Caderno de caligrafia | Paula Mastroberti

busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
>>> Zé Guilherme canta Orlando Silva em show no YouTube no dia 26 de setembro
>>> Setembro Amarelo é tema de EntreMeios especial com Zé Guilherme e Leliane Moreira
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
>>> Rodrigo Gurgel entrevista Yuri Vieira
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Blog do Reinaldo Azevedo
>>> Alerta aos que vão chegar
>>> Cultura e Patrocínio
>>> Deus, um delírio, de Richard Dawkins
>>> O delfim, de José Cardoso Pires
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Thor
>>> Das Kunstwerk der Zukunft
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> O paraíso de Henry Miller
Mais Recentes
>>> Ser Elegante É… - 3D de Candace Simpson-Giles pela Sextante (2014)
>>> Seu Sexto Sentido. Ativando Seu - 3D de Belleruth Naparstek pela Rocco (1999)
>>> História geral das Civilizações Volume 1 - O oriente e a Grécia Antiga de Maurice Crouzet pela Bertrand Brasil (1993)
>>> O Diário de Anne Frank de Ane Frank pela Pé da Letra (2019)
>>> A sombra do poder: Martinho de Melo e Castro e a administração da Capitania De Minas Gerais (1770-1795) de Virgínia Maria Trindade Valadares pela Hucitec
>>> A Revolta da Vacina de Sevcenko, Nicolau pela UNESP
>>> A quebra da mola real das sociedades: A crise política do antigo regime Português na província do Grão-Pará (1821-1825) de André Roberto Arruda Machado pela Hucitec
>>> A paz das senzalas: Famílias Escravas e Tráfico Atlântico C.1790- C.1850 de Florentino, Manolo pela UNESP
>>> A outra Independência: O Federalismo Pernambucano de 1817 a 1824 de Mello, Evaldo Cabral de pela 34
>>> A História do Brazil de Frei Vicente do Salvador. História e Política no Império Português do Século XVII de Maria Lêda Oliveira pela Versal
>>> A experiência do tempo: Conceitos e narrativas na formação nacional brasileira (1831-1845) de Araújo, Valdei Lopes de pela Hucitec
>>> A Educação Pela Noite de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul
>>> A Diplomacia na Construção do Brasil. 1750-2016 de Rubens Ricupero pela Versal
>>> A Corte na Aldeia de Vários Autores pela Verbo
>>> A Companhia de Jesus na América por Seus Colégios e Fazendas de Márcia Amantino and Carlos Engemann pela Garamond Universitaria
>>> A carne e o sangue: A Imperatriz D. Leopoldina, D. Pedro I e Domitila, a Marquesa de Santos de Priore, Mary de pela Rocco
>>> 1889: Como um imperador cansado, um marechal vaidoso e um professor injustiçado contribuíram para o fim da Monarquia e a de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 1822: Como um homem sábio, uma princesa triste e um escocês louco por dinheiro ajudaram dom Pedro a criar o Brasil - um de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 1808: Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a História de Portugal de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 130 Anos: Em Busca Da República de Lessa, Renato; Wehling, Arno; Franco, Gustavo; Tavares Guerreiro, José Alexa pela Editora Intrínseca
>>> Arte de Gramática da Língua Mais Usada na Costa do Brasil de José de Anchieta pela EdUFBA (2014)
>>> Inglorious Revolution de William R. Summerhill pela Yale University Press (2015)
>>> O governo das conquistas do Norte de Fabiano Vilaça dos Santos pela Annablume (2011)
>>> O sol e a sombra de Laura de Mello e Souza pela Companhia das Letras (2006)
>>> Amazon Frontier - the defeat of the Brazilian Indians de John Hemming pela Papermac (1995)
>>> International Law de Malcolm Evans (edited by) pela Oxford University Press (2014)
>>> Complete International Law: Text, Cases, and Materials de Ademola Abass pela Oxford University Press (2014)
>>> Salvador de Sá and the struggle for Brazil and Angola, 1602 - 1686 de C. R. Boxer pela University of London (1952)
>>> Instituições Políticas Brasileiras de Oliveira Vianna pela Senado Federal (2019)
>>> O populismo e sua história - debate e crítica de Jorge Ferreira (Org.) pela Civilização Brasileira (2001)
>>> Marxismo e Judaísmo - história de uma relação difícil de Arlene Clemesha pela Boitempo (1998)
>>> Trópico dos pecados de Ronaldo Vainfas pela Civilização Brasileira (2014)
>>> Brasil: formação do Estado e da Nação de István Jancsó (Org.) pela Hucitec (2011)
>>> História da Vida Privada em Portugal - 4º Volume (Os nossos dias) de José Mattoso pela Temas e Debates (2011)
>>> História de Angola - da Pré-História ao Início do Século XXI de Alberto Oliveira Pinto pela Mercado de Letras (2016)
>>> Visconde do Uruguai de José Murilo de Carvalho (Org.) pela 34 (2002)
>>> A ilusão americana de Eduardo Prado pela Alfa Omega (2001)
>>> Postmodernism or, the cultural logic of late capitalism de Fredric Jameson pela Duke University Press (1992)
>>> The Established and the Outsiders de Norbert Elias and John L. Scotson pela Sage Publications (2017)
>>> The Satanic Verses de Salman Rushdie pela Randon House (2019)
>>> Los detectives salvajes de Roberto Bolaño pela Vintage Español (2010)
>>> Voices from Chernobyl de Svetlana Alexievich pela Dalkey Archive Press (2005)
>>> O Norte Agrário e o Império, 1871 - 1889 de Evaldo Cabral de Mello pela Topbooks (2008)
>>> Worlds of Labour - further studies in the history of labour de Eric J. Hobsbawm pela Weidenfeld and Nicolson (1984)
>>> Formação da Literatura Brasileira - Momentos Decisivos de Antonio Candido pela Ouro sobre Azul (2014)
>>> História do Brasil: uma interpretação de Carlos Guilherme Mota e Adriana Lopez pela 34 (2015)
>>> História Concisa da Literatura Brasileira de Alfredo Bosi pela Cultrix (2015)
>>> A literatura portuguesa de Massaud Moisés pela Cultrix (2010)
>>> História da Literatura Brasileira Vol. I - Das origens ao Romantismo de Massaud Moisés pela Cultrix (2012)
>>> História da Literatura Brasileira Vol. II - Do Realismo à Belle Époque de Massaud Moisés pela Cultrix (2016)
ENSAIOS

