Tributo a Rogério Duprat | Antônio do Amaral Rocha

busca | avançada
29020 visitas/dia
891 mil/mês
Mais Recentes
>>> CRIANÇAS DE HELIÓPOLIS REALIZAM CONCERTO DE GENTE GRANDE
>>> Winter Fest agita Jurerê Internacional a partir deste final de semana
>>> Coletivo Roda Gigante inicia temporada no Jazz B a partir de 14 de julho
>>> Plataforma Shop Sui dança dois trabalhos no Centro de Referência da Dança
>>> Seminário 'Dança contemporânea, olhares plurais'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> É cena que segue...
>>> Imagens & Efeitos
>>> Segredos da alma
>>> O Mundo Nunca Foi Tão Intenso Nem Tão Frágil
>>> João Gilberto
>>> Retalhos ao pôr do sol
>>> Pelagem de flor: AMARELO
>>> Muriel e o vovô
>>> Opção de cada um
>>> Páginas pautadas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O papel aceita tudo
>>> Orgulho e preconceito, de Jane Austen
>>> O Mistério dos Incas
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> Rousseau e a Retórica Moderna
>>> Fritas acompanham?
>>> K 466
>>> O próximo do Woody Allen
>>> Terror em São Paulo
>>> Anna Schwartz sobre a crise
Mais Recentes
>>> Lua Nova de Stephenie Meyer pela Intríseca (2009)
>>> Alice no país das maravilhas de Adaptada do filme de Tim Burton pela On line (2010)
>>> O guia oficial do club Penguin (volume 1) de Katherine Noll pela Melhoramentos (2010)
>>> Club Penguin O aprendiz de inventor de Tracey West pela Melhoramentos (2010)
>>> Livro Múltipla escolha de Lya Luft pela Record (2010)
>>> Livro Cinema No Mundo - Europa Vol. 5 de Alessandra Meleiro pela Escrituras (2007)
>>> Livro Sim na Terra do Não - Uma Fábula Sobre a Superação do Pessimismo de B. J. Gallagher pela Negócio (2006)
>>> O amigo da bruxinha de Eva Furnari pela Moderna (2002)
>>> A Importação no Direito Tributário - (Impostos - Taxas - Contribuições) de José Eduardo Soares de Melo pela Revista dos Tribunais (2003)
>>> Em busca dos números perdidos de Michael Thomson pela Melhoramentos (2011)
>>> Responsabilidade Objetiva e Antecipação de Tutela (A Superação do Paradigma da Modernidade) de Fábio Luiz Gomes pela Revista dos Tribunais (2006)
>>> Livro Cinema no Mundo: América Latina - vol. 2 de Alessandra Meleiro pela Escrituras (2007)
>>> Anita Ganeri de Sabero horrivel - Tempo ruim pela Melhoramentos (2006)
>>> Livro Voz e corpo na tv: a fonoaudiologia a serviço da comunicação de Cláudia Cotes pela Globo (2006)
>>> Livro O teatro inglês da Idade Média até Shakespeare de Munira H. Mutran pela Global (1988)
>>> Livro A Moratória - Teatro Moderno de Jorge Andrade pela Agir (1995)
>>> 250 Ricette Delle Osterie dItalia 3 volumes de Bianca Minerdo / Grazia Novelinni pela Slow Food Pioltello (2019)
>>> Arrumar as Gavetas de Flávia de Queiroz Lima pela BH Belo Horizonte (2012)
