Vide bula e vire cult | Luís Antônio Giron

busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Retomada do crescimento
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
>>> De volta às férias I
>>> Redes e protestos: paradoxos e incertezas
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Alfa Romeo e os bloggers
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O Jovem Bruxo
>>> Sua Excelência, o Ballet de Londrina
Mais Recentes
>>> Marcados pelo passado de Lourdes Carolina Gagete pela Mundo maior (2010)
>>> Espíritos entre Nós de James Van Praagh pela Sextante (2009)
>>> Novamente em casa de Francisco Cândido Xavier Caio Ramacciotti Espíritos Diversos pela Geem (1984)
>>> OS Valores e o Tempo de Alceu Costa Filho pela Petit (2004)
>>> Sementes de vida Eterna de Djalma Santos pela Novo Ser (2011)
>>> Tempo de Escolhas de Francisco Cajazeiras pela Novo Ser (2011)
>>> 7 Estados do Coração de Rodolfo Beuttenmüller pela Gospel (2008)
>>> Alguém bateu na minha Porta de Osvaldo Jorge Degrazia pela Novo Ser (2012)
>>> Prelúdio de Paz de Djalma Santos pela Novo Ser (2011)
>>> O Caráter Ecumênico do Espiritismo de Paulo Rzezinski pela Edição do Autor (1995)
>>> A verdadeira Alma Gêmea de Fausto Oliveira pela Seame (1998)
>>> Como tomar posse da Bênção de R.R. Soares pela Graça Arte (1987)
>>> A luz de um novo Dia de João Cuin pela Dpl (2001)
>>> A Última Grande lição ( O Sentido da vida) de Mitch Albom pela Sextante (1998)
>>> Historia de Cristo para as Crianças de Rafael A. Ranieri pela Lake (2003)
>>> Náufragos da vida ( Pelo Espírito Lenuz Aqoqo) de Luciana Cardoso pela Dpl (2000)
>>> Racionalismo Cristão Responde de Fernando Faria pela Diagrama (1998)
>>> O Poder do Jovem ( Você pode se acha que pode!) de Lauro Trvisan pela Mente (2010)
>>> O Que é o Espiritismo de Allan Kardec pela Ide (2008)
>>> Obra Póstumas de Allan Kardec pela Ide (2008)
>>> A Dança da paz de Giuliana Martirani pela Paulinas (2006)
>>> Suas verdades ( O Tempo não Apaga) de Américo Simões pela Barbara (2009)
>>> Organize-se num Minuto de Donna Smallin pela Gente (2005)
>>> Assassinato no Expresso do Oriente de Agatha Christie pela Nova Fronteira (2011)
>>> Quatrocentos Contra Um - Uma História do Comando Vermelho de William da Silva Lima pela Vozes (1991)
>>> Confronto pedagógico: Paulo Freire e Mobral de Gilberta Martina Jannuzi pela Cortez & Moraes (1979)
>>> Escravidão, Homossexualidade e Demonologia de Luiz Mott pela Icone (1988)
>>> Socialismo Síntese das origens e doutrinas de Edgar Rodrigues pela Porta Aberta (2003)
>>> Sentença: Padres e Posseiros do Araguaia de Rivaldo Chinem pela Paz E terra (2019)
>>> Pancho Villa O revolucionário Mexicano de Earl Shorris pela Francisco Alves (1983)
>>> México em Transe de Igor Fuser pela Scritta (1996)
>>> Sociologia Política da Guerra camponesa de Canudos - Da destruição do Belo Monte ao aparecimento do MST de Clóvis Moura pela Expressão Popular (2000)
>>> Exclusão Escolar Racializada - Implicações do Racismo na Trajetória de Educandos da EJA de Tayná Victória de Lima Mesquita pela Paco Editorial (2019)
>>> Crítica da Razão Negra de Achille Mbembe pela N-1 Edições (2018)
>>> Esferas da Insurreição - Notas para uma vida não cafetinada de Suely Rolnik pela N-1 Edições (2013)
>>> Arqueofeminismo - Mulheres filósofas e filósofos feministas – Séculos XVII-XVIII de Maxime Rovere (Org.) pela N-1 Edições (2019)
>>> A Doutrina Anarquista ao Alcance de Todos de José de Oiticica pela A Batalha (1976)
>>> Helena de Machado de Assis pela Ática (1994)
>>> A 3° Visão de T. Lobsang Rampa pela Record (1981)
>>> A História Da Indústria Têxtil Paulista de Francisco Teixeira pela Artemeios (2007)
>>> Ciência tecnologia e gênero abordagens Iberoamericanas de Marília Gomes de Carvalho (org.) pela utfPR (2011)
>>> A Jornada de Erin. E. Moulton pela Nova Conceito (2011)
>>> A Melodia Feroz de Victoria Schwab pela Seguinte (2016)
>>> Despertar ao Amanhecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> Sussurro - Coleção Hush Hush de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2009)
>>> Holocausto Nunca mais de Augusto Cury pela Planeta
>>> Lusíada (Nº 1): Revista Ilustrada de Cultura.- Arte.- Literatura.- História.- Crítica de Martins Costa/ Portinari/ Texeira Pascoaes (obras de) pela Simão Guimarães & Filhos./ Porto (1952)
>>> Fábulas que Ajudam a Crescer de Vanderlei Danielski pela Ave Maria (1998)
>>> Ninguém é igual a ninguém de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> Você Pode Escolher de Regina Rennó pela Do Brasil (1999)
ENSAIOS

