Coração de mãe é um caçador solitário | Sonia Nolasco

busca | avançada
67107 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Future World (1987)
>>> A juventude nas livrarias
>>> Entrevista com Ruy Castro
>>> Diga: trinta e três
>>> O Casal 2000 da literatura brasileira
>>> Lucas vs. Spielberg
>>> Do desprezo e da admiração
>>> A pulsão Oblómov
>>> Arte Brasileira Hoje: um arquipélago
>>> Sobre o som e a fúria
Mais Recentes
>>> A Estrutura Interior do Tai Chi - Tai Chi Chi Kung I de Mantak Chia; Juan Li pela Pensamento (2007)
>>> Que Es El Tiempo ? de Damm Antje pela Iamique (2011)
>>> A Colonização Alemã no Rio Grande do Sul de Aldair Marli Lando; Eliane Cruxên Barros pela Movimento (1982)
>>> Encontro Poesia Brasília de Arisnaldo dos Santos Januário pela Da Autore (1984)
>>> Onde Moras? Moradia e Fraternidade de Campanha da Fraternidade pela Aec (1993)
>>> Festa na Floresta Itaúna de Márcia Regina Morais pela Vile (2008)
>>> Anime Do Especial Número 9 Dragon Ball de Lisa Matsuzaka pela Escala
>>> Revista Anime Do Número 5 de Lilian Maruyama pela Escala
>>> Defensores de Tóquio Número 3 de Eduardo Leão pela Trama
>>> O Castelo De Otranto de Horace Walpole pela Nova Alexandria (1996)
>>> O Ânus Solar de Georges Bataille pela Hiena (1985)
>>> O Perigo das Radiações de Jack Schubert; Ralph E. Lapp pela Ibrasa (1960)
>>> Apometria: Um instrumento para a harmonia e para a felicidade a nova ciencia da alma de J S Godinho pela Holus (2012)
>>> The Little Prince de Antoine de Saint-Exupéry pela Harbrace (1971)
>>> Livro MILAGRES de Vera Nappi pela A Vida é Bela (2003)
>>> Você Pode Curar Sua Vida 126ª edição. de Louise L Hay pela Best Seller (2021)
>>> Livro CANTO ALGUM de Flávia Reis pela Reformátório (2020)
>>> Apologia de Sócrates - clássicos de bolso ediouro de Platão ( tradução de Maria Lacerda de Moura) pela Ediouro (2002)
>>> Mediunidade e Apometria: Terapêutica e Apometria edição. revista e atualizada de J S Godinho pela Holus (2012)
>>> Livro Mulher V Moderna, à moda antiga de Cristiane Cardoso pela Thomas Nelson (2013)
>>> Der Kleine Prinz de Antoine de Saint-Exupéry pela Harbrace (1971)
>>> Der Kleine Prinz de Antoine de Saint-Exupéry pela Karl Rauch
>>> Brief an Den Vater de Franz Kafka pela Fischer (1989)
>>> Sonhos de Bunker Hill de John Fante pela L&pm (2003)
>>> I Ching - O Livro das Mutações de Desconhecido pela Trevo (2004)
ENSAIOS

Segunda-feira, 26/5/2003
Coração de mãe é um caçador solitário
Sonia Nolasco
+ de 22600 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Longa jornada para dentro da noite (Long Days Journey Into Night), obra-prima de Eugene ONeill, é uma experiência de teatro para quem tem mãe. Aquele tipo de mãe que padece no paraíso. Sem ironia. Durante quase 3 horas, a presença poderosa (até quando não esta em cena) de Mary Tyrone, inspirada na própria mãe de ONeill, faz picadinho de nossas emoções filiais. Nessa produção magistral que acaba de estrear na Broadway (onde fica até 31 de agosto), Vanessa Redgrave interpreta Mary Tyrone. Na platéia, muito marmanjo aos prantos. A peça é de 1941 mas, infelizmente, sofrer de culpa é sempre moderno.

Quando ONeill acabou o texto, entregou-o a sua mulher, Carlotta, com a dedicatória: ...peça de velhas mágoas, escrita em lágrimas e sangue; uma homenagem ao seu amor e ternura, que me tornaram capaz de enfrentar meus mortos e escrever esta peça com profunda piedade e compreensão e perdão pelos quatro obsessivos Tyrones.

Quando Long Journey finalmente estreou (dirigida por Jose Quintero) num palco americano, em 1956, três anos depois da morte do autor, disse o crítico Walter F. Kerr, no New York Herald Tribune: Que ele [ONeill] foi prejudicado por sua família é, agora, apenas um fato, um pedaço da verdade... ; [Na peça] não há resíduos de rancor.

Ele parece estar pedindo perdão por seu próprio fracasso em conhecer seu pai, mãe, e irmão o bastante naquela época em que a necessidade de compreensão era como um grito na noite.

A longa jornada de ONeill escava um passado doloroso, uma noite do verão de 1912, na casa de praia da família. O autor trocou os nomes, mas deixou a situação dramática correr livremente do café da manhã, quando a família parece quase normal, à noite, em que Mary, viciada em morfina (aparentemente para amenizar dores terríveis de artrite), o que a tornara quase demente, transforma-se numa espécie de fantasma desolado. James Tyrone (Brian Dennehy), o marido, que tinha sido na juventude um ídolo de teatro, é baseado em James ONeill, pai do autor; James Jr. (Philip Seymour Hoffman), o filho mais velho, um ator fracassado e beberrão, cínico mas de boa índole; e Edmund (Robert Sean Leonard), o filho mais novo, poeta, de saúde (tem tuberculose) e sentimentos delicados, é o alter-ego de Eugene ONeill. A casa (cenário de Santo Loquasto), em tons sombrios, lembra um túmulo; sugere o significado distorcido de lar, o que James nunca deu a Mary e aos filhos.

Mary (Vanessa Redgrave), passa o dia vagando pela casa, seus movimentos no andar de cima vigiados e comentados pelos que estão embaixo. Mãe amorosa, mas também hostil, ela abraça ou repudia os filhos; derrama carinho, especialmente em Edmund, seu favorito, ou lembra verdades brutais do passado, quando sua saúde foi fatalmente comprometida pela avareza obsessiva do marido, que a obrigava a morar em hotéis vagabundos e a tratar-se com charlatões; acusa James Jr. de ter deixado morrer, ainda bebê, o segundo filho, Eugene, de quem ele tinha ciúmes; e repete que nunca deveria ter concebido Edmund. Ao mesmo tempo, Mary é vitima e carrasco da família. É o vértice para onde convergem as angústias e contradições violentas do marido e dos filhos.

As 8h30 da manhã, Mary surge na sala com um risinho tímido de moça de colégio interno. Conversa com todos, faz perguntas solicitas, dispensa conselhos maternais. Só suas mãos traem a verdade: crispados pela artrite, os longos dedos cortam o ar como pássaros desorientados, ou, de repente, simulam tocar uma valsa, usando a mesa como piano, ou escalam e arranham o espaço em busca do passado, quase presente em seus devaneios. No meio da tarde, Mary só fala no tempo em que conversava com uma imagem da Virgem Maria ou com as freiras do internato, e queria também ser freira, embora fosse muito feliz na casa confortável de seu pai. É preciso acompanhar também os olhos de Vanessa Redgrave para captar o sofrimento de Mary: às vezes seus olhos brilham, e ela é fisicamente a jovem graciosa e inocente que foi apresentada ao famoso ator James Tyrone; em outras cenas, seus olhos estão opacos, sem vida, dopados pela morfina. Sua voz é enérgica, cheia de raiva, ao queixar-se dos maus tratos do passado, mas quase sempre mais parece um lamento, contraponto ao apito melancólico da buzina de nevoeiro, que avisa constantemente do perigo.

Em 1956, deve ter sido chocante ver no palco três alcoólatras e uma viciada em morfina. Hoje em dia, vida doméstica excêntrica é comum até em seriado de televisão. Mas certamente não foi esse tipo de fraqueza que ONeill explorou e, sim, a profunda solidão de cada individuo na família, apesar dos intensos laços amorosos, que muitas vezes sufocam. O mais surpreendente do texto é a avalanche de clichês típicos de drama sentimental; o ciclo previsível de remorso, culpas, expiação, recriminação e reconciliação.

A diferença está no gênio do autor e, agora, na interpretação magnífica dos atores. O esforço de ONeill em documentar o sofrimento de sua família, e o seu, através de recordações íntimas, é tão intensamente sincero, que o espectador não habituado à análise de grupo se sente um voyeur. Deve ser por isso que a platéia americana ri nos momentos mais cruciais; deve ser o nervoso de flagrar suas próprias emoções e não saber como lidar com elas.

Além da presença dominadora de Mary (em outras produções - com Jason Robards, em 1976, Jack Lemmon, em 1986, e Robards, em 1988 - James pai era o centro das atrações), a direção excelente de Robert Falls destaca a afetividade entre os quatro Tyrones. Sua união é tão verdadeira quanto a fúria com que se confrontam. Apesar de se verem confinados naquela casa todos os verões, se torturando mutuamente, e cultivando ressentimentos, eles partilham uma afeição comovente. Outra característica dessa produção é o senso de humor irlandês, de James pai, que os filhos herdaram.

A peça se desenrola numa sucessão de encontros alternados entre mãe e filhos, um de cada vez e os três juntos; pai e filhos, um de cada vez e os três juntos; marido e mulher sozinhos, e os quatro juntos. James pai domina o terceiro ato, quando conta a Edmund sua infância paupérrima, sem pai, e como seu medo de envelhecer pobre o tornou avaro. Ao contrário de outras interpretações, Mary não se mantém distante de James pai, James Jr., e Edmund, como se já vivesse num mundo à parte. Mary demonstra grande ternura física com os três, e trata a empregada, Cathleen, com atenção carinhosa. Por isso, Mary causa impacto muito maior quando, no final do último ato, toma uma dose dupla de morfina e se refugia no passado.

No primeiro ato, Mary comenta com os filhos, Nenhum de nos pode evitar as coisas que a vida nos faz. Tudo acontece antes que possamos nos dar conta... Fora do contexto, soa como clichê de novela. É preciso viver muita dor para entender que se trata apenas de compaixão.



Sonia Nolasco
Nova York, 26/5/2003
Quem leu este, tambm leu esse(s):
01. De Kooning em retrospectiva de Sonia Nolasco
02. Sermão ao cadáver de Amy de João Pereira Coutinho
03. Ninho vazio de Lélia Almeida
04. Aquarela de um Brasil sem cor de Túlio Henrique Pereira
05. A Empulhação Esportiva de André Forastieri


Mais Sonia Nolasco
Mais Acessados de Sonia Nolasco
01. De Kooning em retrospectiva - 3/10/2011
02. Coração de mãe é um caçador solitário - 26/5/2003
03. Leonardo da Vinci: variações sobre um tema enigmático - 24/2/2003
04. Jane Fonda em biografia definitiva - 19/9/2011
05. Os fantasmas de Norman Mailer - 31/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/3/2005
10h33min
A peça Longa Jornada Noite Adentro foi montada no Brasil em 1958. Na direção o grande mestre Ziembinski e no papel de Mary Tyrone, Cacilda Becker. Recentemente, a peça, sob a direção de Naum Alves de Souza, foi apresentada e no papel de Mary Tyrone, Cleyde Yáconis, irmã de Cacilda Becker. Infelizmente não assisti às montagens dessa peça. Mas li o texto traduzido por Helena Pessoa e editado pela Peixoto Neto. Considero essa peça uma das melhores que já li ao lado de Esperando Godot, do Samuel Becket, Woyzeck de G. Buchner, Brecht e Shakespeare. Há trechos memoráveis: "...caminhos alegres não passam de meras palavras! São as trilhas penosas que contam! Levam-nos rapidamente ao nada... a parte alguma! Foi aí que cheguei: a parte alguma! Onde todos nós vamos parar no final, embora a maioria dos incautos não queira reconhecer!(...) serei sempre um estranho, que nunca se sente em casa, que não quer realmente a ninguém (...) que vive continuadamente um tanto quanto enamorado da morte." Há a citação de um poema de Baudelaire "embriague-se/ Somente isto importa: é o único problema! Se não quer sentir o horrível peso do Tempo que pesa sobre seus ombros e o esmaga, embriague-se sempre. Com quê? Com vinho, com poesia ou com virtude. Com o que queira. Porém embriague-se." Este poema remete-nos a Rimbaud e sua embriaguez, com álcool, o chamado "gole do veneno". Na peça Skakespere é citado "somos da substância de que são feitos os sonhos. E nossa curta vida se conclui no sono." Há as falas de Mary, que destaco: Somente o passado é real... o passado que se foi feliz. (...) e encontrou refúgio e alívio em um sonho onde a realidade presente não passa de uma aparência que se deve aceitar e dissimular com maior indiferença - até com cruel cinismo ou ignorar por completo. (...) como poderia você crer em mim se eu própria não creio?" Penso que a transcrição de alguns diálogos dessa peça terão a força suficiente para incentivar um ou outro leitor a procurar a obra deste grande dramaturgo. A leitura dessa peça nos remete, penso, aos dramas da existência burguesa, à invariabilidade da vida que Passolini tão bem descreveu em versos como "a descorta da invariabilidade da vida/ requer inteligência e amor." O ser em sua pequenez. O ser diante do outro, seu inferno, "Entre Quatro Paredes" de Sartre. O ser diante do nada e do desespero de existir. Do grito lancinante do final de Teorema de Passolini. Do deserto que o habita, do inferno que traz em sua mente, de suas vís...
[Leia outros Comentários de luiz fernando]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




The Uffizi: The Official Guide All Of The Works
Gloria Fossi
Giunti
(2007)
+ frete grátis



Bruxo da Linguagem no Grande Sertão
Consuelo Albergaria
Tempo Brasileiro
(1977)



Os Impactos da Proteção ao Meio Ambiente no Direito (lacrado)
João Luiz Nogueira Matias
Lumen Juris
(2017)



Livro Infantil O Batalhão Das Letras
Mario Quintana
Globo
(1997)



Orgulho e Preconceito
Jane Austen
L&pm Pocket
(2012)



O Silmarillion
J. R. R. Tolkien
Martins Fontes
(2009)



Coleção 2 Livros O Sermão Da Montanha
Huberto Rohden; Rodolfo Calligaris
Martin Claret; Feb



Livro Literatura Estrangeira Doutor Sono
Stephen King
Suma
(2014)



Dicionário temático de morfologia esporopolínica
Jean Pierre Ybert Marcelo de Araujo Carvalho
Museu Nacional
(2012)



Temas em Neuropsicolinguística 587
Elizeu Coutinho de Macedo
Tecmedd
(2006)





busca | avançada
67107 visitas/dia
2,1 milhões/mês