>>> Livro A performance da oralidade teatral de Marlene Fortuna pela AnnaBlume (2000)
>>> O Último Leitor de Ricardo Piglia pela Companhia das Letras São Paulo (2006)
>>> Fazenda Modelo: Novela Pecuária (Livro de bolso) de Chico Buarque pela Circulo do Livro/ S. P.
>>> Aspectos da Antecipação da Tutela na Propriedade Industrial de José Mauro Decoussau Machado pela Revista dos Tribunais (2007)
>>> Fazenda Modelo: Novela Pecuária de Chico Buarque pela Civilizalção Brasileira (1975)
>>> Fazenda Modelo: Novela Pecuária de Chico Buarque pela Civilizalção Brasileira (1978)
>>> O Cortador de Bambu e outros contos japoneses de Sonia Salerno Forjaz pela Aquariana São Paulo (2012)
>>> O Historiador de Elizabeth Kostova pela Objetiva Rio de Janeiro (2005)
>>> Breve Historia Contemporánea de La Argentina 1916-2010 de Luis Alberto Romero pela FCE Argentina (2014)
>>> Casa Velha de Machado de Assis pela Garnier Belo Horizonte (1999)
>>> A Percepção da Morte na Criança e Outros Escritos de Arminda Aberastury pela ARTMED Porto Alegre (1984)
>>> Utilísima modelado de Nora Del Percio / Gabriela Del Duca pela Utilísima (2004)
>>> A Capital Federal de Arthur Azevedo pela Record/ RJ. (2001)
>>> Musa Impassível. A poetisa Francisca Júlia no cinzel de Victor Brecheret de Márcia Camargos pela Imesp (2007)
>>> Jedi Academy - Return Of The Padawan de Jeffrey Brown pela Scholastic (2014)
>>> Prótese Removível de C. Odontológicas da América do Norte pela Roca (1985)
>>> Fundamentos de Prótese Fixa de Shillingburg, Hobo e Whitsett pela Santos (1995)
>>> Reabilitação Protética de Domitti, Arioli Filho e Rizzatti Barbosa pela Maio (2002)
>>> Fundamentos de Prótese Total de José Cerratti Turano e Luiz Martins Turano pela Santos (2000)
>>> O Fumo no banco dos Réus de João Batista D. Costa pela Casa (1985)
>>> Reflexões Sobre o Mundo Contemporâneo de R.N Monteiro de Santana pela Revan (2000)
>>> O boom e a bolha de Robert Brenner pela Record (2003)
>>> Psicologia do Turismo de Glenn F. Ross pela Contexto (2002)
>>> Sonhos, Grilos e Paixões de Carlos Queiroz Telles pela Moderna (2008)
>>> Palavras - Origens e Curiosidades de Roosevelt Nogueira de Holanda pela Francisco Alves (2010)
>>> Homeopatia Ilustrada - Guia Prático de Edson Credidio pela Madras (1999)
>>> Atlas Cirúrgico do Tratamento da Doença Periodontal de Henry M. Goldman, Alan Shuman e G. Isenberg pela Quintessence Books (1991)
>>> Manual de direito civil - direito das coisas - volume 3 de Flávio Augusto Monteiro de Barros pela Método (2007)
>>> Manual de direito civil - parte geral - volume 1 de Flávio Augusto Monteiro de Barros pela Método (2006)
>>> Pronto-socorro da Costura de Vários pela Melhoramentos (2011)
>>> A jangada de pedra de José Saramago pela Record-Altaya (1998)
>>> A grande arte de Rubem Fonseca pela Record - Altaya (1998)
ENSAIOS

Segunda-feira, 8/1/2007
Tributo a Rogério Duprat
Antônio do Amaral Rocha

+ de 5800 Acessos
+ 1 Comentário(s)


Agência Estado

A morte do irreverente e genial maestro tropicalista deixa a música popular brasileira menos criativa e mais careta

Rogério Duprat já foi chamado de “o George Martin da música brasileira”. Mas se o produtor inglês “só” criou o som dos Beatles, o maestro carioca fez muito mais. Já seria muito se ele tivesse apenas conhecido os meninos dos Mutantes (Arnaldo Baptista, Sérgio Dias e Rita Lee) e criado os arranjos de obras clássicas como Os Mutantes, Tropicália ou Panis et Circensis (ambos de 1968) e A Divina Comédia (1971). Mas some-se: Caetano Veloso, Gilberto Gil, Tom Zé, Nara Leão, Chico Buarque, Erasmo Carlos, Walter Franco, Jorge Ben e Lulu Santos, todos são devedores do caldeirão sonoro do mago. E só lembrar do arranjo vanguardista para “Domingo no Parque” (Gilberto Gil) e dos arranjos construídos para “Construção” e “Deus lhe Pague” (Chico Buarque) e tem-se a dimensão de sua figura.

Sem Duprat, a música brasileira não teria evoluído da bossa nova e da jovem guarda em apenas um ano e meio. E sabe-se que a soma desses dois gêneros não resultaria em filhote algum. Mas existiu Rogério Duprat e um movimento chamado Tropicalismo. Ainda bem que houve um tempo em que as pessoas se dispunham a se encontrar – tempo em que a avenida São Luís, em São Paulo, havia cedido seus grandes apartamentos da burguesia decadente para os artistas migrados da Bahia. Chegando na capital paulista, os baianos foram morar perto de onde acontecia o burburinho da noite paulistana na década de 1960. São Paulo ainda era “pequena”: a avenida Paulista ainda não era o antro da oligarquia financeira que impera hoje.

Caetano e Gil tinham passado pelo Rio de Janeiro e percebido que as oportunidades estavam na São Paulo desvairada. Caetano já havia guardado a “mala que cheirava e fedia mal” em um canto do guarda-roupa e, entre idas e vindas para o Rio, Salvador e São Paulo e longos papos pelo bairro de Perdizes, tudo parecia “divino e maravilhoso”. Mas nem tanto: em 1967, passeata dos 100 mil; em 1968, AI-5; prisão, exílio...

E o que Rogério Duprat teve a ver com o Tropicalismo? Gil conheceu o maestro Júlio Medaglia, que botou o grupo em contato com Duprat, que trouxe Os Mutantes. Duprat fez o arranjo de “Domingo no Parque” e encaixou os meninos na jogada. O grupo cresceu, era o início de 1968. Caetano compõe o que viria a ser “Tropicália” – nome sugerido pelo cineasta Luís Carlos Barreto, cuja letra é uma colagem de temas arcaicos e modernos –, uma representação figurada do Brasil (“Eu organizo o movimento, eu oriento o Carnaval”) – e o que faziam passou a ter nome. Coube a Nelson Motta publicar no jornal Última Hora um artigo intitulado “A Cruzada Tropicalista”, que anunciava que um grupo de músicos, cineastas e intelectuais brasileiros fundara um movimento cultural com a ambição de alcance internacional.

No movimento, “o avesso do avesso do avesso” da MPB vigente, estavam Caetano, Gil, Tom Zé, Gal Costa, Torquato Neto, Capinam, Os Mutantes, Damiano Cozzella, Júlio Medaglia, Rogério Duprat e Rogério Duarte. A proposta era uma intervenção crítica no cenário cultural brasileiro, ressaltando os contrastes, casando o arcaico e o moderno, o nacional e o estrangeiro, as culturas de elite e de massa, cinema, rádio, teatro e televisão. Considerava que na música tudo era importante; abarcava samba, bolero, frevo, música de vanguarda, iê-iê-iê, rock internacional e “discriminalizou” o uso da guitarra. A aproximação com a poesia concreta paulista mereceu apoio crítico de Augusto e Haroldo de Campos e Décio Pignatari. O embrião do movimento remonta a discussões entre Caetano, Gil, Bethânia, Torquato, Rogério Duarte, ainda na Bahia, sobre questões como a necessidade da universalização da música brasileira, ampliando as conquistas da bossa nova, a qual já tinha estourado lá fora. Bethânia chamou a atenção de Caetano em relação à modernidade de Roberto Carlos, que a exprimiu em músicas como “Baby” (“Ouvir aquela canção do Roberto”) e em “Tropicália” (“Não disse nada do modelo do meu terno, que tudo mais vá pro inferno, meu bem”). O Tropicalismo propunha redimensionar, abrir, rearranjar.

