Harold Ramis (1944-2014) | Marcel Plasse

busca | avançada
50081 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Balé de repertório, D. Quixote estará no Teatro Alfa dia 27/1
>>> Show de Zé Guilherme no Teatro da Rotina marca lançamento do EP ZÉ
>>> Baianas da Vai-Vai são convidadas de roda de conversa no Teatro do Incêndio
>>> Airto Moreira e Flora Purim se despedem dos palcos em duas apresentações no Sesc Belenzinho
>>> Jurema Pessanha apresenta sambas clássicos e contemporâneos no teatro do Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Na minha opinião...
>>> Tempo vida poesia 4/5
>>> Torce, retorce, procuro, mas não vejo...
>>> Lambidinha
>>> Lambidinha
>>> 12 tipos de cliente do revisor de textos
>>> A Grande História da Evolução, de Richard Dawkins
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Malcolm, jornalismo em quadrinhos
>>> PETITE FLEUR
Mais Recentes
>>> Jogos para a Estimulação das Múltiplas Inteligências de Celso Antunes pela Vozes (1999)
>>> Por Amor de Nossos Filhos - de Dietmar Rost pela Paulinas (1985)
>>> O jogo do anjo de Carlos Ruiz Zafón pela Objetiva (2011)
>>> Reflexões Sobre O Ensino Da Leitura E Da Escrita de Ana Teberosky e Beatriz Cardoso pela Unicamp (1991)
>>> Reflexões Sobre O Ensino Da Leitura E Da Escrita de Ana Teberosky e Beatriz Cardoso pela Unicamp (1991)
>>> Os 100 Segredos dos Bons Relacionamentos de Davd Niven pela Sextante (2003)
>>> Minha Vida de Walter Sandro pela Wgs Group (2004)
>>> Minha Vida de Walter Sandro pela Wgs Group (2004)
>>> Apologia de Sócrates-Banquete-Platão de Platão pela Martin Claret (2008)
>>> Manual de Direito Penal volume 3 de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (1987)
>>> Motivação e Sucesso de Walter Sandro pela Wgs Group (1990)
>>> Manual de Direito Penal volume 2 de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (1987)
>>> Cigarros Coleção Doutor Drauzio Varella de Drauzio Varella pela Gold (2009)
>>> Teoria Geral da Administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano pela Atlas (2000)
>>> Matemática Financeira de João Carlos dos Santos pela Educacional (2015)
>>> Contabilidade de Gisele Zanardi P Wagner Luiz V Willian F dos Santos pela Educacional (2015)
>>> Elementos de Direito Constitucional de Michel Temer pela Revista Dos Tribunais (1983)
>>> Solanin 2 - Pocket de Inio Asano pela L&pm Pocket (2006)
>>> Niño y adolescentes creciente en contextos de pobreza de Irene Rizzini, Maria Helena Zamora e Ricardo Fletes Corona pela Puc (2006)
>>> Solanin 1 - Pocket de Inio Asano pela L&pm Pocket Manga (2006)
>>> 25 Anos do Menino Maluquinho - Já? Nem Parece! de Ziraldo pela Globinho (2006)
>>> Todos os Milhões do Tio Patinhas - Volume 1 de Vitaliano; Fausto pela Panini Comics (2020)
>>> Chavez Nuestro de Rosa Miriam Elizalde e Luis Báez pela Abril
>>> Nos labirintos da moral de Mario Sergio Cortella e Yves de La Taille pela Nos labirintos da moral (2005)
>>> Minha Imagem -Romance Espirita de Schellida / Eliana Machado Coelho pela Lumen (2013)
ENSAIOS

Segunda-feira, 3/3/2014
Harold Ramis (1944-2014)
Marcel Plasse

+ de 12000 Acessos

Morreu o ator, diretor, roteirista e caça-fantasmas Harold Ramis, criador de comédias inovadoras que marcaram época. Ele faleceu na segunda-feira (24/2) aos 69 anos de idade em Chicago, em decorrência de um tipo raro de vasculite autoimune, contra a qual lutava desde 2010.

Ramis nasceu em 21 de novembro de 1944 em Chicago, filho de lojistas. Após se formar na Universidade de Washington, trabalhou sete meses num hospital psiquiátrico e como professor num dos bairros mais violentos de Chicago, antes de começar a escrever para a imprensa como freelancer, o que eventualmente o levou a se tornar editor da página de humor da revista Playboy.

Na metade dos anos 1960, juntou-se à trupe teatral Second City, um grupo de atores de Chicago que fazia comédia de improvisos, que se tornou tão famoso que acabou virando a fonte do elenco original do programa humorístico Saturday Night Live. Foi lá que descobriu grandes amigos e sua verdadeira vocação.

"O momento em que eu percebi que não me tornaria uma grande estrela da comédia foi quando eu subi no palco com John Belushi pela primeira vez", ele contou ao jornal Chicago Tribune em 1999. "Quando eu vi o quão longe ele estava disposto a ir para obter um riso. como se atirava, literalmente, para fora do palco, tomando grandes quedas, estrangulando outros atores, eu pensei: 'Como eu poderia chamar mais atenção que um cara como esse?'"

Mas ele tinha uma vantagem. Ele podia escrever. Dedicaria-se também a dirigir. E faria alguns papeis secundários para acompanhar os amigos, só por diversão. Com isso em mente, juntou-se a Belushi e a outro colega da Second City, Bill Murray (com quem filmaria seis comédias), para tentar emplacar em Nova York nos anos 1970.

Os três acabaram trabalhando num programa humorístico de rádio, The National Lampoon Radio Hour, produzido pela equipe da revista de humor National Lampoon. E quando Belushi e Murray foram integrar a equipe do Saturday Night Live, Ramis desenvolveu o programa de TV da Second City (SCTV, com John Candy, Eugene Levy, Rick Moranis e Martin Short) e seu primeiro roteiro de cinema.

Com produção da National Lampoon, a estreia de Ramis como roteirista foi simplesmente O Clube dos Cafajestes (1979), comédia cultuadíssima e uma das mais influentes de todos os tempos, que mudou o tom do humor juvenil no cinema com a inclusão de muito sexo, festas universitárias e disputas entre fraternidades.

Dirigido por John Landis, o filme foi um grande sucesso de bilheterias e originou inúmeras imitações, como Porky's (1982) e A Vingança dos Nerds (1984). De quebra, também lançou uma geração de atores que marcaram época, entre eles o grande John Belushi, que em seu primeiro filme transformou o animal festeiro John Blutarsky num personagem icônico, além dos estreantes Kevin Bacon (série The Following), Karen Allen (Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal) e Tom Hulce (Amadeus).

Mais que impulsionar o humor sexual que tomaria o cinema nos anos 1980, O Clube dos Cafajestes também tinha um tom subversivo, que sutilmente celebrava o revide dos excluídos contra o sistema autoritário, representado pelo reitor da universidade. "Eu tento dar voz aos perdedores, porque a comédia geralmente fala para as classes mais baixas", disse Ramis uma vez. "Atacamos os vencedores." O que não deixa de ser um modo de resumir sua galeria de personagens inesquecíveis.

Seu roteiro seguinte foi Almôndegas (1979), outra comédia juvenil picante, que lançou Bill Murray no cinema, além de inaugurar o filão dos filmes de acampamentos de férias e uma parceria bem-sucedida com o diretor Ivan Reitman.

Com a confiança obtida por dois sucessos de bilheterias, Ramis fez sua estreia como diretor, filmando mais um clássico do humor, Clube dos Pilantras (1980), passado num clube elitista de golfe, novamente com Bill Murray, além de Chevy Chase e Roger Dangerfield. Entre as piadas anárquicas, que expunham a hipocrisia dos ricos e poderosos, destacavam-se a confusão causada por um chocolate de aparência suspeita flutuando numa piscina e o raio que acerta um clérigo após ele agradecer a Deus pela melhor partida de sua vida.

Ramis só foi aparecer diante das câmeras em sua quarta comédia, Recrutas da Pesada (1981), também dirigida por Reitman, como coadjuvante de Murray numa tropa de soldados ineptos, que ainda incluía John Candy. O longa conseguia avacalhar o militarismo americano, sem que os conservadores pudessem fazer seus protestos serem levados a sério.

Seu segundo filme como diretor foi também um dos mais bem-sucedidos de sua carreira. Ramis lançou uma franquia ao levar às telas o primeiro Férias Frustradas (1983), no qual Chevy Chase tenta viajar com a família de férias, apenas para ver tudo dar errado. Um clássico indisputável do bom humor, que inspirou, além de sequências, inúmeras variações cinematográficas, abrangendo da filmografia quase completa do diretor Todd Phillips (Se Beber, Não Case) até o fenômeno indie A Pequena Miss Sunshine (2006).

A esta altura, ele já tinha começado a transitar do humor picante do começo de sua carreira para as comédias voltadas para toda a família, acumulando ao longo de sua filmografia algumas das comédias mais famosas da década de 1980. Mas o maior sucesso ainda estava por vir, em sua próxima parceria com o diretor Ivan Reitman.

Ramis escreveu e atuou em Os Caça-Fantasmas (1984), seu primeiro filme de fantasia e efeitos especiais. Na trama, ele encarnava Egon Spengler, o mais nerd do trio de cientistas especializados em parapsicologia, que incluía Bill Murray e Dan Aykroyd. Juntos, eles se tornam a única esperança de Nova York, quando a cidade se vê em meio a uma crise sobrenatural, com ataques de fantasmas e a ameaça do apocalipse.

A produção de Os Caça-Fantasmas era caríssima para a época: US$ 30 milhões, graças aos efeitos visuais elaborados. Mas seu lançamento mundial rendeu 10 vezes este valor, quebrando recordes de bilheteria para se tornar uma das comédias mais bem-sucedidas de todos os tempos, com direito a trilha na parada de sucessos e incorporação eterna na cultura pop. Foi um fenômeno tão grandioso que seria difícil superá-lo.

Inevitavelmente, Ramis conheceu seu primeiro fracasso em seu trabalho seguinte, como roteirista e diretor de Clube Paraíso (1986), comédia passada num resort habitado por Robin Williams, Peter O'Toole e o cantor Jimmy Cliff. No mesmo ano, seu roteiro de Armados e Perigosos, com John Candy e Meg Ryan, implodiu nas bilheterias e arrancou críticas negativas. Ele também se divorciou. E foi encontrar refúgio na religião, convertendo-se ao budismo.

A continuação de Os Caça-Fantasmas em 1989 mostrou que Ramis ainda tinha boas piadas para contar. Embora com menos sucesso, o filme ajudou a manter os personagens no imaginário popular. Foi uma injeção de ânimo para que ele pudesse se reinventar.

Após quatro anos, ele retornou com seu melhor roteiro. Em 1993, Ramis escreveu e dirigiu sua obra-prima: O Feitiço do Tempo. Na trama, Bill Murray vivia um repórter rabugento que acabava magicamente preso numa repetição constante do mesmo dia. Único com consciência da reprise dos fatos, ele testemunha as pessoas fazerem e dizerem as mesmas coisas, dia após dia, até mudar sua atitude e decidir ter um dia perfeito, com direito a final feliz romântico.

O Feitiço do Tempo provou-se imbatível como comédia, fantasia e romance. Uma combinação rara e perfeita, que influenciou roteiros dos mais diversos gêneros, desde a comédia Click (2006), com Adam Sandler, até a ficção científica Contra o Tempo (2011), com Jake Gyllenhaal. O filme também lhe rendeu os únicos prêmios de sua carreira, incluindo o BAFTA (o Oscar britânico) de Melhor Roteiro Original.

Ramis voltou à fantasia com a comédia de clones Eu, Minha Mulher e Minhas Cópias (1996), sem tanto sucesso. Mas seu último grande êxito veio logo em seguida, com Máfia no Divã (1999), que consagrou o ator Robert De Niro como comediante, ao satirizar os diversos personagens mafiosos de sua filmografia.

Assim como Clube dos Pilantras e Os Caça-Fantasmas, o filme também ganhou uma sequência menos divertida, A Máfia Volta ao Divã (2002). Mas a continuação arrecadou apenas um terço do que obteve a comédia original, resultando num grande prejuízo financeiro ― a produção não se pagou.

O último longa que escreveu e dirigiu foi Ano Um (2009), comédia pré-histórica estrelada por Jack Black, que também teve desempenho medíocre de público e crítica. Ele ainda escreveu para a TV, ajudando a desenvolver a série animada baseada em Os Caça-Fantasmas e dirigiu episódios de The Office.

Nos últimos anos, vinha sendo assediado por cineastas da nova geração para aparecer em comédias. Judd Apatow dizia que ele "era o pai que sempre quis ter", e assim o filmou como o pai de Seth Rogen no filme Ligeiramente Grávidos (2007). Como ator, também foi o médico de Jack Nicholson no divertido e premiado Melhor É Impossível (1997), o pai de John Cusack no cultuado Alta Fidelidade (2000) e participou de dois filmes do jovem cineasta Jake Kasdan: Correndo Atrás do Diploma (2002) e A Vida é Dura: A História de Dewey Cox (2007).

Ramis ainda tentava tirar do papel o projeto de Os Caça-Fantasmas 3, que desenvolvia com Dan Aykroyd e seus co-roteiristas de Ano Um, mas não conseguiu devido à recusa de Bill Murray em participar do projeto. Numa entrevista de 1993 ao jornal Los Angeles Times, realizada na época de O Feitiço do Tempo, ele se dizia orgulhoso de ter feito dois ― talvez quatro ― filmes que poderiam ganhar uma nota de rodapé na história do cinema. "Isso me dá um tremendo senso de realização."

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no site Pipoca Moderna.


Marcel Plasse
São Paulo, 3/3/2014

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um abraço em Moacyr Scliar de José Castello
02. André Mehmari, um perfil de Daniel Piza
03. Um pastor para o século 21 de José Castello
04. Sobre o Jabá de Mauro Dias
05. Memórias de Lorenzo da Ponte de Luís Antônio Giron


Mais Marcel Plasse
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O reino de Campbell
Hammond Innes
Mérito



Entre Irmãs - 1ª Edição
Frances de Pontes Peebles
Arqueiro
(2017)



Planejamento e Estratégia Empresarial
Carlos Thomaz Guimarães Lopes
Saraiva
(1984)



Quatro Cenário para o Brasil 2005 - 2007
Claudio Porto - ( Org)
Do Autor
(2005)



America Latina - Historia, Crise e Movimento
Luiz Bernanrdo Pericás, Paulo Barsotti
Xamã
(1999)
+ frete grátis



Casa de Pedra
Vicente Ataide
H. D. V
(1985)



Domingo Dia de Cachimbo
Giselda Laporta Nicolelis
Vértice
(1974)



Diário de Rabiscos
Adriana Barbosa Ferreira
Ícone
(2008)



Capitalismo Climático
L. Huntere Lovins, Boyd Cohen
Cultrix
(2013)



Fetish: Fashion, Sex & Power
Valerie Steele
Oxford University Press,
(1997)
+ frete grátis





busca | avançada
50081 visitas/dia
1,9 milhão/mês