Belham: nossa maior voz infantil | Luís Antônio Giron

busca | avançada
83516 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “A Pequena Keruaka”: obra infantojuvenil mostra jornada para salvar os rios e florestas do Brasil
>>> Festival de Patinação de Rio do Sul abre inscrições
>>> Festival Halleluya em São Paulo realizará ação solidária para auxiliar as famílias no RS
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Apresentação
>>> Crônica, um gênero brasileiro
>>> Os melhores votos, de uma cética
>>> O que é a memética?
>>> Lobo branco em selva de pedra: Eduardo Semerjian
>>> As garotas do Carlão
>>> A novíssima arena de experimentação literária
>>> A novíssima arena de experimentação literária
>>> A novíssima arena de experimentação literária
>>> Boemia, aqui me tens de regresso
Mais Recentes
>>> Os Lohip-hopbatos Em A Guerra Da Rua Dos Siamipês de Flavio De Souza pela Companhia Das Letrinhas (2013)
>>> Arquitetura E Planejamento Na Gestão Da Saúde de Richard M. J. Bohmer pela Bookman (2012)
>>> O Eufemismo e o Disfemismo no Portugues Moderno de Heinz Kroll pela Biblioteca Breve (1984)
>>> Harpas Eternas 3 de Josefa Rasalía pela Pensamento (1998)
>>> A Cidade Das Máscaras - Volume 2 de Genevieve Cogman pela Morro Branco (2017)
>>> Encarando A Nova Realidade de Ram Charan pela Negócio (2004)
>>> Estudos Discursivos A Brasileira: Uma Introducao de Roberto Leiser Baronas pela Pontes (2015)
>>> Ordem Mundial E Agências De Rating de Ricardo K. Ywata pela Senac Sp (2012)
>>> A Riqueza Do Mundo de Lya Luft pela Record (2011)
>>> Como A Democracia Chega Ao Fim de David Runciman pela Todavia (2018)
>>> jQuery Mobile de Maurício Samy Silva pela Novatec (2013)
>>> Magnus Chase: A Espada Do Verão de Rick Riordan pela Intrinseca (2015)
>>> Homo Aequalis de Louis Dumont pela Edusc (2000)
>>> Eu e Outras Poesias - Texto Integral de Augusto dos Anjos pela Livraria Família Cristã (2021)
>>> O Código de Hamurabi de Claude Hermann. Walter Johns. Ciro Mioranza pela Lafonte (2020)
>>> Ele Falava Com Autoridade - Auto-Estima e Liderança de André Marmilicz pela Vicentina (2008)
>>> Bule De Cafe de Luís Camargo pela Atica (2008)
>>> Montando E Configurando Pcs Com Inteligência de Renato Rodrigues Paixão pela Érica (2004)
>>> Topografia Aplicada às Ciências Agrárias de Gilberto J. Garcia; Gertrudes C. R. Piedade pela Nobel (1984)
>>> O Cientista E O Executivo: Como O Ifood Alavancou Seus Dados E Usou A Inteligência Artificial Para Revolucionar Seus Processos de Diego Barreto E Sandor Caetano pela Gente (2023)
>>> Marco Zero de Marcia Kupstas pela Ftd (2023)
>>> Triciclo de Elisa Amado, Alfonso Ruano, Heitor Ferraz Mello pela Comboio de Corda (2007)
>>> Cinquenta Tons de Liberdade de E. L. James pela Intrinseca (2012)
>>> De Quanta Terra Precisa O Homem? de Liev Tolstói pela Companhia Das Letrinhas (2015)
>>> Bi-Lingual Visual Dictionary : French/English de Vários Autores pela Dk (2005)
ENSAIOS

Segunda-feira, 3/5/2004
Belham: nossa maior voz infantil
Luís Antônio Giron
+ de 12500 Acessos
+ 3 Comentário(s)

É a típica crônica da morte oculta. O cantor Floriano Belham morreu no Hospital Santa Lúcia, Rio de Janeiro, dia 20 de setembro de 1999, de choque septicêmico decorrente de uma infecção pulmonar. Nenhum jornal ou revista noticiou o fato, embora Belham merecesse referência entre os melhores intérpretes ativos nos anos 20 e 30 – a denominada "época de ouro da música popular brasileira". Belham foi um menino-prodígio. Assim como o cantor Mário Reis já foi apelidado de "a nossa Greta Garbo", por ter-se retirado da cena do show business, Belham é o Mickey Rooney autóctone, a criança que prolongou a infância e optou pela segurança e riqueza na vida adulta, tornando-se referência enciclopédica de um ontem artístico distante. Soube pular da glória antes de ela o tragar em definitivo. Conviveu com os principais astros e estrelas da Era do Rádio brasileira. Ei-lo perpetuado na infância do estrelato nacional, em dezesseis canções que gravou para os selos Victor e Odeon.

Ao enterro, no cemitério do Caju, compareceu um único fã – fato que surpreendeu a viúva, Teresa, e os três filhos, os empresários George, Eduardo e Floriano Júnior. A família não contava com os pêsames de um admirador do cantor que encerrou a carreira em 1936, época em que Orlando Silva ainda trabalhava no coro da Victor e Noel Rosa, amigo de farras de Belham, estava vivo. Isso só pode ser explicado pelo "pathos" da reprodução do som, que impregna a memória afetiva pela insistência das audições repetitivas. Os discos mais esquecidos dos músicos mais obscuros continuam a tocar em algum lugar. Belham orgulhava-se de ter sido a primeira criança do mundo a ter gravado um disco profissional. Sua voz era de criança quando fez sua primeira gravação, para a RCA Victor, em 1929, lançada no ano seguinte. A temática retratava situações infantis. No lado A do disco, interpretava "Mamãezinha está dormindo", de André Filho (autor de "Cidade maravilhosa" e órfão quando menino), canção que mostra um menino fascinado pela imagem da mãe que ele julga estar dormindo numa cama cheia de flores. A música descreve o processo da descoberta da morte por uma criança. O lado B traz a "Canção do ceguinho" (Cândido das Neves), sobre o menino que se lamenta por Deus não lhe ter dado o direito de contemplar a lua.

Revelou-se um sucesso instantâneo. Floriano da Costa Belham comoveu o Brasil com sua voz aguda e o timbre aveludado de criança, características que se mantiveram até a idade de 22 anos. Como até então era muito baixo – 1,40 metro de altura – e franzino, o rosto e a voz de garoto, passava por mais jovem. Por instinto de sobrevivência, prosseguiu até tarde na cena musical como um Peter Pan, entidade de eterna infância, só que contando histórias trágicas em canções de autoria dos maiores compositores de seu tempo, como, além dos já citados, José Luiz de Morais, o Caninha, Roberto Martins, Sylvio Caldas e Orestes Barbosa.

O selo de sua infância foi a orfandade. Nascido no bairro da Tijuca, Rio de Janeiro, em 3 de fevereiro de 1913 em uma família tradicional, perdeu a mãe, Maria Luíza, aos 3 anos. Seu pai, João Henrique Belham, funcionário do Ministério da Fazenda, era filho do inglês William Belham, al mirante da Marinha Inglesa, herói da Guerra do Paraguai. Durante o conflito, o oficial se casou com uma índia guarani. O casal terminou por se estabelecer no Rio. O abrasileiramento se completou com a mudança do acento do sobrenome. "Belham" passou a ser pronunciado como se lido em português, "béliã".

Floriano foi criado pela tia, irmã de seu pai, Leopoldina, professora residente na ilha de Paquetá. De temperamento forte, o pequenonão se submetia a ordens. Leopoldina deixava até mesmo que o menino fumasse. Seu cigarro favorito era Liberty Ovaes, sem filtro, o mesmo do amigo Noel Rosa. Fumou três maços por dia até completar 80 anos. Foi quando o médico detectou um enfizema pulmonar e o proibiu de manter o vício. Floriano Jr. atribui a degeneração física recente do cantor ao cigarro.

Mas o tabaco não prejudicou a voz do menino. Percebeu que a tinha aos 10 anos e passou a se apresentar nas festas e reuniões de sua escola, o tradicional Colégio D. Pedro II. Num espetáculo em benefício a crianças órfãs tuberculosas em Paquetá, foi ovacionado. Ao show comparecia o empresário teatral Armando Alvim, que convidou o menino a integrar sua companhia, chamada de Centro Artístico Regional. Corria o ano de 1927 e Floriano, aos 14 anos, ia ganhar um cachê alto para a época: 50 mil réis, quantia somente reservada aos grandes medalhões. Iria se apresentar como "O Menino Floriano Belham". Em um caderno onde fez anotações autobiográficas, datado de 1988, recém-descoberto pela viúva, o cantor conta como foi seu início na companhia: "Lá conheci Rogério Guimarães, violonista canhoto, apresentado e conhecido como o Rei do Violão. Sempre cantei nas minhas apresentações acompanhado pelo Rogério e pelo Carlos Lentini." Este era também violonista. Belham relembra, então, diversos músicos com quem se apresentou na companhia, como João Martins – "um gênio do bandolim", segundo ele –, a cantor Ruth Franklin e os cantores Augusto Calheiros, Lourival Montenegro, Arthur Costa e Francisco Alves. As anotações do cantor revelam que a Companhia era itinerante e costumava se apresentar em duas sessões diárias em temporadas de quinze dias a um mês. "Cantou lá também um menino como eu, Nelson Vargas, que tinha uma bela voz de tenor. também fez parte dessa companhia o maior seresteiro do Brasil – Sylvio Caldas!" A fama do cantor-menino sobreviveu à da Compahia, que se extingiu em 1928. No ano seguinte, Rogério Guimarães continuava a se apresentar com o garoto. Francisco Alves, já então a divindade vocal suprema do Brasil, ouviu o ensaio da dupla nos camarins do Teatro Lírico e perguntou a Belham se sabia cantar alguma música de seu repertório. O menino disse que sim: "A voz do violão", o último êxito do cantor; e a cantou. Alves gostou tanto que falou a Guimarães: "Qualquer dia desses vou mandar esse garoto bisar por mim 'A voz do violão'!". De acordo com o diário de Belham, Rogério ficou feliz, mas observou: "Você não acha, Chico, que é muita responsabilidade para um menino?" O cantor respondeu: "Levo fé neste garoto!"

Dois ou três dias depois, Alves finalmente cumpriu o prometido. Nas memórias, Belham se extasia: "Estávamos atuando no teatro Lírico, famoso teatro de ópera, onde Toscanini estreou em regência e onde Caruso e outros astros famosos artistas líricos se apresentaram". Casa lotada, Francisco Alves atacou de "A voz do violão". Como de hábito, a platéia veio abaixo e pediu bis. Era homem de palavra, agradeceu e anunciou: "Agora vou fazer uma surpresa para vocês. Vou trazer um menino para bisar por mim 'A voz do violão'!" Belham disse ter sido "pegado de surpresa" porque o cantor não havia avisado que seria naquela noite. "Contudo recebi o chamamento com a maior naturalidade e ingenuidade", narra. "O Rogério Guimarães estava sentado numa cadeira no meio do imenso palco do Lírico. O Chico Alves pediu outra cadeira e o seu violão. Sentou-se também e mandou que eu me colocasse entre ele o Rogério." Rogério solou a introdução "e eu, O Menino Floriano Belham, comecei a cantar". Notou nervosismo nos dois veteranos. Alves lhe recomendou, "nos momentos de maior responsabilidade": "Respira!" Antes de terminar, notou espectadores se levantando para saudá-lo. "O velho Chico, entusiasmado, pegou-me no colo, abraçou-me e beijou-me." Teve que cantar a música mais duas vezes. "Foi uma das maiores glórias da minha curta vida artística!"

Nos estertores do ano de 1929, era chamado ao estúdio da Victor, acompanhado por Guimarães, para gravar seu primeiro disco. Em depoimento ao historiador Abel Cardoso Júnior, Belham afirmou que Mr. Evans, diretor artístico da gravadora, sugeriu que o menino imprimisse mais dramaticidade à gravação, fazendo de conta que via sua mãe morta.

O grande sucesso fez com que os compositores lhe oferecessem mais música inédita e aparecessem seguidores. Algumas crianças passaram a gravar. Em 1930, Dircinha Batista estreou como cantora infantil. Julinha do Amaral gravou uma toada em 1936. Indicado por Belham como seu sucessor, Jonas Tinoco registrou a "Canção do jornaleiro", de Heitor dos Prazeres, com grande sucesso. Era 1933, ano em que Belham, já com a voz adulta, atuava no Programa Casé, na Rádio Philips, gravando diversos sucessos, entre eles o samba "Saudades do meu barracão", música de estréia de Ataulfo Alves, em 1935. Integrava o coro um estreante: Orlando Silva. Freqüentador do Café Nice, ponto de encontro da classe artística, entrou em contato com os astros da época, entre eles Pixinguinha, Orestes Barbosa (marido de sua professora em Paquetá, dona Regina), a dupla Joel & Gaúcho, Castro Barbosa, os irmãos Hélio e Noel Rosa, Luiz Barbosa ("para mim o verdadeiro criador do samba-de-breque"), Moreira da Silva, Cyro Monteiro, João Petra de Barros e Aracy de Almeida ("criatura simples, pura mesmo, não me lembro de ter visto a Aracy bebendo ou fumando", escreve no caderno). Em 1934, comprou seu primeiro carro de Francisco Alves. Ao lado de Noel, disse ter feito farras memoráveis. Como o "Bernard Shaw do Samba", criava paródias. Ficaram famosas as de "Amélia" e "Touradas em Madri".

O intérprete se dava ao deleite de recusar canções para integrar seu repertório, entre elas "Último desejo",de Noel Rosa, e, de Ataulfo e Mário Lago, "Amélia". Não conseguia abstrair e filtrar o valor delas, pois eram cantadas diretamente por seus autores. E se arrependeu.

O derradeiro sucesso foi a valsa "Mariza", de André Filho, em disco lançado em junho de 1936. Nesta época, resolveu mudar radicalmente de atividade. Sua vida ganhou um aspecto de impressionante normalidade. Tornou-se fiscal do imposto de consumo (auditor fiscal) da Fazenda Federal, ganhou porte de arma e viajou pelo Brasil, caçando inadimplentes. Mudou-se para Vitória no início da década de 40. Lá, casou-se com Teresa. De volta ao Rio, formou-se em Direito em 1955. Nasceram os três filhos. Aposentando-se em 1961, decidiu transferir a família para Paris, para conhecer a Europa. De 1968 a 1973, mudou-se com a família para Los Angeles, para cuidar da educação dos filhos.

Ainda que exonerado da vida artística, nunca deixou de cantar para os amigos e nas reuniões familiares. Em 1976, chegou a gravar uma fita com canções clássicas. acompanhado pelo violonista João Pereira Filho. Mostrava a mesma voz lírica que exibia no fim de sua carreira. A nostalgia do auge artístico o levou a começar a escrever memórias.

Floriano Belham revelou-se cantor de imenso engenho. Na maturidade, aprimorou o estilo seresteiro, que teve em Sylvio Caldas o protagonista (Belham tinha voz mais bonita que Caldas). Outro traço nas suas gravações é registrar, num caso único, mudanças de voz profundas em um cantor: soprano na infância e adolescência, tenorino aos 20 anos e logo barítono; em todos os estágios, manteve o timbre limpo e uma alta dose de inspiração. Mais do que obra completa, Belham legou uma virtualidade. Foi, talvez, o maior cantor que o Brasil deixou de ter.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Publicado originalmente no "Caderno Fim de Semana" da Gazeta Mercantil.


Luís Antônio Giron
São Paulo, 3/5/2004
Mais Luís Antônio Giron
Mais Acessados de Luís Antônio Giron
01. Paulo Coelho para o Nobel - 21/11/2005
02. Francisco Alves, o esquecido rei da voz - 5/8/2002
03. Glenn Gould: caso de amor com o microfone - 7/10/2002
04. JK, um faraó bossa-nova - 6/2/2006
05. Villa-Lobos tinha dias de tirano - 3/11/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/3/2006
01h40min
Caro Giron, só agora vi este texto seu. Está mais amplo do que a enciclopédia Alvim, por exemplo. Parabéns! Temos que combinar retorno a Minas. Abraços.
[Leia outros Comentários de Nísio Teixeira]
27/3/2006
10h41min
Unica referencia 'a musica "mamaezinha esta dormindo" em toda a web, musica que marcou a infancia da minha mãe e de toda a minha família.
[Leia outros Comentários de nardini]
27/6/2006
18h01min
Caro Giron, é com muita emoção que volto a ler seu excelente texto sobre meu querido pai. Parabéns pelo precioso trabalho de pesquisa com o qual você evocou toda uma vida. Um abraço e obrigado!
[Leia outros Comentários de floriano belham]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Fome: crise ou escândalo? 25ª edição - coleção polêmica
Melhem Adas
Moderna
(1995)



O Chamado do Cuco 548
Robert Galbraith
Rocco
(2013)



Para Viver sem sofrer
Gasparetto
Vida e Consciência
(2010)



Livro Filosofia Os Pensadores Voltaire Volume 1 Diderot
Voltaire Diderot
Nova Cultura
(1988)



Como Defender A Fe Sem Levantar A Sua Voz
Austen Ivereigh
Quadrante
(2024)



Livro Infanto Juvenis O Gato de Botas Coleção Folha Contos e Fábulas Para Crianças Sem Cd Volume 11
Folha de S. Paulo
Folha de S. Paulo
(2014)



Português Fundamental - Gramática e Interpretação de Textos Para Concursos
Fábio de Oliveira Vargas
Crv
(2020)



Livro Sociologia Caçadores de Bons Exemplos Em busca de brasileiros que fazem a diferença
Iara / Educardo Xavier
Leya
(2015)



Menino Sem Passado (1936-1948)
Silviano Santiago
Companhia Das Letras
(2021)



Olhares Sobre a História
Alcides Freire Ramos, Maria Izilda Santos de Matos
Hucitec
(2010)





busca | avançada
83516 visitas/dia
2,4 milhões/mês