Jane Fonda em biografia definitiva | Sonia Nolasco

busca | avançada
76521 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 9/11 books
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Cidade de Deus, de Paulo Lins
>>> Humberto Alitto
>>> Orra, meu
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> Meu tio
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Tarde, de Paulo Henriques Britto
>>> Curitiba
Mais Recentes
>>> Revista Viagem e Turismo - Ano 20 – Nº 2 - Quatro Roteiros na Itália Pra Ver Antes de Morrer de Vários Autores pela Abril (2015)
>>> Guia do Executivo Porto Alegre 1998 de Vários Autores pela Gazeta Mercantil (1998)
>>> Guia Quatro Rodas Brasil 2002 de Vários Autores pela Abril (2002)
>>> Éfeso de Naci Keskin pela Keskin Colors (2012)
>>> Clube do Livro, Ser Leitor - que diferença faz? de Luzia de Maria pela Literária (2009)
>>> The Good Life Guide to Sydney de Tessa Mountstephens pela Hark! (1996)
>>> Matemática - 8º Ano - 6º Edição de Edwaldo Bianchini pela Moderna (2006)
>>> Encontro com a Begõnia de Nilza de Oliveira pela Imagem (2014)
>>> Buenos Aires de Boca a River de Joaquim da Fonseca pela Artes e Ofícios (1996)
>>> Brisa Bia, Brisa Bel de Ana Maria Machado pela Record (1999)
>>> Barcelona – Um Ano Com 365 Dias de Marcos Eizerik pela Age (2008)
>>> De Mala e Cuia – Tudo o Que Você Precisa Saber Para Morar, Estudar, Trabalhar e se Divertir na Europa de Adriana Setti pela Jaboticaba (2005)
>>> Quebra de Confiança de Quebra de Confiança Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Viajando pela Europa e Pelo Mundo de José Cretella Júnior pela T. A. Queiroz (1985)
>>> Silêncio na Floresta de Harlan Coben pela Benvirá (2009)
>>> A Nova História Cultural de Lynn Hunt pela Martins Fontes (1992)
>>> O Livro dos Espíritos de Allan Kardec pela Círculo do Livro (1993)
>>> Não Conte a Ninguém de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Nova Cultural (2003)
>>> O Livro dos Incensos de Steven R. Smith pela Roca (1994)
>>> Confie Em Mim de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Romeu e Julieta - Macbeth - Otelo, O Mouro de Veneza de William Shakespeare pela Nova Cultural (2003)
>>> Consciência Cósmica de Rosabis Camaysar pela Lorenz (1994)
>>> Alta Tensão de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Os Sentidos do Trabalho - Ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho de Ricardo Antunes pela Boitempo (2000)
>>> Luta Armada no Brasil do Anos 60 e 70 de Jaime Sautchuk pela Anita Garibaldi (1995)
>>> Jogada Mortal de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Quando Ela Se Foi de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Descartes The Project of Pure Enquiry de Bernard Williams pela Routledge (2005)
>>> Desaparecido para Sempre de Harlan Coben pela Arqueiro (2010)
>>> Seis Anos Depois de Harlan Coben pela Arqueiro (2014)
>>> Estatuto da Criança e do Adolescente de Vários Autores pela Pmpa (2003)
>>> O Inocente de Harlan Coben pela Arqueiro (2013)
>>> A Dama das Camélias de Alexandre Dumas Filho pela Nova Cultural (2003)
>>> Equilíbrio Total Através da Parapsicologia de Miguel Lucas pela Almed (1981)
>>> Casa de Bonecas de Henrik Ibsen pela Nova Cultural (2003)
>>> O Poder da Oração para Mulheres de Jackie M. Johnson pela Povket ouro (2013)
>>> Jesus como Terapeuta - O Poder Curador das Palavras de Anselm Grün pela Vozes (2013)
>>> Manual do Astrônomo Amador de Jean Nicolini pela Papirus (1991)
>>> As Três Irmãs de Anton Tchekov pela Nova Cultural (2002)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Alexandre de Moraes (Org.) pela Atlas (2001)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Vários Autores pela Saraiva (2000)
>>> O Livro Secreto do Banheiro Feminino de Jo Barrett pela Essência/Planeta (2008)
>>> Código de Hamurabi – Código de Manu – Lei das XII Tábuas de Jair Lot Vieira (Superv.) pela Edipro (2002)
>>> Manual de Prática Forense Civil de Edson Cosac Bortolai pela Revista dos Tribunais (2003)
>>> Vade Mecum Método Cívil 2016 de Vários Autores pela Método (2016)
>>> Nossa próxima atração. O interprograma do Canal 3 de Mário Fanucchi pela Edusp (1996)
>>> Evaristo de Moraes Filho – 100 Anos de Vida Contribuição à Sociologia e ao Direito do Trabalho de Eliana Gonçalves da Fonte Pessanha e Outros (Orgs.) pela Ministério do Trabalho (2016)
>>> O tempo e a alma de Jacob Needleman pela Ediouro (1999)
>>> A Revolução de 1930 - História e Historiografia de Boris Fausto pela Companhia das Letras (2015)
ENSAIOS