Aí entra o mago-arranjador Rogério Duprat. Carioca, nascido em 1932, deu seus primeiros passos na música ainda jovem, tocando “de ouvido” cavaco, violão e gaita de boca. Em 1950, começou a estudar violoncelo. Mudou-se para a São Paulo em 1955, onde participou com destaque da Orquestra Sinfônica Municipal. Foi um dos fundadores e diretores da Orquestra de Câmara de São Paulo. Criou o movimento de música erudita Música Nova, em 1961, que incorporava atitudes experimentais à execução das peças. Passou um ano na Alemanha, tornando-se colega de Frank Zappa, com quem assistiu às aulas do mestre Stockhausen. Já no Brasil, em 1963, foi arranjador e regente da orquestra da TV Excelsior. No ano seguinte, começou a compor trilhas para cinema, sendo premiado com os filmes Noite Vazia, Corpo Ardente e As Cariocas. Para ele, isso não bastava: dizendo-se cansado da caretice das orquestras e querendo sair desse círculo, aproximou-se da música popular, em que pôs em prática suas experimentações com o grupo tropicalista e fora dele, radicalizando a idéia de uma orquestração moderna no Brasil. Assinou arranjos ousados, pontuados de erudição e criatividade, misturando sons de tudo o que parecesse moderno e irônico. “Seus arranjos punham as canções em choque luminoso com o próprio campo convulsionado da música em mutação. Não se tratava apenas de ‘vesti-las’ com roupagens de estilo, mas de reinventar as linguagens, como um autêntico criador. Ninguém fez isso melhor do que ele”, definiu o professor e compositor José Miguel Wisnik.

Nas décadas de 1970 e 1980, Duprat montou um estúdio para produção de jingles e trilhas para cinema e televisão. Em 1987, ganhou um prêmio Kikito no Festival de Gramado, com a trilha de A Marvada Carne (recusou porque a música apareceu desfigurada), uma das quase 50 trilhas que compôs.

Mesmo sob a proteção dos deuses da música, o volume do som dos estúdios o deixou quase surdo, o que o obrigou a exilar-se num sítio em Itapecerica da Serra (SP), trabalhando com marcenaria e praticando ioga. E o mago do som passou a ser um “mestre zen”.

Porém, “seu coração balança a um samba de tamborim, emite acordes dissonantes”, em 1990 voltou à ativa, compondo arranjos para Lulu Santos e Rita Lee. Com sua morte neste outubro de 2006, devido a complicações decorrentes de um câncer na bexiga, a música a brasileira perde uma referência. E a possibilidade de ser menos careta.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado na revista Rolling Stone.


Antônio do Amaral Rocha
São Paulo, 8/1/2007

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Lembranças de Ariano Suassuna de Leandro Carvalho
02. Para o Daniel Piza. De uma leitora de Eugenia Zerbini
03. Só é louco quem não é de Claudia Lage
04. Amy e a hipocrisia coletiva de André Barcinski
05. Aquarela de um Brasil sem cor de Túlio Henrique Pereira


Mais Antônio do Amaral Rocha
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/1/2007
15h41min
É preciso fazer um resgate, na musica poular brasileira, e no âmbito da academia, da radiofonia, que, aliás, está paupérima, e nos movimentos sociais, é preciso trazer a figura de Duprat, como bandeira de uma transformação no campo da arte musical.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UMA LONGA QUEDA
NICK HORNBY
COMPANHIA DAS LETRAS
(2014)
R$ 18,00



EMERGÊNCIA - ATENDIMENTO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM
NÉBIA MARIA ALMEIDA DE FIGUEIREDO
YENDIS
(2012)
R$ 29,90



VEJA SÃO PAULO DELÍCIAS POR ATÉ 10 REAIS
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2007)
R$ 10,00



A INTERAÇÃO SOCIAL
MICHAEL ARGYLE
ZAHAR
(1976)
R$ 22,31
+ frete grátis



HOMEOPATIA ATUALIZADA (1170)
ROBERTO COSTA
VOZES
(1984)
R$ 42,00



O LIVRO DE OURO DA MITOLOGIA - HISTORIA DE DEUSES E HERÓIS
THOMAS BULFINCH
EDIOURO
(2006)
R$ 24,90



A ORAÇÃO QUE DEUS ENTENDIA
PAULO COELHO
CARAS
(1999)
R$ 9,80



SEBASTIANA QUEBRA-GALHO
NENZINHA MACHADO SALLES
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1996)
R$ 19,83



A CIVILIZAÇÃO DOS MEGÁLITOS - GRANDES CIVILIZAÇÕES DESAPARECIDAS
MARC ORENS
EDITIONS FERNI
(1980)
R$ 10,99



APOMETRIA -UMA NOVA ABORDAGEM DA DESOBSESSÃO 9884
DARCIO CAVALLINI
VIDA E CONSCIÊNCIA
(2011)
R$ 18,00





busca | avançada
29020 visitas/dia
891 mil/mês