Segunda-feira, 26/12/2005
Vide bula e vire cult
Luís Antônio Giron

+ de 5400 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Os seres humanos não vêm ao mundo com um manual de instruções. Deus deveria fornecer pelo menos um livreto explicativo, pois as pessoas gastam boa parte de suas vidas e energias procurando entender em que mundo vivem e de que forma devem viver. À medida que crescem, precisam recorrer a supostos "guias de operação". Daí a importância da literatura de auto-ajuda.

Hoje as pessoas não encontram mais o apoio da família. Perdeu-se alguma coisa importante nessa liberação dos costumes do século XXI: o conhecimento, os princípios básicos da polidez e do contato humano, a noção de hierarquia no trato e coisas básicas como se portar à mesa, dizer "por favor", "obrigado" e "com licença". A gente sente isso dentro de casa. A figura dos pais deixou de ter tanta importância e, nas escolas, as crianças são deixadas ao sabor de sua falta de referenciais. A garotada é obrigada, assim, a criar códigos de conduta. E estes não têm uma ligação real com o mundo. Vivem em um universo à parte, com falas e comportamentos os mais bizarros. Nas empresas, a mesma coisa: a horizontalização dos processos criaram uma cultura corporativa livre, em que todo mundo se acha no direito de fazer e dizer o que quiser. É claro que, na prática, esse tipo de liberdade dá com os burros n'água. Eta mundinho sem noção!

Com toda a inversão de valores da sociedade, e com a saída de cena da figura do ancião conselheiro, dos orientadores, dos chefes que usavam pedagogia e mesmo dos pais, só restam mesmo os livros de etiqueta. Um número expressivo de títulos nessa área invade o mercado. Há cursos nesse tema em todo canto do planeta. E, para quem ainda não reparou, etiqueta deixou de ser exclusividade das moçoilas de elite. Atualmente, o público masculino busca em cursos de boas maneiras inglesas (chamadas finishing schools) uma forma de ascender socialmente e se comportar no ambiente de trabalho. Quase toda as obras e palestras de auto-ajuda corporativa servem atualmente como desculpa para ensinar padrões de comportamento. São obras curiosamente necessárias, especialmente no mundo corporativo. Por que se tornaram tão importantes? Vivemos ainda em um mundo hipócrita? Ou é a sociedade sem noção que quer se agarrar em alguma base, mesmo que inconsistente? Que imagem de mundo é esta vendida pelos manuais?