Segunda-feira, 19/9/2011
Jane Fonda em biografia definitiva
Sonia Nolasco

+ de 16600 Acessos

Jane Fonda sempre foi bonita e (parece) inteligente. Fica difícil acreditar que tenha levado muitas chifradas e outras humilhações de seus três maridos; que ela engolia os desaforos até o sujeito se cansar do jogo e dar o fora. Quando Roger Vadim a descreveu abertamente como "versão aguada de Brigitte Bardot", era para Jane se mancar. Mas, não; a atriz, naquela época jovem e linda Barbarella, continuou casada e trabalhando com Vadim, e ainda topou transformar seu casamento em menage à trois, para satisfazê-lo. Sua desculpa: ela selecionava as mulheres, assim mantinha controle na relação.

Em seus 73 anos, Jane Fonda viveu tantas vidas, dentro e fora das telas de cinema, com todos os detalhes registrados na mídia; foi objeto de nove biografias não autorizadas; e seu próprio livro de memórias, My Life so Far (2005), ficou meses nas listas de mais vendidos dos US ― que podemos afirmar que já se sabe tudo sobre a vida íntima da atriz. No entanto, Jane Fonda: The Private Life of a Public Woman, de Patricia Bosworth (Edit. Houghton Mifflin Harcourt, US$30, 596 págs.), ainda consegue surpreender e fascinar o leitor. Além disso, o livro de Bosworth é extremamente bem escrito.

"A coisa mais esquisita da carreira de ator", disse Jane certa vez, "é que nos pagam para descobrir que temos personalidade múltipla". Quem acredita na imagem que Jane projeta de uma personalidade forte, mulher resoluta que aceita desafios, militante contra a guerra do Vietnã, feminista, liberada desde antes da revolução sexual dos anos 60, descobre no livro de Bosworth uma garotinha insegura até hoje magoada pela falta de atenção do pai, Henry Fonda.

Jane sempre buscou ser outra pessoa ― atriz, militante política, filantropa, guru de aeróbicos ― dando a cada papel sua melhor performance. Mas, por trás da fachada vitoriosa, Jane foi ela mesma, natural, em seus três casamentos fracassados: com os lucros de Barbarella (1968), que ela não queria fazer por vergonha de se exibir seminua, pagou as dívidas de jogo e o imposto de renda acumulado de Roger Vadim, diretor de cinema francês da Nouvelle Vague; com os lucros de seu vídeo Workout (1982), que vendeu 17 milhões de cópias, bancou a carreira politica de Tom Hayden, ideólogo da Nova Esquerda americana, e aguentou-lhe as bebedeiras e várias amantes, até que ele (declarou à mídia) "cansou da celebridade de Jane"; ela deixou a carreira em 1991 para ser "madame patrão" do dono bilionário da CNN, Ted Turner, e descobriu, um mês depois da lua-de-mel, que ele transava com outras e, mais tarde, não abriu mão das amantes. Os dois passaram oito anos em terapia de casal, sem resultado.

Bosworth, que na década de 60 foi colega de Jane no The Actors Studio, de Lee Strasberg, em Nova York, apresenta um retrato completo da atriz não só porque acompanhou de perto sua carreira (no livro, faz um exame apurado dos cerca de 50 filmes de Jane), mas porque, ao entrevistar o irmão dela, Peter Fonda, foi avisada: "Jane conta uma versão de sua vida. Você precisa ouvir a de outras pessoas, porque são também interessantes". No início (2000) do projeto de Bosworth, Jane se recusou a colaborar. Mudou de ideia (2003), com uma proposta indecorosa: mostraria a Bosworth o arquivo do FBI sobre ela se a biógrafa aceitasse pesquisá-lo e extrair as partes mais importantes para serem usadas em My Life so Far. Trato feito. Com carta branca de Jane, a autora teve acesso à família dela, amigos, ex-maridos e ex-namorados, colegas e diretores de cinema, além de longas conversas com Jane em seu rancho de Santa Fé, California (herança do divórcio de Turner, com mais US$100 milhões). Jane brecou o lançamento da biografia em agosto passado, pois queria publicidade só para seu livro, Prime Time (autoajuda: como ser feliz e autoconsciente aos 73 anos).

Mas finalmente Jane Fonda saiu e agrada bastante. Não se trata da biografia típica de uma celebridade, cheia de mexericos venenosos. E não porque Jane tenha colaborado, mas porque Bosworth é autora respeitável, desde suas biografias completas de Montgomery Clift (1978), Marlon Brando, e da fotógrafa Diane Darbus, cujo roteiro do filme Fur, baseado no livro, ela tambem escreveu. Bosworth prefere contar um simples fato correto ao rumor sensacional. A sutileza de sua prosa é admirável.

Lady Jane Seymour Fonda nasceu em Nova York, em 21de dezembro de 1937. Desapontamento para sua mãe, Frances, viúva socialite que herdara enorme fortuna do primeiro marido, e que queria um menino. Frances era bipolar e obcecada por sua relação complicada com o novo marido, Henry Fonda, ator totalmente dedicado à carreira e, em casa, enigmático e distante. Ela ignorou a filha desde o início, mas devotou-se exageradamente ao segundo filho, Peter (1940). Esse foi o cenário em que cresceu Jane, carente de atenção, ansiosa, sentindo-se sempre rejeitada, e fazendo de tudo para ser notada e receber afeto. Preferia o pai, que permaneceu indiferente. Declarou certa vez: "Eu tinha uma profunda necessidade psicológica de ser homem. Não queria ser mulher. Eu queria ser como meu pai".

A saúde mental de Frances deteriorou-se quando Henry partiu para a guerra por dois anos (1943). Ao regressar, recebeu o papel principal na peça de teatro Mr. Roberts, na Broadway. Henry mudou a família de Hollywood para Greenwich, Connecticut, perto de Nova York, mas não para ficar em casa. Em 1949 ele anunciou que se apaixonara por outra mulher e queria o divórcio. Um ano depois, Frances internou-se num hospital psiquiátrico. Ao receber alta, e já em casa, cortou a garganta com uma navalha. Henry comunicou aos filhos que a mãe tinha morrido do coração. Continuou se apresentando no palco como se nada tivesse acontecido, e nunca discutiu o suicídio de Frances com Jane e Peter. No internato, Jane soube da verdade muito mais tarde, numa reportagem de revista. Tinha pesadelos sobre a mãe, que contava a Henry em longas cartas. Ele as devolvia com correções em vermelho dos erros gramaticais.

Com essa infância e adolescência tão diferentes do que a televisão mostrava em Papai sabe tudo, Jane já tinha todos os requisitos para ser neurótica e virar artista. Bosworth examina os fatos tentando provar que a carreira estupenda de Jane parece ter sido acionada por sua necessidade intrínseca de estabelecer uma identidade própria, além daquela de filha de ator célebre e mãe suicida. Ao terminar a faculdade, estudou em Nova York com Lee Strasberg, famoso professor de arte dramática. Exagerou a bulimia começada na adolescência (se empanturrava de comida e vomitava). Uma dieta de cigarros, iogurte e estimulantes (dexedrina) lhe dava adrenalina. Morava com Andreas Voutsinas, homossexual, coach de atores, e tinha com ele uma relação romântica e dependente. Em entrevista a Bosworth, ele descreveu como Jane era profundamente insegura, e que ele escolhia suas roupas, maquilagem, e lia seus scripts. Com um bom papel no cinema, Domingo em Nova York (Sunday in New York, 1963), e elogios da crítica, Jane expulsou Andreas do apartamento e passou a tomar decisões sozinha.

Tentou a sorte em Paris. Sua beleza e talento chamaram a atenção de Vadim, que moldara as carreiras de Catherine Deneuve e Brigitte Bardot, transformando esta em símbolo sexual. Bosworth conta que Jane se deixara infuenciar por Marilyn Monroe, sua colega no The Actors Studio, e sonhava em ser "gatinha sexy". Vadim aproveitou a chance e praticamente a forçou a interpretar as aventuras de Barbarella, personagem de ficção científica em quadrinhos (papel recusado por Bardot e Sophia Loren). O filme virou cult em parte pelo strip-tease de Jane na abertura. Ansiosa pela constante aprovação de Vadim, ela mantinha em casa o papel de "mulher liberada", partilhando a vida sexual do casal com parceiras extras. Jane diz que primeiro achou vulgar a proposta do marido, mas concordou porque ele a deixava escolher as mulheres: "Eu me lancei naquilo com a habilidade e o entusiasmo de uma atriz. Interpretava o papel. As mulheres invariavelmente se apaixonavam por mim!".

A biografia inclui muitas outras histórias nada lisonjeiras, que sugerem fraquezas do caráter de Jane. Uma velha amiga, a atriz Madeleine Sherwood, comentou: "Jane foi a pessoa mais insegura que conheci, apesar de seu sucesso. Ela não era símbolo sexual. Era essencialmente modesta. Parecia que Jane estava confinada numa espécie de subserviência por causa de sua carência, falta de autoestima, e por sua aceitação incondicional do direito de Vadim usar e abusar dela psicologicamente".

A filha deles, Vanessa, nasceu em 1968 (no dia do aniversário de Bardot!), quando Jane já estava interessada na guerra do Vietnã. Maternidade não era bem sua vocação. Embora se confessasse "politicamente ignorante", seus amigos liberais Joan Baez e Marlon Brando a convenceram de que devia usar sua fama para vociferar contra os acontecimentos. Jane passou a tomar parte em atividades antiguerra, a apoiar (e subvencionar) o grupo radical Black Panthers, a defender os direitos das mulheres, dos índios americanos, e de outras causas consideradas esquerdistas pelo governo direitista dos EUA, na época. A profunda mudança na personalidade de Jane se nota em A noite dos desesperados (They Shoot Horses, Don't They?, 1969), pelo qual foi indicada ao Oscar de Melhor Atriz. Jane tosou os longos cabelos de Barbarella, leu a Autobiografia de Malcolm X, ficou obcecada pelo assassinato de Robert Kennedy, mudou-se para Nova York (largando Vanessa com Vadim), e viajou pelo país pregando contra a corrupção do governo americano. Parou apenas para filmar Klute, o passado condena (1971), que lhe deu o primeiro Oscar.

Tornou-se a mulher ideal para Tom Hayden. Os dois militantes se casaram com comunhão de bens: Jane ganhava milhões no cinema e sustentava a causa; Tom se dedicava a ideais políticos, bebida e mulheres. Para cultivar a admiração do marido, Jane aceitou um convite para visitar Hanoi, onde denunciou o presidente Richard Nixon como criminoso de guerra e deixou-se fotografar, sorridente e de capacete, num canhão norte-vietnamita destinado a bombardear as tropas americanas. Virou "Hanoi Jane", para fúria dos americanos, que a acusaram de traição. Nos EUA, seu nome tornou-se veneno de bilheteria, e Hollywood relegou-a ao ostracismo. Jane voltou à sua vidinha contracultura, lavando a roupa da família à mão, cozinhando, cuidando do filho, Troy Garity (1973) e da filha adotiva, Mary, africana, e ajudando a fundar e a difundir o projeto de Hayden, Indochine Peace Campaign.

Em seguida, ela fez as pazes com Hollywood e voltou a ser sucesso de bilheteria: Julia (1977); Amargo Regresso (Coming Home) ― que lhe deu o segundo Oscar ― e California Suite (1978); Síndrome da China (The China Syndrome, 1979); Como eliminar seu chefe (Nine to Five, 1980); Num lago dourado (On golden pond, 1981, com Henry Fonda); A manhã seguinte (The Morning After,1986). Em 1979, criou uma academia de exercícios aeróbicos. Deu certo: expandiu seu império para três estúdios, livro e vídeo, Workout, até hoje o mais vendido de todos os vídeos sobre malhação. Hayden usava a fama e o aval de Jane em sua campanha política. E exigiu da imprensa que, nas reportagens, seu nome estivesse antes do de Jane. Em 1984, ela foi votada a quarta mulher mais influente do mundo, depois de Madre Tereza, Nancy Reagan e Margaret Tatcher. Hayden deve ter se sentido muito humilhado com a celebridade de Jane, pois resolveu dizer-lhe que estava apaixonado por outra. Divorciaram-se em1987. Jane ficou anos arrasada.

Em1988, numa entrevista de TV, cadeia nacional, Jane pediu perdão pela inconsequência de seu ato no Vietnã: "Não pensei no que estava fazendo. E aqueles dois minutos de lapso de sanidade me atormentam até hoje". Abriu o coração com a maior sinceridade, confessou suas incertezas, seus fracassos. Atriz notável. Um dos espectadores era Ted Turner, que decidiu tomar posse daquele trunfo. Passou a cortejar Jane de todas as formas e, poderoso mandão, certamente adorou ser recusado. Jane só cedeu ao carisma de Turner em 1991, casou com o magnata depois que ele jurou que seria sempre fiel (logo Turner, renomado mulherengo); deixou o cinema para ajudá-lo a promover o império em torno do canal CNN. Em nove anos, cansou daquele estilo de vida, das amantes de Turner, e pediu divórcio (2001).

Bosworth foi perspicaz no que contou e teve compaixão pela biografada. Sua história tem final feliz: na terceira idade, Jane venceu a batalha contra um câncer no seio, voltou ao cristianismo, continua a escrever livros e a promovê-los na mídia, que adora entrevistar atriz que fala demais como Jane; terminou dois filmes longa metragem e assinou contrato com o canal HBO para uma série sobre uma mulher de 70 anos. Reaproximou-se dos filhos e tornou-se avó amorosa. Jane jura que está mais feliz nessa fase da vida. Sobre seu atual namorado, o produtor de música Richard Perry, ela, que fez várias cirurgias plásticas, diz: "Amor e sexo são os melhores rejuvenescedores. Muito melhor que face-lift".


Sonia Nolasco
Nova York, 19/9/2011

Mais Sonia Nolasco
Mais Acessados de Sonia Nolasco
01. De Kooning em retrospectiva - 3/10/2011
02. Coração de mãe é um caçador solitário - 26/5/2003
03. Leonardo da Vinci: variações sobre um tema enigmático - 24/2/2003
04. Jane Fonda em biografia definitiva - 19/9/2011
05. Os fantasmas de Norman Mailer - 31/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AS BRUMAS DE AVALON 2 - A GRANDE RAINHA
MARION ZIMMER BRADLEY
N/D
R$ 12,00



ALÉM DA MORTE
STANISLAV E CHRISTINA GROF
DEL PRADO
(1996)
R$ 50,00



A TAPAS E PONTAPÉS
DIOGO MAINARDI
RECORD
(2004)
R$ 9,90



CÂNTICOS
CECÍLIA MEIRELES
MODERNA
(1995)
R$ 25,00
+ frete grátis



A VERDADE DA VIDA VOL 38 - FELICIDADE 2
MASAHARU TANIGUCHI
SEICHO-NO- IE
(2006)
R$ 15,00
+ frete grátis



SOUL EATER NOT! 1
ATSUSHI OHKUBO
JBC
(2014)
R$ 10,00



CONTRATO COM O BRASIL
JAIME ROTSTEIN
TOPBOOKS
(2000)
R$ 5,00



MANUAL CF 97 - FRATERNIDADE E OS ENCARCERADOS
CAMPANHA DA FRATERNIDADE
SALESIANAS
R$ 15,00



COLETIVO 21
ADRIANO MACEDO
GRUPO AUTÊNTICA
(2011)
R$ 14,90



O FEITIÇO DO AMOR
HEINZ G. KONSALIK
RECORD
R$ 12,00





busca | avançada
76521 visitas/dia
2,1 milhões/mês