Art Spiegelman: o Kafka do gibi | Sérgio Augusto

busca | avançada
28946 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sesc Belenzinho recebe show de Zé Guilherme que lança quarto disco e comemora 20 anos de carreira
>>> Compositor Murray Schafer cria exercícios para melhorar audição e produção musical
>>> Cientistas políticos debatem reforma e crise política no Brasil
>>> Universidade do Livro abre duas turmas para Oficina de revisão de provas
>>> Primeiros escritos filosóficos de Adorno ganham tradução inédita em português
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
>>> As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon
>>> T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você)
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> Flauta Sincera
>>> Ciência & Realidade
>>> Amor
>>> Cágado
>>> Sonhos & Raízes
>>> É premente reinventar-se
>>> Contraponto
>>> Aparições
>>> Palavra final
>>> Direções da véspera I
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mondrian: a aventura espiritual da pintura
>>> 50 anos de poesia concreta
>>> movimento respiratório
>>> Sobre a leitura dos clássicos
>>> UM VENTO ERRANTE
>>> O enigma de Michael Jackson
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Cânticos à Rainha do Céu, por Walter Weiszflog
>>> O Capital no Século XXI, de Thomas Piketty, o livro do ano
>>> Entrevista com Jaime Pinsky
Mais Recentes
>>> Efeito Facebook de David Kirkpatrick pela Intrínseca (2011)
>>> Teatro: Lampiao A Beata Maria do Egito de Raquel de Queiroz pela Siciliano (2001)
>>> O Pacifista de John Boyne pela Companhia das Letras (2012)
>>> A descoberta da América pelos turcos de Jorge Amado pela Record (1994)
>>> Inverno do Mundo de Ken Follett pela Arqueiro (2012)
>>> Tracos & trocos de Odayr Miguel de Lima pela Reluz Grafica (2007)
>>> Queda de Gigantes de Ken Follett pela Arqueiro (2010)
>>> Eternidade Por um Fio de Ken Follett pela Arqueiro (2014)
>>> A Linguagem do Corpo de David Cohen pela Vozes (2014)
>>> As margens da tradução de Gustavo Bernardo (org.) pela Faperj - Caetés (2002)
>>> A Voz e o Olhar do Outro (Vol. IV) de Leila Assumpção Harris (org.) pela Letra Capital (2012)
>>> A Gravidade e a Graça de Simone Weil pela Ece (1986)
>>> Trabalhismo e Socialismo no Brasil de Moniz Bandeira pela Global (1985)
>>> Ensaios Imprudentes de Roberto Campos pela Record (1986)
>>> Pedagogia da Autonomia de Paulo Freire pela Paz e Terra (2007)
>>> A ditadura Escancarada de Elio Gaspari pela Companhia das letras (2004)
>>> Revista Matraga 29 - Estudos Linguísticos e Literários de Ana Lucia de Souza Henriques (edição) pela Instituto de Filosofia e Letras - UERJ (1986)
>>> Planeta--177--curas-o avanço da radiestesia. de Editora tres pela Tres (1987)
>>> Planeta--405--atletas da mente. de Editora tres pela Tres (2006)
>>> A Civilização do Espetáculo de Mario Vargas Llosa pela Objetiva (2013)
>>> Planeta--261--o budismo conquista o ocidente. de Editora tres pela Tres (1994)
>>> Planeta--320--explorando a quarta dimensao. de Editora tres pela Tres (1999)
>>> Até Eu Te Encontrar de Graciela Mayrink Rold pela Aa (2011)
>>> O Temor do Sábio de Patrick Rothfuss pela Arqueiro (2011)
>>> O Jogador Nº 1 de Ernest Cline pela Leya (2015)
>>> Planeta--122--presidios naturalistas. de Editora tres pela Tres (1982)
>>> Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley pela Biblioteca Azul (2014)
>>> Os Pilares da Terra de Ken Follett pela Rocco (2012)
>>> Me Chame Pelo Seu Nome de André Aciman pela Intrínseca (2018)
>>> A Cabana de William P. Young pela Arqueiro (2008)
>>> Morte e Vida de Charlie St. Cloud de Ben Sherwood pela Novo Conceito (2011)
>>> O Guardião de Memórias de Kim Edwards pela Arqueiro (2007)
>>> O camarote vazio de Josué Montello pela Nova Fronteira (1990)
>>> Planeta--321--sabedoria eterna-a mensagem universal de jesus. de Editora tres pela Tres (1999)
>>> Os Crimes da Luz de Giulio Leoni pela Planeta (2007)
>>> Premiers Dialogues de Platon pela Flammarion
>>> Significação, Revista de Cultura Audiovisual No. 27 outono-inverno 2007 de A. J. Greimas, Ana Amado et alli pela Usp (2007)
>>> No Caminho de Swann de Marcel Proust pela Abril (1979)
>>> Cleopatra de Christian-georges e schwentzel pela L&pm
>>> Rêde de Dormir, Uma Pesquisa Etnográfica de Luís da Câmara Cascudo pela Ministério da Educação e Cultura (1959)
>>> Acabou-se o que era doce. de Gepp e maia pela Jornal da tarde
>>> O assassinato de idi amin de Leslie watkins pela Edibolso s.a
>>> Os grandes atentados--3. de Editora tres pela Tres
>>> Uma História de Rabos Presos de Ruth Rocha pela Salamandra (1989)
>>> Histórias do Amor Maldito de Vários Autores pela Record (1967)
>>> A História de Vivant Lanon de Marc Cholodenko pela Brasiliense (1986)
>>> Oposição Operária -1920/1921 de Alexandra Kollontai pela Global (1980)
>>> Amar, Verbo Intransitivo de Mário de Andrade pela Villa Rica
>>> O Tiro Perfeito de Alfred Hitchcock pela Nova Época
>>> Tocaia Grande de Jorge Amado pela Record
ENSAIOS

Segunda-feira, 31/10/2005
Art Spiegelman: o Kafka do gibi
Sérgio Augusto

+ de 3300 Acessos

Que me desculpem os fãs de Frank Miller e seu apocalipse pop, os entusiastas dos irmãos Hernandez, David Sim, Howard Chaykin, Lorenzo Mattoti, Enki Bilal, Gehhard Seyfried, François Shuiten, Benoît Peeters e quem mais aqui mereça estar. Para mim, o real sucessor do grão-mestre dos quadrinhos, Will Eisner, é o rei Arthur: Art(hur) Spiegelman. Bastaria a série Maus para qualificá-lo ao trono; mas outras façanhas o destacaram na linha sucessória antes e depois dela. A revista de vanguarda Raw, por exemplo.

Lançada há 25 anos por ele e a mulher, Françoise Mouly, Raw (cru ou crua, em inglês) foi tão importante para a fabulação gráfica como o Mad (de seu primeiro ídolo, Harvey Kurtzman) e os fesceninos Zap Comix de Robert Crumb. Prometendo “alta cultura para baixas inteligências”, até pôs na praça um novo movimento artístico chamado Depressionismo Abstrato, bem ao gosto da onda dark que da juventude se apossou naquela época – bem ao gosto, sobretudo, de Art, que já nasceu expert em depressão. Seus pais, teuto-poloneses, sobreviveram aos campos de concentração nazistas, seu irmão mais velho foi envenenado pela tia ainda menino para não cair nas malhas da Gestapo, a mãe suicidou-se quando Art tinha 20 anos.

Cultura elevada para low-brows era o que não faltava nas páginas de Raw. As paródicas aventuras de Ace Hole, o detetive anão, viviam cheias de referências não só aos primitivos quadrinhos de Little Nemo e dos Sobrinhos do Capitão, mas também à arte moderna, a Picasso e Matisse. Intelectualismo europeu? Sem dúvida. Embora criado em Queens (Nova York), Art nasceu em Estocolmo (Suécia), em 1948, e carrega em seu DNA toda a cultura judaica da Europa Central. Ou seja, ele é natural e simultaneamente sombrio e engraçado, como Woody Allen e tantos outros eslavos.

Quando chegou aos 30, lançou o primeiro volume de Maus, alegórico gibi sobre a saga concentracionária de seus pais, no qual os judeus aparecem como ratos, os nazistas como gatos, os gentios poloneses como porcos, os franceses como sapos e os americanos como cachorros. Nenhum preconceito com quem quer que seja, nem sequer com os gatos, escolha inevitável desde o momento em que Art resolveu incorporar a desqualificativa imagem do judeu como um rato, difundida pela propaganda nazista para justificar o pogrom – daí o nome do campo de concentração de Maus (rato, em alemão): Maushwitz. Explica-se o bestiário: ninguém conseguiu permanecer totalmente humano no Holocausto.

Os poloneses implicaram com o bicho que lhes coube, mas afinal aceitaram as explicações do artista, que apenas respeitou a tradição dos cartuns americanos, nos quais os porcos jamais encarnam valores negativos – vide Porky Pig, Miss Piggy. A exceção à regra, respeitada inclusive no cinema (Babe), é literária: o ditador stalinista da alegórica fazenda de A Revolução dos Bichos, imaginada por George Orwell. Quem mandou o porco ser o segundo animal mais inteligente que existe? “A única restrição que os judeus fazem ao porco”, acrescentou Art, “é não ser kosher.”

Maus consumiu 13 anos de criação, uma bolsa da Guggenheim (para a feitura do segundo volume), e rendeu ao autor um prêmio Pultizer especial, em 1992, e várias semanas na lista dos best-sellers. Não é um gibi convencional, longe disso. Mais parece um documentário pictográfico ou um romance histórico autobiográfico, engraçado como poderia ser um thriller horrorífico se tratado como uma comédia de situações, dirigida a quatro mãos por Billy Wilder e Fritz Lang. Art rejeita o rótulo “romance gráfico” (graphic novel), pedantismo com o qual também implico, preferindo um neologismo de sua lavra: co-mix. Nem comics, nem comix, co-mix, um mix de palavras e figuras. Os diálogos são literários, os desenhos expressionistas. Como se Kafka tivesse pedido a Munch para desenhar uma história que escrevera inspirado nos livros de Hannah Arendt.

No mesmo ano em que ganhou o Pulitzer, Art passou a fazer desenhos e capas para a revista The New Yorker, onde Françoise Mouly trabalha como editora de arte. Tudo ia às mil maravilhas quando houve os atentados de 11 de setembro de 2001. Ainda conseguiu emplacar a histórica capa seguinte ao ataque às torres gêmeas (toda preta com as torres num tom ligeiramente menos escuro), mas outras ilustrações entraram em conflito com o clima paranóico e patrioteiro também vigente na revista. O editor David Remnick implicou com sua capa para o Dia de Ação de Graças de 2002, mostrando um bombardeiro americano a despejar perus em vez de bombas sobre um país não claramente identificado, afinal vetando apenas o título que Art lhe dera: Operation Enduring Turkey (Operação Peru Duradouro), gozação à Operation Enduring Freedom (Operação Liberdade Duradoura) com que o governo Bush batizara os ataques aéreos recém-iniciados contra o Afeganistão. Quando Art apareceu com uma série de quadrinhos sobre a experiência de se viver numa cidade ameaçada simultaneamente por Bush e Osama bin Laden – In the Shadow of No Tower (À Sombra das Torres Ausentes, na tradução da Companhia das Letras) – Remnick vetou-a integralmente. Art pediu o boné e publicou-a no jornal alemão Die Zeit.

Foi uma grande perda para a The New Yorker, a maior desde a aposentadoria de sua crítica de cinema Pauline Kael.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Publicado originalmente na revista Bravo, em abril de 2005.

Para ir além
Leia mais em "De Ratos, Memórias e Quadrinhos".






Sérgio Augusto
Rio de Janeiro, 31/10/2005

Mais Sérgio Augusto
Mais Acessados de Sérgio Augusto
01. Para tudo existe uma palavra - 23/2/2004
02. O frenesi do furo - 22/4/2002
03. Achtung! A luta continua - 15/12/2003
04. O melhor presente que a Áustria nos deu - 23/9/2002
05. Filmes de saiote - 28/6/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




QUATRO RODAS--NOVO HONDA CR-V--JAC J3 E QUENTE OU UMA GELADA?.
ABRIL
ABRIL
(2012)
R$ 16,00



ATRACAO DECODIFIQUE A LINGUAGEM DO AMOR
TRACEY COX
FUNDAMENTO
(2004)
R$ 14,00



A ALIMENTAÇÃO DOS PEIXES DE AQUÁRIO
GASTÃO BOTELHO E OUTROS
NOBEL
(1984)
R$ 10,00



AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E UNIVERSIDADES
LUIZ CARLOS DE FREITAS
KOMEDI
(2018)
R$ 60,00



TRANSITIONS 1 - STUDENT BOOK + WORK BOOK (INTEGRATED ENGLISH)
LINDA LEE
OXFORD UNIVERSITY PRESS
(1998)
R$ 90,00



MANUAL GERAL DA REDAÇAO
FOLHA DE SAO PAULO
FOLHA DE SAO PAULO
R$ 8,00



MANGÁ - O LIVRO MONSTRO DO MANGÁ
DANIEL DE ROSA
LIVROS ESCALA
(2009)
R$ 15,00



REVISTA NINTENDO WORLD--41--QUEBRA-PAU.
CONRAD
CONRAD
R$ 22,00



DIREITO CONSTITUCIONAL DESCOMPLICADO
VICENTE PAULO E MARCELO ALEXANDRINO
MÉTODO
(2016)
R$ 100,00



O AVESSO DAS COISAS
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
RECORD
(1997)
R$ 12,90





busca | avançada
28946 visitas/dia
1,0 milhão/mês