Para responder às perguntas, vamos dar uma passada de olhos nos livros recém-lançados. Isso para não entrar na amazônia de títulos semelhantes que transformam o mercado num cipoal intransponível. A Arte da Guerra, de Sun Tzu, é o manual de gerentes mais usado como guia de boas maneiras, mesmo que ensine como aniquilar inimigos da forma mais rápida possível. As boas maneiras estenderam suas ventosas para áreas impensáveis, como guerra, cultura, vida corporativa e até ioga.

No Brasil, cultura, por exemplo, virou um item de luxo, e é usada para impressionar um possível cliente, um empregador, um contato. O engraçado é que o consumidor não quer usar o método mais difícil e efetivo para virar um homem de bem e educado: a educação. Mesmo porque ser educado não abre exatamente portas. Adquirir boas maneiras e uma cultura de verniz é mais útil e ajuda o profissional a subir com maior rapidez.

Cultura e Elegância (Editora Contexto, 290 págs.), organizado pelo livre-docente em História Jaime Pinsky e com apresentação da psicanalista e socialite Eleonora Mendes Caldeira, traz o subtítulo: "O que se deve fazer e o que é preciso conhecer para ser uma pessoa culta e elegante". O volume cumpre a função de instrumentalizar a cultura como elemento essencial da elegância e das boas maneiras. O livro traz um elenco de especialistas em diversos assuntos, como literatura, música, cinema, moda. Em todos, há bulas para o remédio de se transformar em um ser cult. Para Eleonora, cultura e elegância são sanguessugas que se exploram mutuamente. Diz ela: "Um homem ou uma mulher elegante quer – e precisa – saber o que se passa no mundo das artes, da literatura, da música, dos espetáculos, das viagens, da gastronomia. Cultura, pois, entendida como produção humana para deleite próprio. A Cultura tida, então, como alimento do espírito". O que, em outras palavras, o volume pretende é reduzir a cultura em ferramenta para o sorriso da sociedade. Fácil, não? Vide bula e vire cult.

No âmbito corporativo, é ainda mais hilariante o manual O Negócio é o Seguinte - Hábitos e costumes dos povos e sua influência na vida empresarial (Ibradep, 490 págs.). As autoras paulistanas são a advogada Maria Eliza de Araújo Barros e a consultora e comunicóloga Gilda Fleury Meirelles. O volumão é um guia para os efusivos brasileiros evitarem gafes internacionais nos negócios. Ensina que japonês se curva, europeu aperta a mão e as mulheres dos países árabes estão em posição inferior. O profissional precisa saber umas poucas instruções, pois a globalização está colocando todo mundo no mesmo nível. Antigamente, por exemplo, trocar cartões no Brasil soava estranho. Hoje nos comportamos como perfeitos japoneses. O maior defeito do gerente brasileiro é ser "dado" demais. Nem sempre os estrangeiros gostam de sorrisos e gargalhadas, confissões e piadas. Eu pergunto: quem não sabe isso de cor? É que as gerações se seguem e se perdem as vivências, não se passam experiências de uma para outra.

A jornalista gaúcha Célia Ribeiro lança Etiqueta Século XXI - Um guia prático de boas maneiras para os novos tempos (LP&M, 290 págs.). O livro é uma bula de como se comportar na era do celular e da internet. Célia aconselha os aspirantes a conquistar um estilo, olhando-se no espelho para examinar defeitos e tiques nervosos, dá dicas sobre como manter a postura ereta, o nós da gravata, o tipo de minissaia para executivas. No chá das cinco, pode-se aproveitar o mesmo sachê em mais de uma xícara sem fazer vexame. As mulheres modernas e maduras podem ser ousadas e até convidar o homem para sair. Cheques-presentes não fazem feio. E na academia é preciso ser elegante, sim. Viu como é fácil?

