Passado e futuro da comunicação | Charles Cadé

busca | avançada
53121 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
>>> Projeto que une cultura e conscientização ambiental traz teatro gratuito a Minas Gerais
>>> Show da Percha com Circo do Asfalto
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
>>> Conselheiros não se aconselham
>>> Sartre e a idade da razão
>>> O filósofo da contracultura
>>> O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté
Mais Recentes
>>> A guerra doa botões de Louis Pergaud pela Ediouro (1994)
>>> A árvore que dava dinheiro de Domingos Pellegrini pela Moderna (1982)
>>> A árvore que dava dinheiro de Domingos Pellegrini pela Moderna (1983)
>>> A árvore que dava dinheiro vol. 3 novela de Domingos Pellegrini pela Ática (2002)
>>> Artemis fowl de Eoin Colfer pela Record (2008)
>>> A estranha Madame Mizu de Thierry Lenaín pela Companhia das Letrinhas (2003)
>>> Sherlock Holmes em: Os seis bustos de napoleão e outras histórias de Arthur Conan Doyle pela L&PM Pocket (1999)
>>> Universidade das crianças/Cientistas explicam os enigmas do mundo de Ulrich Janben e Ulla Steuernagel pela Planeta (2008)
>>> A formulação de objetivos de ensino de Robert F. Mager pela Globo (1980)
>>> Avaliação institucional da universidade de Antônio Amorim pela Cortez (1992)
>>> O estudante de Adelaide Carraro pela Global (2003)
>>> Símbolos Antigos e Sagrados - Biblioteca Rosacruz XXIII de Ralph M Lewis F.R.C. pela Renes (1979)
>>> Ab-reação Análise dos Sonhos, Transferência de C. G. Jung pela Vozes (1999)
>>> Leitura de Estudo: ler para aprender a estudar e estudar para aprender a ler de Leda Tessari Catello Pereira pela Alínea (2003)
>>> Pfuenprinzessin de Indu Sundaresan pela Fischer (2005)
>>> Espiritualidade e Transcendência de C. G. Jung pela Vozes (2007)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Intrínseca (2016)
>>> Amaldiçoado de Joe Hill pela Arqueiro (2015)
>>> As Paixões da Ciência Estudo de História das Ciências de Nilton Japiassu pela Letras & Letras (1991)
>>> Corra, Alex Cross de James Patterson pela Arqueiro (2014)
>>> Manual da Felicidade de José Hermógenes pela Universo paralelo
>>> Amaldiçoadas de Jessica Spotswood pela Arqueiro (2014)
>>> Despertada - Série House Of Night 8 de P. C. Cast + kristin Cast pela Novo Século (2017)
>>> Doutrinados de Trisha Leaver; Lindsay Currie pela Gutenberg (2016)
>>> Mestre das Chamas de Joe Hill pela Arqueiro (2017)
ENSAIOS

Segunda-feira, 27/9/2010
Passado e futuro da comunicação
Charles Cadé

+ de 10100 Acessos


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

Tenho percebido em diversas conversas e textos (blogs, livros etc.) uma tendência a polarizar a discussão sobre os novos caminhos da informação. Ademais, cada um busca defender o seu quinhão: jornalistas tradicionais protegendo os modelos usuais e vendo com grande ressalva novas propostas. Já os novos comunicadores pregam a extinção dos dinossauros e afirmam que uma nova era chegou. E você muitas vezes é instado a escolher o seu lado e partir para a guerra.

Ou a grande rede oferece caminhos majoritariamente positivos ou cria possibilidades nefastas, que destroem as "qualidades do mundo atual". Como prega o budismo, nada é completamente bom ou ruim.

Estamos numa fase de transição, de tatear esses novos meios, momento propício para liberar a imaginação, já que o conceito de "certo ou errado" ainda não se faz presente. Até porque mesmo do que se considera erro surge algo novo. O "mago" do cinema, George Méliès, estava utilizando fotogramas com defeito, com quantidade de quadros menor que a "normal". Dessa imperfeição, descobriu como fazer desaparecer pessoas numa determinada cena.

Todavia, não será com conceitos pré-concebidos que criaremos algo realmente interessante. Do contrário, poderemos deixar de identificar o que pode ser passível de crítica na produção atual de informação.

