A ética de Camus contra o terror de Sartre | José Nêumanne

busca | avançada
79919 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Renato Morcatti transita entre o público e o íntimo na nova exposição “Ilê da Mona”
>>> Site WebTV publica conto de Maurício Limeira
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> O cheiro da terra
>>> Vivendo o meu viver
>>> Secundário, derradeiro
>>> Caminhemos
>>> GIRASSÓIS
>>> Biombos
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sultão & Bonifácio, parte IV
>>> Em 2016, pare de dizer que você tem problemas
>>> O Direito mediocrizado
>>> Carma & darma
>>> Carlos H Lopes de chapéu novo
>>> Três paredes e meia
>>> All That Jazz
>>> A proposta libertária
>>> It’s only rock’n’roll but I like it
>>> Maurice
Mais Recentes
>>> O Exu do Fogo de Marcílio Borges pela Madras (2013)
>>> Panorama da Literatura de Flávio Aguiar pela Nova Cultural (1988)
>>> Drácula: O vampiro da noite de Bram Stoker pela Martin Claret (2008)
>>> Arquiteto a Máscara e a Face de Paulo Bicca pela Projeto (1984)
>>> Jonas Assombro de Carlos Nejar pela Novo Século (2008)
>>> A Construção da Cidade Brasileira de Manuel C. Teixeira (Coord.) pela Livros Horizonte (2004)
>>> Ayurveda: A Ciência da Longa Vida de Dr. Edson Antônio D'angelo & Janner Rangel Côrtes pela Madras (2015)
>>> Macunaíma (o heróis sem nenhur caráter) de Mário de Andrade pela Círculo do Livro
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Nova Cultural (1993)
>>> Relações Sociais E Serviço Social No Brasil: Esboço de Uma Interpretação Histórico-metodológica - 41ª Edição (7ª Reimpressão) de Marilda Villela Iamamoto & Raul de Carvalho pela Cortez (2018)
>>> Lima Barreto: o rebelde imprescindível de Luiz Ricardo Leitão pela Expressão Popular (2006)
>>> A Batalha das Rainhas de Jean Plaidy pela Record (1978)
>>> Um Certo Capitão Rodrigo de Erico Verissimo pela Círculo do Livro
>>> O Livro de San Michele de Axel Munthe pela Círculo do Livro
>>> O Espião Que Morreu de Tédio de George Mikes pela Círculo do Livro
>>> O Santo Inquérito - Coleção Prestígio de Dias Gomes pela Ediouro (2004)
>>> Confissões Eróticas de Iris e Steven Finz pela Record (2001)
>>> Diários do Vampiro Vol 1 Origens Ddiários de Stepan de L. J. Smith - Kevin Williamson - Julie Plec pela Galera Record (2011)
>>> Peão da Rainha de Victor Canning pela Record (1969)
>>> Paris - uma Agenda de Bons Endereços de Elisabeth Vanzolini pela Ediouro (1998)
>>> Obras Incompletas - Coleção Os Pensadores - 2 Volumes de Friedrich Nietzsche pela Nova Cultural (1991)
>>> Ensaios Escolhidos - Coleção Os Pensadores de Bertrand Russell pela Nova Cultural (1992)
>>> Diálogos - Coleção Os Pensadores de Platão pela Nova Cultural (1991)
>>> Ensaio Acerca do Entendimento Humano de John Locke pela Nova Cultural (1991)
>>> Do Contrato Social e outros textos - Coleção Os Pensadores de Rousseau pela Nova Cultural (1991)
ENSAIOS

Segunda-feira, 20/1/2003
A ética de Camus contra o terror de Sartre
José Nêumanne

+ de 5000 Acessos

Uma discordância sobre o que deve predominar - a moral ou a ideologia, a ética ou a política - separou dois intelectuais cujo convívio tornou mais charmoso e inteligente o debate filosófico e literário nos cafés da Paris do pós-guerra - Jean-Paul Sartre e Albert Camus. A eclosão dos combates pela independência da Argélia acirrou esse confronto entre dois amigos próximos que se tornaram adversários irreconciliáveis: de um lado, o fundador do existencialismo, que havia abraçado sem restrições a militância marxista (o que significava apoiar a brutalidade totalitária do georgiano Josef Stalin na União Soviética e de Mao Tse-tung na China), condenava com fúria sagrada a adoção da tortura como método adotado pelos oficiais franceses para arrancar confissões dos inimigos rebeldes, mas justificava os atentados terroristas da maioria árabe contra a minoria de argelinos descendentes de europeus como uma forma de defesa. Do lado oposto, o teórico do absurdo e romancista de A peste, ele próprio nascido em Oran, na Argélia, condenava o terrorismo com a mesma virulência com que execrava os métodos bárbaros das tropas de ocupação.

No primeiro momento, em plena farra revolucionária dos anos 60, o autor de A Náusea pareceu imbatível. Com a mulher, Simone de Beauvoir, tornou-se o porta-voz da má consciência colonial européia, aderiu à revolução cultural de madame Mao e condenou ao silêncio os escassos e tênues vagidos dissidentes que chegavam ao Ocidente egressos do Arquipélago Gulag, na União Soviética. A morte precoce (aos 47 anos), em 1960, não pela tuberculose que o acometera desde jovem, mas num desastre de automóvel, livrou Camus da execração universal. Mas, como resultado da falta de razão, a que seria condenado no conflito pelos bem-pensantes das academias do mundo inteiro, restou o desprezo por seus textos de reflexão moral e filosófica. E pelo menos manteve-se inabalável seu prestígio de fino estilista da língua de Voltaire, seja como romancista (O Estrangeiro é um texto seminal da literatura mundial no século 20), seja como dramaturgo (seu Calígula é um clássico ao qual até seus mais empedernidos adversários são obrigados a se render).

Como o tempo seguiu mais implacável do que os contendores e continuou sendo senhor da razão, contudo, a filosofia e a ética de Camus estão sendo exumadas, enquanto a oportunista adesão de Sartre e Beauvoir à barbárie stalin-maoísta tornou-se indefensável. Ou seja, a situação virou pelo avesso. Ou seja, agora o francês (que, como o adversário, foi premiado com o Nobel) é exaltado pela qualidade literária e sua militância política do fim da vida, considerada uma excrescência que em nada dignifica o filósofo das primícias.

Quanto a Albert Camus, resta de sua obra a lição fundamental de que o gênero humano permanece o mesmo em seus fundamentos, ainda que mudem as circunstâncias sociais e históricas. Prova-o a coletânea Reflexões sobre o Terrorismo, que acaba de vir a lume em Paris pela editora de Nicolas Philippe, reunindo artigos para jornais e trechos de romances e peças em que ele abordou o tema, não sob a ótica da planfetagem ideológica, defendida por Sartre e seus epígonos, mas com a profundidade que a perene gravidade do assunto exige. A organizadora Jacqueline Levi-Valensi e os comentaristas Antoine Garapon e Denis Salas chamam a atenção do leitor para a diferença das épocas, aquela em que Camus escreveu os textos - sua militância na resistência à ocupação francesa pelos alemães na Segunda Guerra, a Guerra Fria e a Batalha de Argel - e esta em que os lemos, com os atentados suicidas de palestinos contra israelenses no Oriente Médio e, sobretudo, após a ação executada pelos asseclas de bin Laden nos EUA em 11 de setembro de 2001.

As motivações e circunstâncias são diferentes, mas as reflexões de Camus permanecem frescas, sólidas e prontas para serem usadas. Na série de textos "Cartas a um amigo alemão", ele escreveu: "Nós lutamos por esta nuance que separa o sacrifício da mística, a energia da violência, a força da crueldade e por esta ainda mais frágil nuance que separa o falso do verdadeiro e o homem em que nós temos esperança dos deuses frouxos que vocês veneram". E em editorial para o jornal da resistência Combate registrou: "Diante das perspectivas terríveis que se abrem para a humanidade, percebemos cada vez mais que a paz é o único combate que vale a pena. Essa não é uma oração, mas uma ordem que deve subir dos povos para os governos: a ordem de escolher de vez entre o inferno e a razão".

Da série de artigos "Nem vítimas nem carrascos" é seu célebre aforismo: "O século 17 foi o século das matemáticas; o 18, o das ciências físicas; e o 19, o da biologia. Nosso século 20 é o século do medo". O medo, para ele, é uma técnica: mete medo o homem que não pretende convencer o adversário, mas esmagá-lo, usando a arma letal da ideologia. Escrita em 1946, um ano depois da explosão do cogumelo atômico em Hiroshima e 55 anos antes da derrubada das torres gêmeas do World Trade Center, essa sentença denuncia e deplora uma das pragas de nosso tempo: a substituição da persuasão pelo terror como instrumento político para impor o monopólio ideológico à custa da liberdade.

Atenuam a adesão de Sartre à barbárie ideológica a excepcional qualidade de sua literatura e a agudeza de seu pensamento filosófico anterior e ela. E a proposta de Camus, também feita em elegante estilo literário, de sobrepor o homem ao partido e a ética à idéia é um guia para quem quiser desafiar a técnica do medo que, herdado do século passado, se inoculou no atual como um veneno para o qual a humanidade ainda não encontrou antídoto.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no "Caderno2" do jornal O Estado de S.Paulo.


José Nêumanne
São Paulo, 20/1/2003

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Mister Magic em Campo Seco de Henrique Schneider


Mais José Nêumanne
Mais Acessados de José Nêumanne
01. A Trilogia de João Câmara - 12/1/2004
02. O prazer, origem e perdição do ser humano - 29/4/2002
03. O CNJ e a Ancinav - 20/9/2004
04. O Desprezo de Alberto Moravia e Jean-Luc Godard - 12/5/2003
05. Retrato de corpo inteiro de um tirano comum - 17/6/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Responsabilidade Civil por Erro Médico
Fábio Motta da Cunha
Cbj
(2007)



Educação Linguistica Em Perspectivas e Horizontes
Khalil Salem
Fiuza
(2011)



Vencendo a Própria Crise
Carlos Wizard Martins
Record
(1993)



Filha da Magia
Justine Larbalestier
Galera



O Tempo Não Apagou
Don R. Christman
Casa
(1987)



A princesa que tudo sabia,,,,menos uma coisa
Rosane paplona, Nino B junior
Brinque-Book
(2001)



Tecnologia Em Gestão e Marketing para Pequenas e Médias Empresas Vol 2
Pedro Hiane e Outros
Uniderp
(2007)



Diga Não À Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes ...
Maria Conceição O. Costa (coord.)
Do Autor
(2012)



Para Sempre uma Aprendiz
Maria Glória Francener Deschamps
Gaia
(2004)



Moda & Sustentabilidade: Design para Mudança - 1ª Edição
Kate Fletcher & Lynda Grose
Senac Sp
(2012)





busca | avançada
79919 visitas/dia
2,6 milhões/mês