Digestivo nº 171 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
71522 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 21/4/2004
Digestivo nº 171
Julio Daio Borges

+ de 9300 Acessos




Literatura >>> Testemunho imundo
Michel Laub é um dos editores mais discretos dos últimos tempos. Há alguns anos ajuda a comandar a “Bravo!”, depois de uma passagem pela “Carta Capital” (na gestão Wagner Carelli). Laub, natural de Porto Alegre, se quase não fala da revista (a única a exercer, ainda amplamente, o tal do jornalismo cultural), praticamente silencia sobre sua produção literária. “Uma coisa [mais] minha”, classifica. À mesma maneira “low-profile”, também distribui suas realizações entre poucos (e bons) leitores. Ainda que da mesma geração de escrevinhadores internéticos, histéricos e até militantes (em suas blagues e em seus blogs), Michel Laub não se mistura e nem está preocupado em ser reconhecido como parte de uma “geração”. No que está absolutamente certo. Sua literatura (sim, ele faz literatura – ao contrário de muita gente...) não padece de nenhum dos clichês da de seus contemporâneos. “Longe da água” (Cia. das Letras, 2004), seu mais recente romance, é corretíssimo na linguagem (sem quaisquer experimentalismos); trata os temas com elegância (nunca vai entrar em detalhes sobre sexo e violência, por exemplo); e deixa uma funda impressão no leitor (em pouco mais de 100 páginas), pois seus personagens são de carne e osso. Laub não exorciza as frustrações de uma vida fracassada; não tem ambições de “social climber”; e quer falar para adultos (e não para adolescentes ouvintes de Charlie Brown Jr.). Essa é a diferença. Se alguém não está apto a captar essas sutilezas, melhor desistir agora. Tudo começa com duas histórias paralelas: a do narrador e a de Laura. Ambas naturalmente se cruzam, por culpa de Jaime: o jovem namorado de Laura e, por um tempo, o melhor amigo do narrador-protagonista. Uma fatalidade separa o trio e – muitos anos depois – Laura e o narrador vão se reencontrar em São Paulo, para onde seguem em busca de trabalho. Ela é uma artista gráfica à procura de emprego fixo e ele, um pouco mais experiente, já estabelecido como “faz-tudo”em uma pequena editora, fornece-lhe a oportunidade. Eles se reaproximam, e num misto de admiração e traição a Jaime, começam um namoro e uma vida em comum. Uma segunda fatalidade separa-os. Não é um enredo complicado (como se vê), e a beleza está justamente – comme il faut – nas entrelinhas. Michel Laub descreve, habilmente, os “anos de formação” do narrador-personagem: suas inseguranças; seus talentos; suas desgraças; e seus triunfos. Não cai na tentação fácil da autobiografia (nesse aspecto, está a anos-luz de seus colegas ao redor dos 30...). Se já se nutria simpatia pelo contido editor da “Bravo!”, o romancista pode e deve conquistar um lugar na estante de preferências do leitor mais sofisticado. [Comente esta Nota]
>>> Longe da água - Michel Laub - 120 págs. - Companhia das Letras
 



Além do Mais >>> Maestros Mecânicos
Nos anos 1990, quase todo mundo ouviu falar do Sepultura. O grupo mineiro de rock pesado que chegou ao 19º lugar da parada inglesa com a faixa “Roots Bloody Roots” (1996). Seus CDs venderam milhões ao redor do globo, eles se tornaram “a” referência e participaram dos principais festivais musicais da época (nem sempre como “banda de abertura” mas também como “headliners”). Em comparação, nos anos 2000, pouca gente ouviu falar dos DJs brasileiros no exterior. Quase ninguém soube, por exemplo, que uma faixa do DJ Xerxes de Oliveira (XRS) desbancou o antigo êxito do Sepultura (“LK”, montada a partir de uma versão de “Carolina Carol Bela”, de Jorge Ben e Toquinho, chegou à 17ª posição nas “charts” da Inglaterra). Nem que o DJ Marky tem “torcida organizada” nos principais clubes de Londres, sendo tratado como celebridade à altura dos nossos mais famosos jogadores de futebol. Ou então que o DJ Anderson Noise (da mesma Belo Horizonte dos Irmãos Cavalera) é apontado hoje, pelos mais festejados disc jockeys do planeta, como a futura revelação da música eletrônica. Pois é: por essas e por outras que todo mundo precisa ler “Todo DJ Já Sambou” (Conrad, 2003) de Claudia Assef – um dos sucessos editoriais (leia-se: edição esgotada) do ano passado. Nele, a autora viaja no tempo até a pré-História dos disc jockeys nacionais. Seu Osvaldo, um técnico em eletrônica, atualmente com quase 70 anos, deu a partida com sua Orquestra Invisível, lá no final dos anos 50. (Sim, a “discotecagem” é tão velha quanto a bossa nova.) Foi seguido pelos mais variados tipos. Pelo Big Boy, o tal “Hello, Crazy People”, que é uma das estrelas do “Noites Tropicais” de Nelson Motta. Pelo Mister Sam, um argentino vivíssimo, que até os anos 80 apresentava o “Realce” (da ex-TV Gazeta) e que teve a idéia de produzir a primeira rainha das pistas brasileiras: a Gretchen. Claudia Assef passa, obviamente, pelo Frenetic Dancing Days, nos anos 70, e amarra a sua existência à das danceterias na década seguinte (Toco e Overnight, para citar apenas duas). Segundo ela, os DJs catapultaram igualmente o sucesso do Rock BR – recriando hits que estouraram como “Louras Geladas” (do RPM, aprimorada pelos DJs Grego, Iraí Campos e Julinho Mazzei). Os anos 90 seriam de sujeitos como Mau Mau, Memê (o parceiro de Lulu Santos) e Mauro Borges (no Massivo e no Que Fim Levou Robin?, pai do “brazilian drum’n’bass”). Já os anos 2000 seriam da consagração mundial, do Skol Beats e da elevação do DJ ao patamar de artista (sem esquecer das contribuições, a tudo isso, do Hell’s Club, do Mercado Mundo Mix e da “Noite Ilustrada” de Erika Palomino). É uma história e tanto – e o “samba”, que Assef dançou para produzir o volume, trouxe à luz um capítulo da adolescência e juventude de muita gente. [Comente esta Nota]
>>> Todo DJ Já Sambou - Claudia Assef - 260 págs. - Conrad
 



Música >>> Entertainer
João Carlos Assis Brasil informa que gravou “Todos os Pianos” (Biscoito Fino, 2004) em menos de duas sessões. Donde, podemos concluir que gravou tudo em uma única sessão. Em “uma sessão e meia”, talvez? O fato é que percorreu o cancioneiro da humanidade no século XX – e antes, e depois. São 11 suítes, mais um prelúdio e uma valsa. Começa com Ernesto de Nazareth: “Brejeiro”, “Odeon”,... Termina com os clássicos: Tchaikowsky, Paganini, Chopin, Brahms e Rachmaninoff. Sim, consegue ser mundano também: com Nino Rota (“Amacord”, “Noites de Cabíria”,...) e com Michel Legrand (“Summer of 42”). Ou, ainda, com Gershwin (“S’ wonderful” e “Rhapsody in blue”) e Cole Porter (“I get a kick out of you” e “Love for sale”). Mas chega de exemplos – é a trilha sonora de quem passou pela Terra nos anos 1900s, e sobreviveu a eles. O único problema, justamente, é a abrangência desse mesmo repertório. Podemos quase apostar que João Carlos Assis Brasil tem dificuldade em se impor entre os “eruditos” (por não ser tão erudito quanto eles), e que tem também pouca aceitação entre os “populares” (por não ser, obviamente, tão popular quanto esses – apesar da elasticidade, hoje, do termo). O potencial ouvinte não deve se intimidar, porém. São “Todos os Pianos” e é, ao mesmo tempo, um piano só – que atravessa o disco inteiro. A unidade, malgrado tão díspares temas, fica por conta dele (desse piano único). Se alguém se perder, João Carlos Assis Brasil fica em família gravando Victor Assis Brasil (seu irmão gêmeo – autor daquela valsa e daquele prelúdio). Arrisca, para não sair do clã, até um “Improviso” de sua autoria (João Carlos Assis Brasil). O piano ainda é a porta de entrada para a melhor música que já se fez (Bach, Mozart, Beethoven... e os que se seguiram a eles). Ter uma gravação como essa, em terras brasileiras, já é uma benção pela qualidade técnica – agora imagine quando o repertório ajuda... Sai “Todos os Pianos”. [Comente esta Nota]
>>> Todos os Pianos - João Carlos Assis Brasil - BF | Somlivre.com
 
>>> CHARGE DA HORA: "CNN LATEST NEWS" POR DIOGO



Clique aqui para ver outras charges no diogosalles.com.br


>>> EVENTOS QUE O DIGESTIVO*** RECOMENDA
(CN - Conjunto Nacional; VL - Shopping Villa-Lobos)


>>> Cafés Filosóficos
* A instância do livro no inconsciente - Gérard Haddad
(3ª f., 20/4, 19h30, CN)

>>> Palestras
* Contracepção e Sexualidade no Brasil - Dr. José Bento de Souza e Prof. Elsimar Coutinho (5ª f., 22/4, 19hrs., VL)

>>> Noites de Autógrafos
* Longe da água - Michel Laub
(2ª f., 19/4, 18h30, CN)
* Diretas Já - Domingos Leonelli e Dante de Oliveira
(2ª f., 19/4, 18h30, CN)

>>> Shows
* Música das Nações - Quaternaglia
(2ª f., 19/4, 20hrs., VL)
* Charleston e Boogie Woogie - Traditional Jazz Band
(6ª f., 23/4, 20hrs., VL)
* Espaço Aberto - Rogério Botter Maio
(Dom., 25/4, 18hrs., VL)

** Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos: Av. Nações Unidas, nº 4777
** Livraria Cultura Conjunto Nacional: Av. Paulista, nº 2073

*** a Livraria Cultura é parceira do Digestivo Cultural

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VIP WANESSA CAMARGO Nº 201
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2002)
R$ 8,00



COMENTÁRIOS AO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL - VOL. I - ARTS. 1 A 153
CELSO AGRÍCOLA BARBI
FORENSE
(2008)
R$ 80,00



A ARTE DE VENDER IMÓVEIS
ANGELO MARTINS
NÃO CONSTA
R$ 18,00



CURSO DE PROCESSO PENAL VOLS. 1, 2, 3 E 4
HERÁCLITO ANTÔNIO MOSSIN
ATLAS (SP)
(1998)
R$ 19,82



CONVERGÊNCIAS PORTUGUÊS 9º
PASSOS, DANIELA OLIVEIRA
SM
(2016)
R$ 25,00



SELEÇÕES DO READERS DIGEST DE SETEMBRTO DE 1962
TITO LEITE REDATOR CHEFE
YPIRANGA
(1962)
R$ 7,00



DANIEL MARTIN
JOHN FOWLES
NEW AMERICAN LIBRARY
(1977)
R$ 8,38



OS CONSTRUTORES DO MUNDO - BALZAC; DICKENS... - CAPA DURA VERDE
STEFAN ZWEIG
GUANABARA
R$ 13,00



MODERNA PLUS QUÍMICA 1 QUÍMICA NA ABORDAGEM DO COTIDIANO
FRANCISCO MIRAGAIA PERUZZO / EDUARDO LEITE DO CANT
MODERNA
(2015)
R$ 9,00



SINOPSES JURIDICAS -DIREITO OBRIGAÇÕES PARTE GERAL
CARLOS ROBERTO GONÇALVES
SARAIVA
(1999)
R$ 10,00





busca | avançada
71522 visitas/dia
1,4 milhão/mês