Pior: em muitos casos, trava-se um antagonismo entre o passado (ruim, feio e boboca, uma terra de oportunidades perdidas e de opressão) e o futuro (lindo e generoso, o lugar perfeito que sempre deveríamos ter habitado). Acredito que o ideal seria uma mescla de ideias, simbiose de meios e teste de novas propostas.

A internet é uma nova tecnologia para o velho ser humano. As mesmas pessoas que mantêm uma sociedade imperfeita criariam uma Shangri-La no ciberespaço?

Henry Jenkins, no livro Cultura da convergência, defende que a convergência não acontece por meio dos aparelhos, mas "dentro dos cérebros de consumidores individuais e em suas interações sociais com outros". No livro A galáxia da internet: Reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade, Manuel Castells afirma que o hipertexto está dentro de nós.

Por que não mudar como encaramos essa fase de mudanças dos meios de comunicação? Evolução, em vez de "morte" do jornalismo. Substituir modelos anteriores? Por que não falar em novas propostas, que podem até ser complementares?

Nesse novo cenário, ideias podem ressurgir. Para Michel Maffesoli, autor de O tempo das tribos: o declínio do individualismo nas sociedades de massa, há um neotribalismo em que a sociabilidade ocorre em microgrupos que partilham os mesmos interesses.

Peter Burke, autor do livro Uma história social do conhecimento, escreveu que as formas de sociabilidade sempre tiveram influência sobre a distribuição e até mesmo sobre a produção do conhecimento. "Esse conjunto de termos sugere uma consciência crescente, em certos circuitos, da necessidade de buscas para que o conhecimento fosse sistemático, profissional, útil e cooperativo." Parece atual? Pois Burke fala do século XVIII. Sobre o mesmo período, ele escreveu que foi uma "época importante para associações voluntárias de diversas espécies, muitas delas devotas à troca de informações e ideias, muitas vezes a serviço da reforma". Novamente soa familiar?

Já escolheu seu lado da guerra? Antes de você ver uma dicotomia entre novos e velhos produtores de informação, propostas inovadoras contra o status quo do sistema atual, deixo mais um trecho do livro de Burke:

"Em termos gerais, parece que para o indivíduo marginal é mais fácil produzir novas ideias brilhantes. Por outro lado, para pôr essas ideias em prática é preciso fundar instituições. [...] Mas é virtualmente inevitável que as instituições mais cedo ou mais tarde se cristalizem e se tornem obstáculos para inovações adicionais. [...] Assim, a história social do conhecimento, como a história social da religião, é a história do deslocamento de seitas espontâneas para Igrejas estabelecidas, deslocamento muitas vezes repetido. É uma história de interação entre outsiders e establishments, entre amadores e profissionais, empresários e assalariados intelectuais. [...] O leitor está provavelmente tentado a alinhar-se aos inovadores contra os suportes da tradição, mas é bem possível que na já longa história do conhecimento os dois grupos tenham desempenhado papéis igualmente importantes".

Nota do Editor
Charles Cadé, jornalista e assessor de comunicação, mantém o blog C2, no qual o texto acima foi originalmente publicado.


Charles Cadé
São Paulo, 27/9/2010

Mais Charles Cadé
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Homem Que Pagou a Dívida Externa do Brasil
João Bithencourt
Civilização Brasileira
(1995)
+ frete grátis



O Incrível Hulk Nº 121
Marvel
Abril
(1993)



Deliciosos e Disfarçados
Jessica Seinfeld
Ediouro Publicações
(2008)



A Solidão da Cidade na Pandemia e Antes Dela
Arlindo Gonçalves
Estronho
(2020)



Quase Tudo - Memorias
Danuza Leão
Cia das Letras
(2006)



Bases da Fisioterapia Respiratória
Maria da Glória Rodrigues Machado
Guanabara
(2013)



Dona Morte em: O segredo da vida... e da morte
Raphani Margiotta
Seleções
(2017)



Building Construction Inspection - a Guide For Architects
Jay Bannister
John Wiley & Sons
(1991)



Moderno Dicionário Escolar
Douglas Tufano
Moderna
(2005)



A Comunicação na Gestão da Sustentabilidade das Organizações
Margarida Maria Krohling Kunsch
Difusão
(2009)





busca | avançada
53121 visitas/dia
2,0 milhão/mês