (1996), de Donizete Galvão, tendo obviamente autorizada aqui a sua reprodução.


Donizete Galvão
Campinas, 4/4/2005

Mais Donizete Galvão
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/4/2005
12h35min
Olá, Donizete! Ser poeta é arrepender-se e continuar, mesmo em queda. O precipício é maior do que se imaginava. Ao menos pode-se gritar, enquanto ainda há consciência. O inferno, quando enfim tocado, ignora sua presença e é quase tão aconchegante quanto o ventre da mãe. Mas não há gêmeos, não há pares. E você prossegue escrevendo, mesmo que ninguém o queira. Talvez a postura de "mas não há mais nada/ ninguém aqui mesmo" o salve um pouco. No quarto você liga a TV e descobre que seu time está perdendo e vai ser rebaixado. Então haverá um sarau amanhã, e você terá chance de tomar todas com seus parcos amigos de caos. Se ao menos escrevesse poesia bonitinha para meninas, seria bem visto em seu bairro. Mas não, você insiste em arrancar sangue ao raspar a pele contra o muro. Uma punhalada no ventre, assim pode ver melhor as tripas. Ah, ser poeta... é o inferno meu paraíso. Sim, eu gosto de ser, apesar de tudo. Um abraço, Donizete!
[Leia outros Comentários de Alessandro de Paula]
3/5/2005
09h18min
Oi, Donizete. Nós, crescidos sob os lemas da república, com seus ideais de igualdade, ainda teremos que aceitar a máxima de Schoenberg segundo o qual "a arte é para poucos, se for para muitos não é arte". jardel
[Leia outros Comentários de jardel]
4/5/2005
11h07min
Olá, Donizete. Me contrapondo à mensagem anterior, acredito que a arte não seja para poucos porque todos temos potencial para alguma manifestação artística, ocorre que a lógica predominante é opressora, exige portanto um re-investimento da energia que é o que move nossas fantasias. A poesia e o poema são instrumentos, dentre muitos outros, metafóricos de nossas fantasias, onde misturam-se os sentimentos, as emoções e a lógica insconsciente do poeta, acrescido de uma pitada de racionalidade.
[Leia outros Comentários de karein]
20/5/2011
16h53min
Espetacular! Tirou da minha boca o que não conseguia dizer, pois o poeta de verdade, às vezes, cala-se pra um outro qualquer falar.
[Leia outros Comentários de Daniella Caruso]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Na Poeira dos Séculos
Alceu Costa Filho
Petit
(2003)



Mais Coisas Que Toda Garota Deve Saber - 11º Edição
Antonio Carlos Vilela
Melhoramentos
(2003)



Poeminhas da Terra
Márcia Leite
Pulo do Gato
(2016)



Uma Reportagem Maldita ( Quero)
Plinio Marcos
Do Autor



Relações Internacionais
Sergio Luiz Aguiar
Capes
(2002)



O Médico Espanhol
Matt Cohen
Imago
(1989)



Por que as Mulheres vivem mais que os Homens?
Dra. Royda Crose
rosa dos tempos
(1999)



Mundo, Vida e Esperança Pelo Espírito Emmanuel
Angela Coutinho
elevação
(1999)



Ágape
Padre marcelo Rossi
globo
(2010)



Producao de Texto Interlocucao e Gêneros
Maria Luiza Abaurre; Maria Bernadete M. Abaurre
Moderna Didáticos
(2010)





busca | avançada
47547 visitas/dia
1,6 milhão/mês