Segunda-feira, 2/4/2007
Caderno de caligrafia
Paula Mastroberti

+ de 51500 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Nas séries iniciais do colégio onde minha filha estuda, as crianças exercitam a caligrafia em pautas específicas, com intuito de tornar a letra mais legível e bonita. Ocorre que, numa dessas reuniões típicas de início de ano letivo, um pai toma a palavra e pergunta: "Por que eles têm que fazer isso ainda? Tudo o que a gente lê está em letra de forma. Até escrever a gente pouco escreve à mão. Por que utilizar a letra cursiva, se só se usa a letra de forma?"

A pergunta agitou o ambiente. Uma educadora responde, usando o jargão pedagógico de costume: "elimina o garrancho... introduz o hábito da escrita... auxilia a desenvolver a coordenação motora fina..." Etc., etc.

Penso eu: é verdade. Geralmente, quem desenha bem tem letra bonita (notem que eu disse bonita, e não legível). E a caligrafia desenvolve, sim, a coordenação motora fina, ou seja, disciplina a mão (o que nos pode ser útil em tantas outras circunstâncias ao sabor da fantasia). Por outro lado, também tem razão o pai provocador, ou não tem?

Você aí, amigo das letras, leitor ou escrevedor: escreve como? Aonde? Confesso: só me tornei escritora por causa do computador. Sou péssima datilógrafa (uso apenas os dois dedos indicadores) e, toda vez que iniciava um texto à caneta em folhas pautadas, perdia a paciência e a concentração, e saía desenhando as personagens. Além disso, como boa filha dos anos sessenta, sou avessa à ditadura das pautas e linhas e saio escrevendo em todas as direções, em arabescos muito pouco inteligíveis (mas o efeito fica bonito, porque sou boa desenhista). Sei de inúmeros profissionais da escrita que preferem o lápis ao teclado, ou mesmo a velha máquina de escrever; mas conheço muito pouca gente que não passe seus recados via e-mail ou não seja obrigado a preencher formulários em anexos extensão ".doc" apenas teclando, assim como sei que não há monge hoje em dia com paciência pra quebrar o pulso desenhando caprichosamente letra por letra da Poética de Aristóteles.

Por outro lado, que é bacana escrever à mão, lá isso é. Fazer estrelinhas nos pingos dos "is", que garota nunca fez? Coraçõezinhos no lugar dos "os"... As letras falam da personalidade de quem escreve. As assinaturas confessam coisas que só um bom grafologista imagina. Originais escritos à mão ou com anotações feitas pelo punho do autor são leiloados por fortunas, sem falar dos livros autografados. Eu gosto de registrar ocorrências particulares e pensamentos íntimos à mão, porque a grafia traduz minha emoção. Talvez tenhamos aqui um bom motivo para considerarmos a caligrafia uma habilidade que vale a pena desenvolver.

Há uma antiga discussão sobre forma e conteúdo que se refere não só às artes visuais, mas também à literatura. Enquanto alguns pensadores ignoram a dependência do texto literário do seu suporte (os sinais gráficos que permitem acesso a sua leitura), outros (como alguns poetas, grafiteiros, pichadores e designers gráficos) entendem que a forma gráfica pode ser tão importante quanto a criação literária em si mesma. Como se fala muito pouco de poesia em nossas terras – digestivas ou não –, vou deixar essa discussão pra lá (por enquanto).

Mas não custa nada, de vez em quando, parar para refletir sobre de que maneira o jeito e as técnicas de escrita e impressão podem interferir no processo criativo de quem escreve e no processo cognitivo de quem lê.

De qualquer modo – sim, canetas e lápis: infelizmente, mesmo contra o meu compulsivo desejo de colecioná-los, sou obrigada a declarar que vocês estão ameaçados de extinção. Tenho até uma mesa eletrônica para desenho; posso simular giz, grafite ou nanquim, a meu gosto, sem que se perceba a diferença. O engraçado é que adoro produzir textos manuscritos a partir dela...

Nota do Editor
Paula Mastroberti é artista plástica e assina o artesite que leva seu nome.


Paula Mastroberti
Porto Alegre, 2/4/2007

Mais Paula Mastroberti
Mais Acessados de Paula Mastroberti
01. Caderno de caligrafia - 2/4/2007
02. O valor da arte contemporânea - 6/3/2006
03. Vontade de fazer arte - 12/6/2006
04. Arte eletrônica? Se liga! - 14/4/2008
05. Arte para quem? - 7/11/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/5/2007
01h53min
Grande questão. Eu gosto de escrever à mão, ou seja, com caneta, ou com lapiseira. Aliás, coisa fantástica a lapiseira. Apontar lápis era muito chato! E os exercícios de caligrafia ainda são necessários. Quem sabe um dia o caos não toma conta da civilização, e todos os computadores, discos rígidos, fibras óticas, se tornam sucata e teremos que escrever novamente em tijolinhos de argila?
[Leia outros Comentários de Jose Alfredo]
8/8/2007
11h06min
Embora seja realmente muito chato para uns o exercício da caligrafia, acho o ato muito importante. Com o avanço da tecnologia, estamos ficando robotizados. Com o uso do computador, estamos abreviando palavras, para não perder tempo, e voltando à fase do "uga-uga". Estamos vendo médicos que escrevem receitas, que mal se entende seus garranchos, que podem confundir nomes de remédios, que podem levar à morte seus pacientes, e isso é só um exemplo. O ato de se fazer entender pela grafia é belo e edificante. Existem pessoas tímidas, que através da grafia nos podem deleitar com a beleza de seus pensamentos e sentimentos.
[Leia outros Comentários de Jane Rosa da Fonseca]
4/10/2008
20h36min
Gostei muito do texto, principalmente porque estava à procura de exercícios de caligrafia para a minha filha. Portanto, a minha opinião é de que o saber não ocupa lugar e desenvolve a mente.
[Leia outros Comentários de José Carlos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MUDANÇA SOCIAL E POBREZA NO BRASIL: 1970-1980
JOSÉ PASTORE E OUTROS
PIONEIRA; FIPE
(1983)
R$ 22,82



SELEÇÕES (OS MELHORES CONTOS) - 5ª EDIÇÃO
MALBA TAHAN - LIVRO VIRGEM
CONQUISTA
(1959)
R$ 15,00



O DIAGNÓSTICO E O MANEJO DA DOENÇA RESPIRATÓRIA PEDIÁTRICA
ROBERT DINWIDDIE
ARTES MÉDICAS
(1992)
R$ 14,90



TEMPO E REVOLTA DE BEETHOVEN
OCTACILIO DE CARVALHO LOPES
LEITURA
(1963)
R$ 16,90



O SENTIMENTO DE IDENTIDADE
NICOLE BERRY
ESCUTA
(1991)
R$ 5,00



MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS
MACHADO DE ASSIS
ÁTICA
(1998)
R$ 25,00



O VERMELHO E O NEGRO
STENDHAL
ABRIL CULTURAL
(1995)
R$ 7,90



FELIZ PASCOA
GANYMEDES JOSE
GENTE NOVA
R$ 5,00



O RITUAL DE BORDEAUX - VOLUME 3
JEAN-PIERRE ALAUX, NOËL BALEN
ROCCO
(2008)
R$ 26,00



SUPERSENTIDO PORQUE ACREDITAMOS NO INACREDITÁVEL
BRUCE M HOOD
NOVO CONCEITO
(2010)
R$ 17,00





busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês