Vontade de fazer arte | Paula Mastroberti

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Direito Romano - Vol. II de José Carlos Moreira Alves pela Forense (2003)
>>> Divinas Desventuras: Outras Histórias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Le Nouveau Sans Frontières 1 - Méthode de Français de Philippe Dominique e Jacky Girardet e Michele Verdelhan e Michel Verdelhan pela Clé International (1988)
>>> Sobrevivência de Gordon Korman pela Arx Jovem (2001)
>>> Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini pela Revista dos Tribunais (2001)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Abril (1982)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (2016)
>>> Labirintos do Incesto: O Relato de uma Sobrevivente de Fabiana Peereira de Andrade pela Escrituras-Lacri (2004)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Círculo do Livro (1975)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Patersin pela Salamandra (2006)
>>> O Desafio da Nova Era de José M. Vegas pela Ave-Maria (1997)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1970)
>>> Trabalho a Serviço da Humanidade de Escola Internacional da Rosa Cruz Áurea pela Rosacruz (2000)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ensinando a Cuidar da Criança de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Ensinando a Cuidar da Mulher, do Homem e do Recém-nascido de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Luxúria Encadernado de Judith Krantz pela Círculo do Livro (1978)
>>> Fundamentos, Conceitos, Situações e Exercícios de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Personality: How to Unleash your Hidden Strengths de Dr. Rob Yeung pela Pearson (2009)
>>> Um Mês Só de Domingos de John Updike pela Record (1975)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Caravanas de James Michener pela Record (1976)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> Deus Protege os Que Amam de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1977)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> O Quarto das Senhoras de Jeanne Bourin pela Difel (1980)
>>> Beco sem Saída de John Wainwright pela José Olympio (1984)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Abril (1982)
>>> O Hotel New Hampshire Encadernado de John Irving pela Círculo do Livro (1981)
>>> As Moças de Azul de Janet Dailey pela Record (1985)
>>> Amante Indócil Encadernado de Janet Dailey pela Círculo do Livro (1987)
>>> A Rebelde Apaixonada de Frank G. Slaughter pela Nova Cultural (1986)
>>> Escândalo de Médicos de Charles Knickerbocker pela Record (1970)
>>> A Turma do Meet de Annie Piagetti Muller pela Target Preview (2005)
>>> O Roteiro da Morte de Marc Avril pela Abril (1973)
>>> Luz de Esperança de Lloyd Douglas pela José Olympio (1956)
>>> Confissões de Duas Garotas de Aluguel de Linda Tracey e Julie Nelson pela Golfinho (1973)
>>> Propósitos do Acaso de Ronaldo Wrobel pela Nova Fronteira (1998)
>>> Olho Vermelho de Richard Aellen pela Record (1988)
>>> A Comédia da Paixão de Jerzy Kosinski pela Nova Fronteira (1983)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Böll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> O Caminho das Estrêlas de Christian Signol pela Círculo do Livro (1987)
>>> Longo Amanhecer de Joe Gores pela Best-seller (1988)
>>> As Damas do Crime de B. M. Gill pela Círculo do Livro (1986)
>>> Os Melhores Contos de Alexandre Herculano de Alexandre Herculano pela Círculo do Livro (1982)
ENSAIOS

Segunda-feira, 12/6/2006
Vontade de fazer arte
Paula Mastroberti

+ de 5500 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Peço mil desculpas. Mas é que, aos dois anos de idade já mostrava incrível habilidade com o desenho. Meus pais se entusiasmaram comigo, logo compraram cadernos, lápis de cor e outros "brinquedinhos" do gênero. Minha mãe sempre gostou de arte. Colecionava aqueles fascículos da Abril Cultural – quem lembra? Gênios da Pintura. Meus pintores preferidos na infância: El Greco, Ensor, Van Gogh, Klimt. Caravaggio. Ah, sim, Bosch! Brueguel! Sei lá, tantos...

Tentava imitá-los.

Devo ter sido uma das poucas da turma do colégio absolutamente convicta da primeira opção para o vestibular: artes plásticas. E não porque a média era das mais baixas. E, certamente, não porque esperasse ganhar horrores de dinheiro. Sequer me passou pela cabeça ser mais pragmática e optar pela licenciatura. Não, eu entrei de cabeça no bacharelado, mesmo.

Quatro anos e meio de curso. Estudei e aprendi a desenvolver o talento criativo explorando inúmeras técnicas, das mais tradicionais às mais inusitadas. Fiz parte do time que integrou a geração oitenta gaúcha e minha primeira individual foi um sucesso. As portas se abriam para mim.

Eu poderia ter ido muito longe, do ponto de vista de mercado. Contudo, preferi manter certa liberdade e assumir sozinha minhas experiências poético-visuais sem ter que prestar contas ao sistema de arte vigente. Quando todos pensaram que eu ia assumir uma fórmula, eu comecei a partir pra outra. Abandonei lobbies, salões, mas mantive minha credibilidade, porque minha atitude profissional sempre foi séria e reflexiva, independente da quantidade de linhas no meu currículo. Foi, como eu disse, uma opção tranqüila e de ordem pessoal, de uma profissional que preferiu fazer as coisas ao seu modo, no seu ritmo. Além disso, surgiu aí pelo meio uma carreira literária, mas isso já é outra história. E isso não quer dizer que eu desconfie de artistas bem-sucedidos dentro do sistema.

Por que é que eu estou me abrindo desse jeito?

Por duas vezes defendi a arte contemporânea (ou como queiram chamá-la) neste veículo. Por duas vezes tenho insistido na idéia de que a arte sobrevive após, ou pós-tudo. Que mil decretos sobre o fim ou a crise da arte não matarão a vontade do ser artista, que sente dentro de si este impulso que o domina e dá sentido a sua vida. Ainda que eu não esteja criando concretamente, fundamentalmente minha questão é a arte e a estética, meu pensamento volta-se para isso a todo momento, minhas mãos, meus olhos e meu cérebro pedem ocupação neste sentido. A matéria me instiga, a cor me instiga, texturas me instigam, as formas são o revestimento que busco para as minhas idéias e meu deleite. Ah, e tem mais: não sou a única. Há mais gente como eu, espalhada por aí. E agora? Que crítico, que intelectual, que diabo poderá dizer que somos um equívoco? Que deveríamos mudar de profissão? Não tenho eu o direito de me expressar livremente, usando das formas que eu quiser, das tintas ao computador? Não tenho eu o direito de escolher a mídia que penso ser a mais adequada?

Quem vê a arte pelo lado de fora, adora citar equívocos. Por que não se referem aos acertos? Ou será tudo acerto na literatura? Na música? No cinema? Por que a arte tem que carregar o estigma de sempre ser a expressão concreta de um ideal absoluto e ultrapassado? Não pode a arte ser menor de vez em quando, não pode ser anárquica ou divertida, leve ou complicada, plural em oferecer diversas opções de entretenimento como tantos filmes, livros, tantas músicas que torram o nosso saco na rádio e todo mundo perdoa e esquece? Por que exigimos de todos os artistas que eles sejam Leonardos, Monets, Picassos? E por que somente estes? E por que, pergunto eu, ao se referir à arte, se pensa somente em pintura? Pelas possibilidades decorativas? Pela linguagem aparentemente mais compreensível? Compreensível pra quem? Por que não aceitamos que Duchamp, queiram ou não, é um marco, uma referência, simplesmente dizendo, "bem, ele fez o ready-made e o Grande Vidro, bacana, tudo bem, não vamos morrer por causa disso". A verdade é que, depois de Duchamp e dos dadás, continuamos a pintar, a esculpir, a instalar, a interferir até mesmo nos espaços cibervirtuais. A arte não acabou, porque há muito ainda a dizer, há novidades visuais sobre as quais nos sentimos obrigados a refletir.

Por que não perdoamos em Duchamp a mesma dissolução do sujeito observada em Joyce?

Enquanto tapamos os buracos das outras formas de expressão defendendo mediocridades com resenhas repletas de tapinhas nas costas, retalhos de frases pós-estruturalistas e citações estagnadas no vício de conceitos já obsoletos, as artes plásticas perdem em virtude da ausência de uma voz que faça circular e torne alguns artistas da nossa época tão populares quanto certos poetas ou romancistas, músicos ou atores. No mais, ela é como qualquer outra via: há coisas ruins na arte contemporânea, ou como-querem-que-a-chamem. E há muita ignorância e intolerância em relação a ela também (a segunda, é claro, só poderia ser resultado da primeira). Todo mundo gosta de falar mal, mas poucos analisam o assunto em seu cerne, que é tão profundamente humano, tão condicionado histórica e socialmente quanto qualquer outra área cultural.

Alguém aí já ouviu falar de Tunga? De Regina Silveira? De Daniel Senise? Quem tiver algo contra estes nomes, que atire a primeira pedra. Eles incidem contra o seu gosto? Contra o seu conceito de Belo? Ora meu amigo e minha amiga, gosto e beleza é questão efêmera, a Gisele Bündchen de hoje pode ser o tribufu de amanhã.

Não há como fazer uma revisão crítica da arte contemporânea, simplesmente importando teorias de outra área, como querem alguns intelectuais da literatura, sem levar em conta suas especificidades. Mesmo estas teorias mal parecem dar conta das obras literárias que pretendem analisar, e não há nenhum consenso entre elas, assim como não há consenso na crítica, nem nas instituições acadêmicas, que privilegiam determinados estilos, autores ou gêneros conforme a sua ideologia.

Portanto, amigos, não há como matar a arte, e não há por que ressuscitá-la, uma vez que ela sempre esteve e estará muito viva, enquanto nascerem crianças cujo sonho é ir além de ganhar aquela graninha certa num emprego burocrático.

Eu, por exemplo, estou aqui, sou uma voz, e não estou morta.

Ah, e gosto de Duchamp. E agora?

Nota do Editor
Paula Mastroberti é artista plástica e assina o artesite que leva seu nome.


Paula Mastroberti
Porto Alegre, 12/6/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O voo de galinha do Brasil de Rodrigo Constantino
02. O pingente que deu certo de Sérgio Augusto
03. Arte para quem? de Paula Mastroberti


Mais Paula Mastroberti
Mais Acessados de Paula Mastroberti
01. Caderno de caligrafia - 2/4/2007
02. O valor da arte contemporânea - 6/3/2006
03. Arte eletrônica? Se liga! - 14/4/2008
04. Vontade de fazer arte - 12/6/2006
05. Arte para quem? - 7/11/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/6/2006
08h24min
"Todo homem que diz SOU, não é. Pois que É MESMO é NÃO SOU" (Vinicius de Morais). Daniel Senise? Tunga? Regina Silveira? Ora, só se fala neles. Que outros você indicaria? Duchamp é nosso tataravô. Há algo de novo no reino da dinamarca ou apenas repetimos aquilo que se transformou no modelito instalado no ano de 1917? Você sabia que existem cursos de artes plásticas que têm a disciplina "arte contemporânea"? Risível, não é? A verdadeira arte é indomesticável (se é que esta palavra existe), já a dita "arte contemporânea" virou arte acadêmica. Não acha? O problema é apenas esse. Uma regra que jovens artistas têm que seguir para não passar fome ou não se sentir "fora de moda". A institucionalização de um estilo é a própria morte dele, não acha? São apenas questões que seu texto me despertou. Outra coisa, sua autobiografia me passou a idéia de uma autopromoção magoada. A arte não precisa de proteção, já que toda proteção acaba se tornando "grades de ferro".
[Leia outros Comentários de jardel]
26/6/2006
09h09min
Vc, sempre tão atento, hein, "Jardel"? Não pode me ver por aqui sem fazer uma visitinha. O meu ensaio não seria o mesmo sem a sua presença. Continue assim, sempre patho-participativo. beijão, P
[Leia outros Comentários de Paula]
27/6/2006
08h41min
Paula, nem sempre tão atento, mas sempre que o tema é arte me interesso, pois, afinal, sou professor de história da arte. mas para além da profissão, me interesso apenas por isso: arte. mas dispenso sua ironia (risos), ou não, faça como quiser. Seu texto é bom por levantar problemas. muitos. abraço, jardel
[Leia outros Comentários de jardel]
27/6/2006
09h13min
Penso que flexibilidade, na vida ou como espectador da arte, seja mesmo uma conquista pessoal, que rejeita a noção engessada do que é "fazer arte". Claro que queremos sempre o melhor e nunca a arte menor, mas em seus exemplos (Tunga, etc.) não há arte menor, mas alternativas, que podem vir de outsiders ou não, mas de qualquer modo não devem ser considerados, estes artistas, exclusivos, no sentido de exclusão, mesmo. Se os acadêmicos os excluem, problema deles, que saem perdendo. Uma lufada de um bom ar fresco sempre vai bem em nossas caras, né mesmo? Parabéns pela matéria, adorei. Abraço.
[Leia outros Comentários de isa fonseca]
28/6/2006
11h08min
Você não está sozinha. O sentimento da arte sempre existe. Ainda que para poucos. O mundo das não-palavras não cabe em uma regra. Não cabe na indústria do cinema, das editoras e das gravadoras. É só isso. Continue firme e se precisar arrumar um emprego para sobreviver, não se acanhe. Isso pode representar independência para sua obra.
[Leia outros Comentários de Flávio]
1/7/2006
13h16min
Flávio, eu já tenho emprego. Aliás, foi em nome da sobrevivência física (e psíquica), e até por levar a arte à sério, que eu resolvi que minha segurança material deveria vir de outras instâncias, nem por isso menos nobres, como a ilustração, as artes gráficas em geral, o ensino de literatura e arte e o vínculo acadêmico. Obrigada a vc e a Isa P
[Leia outros Comentários de Paula Mastroberti]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ZAC POWER - MISSÃO TREINAMENTO RADICAL
H. I. LARRY
FUNDAMENTO
(2010)
R$ 9,90



A PROSA FRATURADA
DONALDO SCHULER
UNIVERSIDADE FEDERAL RS
(1983)
R$ 26,82



A REVOLUÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS
ANDRÉ TELLES
M.BOOKS
(2010)
R$ 15,00



SALAMBÔ
G. FLAUBERT
EDIBOLSO
(1969)
R$ 10,00



QUEM É GETÚLIO VARGAS
PEDRO LUÍS
NOVA JURISPRUDÊNCIA
R$ 50,00



INFRAESTRUTURA: OPÇÃO DE INVESTIMENTO AOS FUNDOS DE PENSÃO NO BRASIL
GUILHERME NOGUEIRA LOPES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



JEAN PIAGET O HOMEM E SUAS IDÉIAS
RICHARD I. EVANS
FORENSE
(1980)
R$ 19,83



HISTÓRIA DA LITERATURA BRASILEIRA VOL 1
SILVIO CASTRO
ALFA
(1999)
R$ 26,40



HISTÓRIA DE CANÇÕES CHICO BUARQUE
WAGNER HOMEM
LEYA
(2009)
R$ 20,00



30 ANNOS DE THEATRO - HUMORISMO
REGO BARROS
TYPOGRAPHIA COELHO
(1932)
R$ 45,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês