Art Spiegelman: o Kafka do gibi | Sérgio Augusto

busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Nélio Silzantov, semifinalista do Jabuti de 2023, aborda geração nos anos 90
>>> PinForPeace realiza visita à Exposição “A Tragédia do Holocausto”
>>> ESTREIA ESPETÁCULO INFANTIL INSPIRADO NA TRAGÉDIA DE 31 DE JANEIRO DE 2022
>>> Documentário 'O Sal da Lagoa' estreia no Prime Box Brazil
>>> Mundo Suassuna viaja pelo sertão encantado do grande escritor brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> Salve Jorge
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 2. O Catolotolo
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> Controlando o acesso à Web
>>> O escritor está nu
>>> Lamartine Babo e futebol, uma simbiose
>>> Quem é Daniel Lopes
>>> Arte é intriga
>>> Primavera e Jukebox
>>> 20 anos de Trapo
>>> Bonjour, tristesse
Mais Recentes
>>> 4 Vols. Elric - Navegante nos Mares do Destino de Michael Moorcock; Roy Thomas; M. Gilbert pela Abril (1991)
>>> África, Missão Possível: Uma Fantástica Aventura Missionária Pelos Países Da Janela 10/40 de Davi Tavares; Ângela Tavares pela Paradigma (2013)
>>> Victor Hugo - Poèmes de Isabelle Jan, Emmanuel Fraisse pela Nathan (1985)
>>> Talvez Agora de Colleen Hoover pela Galera (2023)
>>> Relações Étnico-raciais Para o Ensino da Identidade e da Diversidade Cultural Brasileira de Mario Sergio Michaliszyn pela InterSaberes (2014)
>>> The postal history research magazine 13 - Chinese de Varios Autores pela Chinesa (1910)
>>> Livro Literatura Brasileira Um Exu Em Nova York de Cidinha da Silva pela Pallas (2018)
>>> Um Porto Seguro de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2012)
>>> Do fracasso ao sucesso na arte de vender de Frank Bettger pela Ibrasa (1978)
>>> Livro Administração A Nova Gestão na era do Conhecimento Visão 16 Mentes Influentes de Marcello Beltrand - Coord. pela Leader (2016)
>>> Bibliocollège - Andromaque, Racine de Jean Racine pela Hachette (2000)
>>> Livro Medicina Laboratorial Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar de Adagmar Andriolo pela Manole (2005)
>>> Direito e Justiça Em Terras D El Rei na São Paulo Colonial 1709 - 1822 de Adelto Gonçalves pela Imprensa Oficial (2015)
>>> Dez Formas De Fazer Um Coração Se Derreter de Sarah Maclean pela Arqueiro (2016)
>>> Livro Administração Building Public Trust the Future of Corporate Reporting de Samuel A. Dipiazza Jr. & Robert G. Eccles pela John Wiley & Sons (2002)
>>> Maior Espetaculo Da Terra, O: 30 Anos De Sambodromo de Luiz Carlos Prestes Filho pela Lacre (2015)
>>> Miles Morales: Homem - Aranha Cai dentro! de Ahmed Garron pela Panini Comics
>>> Esthétique du Cinéma de Gerard Betton pela Presses Universitaires De France (1994)
>>> Livro Administração Fazer Acontecer de Júlio Ribeiro pela Cultura Editores Associados (1994)
>>> Livro Literatura Brasileira Memorial de Maria Moura de Rachel de Queiroz pela Siciliano (1992)
>>> As Coisas Que Nunca Superamos de Lucy Score pela AltaNovel (2023)
>>> O Paciente de Jasper DeWitt pela Planeta Minotauro (2021)
>>> Spy Dog - Volume 2 de Andrew Cope pela Fundamento
>>> Reverbero constitucional fluminense edição fac-similar 1821-1822 3 Volumes de N/a pela Biblioteca Nacional
>>> Livro Literatura Estrangeira O Lado Bom da Vida de Matthew Quick; Alexandre Raposo pela Intrinseca (2012)
ENSAIOS

Segunda-feira, 31/10/2005
Art Spiegelman: o Kafka do gibi
Sérgio Augusto
+ de 4100 Acessos

Que me desculpem os fãs de Frank Miller e seu apocalipse pop, os entusiastas dos irmãos Hernandez, David Sim, Howard Chaykin, Lorenzo Mattoti, Enki Bilal, Gehhard Seyfried, François Shuiten, Benoît Peeters e quem mais aqui mereça estar. Para mim, o real sucessor do grão-mestre dos quadrinhos, Will Eisner, é o rei Arthur: Art(hur) Spiegelman. Bastaria a série Maus para qualificá-lo ao trono; mas outras façanhas o destacaram na linha sucessória antes e depois dela. A revista de vanguarda Raw, por exemplo.

Lançada há 25 anos por ele e a mulher, Françoise Mouly, Raw (cru ou crua, em inglês) foi tão importante para a fabulação gráfica como o Mad (de seu primeiro ídolo, Harvey Kurtzman) e os fesceninos Zap Comix de Robert Crumb. Prometendo “alta cultura para baixas inteligências”, até pôs na praça um novo movimento artístico chamado Depressionismo Abstrato, bem ao gosto da onda dark que da juventude se apossou naquela época – bem ao gosto, sobretudo, de Art, que já nasceu expert em depressão. Seus pais, teuto-poloneses, sobreviveram aos campos de concentração nazistas, seu irmão mais velho foi envenenado pela tia ainda menino para não cair nas malhas da Gestapo, a mãe suicidou-se quando Art tinha 20 anos.

Cultura elevada para low-brows era o que não faltava nas páginas de Raw. As paródicas aventuras de Ace Hole, o detetive anão, viviam cheias de referências não só aos primitivos quadrinhos de Little Nemo e dos Sobrinhos do Capitão, mas também à arte moderna, a Picasso e Matisse. Intelectualismo europeu? Sem dúvida. Embora criado em Queens (Nova York), Art nasceu em Estocolmo (Suécia), em 1948, e carrega em seu DNA toda a cultura judaica da Europa Central. Ou seja, ele é natural e simultaneamente sombrio e engraçado, como Woody Allen e tantos outros eslavos.

Quando chegou aos 30, lançou o primeiro volume de Maus, alegórico gibi sobre a saga concentracionária de seus pais, no qual os judeus aparecem como ratos, os nazistas como gatos, os gentios poloneses como porcos, os franceses como sapos e os americanos como cachorros. Nenhum preconceito com quem quer que seja, nem sequer com os gatos, escolha inevitável desde o momento em que Art resolveu incorporar a desqualificativa imagem do judeu como um rato, difundida pela propaganda nazista para justificar o pogrom – daí o nome do campo de concentração de Maus (rato, em alemão): Maushwitz. Explica-se o bestiário: ninguém conseguiu permanecer totalmente humano no Holocausto.

Os poloneses implicaram com o bicho que lhes coube, mas afinal aceitaram as explicações do artista, que apenas respeitou a tradição dos cartuns americanos, nos quais os porcos jamais encarnam valores negativos – vide Porky Pig, Miss Piggy. A exceção à regra, respeitada inclusive no cinema (Babe), é literária: o ditador stalinista da alegórica fazenda de A Revolução dos Bichos, imaginada por George Orwell. Quem mandou o porco ser o segundo animal mais inteligente que existe? “A única restrição que os judeus fazem ao porco”, acrescentou Art, “é não ser kosher.”

Maus consumiu 13 anos de criação, uma bolsa da Guggenheim (para a feitura do segundo volume), e rendeu ao autor um prêmio Pultizer especial, em 1992, e várias semanas na lista dos best-sellers. Não é um gibi convencional, longe disso. Mais parece um documentário pictográfico ou um romance histórico autobiográfico, engraçado como poderia ser um thriller horrorífico se tratado como uma comédia de situações, dirigida a quatro mãos por Billy Wilder e Fritz Lang. Art rejeita o rótulo “romance gráfico” (graphic novel), pedantismo com o qual também implico, preferindo um neologismo de sua lavra: co-mix. Nem comics, nem comix, co-mix, um mix de palavras e figuras. Os diálogos são literários, os desenhos expressionistas. Como se Kafka tivesse pedido a Munch para desenhar uma história que escrevera inspirado nos livros de Hannah Arendt.

No mesmo ano em que ganhou o Pulitzer, Art passou a fazer desenhos e capas para a revista The New Yorker, onde Françoise Mouly trabalha como editora de arte. Tudo ia às mil maravilhas quando houve os atentados de 11 de setembro de 2001. Ainda conseguiu emplacar a histórica capa seguinte ao ataque às torres gêmeas (toda preta com as torres num tom ligeiramente menos escuro), mas outras ilustrações entraram em conflito com o clima paranóico e patrioteiro também vigente na revista. O editor David Remnick implicou com sua capa para o Dia de Ação de Graças de 2002, mostrando um bombardeiro americano a despejar perus em vez de bombas sobre um país não claramente identificado, afinal vetando apenas o título que Art lhe dera: Operation Enduring Turkey (Operação Peru Duradouro), gozação à Operation Enduring Freedom (Operação Liberdade Duradoura) com que o governo Bush batizara os ataques aéreos recém-iniciados contra o Afeganistão. Quando Art apareceu com uma série de quadrinhos sobre a experiência de se viver numa cidade ameaçada simultaneamente por Bush e Osama bin Laden – In the Shadow of No Tower (À Sombra das Torres Ausentes, na tradução da Companhia das Letras) – Remnick vetou-a integralmente. Art pediu o boné e publicou-a no jornal alemão Die Zeit.

Foi uma grande perda para a The New Yorker, a maior desde a aposentadoria de sua crítica de cinema Pauline Kael.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Publicado originalmente na revista Bravo, em abril de 2005.

Para ir além
Leia mais em "De Ratos, Memórias e Quadrinhos".






Sérgio Augusto
Rio de Janeiro, 31/10/2005
Mais Sérgio Augusto
Mais Acessados de Sérgio Augusto
01. Para tudo existe uma palavra - 23/2/2004
02. O melhor presente que a Áustria nos deu - 23/9/2002
03. O frenesi do furo - 22/4/2002
04. Achtung! A luta continua - 15/12/2003
05. Filmes de saiote - 28/6/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Ensino de Idiomas Cambridge Primary English Learners Book 4
Sally Burt and Debbie Ridgard
Cambridge University Press
(2015)



Livro O fim da procrastinação Como parar de adiar o que precisa ser feito
Petr Ludwig
Sextante
(2020)



Casos do prof. Pável: Reflexões de vida
Edson Pável Bastos
Instituto Maria
(1987)



Gestão do Conhecimento - PLT 245
Hirotaka Takeuchi Ikujiro
Bookman
(2014)



Horta Completa em espaços Pequenos
Horta Completa em espaços Pequenos
Publifolha
(2017)



A Menina que não sabia ler
John Harding
Leya
(2010)



Terapia Financeira
Reinaldo Domingos
Dsop
(2012)



Livro Pedagogia A Matemática na Escola Primária uma Observação do Cotidiano
Maria Lucia Fraga
Epu
(1988)



Citologia Básica
Junqueira & Carneiro
Guanabara Koogan
(1973)



Estilhaços
Marcelo Backes
Record
(2006)





busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês