Digestivo nº 262 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
38458 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 20/1/2006
Digestivo nº 262
Julio Daio Borges

+ de 3200 Acessos
+ 2 Comentário(s)




Música >>> Long Haired Child
Envolto numa aura de mistério quase até o final do ano passado, Devendra Banhart só podia ser encontrado – em português – no universo dos podcasts. Guilherme Werneck foi o primeiro; seguido, em Portugal, por Edgard Costa. Só, muito depois, veio o Estadão (com uma daquelas matérias “de divulgação”, feito release, bem mastigadinhas...). A primeira audição do cantor e compositor provoca uma estranheza ímpar. Afinal, Devendra tem uma voz envolvente (isso ainda existe?), canta em vários idiomas com desenvoltura e liquefaz gêneros sem que possamos identificar suas fontes de inspiração. Seu único defeito – grave – é gostar demais de Caetano Veloso. Mas, por Cripple Crow, lançado nos Estados Unidos no ano passado, está perdoado. Como sabe qualquer vendedor de discos no Tio Sam (isso ainda existe?), Devendra Banhart se situa numa faixa perdida entre os anos 60 e 70. Veio da mesma espaçonave através da qual desembarcaram, no começo – quando ainda eram bons –, Lenny Kravitz (Let Love Rule, 1989) e Black Crowes (Shake Your Money Maker, 1990). Outra referência, talvez possível, seja o poliglota Manu Chao – mas Devendra não é nem tão chato, nem tão enjoativo a longo prazo. Nem tão pop (espera-se). Reza a lenda que ele viveu na Venezuela e que andava meio perdido, com seu violão, pelas ruas de São Francisco, quando foi “descoberto” por uma gravadora (isso ainda existe?). O pessoal da YGR, que o lançou, trata-o com reverência e considera-o – isso ainda existe? – um artista. (Eu sei que você não acredita, mas vai acreditar quando escutar.) Devendra Banhart é quase ingênuo em expor-se tanto em seus álbuns. Seus discos “transpiram”. São relíquias de um tempo pré-majors do disco... Que ele pule então esse capítulo; saltando logo para o iTunes. E que cure, no processo, o autor de "Leãozinho". [Comente esta Nota]
>>> Devendra Banhart
 



Literatura >>> Metafilosofia e ficção
O que esperar da autobiografia de um filósofo? Tirando Santo Agostinho, que inaugurou o gênero – e ainda de lambuja “inventou” a psicologia – com suas Confissões, e Bertrand Russell, com sua alentada obra homônima em três volumes, ninguém sabe o que esperar de uma biografia filosófica. Mas ela floresceu, como gênero, justamente... no século da biografia, o XX. (A moda de falar de si não começou na internet.) O fato é que, recentemente, Colin McGinn arriscou-se na aventura, com A construção de um filósofo, pela Record, em 2005. Os títulos dos capítulos são inspiradores, abordando, por exemplo, a intimidante filosofia da linguagem de Wittgenstein, e outros temas tão ou mais elevados. A quarta capa ostenta o elogio de Stephen (deve ser “Steven”) Pinker e o apoio do – depois vamos saber – “amigo” Oliver Sacks. E, realmente, McGinn começa bem, revelando seus dilemas entre a psicologia e a filosofia, explorando sua relação tensa com Oxford e transformando argumentos cabeludos, como o da existência do mundo exterior, em palavras simples, fáceis de processar. Acontece, porém, que a vida pessoal de McGinn é muito árida em termos de relacionamentos e, por mais que nos interessemos por filosofia, ficamos esperando de aconteça alguma coisa. Logo nas primeiras páginas, ele deixa sugerida a sua homossexualidade, mas... mesmo assim... Parece que para compensar, no final, McGinn cai na frivolidade e precisa falar – embora não haja nenhum interesse filosófico nisso – que conheceu, numa festa, Brad Pitt e sua então esposa Jennifer Aniston. O que há de instigante, numa existência filosófica, provavelmente está lá, mas Colin McGinn podia ter falado mais de si e, ao mesmo tempo, nos poupado de seu momento Contigo. [Comente esta Nota]
>>> A construção de um filósofo - Colin McGinn - 266 págs. - Record
 



Gastronomia >>> O Conselheiro também come fast-food
O hambúrguer sobreviveu a Super Size Me, o documentário de Morgan Spurlock? Parece que não incólume. O McDonald’s, principal alvo do documentarista norte-americano, diz que não, que nada mudou, mas lançou logo um cardápio de saladas e divulgou a tão exigida tabela de calorias nas lojas. Algumas andaram fechando, por exemplo, em São Paulo e algumas outras – do Burger King – andaram abrindo. (Na Itália, o Mac perdeu a guerra para uma... padaria.) É antiga a disputa entre as duas cadeias de sanduíche, nos Estados Unidos, por menos calorias e por uma dieta mais saudável. Saudável? Já por estas bandas, Sergio Arno, o chef que virou franquia, andou colocando sua assinatura no General Prime Burger. Não deixa de ser hambúrguer, mas entra na categoria “luxo” – pelo exotismo e só. Ou nem isso: qualquer coisa que queria ser tendência hoje em dia, no Brasil, deixa de lado a – outrora na moda – palavra “trend” e adota rapidamente o termo “prime”. Já reparou? “All you need is love”... (A propaganda: no rádio e na televisão.) Mas... na contracorrente do sanduíche de mainstream, está o (ou “a”) Engenharia do Hambúrguer. O nome assusta um pouco. O que pensar? Cheeseburger com ISO 9000? Alfaces recolhidas, para o cheese-salada, na base da ISO 14000, a certificação ambiental? Fordismo? Taylorismo? Linha de montagem de sanduíches? Nada disso. Apenas uma lanchonete singela, como nos velhos tempos, no bairro do Campo Belo. Lembrando, talvez – antes da consagração –, a incipiente rede Stop Dog (que de “dog” não tinha nada), nos anos 90. Ou o Chicohamburguer, na avenida Ibirapuera, nos anos 80 e antes. A Engenharia do Hambúrguer está lá, low-profile. O dono deve ser engenheiro... Soa como uma boa justificativa. Que o engenheiro hamburguês, então, mantenha a mesma discrição, acertando no marketing tanto quanto acerta no nome da hamburgueria. [Comente esta Nota]
>>> Engenharia do Hambúrguer - Rua Pascal, nº 968 - Campo Belo - Tel. 5042-0307
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/1/2006
15h30min
Uma boa sugestão de autobiografia filosófica é o livro "Confissões de um Filósofo", de Bryan Magee, editado no Brasil pela Martins Fontes. Foi um dos livros que lí com vontade duas vezes em menos de um ano.
[Leia outros Comentários de Fabiano Caruso]
21/1/2006
12h27min
As vezes leio e releio certas matérias e fico pensando na capacidade humana de criticar obras musicais. Existe bom gosto e mau gosto, existe "a gosto do freguês"... Não sei bem onde certas opiniões querem chegar. Mas continuarei lendo até compreender melhor.
[Leia outros Comentários de Clovis Ribeiro]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O QUARTO PROTOCOLO
FREDERICK FORSYTH
RECORD
(1984)
R$ 12,60



BLACKEST NIGHT - BLACK LANTERN CORPS VOLUME ONE
JAMES ROBINSON/ PETER J. TOMASI/ ED BENES
DC COMICS
(2010)
R$ 130,00



A AGRESSÃO COMO OPORTUNIDADE - 1ª EDIÇÃO
RÜDIGER DAHLKE
CULTRIX
(2015)
R$ 44,95



O GRANDE JOGO DE BILLY PHELAN
WILLIAM KENNEDY
COSAC & NAIFY
(2009)
R$ 30,00



SAVAGE DRAGON - UNIDOS
ERIK LARSEN
MYTHOS / IMAGE
(2012)
R$ 22,41



AS ORIGENS DA GLOBALIZAÇÃO DA ECONOMIA
JACQUES ADDA
MANOLE
(2004)
R$ 8,79



MORCEGO CEGO
GILVAN LEMOS
RECORD
(2000)
R$ 4,00



ASPECTOS FUNDAMENTAIS DAS MEDIDAS LIMINARES
REIS FRIEDE
FORENSE UNIVERSITÁRIA
(2002)
R$ 80,00



OS SEIS LIVROS DA REPÚBLICA - LIVRO TERCEIRO - 1ª EDIÇÃO - COLEÇÃO ...
JEAN BODIN
ÍCONE
(2011)
R$ 35,78



OURO PRETO - MINAS GERAIS
WARLEY ROBERT PEREIRA
GOVERNO DE MINAS GERAIS
(1999)
R$ 19,83





busca | avançada
38458 visitas/dia
1,4 milhão/mês