Tem etiqueta para todas as tribos. Os iogues, por exemplo, ganham agora Boas Maneiras no Yôga (Nobel, 146 págs.), de Mestre De Rose. Leva o subtítulo de "Uma coletânea bem-humorada de observações sobre etiqueta, aplicáveis dentro e fora do Yôga". Além de abordar códigos para os relacionamentos animados entre os iogues, Mestre De Rose dá conselhos sobre liberdade, alimentação (ele abomina proteína animal, que chama de "cadáveres") e até mesmo como evitar que outros ouçam os barulhos que o ser bem-educado produz no banheiro. Escreve: "é imperdoável produzir aqueles ruídos hediondos que pessoas menos educadas fazem com a garganta sistematicamente todas as manhãs, como se estivessem sendo sufocadas pelo catarro e precisassem livrar-se dele urgentemente".

Aquilo que deveria ser bem sabido por todos virou repertório desses manuais. O mundo tem seu componente de hipocrisia na convivência social e um pouco de modos não faz mal a ninguém. O fato é que esses novos manuais de século XXI fazem uma imagem do mundo como um território hostil, em que as pessoas devem manter as aparências e mentir para si próprias a fim de conquistar algum lugar. O público-alvo desses livros não parece ser o homem, mas o rato. Isso porque tudo o que esses sábios aconselham se rege por mecanismos de estímulos e respostas. A civilização pode ser regida por um manual de instruções para se comportar como camundongos numa caixa. O bom senso não entra nesses experimentos. Deus, por favor, passe a enviar seres à Terra com as instruções, OK?

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Este artigo foi publicado originalmente na revista eletrônica da AOL, em 7 de novembro de 2005.


Luís Antônio Giron
São Paulo, 26/12/2005

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Harold Ramis (1944-2014) de Marcel Plasse
02. Joey e Johnny Ramone de André Barcinski
03. Só é louco quem não é de Claudia Lage
04. Manual do Publicitário de André Barcinski
05. Manifesto da culinária ogra de André Barcinski


Mais Luís Antônio Giron
Mais Acessados de Luís Antônio Giron
01. Paulo Coelho para o Nobel - 21/11/2005
02. Villa-Lobos tinha dias de tirano - 3/11/2003
03. JK, um faraó bossa-nova - 6/2/2006
04. Francisco Alves, o esquecido rei da voz - 5/8/2002
05. A blague do blog - 11/8/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/12/2005
16h53min
Ao invés de "daí a importância da literatura de auto-ajuda", eu pensaria na Filosofia e em outras literaturas... Enfim, os argumentos não me convenceram.
[Leia outros Comentários de isa fonseca]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MANUAL DE SOBREVIVÊNCIA EM SÃO PAULO
RAQUEL OGURI
CASA DA PALAVRA
(2011)
R$ 10,00



ESPAÑOL BUEN TRABAJO - LIBRO DEL ALUMNO COM CD
SANTIAGO DANIEL BERNAL SANABRIA E OUTRO
YES IDIOMAS
R$ 30,00



TUDO SOBRE MENINAS PARA MENINAS
CLAUDIA FELICIO
PLANETA
(2004)
R$ 9,00



DIMENSÃO MÍSTICA DA TORÁ
RABINO DANIEL B. FISCH
DO AUTOR
(2013)
R$ 24,00



HISTÓRIA DO PENSAMENTO ECONÔMICO NO BRASIL
HEITOR FERREIRA LIMA (1ª EDIÇÃO)
CIA EDT NACIONAL
(1973)
R$ 24,00



O TEXTO LITERÁRIO NO LIVRO DIDÁTICO DE FRANCÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA
FRANK DA SILVA GONÇALVES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



THE LIFE AND WORKS OF PICASSO
NATHANIEL HARRIS (CAPA DURA)
PARRAGON
(1994)
R$ 17,28



111 RECEITAS DE COZINHA CHINESA DA AVÓ ROSALINA
AVÓ ROSALINA
PUBLICAÇÕES EUROPA - AMÉRICA
(1995)
R$ 39,87



SISTEMA TRIBUTÁRIO NA CONSTITUIÇÃO DE 1988
IVES GANDRA MARTINS
SARAIVA
(1989)
R$ 20,82



DOMINANDO O LINUX
MATT WELSH E LAR KAUFMAN
CIÊNCIA MODERNA
(1997)
R$ 11,00





busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês