Com Chico Science, no Recife | Luís Antônio Giron

busca | avançada
83662 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Sesc 24 de Maio apresenta o último episódio do Música Fora da Curva
>>> Historiador Russell-Wood mergulha no mundo Atlântico português da Idade Moderna
>>> Livro ensina a lidar com os obstáculos do Transtorno do Déficit de Atenção
>>> 24 e 25/04: últimas apresentações do projeto 48h_48min acontecem neste fim de semana
>>> João Trevisan: Corpo e Alma || Museu de Arte Sacra
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Machado e a AR-15
>>> Notas confessionais de um angustiado (V)
>>> Festival de interatividades
>>> O melhor de Steve Jobs
>>> Jane Fonda em biografia definitiva
>>> Leituras, leitores e livros – Parte I
>>> Abertura de Guillaume Tell
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Vianinha corpo-a-corpo
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
Mais Recentes
>>> A Mágica de Pensar Grande de David J. Schwartz pela Record (1995)
>>> Abolição: Um Suave Jogo Político? de Leonardo Trevisan pela Moderna (1991)
>>> A Revolução Industrial de Roberto Antonio pela Moderna (2002)
>>> Globalização Estado Nacional e Espaço Mundial de Demétrio Magnoli pela Moderna (1998)
>>> A Marca de Uma Lágrima de Pedro Bandeira pela Moderna (1992)
>>> Evolução Das Espécies de Samuel Murgel Branco pela Moderna (2003)
>>> Plastico Bem Superfluo Ou Mal de Eduardo Leite do Canto pela Moderna (1995)
>>> História da Literatura Brasileira -2ª ed. revista e ampliada de Luciana Stegagno Picchio pela Nova Aguilar- Lacerda- ABL (2004)
>>> O Meio Ambiente em Debate de Samuel Murgel Branco pela Moderna (1998)
>>> Sentidos Da Vida Uma Pausa P Pensar de Flavio Gikovate pela Moderna (1998)
>>> A Industrialização Brasileira - de Sonia Medonças pela Moderna (2000)
>>> Multinacionais Desenvolvimento Ou Exploração? de Paulo Martinez pela Moderna (1987)
>>> Um Amor Alem Do Tempo de Leila R. Iannone pela Moderna (1990)
>>> O Novo Mapa do Mundo de Demétrio Magnoli pela Moderna (1999)
>>> Olhinhos de gato de Cecília Meireles pela Modernao (1983)
>>> As Maiores Historias do Superman de Jerry Siegel e Joe Shuster. Capa: Alex Ross pela Panini Comics (2008)
>>> DC Especial vol.3 - Lanterna Verde de Ben Raab, Charlie Adlard, Tatjana Wood pela Panini Comics (2004)
>>> Superman versus Exterminador do Futuro de Alan Grant (roteiro), Steve Pugh (desenhos, arte-final e capa), Mike Perkins (arte-final) e David Stewart (cores) pela Abril (2000)
>>> X-Men - Filhos do Átomo de Joe Casey, Steve Rude, Esad Ribic pela Abril (2001)
>>> Anjos e Demônios: a primeira aventura de Robert Langdon de Dan Brown pela Sextante (2004)
>>> Ponto de Impacto de Dan Brown pela Sextante (2005)
>>> Fortaleza Digital de Dan Brown pela Sextante (2005)
>>> Simbad - Uma Historia Das Mil E Uma Noites de Ludmila Zeman pela Projeto (2010)
>>> Geografia Geral e do Brasil. Espaço Geográfico e Globalização de João Carlos Moreira; Eustáquio de Sene pela Scipione (2021)
>>> Você Com Você de Marcos Leão - Calunga pela Casa dos Espíritos (2011)
ENSAIOS

Segunda-feira, 10/5/2010
Com Chico Science, no Recife
Luís Antônio Giron

+ de 7000 Acessos


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

Há 20 anos, o cantor e compositor Chico Science fundava, no Recife, aquele que viria a se tornar o derradeiro movimento de renovação cultural da música brasileira no século XX: o Manguebeat. Tratava-se de uma fusão dos gêneros folclóricos do estado de Pernambuco, em especial o coco e o maracatu, com os vocais e a incontinência verbal do punk rock brasileiro e algumas pinceladas de música eletrônica. Chico e seu amigo Fred 04, jornalista e cavaquinista, apelidaram essa mescla de "mangue" ― mais tarde "manguebit" e, por fim, Manguebeat. Vocais agressivos gritavam palavras de ordem e fragmentos de Teoria do Caos, apoiados por forte percussão brasileira. Um novo som, uma nova forma de vida. Mas o que resta dela na década de 10 do século XXI? Muito pouco. Como todo empenho renovador ocorrido no Brasil, o Manguebeat foi engolido pela globalização tecnológica dos dias de hoje. O que restou é a sombra esquálida de uma silhueta onde se pode divisar o chapéu de palha, o contorno de óculos de sol e de tênis surrados: o mito de Chico Science, morto aos 33 anos em um acidente de carro em 02 de fevereiro de 1997. Chico sublevou a atmosfera de pasmaceira e resignação que dominava a música popular brasileira. E só teve seis anos para realizar essa façanha histórica.

Sua memória foi celebrada no início deste ano com uma exposição no Itaú Cultural de São Paulo. São canções dos dois únicos discos que ele e sua banda, Nação Zumbi, gravaram juntos, fotografias, videoclipes, rascunhos de manifestos. Os organizadores do evento justificaram o resgate da memória da música iniciada por Chico porque hoje quase nada se ouve dela, e pouco ou nada se pratica. O legado do Manguebeat é tão inaudível quanto importante. Os roucos vocais de Science alertam para o fim da identidade, mas mal podemos escutá-los. Os gritos do artista foram abafados pelo ruído tecnológico de um mundo interligado pela internet que ele próprio anunciou com euforia. Ele morreu quando seu Fiat Uno Mille bateu em um poste entre os municípios de Recife e Olinda. O cinto de segurança se rompeu, o que parece ter provocado a morte do músico, em decorrência de traumatismo generalizado. Chico morreu perto do Carnaval que ajudou a restaurar, no local em que se criou e buscou inspiração, na periferia limítrofe de Olinda e Recife.

A percepção da novidade não resultou da imaginação de Chico Science. Muito além de haver plasmado um rótulo, ele percebeu uma alteração na vida cotidiana dos jovens recifenses no início dos anos 90. Ele se deu conta de que sua terra natal ― também conhecida como a cidade dos mangues, porque foi construída a partir de um gigantesco aterro sobre manguezais, e manteve alguns mangues na área urbana, onde Chico e amigos iam pescar caranguejos ― experimentava a chegada das informações internacionais via Sudeste do Brasil e a emergência das novas tecnologias, como o computador e a antena parabólica. O impacto das novidades sobre uma juventude que estava na periferia das transformações foi peculiar. O folclore dos blocos de maracatu ainda era forte na cidade, especialmente durante a folia do carnaval. Mas, pelas comunidades pobres espalhadas pelos morros, o que empolgava mesmo era a mensagem de protesto do punk. Assim, a nostalgia das batidas afro-brasileiras estava de alguma forma se acoplando à rebeldia punk. Nos bares do bairro da área do Pina, no centro, a garotada se reunia para ouvir as novas bandas e batidas. Falava da novidade da TV a cabo, comentava o fenômeno das rádios piratas, discutia a democratização dos meios de comunicação e seu lugar no mundo. Era a cultura pop alternativa que se disseminava pelo Nordeste do Brasil. Coube a Chico, então conhecido como ChicoVulgo, sintetizar uma estética e um programa para o que ele estava testemunhando.

Chico agregava gente em torno de suas ideias porque exercia uma liderança natural sobre os outros. Sua mente fervilhava de referências: HQ, rock, maracatu, cibernética, black music. De família humilde, Francisco de Assis França (nascido em 13 de março de 1966) criou-se em Olinda. Trabalhava como funcionário público da empresa de processamento de dados da prefeitura (a Emprel). Ele era o vocalista da banda Loustal, que formou com os amigos Alexandre Dengue (baixista) e Lúcio Maia (guitarrista). A banda foi batizada assim em homenagem ao quadrinista francês Jacques de Loustal, o favorito de Chico, leitor compulsivo de histórias em quadrinhos. Antes, em 1987, havia criado outra banda, a Orla Orbe. Sempre atento aos movimentos sociais, ele se envolveu com o centro comunitário Daruê Malungo, na favela de Chão de Estrelas, no bairro de Peixinhos, periferia de Olinda, onde conheceu o grupo de percussão Lamento Negro. Com um pé no punk e outro na percussão, ele fundou o grupo Chico Science e Lamento Negro. Chico cantava, Lúcio e Dengue faziam a parte harmônica e melódica. O restante do grupo era de percussionistas: Toca Ogam (percussão/efeitos), Canhoto (caixa), Gira, Gilmar Bola 8 e Jorge du Peixe (tambores). Canhoto saiu do grupo e no seu lugar entrou Pupilo. E foi no Espaço Oásis em Olinda que a banda fez seu primeiro show, já com o nome que a consagraria: Chico Science e Nação Zumbi (CSNZ).

O som do grupo logo causou impacto, pela diferença. Não era o punk à paulista, que fazia sucesso no Brasil todo, nem música nordestina tradicional, que saía de cena. Era uma mistura rítmica cujas fontes não se revelavam facilmente à primeira audição. "O nome da parada é mangue", disse Chico aos integrantes do grupo, quando lhe foi solicitado um termo que definisse o que estavam fazendo. Com seu olhar agudo para desenho, ele associou o formato da antena parabólica ao do caranguejo que povoava os mangues. Com sua arrogância natural, passou a dizer a todo mundo que havia inventado um novo gênero musical. E tinha inventado mesmo. No início dos anos 90, Recife virava a capital dos mangueboys e das manguegirls, a juventude que mantinha os pés firmes na lama do mangue, mas estava antenada no que rolava pelo mundo via parabólica.

A repercussão da arte nova de CSNZ se fez sentir rapidamente. Seu amigo Fred Montenegro, o Fred 04, era repórter da TV Jornal, e deu um jeito de entrevistar Chico, que declarou o seguinte sobre sua invenção (o depoimento consta no livro Do Frevo ao Manguebeat (Editora 34), de José Teles: "O ritmo chama-se Mangue. É uma mistura de samba-reggae, rap, raggamuffin e embolada. O nome é dado em homenagem ao Daruê Malungo (que em iorubá significa companheiro de luta), um núcleo de apoio à criança e à comunidade carente de Chão de Estrelas".

Fred 04 formulou as ideias de Chico no primeiro Manifesto Manguebit, intitulado "Caranguejos com Cérebro". Entre as reivindicações do texto, Fred pregava um choque rápido para tirar Recife do rigor mortis. E concluía:

"Em meados de 91 começou a ser gerado e articulado em vários pontos da cidade um núcleo de pesquisa e produção de ideias pop. O objetivo é engendrar um 'circuito energético', capaz de conectar as boas vibrações dos mangues com a rede mundial de circulação de conceitos pop. Imagem símbolo, uma antena parabólica enfiada na lama. Os mangueboys e manguegirls são indivíduos interessados em: quadrinhos, TV interativa, antipsiquiatria, Bezerra da Silva, hip-hop, midiotia, artismo, música de rua, John Coltrane, acaso, sexo não-virtual, conflitos étnicos e todos os avanços da química aplicada no terreno da alteração e expansão da consciência."

Armado desses conceitos mais ou menos articulados, Chico Science lançou pela Sony Music o seu primeiro CD, Da lama ao caos, em 1994. A música-manifesto, o maracatu punk "Rio, ponte, overdrives", era uma pareceria de Chico e Fred 04, e espalhou o estilo Manguebeat pelo Brasil inteiro. Diz a letra, que soa hoje como uma impressionante premonição:

"Rios, pontes e overdrives ― impressionantes esculturas de lama
Mangue, mangue, mangue, mangue, mangue, mangue, mangue
Rios, pontes e overdrives ― impressionantes esculturas de lama
Mangue, mangue, mangue, mangue, mangue, mangue, mangue

E a lama come mocambo e no mocambo tem molambo
E o molambo já voou, caiu lá no calçamento bem no sol do meio-dia
O carro passou por cima e o molambo ficou lá

Molambo eu, molambo tu, molambo eu, molambo tu
(...)
Molambo boa peça de pano pra se costurar mentira
Molambo boa peça de pano pra se costurar miséria
Molambo boa peça de pano pra se costurar mentira, mentira, mentira
Molambo boa peça de pano pra se costurar miséria, miséria, miséria

Molambo eu, molambo tu, molambo eu, molambo tu
Mangroove!"

A voz brusca de Chico Science chegava ao Brasil inteiro com a denúncia do pano de costurar miséria, o excesso de trabalho eletrônico (overdrive) e enfim o miserável atropelado pela tecnologia. Os intelectuais começavam a prestar atenção no recado. Em um debate célebre ocorrido no Recife, o escritor Ariano Suassuna perguntou a Chico por que ele não adotava o nome de Chico Ciência em português mesmo. Ao que Chico riu, defendendo que o nome Science era internacional e assim podia ser conhecido pelo mundo todo, além do que era mais "bacana", mais pop. Chico e banda fizeram sucesso, tocaram no rádio e excursionaram pela Europa. Quando voltaram, em 1995, entraram em estúdio para produzir seu segundo álbum, Afrociberdelia, um trabalho mais pop e eletrônico, menos visceral que Da lama ao caos. Na lógica do caranguejo, era necessário conquistar o mercado com um som mais dançante, repleto de "grooves", misturas sonoras eletrônicas. Ora, isso não impediu que Chico seguisse na sua denúncia da miséria de Recife, no groove "Manguetown":

"Andando por entre os becos
andando em coletivos
ninguém foge ao cheiro sujo
da lama da manguetown
Andando por entre os becos
andando em coletivos
ninguém foge à vida suja
dos dias da manguetown

Fui no mangue catá lixo
pegar caranguejo
Conversar com urubu"

Hoje esse tipo de letra seria tachada de pessimista, de excessivamente engajada. Não tivesse morrido, o som do Manguebeat precisaria se reinventar no século XXI. Os continuadores da pregação mangue não conseguiram ir além. Hoje prestam tributo ao gênio fundador.

É interessante presenciar os movimentos da História, e como são forjadas as lendas. Acompanhei a trajetória de Chico desde Da lama ao caos, entrevistei-o várias vezes, a primeira quando o CSNZ lançou o disco. Minha primeira impressão era de um menino franzino com sotaque carregado e cheio de ideias, mas um tanto ingênuo no projeto, pois sua intenção era restaurar o folclore por meio de uma estética que remetia à Tropicália. Aos poucos, aprendi a gostar daquele som híbrido e de mensagem incisiva, principalmente por causa do som poderoso, baseado na percussão e na alta taxa de redundância.

Alguns anos depois, tive a sorte de me encontrar com ele no berço do Manguebeat, em 1995. Eu fui incumbido pelo editor de Cultura do Jornal da Tarde, Helio Seixas Guimarães, para fazer uma reportagem de Turismo: o Recife de Chico Science. Eu tinha de acompanhar o músico em suas perambulações pelos lugares que amava. Como resultado, ele me ciceroneou pela cidade, num passeio inesquecível de dois dias. Acompanhado de seu grupo, a bermuda e os óculos escuros, Chico nos conduziu à sua querida Olinda, e em um bar no topo do morro conversamos e bebemos cerveja. Ele me apresentou o malte, a bebida típica dos trabalhadores do Recife, no centro velho da cidade. Enquanto falávamos da bebida, aproximou-se um menino de rua, pedindo dinheiro para o cigarro. "Ô, moleque, nada de fumar", disse Chico, manifestando carinho pelo garoto. "Você vai tomar é um malte!" E lhe pagou um copo da deliciosa bebida, bem gelada. "É o mínimo que posso fazer", justificou. "Há tantas crianças assim na cidade, e nossa obrigação é tentar mostrar que há outros caminhos." Depois, Chico me levou às casas de todos os seus amigos, de Otto a Fred 04. Fomos ao mercado de artesanato, na antiga cadeia, e lá ele pôs os pés no mangue próximo. Na zona boêmia do Pina, assistimos a novas bandas e batemos papo até o sol raiar; ele revelou seus projetos e me cantou "Manguetown" antes de ser gravado para Afrociberdelia. A gente se despediu com um abraço, e minha sensação era de que a poética da mistura e da consciência social de Chico Science e Nação Zumbi iria transformar ainda mais o panorama então paralisado da música popular. Infelizmente, a morte chegou cedo demais. Restam vídeos e músicas que falam de um tempo em que tudo parecia amanhã. Chico Science virou o santo padroeiro de uma música pop brasileira que ainda pode voltar a acontecer: global, mas sem perder a sua essência, que está no mangue... A ciência do caranguejo não vingou. Apenas foi anunciada.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado na revista Florense, na edição de abril de 2010. Leia também "Dobradinha pernambucana".


Luís Antônio Giron
São Paulo, 10/5/2010

Mais Luís Antônio Giron
Mais Acessados de Luís Antônio Giron
01. Paulo Coelho para o Nobel - 21/11/2005
02. Villa-Lobos tinha dias de tirano - 3/11/2003
03. Francisco Alves, o esquecido rei da voz - 5/8/2002
04. JK, um faraó bossa-nova - 6/2/2006
05. A blague do blog - 11/8/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Book One of the Fifty Shades Trilogy
E L James
Vintage Books
(2012)



Mistério na Abadia
Ellis Peters
Record
(1996)



São Paulo Em Vinte Artistas
Alberto Hiar Junior
Imprensa Oficial
(2010)



Administração de Recursos Humanos Fundamentos Basicos
Idalberto Chiavenato
Manole
(2016)



1999
Nova Cultural
Nova Cultural
(1999)



Dicionário de Inglês Corporativo
Adriana Grade Fiori Souza
Disal
(2006)



Feng Shui - Energia e Prosperidade no Trabalho
Roberto Bo Goldkorn
Campus
(1999)



Mulher o Negro do Mundo
Malcolm Montgomery
Gente
(1997)



Minecraft Galaxy Wars 1
Minecraft
Tambor
(2016)



Instrumentos de Deus: um Livro Que Toca
Moraes Moreira e Parceria; Romero Cavalcanti (ilus
José Olympio
(1986)





busca | avançada
83662 visitas/dia
2,6 milhões/mês